1. Spirit Fanfics >
  2. You're my home >
  3. Oneshot

História You're my home - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oii!!
Essa é minha primeira história. Eu passei meses escrevendo e estou orgulhosa de finalmente poder postar.
Algumas explicações básicas:
- Acontece durante o 6° ano.
- O Draco não tem a missão de matar Dumbledore, mas tem a marca negra mesmo assim.
- O Harry não tem uma obsessão pelo Draco.
Espero que gostem!!
💚💚💚💚💚💚💚💚

Capítulo 1 - Oneshot


Por que ele tinha que ser pequeno e fofo? Por que seus olhos esmeraldas tinham que ser hipinotizantes? Por que sua pele ficava linda quando corada? Mas principalmente, por quê ele não podia ser seu?

 Era isso oque Draco Malfoy se perguntava enquanto fazia sua ronda como monitor. Ele já estava cansado, vários anos tentando chamar a atenção do "seu" pequeno e a única coisa que recebia  era o mais puro ódio daquele belo ser.

 Claro que Harry tinha motivos para odia-lo ele não foi exatamente o melhor exemplo de boa pessoa nesses últimos anos e ele com certeza não merecia nem um pingo de nada, a não ser ódio e nojo do garoto-que-sobreviveu, a própia Marca negra em seu braço era a prova do quão horrível ele era, mas isso não o impedia de amar aquele maravilhoso ser que era Harry Potter, mesmo que platônicamente.

 Ele acordou dos seus devaneios ouvindo pequenos soluços, com certeza alguém chorando, ele iria ignorar afinal não era da sua conta e se a pessoa continuasse a fazer barulhos logo Filch a acharia. Ele já estava virando as costas pra sair daquele corredor quando ouviu mais uma série daqueles soluços e não pode mais ignorar, a pessoa poderia estar chorando de dor por causa de um machucado e era seu dever ajudá-la. Assim seguiu os pequenos barulhos até chegar a torre de astronomia.

 No começo ele não conseguiu reconhecer que havia alguém ali, mas a próxima cena vista por ele fez seu coração se apertar. Aquele pequena criatura encolhida no canto, totalmente desarrumada, olhos e nariz vermelhos e inchados, indicando que aquele ser já chorava há um bom tempo, fez ele desarmar totalmente.

 - Potter?

 Não passou de um sussurro, não queria assustar o garoto, mas foi alto o suficiente para chamar a atenção do pequeno ser a sua frente.

 - Malfoy?!

 Ele viu o garoto enxugar suas lágrimas com rapidez - provavelmente não queria se demonstrar fraco em sua frente - e falar seu nome em um tom de desgosto mas surpreso.

 Eu fui tomado pelo sentimento de querer protege-lo, não podia deixa-lo sofrendo daquela forma, por isso me agachei a sua frente e estava quase tocando sua face quando senti uma pequena  ardência de um tapa na minha mão.

 - Oque pensa que está fazendo, Malfoy?

 - Tentando te ajudar, não está vendo?!

 - Eu não preciso de ajuda! Principlamente se ela vir de você!

 Eu já esperava por uma resposta como essa, mas isso não me impediu de ficar um pouco magoado.

 Os olhos esmeraldinos me olharam em uma mistura de vergonha e fúria e sua carnuda boca se abriu para falar algo.

 - Só vai embora Malfoy, conte para todos como o grande e corajoso Harry Potter na verdade é fraco e frágil, aposto que está se divertindo muito me vendo assim.

 Enquanto ele falava sua voz foi ficando cada vez mais embargada e ele começou a chorar novamente , eu com certeza iria matar quem colocou essas ideias na cabeça do "meu" pequeno, mas por enquanto a única coisa que eu poderia fazer era reconfortá-lo e por isso em um ato totalmente impulsivo eu o abracei.

 - Vai ficar tudo bem, vai ficar tudo bem. Eu disse o colocando em meu colo, colado ao meu peito e acariciando seus cabelos.

 - I-isso não é ve-verdade. Mesmo com a voz falhando por causa do choro aquele ser nos meus braços continuou - E-eles morreram, meus pais, meu padrinho, Cedrico, todos morreram e tudo é culpa minha por ser fraco de mais.

 - Ei, olhe para mim Harry. Falei puxando delicadamente seu queixo em minha direção fazendo-o olhar em meu olhos - Você não é fraco muito menos frágil, você é a pessoa mais corajosa e incrível que eu tive o prazer de conhecer, e nenhuma dessas mortes foi culpa sua.

 Por um momento eu achei que o tinha quebrado, ele não falou nada e só ficou me encarando com aqueles olhos hipinotizantes até dizer:

 - Você me chamou de Harry.

 - Sério que de tudo que eu te falei você só prestou antenção nisso?! Falei arqueando a sombrancelha.
 
