História Zona de amizade - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Tags Readaptação
Visualizações 73
Palavras 3.758
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 11 - Cherry Bomb


 

 

Tina se foi logo depois de deixar a Ceecee no The White Rabbit. E o resto do dia consistiu em Ceecee falar sem parar da Tina e o que ela disse ou fez e que come muito e que Tina disse que damas e princesas não dizem “cadela”, Tina é o novo ídolo da Cricket..

Antes de sair, ela chamou Kentin e eu de canto e nos falou sobre Ceecee. O que ela nos disse não era nada que não sabíamos, mas ao menos estava tentando ajudar.

Ela nos disse: — Ceecee é muito insegura. Falei com ela hoje um pouco e tenho alguns conselhos, se vocês quiserem. Normalmente não diria a vocês, mas não é como se ela me houvesse pedido segredo.

Kentin parece abatido e diz calmamente: — Isso seria ótimo, T.

Ela solta um suspiro e fala.

— Por onde eu começo? Hum, Ceecee não tem ideia de como fazer amigos. Eu expliquei o básico, mas como ela tem sido assediada é muito tímida. Então eu lhe dei alguns conselhos sobre como lidar com o abuso, embora quando ela me contou queria perguntar em que escola aconteceu isto, e dar umas palavrinhas com estes valentões! — Ela balança a cabeça com entusiasmo quando diz isto, os olhos arregalados. Com todas as minhas forças tento não rir. — Ela também me disse que todos na família a tratam como um bebê. — Coloca uma mão sobre a de Kentin. — Isto não a ajuda, querido. Ela tem nove anos, mas parece maior, como se tivesse dezoito. E ela é inteligente. Sabe quando a tratam como um bebê.

Kentin passa a mão livre pelo cabelo e explica.

— Eu não sei como me comportar de outra forma. Eu tento não fazer, T.

Ela toma as mãos dele, as levanta até seu peito e olha direto em seus olhos. Responde intensamente.

— Experimente-o com mais entusiasmo, querido. Ela precisa de você. E é ótimo que você a proteja, mas ela não precisa de um guarda-costas, Kentin. Ela precisa de um pai que possa ajudá-la caso ela tenha problemas, não um pai tentando evitar quaisquer problemas antes que eles aconteçam.

Kentin solta suas mãos e a puxa para dar-lhe um grande abraço. Eles balançam de um lado para o outro levemente.

— Vou tentar, T. - Kentin diz.

— Que bom, querido. - Sorri, afrouxa o abraço e olha para cima. — Tenho que ir. Eu vou ver vocês esta noite, certo?

Kentin a beija na testa.

— Conte com isso. - Ele a deixa ir e ela caminha até mim.

— Eu preciso de um abraço do Cassi.

Eu sorrio e a envolvo em meus braços. Vejo Kentin sair do meu escritório. Tina brinca com meu colarinho e calmamente diz: — Ele vai ficar bem, certo?

Sorrio em sua testa.

— Claro querida. Ele é forte. Eu sei que ele faria qualquer coisa por Ceecee. Ele vai se esforçar mais, você vai ver.

Ela sorri fica na ponta dos pés e beija minha bochecha. Seus lábios chegam esquina dos meus lábios, mas não parece incomodá-la.

— Vejo você hoje à noite, Cassi. - Ela diz. Então ela se foi.

 

Porra.

 

 

TINA

 

As meninas vêm ao meu apartamento arrumarem-se para ir para The White Rabbit.

Conto como foi meu dia com Ceecee e, embora lamentem que a pequenina seja intimidada e não tenha amigos, elas estão felizes que ela teve um dia bom.

Eu alimento Bear, faço-lhe uns carinhos e, em seguida, iniciamos o projeto Preparar-se-para-o-Club.

 

Nós nos arrumamos. Cacheamos. Alisamos. Maquiamos. Vestimos. E uma hora depois, estávamos prontas para irmos.

Ambre está impressionante em um pequeno vestido preto que comprou na Safira com saltos altos de xadrez preto e branco; o preto enfatiza seus olhos verdes. Usa seu cabelo loiro mel liso.

