História Youtubers live (interativa) - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Alan Ferreira (EDGE), Malena "Malena0202" Nunes, Rafael "CellBit" Lange, Tauz, TazerCraft
Personagens Alan Ferreira, Malena0202, Mike, Pac, Personagens Originais, Rafael "CellBit" Lange, Tauz
Tags Youtube, Youtubers, Zueira
Visualizações 70
Palavras 1.889
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Famí­lia, Ficção Adolescente, Luta, Romance e Novela, Saga
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


11 adolescentes em um acampamento, o que poderia dar errado?
DJEISU!
Adivinha quem vai aparecer aqui hoje???? Eu decidi dar um toque de magia se não se importam...
Afinal, uma vida normal seria muito chato... E se quiserem podem botar nos comentários desse cap uma "característica especial", por que não??
PORÉM!!!!! Os poderes só aparecem de 6 em 6,ok?

Enfim vamos pro video!

Musiquinha: https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwjmoIaG9a_XAhVDhZAKHRbDCl4QyCkIKjAA&url=https%3A%2F%2Fwww.youtube.com%2Fwatch%3Fv%3DSJkj3DgW8Y0&usg=AOvVaw2QTvy6grppvX1knimo5cTa

Capítulo 6 - Meses depois...


 

(QUINTA-FEIRA 12/01/2024 19:46)

Fazem quatro meses desde que conheci o pessoal, mas sinceramente... Não me arrependo de nada! Ainda mais, daquela vez que derrubei o Seal no rio. Bom, talvez tenha me arrependido um pouco... Mas foi divertido!

Enfim, os pais de todo mundo estão nos Estados Unidos para um convenção mundial de youtubers, então eles nos mandaram para um acampamento de verão com outras pessoas. Estamos todos na minha caminhonete agora, mas demos uma parada para checar onde estamos. Uma hora depois estávamos na porta do lugar. E, na moral, aquele lugar meu deu uns arrepios.

Assim que chegamos um instrutor, que parecia ter entre 25 a 30 anos, nos levou pra umas cabanas que passaríamos as próximas duas semanas. Larguei minhas coisas na minha cama e sai andando. Na boa, esse lugar me lembra um vídeo game que o Tio Cellbit me mostrou uma vez quando um tinha 10 anos... Estranho, mas eu não lembro do nome do jogo... e nem se tem um final feliz...
Nah! Deve ser coisa da minha cabeça. Afinal, o tio Cellbit me mostrou Fnaf, então eu devo estar meio paranois por causa dos das coisas que ele me mostrava.

Já eram onze da noite quando todos fomos pra beira do lago. Na verdade, nem foi tão ruim mas, a Gabi ficava olhando por cima do ombro toda hora como se estivesse verificando se tinha alguém nos observando então eu perguntei o que que tava rolando...

- Ãhm? Ah! Nada nada... só uma sensação diferente... D-deve ser os novos ares... - Disse fazendo um sorriso forçado nem um pouco convincente.  Aquilo só me deixou mas desconfiada, mas no final decidi deixar quieto.

Quando deu meia-noite, vimos uma sombra na água. Dois braços grossos puxaram um instrutor pra dentro d'água. Ele gritou em desespero. Até que ele submergiu. Um garoto se aproximou da água e se afasta com os olhos arregalados.

- Temos... de sair daqui... - Disse enquanto um homem, não, uma coisa, saiu da água. Uma máscara de hockei no gelo velha e molhada. Roupas presas em correntes cobertas de limo e sugeira a tornando sem nenhuma reflexo. Era a coisa mais assustadora e maneira que e já vi na vida! E aliás, eu lembrei que jogo o tio Cellbit me mostrou! E sabe qual era? Sexta feira treze!

Todos foram embora em direção a floresta. Eu entrei na floresta a procura de suprimentos. Já ouvi muitas histórias e a do Jason, é a mais tensa... O pouco que sei dele que ele só morre quando uma garota, uma garota, em específico acha a casa da mãe do nosso assassino e pega uma camisa da mãe dele. E então uma pessoa deve fugir ou... Bom... Vocês sabem... Acaba da pessoa fugir e então, pelo menos um grupo de cinco pessoas tem de achar o Jason e bater nele até atordoá-lo, "ativar" o suéter e quebrar a máscara dele, após isso alguém pega a máscara e liga para um cara chamado Tommy Jarvis e quando ele chega ele tem que ter uma batalha final com o nosso querido serial killer.
Então vamos começar a nossa listinha da felicidade/sofrência
1-Achar o pessoal
2-Pegar armamentos
3-brincar de briguinha com o titio jaisu
4-Liga pro Tommy e se proteger

Enquanto eu fazia minha lista eu achei a Gabriele, o Ricardo, a Bia e o Seal. Acho que a Bia era a única que não estava literalmente SURTANDO por dentro.

