História Youth (Romance Gay) - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Romance Gay
Visualizações 192
Palavras 2.963
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Esporte, Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Slash, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa noite pessoal, mil desculpas por não postar antes, mas eu moro no Rio e aqui chegou uma frente fria que só Gzuis. Tudo aconteceu ao mesmo tempo... fiquei doente, sem tempo e sem internet porque a tim parece net discada que não pode vê uma chuva que caí AFF... Enfim, esse capítulo ficou muito grande e pra não ficar cansativo eu decidi dividir em dois ok! Sem mais delongas, tenham uma ótima leitura!

Capítulo 13 - 12. Capítulo (parte 1)


Fanfic / Fanfiction Youth (Romance Gay) - Capítulo 13 - 12. Capítulo (parte 1)

                                                            (Dean)



- Entendeu o que? - perguntou tentando parecer desentendido.

- Dean você sente atração por aquele garoto? - perguntou Mattew o surpreendendo com tamanha objetividade.

- O que? De onde você tirou isso cara? - perguntou Dean aos gritos com oa olhos arregalados.

- Sei la, é que você está andando estranho ultimamente, principalmente em relação a aquele garoto. - disse coçando a nuca desconfortável. - Quer saber esquece, só saiba que somos amigos e sempre te apoiarei em tudo. - disse o amigo colocando a mão no ombro dele.

- Não é nada disso que você está pensando! - se alterou retirando a mão do outro de seu ombro.

- Ooou... Também não precisa ficar na defensiva Dean... - falou o outro levantando as mãos. - Só queria te lembrar que sou seu amigo. - continuou.

- Eu entendi que é meu amigo, mas não gosto do que você está insinuando. - falou bravo. - A minha aproximação com aquele garoto é por puro interesse. - mentiu.

- Interesse? Em que? - questionou curioso erguendo uma sobrancelha.

- Na amiga dele. - disse a primeira coisa que pensou, mas logo se arrependeu ao ver o olhar do amigo se iluminar.

- Pois bem, eu te ajudo se esse for o caso. - disse Matt animado. - Alias, nunca vi Dean Stanfford exitar, ela deve ser mesmo importante, porque você não faz o tipo de cara que precisa disso, quando você quer sempre consegue então ela deve ser durona. - continuou colocando a mão sobre o queixo.

- É que dessa vez é diferente, acho que estou pagando por tudo que fiz no passado. - Dean agora estava pensativo, pensava que está gostando do garoto era um castigo para todos os corações que partiu.

- Talvez... - disse o amigo rindo. - Agora vamos entrar porque já estou quase congelando. - disse o amigo soltando uma golfada de ar para mostrar o vapor saindo de sua boca.

- Ok! - disse Dean apoiando o braço no ombro do outro enquanto caminhavam para o dormitório.

Alguns dias se passaram e as coisas começaram a ficar estranhas entre ele e o garoto, é verdade que não eram amigos, mas o outro evitava o maximo passar perto dele e quando era inevitável nunca o encarava nos olhos. Estava indo em direção ao elevador quando viu a silhueta do garoto entrando no mesmo, apressou o passo interditando a porta com uma das mãos dando de cara com um garoto de olhos arregalhados.

- Oi. - disse ele na entrada da porta do elevador, o lugar perfeito para encurrala-lo.

- Oi. - respondeu o garoto desviando o olhar com as bochechas levemente coradas.

- Eu estou começando a notar um padrão nesses nossos encontros casuais, acho que já sei onde te achar caso um dia precise te procurar. - disse Dean rindo de o quão fofo aquele garoto ficava quando estava envergonhado.

- E por que precisaria me procurar um dia? - de repente havia tomado uma postura inquisitora enquanto o encarava, oque fez com que sua expressão fofa se transformasse em sexy em pouco tempo.

- Nunca se sabe... - disse malicioso deixando que o garoto seguisse seu rumo.

- Ei! você não ia descer? - perguntou o outro com a expressão confusa enquanto segurava a porta.

- Vou de escada. - disse Dean caminhando de costas ainda admirando o garoto. - Da ultima vez que usamos o elevador juntos ficamos presos por horas. - gritou ele e riu da expressão que o outro fez.

Ouviu a porta do elevador se fechar e sorriu ao lembrar das expressões do garoto, mas logo sacudiu a cabeça para dissipar tais pensamentos.

