História Yours - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Hailee Steinfeld, Shawn Mendes
Visualizações 39
Palavras 1.928
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 9 - Nine


Eu nunca parei para pensar em como seria quando eu enfim partisse muito menos no que estaria me esperando do outro lado, mas há alguns meses eu havia adquirido o pensamento de que fosse o que fosse, assim que eu partisse, seria seu sorriso e suas panquecas que eu encontraria do outro lado.

Uma vez li que o amor era verdadeiro, pois jamais passava, as decepções e desencontros são normais, mas isso não é nem de longe capaz de destruir um verdadeiro amor. Eu amei – e amo – meu pai com todo o meu coração, com cada pequena e pegajosa molécula existente em meu ser, e agora eu teria que aprender a manter esse amor vivo em mim sem morrer junto com ele.

- Ela já não deveria ter acordado? – indaga uma voz ao fundo, passos são dados e moveis arrastados, uma gaveta se abre e logo é fechada.

- Não, fique calmo, eu sei o que faço querido – responde uma voz feminina aveludada.

O tempo passa e minha mente flutua em meio a uma imensidão negra, sinto dedos sob os meus, alguém chora baixinho ao fundo, meus ombros doem, minha cabeça lateja, mas não é nem de longe o mesmo latejar de antes, aos poucos sinto que minha mente consegue enfim acordar meu frágil e cansado corpo.

- Ela está acordando.

Abro os olhos e encaro o teto, não é branco e não contém estrelas, não há cheiro de incenso, esfrego minhas mãos contra o tecido embaixo de mim e a colcha não é de linho, viro a cabeça lentamente sentindo-me enrijecida, meus olhos se deparam com Mary que tem seus olhos turvos em lagrimas.

- May – sussurro rouca sentindo minha garganta gritar por água, Mary chora e se aproxima prostrando-se na beira da cama, sua mão cobre a minha.

- O que aconteceu? – indaga chorando.

Em uma alucinante explosão de flashes recordo-me dos acontecimentos. Lembro-me de Tommy, o estacionamento, minha discussão com Sandy, minhas pernas levando-me para longe de Shawn. Shawn! Olho para frente e o encontro aos pés da cama com os braços cruzados encarando-me, os mesmos olhos preocupados que vi antes de perder a consciência no banco de trás do carro.

Sinto meus olhos se turvando em lagrimas e as mesmas caindo por meu rosto, os dedos finos de Mary as limpam e ouço as suas caírem. Isso não devia estar acontecendo, esse é meu único pensamento.

- Eu fui estúpida – digo olhando para Shawn que se move até meu outro lado, ele se senta na cama e alcança um copo de água no criado.

Observo o ambiente em que me encontro pela primeira vez e avisto prateleiras de livros e porta retratos, em um deles Shawn sorri abraçado a uma mulher de meia idade, sorriu olhando a imagem e volto-me a focalizar seus olhos.

- Sua mãe? – indago, ele me estende o copo com água e se vira para olhar a foto sob sua mesa de estudos, Shawn suspira e sorri de lado.

- Sim, ela cuidou de você – seus olhos voltam-se para mim, faço um movimento para me sentar e tudo se turva por alguns instantes, as mãos ágeis de Mary se encaixam em minhas costas dando-me suporte para então me sentar, sorriu para a mesma em agradecimento.

- Cuidou de mim? – indago encostando-me na cabeceira de sua cama, estendo minha mão pegando o copo de vidro repleto de água.

- Ela é enfermeira, fez o melhor que pode, mas você ainda deve ir ao medico – diz com o cenho franzido, bebo toda a água e devolvo o copo ao mesmo.

- Ashaland, o que aconteceu? – indaga Mary com as mãos cruzadas sob seu colo, lá fora o sol ameaça surgir, ela usa um longo casaco bege, por baixo do mesmo vejo que ainda usa seu uniforme de líder de torcida.

