1. Spirit Fanfics >
  2. Zephturs >
  3. A Filha do Continente

História Zephturs - Capítulo 16


Escrita por:


Notas do Autor


Opening: STAY AWAY (L'Arc~en~Ciel)
HOHOHO OLÁ PEZUAU
Novamente aqui pagando capítulo atrasado xD
Como cêis tão? Suave na nave??!
A aparência de Mahina está disponível no Pinterest
ESQUECI DE DEIXAR O LINK NO ÚLTIMO CAPÍTULO XO Espero que vocês tenham conseguido ver os outros xd
https://br.pinterest.com/athenak_/zephturs-apar%C3%AAncias/

Capítulo 16 - A Filha do Continente


(Toque: Kuroshitsuji Book of Circus OST-With the Wind Extended)

            Nina continuava perplexa, de repente, quando se tocou, levantou-se rápido e saiu correndo. Ela apenas conseguia pensar em seu passado, nas coisas que tinham acontecido e como tinha ficado solitária este tempo todo sem a presença de parte da família e principalmente de seu irmão que nunca tinha conhecido.

            — Veja Nina... Vou te ensinar algo disse a mulher mais velha olhando com dó a garotinha chorando com uma pelúcia nos braços Dessa forma, você nunca irá ficar sozinha quando quiser.

            E Nina parou de chorar olhando-a com atenção.

            Bon estava perdido, todos ao redor os olhavam, mas ele não estava ligando para isso, quando percebeu a garota correr, ao passar por ele, segurou seu braço:

            — E- Espere! Não vá!

            Nina parou na mesma hora admirada, não esperava por isso. Sirena percebendo a situação delicada na qual se encontravam cutucou Naomy com o cotovelo e apontou com a cabeça para o lado ao contrário, indicando que essa era a hora deles todos saírem. Naomy entendeu e assentiu preocupada, assim, Chiyoko fez o mesmo e Anna também, mas olhava toda hora para trás enquanto andava.

            — Pare de ser curiosa Anna! — Naomy exclamou cochichando, Anna virou a cabeça para frente rapidamente.

            — Vocês acham que vai ficar tudo bem com eles? ­— Sirena perguntou preocupada.

            — Vai sim... — Chiyoko respondeu sorrindo de leve.

...

(Toque:JoJo’s Bizarre Adventure: Battle Tendency OST - Tense)

            Mahina corria humanamente normal, mas apressada, não poderia usar seus poderes de rapidez ali dentro do local sem ser na rua, estava apressada. Ela arrumava enquanto corria seus cabelos e a roupa, querendo parecer mais bem apresentável possível. Estava nos corredores, logo chegou a uma porta e bateu, abrindo em seguida:

            — Desculpe-me a demora senhor. Estou de volta! — exclamou com uma das mãos acima da testa em postura e com um sorriso desajeitado no rosto. Sem resposta abriu seus olhos e percebeu que o seu senhor estava sério, sentado de frente a outro jovem e conversavam.

            — Mahina por que a demora novamente? Já não disse para que não se atrase deste jeito? — era o Líder Continental, na mesma sala de reuniões da última vez que reuniu vários escoltadores para uma conversa sobre os calouros.

            — Desculpe-me mesmo senhor, mas o senhor sabe o que eu vou fazer e como é importante para mim.

            O homem sorriu e suspirou fundo concordando com Mahina, e depois pediu para que se sentasse ao lado deles. Mahina estava meio confusa, pois não esperava que tivesse outra pessoa na reunião particular dela com o Líder Continental.

            — Ah claro, este é um dos jovens administradores que eu chamei porque quase achei que você não viria.

            Mahina o olhou indagando em sua mente. O garoto parecia ser talvez um ou dois anos mais velho que ela, talvez já o tivesse visto, no entanto não se lembrava. Se sentiu meio trocada:

            — Mas é claro que eu viria! Sabe que eu sempre cumpro com as reuniões que marc-

            Ia desabafando quando o Líder levantou de leve uma das mãos sério:

            — Ora Mahina, onde estão os seus modos? Nem um “olá”?

