História Your Guardian Angel - SwanQueen - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Capitão Killian "Gancho" Jones, David Nolan (Príncipe Encantado), Emma Swan, Lacey (Belle), Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Sr. Gold (Rumplestiltskin), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Emma Swan, Once Upon A Time, Regina Mills, Swanqueen
Visualizações 217
Palavras 1.883
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, FemmeSlash, LGBT, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olha eu de novo hoje, pessoas. Capítulo de Your Guardian Angel fresquinho aqui. Espero que gostem e perdoem meus erros.

Capítulo 6 - Confusão Em Plena Manhã


 – EMMA! – Pulei do colchão rapidamente e o edredom se prendeu em minha perna, o que me fez ir contra o chão. Ouvi a risada de minha melhor amiga ao meu lado e revirei os olhos, grunhindo em dor.

– Puta que pariu, Luccas! – Levei as mãos até as minhas têmporas e as massageei com a ponta de meus dedos, buscando paciência. Ruby ainda gargalhava compulsivamente. – Não ria! Idiota.

– V-você p-precisava v-ver s-sua c-cara. – Pousou uma de suas mãos na barriga enquanto tampava sua boca com a outra mão, tentando conter as risadas. – F-foi h-hilário, a-amiga.

– Ha ha ha, Ruby. Você è muito engraçada. – Debochei, me levantando do chão frio e me jogando sobre a cama. Bufei, frustada por ter sido acordada cedo duas manhãs seguidas pela minha melhor amiga. – O que faz aqui, mulher? Pensei que só nos veríamos no Ano Novo.

– Sabe, estava com saudades de você. – Arrastou sua voz manhosamente. Ergui minha cabeça para encará-la em descrença e ela suspirou. – Ok, lá em casa está sem comida por conta de ontem e nós viemos aqui para assaltar a sua geladeira.

– Se arrependimento matasse, eu já estaria debaixo de sete palmos do chão. – Murmurei. – Não sei o motivo de ter te dado a chave de meu apartamento.

– Deixe de chatice, Swan. Você me ama. – Neguei com a cabeça ao ouvir aquela oração e Ruby jogou o meu travesseiro contra o meu rosto. – Ridícula.

– Espera… Quem è "nós"? – Perguntei, sentando-me na cama e fazendo aspas com as mãos, e Ruby me fitou como se perguntasse: "Isso è sério?"

– Óbvio que è a Zelena. Quem mais eu traria para a sua casa, Em? – Dei de ombros.

– Tecnicamente, você nem deveria estar aqui em minha casa numa hora dessas, Luccas. Mas eu abro uma exceção. – Ela estendeu sua língua para fora e eu retribuí o gesto. Pareciamos duas crianças.

– O CAFÉ ESTÁ PRONTO! – A voz suave de Zelena adentrou meus tímpanos e logo um aroma de panquecas com calda de caramelo invadiu meu ser. A comida de Zelena era, sem dúvidas, uma das sete maravilhas do mundo. Ficando apenas atrás da de minha mãe, è claro.

Saltei de onde estava sentada e apanhei um conjunto simples de moletom em meu guarda roupa. Avisei a Ruby que iria tomar banho e entrei no banheiro de meu apartamento, fazendo minha higiene pessoal. Assim que saí do banheiro, segui até a cozinha, onde as minhas amigas se encontravam, e me sentei em uma das cadeiras. Zelena me entregou o prato com o alimento e eu sorri animadamente.

– Obrigada, Lena. – Ela piscou, voltando para a pia do cômodo. Cortei um pedaço da panqueca, levando-o até minha boca, e abocanhei a comida, fechando os olhos para aproveitar o sabor. – Sua comida è maravilhosa. – Disse em um suspiro.

– Valeu, Em. – Agradeceu, lavando suas mãos e as secando com um pano de prato. A Mader se sentou junto de nós e, assim que colocou um pouco de café numa xícara qualquer, começou a comer também. – A noite ontem foi ótima. Só faltou você.

– Desculpem-me mais uma vez por não ter ido, gente. – Pedi, criando um pequeno biquinho em meus lábios.

– Não se preocupe por isso, Swan. Se não foi nessa, será na próxima. Mas, que você perdeu a diversão, você perdeu. – Ruby falou, bebericando um pouco de seu café.

– AMME? – Regina entrou no cômodo de repente e os olhos das duas mulheres presentes se arregalaram em surpresa. "Oh, merda. Eu esqueci da Regina." – Ah, me perdoe. Não sabia que haviam visitas.