- Thomas perdeu o equilíbrio, discutimos e ele foi longe demais – digo sentindo-me apreensiva, cruzo meus dedos e mordo os lábios sentindo gosto de sangue em minha boca, passo meus dedos por sob os mesmos e encontro pequenos arranhados além de feridas por dentro.

- Por que brigaram? E por que não quis que Shawn te levasse para o hospital? – indaga olhando-me com indignação.

Olho para Shawn que se mantém com o cenho franzido – Quer que eu saia? – indaga, balanço a cabeça em negação sentindo mais uma lagrima rolar por meu rosto, limpo a mesma com agressividade e sento-me ereta.

Fecho os olhos e suspiro fundo – Nós estávamos transando, mas eu terminei tudo, e desde então ele não vem aceitando bem a situação – digo ainda com os olhos fechados.

- Por quê? Sandy é sua amiga desde o jardim – Mary diz soando irritada, abro os olhos e a encaro.

Encaro Mary e sinto sua angustia, vejo seu peito subir e descer,vejo a mesma controlar suas lagrimas e meu peito arde com a culpa, com a vergonha. Engulo em seco e olho para Shawn, ele se matem de cabeça baixa com os cotovelos sob seus firmes joelhos e suas mãos cruzadas em frente a seu corpo.

- Eu estava com raiva, eu só queria que ela se sentisse minimamente igual a mim, que ela sentisse dor – digo, e quando as palavras saem por meus lábios consigo sentir e entender o tamanho de meu egoísmo e insensatez.

Shawn se levanta e caminha até a janela empurrando as grossas cortinas deixando o ambiente ainda mais claro, ao meu lado Mary suspira e passa as mãos por sob seu rosto, ela olha-me e sinto sua frustração.

- Sandy pode ter todos os defeitos do mundo, eu sou a primeira a começar a longa lista, mas ela te ama, e amava seu pai – diz.

- Ela não estava comigo – sussurro – Eu precisava dela.

- Mas que droga Ashaland! – grita levantando-se me assustando – Eu estava com você, o tempo todo eu estive lá, será que isso não é o bastante para você? – indaga olhando-me de cima, engulo em seco e a encaro de volta.

- Você sabe que não estou desmerecendo você – digo.

- Não, você está fazendo pior, está procurando desculpas para seus erros. Eu te amo Ash, você é minha melhor amiga, minha irmã – diz chorando – Mas isso? Transar com o namorado da sua amiga e depois apanhar dele? Isso é muita merda, até mesmo para você.

- O que quer dizer com isso? – indago apreensiva.

- Eu disse a sua mãe que você dormiu na minha casa, meus pais estão viajando então não há como ela descobrir que é mentira. Eu preciso de um banho, e dormir um pouco, mas quando eu voltar iremos juntas a delegacia – diz pegando sua bolsa por sob um puff.

Olho em apreensão para Shawn que continua de costas para nós, viro-me para Mary que tem seus braços cruzados e encara-me com determinação.

- Eu não posso, todos irão descobrir, você sabe o que irão falar e fazer comigo – digo.

- Você apenas sairá das sombras – diz seca encaminhando-se até a porta – E Ash – diz atraindo minha atenção até seu rosto – Se eu fosse você me preocuparia em explicar ao Jer o que são esses roxos no seu rosto – fala tristemente saindo do quarto.

Jer, meu pequeno irmãozinho. Fecho os olhos encostando minha cabeça contra a cabeceira da cama, passos ressoam no assoalho e a cama se afunda, um aroma agridoce toma conta do ar, sinto sua mão embrenhando-se a minha e a aperto.

- Desculpe – digo abrindo meus olhos o olhando.

Shawn vira-se para mim com o cenho franzido arqueando sua sobrancelha perfeitamente desenhada.

- Pelo quê? – indaga alisando minha mão com seu polegar.

- Por te deixar com essa constante expressão de preocupado – digo passando meu dedo entre suas sobrancelhas, o vislumbre de um sorriso aparece – E por não ser o que você esperava.