            Ela ficou vermelha na hora, mas continuava desacreditada, afinal era algo importante, como que o Líder a trocaria assim sem mais nem menos? Suspirou fundo, se apresentou para o garoto que fez o mesmo, mas sem dizer seu nome, ele era sério, porém calmo, deixava Mahina meio tensa, ela não gostava quando o pessoal da administração se envolvia em seus planos.

            — Certo, com os dois aqui podemos começar a pauta. Charles poderia exibir os documentos no telão, por favor?

            — Claro. Eu estava planejando algumas coisas na administração e percebi o quão forte será a influência dos calouros este ano.

            Mahina mordia os lábios e batia de leve várias vezes os pés no chão, aquela pesquisa era totalmente dela, ela que cuidaria dos calouros e da comemoração de boas vindas, para que nada desse errado. Mas parece que o Líder não confiava tanto assim em suas estratégias.

            ...

            Passou-se um tempo, a reunião tinha acabado e Charles tinha acabado de sair da sala, Mahina estava com os braços apoiados na mesa e a cabeça apoiada nas mãos olhando para baixo:

            — Por que o senhor deixou meu trabalho todo nas mãos desse cara?!

            Mas o Líder nada respondeu.

            — O senhor sabe mais que ninguém quais os pontos positivos e negativos da comemoração de boas vindas e o quanto os pontos negativos pesam neste dia, o senhor não se lembra do acidente do ano passado?!

            Ele continuou sem responder, então Mahina já brava bateu com tudo na mesa se levantando e apontando para ele:

            — MAS QUE PORR*! ESTÁ ME TROCANDO PELO SIMPLES FATO DE EU SER A PRIMEIRA MULHER FILHA DO CONTINENT-

            Ele a cortou com um tom de voz mais alto ainda, o que a assustou:

            — MAHINA, CALE-SE! Não ouse falar de machismo na minha frente, eu sou o seu superior! Já tivemos muitas mulheres importantes neste continente e nas grandes posições, não se ache só porque é a Filha do Continente!! Se eu te escolhi, vi potencial em você, não me decepcione!

            Mahina travou suas palavras.

            — Você é sagaz, esperta, forte e ágil — continuou o Líder se levantando e olhando para a janela ficando de costas para ela — Mas é infantil e não é inteligente.

            De repente ele apenas escutou a alta batida na porta da sala. E negativou com os olhos fechados.

...

(Toque: [Arknights OST] normal02)

Quando bateu a porta, Mahina fez uma cara de emburrada:

— Droga viu, eu adoro o Líder, mas tem vezes que ele é um babaca — disse e saiu pisando fundo.

— Quem é um babaca? — alguém perguntou detrás dela que tomou um susto na hora:

            — EAI ANDRAS, TEM QUE CHEGAR ASSIM MESMO DO NADA?! — Gritou se virando para o rapaz que ria.

            Ele era um garoto muito bonito, tinha os cabelos lisos na raiz e cacheados ao resto, eram esmeraldas e seus olhos cor de bege. Poderia ser descrito como um verdadeiro príncipe, os dois já pareciam se conhecer.

            — O Líder é.

            — Eita, mas o que ele te fez? — perguntou o garoto andando junto de Mahina em direção à porta da frente após descerem as escadas.

            — Você não deveria estar cuidando da sua escolta curioso? Vai me dizer que ainda está pesquisando em que caloura ficará interessado?

            Na hora, Andras arregalou os olhos:

            — Gostaria de me respeitar senhorita Filha do Continente, por favor?

            E Mahina fez uma careta.

            — Meus escoltados são bem inteligentes, eu já dei as instruções, Abel e Missie sabem se virar, além do mais, vai ser melhor que explorem e aprendam às coisas locais sozinhos, você sabe...

            — É... Eu sei, e estou bem preocupada com isso.

            Andras fez uma expressão preocupada no rosto, estava segurando uma pasta nas mãos, quando chegaram mais perto da porta, Mahina escutou uma movimentação e então saiu correndo para lá animada.

            — Famosa... — Disse o garoto e seguiu junto.

            ...

            Yu Chang e Kei estavam andando juntos conversando sobre algo aparentemente importante, mas Jargal vinha resmungando atrás deles:

            — Por acaso isso é férias agora?! Mudaram as férias de lugar no calendário e não me avisaram?! Nem minhas férias normais na minha comunidade são assim, que saco!!

