História Your smile, my smile - Capítulo 4


Escrita por: e Ahgase_Proud7


Notas do Autor


Oiiiiiiiiiiiiiii!!! Tudo bem com vocês? Voltamos com mais um capítulo dessa fanfic fofinha que todos amamos!E com muuuuuuuuuuuuuuuuuita interação do nosso ship! <3 Boa leitura e até as notas finais!

Capítulo 4 - Capítulo 4


Fanfic / Fanfiction Your smile, my smile - Capítulo 4 - Capítulo 4

Capítulo 4

O dia já se iniciava quando a porta do apartamento de Kimmon e Copter foi aberta e passos apressados seguiam até o quarto onde os dois estavam adormecidos. Tee e Bas, como os bons intrusos que eram, chegam ao corredor andando com cuidado até a porta do quarto e, com um sorriso esperto, abrem a porta rapidamente.

- Acord… aaaaaaaaaaaaaaaaahhh que fofuraaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!! - Bas começa gritando, cobrindo a boca logo em seguida, sentindo Tee estapear seu braço em uma reação exagerada àquela cena. Kimmon e Copter dormindo abraçados, com Cop deitado sobre o peito do mais velho. Era a coisa mais fofa que os dois já tinham visto.

[...]

Abre os olhos devagar, olhando para o rapaz em peito, se dando conta novamente de que o mais baixo realmente havia lhe pedido para dormir consigo na noite anterior. Aperta os braços em volta do mais novo, sorrindo encantado com a tranquilidade que ele transparecia. Pela primeira vez em muito tempo, Copter não tinha acordado assustado naquela noite e provavelmente nenhum pesadelo tinha o assombrado. E lá no fundo, chegava a pensar que pudesse ser por se sentir protegido em seus braços, tinha esperanças de que esse fosse o motivo do sono tranquilo do rapaz.

- Baixinho, acorda… é hora de levantar… - sussurra passando gentilmente a mão direita pelo braço do rapaz, sentindo ele se mexer em seu peito, murmurar alguma coisa impossível de ser decifrada e aquietar-se novamente. Passa novamente a mão pelo braço dele, mordendo timidamente o lábio inferior ao pensar em dar-lhe um selinho. Ajeita o corpo dele, erguendo levemente seu  rostinho, acariciando-o de forma suave. - Baixinho… você me deixava tão confuso, sabia? - sussurra mais para si mesmo.

Houve um tempo em que pensava amá-lo apenas como seu irmãozinho mais novo, mas já a algum tempo, seu coração acelerava de uma forma inexplicável só por ver o sorriso do mais novo e isso o confundia, deixava-o apreensivo. Por vezes considerava se devia conversar com ele sobre o que estava sentindo ou continuar escondendo o quanto queria poder cuidar dele como namorado. Talvez interpretar Romeu e Julieta com ele fosse tudo o que precisava para saber se contava a ele ou não.

- Acorda, baixinho… você vai se atrasar, pequeno príncipe… - fala assoprando gentilmente a franjinha dele, passando as unhas bem de levinho pelo braço dele, vendo-o abrir os olhos preguiçosamente, piscando sonolento.

- Bom dia, P’Kim… - ouve ele dizer, vendo-o sorrir de um jeito fofo e sorri de volta para ele, suspirando e esticando um pouco o corpo.

- Bom dia, baixinho. Você dormiu bem? - pergunta, vendo ele coçar os olhinhos de forma fofa e assentir repetidamente.

- Sim, Phii! - ouve ele dizer, vendo-o rolar para o lado e sentar na cama. Os cabelos emaranhados do menino conseguiam deixá-lo ainda mais fofo do que normalmente. Senta ao lado dele, arrumando seus fios ruivos com carinho e dando um beijinho em sua testa, vendo-o corar um pouquinho.

- O que foi, baixinho? - pergunta olhando-o confuso.

- É-é q-que… eu lembrei de ontem! - ouve ele dizer, vendo-o cobrir o rosto com as mãozinhas  e abaixar a cabeça.

- Hey… - fala baixinho, levando as mãos até as mãozinhas dele, tirando-as da frente de seu rosto. - Você não precisa ficar com vergonha, baixinho! Foi um acidente e foi culpa minha… eu prometo prestar mais atenção da próxima vez, ok? - fala sorrindo. Tudo que queria era deixá-lo confortável consigo, embora todas as fibras de seu ser quisesse poder continuar com aqueles beijinhos. Não somos um casal… mas talvez sejamos um dia… pensa olhando nos olhinhos dele, sentindo seu coração acelerar um pouco na esperança de que esse dia chegasse logo.