Violet está linda em um vestido verde escuro, estilo kaftan, que se ajusta na parte de cima e flui ao redor de seus pés com sandálias. Seu longo cabelo castanho está encaracolado. Não usa maquiagem pesada, mas seus lábios estão pintados com uma cor vermelho intensa. Parece uma cigana sexy.

Iris está estonteante em um vestido estilo halter que chega aos pés com uma abertura perversa nas coxas; ela usa sandálias de ouro até a panturrilha. Ela alisou seu cabelo violeta está noite. Ela mesma fez sua maquiagem para que seus olhos estejam esfumaçados por uma sombra escura.

Tomei outro vestido preto de mangas compridas, com um decote na parte de trás e que atinge o meio da coxa. Ele tem pérolas prateadas nele. Finalizo com saltos pretos cravejado de prata. Eu me sinto bem com este vestido.

Embora o decote seja tão baixo que não dá para usar calcinha e me sinto um pouco desconfortável, mas as meninas juram que não se nota. Passo delineador nos olhos e rímel, e ao final coloco um pouco de brilho rosa claro nos lábios.

Chegamos ao The White Rabbit lá pelas 23h da noite e caminhamos em direção B-Rock que nos sorri e diz: — Eu me perguntava se voltaria a vê-las, garotas. Obrigado por não quebrar meu coração. – Ele pisca e deixa-nos entrar. Ambre acaricia sua cabeça calva, Violet toca a bochecha dele, Iris retorna a piscadela e quando eu passo ao lado dele, coloco a mão em seu peito e o beijou na face.

O clube está a rebentar pelas costuras e nos sentimos atordoadas. Nós vamos direto paras escadas para sermos recebidas pela Alice asiática que sorri e diz.

— Ah, a festa Safira chegou. Por aqui senhoritas. - Diz. Todo mundo nos conhece!

Eu me sinto como uma estrela do rock!

A Alice asiática nos leva ao nosso grande camarote e toma nossa primeira ordem de bebidas. Decidimos por uns coquetéis Cherry Bomb, que é uma má ideia porque estes bebês sobem direto para cabeça, mas eu peço assim mesmo. Só leva Red Bull e vodca de cereja.

Nós estivemos sentadas, conversando e rindo por uma hora e meia. Estamos terminando nossa terceira rodada, quando vejo Ambre sorrindo para alguém atrás de mim. Eu me viro e todos os caras estão caminhando em nossa direção.

Minha boca forma um grande sorriso bobo. Estou muito feliz de vê-los, embora eu os vi apenas algumas horas atrás.

Eles estão lindíssimos!

Ghost e Trick vestem o que assumo que seja o seu uniforme, que é composto por uma camisa preta com decote em V, calças sociais pretas e sapatos sociais. Kentin veste uma camisa preta abotoada, calças e sapatos sociais pretos. E por último, mas não menos importante, temos Cass. Ele está vestindo uma camisa branca de botão, jeans azul escuro e sapatos sociais e parece tão apetitoso.

Todas nós paramos para distribuir abraços e cumprimentos, e então nós nos sentamos. A garçonete traz bebidas para os caras, as quais não sabia que tinham pedido, e também traz a todas nós uma nova rodada. Eu já me sinto um pouco desorientada. Eu não comi desde que almocei com Ceecee. Sem pensar, eu tomei o resto da minha bebida e levanto a quarta. Cass escolheu o assento ao meu lado e eu estou feliz. Eu coloquei minha mão em sua coxa e o atraio para mim, para ficar mais perto dele. Ele sorri e coloca o braço em volta de mim.

Faço contato visual com Ambre que me mostra a língua e me dispara um sorriso cruel. Falando em voz alta para que todos ouvissem.

 

— Eu tenho uma ótima ideia. Quem quer jogar Verdade ou Consequência?

Filha de uma pulga! Vou cortá-la em pedacinhos!

Sabe que eu odeio esses jogos. Eles são sempre sujos e me dão urticária.

Para minha má sorte, todo mundo aceita. Ambre começa.