            — Cala a boca Jargal, não enche o saco — disse Kei ainda de costas.

            — Mas a gente não faz nada já tem alguns dias!! Que tipo de capital é essa, eu vim aqui para ficar mais forte e aprender mais coisas, e nada acontece. Eu preciso treinar e vocês não treinam a gente, e aí como fica?!

            Kei revirou os olhos e Chang estava concentrado em seus papéis, mas com uma cara de cansado por causa das importunações de Jargal:

            — Jargal, acalme-se, não é algo fácil treinar uma equipe de pré-adolescentes direito, eu preciso estudar o que irei passar e como irei treinar vocês da melhor forma possível, por favor, relaxe!

            Jargal fez um bico:

            — Não me parece algo tão difícil assim — nessa hora, Kei quis pular em cima de Jargal e lhe dar uns bons arranhões:

            — É sim, porque vocês não sabem de nada!

            Jargal ficou bravo e cruzou os braços:

            — Não deveria ter vindo participar dessa patifaria! Meus músculos vão derreter desse jeito — disse e ia se retirando, mas percebeu uma falação mais para frente então decidiu continuar e observar.

            — Jargal, esse é o nosso terceiro dia aqui, e é um  D O M I N G O... Que dramático! — Exclamou Kei — Por que o pessoal da Armada tem que criar as crianças desse jeito?! Bem Chang, onde estávamos?

            Kei esperou a resposta de Chang enquanto olhava para os papéis, porém nada Chang respondia e tinha parado, Kei chamou pelo seu nome e o olhou, estava encarando algo, quando olhou, era Mahina mais para frente rodeada de pessoas e Andras um pouco mais para trás encostado em uma parede lendo alguns papéis.

            — Quem é ela? Parece famosa — perguntou Jargal curioso ao lado de Chang e Kei.

            ...

(Toque: [Relax OST] Qui veut faire l’ange fait la bête (piano capricieux) Evangelion: 3.0)

            Bon e Nina estavam sentados um ao lado do outro na beira do topo de um dos prédios locais, não era lá assim tão alto, mas dava para ver algumas áreas. Pareciam estar ali já faz um tempo, e também pareciam já ter conversado algo. Estavam calados quando:

            — Então... Quer dizer que você é mesmo minha irmã? — perguntou relaxado apoiando suas mãos para trás e olhando o céu, estava com um pequeno sorriso no rosto.

            — Sim... ­— respondeu Nina tensa, estava com as pernas encostadas uma na outra e olhava para os seus joelhos.

            — Sei que parece engraçado, mas apesar da minha personalidade e meu senso falarem-me “duvide e peça provas”, meu coração e algo dentro de mim me diz que não é preciso... E não, não é porque você é parecida comigo — e deu risadas, o que fez Nina dar risadas também.

            — Bem, de toda a forma não é preciso duvidar tanto se quer questões oficiais, no meu registro social tá o nome dos nossos pais — deu de ombros e Bon sorriu:

            — É mesmo... — mas logo fechou o sorriso — Mas bem... Diga-me, com quem você ficou todo esse tempo já que nossa mãe morreu assim que nascemos e o pai... Bem, você sabe...

            Nina arregalou os olhos surpresa por alguns instantes, tocando-se sobre a situação do seu irmão e as coisas que tinham dito para ele, tocou com a mão esquerda em seu ombro e o olhou:

            — Bon... Nossa mãe na verdade... Não morreu assim que nascemos e o pai não se suicidou... Eu fiquei ciente sobre o que rondava por aí nestes registros sabe... Para não ocorrerem perseguições.

            Bon ficou surpreso e rapidamente virou o rosto para sua irmã.

            — Na verdade... Naquela época, eles deviam dinheiro a bandidos e então nos ameaçaram de morte...

            Nossos pais sempre foram muito unidos... Eu fiquei esse tempo todo com a nossa tia, a irmã de nossa mãe e ela me contou o que aconteceu.

Passava-se os pais de Bon e Nina abraçados juntos em uma noite bem fria, não pareciam ter muito dinheiro e a mulher estava grávida, naquela noite, tinha dado a luz a dois lindos bebês.

            Como éramos pobres, nossos pais pegaram dinheiro emprestado, mas não tinham como devolver pelo menos ainda não naquela época...

