1. Spirit Fanfics >
  2. Membros >
  3. devilady

devilady

devilady
Nome: .
Status: Usuário
Sexo: Masculino
Localização:
Aniversário: Indisponivel
Cadastro:

devilady


n é a conta de fichas da sky n, tu errou o perfil

.la gloire à mes genoux

Postado

Escreveu 。 ❪★❫・゚。❝❝.𝐉𝐮𝐬𝐭 𝐚 𝐦𝐨𝐦𝐞𝐧𝐭 𝐝𝐞𝐚𝐫 ꜜ . . ((作る)) — 𝐈 𝐡𝐞𝐚𝐫 𝐬𝐨𝐦𝐞𝐨𝐧𝐞 𝐚𝐭 𝐭𝐡𝐞 𝐝𝐨𝐨𝐫
.𝓂𝒶𝓁 𝓅𝑜𝓈𝓈𝑜 𝑒𝓈𝓅𝑒𝓇𝒶𝓇 𝓅𝒶𝓇𝒶 𝒶𝓅𝒶𝑔𝒶𝓇 𝒶 𝓂𝒾𝓃𝒽𝒶 𝓅𝑒𝓃𝒶, 𝑒𝓊 𝓁𝓊𝓉𝑜 𝒸𝑜𝓃𝓉𝓇𝒶 𝓂𝒾𝓂 𝓂𝑒𝓈𝓂𝑜 𝑒𝓂 𝓂𝑒𝓊𝓈 𝓈𝑜𝓃𝒽𝑜𝓈 — • • e agora eu sangro, e agora eu queimo e agora eu vagueio ✦¸ e agora eu rio, e agora eu choro e agora eu perco・゚。❝❝estou nu, ingênuo, necessitado. preso em meu corpo, uma prisão ornamentada de ouro☇☇☇preso em uma pintura, admiram meu corpo; fui criado pelos homens, nunca houve nenhum esforço.
◦ ◦ ◦ A (𝑂𝘩 𝑚𝑦 𝑤𝑒𝑎𝑟𝑦 𝑠𝑜𝑢𝑙) ✦ 𝐕𝐄𝐍𝐇𝐀 𝐍𝐎𝐒 𝐒𝐀𝐋𝐕𝐀𝐑 𝐃𝐄 𝐍𝐎́𝐒 𝐌𝐄𝐒𝐌𝐎𝐒, 𝐃𝐎 𝐈𝐍𝐅𝐄𝐑𝐍𝐎 𝐄 𝐒𝐔𝐀𝐒 𝐂𝐎𝐍𝐒𝐄𝐐𝐔𝐄𝐍𝐂𝐈𝐀𝐒 A ◦ ◦ ◦
Mostrar Spoiler: 𝙼𝙾𝚃𝙷𝙴𝚁, 𝙛𝙤𝙧𝙜𝙞𝙫𝙚 𝙢𝙚 𝙛𝙤𝙧 𝙮𝙤𝙪 𝙠𝙣𝙤𝙬 𝙩𝙝𝙖𝙩 𝙞 𝙖𝙢 𝙖𝙡𝙬𝙖𝙮𝙨 𝙨𝙞𝙣𝙣𝙞𝙣𝙜
Escreveu 𝖯𝗈𝖾𝗍𝖺𝗌 𝖿𝖺𝗆𝗂𝗇𝗍𝗈𝗌, 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺𝗌 𝗌𝖺𝗇𝗀𝗋𝖺𝗇𝖽𝗈. ✦˙› 𝐍𝐚𝐝𝐚 𝐝𝐨 𝐪𝐮𝐞 𝐞𝐥𝐞 𝐭𝐞𝐦 𝐞𝐥𝐞 𝐫𝐞𝐚𝐥𝐦𝐞𝐧𝐭𝐞 𝐩𝐫𝐞𝐜𝐢𝐬𝐚

❛✧₊ 。。。ℒ𝑢𝑐𝑖𝑒𝑛 𝑠𝑜́ 𝑐𝑜𝑛𝑠𝑒𝑔𝑢𝑖𝑎 𝑜𝑙𝘩𝑎𝑟 𝑜𝑠 𝘩𝑜𝑚𝑒𝑛𝑠 𝑑𝑜 𝑎𝑙𝑡𝑜, 𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜 𝑒𝑚 𝑢𝑚𝑎 𝑗𝑎𝑛𝑒𝑙𝑎. — Entretanto, ao descer e colocar-se na mesma altura que os outros, sentia-se estranho ao perceber que não poderia mais compara-los a formigas. Preferia que não se esbarrassem tanto, assim não precisaria cerrar os dentes sempre que tocado. Impuros. Ao observar a natureza humana de sua janela, gostava de perceber também o quão vulneráveis eles eram quando nem ao menos se davam o trabalho de olhar para cima. 𝐍𝐢𝐧𝐠𝐮𝐞́𝐦 𝐞𝐬𝐩𝐞𝐫𝐚 𝐬𝐞𝐫 𝐨𝐛𝐬𝐞𝐫𝐯𝐚𝐝𝐨 𝐜𝐨𝐦 𝐭𝐚𝐧𝐭𝐚 𝐟𝐫𝐞𝐪𝐮𝐞̂𝐧𝐜𝐢𝐚. Percebeu que seus velhos hábitos haviam voltado, estava a questionar novamente sobre a existência dos homens. Estava longe de considerar-se um inimigo da humanidade, contudo, não sabia se poderia considerar o oposto. Talvez a humanidade estivesse contra ele, o "filho abençoado", e talvez por isso insistia em observa-los. Sentia-se incompreendido, isso o fazia refletir mais sobre a natureza de si mesmo. Desviar-se da conduta esperada pela sociedade, embora factível, não era algo tão simples. Sabe disso pois tentou, inúmeras vezes, até abandonar seus desejos imorais e aceitar sua mortalidade.
“— 𝐀 𝐞𝐧𝐭𝐢𝐝𝐚𝐝𝐞 𝐡𝐮𝐦𝐚𝐧𝐚 𝐜𝐨𝐧𝐬𝐢𝐝𝐞𝐫𝐚𝐝𝐚 𝐬𝐨𝐟𝐫𝐞𝐝𝐨𝐫𝐚…”
°꒱⁞ ‘Afastou-se da janela na qual olhava os homens e concentrou-se na sala vazia em que se encontrava. Fechou os olhos e, após sentir uma estranha melodia tocar em sua cabeça, rodopiou algumas vezes. Enquanto cantarolava, abria os braços expressivamente, ao mesmo tempo que, em um ritmo melódico, mudava sua dança e fingia estar segurando outro corpo. Sorria ao sentir-se em um estado singular nostálgico. Se fosse como naquela época, estaria rindo junto daquela beleza camponesa que tanto amava. Por um momento, pode jurar ter sentido o mesmo cheiro de campo, ter visto a mesma luz que destacava suas madeixas, o mesmo sorriso, as mesmas perguntas.
Escreveu AAAAAAAAA𝙾 𝚀𝚄𝙴 𝚅𝙾𝙲𝙴̂ 𝙶𝙾𝚂𝚃𝙰𝚁𝙸𝙰 𝙳𝙴 𝚂𝙴𝚁 𝙽𝙾 𝙵𝚄𝚃𝚄𝚁𝙾, 𝙱𝙴𝙽𝚉𝙸𝙽𝙷𝙾?
Em situações comuns se sentiria assombrado; porém, naquele momento, tudo que conseguia fazer era rir. Rir daquelas estupidas lembranças, da inocência juvenil de anos atrás, de todos os conflitos existenciais. Ela sempre foi um desastre delicado, e estava justamente como ele a queria. Seus anos haviam se tornado alicerces, não os negava, ao menos sentiu que não devesse, já que não havia nada mais no qual pudesse prender fielmente sua existência... 𝐄 𝐦𝐚𝐢𝐬 𝐮𝐦𝐚 𝐯𝐞𝐳, 𝐬𝐞 𝐩𝐞𝐠𝐨𝐮 𝐩𝐞𝐧𝐬𝐚𝐧𝐝𝐨 𝐝𝐞𝐦𝐚𝐢𝐬. Era aquilo que ela queria. "O que você é? O que se tornaria?". O inimigo era um oponente formidável, entretanto, ele, como conhecedor de sua verdadeira natureza, havia declarado internamente de que aquele era um ponto irrevogável; não seria entregue aos delírios daquela mulher.

