História Your name? - Time of the children - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Kimi no Na wa
Personagens Futaha Miyamizu, Hitoha Miyamizu, Katsuhiko Teshigawara, Miki Okudera, Mitsuha Miyamizu, Personagens Originais, Sayaka Natori, Shinta Takagi, Taki Tachibana, Toshiki Miyamizu, Tsukasa Fujii, Yotsuha Miyamizu, Yukari Yukino
Tags Drama, Drama Romântico, Família, Fantasia, Fantasia Científica, Ficção, Ficção Adolescente, Nova Geração, Romance, Your Name
Visualizações 21
Palavras 1.852
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oiê!

Aqui estou eu trazendo mais um cap pra vocês!

Não quis deixar ele confuso porque se não na hora de explicar até eu ficaria boiando...

Kkkkkkk.

É isso.

Espero que gostem e boa leitura...

Capítulo 2 - O QUE ESTÁ ACONTECENDO?!


Eu acordei com algumas gotas de orvalho que escorregavam das folhas mais próximas e batiam em meu rosto...

Eu estou acordei com meu despertador que tocava um som totalmente irritante e constante, acho que minha mãe colocou ele pra ter certeza de que eu vou acordar...

Agora deve ser seis e dez...

Eu sempre gosto de sentir o ar fresco que passa aqui no Santuário de Miyamizu...

Mamãe sempre me contou histórias de como ela e sua irmã gostavam de vir aqui para deixar seu kuchikamizake, mas, ela também me contou que sentia um pouco de vergonha quando ia prepara-lo pois as vezes colegas de escola dela iam lá para fazer gracinha...

Dei um suspiro, me levantei e peguei meu celular...

Ainda são seis e doze da manhã...

Está bem cedo...

Olhei para meu lado e percebi que meus pais ainda dormiam...

Devem estar ainda muito cansados...

Afinal, ontem fui muito divertido...

Nós viemos ao Santuário da família Miyamizu ontem para orar, pois, meus pais acham a data de hoje muito especial, eles  dizem que sentem que eles devem comemorar mas, não se lembram o porquê...

Tsc. Se fosse algo realmente importante eles pelo menos deveriam se lembrar...

Mas, eu não ligo se temos ou não temos motivos para vir ao Santuário pois eu amo vir aqui com meus pais, eles são bem ocupados em casa mas sempre arranjam um tempinho pra mim, um tempinho não; é bastante tempo, mas, quando nós vamos ao Santuário eu fico com tempo todo deles, cem por cento, e bem...

Nós conversamos, brincamos e nos divertimos bastante, minha vida é perfeita com meus pais e não tenho do que reclamar.

Não sei se em outras famílias os pais acham que porque o filho já tem dezessete anos, ele não quer a atenção deles e nem que eles fiquem mimando mas...

Todo mundo quer, não é mesmo?

-Eu não! Meus pais são insuportáveis! Eles só vivem falando de trabalho, trabalho e mais trabalho! Mesmo se eles tivessem tempo eu não queria que eles ficassem comigo! - gritei com Ryaio - Porque eles não arranjaram tempo antes?! É isso que vou perguntar a eles.

-Os pais são assim Ryo. Quando você for mais velho vai entender... - ele me disse olhando com o mesmo semblante calmo de sempre.

Eu odeio que ele fique sempre tão calmo, me irrita!

-Não! Quando eu for mais velho eu irei ter um filho e ficar com ele vinte e quatro horas por dia, pois eu sei o quanto que é ruim seus pais nem darem atenção pra você desde seus treze anos!

-Irmão, talvez, nossos pais pensem que por você já ter dezessete anos não precisa mais ficar te mimando...

-Mas e quando eu tinha treze?! Hein?! Eles também não me davam atenção!

-Mas é como eu já disse, eles acharam que não precisariam ficar te mimando! - ele disse comendo um pouco de Yakisoba.

Eu aqui precisando do auxílio dele e ele está calmo e ainda continua tomando seu desjejum?!

-Mimando não, mas, pelo menos vir a mesa me dizer bom dia! E não somente passar reto quando estiver saindo e falar apenas um tchau e ir pro trabalho! Aff! Como eu odeio minha vida!

-Ryo! Você não intende... - ele me olhou repreendedor.

-Não entendo mesmo! - bati na mesa - Quer saber? Perdi a fome. Vou estar no meu quarto. - me levantei e mesmo sabendo que meu irmão ainda estava falando algumas coisas fui para meu quarto o ignorando.

Ele não entende!

Ryaio já tem vinte anos! É claro que ele não vai me entender!

Ahhh!

Quer saber?!

Eu não ligo!

Me joguei sobre minha cama.

Minha cabeça já está começando a doer.