 Ele começou a ficar vermelho e a olhar para os lados em desespero para se explicar.

 - Não...não, eu...só fiquei supreso você nunca me chamou pelo nome.

 - Eu só achei que deveria chama-lo dessa forma. É seu nome afinal.

 Nesse momento nós começamos a nos encarar e eu tive a certeza que poderia me perder naqueles olhos verdes. Então ele abaixou o olhar e se eu não estivessemos quase colados eu não teria ouvido oque ele disse a seguir.

 - E-eu...obrigado, Malfoy.

 - De nada, Harry. E pode me chamar de Draco.

 - Ok, Mal..Draco.

 Ficamos em silêncio depois disso e eu vi minha chance de me desculpar por todos os problemas que eu o causei e que se dependesse de mim nunca iriam acontecer novamente.

 - Harry, me desculpe por ser um babaca com você e seus amigos todos esses anos eu realmente me arrependo de tudo oque te causei e eu adoraria recomeçar.

 Ele levantou o olhar pra mim de novo e eu vi que ele estava surpreso oque fazia total sentido já que não é todo dia que um Malfoy te consola no meio de uma crise de choro e ainda te pede desculpas.

 - Está tudo bem Draco, eu te perdoo.

 Então ele fez a coisa mais improvável possível, ele me estendeu a mão em um pedido mudo de trégua e amizade e eu soube que não poderia negar - não que eu tenha sequer cogitado essa ideia - depois de ver o sorriso que ele estava me dando, um sorriso dirigido diretamente para mim, meu coração parecia explodir de tão forte que estava batendo no momento que eu apertei a mão dele de volta.

 - Isso me trouxe um sentimento muito nostálgico.

 -  Verdade. Pelo menos nenhum de nós negou nada dessa vez. - Falei rindo de leve.- Aliás por que você negou minha amizade no primeiro ano?

 - Sério que você não sabe?! Ele ficou me encarando com incredulidade.

 -  Não, eu não sei. Olha pra mim eu sou lindo por que alguém negaria minha amizade?!

 Eu poderia parecer muito convencido nesse momento mas era verdade eu era lindo e ninguém em sã conciência negaria minha amizade.

 - Você tratou mal as duas únicas pessoas que já tinham sido legais comigo em toda minha vida. Primeiro Hagrid e depois Ronald.

 - Como assim as duas únicas pessoas que já tinham sido legais com você? Isso é impossível, eu cresci ouvindo em como você era tratado como um príncipe, sempre bajulado, não tem como eles terem sido as primeiras pessoas a serem legais com você Harry.

 Eu não estava acreditando no que ele tinha dito, se fosse verdade tudo oque eu já ouvi a respeito sobre a vida de Harry seria mentira.
 
 Ele mordeu levemente os lábios carnudos dele ficando-os ficar mais vermelhinhos, parecia apreensivo em me dar uma resposta mas no final acabou por me dar um pequeno voto de confiança.

 - Eu não cresci da maneira que você descreveu, na verdade eu cresci dentro de um armário até os meus 11 anos. Os meus tios trouxas odeiam magia e por causa disso também me odeiam. Eu era e ainda sou quando estou na casa deles nas férias tratado como um elfo doméstico. Quando eu não fazia as coisas direito eu não recebia comida por isso eu não tenho a estatura normal de um adolescente de 16 anos. E eu sou constantemente chamado de aberração.

 A cada momento eu ficava mais horrorizado e em fúria, eu queria matar esses trouxas imundos por terem tratado o " meu" pequeno dessa forma, era tão desumano.

 Eu senti Harry apertar a minha camisa entre seus dedos e olhando para seu rosto pude perceber que ele estava prestes a cair em lágrimas novamente. Sabendo dessa vez que ele não iria me afastar eu toquei suas bochechas limpando as lágrimas que caiam.

 - Me desculpe por te fazer lembrar desses momentos. Eu não fazia ideia. Me desculpe.

 - Tudo bem. É só um pouco díficil falar sobre isso. Se Sirius estivesse vivo eu iria morar com ele, esse eram os planos. Mas ele morreu e agora eu vou ter que voltar para a casa dos meus tios até eu atingir a maior idade.

 Eu senti ele deitar a cabeça no meu ombro e eu percebi a posição que estávamos, eu estava sentado no chão com as pernas esticadas e ele estava com as pernas a cada lado do meu corpo e meus braços em torno de sua cintura, era uma posição um pouco íntima e vergonhosa mas ele pareceu não se importar então estava tudo bem. Só de sentir ele em meus braços e sentir seu cheiro perto de mim era íncrivel e se eu morresse agora eu morreria feliz.

Eu sentia que tinha que falar algo então resolvi ser honesto com ele e o dar um voto de confiança também.