Sorriu mais uma vez e, se pondo novamente a observar da janela, sussurrou:
“— 𝐂𝐨𝐦𝐨 𝐬𝐞 𝐨𝐬 𝐦𝐨𝐫𝐭𝐨𝐬 𝐩𝐮𝐝𝐞𝐬𝐬𝐞𝐦 𝐟𝐚𝐥𝐚𝐫."
Escreveu 𝕷𝖚𝖈𝖊𝖆𝖙 𝖑𝖚𝖝 𝖛𝖊𝖘𝖙𝖗𝖆.
━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━
• • 𝕺𝖘 𝖒𝖔𝖗𝖙𝖔𝖘 𝖓𝖆̃𝖔 𝖕𝖔𝖉𝖊𝖒 𝖋𝖆𝖑𝖆𝖗 ❪★❫ — 𝒜través dos portões de ferro do destino, as sementes do tempo foram semeadas e regada pela ação daqueles que conhecem e que são conhecidos ᎒ 𝐂𝐨𝐧𝐡𝐞𝐜𝐢𝐦𝐞𝐧𝐭𝐨 𝐞́ 𝐮𝐦 𝐚𝐦𝐢𝐠𝐨 𝐦𝐨𝐫𝐭𝐚𝐥, se ninguém estabelecer as regras ˹♡:い o destino de toda humanidade, eu vejo ✦› está nas mãos de tolos¡❞.°
━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━━
Escreveu 「 」 𝐄𝐫𝐚𝐦 𝐩𝐨𝐮𝐜𝐚𝐬 𝐚𝐬 𝐜𝐨𝐢𝐬𝐚𝐬 𝐪𝐮𝐞 𝐚𝐪𝐮𝐞𝐥𝐚 𝐜𝐫𝐢𝐚𝐧𝐜̧𝐚 𝐚𝐩𝐫𝐞𝐜𝐢𝐚𝐯𝐚 𝐯𝐞𝐫𝐝𝐚𝐝𝐞𝐢𝐫𝐚𝐦𝐞𝐧𝐭𝐞.
𝖣𝖾𝗌𝖽𝖾 𝖺 𝗉𝗋𝗂𝗆𝖾𝗂𝗋𝖺 𝗂𝗇𝖿𝖺̂𝗇𝖼𝗂𝖺, 𝗌𝖾 𝗏𝗂𝗎 𝗉𝗋𝖾𝗌𝗈 𝖾𝗆 𝗎𝗆 𝗌𝖾𝗇𝗍𝗂𝗆𝖾𝗇𝗍𝗈 𝖽𝖾 𝖺𝗉𝖺𝗍𝗂𝖺 𝖼𝗈𝗇𝗍𝗂́𝗇𝗎𝖺, 𝗈𝗇𝖽𝖾 𝗌𝗎𝖺 𝗈𝗋𝗂𝗀𝖾𝗆 𝗌𝖾 𝗋𝖾𝗌𝗎𝗆𝗂𝖺 𝖺 𝗎𝗆 𝗉𝖾𝗊𝗎𝖾𝗇𝗈 𝗉𝗎𝗇𝗁𝖺𝖽𝗈 𝖽𝖾 𝗍𝖾𝗋𝗋𝖺 𝗃𝗈𝗀𝖺𝖽𝗈 𝖺𝗈 𝗏𝖾𝗇𝗍𝗈. 𝖠𝗊𝗎𝖾𝗅𝖾𝗌 𝗆𝗈𝗆𝖾𝗇𝗍𝗈𝗌, 𝗉𝗈𝗋 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝗉𝖺𝗋𝗍𝗂𝖼𝗎𝗅𝖺𝗋𝖾𝗌 𝗊𝗎𝖾 𝖿𝗈𝗌𝗌𝖾𝗆, 𝗃𝖺𝗆𝖺𝗂𝗌 𝗌𝖾 𝖽𝗂𝗌𝗍𝗂𝗇𝗀𝗎𝗂𝗋𝖺𝗆 𝖽𝗈𝗌 𝗈𝗎𝗍𝗋𝗈𝗌 𝗉𝗋𝖾𝖼𝗂𝗉𝗂́𝖼𝗂𝗈𝗌 𝖾𝗆 𝗊𝗎𝖾 𝗌𝗎𝖺 𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾 𝗂𝗇𝗌𝗍𝗂𝗀𝖺𝗏𝖺. 𝖤𝗆 𝗌𝗎𝖺𝗌 𝗆𝖾𝗆𝗈́𝗋𝗂𝖺𝗌 𝗉𝖾𝗋𝖽𝗂𝖽𝖺𝗌 𝖾𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺𝗆 𝗉𝗋𝖾𝗌𝖾𝗇𝗍𝖾𝗌 𝖺𝗉𝖾𝗇𝖺𝗌 𝗎𝗆𝖺 𝖿𝗎𝗆𝖺𝖼̧𝖺 𝗏𝖾𝗋𝗆𝖾𝗅𝗁𝖺, 𝗇𝗈 𝗊𝗎𝖺𝗅 𝗌𝖾 𝖾𝗌𝖿𝗈𝗋𝖼̧𝖺𝗏𝖺 𝗆𝗎𝗂𝗍𝗈 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗇𝖺̃𝗈 𝗋𝖾𝖼𝗈𝗋𝖽𝖺𝗋 𝖽𝗈𝗌 𝗏𝖾𝗅𝗁𝗈𝗌 𝗍𝖾𝗆𝗉𝗈𝗌. 𝖮 𝗆𝗈𝗍𝗂𝗏𝗈 𝖽𝗂𝗌𝗌𝗈 𝖾́ 𝗉𝗈𝗋𝗊𝗎𝖾 𝖾𝗋𝖺𝗆 𝖼𝗈𝗇𝖿𝗅𝗂𝗍𝖺𝗇𝗍𝖾𝗌, 𝖾 𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖺 𝖾𝗋𝖺 𝗌𝗎𝖺 𝗎́𝗇𝗂𝖼𝖺 𝖼𝖾𝗋𝗍𝖾𝗓𝖺.

