História (You're The) Devil In Disguise. - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Good Omens
Personagens Aziraphale, Crowley
Tags Aziraphale, Crowley, Ineffable Husbands
Visualizações 59
Palavras 1.286
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá! Faz um tempo que eu não posto nada. Isso se deve ao fato de que eu ando sem inspiração para escrever, mas eu realmente queria terminar essa fanfic. De qualquer forma, eu espero que vocês apreciem.

Capítulo 1 - You look like an angel.


 Crowley sempre gostou de cantar. Claro que ele nunca fazia isso perto das pessoas, mas ainda sim era um de seus passatempos preferidos. Recentemente, o ruivo acabou por começar a ouvir músicas menos pesadas e emotivas e simplesmente ir para aquelas que o faziam querer cantar e dançar animadamente por aí. 

  E para sua surpresa, ele acabou por achar uma que descrevia perfeitamente seu anjo, ou quase perfeitamente. Elvis não era muito sua praia, mas Crowley tinha que admitir que o cara era bom. 

  Aziraphale estava muito bem em sua livraria, enfurnado entre seus livros e espantando alguns pouquíssimos clientes. Seu gramofone tocava alguma música que ele não prestava atenção, mas que parecia agradável de se ouvir. O anjo andou até algumas prateleiras mais escondidas, bem no fundo da loja, para checar alguns de seus preciosos livros. O Armagedom que não havia acontecido tinha se passado a menos de uma semana, mas o anjo ainda sim encontrava livros novos por todo o lugar. Adam realmente fora generoso com ele. Com um sorriso, Aziraphale fechou sua loja, já que era passado das seis da tarde. 

 Mesmo não prestando muita atenção na música que ainda tocava, Aziraphale pôde perceber que ela mudara e que se tornara algo muito diferente. Agora uma melodia mais animada ia ecoando pelo lugar. 

  Algo que fez com que o anjo prestasse mais atenção nas coisas ao seu redor, e esse algo certamente era Crowley. O demônio entrou na livraria sem se preocupar em pedir licença ou ver se o lugar já estava fechado a algum tempo. Junto de Crowley, a melodia pareceu ficar mais alta e recomeçou. 

 

- You look like an angel…

 

 O ruivo entrou e circulou o anjo enquanto cantava. O loiro por si só estava muito confuso e um tanto surpreso com a aparição do amigo. Será que Crowley estava bêbado? Ele nunca entrara em sua loja daquele jeito, e ainda por cima cantando!

 

- Walk like an angel…

 

 Crowley sorria. Em poucos segundos ele audaciosamente pegou a mão de Aziraphale e o fez andar pela sala. Aziraphale o seguiu e tentou não prestar muita atenção no quão quentes estavam as mãos de seu amigo. Ele tentou questioná-lo sobre o que raios estava acontecendo. 

 

- Crowley, o que diabos você está fazend...

 

- Talk like an angel… 

 

 Crowley o girou calmamente pelo lugar, ainda cantando com um sorriso. A esse ponto, Aziraphale apenas suspirou sorridente e se deixou levar pelo demônio. Crowley pareceu se surpreender com isso e pegou sua outra mão.

 

- But I got wise…

 

 O tom da música mudou. Ficou mais animada e Crowley o girou e o pegou novamente em seus braços. Aziraphale riu, tentando manter o equilíbrio. Logo em seguida o demônio começou a guiá-lo pela sala espaçosa, dando passos largos e o girando. 

 

- You’re the devil in disguise!

 

 O anjo tentou não rir com a comparação e com a música boba que tocava, mas não podia negar que, de certa forma, ela estava correta. Aziraphale não era nem de longe o mais santo dos anjos. E Crowley sabia muito bem daquele fato. 

 A próxima estrofe Crowley não cantou junto. O ruivo apenas o guiou, olhando diretamente em seus olhos impossivelmente azuis. O anjo sabia que mesmo através das lentes escuras, o ruivo estava o observando de forma intensa. 

 

You fooled me with your kisses

You cheated and you schemed

Heaven knows how you lied to me

You're not the way you seemed


 

- You’re not the way you seemed… 

 

 Crowley cantou baixinho, podendo quase ver a alma do anjo devido ao seu encarar. Aziraphale não sabia muito bem como reagir, então apenas continuou sorrindo e dançando, como se fizessem isso à anos. O refrão ressoou mais uma vez. Mais um vez o anjo fora levado pelo lugar com uma facilidade imensa.