- T-tudo bem, Phi… n-nem foi tão estranho assim… - ouve ele dizer, vendo-o coradinho. - Quer dizer… pelo menos eu não vou estranhar beijar você na hora do ensaio! - ouve ele corrigir rapidinho e sorri, meio constrangido com a lembrança do selinho.

- Tudo bem… - fala baixinho - Vai tomar um banho, hm? - fala sorrindo pra ele, vendo-o assentir rapidinho e pular para o chão, pegando o uniforme e correndo para o banheiro. Separa um par de roupas também, tomando um banho quentinho no outro banheiro, fora do quarto e desce alguns degraus, dando de cara com duas sombras ao pé da escada.

- MISERICÓRDIA!!!!!!!!!! - grita levando a mão ao peito, sentindo o coração acelerado, vendo as duas sombras virarem para si, se deparando com Tee e Bas parados ali. - Ok, eu vou matar vocês! - fala mais baixo, para não assustar ainda mais Copter e desce as escadas pronto para assassinar os dois malucos que chamava de amigos.

- Calma ae! Pode matar a gente, mas antes… você não tem nada pra nos contar não? - ouve Tee perguntar e o vê sorrir ladino.

- Não tenho nada que interesse a vocês dois, obrigado e de nada! Agora, pra cozinha, porque eu tenho um pocinho sem fundo para alimentar e o Copter provavelmente também tá com fome! - fala, vendo os dois arquearem as sobrancelhas, confusos.

- Quem é o pocinho sem fundo, P’Kim? - ouve Bas perguntar e ri.

- Eu mesmo. - fala rindo, vendo eles rirem e segue para a cozinha.

[...]

Aquela aula parecia definitivamente passar em câmera lenta. Não que fosse uma aula chata. Ok, talvez fosse. Pelo menos para Kimmon. Para ele todas as aulas chatas eram mais lentas do que uma tartaruga em slow motion, que era o caso daquela aula de português. Boceja sentindo os olhos pesarem enquanto olhava tediosamente para a professora falando lá na frente. E por mais que tentasse, não entendia uma virgula do que ela dizia. Agora sabia como Charlie Brown se sentia nas aulas. Por favor, alguém me dá um tiro! pensa apoiando o rosto na mão, tentando prestar atenção na aula, que para si era a mais chata do universo, com a professora mais chata da galáxia.

- P’Kim! - ouve a voz de Mimi chamar seu nome, sentando ao seu lado. - Eu adorei dançar com você ontem… - ouve ela dizer, sentindo-a acariciar seu braço. - A gente devia sair mais tarde e dançar juntos de novo… e depois... - fala de forma sensual, sentindo-a colocar a mão em sua perna, acariciando ali. Ok, Deus... me leva, antes que meu baixinho veja isso e me mate… não mereço essa maluca me bolinando não!

- Ow… primeiro… tira a mão! Eu não te dei essa liberdade - fala segurando o pulso dela, tirando a mão dela de sua perna. - E segundo... vou estar ocupado ensaiando outra coisa com o Copter. - fala sorrindo o mais gentil que podia.

- Tinha que ser esse garoto… já arrumou outro bobo para brincar e jogar fora depois. Ele não perde mesmo a oportunidade de se jogar nos caras aqui do campus! - ouve ela dizer, fechando uma das mãos em punho. Como ela tem coragem de inverter as coisas assim? pensa respirando fundo, apertando os dentes. - Já perdi a conta de com quantos ele já foi pra cama…

- Escuta aqui… - fala entre dentes, tentando se acalmar. - Não é da sua conta, mas eu conheço ele desde criança e ele nunca deu em cima de ninguém… e mesmo se tivesse, você não tem nada a ver com a vida dele. E outra coisa… nós dois sabemos que a única pessoa aqui que brinca com os caras e joga fora depois, não é ele... - fala, segurando o pulso dela. De repente a aula chata parecia interessante.

- Mas Phiiii… eu vi… eu vi ele com todos aqueles caras, eu juro… - ouve ela dizer tentando convencê-lo.

- Lava a boca antes de falar dele… ele é o que você jamais vai ser… - fala largando o pulso dela voltando a prestar atenção na aula.