𝖤𝗌𝖿𝗋𝖾𝗀𝗈𝗎 𝗈𝗌 𝗈𝗅𝗁𝗈𝗌 𝖽𝖾 𝗆𝖺𝗇𝖾𝗂𝗋𝖺 𝖽𝖾𝗌𝖼𝗎𝗂𝖽𝖺𝖽𝖺, 𝗌𝖾𝗆 𝗉𝖾𝗋𝖼𝖾𝖻𝖾𝗋 𝗊𝗎𝖾 𝗌𝗎𝖺 𝗆𝖺̃𝗈 𝖾𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝗌𝗎𝗃𝖺 𝖽𝖾 𝗍𝖾𝗋𝗋𝖺, 𝗆𝖺𝗇𝖼𝗁𝖺𝗇𝖽𝗈 𝗌𝗎𝖺 𝗉𝖾𝗅𝖾 𝖺𝗅𝗏𝖺. 𝖤𝗌𝗍𝖾𝗇𝖽𝖾𝗎-𝖺𝗌, 𝗈𝖻𝗌𝖾𝗋𝗏𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖼𝗈𝗆𝗈 𝖺 𝗍𝗈𝗇𝖺𝗅𝗂𝖽𝖺𝖽𝖾 𝖺𝗅𝖺𝗋𝖺𝗇𝗃𝖺𝖽𝖺 𝖽𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖾 𝗉𝗈̂𝗋 𝖽𝗈 𝗌𝗈𝗅 𝗋𝖾𝖼𝖺𝗂𝖺 𝖻𝖾𝗆 𝗌𝗈𝖻𝗋𝖾 𝗌𝗂. 𝖦𝖾𝗋𝖺𝗅𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾, 𝖾𝗌𝗍𝖾𝗇𝖽𝖾𝗋 𝖾 𝗈𝗅𝗁𝖺𝗋 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗌𝗎𝖺𝗌 𝗆𝖺̃𝗈𝗌 𝗂𝗆𝗎𝗇𝖽𝖺𝗌 𝗈 𝖿𝖺𝗓𝗂𝖺 𝗌𝖾 𝗌𝖾𝗇𝗍𝗂𝗋 𝖻𝖾𝗆, 𝖼𝗈𝗆𝗈 𝗌𝖾 𝖺𝗊𝗎𝗂𝗅𝗈 𝖿𝗈𝗌𝗌𝖾 𝗈 𝗍𝗈𝗍𝖺𝗅 𝗌𝗂𝗇𝗈̂𝗇𝗂𝗆𝗈 𝖽𝖾 𝗅𝗂𝖻𝖾𝗋𝖽𝖺𝖽𝖾, 𝗉𝗈𝗋𝖾́𝗆, 𝗇𝖺̃𝗈 𝖾𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝖼𝖾𝗋𝗍𝗈 𝗌𝖾 𝗉𝗈𝖽𝖾𝗋𝗂𝖺 𝗌𝖾𝗇𝗍𝗂-𝗅𝖺 𝖾𝗌𝗍𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖺𝗅𝗂. 𝖠𝗊𝗎𝖾𝗅𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺 𝗈𝖽𝗂𝖺𝗏𝖺 𝗈𝗌 𝖿𝗂𝗇𝗌 𝖽𝖾 𝗍𝖺𝗋𝖽𝖾, 𝗍𝖺𝗅𝗏𝖾𝗓 𝖿𝗈𝗌𝗌𝖾 𝖾𝗌𝗌𝖾 𝗈 𝖾𝖿𝖾𝗂𝗍𝗈.

𝖲𝖾𝗆 𝖺𝗏𝗂𝗌𝗈, 𝗎𝗆𝖺 𝗆𝖺̃𝗈 𝗉𝖺𝗂𝗋𝖺 𝗌𝗈𝖻 𝗌𝖾𝗎𝗌 𝖼𝖺𝖼𝗁𝗈𝗌 𝗅𝗈𝗎𝗋𝗈𝗌, 𝖿𝖺𝗓𝖾𝗇𝖽𝗈-𝗈 𝗌𝖾 𝖾𝗇𝗍𝗋𝖾𝗀𝖺𝗋 𝖺𝗈 𝖼𝗈𝗌𝗍𝗎𝗆𝖾𝗂𝗋𝗈 𝖼𝖺𝖿𝗎𝗇𝖾́ 𝗊𝗎𝖾 𝗁𝖺𝗏𝗂𝖺 𝗌𝖾 𝖺𝖼𝗈𝗌𝗍𝗎𝗆𝖺𝖽𝗈 𝖽𝗎𝗋𝖺𝗇𝗍𝖾 𝖺 𝗎́𝗅𝗍𝗂𝗆𝖺 𝗌𝖾𝗆𝖺𝗇𝖺. 𝖠𝗌𝗌𝗂𝗆 𝖼𝗈𝗆𝗈 𝖾𝗅𝖺, 𝖺 𝖽𝗈𝗇𝖺 𝖽𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖺𝗌 𝗆𝖺̃𝗈𝗌 𝖼𝖺𝗋𝗂𝗇𝗁𝗈𝗌𝖺𝗌 𝗍𝗋𝖺𝗇𝗌𝗆𝗂𝗍𝗂𝖺 𝗎𝗆 𝖾𝗑𝖼𝖾𝗌𝗌𝗈 𝖽𝖾 𝖺𝖿𝖾𝗍𝗈 𝗇𝗈 𝗊𝗎𝖺𝗅 𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺 𝗍𝖺𝗇𝗍𝗈 𝗀𝗈𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺. 𝖯𝗈𝖽𝖾𝗋𝗂𝖺 𝖼𝗈𝗇𝗌𝗂𝖽𝖾𝗋𝖺𝗋-𝗌𝖾 𝗂𝗆𝗉𝗎𝗋𝗈 𝗉𝗈𝗋 𝗂𝗌𝗌𝗈?

𝖠𝗌𝗌𝗂𝗆 𝗊𝗎𝖾 𝗈𝖻𝗍𝖾𝗏𝖾 𝖺 𝖺𝗍𝖾𝗇𝖼̧𝖺̃𝗈 𝖽𝖾 𝗌𝖾𝗎𝗌 𝗈𝗅𝗁𝗈𝗌 𝗏𝖾𝗋𝖽𝖾𝖺𝗂𝗌, 𝖺 𝖽𝖺𝗆𝖺 𝗌𝗈𝗋𝗋𝗂𝗎, 𝖾𝗆 𝗎𝗆𝖺 𝖽𝖾𝗆𝗈𝗇𝗌𝗍𝗋𝖺𝖼̧𝖺̃𝗈 𝗌𝗂𝗇𝗀𝖾𝗅𝖺 𝖽𝖾 𝗌𝗂𝗆𝗉𝖺𝗍𝗂𝖺. 𝖤𝗅𝖺 𝗀𝗈𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝖽𝖾𝗅𝖾.

— 𝖲𝖺𝖻𝖾, 𝖿𝖺𝗓 𝗉𝖾𝗅𝗈 𝗆𝖾𝗇𝗈𝗌 𝖽𝗎𝖺𝗌 𝗌𝖾𝗆𝖺𝗇𝖺𝗌 𝖽𝖾𝗌𝖽𝖾 𝗊𝗎𝖾 𝗏𝗈𝖼𝖾̂ 𝗃𝗎𝗇𝗍𝗈𝗎-𝗌𝖾 𝖺 𝗇𝗈́𝗌. 𝖥𝗂𝖼𝗈 𝗆𝗎𝗂𝗍𝗈 𝖿𝖾𝗅𝗂𝗓 𝖾𝗆 𝗏𝖾𝗋 𝗊𝗎𝖾 𝖼𝗈𝗇𝗌𝖾𝗀𝗎𝗂𝗎 𝗌𝖾 𝖺𝖻𝗋𝗂𝗋 𝗎𝗆 𝗉𝗈𝗎𝖼𝗈 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝖼𝗈𝗇𝗈𝗌𝖼𝗈 𝗇𝖾𝗌𝗌𝖾𝗌 𝗎́𝗅𝗍𝗂𝗆𝗈𝗌 𝖽𝗂𝖺𝗌 — 𝖠𝗌 𝗆𝖺̃𝗈𝗌 𝗀𝖾𝗇𝗍𝗂𝗌 𝗈 𝗍𝗈𝖼𝖺𝗋𝖺𝗆 𝗇𝗈 𝗋𝗈𝗌𝗍𝗈, 𝗉𝖺𝗌𝗌𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖺 𝗆𝖺̃𝗈 𝖾𝗆 𝗌𝗎𝖺𝗌 𝖻𝗈𝖼𝗁𝖾𝖼𝗁𝖺𝗌 𝗋𝗎𝖻𝗋𝖺𝗌 𝗇𝖺𝗍𝗎𝗋𝖺𝗅𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾, 𝖻𝗋𝗂𝗇𝖼𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖼𝗈𝗆 𝗌𝗎𝖺 𝖿𝗋𝖺𝗇𝗃𝖺 𝖽𝖾𝗌𝗉𝖾𝗇𝗍𝖾𝖺𝖽𝖺, 𝗍𝗂𝗋𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖺 𝗉𝗈𝗋𝖼̧𝖺̃𝗈 𝖽𝖾 𝗍𝖾𝗋𝗋𝖺 𝖽𝖾 𝗌𝖾𝗎𝗌 𝗅𝖺́𝖻𝗂𝗈𝗌.

