1. Spirit Fanfics >
  2. Zurena - Forbidden Love >
  3. Leopoldo e Encarna

História Zurena - Forbidden Love - Capítulo 11


Escrita por: ClexaZurena4ever

Notas do Autor


Ola, voltei! Boa leitura 🥰❤️

Capítulo 11 - Leopoldo e Encarna


Fanfic / Fanfiction Zurena - Forbidden Love - Capítulo 11 - Leopoldo e Encarna

POV ZULEMA

Zulema, esses são meus pais. - Ela diz, e imediatamente sinto meu coração quase sair pela boca e minhas pernas bambearem com aquela situação. 

- Leopoldo. - O homem grisalho diz, olhando pra mim sério e estendendo a mão.

Apenas retribuo o cumprimento, mas por dentro estava extremamente nervosa, sem saber realmente o motivo. 

- Encarna, prazer. - A mulher diz, fazendo o mesmo cumprimento, mas parecendo estar mais feliz. 

- P-prazer. - Digo, sentindo meu coração palpitar com aquela pressão. 

- Ela é sua amiga? - O pai de Macarena pergunta, me olhando de cima abaixo. 

- Bom, na verdade, ela é minha namorada. - Macarena diz e arregalo os olhos com aquelas palavras. Namorada?? 

O pai dela me olha cerrando um pouco os olhos, fazendo eu suar pelas mãos. 

- Quantos anos você tem? - Ele pergunta diretamente pra mim, e sinto como se pudesse desmaiar a qualquer momento. 

- Eu, eu... - Tento dizer, mas o nervosismo não me permite. 

- Pai e mãe, por que vocês não vão lá fora ver a vista que eu tenho? Eu e Zulema já vamos lá. - Macarena diz, mudando o assunto e os dois apenas concordam com a cabeça, indo até o lado de fora.

Esperei eles saírem completamente e não puderem nos ouvir para soltar o ar que eu nem sequer sabia estar segurando. 

- Macarena, o que foi isso? Por que seus pais estão aqui? - Pergunto um tanto desesperada. 

- Ai, me desculpa mesmo Zulema, é que havíamos combinado há algum tempo, mas eu esqueci totalmente que ia ser hoje. - Ela diz com as sobrancelhas contraídas, pedindo desculpas.

- Eu não acredito que você esqueceu Macarena! E pediu pra eu dormir aqui além disso. O que eu faço agora? - Pergunto um pouco alterada já.

- Se acalme, vamos conversar com eles? Prometo que são gente boa e vão se dar bem com vocês. - Ela diz, pegando minha mão e me puxando até o lado de fora. 

Assim que chegamos lá, vejo os pais de Macarena sentados em algumas cadeiras de madeira de mãos dadas e olhando para a vista em sua frente. Olhando eles assim, pensei que poderiam realmente ser pessoas tranquilas e se darem bem comigo, mas ainda sentia que precisava manter um pé atrás.

- Pai, mãe, como vocês estão? - Macarena pergunta assim que chegamos mais perto, chamando suas atenções. 

- Oh filha, estamos muito bem, e você? - A mãe de Macarena diz assim que nos sentamos de frente pra eles. 

- Estou muito bem também. - Ela diz, apertando minha mão. 

- E a escola, como andam as coisas? - O pai de Macarena pergunta, e meu coração acelera com aquela pergunta.

- Ah, tá tudo certo, só notas altas, como sempre. - Macarena diz um pouco nervosa, eu sabia que aquilo não era totalmente verdade. 

- Que bom meu amor, fico feliz. - Encarna diz, sorrindo para Macarena. - E você, Zulema? Onde trabalha? - Ela pergunta, agora olhando pra mim. 

- E-Eu? - Pergunto, totalmente nervosa e pensando em uma resposta cabível para dar pra ela.

- Zulema é professora! - Macarena diz com a maior empolgação possível, fazendo eu querer me enforcar.

- P-professora de p-primário, em uma escola, de crianças. - Digo, totalmente nervosa. 

Os pais de Macarena não podiam saber de jeito nenhum que eu trabalhava na universidade de Macarena, muito menos que eu era a professora dela. Tinha certeza que se descobrissem, enlouqueceriam e fariam tudo pra me demitir, porque eu faria o mesmo se fosse com minha filha. 

- Ah, você gosta de crianças? - Encarna pergunta, sorrindo. 

- Ah, c-claro! Crianças são minhas pessoas favoritas! - Digo, coçando minha cabeça de nervosismo. Macarena percebeu aquilo, pois me olhava preocupada. 

- Err, vamos comer? A comida já está pronta. - Macarena diz, não deixando sua mãe perguntar mais nada, fazendo eu agradecer por aquilo. 

Sentei-me do lado de Macarena completamente nervosa, o pai dela parecia me odiar já, pois me olhava seriamente, como se estivesse pensando a maneira mais fácil de me matar sem que ninguém descobrisse.

Macarena colocou a travessa que continha risoto de cevada com cogumelos na mesa e então sentou-se na mesa, destampando a comida, fazendo meus olhos encherem. 

- O que é isso filha? - Leopoldo pergunta sem disfarçar a careta.

- Ah, risoto com cogumelos pai, vegano para mim e Zulema, que somos vegetarianas. - Ela diz, servindo um pouco no meu prato. 

- Vegetariana? Desde quando minha pequena carnívora é vegetariana? - Ele pergunta chocado com a revelação. 

- Não faz tanto tempo, foi depois que conheci ela. - Macarena diz normalmente, parecendo não perceber que estava apenas piorando a situação. 

- Você fez minha filha parar de comer carne? Quer matá-la? - Ele pergunta em um tom mais alto, fazendo eu me desesperar. 