— Kentin, você já fantasiou sobre outra pessoa enquanto você teve relações sexuais com sua parceira?

Ele ri.

— Yep. Eu fiz. Saía com uma menina na escola e cada vez que fechava os olhos, via Christie Brinkley. - Todos Riem e ele pergunta: — Bem, Iris. Se eu fosse comida, o que seria e como você me comeria?

Um coro de "Oooooh" atravessa o camarote. Ela aceita e responde.

— Bem, acho que seria um sorvete. - Olha Kentin de cima a baixo e sua voz se torna sensual. — Eu aaaaamo sorvete. Eu gosto de lambê-lo lentamente, especialmente quando se derrete no cone.

Ela pega a mão do Kentin e lambe seu dedo lentamente. Os olhos de Kentin começam a fechar-se e parece estar sofrendo.

Nós rimos histericamente. Ghost não está impressionado.

Iris volta a deixar a mão de Kentin em seu colo e ele acomoda sua virilha.

— Porra, garota, você me deixou meio duro.

Ela solta uma gargalhada e diz: — Bem, Cass. Qual é a coisa mais embaraçosa que você fez em sua vida?

Ele estica os braços acima da cabeça e sorri.

— Quando estava na quarta série, eu tinha uma paixonite pela minha professora. - Ele ri de si mesmo. — Eu queria que ela fosse minha namorada. Então, uma tarde fui para casa dela com flores e chocolates. Toquei a campainha. – Cass põe uma mão sobre o seu rosto. — E seu marido abriu a porta. Larguei tudo ali e corri o mais rápido que eu pude.

Quando terminamos rindo, ele diz: — Ambre, você se já masturbou?

Trick coloca um braço em volta dela e diz: — Você já sabe que eu ficaria encantado em ajudar.

Ela sorri abertamente e diz:

— Yep. Duas vezes na semana, pelo menos. Desculpe rapazes, mas às vezes você precisa agradar a si mesmo.

Os rapazes gemem em agonia.

— Violet, quem foi o primeiro cara que você deixou tocar seus peitos?

Violet olha para cima e pensa. Em seguida, ela confessa: — Eu acho que eu tinha quinze anos e quase não tinha seios. Foi o melhor        amigo do meu primo, Frankie.        Ele tinha dezesseis anos e me deu meu primeiro beijo, e me acariciou um pouco. Eu não me importei porque ele era quente. - Olha ao redor mesa. — No entanto, eu o vi na igreja na semana passada. Ele estava ostentando uma cabeça e barriga enormmes! Tenho sorte que eu não terminei com ele. Trick, você alguma vez urinou em uma piscina?

Trick se recosta na cadeira com um sorriso bobo no rosto e diz:

— Sim! Há poucos dias na academia.

Todos nós protestamos com nojo e ele se defende.

— Não importa, os químicos eliminam a urina! Kentin, qual é a pior cantada que você usou e funcionou?

Kentin sorri e responde.

— Uma vez eu disse a uma menina que tinha perdido minha cama e perguntei se poderia usar a sua. Eu não era a pessoa mais inteligente. Mas eu tive sexo naquela noite.

Todos vaiaram e assobiaram.

Kentin olha para mim e diz: — Pequena Tina, você já viu pornô?

Sorte de merda!

— Eh. Eu... hum... — Eu cubro meu rosto com as mãos e confirmo. Ouço todo mundo rir e sinto o braço do Cass apertar mais contra o meu corpo tremendo. Baixo minhas mãos e giro meu rosto corado e meu pescoço vermelho brilhante para Ghost. — Ghost, que tipo de roupa íntima você está usando neste momento?

Ghost sorri para mim e responde calmamente. — Eu diria se estivesse usando no momento.

As meninas gritam e os caras gemem. Ele apenas sorri e pergunta: — Violet, qual foi o mais estranho apelido que alguém pediu para você dizer a ele na cama?

Os ombros de Violet tremem por causa da risada silenciosa e responde: — Houve um cara que me chamava de cachorrinha e queria que eu latisse como um cão. - Seu corpo treme e as lágrimas escorrem pelo seu rosto sorridente. — Eu não gostei dele o suficiente para manter o jogo.