- Ele nunca gostou de mim… e agora, pelo visto, envenenou você também, P’Kim! - ouve ela dizer e vira o rosto para olhá-la.

- Ele não me envenenou contra você… você mesma fez isso… agora se você puder, por favor, ficar quietinha pra eu prestar atenção na aula, eu agradeço… - fala suspirando alto, voltando a focar na aula, agora de verdade.  Sabia que Tae estava ouvindo tudo e que provavelmente, naquele momento, queria tanto quanto a si mesmo que Mimi fosse homem, só para lhe dar umas boas porradas.

Não muito tempo depois daquilo, Kimmon e Tae saiam da sala, em direção ao teatro, onde ensaiariam as cenas adaptadas do espetáculo de Shakespeare. Suspira, vendo que ainda não tinha ninguém ali e se senta na mureta em frente à porta do teatro, ao lado de Tae, sentindo o mais velho colocar a mão em seu ombro.

- Cara… você tá bem? - ouve Tae perguntar, olhando para si.

- Tô... bom, um pouco estressado, mas acho que logo passa... eu detestei o jeito como ela falou do meu baixinho... vai saber pra quem mais ela disse aquelas coisas! - fala suspirando. Não lhe agradava em nada a ideia de que ela podia estar espalhando aquelas coisas pela universidade.

- Ela não é burra de falar isso por aí… provavelmente só queria jogar você contra ele. Ela odeia o Cop e você é a forma mais fácil de atingir ele. - ouve Tae dizer e suspira. - Ela sabe que ter você pensando no Cop como “fácil”, destruiria ele.

- Eu nunca pensaria nele assim, Phi… ele é um pedacinho de céu na terra… e… hm… eu conheço meu baixinho! - faça sorrindo um pouco.

- Eu sei, Kim… sei o quanto ele é importante pra você e que nada mudaria isso. - ouve ele dizer e sorri. - Então não se preocupa… todo mundo sabe que ele não é assim… ela só ia se queimar ainda mais se tentasse arruinar a reputação do Cop.

- Eu daria tudo pra proteger ele dessas coisas, Phi… mas eu sei que ele é forte e sei que isso não afeta em nada a relação dele com a gente. - fala olhando pra ele.

- Ele é forte, sim! E tem a gente, principalmente você, junto dele. - ouve ele dizer vendo-o sorrir.

- Falando nele… eles estão demorando… - fala olhando o relógio no pulso, balançando as pernas impaciente, finalmente vendo os quatro descerem as escadas. Sente o coração falhar uma batida ao ver Copter. Ele estava absolutamente lindo nos trajes principescos em tom de azul marinho, que vestia. - Uau… - sussurra abrindo a boca, impressionado com a beleza do mais baixo.

- Fecha a boca, Kim… cê tá babando mais que o Beethoven… - ouve Tae dizer rindo e sacode a cabeça, fechando a boca.

- P’Kiiiiiiiiiim!!!!!!!!!!!! - ouve Copter dizer, correndo para si, pulando em seus braços. Sorri abraçando-o apertado. Ele estava realmente perfeito, zero defeitos.

- Oi, baixinho! Você tá muito bonito vestido assim! - fala sorrindo, soltando o abraço aos poucos, vendo-o sorrir fofinho e dar uma voltinha.

- Você gostou, Phi? Eu nem sabia que meu figurino já tava pronto… - ouve ele dizer, tímido, vendo-o sorrir com as covinhas que tanto amava aparecendo.

- Eu amei, baixinho! - fala sorrindo bobo, vendo Tee quase babar de tanto que parecia estar amando aquele momento dos dois.

- O seu também já está pronto, Kimmon! - ouve a voz do professor e sorri, virando de frente para ele, que segurava um figurino tão principesco quanto o de Cop nas mãos.

- Que rápido, professor! - fala sorrindo, pegando com cuidado o figurino das mãos dele. A peça era realmente linda e combinava perfeitamente com a de Cop em cores e em modelo. - Uau… é lindo! - fala olhando para o professor, agradecendo.

- Vá se vestir… vamos entrar no clima da peça já nos ensaios, para que todos se sintam confiantes no dia da apresentação, especialmente vocês, já que esse é o seu momento! - ouve o professor dizer e sorri assentindo, indo até o vestiário para trocar de roupas.