𝖠𝗌𝗌𝗂𝗆 𝗊𝗎𝖾 𝖼𝗁𝖾𝗀𝗈𝗎 𝗇𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖾 𝗀𝗋𝗎𝗉𝗈, 𝗍𝖾𝗏𝖾 𝗎𝗆𝖺 𝖼𝖾𝗋𝗍𝖺 𝖽𝗂𝖿𝗂𝖼𝗎𝗅𝖽𝖺𝖽𝖾 𝖾𝗆 𝗌𝖾 𝖾𝗇𝗊𝗎𝖺𝖽𝗋𝖺𝗋 𝖼𝗈𝗆𝗈 𝗈𝗌 𝗈𝗎𝗍𝗋𝗈𝗌. 𝖭𝖺̃𝗈 𝗊𝗎𝖾 𝖿𝗂𝗓𝖾𝗌𝗌𝖾 𝗈 𝗍𝗂𝗉𝗈 𝗂𝗇𝗀𝗋𝖺𝗍𝗈, 𝗆𝖺𝗌 𝗇𝖺̃𝗈 𝗌𝖾𝗇𝗍𝗂𝖺-𝗌𝖾 𝖺̀ 𝗏𝗈𝗇𝗍𝖺𝖽𝖾 𝖾𝗆 𝖼𝗈𝗆𝗉𝖺𝗋𝗍𝗂𝗅𝗁𝖺𝗋 𝗌𝗎𝖺𝗌 𝖾𝗑𝗉𝖾𝗋𝗂𝖾̂𝗇𝖼𝗂𝖺𝗌 𝖽𝖾 𝗏𝗂𝖽𝖺. 𝖳𝖺𝗅𝗏𝖾𝗓, 𝗇𝖺 𝗏𝖾𝗋𝖽𝖺𝖽𝖾, 𝗇𝖺̃𝗈 𝗌𝗈𝗎𝖻𝖾𝗌𝗌𝖾 𝖾𝗑𝖺𝗍𝖺𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾 𝗈 𝗊𝗎𝖾 𝖿𝖺𝗅𝖺𝗋. “𝖰𝗎𝖾𝗆 𝖾́ 𝗏𝗈𝖼𝖾̂?”, “𝖮 𝗊𝗎𝖾 𝗏𝗈𝖼𝖾̂ 𝖽𝖾𝗌𝖾𝗃𝖺 𝗌𝖾 𝗍𝗈𝗋𝗇𝖺𝗋?” 𝖾𝗋𝖺𝗆 𝗉𝖾𝗋𝗀𝗎𝗇𝗍𝖺𝗌 𝗊𝗎𝖾 𝗈 𝖺𝗌𝗌𝗈𝗆𝖻𝗋𝖺𝗏𝖺𝗆 𝖽𝖾𝗌𝖽𝖾 𝗊𝗎𝖾 𝗇𝗈𝗍𝗈𝗎 𝗊𝗎𝖾 𝗌𝗎𝖺 𝖾𝗑𝗂𝗌𝗍𝖾̂𝗇𝖼𝗂𝖺 𝖾𝗋𝖺 𝗂𝗇𝗊𝗎𝗂𝖾𝗍𝖺𝗇𝗍𝖾. 𝖭𝖺̃𝗈 𝖿𝖺𝗋𝗂𝖺 𝗌𝖾𝗇𝗍𝗂𝖽𝗈 𝖼𝗈𝗆𝗉𝖺𝗋𝗍𝗂𝗅𝗁𝖺𝗋 𝖼𝗈𝗆 𝗊𝗎𝖺𝗅𝗊𝗎𝖾𝗋 𝗎𝗆 𝖽𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖾𝗌, 𝗇𝗂𝗇𝗀𝗎𝖾́𝗆 𝗈 𝖾𝗇𝗍𝖾𝗇𝖽𝖾𝗋𝗂𝖺. 𝖤𝗑𝖼𝖾𝗍𝗈, 𝗍𝖺𝗅𝗏𝖾𝗓, 𝗉𝖾𝗅𝖺 𝗃𝗈𝗏𝖾𝗆 𝖽𝖾 𝖼𝖺𝖻𝖾𝗅𝗈𝗌 𝗅𝗈𝗂𝗋𝗈𝗌, 𝗊𝗎𝖾 𝗂𝗇𝗌𝗂𝗌𝗍𝗂𝖺 𝖾𝗆 𝗂𝗇𝖼𝗈𝗆𝗈𝖽𝖺́-𝗅𝗈 𝖼𝗈𝗆 𝖼𝗈𝗇𝗏𝖾𝗋𝗌𝖺𝗌 𝖻𝖺𝗇𝖺𝗂𝗌 𝗌𝗈𝖻𝗋𝖾 𝗈 𝗆𝗎𝗇𝖽𝗈 𝖾 𝗌𝗎𝖺 𝖾𝗑𝗂𝗌𝗍𝖾̂𝗇𝖼𝗂𝖺. 𝖨𝗄𝖺𝗋𝗂 𝖾𝗋𝖺 𝗎𝗆𝖺 𝗀𝖺𝗋𝗈𝗍𝖺 𝗀𝗋𝗎𝖽𝖾𝗇𝗍𝖺.

— 𝖢𝖺𝗌𝗈 𝗌𝗂𝗇𝗍𝖺-𝗌𝖾 𝖺̀ 𝗏𝗈𝗇𝗍𝖺𝖽𝖾, 𝗉𝗈𝖽𝖾𝗋𝗂𝖺 𝗆𝖾 𝗋𝖾𝗏𝖾𝗅𝖺𝗋 𝗈 𝗌𝖾𝗎 𝗇𝗈𝗆𝖾, 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺? — 𝖭𝗈𝗍𝗈𝗎 𝗈𝗌 𝗈𝗅𝗁𝗈𝗌 𝖾𝗌𝗏𝖾𝗋𝖽𝖾𝖺𝖽𝗈𝗌 𝖽𝖺 𝗆𝗎𝗅𝗁𝖾𝗋 𝖿𝗈𝖼𝖺𝗋𝖾𝗆 𝗇𝗈𝗌 𝗌𝖾𝗎𝗌, 𝖾𝗇𝗍𝖺̃𝗈 𝖽𝖾𝗌𝗏𝗂𝗈𝗎-𝗌𝖾 𝖽𝖾𝗅𝖾𝗌. 𝖯𝖾𝗇𝗌𝗈𝗎, 𝗉𝗈𝗋 𝗅𝗈𝗇𝗀𝗈𝗌 𝗆𝗂𝗇𝗎𝗍𝗈𝗌, 𝗇𝗈 𝗊𝗎𝖾 𝖿𝖺𝗓𝖾𝗋, 𝗆𝖺𝗌 𝗂𝗌𝗌𝗈 𝗌𝗈́ 𝗈 𝖿𝖾𝗓 𝗍𝖾𝗋 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝖼𝖾𝗋𝗍𝖾𝗓𝖺 𝖽𝖾 𝗊𝗎𝖾 𝗇𝖺̃𝗈 𝖾𝗑𝗂𝗌𝗍𝗂𝖺. 𝖥𝗋𝗎𝗌𝗍𝗋𝖺𝗇𝗍𝖾.

