1. Spirit Fanfics >
  2. You're perfect for me >
  3. Então, só me resta aceitar.

História You're perfect for me - Capítulo 46


Escrita por:


Notas do Autor


Uma semana em quarentena e só tenho isso pra fazer, já que estudei toda a anatomia do meu celular e não restou mais nada de interessante hahaha
Bem, espero que ajudem vcs com o tédio.
Boa leitura 😉

Capítulo 46 - Então, só me resta aceitar.


"O amor é a coisa mais bela do mundo. Infelizmente, também é uma das coisas mais difíceis de se manter, assim como uma das mais fáceis de se desperdiçar."
~Colleen Hoover

Felipe ficou na lage até conseguir se acalmar. Ele não tirou os olhos do anel que ela devolveu a ele nem por um segundo. Ele sentia mágoa e anseio de uma nova explicação, mas depois de ficar pensando por muito tempo, decidiu que voltaria pra dentro de seu quarto e agiria quando o Sol nascesse.

Ele possuía um expressão seria no rosto, e nem mesmo os guardas tiveram coragem de o questionar, pois quando algum demonstrava fazer isso, Felipe já cortava com o olhar mortal. Ele estava com raiva e sabia que se alguém se metesse, poderia fazer alguma burrice, e foi por isso que ele resolveu não procurar Roxene por agora. Ele chega a seu quarto, guarda o anel na gaveta, tira a roupa e vai tomar um banho quente. Assim que termina, deita-se na cama e fica pensando em tudo o que aconteceu até cair no sono.

Por outro lado, Roxene não conseguia dormir, mesmo que tentasse, ficava se mexendo na cama de um lado pro outro. Ela sentia seu coração doer que suspeitou até está tendo um infarto. Mas era apenas uma dor da perda, ela abriu mão da pessoa que mais amava. No fundo do coração, ela tinha a esperança de que ele viesse atrás dela naquela noite, ficou sentada na cama chorando por várias horas, esperando que ele viesse atrás de explicação, só que isso não aconteceu, e concluiu que foi melhor assim. Insistentemente, as 3:00 da madrugada ela finalmente conseguiu dormir.

No primeiro dia do ano, já começou agitado. Uma notícia de que havia um orfanato pegando fogo invadiu as principais notícias do país e do mundo, o rei e sua comitiva precisavam agir imediatamente. Felipe, claro, não ficou de fora e já nas primeiras horas todos se reuniram para uma reunião urgente, e a conversa que ele pretendia ter com Roxene teve que ser adiada.

Mas em meio a tudo aquilo, Roxene ainda dormia profundamente e isso chegava até às 11:00 da manhã. Nathaly correu no quarto da amiga, pois a mesma não havia aparecido no seu e invadiu o mesmo. Viu que ele estava dormindo, mas precisava acorda-la e compartilhar as nova notícias.

– Roxene? Roxe! – ela sacudia a amiga que ainda dormia como pedra. – Acorde! Preciso te contar algo sério! – ela insistia, até que aos pouco ela foi despertando. Sentiu uma forte dor de cabeça que a fez grunhir de dor. – Está com enxaqueca?

– Uhrum... – ela apenas murmura confirmado, ainda se adaptando a claridade.

Nathaly corre até a caixinha de medicamentos e oferece um comprimido a amiga para que tomasse. Roxene se senta, devagar e apoia a coluna na cabeceira da cama, tomando o remédio.

– Nossa! Você está deplorável. Parece que um trator passou por cima de você! – A princesa comenta, analisando as olheira, a cara inchada e amassada da amiga e o cabelo todo bagunçado.

– Quem me dera se fosse realmente isso... Mas... O que você quer me contar? Aconteceu alguma coisa?

– As notícias não são boas... – no momento em que ela diz isso, o coração de Roxe salta e seus pensamentos correm para Felipe, será que havia acontecido alguma coisa com ele? E se fosse culpa dela? Nunca se perdoaria.

– Aconteceu alguma coisa com Felipe? Ele está...

– Não! Não tem a ver com ele. É que acabamos de receber uma notícia triste de que um orfanato foi incendiado. Estamos todos nervosos e nesse momento meu pai está em reunião com os ministros e conselheiros. – A jovem fala, com lástima e tristeza. Roxene também fica em choque.