- Perfeito… - fala sorrindo olhando-se no espelho. Parecia realmente um lorde saído diretamente do século 16 e tinha que admitir que estava incrivelmente lindo. - Ele vai amar… - fala para si mesmo pensando imediatamente no sorriso de Copter sentindo o coração acelerar de repente. - Eu não sei no que isso vai dar… mas só de pensar naquele sorriso… faz tudo valer a pena… - fala sorrindo, dando uma última olhada no espelho e sai do vestiário, vendo Cop olhá-lo impressionado, com os olhinhos brilhando. Morde o lábio inferior timidamente, seguindo para o teatro, entrando junto dos amigos e do professor, que reúne todos os alunos no palco.

- Hoje o palco é todo de vocês... - ouve o professor dizer, assim que todos se sentam em roda ali no chão do palco, e sorri, sentindo Copter segurar sua mão. - Como eu tinha falado pra vocês antes, nós vamos fazer uma versão adaptada do clássico Romeu e Julieta e como nossos protagonistas são homens, a Julieta vai passar a se chamar Julius e será interpretado pelo Copter. - o professor explica. - E o papel de Romeu será interpretado pelo Kimmon. Dito isso, eu quero que todos se divirtam e aproveitem. - ouve ele dizer, vendo as cortinas.

- Preparado, baixinho? - pergunta sorrindo, vendo-o assentir de forma fofa. - Boa sorte pra gente! - fala dando um beijo na testa dele, vendo-o levantar e ir para a lateral do palco, preparar-se para a cena.

- Todos em seus lugares! - ouve o professor dizer, da primeira fileira. - Podem começar. - ouve ele dizer e logo começavam a interpretar seus papéis.

Uma das melhores coisas do teatro era poder interpretar ao lado de seus amigos. Tornava tudo ainda mais divertido. Sorri entrando no palco ao lado de Max e Tul, que interpretariam os amigos de Romeu, interpretando a cena primeira cena da peça. Assim que sua cena termina, o palco vai se enche com os figurantes e personagens que estariam presentes na cena.

- A cena do baile é uma cena importante para o desenrolar da história, então os personagens mais frequentes na história, precisam estar ao alcance da visão do público o todo! - ouve o professor dizer e todos assentem juntos, logo começando a cena. Volta para o palco, dirigindo os olhos para Copter, sorrindo e assente em sinal de que ele estava indo muito bem. - Agora o Romeu entra no baile. -  ouve o professor dizer e, sorridente, caminha até onde estavam New e a garota que interpretava a mãe de Julius, curvando-se em forma de saudação. Segue até Copter, que dançava com um dos figurantes.

- Ora, com licença... poderíamos? - diz olhando para o figurante, que assente. Sorri verdadeiramente, enlaçando com cuidado e carinho a cintura de Cop, vendo-o pousar a mão delicadamente na sua mão e olhar em seus olhos. Nós nunca dançamos nada lento assim... pensa, começando a dançar  enquanto olhava fundo nos olhos dele. Podia sentir o coração acelerar, sem conseguir tirar os olhos dos dele, que eram como imãs. Até aquele momento, nunca tinha visto os olhos dele brilharem tanto e, se fosse possível, ficaria ali, olhando naqueles olhos, deixando tudo de lado.

- Como ousas, Montecchio! Ora, se não fosse o maldito acordo, derramaria eu agora todo teu sangue! - ouve Tee dizer entrando em cena e suspira tristemente. Por mais que quisesse ficar abraçado à Copter pra sempre, sabia que precisava continuar com a cena. Solta o corpo de Cop, beijando-lhe a mão e partindo. - E tu, Julius? O que tens na cabeça? Pensas que podes quebrar o acordo e trazer um Montecchio para cá? - ouve Tee dizer.

- Ora, primo, deixe-me em paz! - ouve Cop dizer, caminhando em meio aos outros para sair do lugar.

Sorri orgulhoso ao ver a interpretação impecável de Copter. Sabia do amor do rapaz pelo teatro e era visível para todos já que o garoto se dedicava de corpo e alma a cada detalhe da peça. Olha pra ele sorrindo, vendo-o sorrir largo para si e respira fundo, sentindo-se nervoso de repente. Sabia que a cena final estava chegando e podia sentir o nervosismo dominá-lo mais a cada segundo. Vê-o professor sinalizar para que entrassem em cena e sorri indo em direção à Copter, puxando o mais baixo para perto de si, deixando-o à sua frente.