 - Eu não posso dizer que entendo, por que eu estaria mentindo na cara dura. Eu cresci sendo mimado e bajulado dos mais caros presentes mas também sem quase nenhum amor. Meu pai é um controlador que só liga para o dinheiro da família e a pureza de sangue. Desde quando ele foi preso eu fui escolhido para pagar pelo erro dele, eu fui marcado e quando chegar a hora eu vou ter que lutar do lado deles querendo ou não.

 Eu fui dobrando a manga da minha camisa para mostrar a ele a marca. Eu estava preparado para o ódio e repulsa que voltariam para aqueles olhos esmeraldinos depois que eu o mostrasse o quão repulsivo eu era, então continuei falando sem o encarar em nenhum momento.

 - Quando eu recebi a marca a dor era tanta que eu achei que iria morrer e naquele momento eu só pedi que tudo acabasse. E então eu lembrei da minha mãe e em como ela ficaria devastada se eu morrese e por mais que ela seje mais uma manipulada por meu pai eu sei que ela aguenta tudo isso por mim e depois eu lembrei de você, Harry, em como mesmo você me odiando e todos os ensinamentos que me ensinaram para eu te odiar eu não conseguia te odiar de volta e em como eu tinha esperança que algum dia você me olharia com algo além de ódio no olhar e então eu decidi viver, naquela sala na frente de diversos comensais e do própio Voldemort eu decidi viver por minha mãe e por você.

  Eu sentia minhas bochechas quentes e elas provavelmente estavam vermelhas por causa das lágrimas que eu deixei cair enquanto eu falava e então eu olhei para seus olhos e ele me encarava como se entendesse todos os motivos e não com a repulsa que eu estava esperando.

 No momento que eu senti sua testa na minha e nossas respirações se misturando eu fechei os olhos e eu ouvi a voz dele susurrar:

 - Está tudo bem, eu não te odeio. Você é só uma vítima nisso tudo.

 - Você também é Harry. Você só é um adolescente e não deveria lutar contra um lorde das trevas psicótico com cara de cobra. Susurrei de volta para ele.

 Senti ele soltar o ar mais forte contra o meu rosto e nesse momento eu sabia a minha respiração já estava acelerada e que ele sentia isso.

  - Por mais que eu queira fugir e tentar viver uma vida sem todas as pressões que colocam em cima de mim, é minha obrigação Draco. Eu tenho que acabar com tudo isso.

  - Mas, você pode morrer. Não quero que você morra. Eu disse já me desesperando.

 - Por que você se importa tanto comigo?

 Eu afastei levemente minha testa da sua e abri os olhos, tomei toda a coragem que eu tinha dentro de mim e disse olhando diretamente nos seus lindos olhos esmeralda:

  - Porque eu estou apaixonado por você Harry, e mesmo sabendo que não é recíproco eu não saberia oque fazer se você morrese.

 Meu coração faltava sair no peito nessa hora e eu não sabia o que ele ia dizer em seguida, nada nos olhos dele me mostravam como ele estava se sentindo.
 
 Eu senti suas pequenas mãos pegarem as minhas e dirigirem elas ao seu peito, bem acima do coração, e sentindo as batidas aceleradas dele eu ouvi algo que eu nunca teria esperado ouvir em toda minha vida.

  - Draco, eu não sei como eu me sinto em relação a você mas eu posso dizer com certeza que nenhuma outra pessoa fez meu coração bater forte dessa forma, que ninguém nunca me fez sentir especial e amado como você me fez sentir enquanto me consolava minutos átras e eu não sei o que vai ser do nosso futuro mas eu quero que você, só você, me faça entender tudo o que eu sinto e que cuide de mim sendo meu refúgio igual eu gostaria de ser o seu.

  - Eu prometo Harry, que vou cuidar de você e ser o seu refúgio igual você seria o meu e cada dia eu vou provar que vale a pena você ter me dado mais uma chance.

   E ali olhando dentro dos olhos dele, sentindo nossos corações acelerados se sincronizarem, nossas respirações dividir o mesmo espaço, nós nos beijamos e foi a definição de maravilhoso.

 A boca dele era macia e doce e encaixava perfeitamente na minha, sua cintura abaixo das minhas mãos era macia e delicada, suas mãos puxavam os cabelos da minha nuca. Eu poderia me afogar nesse beijo mas tivemos que nos separar por causa da falta de ar.

Nos encaramos e sorrimos cúmplices um para o outro, ele encostou sua cabeça no meu ombro novamente e eu abracei sua cintura mais forte. Eu não sabia como seria as coisas daqui para frente mas eu tinha uma promessa a cumprir e eu enfrentaria tudo se isso significasse que ele ficaria dentro dos meus braços.

Fim.



Notas Finais


Qualquer semelhança com outra fanfic é mera coincidência.
Espero que tenham gostado, aceito comentários negativos e positivos.
Beijinhos💚💚💚


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...