– Emma Swan Blanchard Nolan! – Encolhi meus ombros ao ouvir a voz de repreensão da Zelena. – Você deixou de ir em nossa casa ontem para transar?!

– QUÊ? NÃO! Zelena, eu… – Fui interrompida pela minha outra amiga, que estava paralisada até o momento.

– Emma, você è lésbica? – Ruby perguntou um pouco mais calma que Zelena. Neguei freneticamente com a cabeça e, quando eu tentei falar, fui cortada mais uma vez.

– Oh, meu Deus, Emma. E o que essa desconhecida faz aqui? Com as suas roupas? Não me diga que não rolou nada ontem a noite. – Zelena se exasperou, pousando suas mãos em cabeleira ruiva. Virei meu olhar para Regina, que se mantinha parada na entrada da cozinha. Ela estava encolhida contra a parede, calada, enquanto engolia em seco. Decidi intervir, ou a morena ficaria ainda mais assustada.

– CHEGA! – Bati minhas mãos contra a mesa, assustando-as. Ruby e Zelena logo se calaram, analisando minha expressão nervosa. – Eu não irei conseguir responder com vocês me enchendo a paciência dessa maneira! Tenham calma! – As duas se encararam numa rápida troca de olhares e voltaram as atenções para mim. – Posso falar agora? – Assentiram relutantes. – Ótimo.

Expliquei o que aconteceu nos últimos dois dias e falei sobre a origem da magia de Regina, vendo a mesma corar enquanto eu contava a história. Ruby e Zelena permaneceram quietas o tempo inteiro, e isso estava me deixando apreensiva. O silêncio delas nunca è algo bom.

– Você está querendo me dizer que essa garota aqui possui poderes? È sério? – Zelena ironizou a pergunta, apontando para a Regina, que ainda se encontrava na porta da cozinha. – Emma, você acha que eu tenho cara de imbecil?

– Não sei. Você tem? – Brinquei, tentando disfarçar meu nervosismo, e recebi uma encarada séria da ruiva. – Desculpa.

– Mas vocês transaram, ou não? – Ruby interviu. Zelena desviou seu olhar para a Luccas, fitando-a da mesma forma que me fitou segundos antes.

– Ruby! Que parte da história você não entendeu?! Não transamos não. – Exclamei, já perdendo o resto de calma em mim. Aquela cena era um tanto embaraçosa. Regina caminhou até mim e se colocou ao meu lado.

– Você não ouviu ela dizer que essa mulher possui magia? – Zelena debochou. – Não sei que drogas ela te deu, Swan, mas você foi longe demais. Magia? Isso não existe e… – Mader se calou, arregalando os olhos, assim que Regina criou uma bola de energia na palma de sua mão. A magia logo dissipou e a Mills mirou meus olhos, sorrindo travessa. "Que atrevida." – E-ela? C-como? O-oque h-houve?

– Uau! Que foda! Como sabe fazer isso? – Ruby se levantou da mesa, vindo até Regina. Ela segurou as mãos da morena, olhando-as admirada. – Me ensina?

– Ruby, não è algo que pode ser ensinado, eu já disse. Ela recebeu por conta dos experimentos que fizeram com a mãe dela durante a gravidez. – Revirei os olhos ao ver Ruby fazer um bico desanimado. Regina riu. – Criança.

– Espera, espera, espera, vocês acham isso normal? – Fitamos Zelena, que parecia já ter saído do transe. – Ela tem magia, Emma. Magia! Sabe o que isso significa?

– Que ela è uma humana, e que a única coisa que a diferencia de nós è a capacidade de mover algo sem nem tocar no objeto. – Rebati minha amiga.

– Ela pode te machucar! Como pode confiar em alguém como essa mulher? – Regina se encolheu ao meu lado, se escondendo detrás de mim. – Por que você acha que ela foi presa durante todos esses anos? Por não ser perigosa è que não foi.

– Zelena, fique quieta. Você escutou muito bem quando eu disse o motivo dela ter sido levada. Não a julgue dessa maneira. – Disse duramente.

– Ótimo. Agora eu sou a vilã. – Murmurou, se levantando da cadeira que estava sentada. – Eu não me importo se algo ruim acontecer com você. Apenas não diga que eu não avisei. – Mader apanhou seu casaco verde, que estava pendurada na cadeira não qual se sentou minutos antes, e se retirou da cozinha, batendo a porta da frente segundos depois.