- Tu foste muito corajoso, meu doce Julius... - fala sorrindo, levando uma das mãos ao rostinho de Copter, acariciando gentilmente a cintura dele com a outra. - Meu único e eterno amor... - fala sorrindo, sentindo o coração quase pular pra fora do peito de tão acelerado. Há anos esperava por um momento como aquele, em que pudesse finalmente beijá-lo de verdade. Era apenas uma cena de teatro, mas mesmo assim era um beijo. Respira fundo, olhando tranquilamente, apesar do nervosismo, nos olhos dele e aproxima os lábios dos deles, sentindo um arrepio percorrer seu corpo, sentindo a mãozinha dele deslizar suavemente por seu braço. Se os olhos dele já brilhavam antes, agora brilhavam mais que as estrelas. Sorri suavemente, sentindo uma corrente elétrica passar por seu corpo assim que seus lábios finalmente se tocam, beijando-o intensa e carinhosamente, enquanto fazia carinho na nuca e cintura dele.

[…]

Sente o coração disparar como nunca antes, no exato momento em que sente os lábios dele nos seus. Era um beijo totalmente diferente do selinho acidental da noite anterior. Era como se só existissem os dois no mundo. Podia sentir a paixão que Kimmon depositava naquele beijo e não podia negar que o beijava da mesma forma. Sente a pele arrepiar, sentindo os dedos dele acariciarem carinhosamente sua nuca e cintura e aperta um pouquinho o abraço que envolvia sua cintura, involuntariamente. Em nenhuma das vezes que havia imaginado beijar seu melhor amigo, tinha pensado que pareceria tão certo, que seria tão perfeito.

- Magnífico… perfeito… - ouve ao longe a voz do professor, só então se lembrando de que não estavam sozinhos. Separa, com certa relutância, o beijo encostando a testa à dele, olhando-o intensamente um pouco ofegante, mordendo o lábio inferior discretamente. - Bravo! - ouve o professor dizer aplaudindo-os e sorri soltando o abraço, virando para o professor, vendo Kimmon fazer o mesmo. - Excelente atuação!

- Você foi muito bem, Phi! - fala fofinho. E o que foi esse beijo? Parecia que… nãaaao... o P'Kim nunca gostaria de mim dessa forma... pra ele somos só melhores amigos… e se esse é um beijo entre melhores amigos, como seria se fôssemos um casal? pensa sentindo um arrepio percorrer o seu corpo, ainda sentindo os efeitos daquele beijo espetacular.

- Cop? - ouve o mais velho chamá-lo, tirando-o de seus devaneios.

- Oi, que, eu... quer dizer, que foi, Phi? - gagueja. Ótimo Copter... dava pra ser menos óbvio?

- D-desculpa... acho que eu me empolguei… - ouve ele falar baixinho para si.

- T-tá tudo bem, Phi! Foi uma ótima cena! Acho que ficou bem convincente! - responde tentando parecer o mais profissional possível, enquanto sentia uma corrente elétrica correr por seu corpo. Você pode me beijar assim quando quiser, P'Kim... pensa.

[...]

- O que foi aquele beijo, hein? Pareceu até que não era só atuação... - ouve Tee provocar e franze o cenho, fuzilando-o com os olhos.

- Eu sei, sou muito bom ator... e o Cop também, não é, baixinho? - fala olhando-o sorridente, vendo ele corar um pouquinho e assentir enquanto tomava um sorvete de chocolate, sentado em suas pernas, com as perninhas balançando como uma criança.

- Eu sou da opinião de que aquele beijo vai render muita coisa... - ouve Bas dizer e sente o rosto corar um pouquinho. Suspira vendo Cop terminar o sorvete e se ajeitar em seu colo.

- E-eu quero ir pra casa, Phi... - ouve ele pedir baixinho e sorri dando um beijinho em sua testa.

- Nós já vamos, baixinho... - fala sorrindo, levantando junto com ele, vendo-o um pouquinho sonolento. - Quer ir nas minhas costas, baixinho? - pergunta sorrindo, vendo-o negar.

- Eu quero ir andando! - ouve ele dizer e sorri assentindo, segurando a mãozinha dele. Eu queria tanto te contar... pensa.

 


Notas Finais


E aí? O que acharam do capítulo de hoje? Contem pra gente nos comentários! Beijos, e até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...