Um outro dia, alguém bateu drasticamente na porta da casa do casal, o homem foi abrir a porta e um tempo depois, parecia implorar para quem estava ali, estavam discutindo:

            — Eu irei devolver. Não se preocupe!! Só daqui mais algumas três semanas tudo bem?!

            Os bandidos juraram nos matar caso papai e mamãe não pagassem o dinheiro... E isso fez com que eles ficassem muito preocupados, nosso pai não dormia, e nossa mãe já não parecia tão saudável, tendo que nos amamentar era ainda pior.

            O que eles não esperavam, é que os bandidos cansaram de esperar as três semanas e apareceram em nossa casa antes de acabar a primeira... Como foi uma grande surpresa ficaram desesperados.

(Toque: Clannad OST ~ Roaring Tides II)

            — Querido! Exclamou a mulher com um rosto triste e preocupado escutando as altas batidas na porta e os gritos dos homens dizendo as coisas horríveis que fariam.

            O homem suspirou fundo tenso e segurou nos ombros de sua esposa, olhando-a nos olhos disse:

            —  Pegue as crianças e vá.

            —  Mas!-

            —  Não! Sem “mas”, vamos protegê-los, como sempre fazemos.

            A mulher colocou uma das mãos na boca enquanto apertava os olhos, queria chorar.

            — Eu só irei atrasa-los um pouco... Irei junto depois não se preocupe, você pode sair pelos fundos e criar seu portal para algum lugar mais distante, depois nós decidimos o que fazer.

            — Por favor! Não se machuque implorou a mulher enquanto segurava forte seus filhos com leves lágrimas saindo pelos olhos.

            O homem suspirou fundo e olhou para as crianças, passou a mão delicadamente pelos seus rostinhos e beijou a testa de cada um deles, depois, todos se abraçaram juntos, terminando com um beijo na testa da mulher. Os barulhos na porta ficaram mais fortes, o que resultou em um arrombamento. Quando escutou isso, o homem a empurrou de leve para trás e ela saiu correndo abraçada com as crianças enquanto conjurava um portal adiante.

            Saindo direto para a porta, o homem levantou uma das mãos:

            — BOLHA ÁCIDA, NÍVEL 01! Gritou enquanto os bandidos corriam em sua direção, na hora uma grande bolha ácida de cor azulada e esverdeada ao mesmo tempo se criava rapidamente entre o pai dos Kagamines e dos bandidos. Quando a bolha estava prestes a estourar, ele arregalou seus olhos. Não esperava que...

            Os bandidos também tivessem preparado um poder no mesmo momento, e que era logo um que se combinava com a bolha, era um poder de expansão líquida, ou seja, além da bolha estourar, ela estouraria em grandes proporções, em diferentes direções, se espalhando junto com a água.

            Do lado de fora a mãe corria, assim que pulou com tudo no portal a casa atrás dela explodiu com água para todos os lados e essa água tinha uma cor bonita... Que era a cor da bolha. A mulher apertou seus olhos e gritou neste momento, um grito de dor, de desespero, seus filhos estavam com as cabeças escoradas em cada um de seus ombros, e foi a primeira vez que abriram seus pequenos e sensíveis olhinhos... Sem entender nada, apenas viam aquela explosão de água e de elementos da casa indo aos ares.

            Nossa mãe tinha fugido para a Comunidade Obscura, de qual ela veio. Lá, me deixou aos cuidados da nossa tia, explicando o que tinha acontecido, achava que tudo tinha acabado, mas os bandidos sobreviveram à explosão.

            — Pode deixa-la comigo, mas... Por que não deixa Bon também?

            — Não... É melhor que eles fiquem separados, assim se os bandidos continuarem nos perseguindo não terão certeza de quem são... Eles apenas conhecem o meu rosto agora.

            E assim ela fez.... Depois voltou para a Comunidade da Água onde te deixou... Depois disso, não sei muita coisa, não sei o que aconteceu com ela, não sei se foi pega, se ainda vive... Eu realmente não sei...

            Bon estava com os olhos cheios de lágrimas.

            — Não se segure... Eu ainda choro muito por causa disso tudo...

            Nina abraçou Bon de repente que se assustou com a atitude, mas apertou-a chorando. Ela também chorava.