𝖫𝖾𝗏𝖺𝗇𝗍𝗈𝗎 𝗌𝖾𝗎 𝗉𝖾𝗊𝗎𝖾𝗇𝗈 𝖼𝗈𝗋𝗉𝗈 𝖾 𝗌𝖾𝗇𝗍𝗈𝗎-𝗌𝖾, 𝖼𝗈𝗆 𝖺 𝖼𝗈𝗅𝗎𝗇𝖺 𝗎𝗆 𝗉𝗈𝗎𝖼𝗈 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝖼𝗎𝗋𝗏𝖺𝖽𝖺. 𝖮𝗌 𝗈𝗆𝖻𝗋𝗈𝗌 𝖾𝗇𝖼𝗈𝗅𝗁𝗂𝖽𝗈𝗌 𝖾𝗋𝖺𝗆 𝗎𝗆 𝗌𝗂𝗇𝖺𝗅 𝖼𝗅𝖺𝗋𝗈 𝖽𝖾 𝗂𝗇𝖼𝗈̂𝗆𝗈𝖽𝗈. 𝖯𝗈𝗋 𝗉𝗈𝗎𝖼𝗈 𝗇𝖺̃𝗈 𝗍𝗋𝖾𝗆𝖾𝗎, 𝖺𝗌𝗌𝗂𝗆 𝗊𝗎𝖾 𝗇𝗈𝗍𝗈𝗎 𝗈𝗌 𝗈𝗅𝗁𝗈𝗌 𝖽𝖺 𝗆𝗎𝗅𝗁𝖾𝗋 𝗈 𝗈𝖻𝗌𝖾𝗋𝗏𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖼𝗈𝗆 𝖼𝖾𝗋𝗍𝖺 𝖾𝗑𝗉𝖾𝖼𝗍𝖺𝗍𝗂𝗏𝖺. 𝖮𝖽𝗂𝖺𝗏𝖺 𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖺𝗌 𝗉𝖾𝗋𝗀𝗎𝗇𝗍𝖺𝗌 𝗂𝗆𝗉𝖾𝗋𝗍𝗂𝗇𝖾𝗇𝗍𝖾𝗌, 𝗈𝖽𝗂𝖺𝗏𝖺-𝖺𝗌 𝖽𝖾𝗌𝖽𝖾 𝗊𝗎𝖾 𝖾𝗋𝖺𝗆 𝖿𝖾𝗂𝗍𝖺𝗌 𝗉𝖾𝗅𝖺 “𝗆𝖺̃𝖾”.

𝖡𝖺𝗅𝖺𝗇𝖼̧𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖺𝗌 𝗉𝖾𝗋𝗇𝖺𝗌 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝖿𝗋𝖾𝗇𝗍𝖾 𝖾 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗍𝗋𝖺́𝗌, 𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺 𝗌𝗎𝗌𝗉𝗂𝗋𝗈𝗎, 𝗈𝗅𝗁𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖺 𝗆𝗎𝗅𝗁𝖾𝗋 𝗉𝗈𝗋 𝖻𝖺𝗂𝗑𝗈 𝖽𝖾 𝗌𝗎𝖺 𝖿𝗋𝖺𝗇𝗃𝖺 𝖽𝖾𝗌𝖺𝗅𝗂𝗇𝗁𝖺𝖽𝖺 𝖾 𝖾𝗇𝖼𝖺𝗋𝖺𝖼𝗈𝗅𝖺𝖽𝖺.

— 𝖯𝖾𝖼̧𝗈 𝗉𝖾𝗋𝖽𝖺̃𝗈, 𝗆𝖺𝗌 𝗇𝖺̃𝗈 𝗍𝖾𝗇𝗁𝗈 𝗇𝖺𝖽𝖺 𝖽𝗈 𝗍𝗂𝗉𝗈 — 𝖭𝖺̃𝗈 𝗆𝖾𝗇𝗍𝗂𝗎, 𝖺𝗉𝖾𝗌𝖺𝗋 𝖽𝖾 𝖾𝗌𝖼𝗈𝗇𝖽𝖾𝗋 𝗌𝖾𝗎 𝗂𝗇𝖼𝗈̂𝗆𝗈𝖽𝗈 𝖽𝖺 𝗆𝖾𝗅𝗁𝗈𝗋 𝖿𝗈𝗋𝗆𝖺 𝗊𝗎𝖾 𝖼𝗈𝗇𝗌𝖾𝗀𝗎𝗂𝗎. 𝖣𝖾𝗌𝗏𝗂𝗈𝗎 𝗈 𝗈𝗅𝗁𝖺𝗋 𝗆𝗈𝗆𝖾𝗇𝗍𝖺𝗇𝖾𝖺𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾, 𝗆𝖺𝗌 𝗇𝖺̃𝗈 𝖼𝗈𝗇𝗌𝖾𝗀𝗎𝗂𝖺 𝗇𝖾𝗀𝖺𝗋, 𝖾𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝖺𝗉𝗋𝖾𝖾𝗇𝗌𝗂𝗏𝗈 𝗌𝗈𝖻𝗋𝖾 𝖺 𝖿𝗈𝗋𝗆𝖺 𝖼𝗈𝗆𝗈 𝖺 𝗃𝗈𝗏𝖾𝗆 𝗋𝖾𝗌𝗉𝗈𝗇𝖽𝖾𝗋𝗂𝖺 𝖺𝗊𝗎𝗂𝗅𝗈. 𝖨𝗋𝗂𝖺 𝗈𝖽𝗂𝖺́-𝗅𝗈? 𝖠𝖼𝗁𝖺𝗋 𝗀𝗋𝗈𝗌𝗌𝖾𝗂𝗋𝗈? 𝖯𝗈𝖽𝖾𝗋𝗂𝖺 𝗍𝖾𝗋 𝗌𝖾 𝖾𝗌𝖿𝗈𝗋𝖼̧𝖺𝖽𝗈 𝗎𝗆 𝗉𝗈𝗎𝖼𝗈 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗆𝖾𝗇𝗍𝗂𝗋, 𝗆𝖺𝗌 𝖺𝗌𝗌𝗎𝗆𝗂𝗎 𝗊𝗎𝖾 𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖺 𝗉𝖾𝗋𝗀𝗎𝗇𝗍𝖺 𝖺𝗆𝖺𝗅𝖽𝗂𝖼̧𝗈𝖺𝖽𝖺 𝗈 𝗂𝗆𝗉𝖾𝖽𝗂𝗌𝗌𝖾 𝖽𝖾 𝖿𝖺𝗓𝖾𝗋 𝗊𝗎𝖺𝗅𝗊𝗎𝖾𝗋 𝗈𝗎𝗍𝗋𝖺 𝖼𝗈𝗂𝗌𝖺 𝖺𝗅𝖾́𝗆 𝖽𝖾 𝗌𝖾 𝖺𝖼𝖾𝗂𝗍𝖺𝗋 𝖼𝗈𝗆𝗈 𝗎𝗆 𝗂𝗇𝖽𝗂𝗀𝖾𝗇𝗍𝖾.

— 𝖮𝗁, 𝖼𝗈𝗆𝗉𝗋𝖾𝖾𝗇𝖽𝗈… — 𝖮𝗎𝗏𝗂𝗎 𝖽𝖺 𝗆𝗎𝗅𝗁𝖾𝗋, 𝖾𝗇𝗍𝖺̃𝗈 𝖺𝗉𝖾𝗋𝗍𝗈𝗎 𝗈 𝗉𝗎𝗇𝗁𝗈. 𝖣𝗎𝗋𝖺𝗇𝗍𝖾 𝗅𝗈𝗇𝗀𝗈𝗌 𝗆𝗂𝗇𝗎𝗍𝗈𝗌, 𝗍𝖾𝗏𝖾 𝗊𝗎𝖾 𝗅𝗂𝖽𝖺𝗋 𝖼𝗈𝗆 𝗈 𝗈𝗅𝗁𝖺𝗋 𝖿𝗂𝗑𝖺𝖽𝗈 𝖽𝖺 𝗆𝗎𝗅𝗁𝖾𝗋 𝗌𝗈𝖻𝗋𝖾 𝗌𝗂, 𝖾𝗇𝗊𝗎𝖺𝗇𝗍𝗈 𝖾𝗏𝗂𝗍𝖺𝗏𝖺 𝗊𝗎𝖺𝗅𝗊𝗎𝖾𝗋 𝗍𝗂𝗉𝗈 𝖽𝖾 𝖼𝗈𝗇𝗍𝖺𝗍𝗈 𝗏𝗂𝗌𝗎𝖺𝗅 𝗊𝗎𝖾 𝗈 𝖽𝖾𝗂𝗑𝖺𝗌𝗌𝖾 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝖽𝖾𝗌𝖼𝗈𝗇𝖿𝗈𝗋𝗍𝖺́𝗏𝖾𝗅. 𝖳𝖺𝗅𝗏𝖾𝗓 𝗂𝗌𝗌𝗈 𝗇𝖺̃𝗈 𝖺𝖼𝗈𝗇𝗍𝖾𝖼𝖾𝗌𝗌𝖾 𝗌𝖾 𝖾𝗅𝖾 𝗇𝖺̃𝗈 𝖿𝗈𝗌𝗌𝖾, 𝗇𝖺 𝗏𝖾𝗋𝖽𝖺𝖽𝖾, 𝗎𝗆 𝗍𝗈𝗅𝗈 𝖾𝗌𝗉𝖾𝗋𝖺𝗇𝖼̧𝗈𝗌𝗈. 𝖵𝖾𝗇𝖽𝗈 𝗈 𝗌𝖾𝗆𝖻𝗅𝖺𝗇𝗍𝖾 𝖽𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺 𝖺𝗇𝗎𝗏𝗂𝖺𝗋, 𝖺 𝗃𝗈𝗏𝖾𝗆 𝗌𝗈𝗋𝗋𝗂𝗎 — 𝖤𝗇𝗍𝖺̃𝗈, 𝗌𝖾 𝗂𝗆𝗉𝗈𝗋𝗍𝖺 𝗌𝖾 𝖾𝗎 𝗈 𝖿𝗂𝗓𝖾𝗋?