Ele sorri para mim e beija o dorso de minha mão – Você é exatamente quem eu achei que fosse talvez com uma milha a mais de problemas – diz me fazendo rir – Suas escolhas podem não ter sido certas, e com certeza não há justificativa para nenhuma delas, mas eu não julgo você Ash, não é para isso que eu estou aqui.

Encaro sua boca e suspiro analisando seu lindo rosto, passo meus dedos em um pequeno cacho que se molda em seu sedoso cabelo, retiro minha mão de seu rosto e a deixo caída em eu colo.

- Então para o que você está Shawn?

- Vejo que ela já acordou? – diz uma voz feminina, olho para a porta e me deparo com a mesma mulher do porta retrato, em roupas verdes de enfermeira, ela se mantém encostada na soleira da porta.

- Mãe – diz Shawn levantando-se, ele caminha até a beira da cama arregaçando as longas mangas de sua blusa verde – Ashaland essa é minha mãe, Karen.

Karen anda até a cama e suspiro baixinho sorrindo para a mesma, ela se senta a meu lado e sinto seus dedos tocando o alto de minha testa, afasto-me de seu toque ao sentir uma leve fisgada.

- Você precisa de um medico, nós já adiamos por tempo demais – diz suavemente pegando minha mão.

Olho para nossas mãos entrelaçadas e depois para os preocupados olhos de Shawn, balanço a cabeça em assentimento e vejo a pequena ruga entre os olhos do mesmo desaparecer, involuntariamente sorriu para ele que sorri de volta.

- Vou buscar um casaco para você, Shawn querido, você me acompanha – diz repentinamente levantando-se.

Shawn franze o cenho e a acompanha quarto a fora. Olho para a janela que mostra com clareza o nascer do sol, no criado ao meu lado encontro minha bolsa, abro a mesma pegando meu celular, milhares de mensagens de Sandy piscam em alerta, fecho meus olhos e me lembro das palavras de Mary, ela estava certa, eu sabia que tudo isso era errado desde o inicio.

Levanto-me sentindo todo o meu corpo gritar em negação, coloco-me ereta e sinto meus músculos contraírem, apoio-me na contra um parede tendo a visão de um grande mural repleto de fotos, aproximo-me do mesmo vendo diversas fases de Shawn.

Seu sorriso descontraído está presente em todos, uma foto em especial chama minha atenção, além de estar usando roupas de um time de futebol, a foto encontrava-se claramente rasgada ao meio, havia uma mão masculina sob o ombro direito do mesmo que sorria, firmando uma de minhas mãos na mesinha aproximo meu rosto da foto.

- Vamos?

Olho para a porta vendo Shawn com um casaco preto em seus braços, ele sorri para mim, no entanto o sorriso some ao ver-me debruçada sob seu mural, em passos lentos ele se aproxima de mim.

- Quem era o homem na foto? – indago vendo seu olhar fixar-se a foto.

- Alguém que não está mais aqui – sussurra arrancando a foto a colocando em uma gaveta.

- É assim que você lida? Guardando em gavetas? – pergunto sentindo-me mal no mesmo instante.

Shawn morde os lábios e olha para baixo, ele fecha a gaveta e empurra o casaco para mim.

- Às vezes temos que fazer coisas que não gostamos para seguirmos em frente – diz levantando seu olhar até mim.

Pego o casaco assentindo levemente, ergo meus olhos e encontro Shawn.

- Eu não sei o que você veio fazer aqui, nem mesmo se você é capaz de sentir o mesmo que eu, mas, eu quero que fique – digo olhando-o fixamente, visto o casaco sentindo um leve cheiro de lavanda, afasto-me de Shawn e caminho em direção a porta, viro-me no batente e olho para o mesmo que me olha - Você não vem?

- Sim, eu vou.


Notas Finais


Muito obrigada por ter chegado até aqui :)
PS: Foco nos detalhes rs!
Dê uma chance a TH: https://www.spiritfanfiction.com/historia/tiny-heart-12089405


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...