...

(Wadanohara and the Great Blue Sea OST – Normal Battle)

            Na mesma hora em que estava Kei, Jargal e Chang, Anna chegou correndo com Sirena, Naomy e Chiyoko.

            — BRRR, ELE É ASSUSTADOR — gritou Naomy passando as mãos pelos braços.

            — Não é para tanto... — respondeu Chiyoko arrumando seus sapatos.

            — NÃO?! VOCÊ VIU O QUE ELE TINHA NAS MÃOS?! OU MELHOR... NO LUGAR DAS MÃOS?!

            — Você tá falando isso apenas porque ele te tirou de cima das grades do portão com elas — Sirena se pronunciou dando risadas.

            — As doidas... Do que cês tão falando gurias?! — Kei perguntou com uma cara estranha.

            — DO CARA CHATÃO QUE VIVE IMPORTUNANDO A GENTE! — respondeu Naomy gritando emburrada.

            — Cara chatão que vive importunando vocês?! Credo! Quem é?! Vou dar umas surras e denunciar para a polícia! — exclamou mostrando as unhas que cresceram de repente como garras de gato e foi andando pisando fundo para o caminho em que Naomy mostrava e Sirena foi junto, Chiyoko estava achando tudo muito chato então virou-se para outro caminho, já Anna ficou junto de Chang e Jargal.

            — Ah se for assim eu também posso dar uns porradões nele oras! — exclamou Naomy bufando — mas não sei se posso...

            — Eu não acho que ele tenha algum motivo para receber porradões... — disse Sirena baixinho com uma expressão preocupada enquanto andava.

            Enquanto andavam, uma silhueta masculina pareceu se aproximar, Naomy sentia como se fosse um monstro de olhos vermelhos bufando e pisando como um grande robô enquanto andava com uma áurea maligna vermelha ao redor do corpo.

            — ALI, ALI! ­— Gritou Naomy pulando atrás de Kei e apontando para a frente, Sirena fez um sorriso torto.

            — ONDE?! — Kei virou o rosto com tudo para frente e lá estava já bem perto o mesmo cara que elas tinham encontrado no primeiro dia na capital que tinha dado uma bronca em Naomy e nas meninas quando estavam tentando invadir uma das instituições.

            Kei murchou na hora como um gato medroso e molhado, mas o homem nem estava como Naomy o imaginava, apenas sério e neutro. Naomy apertava os olhos se tremendo toda:

            — Acaba com ele vai!

            Kei apertou um dos olhos e virou-se para Naomy de leve cochichando brava:

            — VOCÊ TÁ DOIDA MENINA?! QUER SE METER COM O SENHOR RAZOR?!

            — Senhor Razor? — Sirena perguntou curiosa.

            — Oi Kei, por acaso voc- — era ele, estava bem perto na frente de Kei indo perguntar algo para ela. Na hora, Kei deu um pulo de gato para trás e empurrou Naomy para a sua frente:

            — ELA ESTÁ BEM AQUI, PODE LEVAR E POR DE CASTIGO OK?! — disse desesperada piscando um dos olhos.

            Razor ficou sem entender nada e então virou os olhos para baixo para ver a menina, não abaixou a cabeça, o que parecia mais intimidador ainda. Naomy estava parecendo uma esponja desidratada, Sirena apenas observava tudo com um bico.

            — Ah...

            Aqueles segundos pareciam 357 anos para Naomy e Kei, mas Razor apenas supirou fundo e fechou os olhos, continuou seu caminho e todas acompanhavam com os olhos arregalados e curiosos, iam suspirar de alívio quando ele parou e disse:

            — De toda forma não é certo querer invadir todo santo dia uma Instituição diferente, cresçam se não, terei que tomar medidas drásticas.

            — Holy shit.

            — Eu só queria saber se o almoxarifado do Instituto de pesquisa estava aberto Kei, mas acho que você não vai conseguir me responder — disse com as sobrancelhas meio raivosas e continuou andando.

            — E-Ele me assusta — disse Naomy toda encolhida segurando as duas mãos, quando Kei a empurrou com tudo para o lado:

            — CÊ TÁ DOIDONA NAOMY?! — gritou e colocou as mãos na cintura fazendo um bico — Ele é o Razor Blade, novo contratado para os trabalhos na capital esse ano, ele está conhecendo ainda as coisas, mas já sabe mais do que eu! E ultimamente está cuidando da segurança das instituições, então POR ISSO VOCÊS TOPARAM COM ELE NÉ?!

