História You're Beautiful - Park Jimin - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Jimin, Romance, Você
Visualizações 6
Palavras 1.260
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Fluffy, Hentai, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa Noite meus anjos, bom bateu uma ideia de Fanfic em minha cabeça e aqui estou eu. Espero que gostem e que favoritem para me ajudar.

Capítulo 1 - Prólogo


Fanfic / Fanfiction You're Beautiful - Park Jimin - Capítulo 1 - Prólogo




"Gostoso mesmo é quando tudo acontece por acaso. Sem data, sem horário, apenas coincidências, ou então destino."

- Jô Soares



P.O.V            


3 anos...

Já faziam 3 anos que me mudei para Seul. Se você pensa que foi por planejamento. Não. Não foi. Só pensei em recomeçar a minha vida do zero, e nada melhor que mudar tudo ao seu redor.

Aos 23 anos, tenho minha própria casa e um trabalho fixo com uma boa profissão que sempre sonhei: a Medicina. Os romances clichês? Não me agradam, nunca fui fã de clichês, amor à primeira vista, amor para a vida "inteira", entre outros. 

Nunca tive sorte com homens. Sim. Tenho um, não... eu tenho praticamente todos os dedos "podres" para escolher homens, não me julguem. E esses dedos "podres" foram um dos principais motivos para querer/ter que recomeçar.

Flashback On.

- Te amo demais, você não sabe o quanto... - falou bobo. Abri um sorriso maior que meu rosto.

- Eu também - encostei nossos narizes - Eu te amo... - adormeci sorrindo depois da noite incrível que tivemos. Nossa última noite de amor...

No outro dia...

Acordei e espalmei minha mão ao meu lado, procurando pelo calor de seu corpo, percebendo que me encontrava sozinha. Me sentei lentamente e coçei um pouco os olhos tentando me acostumar com a claridade que habitava em nosso quarto.

- Dean! Amor! - levantei-me cobrindo meu corpo nu com o lençol da cama.

- Deve estar lá embaixo - murmurei baixo.

Não liguei muito e caminhei ao banheiro do quarto, querendo sentir a água morna caindo sobre meu corpo para repor as energias gastas da noite anterior.

Sem me dar conta deixei um sorriso abobado contornar meu rosto. Dean era a pessoa que desde quando nos conhecemos me apoiou, me amou e me respeitou. Sempre deixei claro o meu medo em me relacionar novamente com outra pessoa, sempre fui usada, mas no fim ele acabou me conquistando completamente e olha... Esses 2 anos de namoro estão sendo os melhores da minha vida. 

Morávamos juntos há 8 meses, ele vivia em minha casa, ou eu na dele, então juntamos o útil ao agradável e resolvemos morar juntos em minha casa - por ser bem maior.

Desde pequena fui criada com muitos mimos,  já que minha família sempre teve boas condições financeiras. Mas graças a Deus, nunca me tornei uma daquelas garotas que pensam que o mundo gira apenas em torno de si mesma e que apenas deve se relacionar com pessoas de seu "nível". Sempre tive grandes amizades de várias pessoas, inclusive as consideradas "classe baixa" - sempre odiei essas denominações, pois parece que as pessoas são separadas por raças - que sempre ficavam ao meu lado.

Terminei meu banho, vesti uma roupa simples e leve - regatinha branca e um short jeans meio solto - já que em São Paulo estava um calor terrível e prendo meus cabelos em um rabo de cavalo alto - não iria trabalhar mesmo.

Sai devagar, indo em direção do corredor, ainda com um pouco de preguiça dominando meu corpo. Mas como sou uma pessoa incrivelmente sortuda, bati meu adorável - e ferrado - dedinho do pé no pequeno armário do corredor.

- Aaaaa! 

Gritei com uma das mãos nos lábios tentando conter os gemidos de dor - claro, pois ainda eram 7:00 hrs e eu tinha a plena consciência que haviam vizinhos dormindo - enquanto a outra acariciava meu pequeno dedinho do pé.

Paralizei enquanto descia as escadas, pude ouvir gemidos e gritos histéricos - completamente histéricos -  pedindo por mais velocidade. Meus olhos marejaram, tentando colocar em minha cabeça de uma vez por todas que era apenas algum dos vizinhos, mas tive que descartar a possibilidade.