— 𝖯𝖾𝗋𝖽𝖺̃𝗈? — 𝗉𝖾𝗋𝗀𝗎𝗇𝗍𝗈𝗎 𝖾𝗆 𝗎𝗆 𝗍𝗈𝗆 𝗂𝗇𝖼𝗋𝖾́𝖽𝗎𝗅𝗈, 𝗆𝗎𝖽𝖺𝗇𝖽𝗈 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗎𝗆 𝗌𝖾𝗆𝖻𝗅𝖺𝗇𝗍𝖾 𝗌𝗎𝗋𝗉𝗋𝖾𝗌𝗈.

— 𝖲𝗂𝗆, 𝗂𝗋𝖾𝗂 𝗇𝗈𝗆𝖾𝖺́-𝗅𝗈 𝖼𝗈𝗆𝗈 𝗈 𝗏𝖾𝗃𝗈, 𝗌𝖾 𝗂𝗆𝗉𝗈𝗋𝗍𝖺𝗋𝗂𝖺? — 𝖲𝖾 𝗅𝖾𝗆𝖻𝗋𝖺 𝖼𝗅𝖺𝗋𝖺𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾 𝗊𝗎𝖾 𝖿𝖾𝗓 𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖺𝗌 𝗉𝖺𝗅𝖺𝗏𝗋𝖺𝗌 𝗋𝖾𝗉𝖾𝗍𝗂𝗋𝖾𝗆 𝖽𝗂𝗏𝖾𝗋𝗌𝖺𝗌 𝗏𝖾𝗓𝖾𝗌 𝖾𝗆 𝗌𝗎𝖺 𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾, 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝖺𝖼𝗋𝖾𝖽𝗂𝗍𝖺𝗋 𝗊𝗎𝖾 𝖾𝗋𝖺𝗆 𝗋𝖾𝖺𝗂𝗌. 𝖮 𝗀𝖺𝗋𝗈𝗍𝗈 𝗌𝖾𝗇𝗍𝗂𝗎, 𝗉𝗈𝗋 𝗎𝗆 𝗆𝗈𝗆𝖾𝗇𝗍𝗈, 𝗌𝗎𝖺𝗌 𝖻𝗈𝖼𝗁𝖾𝖼𝗁𝖺𝗌 𝖿𝗂𝖼𝖺𝗋𝖾𝗆 𝗋𝗎𝖻𝗋𝖺𝗌, 𝖾𝗇𝗍𝖺̃𝗈 𝖨𝗄𝖺𝗋𝗂 𝗍𝖾𝗏𝖾 𝖼𝖾𝗋𝗍𝖾𝗓𝖺 𝖽𝖾 𝗊𝗎𝖾 𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖺 𝖾𝗋𝖺 𝗎𝗆𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺 𝖿𝖺𝖼𝗂𝗅𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾 𝗂𝗆𝗉𝗋𝖾𝗌𝗌𝗂𝗈𝗇𝖺́𝗏𝖾𝗅. 𝖡𝖾𝗆, 𝗇𝖺̃𝗈 𝗉𝗈𝖽𝖾𝗋𝗂𝖺 𝗌𝖾𝗋 𝖽𝗂𝖿𝖾𝗋𝖾𝗇𝗍𝖾, 𝗆𝖾𝗌𝗆𝗈 𝖼𝗈𝗆 𝗌𝖾𝗎𝗌 𝖼𝗈𝗆𝗉𝗈𝗋𝗍𝖺𝗆𝖾𝗇𝗍𝗈𝗌 𝖾 𝗅𝗂𝗇𝗀𝗎𝖺𝗀𝖾𝗇𝗌 𝗂𝗇𝖼𝗈𝗆𝗎𝗇𝗌, 𝖺𝗂𝗇𝖽𝖺 𝖾𝗋𝖺 𝗎𝗆𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺.

𝖤𝗌𝗍𝗂𝖼𝗈𝗎 𝗈𝗌 𝖻𝗋𝖺𝖼̧𝗈𝗌, 𝖼𝗈𝗆𝗈 𝗌𝖾 𝖾𝗌𝗍𝗂𝗏𝖾𝗌𝗌𝖾 𝗌𝖾 𝖾𝗌𝗉𝗋𝖾𝗀𝗎𝗂𝖼̧𝖺𝗇𝖽𝗈, 𝖾𝗆 𝗌𝖾𝗀𝗎𝗂𝖽𝖺 𝖽𝖾𝗌𝖼𝖺𝗇𝗌𝖺𝗇𝖽𝗈 𝗌𝗎𝖺 𝖼𝖺𝖻𝖾𝖼̧𝖺 𝗇𝗈 𝖼𝗈𝗅𝗈 𝖽𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺, 𝗊𝗎𝖾 𝖿𝗂𝖼𝖺𝗏𝖺 𝖼𝖺𝖽𝖺 𝗏𝖾𝗓 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝗋𝗎𝖻𝗋𝖺. 𝖠𝗆𝖺́𝗏𝖾𝗅, 𝖾𝗅𝖺 𝗉𝖾𝗇𝗌𝗈𝗎 𝗉𝗈𝗋 𝗎𝗆 𝗆𝗈𝗆𝖾𝗇𝗍𝗈. 𝖥𝗂𝗑𝗈𝗎 𝗌𝖾𝗎𝗌 𝗈𝗅𝗁𝗈𝗌 𝗇𝖺𝗌 𝖻𝖾𝗅𝖺𝗌 𝗈𝗋𝖻𝖾𝗌 𝖽𝗈 𝗀𝖺𝗋𝗈𝗍𝗈, 𝗌𝖾𝗇𝗍𝗂𝗇𝖽𝗈-𝗌𝖾 𝖾𝗌𝗍𝗋𝖺𝗇𝗁𝖺𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾 𝗉𝖾𝗋𝖽𝗂𝖽𝖺 𝗇𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖾 𝗏𝖾𝗋𝖽𝖾. 𝖠̀𝗌 𝗏𝖾𝗓𝖾𝗌 𝗀𝗈𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝖽𝖾 𝖺𝗇𝖺𝗅𝗂𝗌𝖺𝗋 𝗈𝗌 𝗌𝖾𝗇𝗍𝗂𝗆𝖾𝗇𝗍𝗈𝗌 𝖺𝗅𝗁𝖾𝗂𝗈𝗌, 𝖼𝗈𝗆𝗈 𝗎𝗆𝖺 𝖿𝗈𝗋𝗆𝖺 𝖽𝖾 𝗌𝖾 𝖼𝗈𝗇𝖾𝖼𝗍𝖺𝗋 𝖼𝗈𝗆 𝖺 𝗉𝖾𝗌𝗌𝗈𝖺; 𝗆𝖺𝗌 𝖽𝗂𝖿𝖾𝗋𝖾𝗇𝗍𝖾 𝖽𝖾 𝗍𝗈𝖽𝗈𝗌 𝗊𝗎𝖾 𝗃𝖺́ 𝗉𝖺𝗌𝗌𝗈𝗎, 𝖺𝗂𝗇𝖽𝖺 𝗊𝗎𝖾 𝖾𝗌𝗍𝗂𝗏𝖾𝗌𝗌𝖾 𝖾𝗆 𝗌𝖾𝗎 𝗆𝗈𝗆𝖾𝗇𝗍𝗈 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝗏𝗎𝗅𝗇𝖾𝗋𝖺́𝗏𝖾𝗅, 𝖺 𝗃𝗈𝗏𝖾𝗆 𝗇𝖺̃𝗈 𝖼𝗈𝗇𝗌𝖾𝗀𝗎𝗂𝖺 𝗂𝗆𝖺𝗀𝗂𝗇𝖺𝗋 𝗈𝗌 𝗆𝗈𝗍𝗂𝗏𝗈𝗌 𝗊𝗎𝖾 𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺 𝗍𝗂𝗇𝗁𝖺 𝖽𝖾 𝖾𝗌𝗍𝖺𝗋 𝖺𝗅𝗂. 𝖲𝗈𝗋𝗋𝗂𝗎 𝖺𝗈 𝗉𝖾𝗋𝖼𝖾𝖻𝖾𝗋 𝗍𝖾𝗋 𝗌𝖾 𝖽𝖾𝗂𝗑𝖺𝖽𝗈 𝗅𝖾𝗏𝖺𝗋 𝗉𝖾𝗅𝖺 𝖼𝗎𝗋𝗂𝗈𝗌𝗂𝖽𝖺𝖽𝖾, 𝖾𝗇𝗍𝖺̃𝗈 𝗍𝗈𝖼𝗈𝗎 𝗇𝖺 𝗉𝖾𝗅𝖾, 𝖺𝗀𝗈𝗋𝖺 𝗀𝖾́𝗅𝗂𝖽𝖺, 𝖽𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺. 𝖤𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝗇𝖾𝗋𝗏𝗈𝗌𝗈.