- Err, vegetais são bons pra saúde, e carne não é tanto... - Tento dizer o mais educadamente possível, para não irritá-lo. 

Claro que foi totalmente sem sucesso, pois isso fez ele se exaltar mais ainda. 

- Como que carne não é saudável? E as proteínas? - Ele pergunta, batendo a mão na mesa. 

- Pai, para com isso. - Macarena diz olhando pra ele seriamente e dando uma garfada na comida.

- Peço desculpas pelo Leopoldo aqui Zulema, esse chefe de polícia não cansa de ser durão. - Ela diz sorrindo e colocando a mão no ombro dele.

Faltou muito pouco pra eu desmaiar e cair desacordada no chão com aquelas palavras. Chefe de polícia? É, eu realmente estava fodida, tomei no cu bonito, não tinha mais volta. 

Apenas dou uma risada muito falsa e nervosa pra eles, e Macarena percebe imediatamente, olhando pra mim e rindo da minha situação humilhante. Sinto uma séria vontade de punir ela imensamente quando estivéssemos sozinhas, e provavelmente era o que eu faria. 

POV MACARENA

Realmente não estava nos meus planos meus pais aparecerem assim, sem que eu me lembrasse que havíamos combinado de almoçar, e com Zulema em casa. Eu sentia que ela estava completamente nervosa e desconfortável naquela situação, e me sentia muito mal por ela. 

Zulema e minha mãe estavam lavando as louças enquanto eu guardava tudo e meu pai fumava seu rotineiro charuto após o almoço, ele nunca largava aquele vício horroroso. 

Minha mãe tentava puxar assunto com Zulema, mas suas respostas não eram longas e animadas do jeito que minha mãe queria, não porque Zulema não queria, mas porque ainda estava nervosa, não poderia julgá-la.

- Zulema, posso conversar com você? - Ouço meu pai dizendo assim que Zulema termina de lavar as louças. 

- O que você quer pai? - Pergunto, sabendo que ela não gostaria daquilo. 

- Assuntos particulares hija, por favor. - Ele diz, e apenas me afasto. - Zulema. - Ele diz indo até um cômodo da casa e fechando as portas assim que ela entra.

- O que ele quer com ela mãe? Ele não cansa de ser assim? - Pergunto agoniada com sua mania de fazer aquilo. 

- Se acalme meu bem, seu pai só quer ver se ela te merece, assim como fez com todos os seus namorados. - Minha mãe diz tranquila, me envolvendo em um abraço. 

- Tem razão, vai dar tudo certo. - Digo mais aliviada, pensando no que estariam falando lá dentro.

POV ZULEMA

Havia acabado de entrar no cômodo e o pai de Macarena fechou a porta, fazendo meu coração quase sair pela boca de tanto nervosismo. O que ele queria comigo? 

Vejo ele virar de costas pra mim e parar de andar, colocando as mãos na cintura e soltando um suspiro. Então, ele se vira pra mim e senta no sofá, insinuando que eu fizesse o mesmo. E eu obviamente o obedeço imediatamente. 

- Zulema, vou ser curto e grosso com você. - Ele diz, e engulo em seco. - O que você pretende com a minha filha? - Ele pergunta sério me encarando. 

- D-desculpe? - Pergunto, tentando ganhar mais tempo para responder a pergunta.

- O que você quer com a minha filha? Só sexo? Casamento? Filhos? - Ele pergunta, fazendo eu ter um infarto cada vez mais. 

- Eu... Eu não sei senhor. - Digo, sentindo minhas mãos tremerem. 

- Pois descubra, senão eu que vou dar um pé na sua bunda e destruir sua vida se você a magoar. - Ele diz sério, me ameaçando.

Engulo em seco com aquela ameaça, aquele homem era extremamente assustador. 

- Você tem uma semana pra responder minha pergunta, senão vou fazer questão de esconder seu corpo em um lugar impossível de achar. - Ele diz, se levantando e indo em direção a porta. 

Fico estática por alguns minutos com aquelas palavras, meu coração palpitava freneticamente com aquelas palavras. Não duvidava nem um pouco dele, sabia que policiais podiam ser muito sombrios e fazerem coisas absurdas às vezes. 

- Zulema? - Macarena aparece do nada na sala, me tirando dos meus pensamentos. 

- Está tudo bem? - Ela pergunta e confirmo com a cabeça, mentindo descaradamente. - Meus pais querem conversar conosco lá fora. - Ela diz, e apenas pego sua mão e deixo ela nos guiar até o lado de fora.

- Estamos aqui, o que foi? - Macarena pergunta assim que nos sentamos. 

- Maca, você sabe o quanto te amamos né filha? - A mãe de Macarena pergunta sorrindo, e Macarena confirma com a cabeça. 

- Nós estivemos pensando sobre algo há algum tempo... - O pai de Macarena fala, dando uma pausa dramática. 

- O que? - Macarena pergunta, quebrando o silêncio. 

- Bom, você sabe que seu irmão Román está se mudando para uma cidade perto daqui né? - A mãe dela pergunta, e Macarena confirma. 

- O que que tem? - Ela pergunta, fazendo eu ficar cada vez mais agoniada com aquele mistério todo. 

- Bom, já que nossos dois filhos estão por aqui, não queremos ficar tão longe de vocês. - Ela diz, entrelaçando os dedos com os de Leopoldo. 

- Então, resolvemos vir morar aqu,i pertinho de você! - Ele diz, e sinto minha respiração descompassar. 

- Na verdade, vamos ser vizinhos! Vamos comprar essa casinha aqui do lado da sua, Maca! - A mãe dela diz completamente animada, e sinto meu estômago embrulhar com aquelas notícias. 


Notas Finais


O que acharam??? Aguardo seus comentários ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...