- Gente. Eu tenho um plano... - Eu disse me aproximando deles e abrindo minha mochila. - Mas antes, vocês tem alguma coisa? Comida, armas, alguma coisa? 

- Nada ainda... - Disse Ricardo olhando na sua mochila.- E você, alguma coisa?

- Eu coloquei uns walkie-talkies quando sai de casa aqui e... Ah! Eureca! - Disse tirando os aparelhos de dentro da mochila e entregando um pra cada. - Caso a gente se separe, é sou contatar pelo rádi... CORRE! - O Jason estava a 3 metros de nós e quando eu gritei todos viraram de costas. O Seal pegou a Bia no colo e saiu correndo enquanto gritavam. Eu puxei os outros dois pelo colarinho da camisa e corremos pro lado contrário. A boa notícia, o Jason é bem lento a má notícia, ele se teleporta. Mas nós o deixamos confuso porque fomos um pra cada lado então ele ficou um tempo parado e depois desapareceu.
Depois de corrermos quase um quilômetro, nós paramos e entramos em uma casa que parecia  ser feita de placas de metal e outras coisas. A casa da mãe do Jason...

- Ok, se aqui é mesmo o que eu estou pensando vai ter... É! é a casa dele.- Disse Ricardo abrindo a porta e dando de cara com o que parecia ser uma mesa com uma cabeça de uma mulher murcha, um suéter e o corpo de um homem perto da mesa. - Gabi, pegue o súeter... 

- Por que eu? - Perguntou ela. - Eu não posso ser a que tem que vestir isso, né? 

- Talvez seja... Afinal, você era a única que percebeu que estávamos sendo observados... - Disse olhando pra porta. - Mas pega de qualquer jeito. Quero sair logo daqui. 

Ela se aproximou e pegou a roupa. Eu também peguei um machado que estava em um canto. Logo depois disso saímos de novo. Rico ligou o walkie-talkie.

- Ricardo para Bianca, câmbio.- Depois de ter falado isso deu um pouco de interferência mas depois de uns dois segundos ouvimos uma resposta

- Bianca aqui, câmbio... - Disse a voz da Bia. Soltei um suspiro aliviado por saber que ela estava viva.

- Descobriram alguma coisa? A gente achou a casa do Jason e agora já temos o suéter...

- Ainda nada, afinal não saímos muito do lugar onde paramos. O Seal tropeçou e fez um machucado do tamanho da minha mão! - Disse Bia e eu parei de ficar aliviada. Mas ai que eu tive uma outra idéia... 

- Bia, vocês tem alguma câmera com vocês? - Perguntei, abrindo a mochila da Gabi tirando uma câmera fotográfica da boa. - Por que se tiverem, comessem a gravar. Se sairmos vivos dessa podemos colocar esses videos nos canais e depois pros jornais.

- Ok, acho que tem uma na minha mochila... Pronto! Achei! E... gravando! - Disse Bia enquanto eu começava também.

Passados alguns minutos e achamos mais uma clareira onde tinha a minha caminhonete. Eu nunca me senti tão feliz em ver o meu carro. Quando eu fui checar se estava tudo certo no carro, percebi que estava se bateria, gasolina e as minhas chaves sumiram! Esse Jason pensa em tudo. As chaves eu não preciso porque a Gabriele sabe fazer ligação direta, (como ela aprendeu eu não faço ideia) eu tinha visto também tinha visto um galão de uns 5 litros de gasolina, mas então o problema a era bateria. Afinal, se fossemos construir uma bateria, a gente precisava de um molde, fios e mecanismos além de eletricidade. Eletricidade que nós não tínhamos aliás.

Assim que fechei o capo do carro, eu olhei pra trás e me abaixei de um machado. Adivinha quem e... A esquece! Era o Jason mesmo. Eu chutei os joelhos dele para que eles quebrassem pra trás, mas elas apenas tremeram bugaram, e voltou ao normal. Ele tentou me agarrar de novo mas eu desviei e o Ricardo pegou um dos sinalizadores e atirou no Jason enquanto eu me afastava. Liguei o walkie talkie e chamei a Bianca e o Seal.