— 𝖲𝖺𝖻𝖾, 𝗇𝖾𝗌𝗌𝖾 𝖼𝗎𝗋𝗍𝗈 𝗉𝖾𝗋𝗂́𝗈𝖽𝗈 𝖾𝗆 𝗊𝗎𝖾 𝖺𝗇𝖽𝖺𝗌 𝖼𝗈𝗆 𝖺 𝗀𝖾𝗇𝗍𝖾, 𝗇𝖺̃𝗈 𝗉𝗎𝖽𝖾 𝖽𝖾𝗂𝗑𝖺𝗋 𝖽𝖾 𝗇𝗈𝗍𝖺𝗋 𝗊𝗎𝖾 𝗌𝗎𝖺𝗌 𝖼𝖺𝗋𝖺𝖼𝗍𝖾𝗋𝗂́𝗌𝗍𝗂𝖼𝖺𝗌 𝗉𝖺𝗌𝗌𝖺𝗆 𝗎𝗆𝖺 𝗂𝖽𝖾𝗂𝖺 𝗆𝗎𝗂𝗍𝗈 𝖿𝗈𝗋𝗍𝖾 𝖽𝖾 𝗉𝗎𝗋𝖾𝗓𝖺… — 𝖠𝗇𝖺𝗅𝗂𝗌𝗈𝗎 𝗋𝖺𝗉𝗂𝖽𝖺𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾 𝗌𝗎𝖺𝗌 𝖼𝖺𝗋𝖺𝖼𝗍𝖾𝗋𝗂́𝗌𝗍𝗂𝖼𝖺𝗌 𝖿𝗂́𝗌𝗂𝖼𝖺𝗌: 𝖢𝖺𝖻𝖾𝗅𝗈𝗌 𝗅𝗈𝗂𝗋𝗈𝗌, 𝖾𝗇𝖼𝖺𝗋𝖺𝖼𝗈𝗅𝖺𝖽𝗈𝗌 𝖺𝗍𝖾́ 𝗈 𝗆𝖾𝗂𝗈 𝖽𝗈 𝗍𝗈𝗋𝗌𝗈, 𝖺𝗉𝖺𝗋𝖾𝗇𝗍𝖺𝗏𝖺 𝗎𝗆 𝗌𝖾𝗆𝖻𝗅𝖺𝗇𝗍𝖾 𝖿𝖾𝗆𝗂𝗇𝗂𝗇𝗈 𝗀𝗋𝖺𝖼𝗂𝗈𝗌𝗈. 𝖠𝗉𝖾𝗌𝖺𝗋 𝖽𝖺 𝗉𝖾𝗅𝖾 𝗍𝖾𝗋 𝗎𝗆𝖺 𝖼𝗈𝗅𝗈𝗋𝖺𝖼̧𝖺̃𝗈 𝖻𝗋𝖺𝗇𝖼𝖺 𝖽𝖾𝗅𝗂𝖼𝖺𝖽𝖺, 𝖼𝗈𝗆𝗈 𝗌𝖾 𝖿𝗈𝗌𝗌𝖾 𝗂𝗇𝗍𝗈𝖼𝖺𝖽𝗈, 𝗉𝖾𝗋𝖼𝖾𝖻𝗂𝖺 𝖽𝖾 𝗋𝖾𝗅𝖺𝗇𝖼𝖾 𝖺𝗅𝗀𝗎𝗆𝖺𝗌 𝗆𝖺𝗋𝖼𝖺𝗌 𝗇𝗈 𝗉𝗎𝗅𝗌𝗈 𝖾 𝗉𝖾𝗌𝖼𝗈𝖼̧𝗈. 𝖭𝖺̃𝗈 𝗂𝗋𝗂𝖺 𝗊𝗎𝖾𝗌𝗍𝗂𝗈𝗇𝖺́-𝗅𝗈 𝗌𝗈𝖻𝗋𝖾. — 𝖤𝗌𝗍𝗂𝗏𝖾 𝗉𝖾𝗇𝗌𝖺𝗇𝖽𝗈 𝗌𝖾 𝗇𝖺̃𝗈 𝗌𝖾𝗋𝗂𝖺 𝗏𝗈𝖼𝖾̂ 𝗉𝖾𝗋𝗍𝖾𝗇𝖼𝖾𝗇𝗍𝖾 𝖺 𝗅𝗎𝗓.