Dean estava indo para o prédio onde ficava as salas de aulas quando encontrou Matt no campus. É fato que considerava o garoto um grande amigo, mas as vezes ele o tirava do sério. O garoto já estava incomodado com a situação que se encontrava seus sentimentos e para além do mais ainda tinha o amigo que sempre erguia as sobrancelhas para ele toda vez que Greta passava o deixando desconfortavel.

- Cara, tem como você agir normal? Acho que até ela sacou essas suas caras. - disse Dean para Matt enquanto caminhavam no corredor em direção a sala de aula.

- Mas não quer que ela saiba? - perguntou o outro o encarando confuso.

- Claro que não! - falou alterado quase gritando deixando o outro ainda mais confuso. - Quer dizer... Não agora... - consertou após ver a expressão do amigo.

- Então quando? - insistiu o amigo.

- Eu não sei. Talvez... - estava respondendo o amigo quando o telefone tocou. Olhou o visor e sentiu vontade de quebrar o celular só para não atender aquela ligação.



- Bom...

- Dean! Porque não atendeu as minhas ligações? - gritou seu pai do outro lado da linha o interrompendo.

- Me desculpe senhor... Eu estava ocupado... Am... Estudando. - tentou se explicar.

- Eu não to nem ai para suas ocupações garoto! - continuou gritando. - Da proxima vez que eu te ligar você vai entender imediatamente está ouvindo bem? Para o seu bem espero que não tenhamos mais essa conversa Dean. - dessa vez sua voz estava calma, gélida, o que fez com que ele estremecesse com a ameaça.

- Sim senhor... - antes mesmo que o garoto terminasse de falar a ligação havia sido encerrada.



- Papai? - perguntou Matt ao ver a caranca do garoto.

- Não da pra chamar aquele homem de pai, quanto mais papai. - falou entre os dentes ainda irritado.

Os garotos foram para a aula que já havia se inicado, pediram desculpas e sentaram em suas carteiras. A aula de seguia, mas o garoto só conseguia pensar o quão azarado alguém podia chegar a ser. Pediu licença para ir ao banheiro, mas a verdade é que estava com a cabeça muito cheia para continuar a ouvir o professor falar sobre mais leis.

Caminhando pelo corredor sem rumo se viu indo em direção a secretaria. Estava dando a volta para sair daquele corredor quando sentiu algo bater sobre suas costas, se virou em um giro dando de cara com um Thomas com o rosto vermelho molhado de lágrimas.

- O que aconteceu? - perguntou ele o ajudando a ficar de pé, mas antes mesmo de ouvir uma resposta o outro já estava se afastando. - Ei, o que aconteceu? Eu posso te ajudar? - perguntou novamente, dessa vez o segurando pelo braço o impedindo de fugir.

- Agora não Dean, me solte. Eu só quero ficar sozinho. - aquelas palavras saiam de sua boca, mas ele conseguia ver em seus olhos que não era aquilo que o garoto queria dizer.

- Você não vai ficar sozinho! - e sem pensar Dean o abraçou forte.

Ele não havia pensando na atitude que tomou e quando pensou sentiu que foi a melhor que havia tomado em tempos. Sentir o garoto em seus braços assim tão transparente, sendo sincero em seus sentimentos ainda que esses sejam de tristeza fez com que o coração de Dean batesse mais forte em seu peito. Ele não queria admitir, mas o que ele vinha sentindo pelo garoto estava ultrapassando os limites de uma possivel amizade.

Depois que o garoto havia parado de convulsionar devido aos soluços de choro Dean levantou seu rosto para examina-lo de perto, haviam ainda lágrimas escorrendo por sua face, seu nariz estava vermelho assim como as bordas do olho. Passou as costas da mão delicadamente sobre o rosto do garoto limpando os vestigios de lágrimas.

- Eu não sei o que aconteceu e nem o que você tem passado, mas sempre que precisar estarei aqui para que chore comigo. - disse o encarando, queria que o menino sentisse que poderia contar com ele sempre.

- Me desculpe, acho que sou um pouco dramatico. - disse o outro se desvencilhando de seus braços, fazendo com que Dean se desse conta de que ainda estava abraçado ao garoto.

- Não acho que seja drama, todos carregamos nossas bagagens emocionais e no dia que estiver pronto eu estarei aqui para ouvir a sua. - tentou conforta-lo pois sabia como era ruim não ter ninguém com quem desabafar.

Dean sabia que tinha que retornar a aula pois já havia saído a mais de meia hora, mas não conseguia deixar o garoto ali naquele estado, fechou os olhos brevemente e caminhou para longe dele acenando, o garoto achava que se pudesse ver sua cara agora com toda certeza ela estava deprimente.

