História Your Heart - Vkook - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Jeon Jungkook, Jungkook, Kim Taehyung, Taekook, Vkook, Yaoi
Visualizações 348
Palavras 1.535
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa Leitura! ^^

Capítulo 26 - Pedido


Fanfic / Fanfiction Your Heart - Vkook - Capítulo 26 - Pedido

“O medo de sofrer é pior do que o próprio sofrimento. E que nenhum coração, jamais sofreu quando foi em busca de seus sonhos.”

Taehyung P.O.V’s

     Foram exatos trinta dias no hospital, parece muito tempo, mas é necessário se manter em um local esterilizado pelo período de um mês. Passei por vários exames, e todos acusaram a mesma coisa, estava tudo normal, poderia voltar aos poucos minha vida ativa, praticar meus esportes, voltar ao colégio, terminar meu último ano, assim me ver livre para uma universidade. E o melhor de tudo isso, já sou maior de idade, e posso viver livremente com aquele que hoje se tornou, inteiramente dono de meu coração.

     Jungkook foi quem me acompanhou quando tive alta, uma enfermeira fez questão de me empurrar, em uma cadeira até o estacionamento, mesmo afirmando que aquilo não seria necessário. Depois de tanto tempo, senti o calor da luz solar batendo contra minha pele, iluminando a mesma que já se encontrava palia, por me manter longe por este período. Meu agora namorado, me acomodou em seu carro, colocando meus pertences no porta-malas. Não via à hora de chegar a casa, contar cada segundo para pisar no lugar onde fui criado.

     Durante meu período de internação, meus pais me visitavam com freqüência, e Jungkook era o único a estar ao meu lado, quase vinte e quatro horas diárias. Sempre que conseguia folga em sua agenda de atendimento, corria para meu quarto, me animando com suas piadas e casos de seus pacientes mais loucos. Neste período pude conhecer melhor dois de seus amigos, Min Yoongi que é um neurocirurgião do hospital, e Park Jimin, seu noivo, e médico responsável pela oncologia pediátrica. Jimin e eu nos tornamos bons amigos, apesar da diferença de idade, já que ele tem a mesma idade de meu namorado.

     O carro parou em frente minha casa, e pude respirar aliviado ao ver o jardim, tão bem cuidado como sempre. Achei estranho não encontrar minha mãe ao lado de fora, dando ataque de histeria por ter seu caçula de volta em casa, mas entendi o motivo, assim que girei a maçaneta. Estavam todos ali presentes, meus pais, Namjoon e Seokjin, que assumiram o relacionamento uma semana depois de minha cirurgia, Jimin e Yoongi também estavam ali, Junghyun, e alguns amigos de colégio. Mas sem dividas a presença mais ilustre, foi a de Hoseok e seu marido. Sorri abertamente para ambos, não me sentia mais abalado quanto a minha escolha.

      Entrei abraçando a todos, Jungkook sempre se mantendo ao meu lado, vez ou outra, lhe encarava de relance, seus olhos vidrados no canto onde Hoseok estava sentado, mesmo que o garoto não estivesse me encarando. O que Jeon tem de ciumento, ele tem de insegurança. Aproveitei que estavam todos distraídos, e o puxei para meu quarto. Assim que entramos, o prensei contra a porta, minha força não era tanta por conta dos medicamentos que ainda era obrigado a beber, mas era o suficiente para fazer suas costas bater contra a superfície de madeira.

     -Está com ciúmes de Hoseok, Daddy? –Aproximei minha boca a do mais velho, vendo seus olhos se abrirem lentamente. –Terei de provar que sou apenas seu?

     -Não estou com ciúmes, eu me garanto. –Suas mãos vieram para minha cintura.

     -Tem certeza? Estava quase o fuzilando com os olhos, e olha que ele estava encarando apenas o marido. –Gargalhei com sua expressão de espanto.

     -Ele é casado? Quero dizer, aquele cara é marido dele? –Prendi o riso por sua confusão, apenas selei nossos lábios por um breve segundo.

     -Ciumento. –Sorri, tentando me afastar.

     Jungkook inverteu nossas posições, me jogando contra a porta, mas sua força não foi tão bruta como a minhas, ele ainda tinha medo por conta da recente cirurgia, mas posso jurar, que meu namorado está tão carente quanto eu. Estamos a pouco mais de um mês sem passarmos uma noite juntos, tudo por uma recuperação boa, por medo que o mais velho tinha, de me ver sentido dores. Jeon não queria ceder às minhas vontades, resistiu a todas as minhas provocações em nossa ultima noite no hospital. Nossos olhos estavam conectados, a tensão era palpável ali, então decidi provocá-lo, cerrando nossos lábios um ao outro.

     -Não provoca, Taehyung. –Sua voz saiu como um sussurro, ele estava se segurando para não me jogar sobre a cama, estava em seu limite, assim como constatei na noite anterior.

     -Ou o quê? –Nem precisei elevar o grau da provocação, para sentir minhas costas se chocarem contra o colchão macio.