Violet olha para Trick com um sorriso tímido e pergunta: — Trick, o que lhe atrai em uma mulher?

Ele a observa com um leve sorriso. É um sorriso genuíno, e gentilmente respondeu.

— Eu não tenho certeza, Lolita. Olhe no espelho e me diga.

Nós todos gritamos e Violet torna-se vermelho como um tomate.

Trick olha para Cass com um sorriso malicioso.

— Quanto durou sua relação sexual mais rápida?

Todos caem na gargalhada. Cass ri e diz: — Eu acho que foi a minha primeira vez e durei como vinte segundos. - Agora todos riem histericamente. Cass interrompe nosso riso dizendo. — Eu gostaria que todos soubessem que eu melhorei muito desde então!

Cass puxa meu cabelo e eu tenho medo de olhar. Eu sei que eu sou a próxima.

— Tina, com quantos homens você já dormiu? - Ele pergunta.

A mesa inteira fica silenciosa e minhas amigas me dirigem sorrisos de compreensão. Eu limpo minha garganta e respondo: — Só dormi com um cara. E foi há muito tempo.

Eu sinto o corpo imóvel de Cass contra o meu. Kentin olha surpreso, mas a investigação continua.

— Bem, então a pergunta não é válida. Quando foi a última vez que você teve relações sexuais?

Passam trinta segundos e eu levanto minha mão, estendendo meus cinco dedos.

Kentin observa minha mão e diz: — Cinco meses? Isso é foda.

Iris se agita na cadeira. Violet olha para mesa. Ambre me dá um olhar desculpando-se.

— Ci-cinco anos. - Sussurro. Eu sinto como o corpo do Cass fica tenso. Duro como rocha.

O silêncio é ensurdecedor.

— Porra, isso é impossível! — Ele resmunga alto. Ele se inclina mais para mim e pergunta: — Como é que você não está se masturbando em cima da mesa agora? Certamente você tem nervos de aço. Isso é incrível, baby. - Sua voz é respeitosa.

Ah, obrigada Kentin.

Evito os olhares surpresos dos caras e os sorrisos de simpatia das garotas. Encolho os ombros e pergunto: — Alguém precisa de uma bebida? Certamente eu preciso.

Antes que alguém responda caminho até o bar e peço outro cherry bomb. Estou embriagada e me sinto bem.

Caminho de volta para o camarote. Trick e Ghost foram fazer algum trabalho. Iris foi ao banheiro. Cass acaricia seu colo. Eu me aproximo e me sento de lado sobre ele. Ele levanta meu cabelo, põe a boca no meu ouvido e diz: — Sinto muito por colocá-la no centro das atenções, querida. Se soubesse que faria você se sentir desconfortável nunca teria feito essa pergunta.

Coloco a mão no seu peito e digo com um sorriso.

— Tudo bem Cass. É o que é. Eu não posso negar. - Levanto a minha bebida para tomar um gole e erro a minha boca completamente. Poderia estar um pouco mais do que embriagada. Eu derramo a minha bebida na frente da camisa de Cass.

Murmuro: — Sinto muito, Cass.

Uso minha mão para limpar a bebida em sua camisa, mas tudo que eu faço é espalhar mais o brilhante líquido cor de laranja. Ele pega minhas mãos e olho para ele. Ele está sorrindo para mim, covinhas e tudo.

— Eu tenho uma camisa de reserva em meu escritório. Eu vou trocar. - Levantome de seu colo e ele vai embora enquanto eu seguro sua mão.

— Eu vou com você.

Cass sorri e me puxa para perto dele.

— Vamos lá. - Ele me guia até um corredor por trás do bar e abre a porta.

Ops!

Ela abre em frente à sala relaxamento. Eu o sigo até o seu escritório e ele começa a desabotoar a camisa. Eu sei que deveria desviar o olhar, mas estou um pouco bêbada e quero ver o que está escondido lá. Ele tem todos os botões da frente aberta e está trabalhando nas mangas.