Voltou para sala de aula onde os alunos arrumavam suas coisas para saírem. Dean olhou para o relógio e percebeu que não havia ficado meia hora fora como tinha pensado, mas sim quase duas horas.

- Dean...- disse Sr Lockewood o olhando por cima dos óculos de armação antiga.

- Sim professor.. - se aproximou do outro já preparado para o sermão.

- O que aconteceu com você? - perguntou retirando os óculos para encarar o garoto de pé mesmo sendo infinitamente mais baixo.

- Estava me sentindo mal senhor... - falou simples e de tudo não era uma mentira, o garoto estava mesmo sentindosse mal.

- Entendo, mas devia ter me dito ou ido a enfermaria pois perdeu um teste surpresa do qual valia a maior nota do semestre. - aquilo fez com que pensasse logo no que o pai diria ao ver que seu único filho não era perfeito. - E você sabe que aqui o que mais existe é alunos de bons nomes, sendo assim, mesmo seu pai sendo nomeado primeiro ministro senhor Stanfford isso não significa que iriei aliviar a sua vida. - continuou interrompendo o pensamento de Dean, até que o mesmo ouviu "pai", "nomeado" e "primeiro ministro na mesma frase fazendo o arregalhar os olhos mediante a aquela revelação.

- Meu pai... - começou a dizer, mas foi interrompido por um professor que lhe entregava algumas folhas de papel e uma caneta. - O que é isso? - perguntou curioso antes de ler o conteúdo do papel.

- O teste Dean... Eu lhe disse que não aliviaria sua vida por ser um Stanfford, mas você é o meu melhor aluno, quiçá melhor da faculdade e se estava sentindosse mal, eu realmente acredito. - concluiu o professor fazendo com que o garoto ficasse sem reação. - Agora vamos logo, não espera que tenho a tarde livre né? - disse batendo palmas para apressar o garoto.

Ele havia terminado o teste em vinte minutos, a matéria estava relativamente facil para ele que estudava todas as noites. Entregou o teste, agradeceu ao profressor e se despediu. Encontrou Matt no corredor junto a Scott, deu um tapa de leve no pescoço do garoto enquanto passava por eles.

- Então é verdade não é Dean? - perguntou Scott fazendo com ele se virasse para os garotos.

- Sobre? - perguntou confuso com aquela pergunta.

- Está afim da amiguinha da... do garoto novo. - falou ironico com um sorriso maldoso no rosto.

- Quem te disse isso? - olhou para Matt decepcionado.

- Não é isso Dean, foi por causa dessa foto... - o amigo tentava se explicar indo em direção a ele mostrando algo em seu celular que logo Dean descobriu se tratar de uma imagem dele e do garoto se abrançando em meio aos corredores momentos mais cedo.

- Q... Que.. Quem tirou... Quem tirou essa foto. - gaguejou o garoto nervoso ao perceber o quanto estavam proximos naquela foto.

- Desencana garanhão! - gritou Scott colocando o braço ao redor do pescoço do garoto enquanto tirava o celular de suas mãos. - Por que não disse antes que estava querendo chegar na amiga dele? Concordei com Matt quando ele disse que você estava arriado por essa garota, nunca tinha visto você agir assim antes. Digo se aproximar de um garoto como aquele para pegar a amiga... Deve está mesmo apaixonado. - disse rindo enquanto abraçava ainda mais Dean que sorria sem graça ainda tremendo de susto pela foto.

- Vocês dois são uns idiotas. - falou Matt se aproximando dos garotos para abraça-los. - Mas e agora? Como vai ser? - olhou curioso para Dean.

- Olha sua oportunidade vindo ali... - cochichou Scott girando o corpo do garoto para que ele avistasse Greta que caminhava em sua direção.

- Deaan... Estava te procurando... - disse a garota manhosa fazendo os amigos que agora estavam atrás dele o apertarem de leve.

- E você achou... - respondeu desconfortavel passando a mão pelo cabelo da nuca.

- Ainda está de pé o nosso almoço? Porque poderia ser hoje. - Dean não sabia o que fazer, de um lado a garota lhe cobrando um almoço, do outro os amigos sem noção colados na suas costas esperando uma resposta no mínimo decente.

- E.. Eu.. - começou a dizer, mas acabou entrando em choque com toda aquela situação. A verdade é que toda sua vida passou sobre pressão, mas aquele era um nível superior as exigências de seu pai, pois se tratavam das suas próprias, ele estava tentando fazer algo que ele não queria para manter as aparências de algo que ele tinha certeza que era, oque seria ser um homem HETERO.