     Seus lábios atacaram os meus, enquanto suas mãos mantinham minha cintura presa no lugar. Senti seu corpo se aproximar, e o contato de sua pélvis com meu abdômen, me fez perceber o quão duro ele se encontrava naquele instante. Confesso que havia ido longe demais, e não medi as conseqüências de termos visitas em casa, mas tudo estava tão bom, que naquele instante nada mais importava. Seus lábios desceram para meu pescoço, em um beijo quente, marcando a pele daquele local.

     Gemi arrastado, ao sentir sua ereção ainda coberta, se chocar com a minha, que começava a acordar dentro da calça jeans. Mesmo depois de tanto tempo parados, nossa paixão um tanto quanto quente, continuava a todo vapor. Senti seu corpo se chocar ainda mais, arrancando mais um de meus gemidos arrastados, por conta do atrito. Nossas respirações estavam falhas, mas não passaríamos dali, percebi por seu olhar sôfrego sobre meu rosto.

     -Continuamos mais tarde, na casa de campo. –Jungkook selou meus lábios, seguindo até o banheiro.

     -Quer minha ajuda aí? –Perguntei sugestivo, voltando a cair de costas sobre o colchão.

     Meu namorado ficou alguns minutos, trancado no banheiro, para resolver o tal “probleminha”. Jeon achou que eu não estivesse escutado, mas seus gemidos mesmo abafados pelas paredes, e possivelmente por seus dentes presos ao seu lábio inferior. Só queria ouvir esses sons ainda mais próximos aos meus ouvidos, mas deveria esperar anoitecer, e torcer pelas visitas irem embora rápido. Voltamos para a sala onde estavam, e esperamos que o almoço preparado por minha mãe, fosse servido.

[...]

     A comemoração por minha recuperação foi imensa, assim que todos foram embora, passei mais um tempinho com minha família, depois foi para minha outra comemoração, onde só estaríamos Jungkook e eu. Já havia anoitecido, e a estrada estava um tanto quanto escura, mas de longe deu para ver a pequena casa, iluminada pelos faróis do veículo. Jeon parou alguns metros antes, já estávamos na propriedade, mas um pouco distante da construção. Fiquei extremamente confuso, e meu namorado parecia nervoso com algo, talvez ainda estivesse com ciúmes, ou só casado das horas trabalhadas.

     -Jungkook, está tudo bem? –Destravei o cinto para encará-lo melhor, o maior apenas suspirou, me lançando um pequeno sorriso.

     -Abre o porta-luvas. –Ele disse indicando para o lado do pequeno dispositivo.

     Fiquei completamente confuso, mas resolvi acatar seu pedido. Acionei a trava, e a pequena gaveta se abriu, uma completa bagunça de documentos, e não sabia ao certo o que ele queria que eu encontrasse. Encarei novamente seu rosto, e seu sorriso de coelho ainda estava ali.

     -Procure. –Ele disse calmo.

     Coloquei minhas mãos entre os papeis, e dentre todos eles, encontrei um pequeno quadradinho. Era uma caixinha vermelha, abria a mesma com certa curiosidade, me deparando com um par de alianças, e em uma deles, havia um coração vazado.

     -Olha, sei que pode parecer rápido, que nos conhecemos há pouco tempo, mas tenho toda a certeza de que é você quem eu quero ao meu lado. –Seu tom estava sério, mas ainda mantinha meu olhar sobre o par de alianças a minha frente.

      -Jungkook, isso é... –O encarei por breves segundos, tentando segurar as lágrimas em meus olhos.

      -Aqui foi justamente o lugar onde pedi seu coração, e hoje... –Ele se virou para me encarar melhor. –Kim Taehyung, hoje eu me atrevo a pedir sua mão, e aí, aceita?

      Sorri deixando uma lágrima escapar. Coloquei a caixinha sobre o painel do carro, e pulei no colo do mais velho, enchendo seu rosto de beijos. Não esperava me casar após sair do colegial. Se me dissessem isso há um ano chamaria essa pessoa de maluca, mas depois de tudo o que passei, sobrevivi, lutei para amar novamente, abri meu coração para uma pessoa depois de tanto tempo, e essa pessoa mostrou ser merecedora de tudo aquilo, formar uma família se tornou meu maior sonho. O mais velho me encarava aflito, esperando impacientemente por minha resposta.

     -Sim! –Lhe dei um pequeno selar. –Claro que sim. –Outro selar. –Você sabe que já lhe pertenço. –Agora um beijo mais apaixonado.

     Senti seus dedos afundarem em minha cintura, enquanto sua língua invadia minha boca brigando por espaço. Era um beijo necessitado, tão necessitado quanto o de mais cedo em meu quarto. Percebi algo cutucar minhas nádegas, e lá estava ele, excitado novamente, mas não diferente de mim. Rebolei sobre seu colo, apenas para provocá-lo um pouco mais, então o senti puxar meu lábio inferior entre os dentes.

     -Acho melhor entrarmos, estou a fim de marcar cada parte do seu corpo. –O mais velho disse, sua voz saiu rouca próxima a meu ouvido.

     -Como eu disse, sou todo seu, Daddy! –Puxei o lóbulo de sua orelha entre meus dentes.

     


Notas Finais


AVISO: Está acabando, amores... ;-; Mais dois capítulos e o epílogo...

Beijos e até o próximo capítulo! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...