– Mas... As coisas não deveria melhorar? Eu pensei que tudo fosse se resolver depois que e... – ela para no meio da frase, não completando o que diria. Nathaly a encara.

– Depois que o que?

– É... Depois que foram enviada as tropas. Não era pra ter apaziguado mais a situação?

– Sim, deveria... Mas parece que está longe disso acabar.

– Talvez não. Talvez seu pai já tenha a solução. Vamos ter fé que logo tudo isso acabe, e todos possamos respirar tranquilamente. – Roxe diz, segurando nas mãos da amiga e transmitindo sua confiança. Por mais que seu coração estivesse doendo, ela ficaria feliz que de alguma forma pudesse ter ajudado a mudar a situação.

– Você sempre tem fé que as coisas vão mudar, não é mesmo!? Eu gosto disso! Obrigada. Vamos acreditar que eles vão achar uma solução.

[...]

A reunião havia acabado e foi ordenado que enviassem o exército do país para o local para que ajudassem a combater o fogo, já que o orfanato era de porte grande e por conta dos gases que tinha reservados, a situação havia se complicado.

Felipe estava com muita dor de cabeça e aquilo só ajudou a piorar. Resolveu ir na ala médica para tomar um soro para deixá-lo mais ativo, já que nesse momento ele precisaria estar mais ocupado. Faltavam apenas sete meses para ele assumisse a responsabilidade de cuidar do país.

Em outro lugar do castelo, Roxene tomava um pouco de ar vindo de uma das janelas do castelo. Ela estava distraia e não percebeu quando alguém se aproximou.

– Posso ficar um pouco aí seu lado? – Vincent pergunta, ficando ao lado da jovem e chamando sua atenção.

– Ah! Claro. Fique a vontade. – ela diz, com um sorriso fraco. Ele não deixou de notar a tristeza no olhar da moça.

– Aconteceu alguma coisa? Parece tão triste.

– Não é nada! É só que as últimas notícias que surgiram... Não entendo o que leva alguém a envolver crianças em seus problemas políticos. Isso é muito triste. – ela comenta, com pesar. Ele coloca o braço ao redor do ombro dela, a surpreendendo.

– Quando se tem apenas vingança em sua frente, nada o para. Seja uma pessoa ou um país. E quem estiver a frente, se torna o alvo também. O mundo é muito cruel. – ele responde, olhando para o além. O olhar do jovem era distante e possuía um brilho de amargura.

– Espero que isso acabe logo.

– Você acredita nisso? – ele pergunta, agora olhando pra ela.

– Tenho esperança que dias melhores virão! Pois o que eu fiz tem que servir pra algo bom. – Ela diz, só notando no que havia dito depois que já tinha falado. Ele sabia do que ela estava falando, pois foi ele quem cuidou do assunto entre as uniões dos dois países.

– Então vice já está sabendo... Você ama ele?

A pergunta repentina surpreende Roxene, como ele era tão direto? E como o assunto se voltou para Felipe? Mas ela lembrou que foi Vincent quem conseguiu trazer uma solução para aquele caso. Então suspira e resolve desabafar com o velho amigo de infância, já que não poderia fazer isso com outra pessoa.

– O amor nos faz sacrificar muitas coisas. Você deve saber do que estou falando. Eu abri mão dele pra que o país tivesse uma oportunidade de se reerguer. – Ela diz, com os olhos marejados. Vincent enxuga uma lágrima que escorreu de seus olhos.

– Eu sinto muito. – ele escuta seu olhar por um segundo e depois retorna a encara-la – Mas pode contar comigo para o que precisar. – ele diz, com um sorriso singelo, fazendo Roxe retribuir.

Mas logo tudo aquilo foi embora, quando alguém mais apareceu, chamando as atenção dos dois. Ambos se viram quando escutam um pigarreio atrás de si e ficam surpresos com a aparição do rapaz.

– Atrapalho?! Então foi por isso que você rompeu comigo? – Felipe pergunta aparentemente chateado.

– Felipe! – Roxene diz, se soltando de Vincent. – Não é...

– Então é o quê? Se não foi por está apaixonada por outra pessoas, foi por qual motivo? – Ele pergunta, com pesar.