 

 I thought that I was in heaven

But I was sure surprised

Heaven help me, I didn't see

The devil in your eyes

 

- I didn’t see the devil in your eyes.  - Parou no meio da sala.

 

 Ele segurava Aziraphale firmemente, um sorriso ladino enfeitava seu rosto. Os óculos não conseguiam esconder a onda de adoração que vinha dele, Crowley sabia que estava perdido. O anjo o olhava confuso, mas um sorriso gentil residia em seus lábios. 

 

- O que foi isso, querido? 

 

- Eu só tive vontade de dançar, só isso. - Respondeu calmo. 

 

- E desde quando você canta? 

 

  Nenhum dos dois percebeu que ainda estavam entrelaçados, com as mão juntas e os corpos pressionados um contra o outro. Crowley ofegou de forma quase imperceptível. Parecia que seu coração iria sair pela boca a qualquer momento. 

- Eu já fui um anjo, meu anjo. - Crowley sorriu, as presas ofídias aparecendo.

 

- Oh. 

 

 O Principado parou para pensar por alguns segundos. Pensou na entrada de Crowley, na música e na dança. Também viajou alguns milhares de anos atrás, quando conhecera o outro. No final, ele parou na música.

 

- Eu sou um anjo tão incompetente assim? - Brincou.

 

- Você não faz ideia. - O ruivo ronronou. 

 

- Você não é um exemplo de demônio também, querido. 

 

 O ruivo finalmente o soltou. A música da vitrola voltou à original. O anjo sentiu falta do calor que vinha de Crowley, até chegou a olhar para sua mão que antes estava entrelaçada com a do demônio. 

 Temendo ter aborrecido o outro, o anjo se apressou em pedir desculpas. 

 

- Desculpe-me, Crowley. Eu não quis…

 

- Está tudo bem, meu anjo. Às vezes você se preocupa demais. 

 

 Crowley simplesmente precisava de espaço. Ele havia chegado muito perto de seu ponto de ruptura. Chegara perto demais do anjo, do fruto proibido. O que será que aconteceria se Crowley apenas beijasse o inocente Aziraphale? Será que ele cairia de novo? Ou talvez o outro caísse. Não, não. Ele não suportaria a ideia de causar dor ao loiro. Cair não era nem de longe uma experiência agradável. 

 O demônio deu dois passos para longe de Aziraphale, que tinha um olhar preocupado. Crowley achou adorável o anjo se preocupar com ele. 

 

- Tem certeza que está tudo bem? 

 

 O loiro se aproximou, não deixando muita escolha para Crowley a não ser recuar mais uma vez. Eles continuaram naquela pequena dança até o ruivo ser pressionado contra o sofá macio e cair sentado, Aziraphale se ajoelhou à sua frente.

 

- Eu não irei sair de perto de você. Não até me dizer que está tudo bem, querido. - O desafio no olhar do anjo era claro. 

 

 Crowley lutou contra um sorriso, mas claramente estava perdendo a batalha. O canto de seus lábios se curvaram e seu peito reverberou com as batidas de seu coração humano. Como Aziraphale conseguia ser tão perfeito? Ele nunca iria saber. Com sua voz mais suave, ele assegurou ao ser etéreo que estava perfeitamente bem. 

 

- Não se preocupe, Aziraphale. Eu estou melhor do que nunca. 

 Parecendo desconfiado, o anjo se levantou e estalou os dedos. Sua vitrola começou a tocar uma outra música, ele estendeu sua mão para o demônio. O sorriso mais malicioso apareceu nos traços do loiro e Crowley jurou que seu coração havia parado. Provavelmente parou.

 Sem hesitar, a mão quente e grande de Crowley se entrelaçou com a delicada e muito bem manicurada do anjo. Desta vez era Aziraphale que os guiaria. Enquanto dançavam, Crowley pensou que talvez, só talvez, não fosse tão ruim provar do fruto proibido mais uma vez. Ele já havia feito isso a mais de seis mil anos atrás, afinal. 

 E ele tinha certeza de, o que quer que acontecesse com eles, os dois estariam juntos. Estavam juntos no começo e nem Deus, nem Lúcifer, nem qualquer anjo ou demônio os separariam no final. 

 


Notas Finais


Eu espero que tenham gostado! Perdoem a esquecida aqui e comentem, favoritem, me deixem um pouco mais feliz!
Eu amo vocês, até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...