— Você pode, por favor, trazer minha outra camisa de lá? - Ele acena para o cabide no canto. Agarro a camisa recém-lavada e a tiro da sua capa. Debaixo está a camisa de seda lilás que ele usava no dia que nos conhecemos.

— Você usava esta no dia em que te conheci. Ele sorri e diz baixinho: — Eu sei.

Então tira a sua camisa molhada.

Deus do céu!

Cass é ainda mais bonito sem camisa. Seus braços estão claramente definidos. Ele tem uma pequena área de pelos no peito. Seus braços são incríveis! Eles são musculosos e têm veias grossas neles. Ele também tem tatuagens. Seus jeans caem baixo em seus quadris. Em seu quadril direito ele tem uma tatuagem de uma cruz. Em seu bíceps direito tem uma tatuagem grande impresso que se parece com XAOC. Eu não tenho ideia do que é. Ele tirou o relógio. Seu pulso tem uma tatuagem no interior. Ela diz Ceecee.

Oh, eu também adoro Ceecee!

Atrás da orelha esquerda ele tem uma tatuagem tribal do pescoço para baixo. Ainda sem camisa ele se vira e eu acho que dou um suspiro em voz alta. Suas costas é toda tatuada. Uma grande imagem. Na verdade, é um pouco assustador. Há sete anjos com olhos em branco nas nuvens sustentando espadas de fogo. Eles estão lutando contra cinco criaturas de aparência demoníacas com chifres em suas cabeças e caudas pontudas que se aproximam das nuvens. Literalmente me deu calafrios.

Cass me tira do meu feitiço quando veste a camisa lilás. Uma vez que está abotoado, estende sua mão, eu pego e saímos do escritório. Enquanto nós fazemos o nosso caminho pelo corredor Cass para de repente. Ele coloca um dedo em sua boca e me pede silêncio. Há sons de golpes provenientes do lado oposto do corredor.

 

Seguimos nas pontas dos pés para sala de conferências e os ruídos ficam mais fortes.

Estrondo-Zumbido-Gemido-Golpe-Lamento

Cass sorri e coloca o ouvido na porta. Seu corpo treme com a risada silenciosa e acena para que eu me chegue mais perto.

Com os olhos arregalados coloco meu ouvido à porta e escuto.

Uma mulher. “Oh meu Deus”       Golpe—Zumbido— Estrondo.

Um cara. “Porra, isso é muito bom. ” Gemido— Lamento.

A garota. “Oh Deus. Você é incrível! ” Gemido. “Ainda assim eu te odeio. Ooooh. ” Golpe—Zumbido—Estrondo.

O cara. “Eu te odeio também, garota linda. ” Gemido. “Demônios, faça isto de novo” Gemido.

Eu conheço essa voz. É Iris.

Levanto a vista até o Cass com uma mão na minha boca.

Seus olhos estão brilhando. Gesticula: — Ghost.

Ghost geme novamente e diz:

“Diga meu nome, garota linda. ”        Golpe—Estrondo— Golpe.

Iris geme.

“Ghost! Foda-me, Ghost! ” Gemido—Golpe—Estrondo.

“Não baby, diz meu nome. ” Zumbido—Estrondo— Gemido.

Iris ofega.

“Nath-Nathaniel! Oh Deus, Nath...        Mais forte Nath”.

Gemido—Golpe—Estrondo.

Ghost afirma:

“Mais forte e te farei atravessar a maldita mesa! ” Gemido—Zumbido—Lamento.

Eu dou risadinhas e Cass explode em riso silencioso. Ele me empurra de volta ao seu escritório, fecha a porta e nós rimos histericamente.

Minha melhor amiga está transando com o melancólico Ghost! Cass tem seus braços em volta da minha cintura. Eu seguro a mão na frente de sua camisa. Nós rimos até lágrimas. Quando finalmente paramos de rir nos olhamos na cara. O desejo tanto. E não é o álcool falando. Quero que ele me beije agora mesmo.