- M-mais rá-rápido - gemia a voz feminina e que soava conhecida - D-Dean!!!! Aaaa!!!

Segui os sons, já começando praticamente a soluçar baixo. Parei na porta da lavanderia, onde os gemidos estavam mais altos, respirei fundo e abri a porta.

Dean praticamente "fodia" a empregada/vadia da casa de quatro em cima da mesinha do local. Eles arregalaram os olhos como se estivessem vendo um fantasma.

- M-meu Amor, e-eu posso - dei-lhe  um forte tapa em seu rosto, chegando a deixar a marca de meus cinco dedos em seu rosto.

- N-não acredito nisso! Eu te odeio! Te odeio! - tentava segurar minhas lágrimas - Logo debaixo de meu teto, onde você dizia que queria criar nossos filhos! - gritava com raiva e principalmente desapontamento em meus olhos.

- N-não é nada disso que vo-você está pensando...

- Claro que não... Você apenas estava passando e caiu de pai duro dentro dessa vadia.

Ela parou de colocar a camisa de meu namorado - agora ex - tentando protestar.

- Nem abra essa boca sua vadia imunda! Você está demitida! E você - apontei para ele - Arrume suas coisas e saia de minha casa agora!

- Calma! Eu te amo! - descia lágrimas de seus olhos.

- Me ama o caralho! Saia da minha casa, te darei o resto do dia para arrumar suas coisas!

Me virei e sai rapidamente de casa.

Flashback Off.

Laura era o nome da puta - a qual eu confiei -, ela era a empregada de casa há 3 meses. Dean havia me dito que a mãe dela era amiga de sua família e que estava passando por dificuldades. A acolhi, dando-lhe o emprego, e eu fui tão cega e tão burra.

Enfim... Isso é passado, agora eu tenho que continuar cuidando da minha "nova" vida. Fui tirada de meus pensamentos pelo toque alto de meu celular.

- Alô - atendi sem olhar o nome.

- Oi meu amor... - reconheço de longe a voz calma e grossa de Taehyung, um grande amigo que conheci durante a minha primeira semana  em Seul.

- Oi TaeTae - sorri fofa, mesmo sabendo que o mesmo não o veria.

- Vamos de metrô hoje para o hospital? Quero tirar algumas fotos na estação, sabe lá fica incrivelmente lindo coberto de neve! - sorri com sua aparente animação na voz, Tae poderia ser confundido facilmente com uma criança de 5 anos, quando está feliz e não aparentar ser o grande médico talentoso que trabalhava comigo.

- Claro que sim... Nos encontramos na estação?

- Estava pensando em passar aí para irmos juntos.

- Não precisa, é mais fácil e preciso se nos encontrarmos lá - sorri fraco.

- Okay, okay - soltou um riso - até lá Princesa...

- Até.

Desliguei o celular sorrindo, Tae visivelmente me fazia muito bem, me entendia e me enchia de carinho. Mas felizmente - claro - nunca demonstrou interesse a mais em mim, sempre disse que me achava bonita e atraente, mas que queria apenas minha amizade no momento. Eu igualmente concordava com ele, nossa amizade estava perfeita como estava.

Terminei de me arrumar - preocupando-me de se agasalhar bem, por causa do frio - peguei minha bolsa que continha, meus documentos tanto pessoais, quanto de trabalho e sai de casa verificando se as portas estavam devidamente fechadas.

Peguei um táxi e pedi para me levar para a tal estação. Após alguns minutos, paguei o motorista agradecendo e desci do carro. Tae já estava lá, entretido com sua câmera, ele estava incrivelmente lindo - como sempre - com suas roupas sociais e um sobre tudo preto charmoso. Me aproximei o abraçando por trás, ato que o fez se assustar de princípio, me fazendo sorrir.

- Calma Tae, eu sei que eu sou a mulher mais linda e atraente já vista, e entendo seu nervosismo... Mas calma...

- Ata, engraçadinha - ria de minha "graça" - Vamos se não vamos nos atrasar.

- Claro - cruzei nossos braços e seguimos para o metrô que pegariamos.



"Segue o teu destino,

Rega as tuas plantas,

Ama as tuas rosas.

O resto é a sombra

De árvores alheias."



- Fernando Pessoa



Notas Finais


Obrigada por lerem, espero que tenham gostado e até a próxima 😍❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...