            — Incrível como ela murchou toda que nem um gato assustado quando ele chegou na nossa frente — cochichou Naomy com Sirena que deu risadas:

            — É mesmo!

            — Vocês são umas tchongas! No primeiro dia de estadia dele, tentaram roubar suas coisas e ele bem deixou os caras de hospital até hoje! Ninguém quer se meter!

            ...

(Toque: Main theme from The Conversation (1974))

            — Ela é a Mahina Li — respondeu Chang a pergunta de Jargal enquanto observava a garota.

            Anna era baixinha, então pulava para tentar ver sobre quem estavam falando, apesar de ter visto ela mais cedo, não se lembrava do nome.

            — E quem são aqueles ao redor? — Jargal continuou perguntando com os braços cruzados.

            — São fãs... — respondeu Chang.

            — Ah são realmente fãs... Que babacas — disse Jargal com uma risadinha curta no final, o que fez Chang o encarar indiferente, parecia estar em outro lugar naquele momento... E realmente estava, em seus pensamentos passados.

            — Ela é muito famosa porque é muito forte e poderosa apesar de nova, acho que o fato de ser nova é que faz ela ser famosa sabe...

            — Ela parece ser bonita! — exclamou Anna ainda pulando, o que fez Chang tossir.

            — O que importa? Se ela for realmente forte aí sim vale a pena, mas não vou acreditar sem ver ela lutando um dia — disse Jargal ignorante — Deve ser apenas uma garota bonita com um poder diferente, aí todo mundo caí em cima mesmo.

            — Ei, o que tem ela ser uma garota bonita?! — Anna pareceu incomodada.

            — Só o que tem é baba-ovo por aí — respondeu Jargal rude.

            — Mas você não deveria duvidar, nem a viu ainda, e são as palavras do Chang, ele é o mais inteligente daqui! — exclamou — Não deveria subestimá-la, aposto que ela te dá uma surra!

            Jargal estava já vermelho de raiva, então disse que não aguentava mais a Anna enchendo o saco e saiu pisando fundo.

            Anna e Chang ficaram por um tempo olhando.

            — Por que você tá tão vidrado ali? Você gosta dela?!

            Chang na hora despertou e balançou a cabeça engasgando-se com a própria saliva:

            — NÃO! Eu só... Estava pensando algumas coisas Anna, tenho muito a fazer com vocês, principalmente com você para desenvolver seus poderes logo.

            — Ah tá!

            Eles ficaram em silêncio por mais um curto momento até que Chang disse:

            — Ela foi da mesma turma que a minha e também já foi minha amiga... Mas agora ela é uma Filha do Continente, um prodígio, por isso o Líder Continental a nomeou assim... O que dá muitas novas responsabilidades para ela. Digamos que ela é a mais próxima de todos a se tornar a próxima Líder de Zephturs...

            — Uau!

(Toque: Naruto OST 2 – Fooling Mode)

            Logo a multidão começou a se desmanchar, as pessoas estavam indo embora e Mahina estava dando “tchau”, Anna cerrou bem os olhos:

            —EAI GAROTA, QUER SER ATROPELADA E MORRER?

...

            — VOCÊ NÃO TEM O DIREITO DE SAIR POR AÍ CORRENDO POR QUALQUER LUGAR!

...

“Mahina – Filha do Continente”

...

            — EI! MAS EU CONHEÇO ELA!

            — Hã?!

            Já Anna não estava mais ali, tinha corrido para a direção de Mahina que na hora entrou e fechou a porta sem percebe-la, fazendo com que Anna batesse com tudo a cara na porta.

            — Aí! — Exclamou com a mão no nariz — Rum! Ela é realmente forte assim né? Pois então, ela que me espere.


Notas Finais


Ending: DiSTANCE (BiSH)
HOHOHOHO AMIGOS
Até logo!! ^o^
A aparência do Andras está disponível no Pinterest também!
Vocês acham que o Líder Continental estava certo ou errado de fazer aquilo com Mahina? xo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...