Droga...

Eu só queria que eles me entendessem, me dessem um pouco de atenção...

Eu queria ter outra vida!

Na minha outra vida eu quero ser alguém não importando o sexo mas, que tenha uma vida feliz! Que os pais o amém e dêem muita atenção! Porquê assim, talvez eu seja feliz!

Eu acho que vou esperar mais um pouco, ainda está cedo para descer até a cabana...

Eu vou...

Eu vou...

Dormir só mais...

Um pouco...

...

Eu acordei com algumas gotas de orvalho que escorregavam das folhas mais próximas e batiam em meu rosto...

Espera...

Me levantei. 

Papai e mamãe ainda estão dormindo?

Aquela hora em que fui deitar eram seis horas e doze minutos...

Agora é?

Peguei meu celular.

Agora são cinco horas?!

Como isso é possível?

Devo estar delirando...

Me deitei novamente a fim de tentar pegar no sono...

É eu devo estar delirando...

Eu estou acordei com meu despertador que tocava um som totalmente irritante e constante, acho que minha mãe colocou ele pra ter certeza de que eu vou acordar...

Mas, de novo?

Eu não me lembro de colocar o celular pra despertar além de seis e dez...

Quantas horas?

Seis e dez?!

Como assim? 

Eu dormi o dia inteiro e acordei no outro?!

Não... 

Impossível!

Eu me lembro de ter brigado com meu irmão e depois eu vim dormir...

O que está acontecendo?

Eu ainda devo estar dormindo...

É.

Deve ser isso...

Me deitei novamente afim de que quando acordasse tudo voltasse  ao normal,  mesmo sabendo que se fosse verdade deveria me levantar para ir tomar café...

Eu acordei novamente...

Olhei pro lado e me deparei com um enorme monte de roupas no chão...

-Mãe? - perguntei para ver se era ele quem havia jogado aquelas roupas no chão e se estava próxima, me sentei e coçei os olhos - O que você está... Ham?! - olhei em volta e eu estava dentro de um quarto totalmente bagunçado e minha mãe não estava lá.

-O que eu estou fazendo aqui?

-Onde eu estou?

-Ehh?!

-...

-...?

-...!

Não pude deixar de perceber algo de diferente entre minhas pernas.

-Ahhhh! - eu gritei impulsivamente.

Então escutei a porta do quarto ser aberta com certa brutalidade.

-Ryo! - um garoto alto de cabelos negros apareceu - O que aconteceu?! - ele parecia assustado enquanto eu ficava sem reação o encarando boquiaberta.

-B-bom dia... - disse meio sem graça.

-Boam dia? Você está bem Ryo? - Ryo? 

Eu estou sonhando e esse deve ser o nome do personagem que eu interpreto.

-Estou bem. - sorri. 

-Ok... - ele sorriu falso - Eu preparei o café. Pode descer...- ele disse e fechou a porta.

Olhei em volta...

Esse sonho está meio louco...

Bem, vou descer pra ir tomar café...

Ri um pouco de mim mesma.

Abri o guarda roupas e encontrei todas as roupas desdobradas, fora do cabide e amarrotadas.

Que horror!

Vou ver o que faço nesse quarto depois porque está uma bagunça!

-...!

-P-preciso ir ao banheiro... - corei fortemente.

...

Que horror!

Sai da suite que tinha no quarto desci as escadas e corri para a cozinha.

-De pijama irmão? - o garoto de antes se sentou e me olhou surpreso - Você nunca desce de pijama.

-Oras... As roupas todas estão amarrotadas ou sujas. Não dá pra usar nenhuma. Mas, vou resolver isso depois do café. - me sentei junto dele.

-Não vai voltar a dormir depois do café?! - ele me encarava surpreso.

-Não ué. Meu quarto está uma bagunça! E essa casa também está precisando de uma limpeza.

Escutei ele rir.

-Você está falando sério Ryo? - ele arqueou uma sobrancelha.

-Porque não estaria? - o encarei arqueando a sombrancelha também.

-Hoje é um dia cheio de surpresas irmão. Até aprendeu a arquear a sombrancelha. - ele riu. 

-Hahaha! É não é? - disfarsei o quão tensa estava.

Não estou entendendo muito bem o que está acontecendo...

Eu sou um garoto chamado Ryo e este é meu irmão?

Terminei de comer minha Yakisoba, que vou te contar estava maravilhosa.

-Irmão... - o encarei e ele parou de comer - Onde está mamãe e papai?

Sempre tive o hábito de chamar meus pais de mamãe e papai.

Só tem um probleminha...

Já que eu estou sonhando, eu não sei se esses dois têm pais vivos.

Afinal eu não estou entendendo muito bem o que está acontecendo até agora.