– Eu acho que você está se precipitando. Existem coisas que você ainda não sabe. Então, não tome conclusões ainda. – Vincent fala, com calma.

– Roxene! Me diga que eu estou precipitado. Me diga que aquilo foi apenas uma brincadeira e que esses pensamentos que estou tendo é apenas alucinações... – ele pede, chegando perto dela e segurando suas mãos, Roxene fica nervosa e seu coração começa a bater mais forte.

– Felipe... E-eu já te falei... Não me faça repetir novamente! Não me maltrate dessa forma.

– Sou eu quem estou sofrendo! Você não vê isso?!

– Felipe, você está se alterando, acalme-se. – Vincent intervém quando nota que Felipe estava muito nervoso. Mas ele não dá atenção e continua segurando Roxene.

– Me diga! Se você me dizer a verdade eu irei aceitar. Mas eu quero a verdade! Você não me ama?

Quando ele pergunta isso, Roxene sente seu coração partir, o que ela mais queria era revelar o que não havia dito ainda. Ela queria pegar a mão dele e fugir dali. Mas sua moral não permitia isso. Ela não poderia abrir mão da sobrevivência de muitas pessoas pelo seu egoísmo. Ela respira fundo e resolve usar toda a força que tinha naquele momento pra acabar de uma vez por todas com aquilo.

– Não! Eu não te amo.

Isso foi o suficiente para fazer as mãos de Felipe soltarem lentamente as mãos de Roxene. Ele não tira o contato visual do dela, mas se afasta lentamente, vendo que ela não desviou dele nenhum segundo. Não restava mais nada para ele perguntar a ela. Seu coração nunca foi tão machucado quanto foi ali. Ouvir da boca dela aquelas palavras significou pra ele o fim.

– Se é assim, então não posso fazer mais nada... Eu irei respeitar seus sentimentos. – ele diz, virando as costas e partindo. Deixando-a com o choro instalado na garganta.

Assim que percebe que ele tomou toda a distância e já não o via, ela desaba e começa a chorar, suas pernas ficam fracas e só não vai ao chão por Vincent ter notado e segurado ela. Aquilo foi a decisão mais difícil da vida dela. Ela chorou tanto até perder a consciência e ser levada as pressas por Vincent até a ala médica.

Ela é atendida pelo médico de plantão e toma as medicações pois sua pressão havia baixado, acaba dormindo enquanto toma um soro. Vincent não saiu do lado dela nenhum minuto. Segurando o tempo todo a mão da jovem que estava quente e vendo sua respiração lenta.

O telefone do mesmo toca, minutos depois e assim que vê de quem se tratava, vai para um canto atender.

– Alô! – ele diz, sem humor.

? – Aí amorzinho! Que grosseria. O que aconteceu? – A pessoa do outro lado pergunta, com uma falsa preocupação.

– Não é da sua conta, Brice! Quando você retorna?

– Ah!! Não sei. Mas acho que na próxima semana. Aqui estou me divertindo um pouco antes de voltar pra chatice desse castelo e dessas pessoas.

– Não se preocupe, logo isso será resolvido.

– Não vejo a hora de tudo isso acabar. Bem, preciso ir agora. Tenho um compromisso. Beijos! Estou com saudades meu Shakespeare.

O telefone é desligado e ele retorna ao pé da cama de Roxene. Com um olhar sério ele encara a jovem que ainda dormia profundamente. Ele acaricia os cabelos dela com carinho.

– A minha vingança está apenas começando. Logo tudo isso acabará e te prometo que você não precisará sofrer mais. – ele diz.


Notas Finais


Pra quem queria revelações, bem, tá aí! Se entendeu, entendeu! Se não entendeu, paciência que logo vai entender.
Cara! Não tô bem, essa vida longe de todos está me fazendo surtar. Ahhhhh
Mas é necessário né amores! Vamos usar e abusar da obediência nesse momento.
Vamos interagir pra gente se distrair, obrigada e de nada!
Bjs e até o próximo capítulo 😁🥰
https://youtu.be/zY_KMFSGU-Q - #Rope
https://youtu.be/zrwkhTt7Fyc - Vincent


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...