- Desculpa me intrometer gatinha, mas não consigo lidar com meu amigo agindo como um gato assustado perto de você. - se intrometeu Scott colocando a mão em seu ombro. - É que meu amigo está muito afim de você e não está conseguindo se expressar bem. - mais que droga era só o que o garoto conseguia pensar. - Acho até que ele quer te pedir em namoro...

- O que? - gritaram Dean e Greta ao mesmo tempo virando para encarar Scott que gargalhava.

- Juizo meninos. - disse o amigo se afastando e puxando Matt pelos corredores.

O garoto se virou para olhar novamente para garota que estava com os olhos brilhando em antecipação e sentiusse o maior idiota da face da terra.

- É verdade Dean? - perguntou a garota passando a mão em seu rosto.

- Acho melhor irmos almoçar primeiro. - foi só o que conseguiu dizer.

- Vamos até minha sala, preciso pegar minha coisas. - e então a garota já o arrastava pelos corredores em direção a uma outra ala de salas. Ficou parado do lado de fora da porta esperando a garota recolher seus pertences e quando a mesma retornou o surpreendeu laçando os braços em seu pescoço ficando na ponta do pé o deixando sem reação.

Estava naquela situação constrangedora a alguns minutos quando ele percebeu que não a abraçou de volta, e então sem a minima vontade colocou as mão sobre seus quadris fazendo com que a garota abrisse um largo sorriso em resposta.

- Thomas! - gritou ela o assustando e fazendo com ele virasse o olhar imediatamente para o local onde possivelmente o garoto estaria. Soltou seus quadris e se afastou um pouco a medida que o garoto se aproximava.

- Oi. - disse simples, mas Dean não conseguia evitar analisar sempre que podia todas as partes daquele garoto.

Ele conseguiu perceber que o garoto havia corado sobre seus intensos olhares, o que o deixava extremamente fofo, mas era o olhar do garoto sobre o ombro da amiga que o deixava quente. Aqueles grandes olhos verdes o estavam hipnotizando

- Recebeu meu presente? - foi quando Greta voltou a falar que ele acordou do transe.

- Sim, foi por isso que resolvi vir até aqui. Muito obrigada Greta, saiba que sempre será minha melhor amiga. - respondeu o garoto sorrindo.

- Eu sei Thomas, para de ser meloso. Bem, só que agora não posso te dar muita atenção pois eu tenho um compromisso. - falou Greta olhando para ele, que então entendeu oque a garota queria dizer com aquilo. Era de se esperar que ela queria ficar a sós, mas ele não.

- Entendo, peço desculpas se atrapalhei algo. - disse o garoto com as bochechas voltando a ficarem vermelhas.

- Não, só iamos almoçar, se quiser vim com a gente. - foi então que teve a idéia de convidar o garoto.

   - O-obrigada, mas estou sem fome. - gaguejou ele ao olhar para a amiga assustado.


Entram em um restaurante que Dean sempre ia quando queria impressionar alguma garota da qual estava afim. Eram uma da tarde, mas o ambiente era a meia luz fazendo com que no local parecesse noite. Foram levados pelo garçom a uma mesa mais adentro do local.

- Esse lugar é maravilhoso... - disse Greta deslumbrada. - Poderia me acostumar com isso tudo muito fácil. Muito obrigada Dean. - disse abraçando o garoto pela segunda vez no dia.

- Não foi nada. - sorriu sem vontade.

Se sentaram a mesa e Dean logo já havia escolhido oque comer, afinal já estava habituado ao local e a culinária, estava só a espera da escolha da garota. Fizeram os pedidos, ele havia pedido carne a moda da casa e ela peixe grelhado com batatas e uma sopa de mariscos. Para acompanhar o garoto havia pedido o vinho de sempre.

Os pratos enfim chegaram e eles comeram em silêncio. O garoto agradecia aos céus por aqueles momentos em silêncio, não é como se não gostasse da garota, ele apenas não se sentia atraído por ela para manter essa aparência.

- Então... O que gostaria de me pedir? - a garota interrompeu o silêncio com aquela pergunta colocando os cotovelos sobre a mesa e apoiando a cabeça sobre os dedos entrelaçados enquanto o olhava com expectativa. Dean que estava com a boca cheia engasgou com a comida. - Dean! Você está bem? - perguntou a garota se levantando para ajuda-lo ao ver a cara do garoto ficando roxa.


Notas Finais


Mas uma vez peço desculpas pelos erros.. xoxo 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...