- GALERA! ACHAMOS ELE! ESTAMOS NA ZONA SUL! - Disse gritando me agarrando ao pequeno rádio como se minha vida dependesse disso. E dependo mesmo! Quando acabei de falar/fingir ser o Cellbit eu vi os dois que eu acabei de falar. Eles estavam partindo pra cima do Jason com uma chave de fenda e um bastão de beisebol direto na cara dele. Assim que os dois colidiram com o Jason a máscara quebrou e caiu no meu colo.- JÁ TEMOS O QUE PRECISAMOS! CORRAM! - Dito isso fomos todos correndo pro mesmo lado. Como quando você quebrou a janela do seu vizinho loko e ele viu, aí você tem que sair correndo mas ai você tem é capturado por aliens que transformam em um ciborg pra destruir a raça humana, mas você se apaixona por uma égua e vira um cavalo... enfim vocês me entenderam...

Nós entramos em uma casa e trancamos as portas. Nós ouvimos alguém abrindo a janela e fomos ver o que era, com a adrenalina estorando. No final, era o resto do pessoal. Nunca fiquei tão feliz em ver eles. Eu pensei por um momento que eles... esquece... Enfim, eu liguei meu celular e digitei um número que estava escrito em uma parede da casa. Depois de um tempo um cara atendeu:

- Alô? Aqui é o Tommy Jarvis! - Disse uma voz que parecia ser um cara que tinha uns 20, 24 anos. 

- Oi, precisamos da sua ajuda! Temos um problema código J-A-S-O-N! Dava pra você trazer uma bazuca? - Eu disse, brincando. Isso me acalma quando estou tendo um colapso nervoso. Isso e jogar no meu computador. 

- Estou a caminho! - Depois disso só ouvi aquele barulho de tu-tu-tu no meu celular. Agora o jeito era se proteger. Vamos checar a listinha da felicidade/sofrência.
1-Achar o pessoal. ~Cheque
2-Pegar armamentos ~Cheque
3-Brincar de briguinha com o titio jaisu ~Cheque
4-Ligar pro Tommy e se proteger ~Cheque

Ok, acho que fiz que pudia e... Agora que eu lembrei do meu carro. Sem ele não dá pra sair daqui, então vamos a caça a bateria! Ah não, espera... esqueci de falar que as menias vieram com a bateria. (chega de complicações por uma noite! [Se eu enrolasse mais não ia sair esse cap -_-]).

TRÊS HORAS DEPOIS...

- Na boa, eu nunca mais vou acampar! - Disse Gabi fazendo eu rir. - Ou jogar hóquei...
Eu os levei até a casa de cada um quase dormindo em cima do volante. Na quinta vez, nós quase caímos da estrada (Também, os gritos da Allice fez meus ouvidos ficaram apitando então mesmo que quisesse dormir eu não poderia.). Depois de ter deixado a Amy na casa dela eu fui para casa. Eu liguei para os meus pais. Só eu que fico tentando falar "TU" ao mesmo tempo que as chamadas do celular? 
Infelizmente, caiu na caixa postal. então deixei uma mensagem dizendo que eu não vou ficar no acampamento e que explicaria quando chegassem porque eu estava cansada até os ossos.
Eu fui andando até meu quarto quando...

-AAAAAAAAH!!!!!!!!- Eu berrei enquanto me estatelava no chão. -...Ai...- Eu olhei para o que eu tropecei. Era um osso do tamanho do meu braço. Eu não fazia idéia de como ele chegou ali mas deve ter sido meu cachorro que levou ele pra lá de manhã. Eu o peguei e joguei pra ponta do meu quarto e larguei ele ali junto com a pilha de fanarts do Homem-Aranha, Minecraft, Harry Potter e Undertale. Eu me joguei na cama. São quase seis da manhã e está amanhecendo. - Mano... quer saber... - Eu me virei pra encarar a janela e vi o Sol nascendo no horizonte anunciando um novo dia e um novo começo. - Vou faltar aula... - Eu fechei os olhos com um sorriso maroto.


Notas Finais


E finalmente chegamos! EM NOME DE DEUS DIGAM AMÉM! EU OUVI UM ALELUIA IRMÃOS?????????????????????????/////
EU FINALMENTE TERMINEI ESSA MELEQUINHA DE CAPÍTULO!!!! AE MOLEQUE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!1


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...