-Como assim? Estão trabalhando. Você acordou tarde e eles já saíram... 

-Entendo.

-Como?! 

-...?

-Não vai xinga-los por eles não se despedirem ou algo do tipo como você sempre faz?! - ele me olhou com os olhos extremamente arregalados.

-Por que faria isso? Eu que acordei tarde... E talvez eles só não queriam me acordar. - sorri e me levantei - Bem, vou ir limpar aquele quarto. - comecei a subir as escadas.

Mãos a obra!

Eu acordei com umas gotas que batiam no meu rosto... 

Colchonete.

Caverna.

Cabelo comprido.

Garota.

Peit.... 

É o quê?!

Onde eu estou?!

O que estou fazendo aqui?!

Me sentei e vi que do meu lado tinha duas pessoas.

Um homem e uma mulher.

Ambos de cabelos escuros.

-Ei. - cutuquei o rosto da mesma.

O quê?!

Minha voz!

Espera...

-...

-...!

Eu sou uma garota!?

Encarei algo de diferente que tinha no meio de minhas pernas.

-...!

Calma Ryo...

Calma...

Você deve estar sonhando...

É isso...

Lembra que quando foi dormir desejou ter uma família feliz, bem, você deve ter desejado tanto que seu cérebro realizou.

Bom, vou aproveitar.

-Ei, eu. - cutuquei novamente a moça que estava deitada.

Ela abriu os olhos vagarosamente.

-Bom dia filha... - ela se sentou e me abraçou - Dormiu bem? 

-Sim, mãe... - eu realmente devo estar sonhando.

Mesmo eu sendo uma garota eu estou gostando disso.

-Oi meus amores. - o homem que estava deitado também se sentou - Bom dia filha. - ele me abraçou - Querida.- ele deu um beijo na testa de "minha mãe".

-Como sempre acordou cedo Mika. - meu pai sorriu pra mim.

Como é estranho ser uma garota.

-Bom... Vamos até a cabana preparar algo para comer. - mãe disse se levantando - Vamos Mika. E você Taki. Vai pegar lenha.

-Amor você não quer deixar a Mika vir comigo? Porque... Bem, ela não é muito boa na cozinha.

-O que é isso pai! Eu sou ótima! E quer saber? Pode ir você e mãe buscar lenha que eu vou preparar a comida sozinha.

-Olha não precisa fazer isso filha. - ela sorriu sem graça - Afinal. Meio que será um desperdício de comida.

-Nossa mãe. Eu sei fazer. Vai lá com o pai, que eu cuido da comida. - disse me levantando e saindo da caverna.

Olhei em volta.

-Mãe. A onde que fica a cabana? - perguntei passando a mão na nuca.

-Oras filha. Como assim? Bem... É só você atravessar o rio e é bem naquela direção. - ela apontou.

-Entendo. Então até daqui a pouco. - disse indo na direção que ela havia indicado.

Andei um pouco até que avistei um rio.

-Não tem nenhuma ponte? - pensei um pouco alto demais.

-Não filha... Está se esquecendo que aqui é a divisa entre o nosso mundo e o submundo?

-Ahh! Sim. Me lembrei. - ri sem graça tentando disfarçar.

Cara!

Eu não de nada!

-Então vamos?

Ele foi andando no rio não se importando em molhar a roupa.

Bem vou fazer isso também.

Já havia atravessado o rio e meu pai foi para um lado pegar lenha e eu fui para o outro na direção da cabana.

Cheguei em frente a ela e era um lugar bonito de madeira.

Abri a porta.

As coisas estavam bem arrumadas.

Eles são organizados...

Fui na direção da cozinha e comecei a preparar as coisas para fazer comida.

...

Eu não acredito que essa garota não sabe cozinhar!

Eu não acredito que esse garoto é tão desorganizado! 

Que bom que eu/eu dei um jeito nisso...

...

Eu acordei dentro da cabana.

Espera...

Será que meu pai me trouxe pra cá enquanto dormia?

Me levantei e sai da cabana.

-Filha! Bom dia! - meu pai gritou - A sua comida de ontem estava ótima! Quando aprendeu a cozinhar?

-Ontem?

Eu não me lembro muito bem de ontem...

O quê aconteceu?...

Eu acordei no sofá com meu irmão deitado no tapete.

-Babaca... - resmunguei.

Me levantei. 

O que eu estou fazendo aqui?

Bem...

Pelo visto...

De volta a realidade.

Subi para meu quarto.

Abri a porta.

-O-oque?! Está arrumado?! 

...

-Eu cozinhei?!

-Eu arrumei?!




O QUE ESTÁ ACONTECENDO?!






Notas Finais


Um beijo e até o próximo...

😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...