– Eu vou falar com a Zel. – Ruby falou. Assenti, recebendo um abraço da mesma e, em seguida, um beijo no topo de minha cabeça. – Tchau, Emma. Tchau, Regina. Foi um prazer conhecê-la.

– O prazer è todo meu, Ruby. – Regina sorriu sincera, porém parecia estar envergonhada por conta das rudes palavras de Zelena. Ruby a abraçou também e seguiu para a saída de minha casa. Assim que eu ouvi a porta da frente se fechar, suspirei pesadamente, sendo encarada por Regina. – Desculpe. Acho que assustei sua amiga.

– Desculpe-me eu pelas palavras dela. – Apressei em dizer. – A Zelena è assim na maioria das vezes. Super protetora. Tudo que, no ponto de vista dela, seja uma ameaça para nós duas, ela faz questão de tomar a frente e nos defender com presas e garras. Mas não se preocupe, a ruiva vai se desculpar. Conhecendo aquela mulher, a consciência dela irá pesar até ela chegar ao ponto de vim pedir desculpas.

– Eu realmente espero que eu consiga a confiança dela. Não será nada saudável eu não ter uma relação boa com suas amigas enquanto estiver morando aqui. – Riu fraco.

– A Ruby você já conquistou, disso eu não tenho dúvidas. – Sorri acolhedora. Me sentei em minha cadeira novamente e a chamei para se sentar comigo. – Vem, senta aqui. Vamos tomar café e assistir algo legal nessa manhã de Natal. – Regina fez o que eu pedi e nós duas nos alimentamos das panquecas feitas pela minha amiga.

[…]

O som da campainha se fez presente na sala e eu me levantei do sofá para atender. Eu estava assistindo um programa qualquer na televisão enquanto esperava Regina sair do banheiro para assistirmos o filme. Vi quem era pelo olho mágico e abri a porta em seguida, avistando minha amiga, que tinha uma expressão séria no rosto.

– Posso entrar? – Dei espaço para a mesma entrar e a Mader fez a ação, parando no centro da sala. Fechei a porta, girando meus calcanhares para fitá-la. – Desculpe. Percebi que fui rude demais com a Regina. Ela não merecia tanta grosseria que recebeu de mim.

– Está tudo bem, Lena. Entendo que você estava preocupada comigo. Sendo sincera, eu consegui ser ainda pior que você quando descobri sobre a magia dela. – Encostei meu corpo na porta, deitando minha cabeça no objeto de madeira.

– Estamos bem? – Indagou apreensiva. Sorri com a sua apreensão.

– Estamos ótimas, amiga. – Ela pareceu soltar a respiração presa em seus pulmões e retribuiu meu sorriso. Regina adentrou a sala e seus olhos se arregalam ao dar de cara com a Mader.

– È… Vou deixar vocês conversarem. – A Mills ameaçou se retirar, contudo a ruiva a impediu.

– Regina? – A morena a olhou. – Me desculpe por mais cedo. Fui insensível com você sem nem ao menos te conhecer direito. Disse coisas ridículas. – Zelena cruzou os braços.

– Nem precisava se incomodar, Zelena. È claro que eu te desculpo. – Regina soltou uma risada doce. – As pessoas constuman ter medo do que è estranho, e convenhamos que não è normal alguém com poderes, hum?

– Sim, você está certa. Bom, era só isso. Preciso ir agora. Tenho que aprontar os preparamentos do pedido de casamento que farei ao Robin. Aliás, obrigada pela ideia, Em. – Olhou-me. – Não tinha pensado nisso.

– Sempre que precisar, Zel. – Acenei, me desvencilhando da porta. Zelena se despediu de nós duas e se retirou de meu apartamento. Encarei Regina, gargalhando. – Viu só! Eu te disse que ela se desculparia mais cedo ou mais tarde.

– Realmente. – A Mills gargalhou também.

– Que filme quer assistir? – Perguntei, me jogando no sofá. Ela se colocou ao meu lado, cruzando suas pernas sobre o sofá.

– Tanto faz. Contanto que seja divertido. – Deu de ombros.


– Já ouviu falar de "O Rei Leão"? – Negou com a cabeça. – Ótimo. Então agora você assistirá. Se prepare para chorar com esse filme e viciar nas outras animações da Disney. Te garanto que você irá amar.


Notas Finais


Gostaram? Próximo capítulo tem ano novo e coisas inéditas. As coisas vão esquentar.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...