Cass também para de rir. Vejo-o engolir em seco. Com um olhar sério coloca uma mão na minha barriga e me empurra para trás suavemente até minhas costas bateram na parede. Seus olhos cor de âmbar fixam em mim, buscando meu rosto. Ele levanta a mão para o lado do meu pescoço e move o dedo lentamente para cima e para baixo da minha clavícula. Eu fecho meus olhos e tremo.

— Olhe para mim. - Ele diz com firmeza. Não é um pedido.

Abro os olhos ele olha para mim profundamente antes de dizer com a voz rouca.

— Eu vou te beijar.

Hurra!

E ele faz. Baixa seu rosto até que seus lábios suavemente tocam meus lábios. Eu engasgo em uma respiração instável. Nenhum dos dois se move durante segundos, e é uma tortura! Parecem dias. Meus ombros caem e meus joelhos ficam fracos quando a língua passa a traçar meus lábios. Felizmente, a parede estava fazendo um bom trabalho me sustentando.

Suspiro e ele pega minha debilidade como uma oportunidade para me beijar mais profundamente. Engasgo quando sua língua toca a minha. Elas dançam juntas e eu quero chorar de alegria.

Uau! Como... Uau!

O calor se expande da minha barriga para o meu núcleo. Este é o melhor beijo que eu já recebi, sem dúvida. É incrível. Cass é incrível. Seus lábios são suaves e sua língua é malvada. Acariciando a minha gentilmente e com precisão.

Tem gosto de menta e conhaque. É delicioso. Estou perdida e minhas mãos se movem por vontade própria. Uma mão está no seu rosto com a outra agarro a lapela do paletó. Dou um passo mais perto dele e eu sinto seu volume pressionando minha barriga. Inconscientemente eu pressiono contra ele. Eu aperto as minhas pernas para parar o formigamento. Não ajuda.

Pelo Trovão, ele é grande!

A mão no meu pescoço está se movendo até meu braço, sobre minhas costas nuas. Abre a palma e a introduz no meu vestido. Massageia docemente minha bunda nua e logo a agarra com força. Minha respiração se corta e respondo com um suspiro. Eu mordo seu lábio inferior e logo chupo levemente. Sua outra mão se move da minha cintura. Seus dedos se movem paras minhas costelas. Sua mão lentamente alcança meu peito. Não posso pará-lo, suspiro em sua boca. Cass enrijece. Suas mãos caem nos lados e, em seguida, agarra minha cintura firmemente.

Não! Põe a tua maldita mão no meu seio!

Respirando pesadamente coloca a testa na minha e fecha os olhos.

— Lamento. - Não é mais que um sussurro, mas bem parecia ter me dito aos gritos.

Ele lamenta beijar-me. O que suponho que esta bem, porque amigos não se beijam. Jamais.

O que é realmente uma pena.

Ele beija minha bochecha todo um segundo antes de virar e sair de seu escritório.

Minhas bochechas estão coradas e coloco a mão sobre meu peito.

O que diabos aconteceu?

Realmente, eu não tenho ideia porque eu estou bêbada de luxúria. Mas sei que isto muda tudo.

Santo Inferno.

 

 

***

 

Caminho de volta para cabine. As meninas, Trick e Kentin estão lá.

Iris olha para mim e eu não posso deixar de rir. Sim, ainda embriagada. Ela me mira com os olhos arregalados. Ambas estamos coradas. Mas pelo menos ela parece satisfeita.

— Onde está Cass? — Pergunto a Kentin.

Ele encolhe os ombros e responde: — Ele disse que tinha uma emergência para cuidar, querida. Provavelmente não vai voltar esta noite.

Concordo com a cabeça e olho para mesa. Ele está me evitando.

Se ele pensa que vou desistir da sua amizade sem lutar, ele está muito enganado.

Ele não pode me dar incríveis quatro semanas completas e, em seguida, tirá-las por causa de um beijo estúpido. Bem, foi um beijo estúpido e incrível. Mas mesmo assim.

Eu tenho que fazer alguma coisa. Eu não vou perder Cass.

Vou lutar por isso.

É melhor ter cuidado, Cassi.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...