𝖲𝖾 𝗋𝖾𝗆𝖾𝗑𝖾𝗎, 𝗅𝖾𝗏𝖺𝗇𝗍𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖺𝗉𝖾𝗇𝖺𝗌 𝗆𝖾𝗍𝖺𝖽𝖾 𝖽𝗈 𝖼𝗈𝗋𝗉𝗈, 𝖺 𝖿𝗂𝗆 𝖽𝖾 𝗈𝗅𝗁𝖺𝗋 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗈 𝗌𝖾𝗎 𝗋𝗈𝗌𝗍𝗈 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝖽𝖾 𝗉𝖾𝗋𝗍𝗈. 𝖬𝗎𝗂𝗍𝗈 𝗉𝖾𝗋𝗍𝗈. 𝖬𝗎𝗂𝗍𝗈 𝗉𝗋𝗈́𝗑𝗂𝗆𝗈. 𝖮 𝗀𝖺𝗋𝗈𝗍𝗈 𝗆𝖾𝗑𝖾𝗎 𝗎𝗆 𝗉𝗈𝗎𝖼𝗈 𝗈𝗌 𝗉𝖾́𝗌, 𝖺 𝗋𝖾𝗌𝗉𝗂𝗋𝖺𝖼̧𝖺̃𝗈 𝗊𝗎𝖺𝗌𝖾 𝗈𝖿𝖾𝗀𝖺𝗇𝗍𝖾 𝖾𝗇𝗍𝗋𝖾𝗀𝖺𝗏𝖺 𝗌𝖾𝗎 𝖾𝗌𝗍𝖺𝖽𝗈 𝖺𝗇𝗌𝗂𝗈𝗌𝗈, 𝖾𝗇𝗍𝖺̃𝗈 𝖨𝗄𝖺𝗋𝗂 𝖽𝖾𝖼𝗂𝖽𝗂𝗎 𝗌𝖾 𝖺𝖿𝖺𝗌𝗍𝖺𝗋 𝗎𝗆 𝗉𝗈𝗎𝖼𝗈. 𝖠𝖽𝗆𝗂𝗋𝗈𝗎 𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖺 𝖿𝗂𝗀𝗎𝗋𝖺 𝗉𝖾𝗊𝗎𝖾𝗇𝖺 𝖽𝖾 𝗅𝗈𝗇𝗀𝖾, 𝖾𝗇𝗊𝗎𝖺𝗇𝗍𝗈 𝗈𝖻𝗌𝖾𝗋𝗏𝖺𝗏𝖺 𝗌𝗎𝖺𝗌 𝗋𝖾𝖺𝖼̧𝗈̃𝖾𝗌 𝗂𝗇𝖼𝗈𝗆𝗎𝗇𝗌. 𝖲𝖾𝗎 𝗇𝖾𝗋𝗏𝗈𝗌𝗈 𝖾𝗋𝖺 𝗉𝗈𝗋𝗊𝗎𝖾 𝖾𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝖿𝖾𝗅𝗂𝗓? 𝖮𝗎 𝗁𝖺𝗏𝗂𝖺 𝗅𝖾𝗆𝖻𝗋𝖺𝖽𝗈 𝖽𝖾 𝖺𝗅𝗀𝗈 𝖽𝖾𝗌𝖺𝗀𝗋𝖺𝖽𝖺𝗏𝖾𝗅? 𝖳𝗎𝖽𝗈 𝗋𝖾𝗆𝖾𝗍𝗂𝖺 𝖺 𝗎𝗆 𝗀𝗋𝖺𝗇𝖽𝖾 𝗆𝗂𝗌𝗍𝖾́𝗋𝗂𝗈, 𝗆𝖺𝗌 𝗇𝖺̃𝗈 𝖽𝖾𝗂𝗑𝗈𝗎 𝖽𝖾 𝗌𝗈𝗋𝗋𝗂𝗋 𝖺𝗈 𝗏𝖾𝗋 𝗊𝗎𝖾 𝗈 𝗉𝖾𝗊𝗎𝖾𝗇𝗈 𝗉𝖺𝗋𝖾𝖼𝗂𝖺 𝖽𝖾𝗆𝗈𝗇𝗌𝗍𝗋𝖺𝗋 𝗎𝗆 𝖾𝗌𝗍𝖺𝖽𝗈 𝖽𝖾 𝖿𝗋𝖺𝗀𝗂𝗅𝗂𝖽𝖺𝖽𝖾 𝗇𝗈 𝗊𝗎𝖺𝗅 𝖾𝗅𝖺 𝗇𝖺̃𝗈 𝗁𝖺𝗏𝗂𝖺 𝗇𝗈𝗍𝖺𝖽𝗈 𝖺𝗇𝗍𝖾𝗌. 𝖠𝖽𝗈𝗋𝖺́𝗏𝖾𝗅.

— 𝖢𝗈𝗇𝖼𝗈𝗋𝖽𝖺 𝖼𝗈𝗆𝗂𝗀𝗈, 𝑳𝒖𝒄𝒊𝒆𝒏?
✩。:*•. ─────────────────────────────────────────── ꜜ . . 𝕾𝑖𝑛𝑡𝑎-𝑠𝑒 𝑛𝑎 ( 𝑚𝑖𝑠𝑒́𝑟𝑖𝑎 ) 。。。
〉• 𝖜𝖍𝖊𝖗𝖊 𝖆𝖗𝖊 𝖞𝖔𝖚 𝖌𝖔𝖎𝖓𝖌, 𝖑𝖎𝖙𝖙𝖑𝖊 𝖑𝖎𝖌𝖍𝖙? — 𝟏. 𝑪orajoso de sua parte tentar nomeá-lo de outra forma. Para Lucien, não importa qual a forma que você queira se referir a ele, ele apenas atenderá por seu próprio nome. Dispensa qualquer tipo de intimidade, o jovem tem uma clara preferência por manter-se na linha e não parece ter curiosidade de manter um contato mais próximo com outrem. Seu nome de nascença é desconhecido, assim como sua origem como um todo, explicando também a falta de um sobrenome familiar. Entretanto, possui um apreço imenso ao que foi dado por Ikari, aquela que cuidou de ti quando mais precisou, apesar de acreditar também carregá-lo como uma maldição que o lembre todos os dias sobre seus pecados.❛❛ 𝐂𝐎𝐍𝐓𝐄 𝐀𝐒 𝐋𝐔𝐙𝐄𝐒 𝐍𝐀𝐒 𝐀𝐋𝐌𝐀𝐒 𝐕𝐀𝐙𝐈𝐀𝐒 𝐐𝐔𝐄 𝐍𝐎𝐒 𝐕𝐄𝐄𝐌 𝐒𝐀𝐍𝐆𝐑𝐀𝐑 𝐏𝐎𝐑 𝐃𝐈𝐕𝐄𝐑𝐒𝐀̃𝐎 ━━━━━━━━━━━

Citação:
𝖢𝗈𝗆 𝗌𝖾𝗎𝗌 𝗉𝖾𝗓𝗂𝗇𝗁𝗈𝗌 𝖼𝗎𝗋𝗍𝗈𝗌, 𝖼𝖺𝗆𝗂𝗇𝗁𝗈𝗎 𝖺𝗍𝖾́ 𝗈 𝖾𝗇𝖼𝗈𝗇𝗍𝗋𝗈 𝖽𝖺 𝗆𝖺̃𝖾, 𝗊𝗎𝖾 𝖺𝗅𝖾𝗀𝗋𝖺𝗏𝖺-𝗌𝖾 𝖺𝗈 𝖼𝖺𝗇𝗍𝖺𝗋𝗈𝗅𝖺𝗋 𝖾𝗇𝗊𝗎𝖺𝗇𝗍𝗈 𝖿𝖺𝗓𝗂𝖺 𝗈𝗌 𝗉𝗋𝖾𝗉𝖺𝗋𝖺𝗍𝗂𝗏𝗈𝗌 𝗇𝖺 𝖼𝗈𝗓𝗂𝗇𝗁𝖺. 𝖠𝗌𝗌𝗂𝗆 𝗊𝗎𝖾 𝗈 𝗏𝗂𝗎, 𝗅𝖺𝗋𝗀𝗈𝗎 𝗌𝖾𝗎𝗌 𝗎𝗍𝖾𝗇𝗌𝗂́𝗅𝗂𝗈𝗌 𝖾 𝗉𝖾𝗀𝗈𝗎 𝗇𝖺𝗌 𝗆𝖺̃𝗈𝗓𝗂𝗇𝗁𝖺𝗌 𝗆𝗂𝗎́𝖽𝖺𝗌 𝖽𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺, 𝖺𝗌𝗌𝗎𝗌𝗍𝖺𝗇𝖽𝗈-𝖺 𝖼𝗈𝗆 𝗌𝗎𝖺 𝖺𝗇𝗂𝗆𝖺𝖼̧𝖺̃𝗈 𝗋𝖾𝗉𝖾𝗇𝗍𝗂𝗇𝖺. 𝖢𝗈𝗆 𝗈 𝗌𝗈𝗅 𝖻𝖺𝗂𝗑𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖾 𝗈 𝖼𝗅𝗂𝗆𝖺 𝖾𝗌𝖿𝗋𝗂𝖺𝗇𝖽𝗈, 𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺 𝗌𝖾 𝗉𝖾𝗋𝗀𝗎𝗇𝗍𝗈𝗎 𝗉𝗈𝗋 𝗎𝗆 𝗆𝗈𝗆𝖾𝗇𝗍𝗈 𝗌𝖾 𝗇𝖺̃𝗈 𝖽𝖾𝗏𝖾𝗋𝗂𝖺 𝖽𝗈𝗋𝗆𝗂𝗋 𝗎𝗆 𝗉𝗈𝗎𝖼𝗈 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝖼𝖾𝖽𝗈 𝗇𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖾 𝖽𝗂𝖺. 𝖠 𝗉𝖾𝗅𝖾 𝖾𝗋𝖺 𝖿𝗋𝖺𝖼𝖺, 𝖿𝖺𝗓𝖾𝗇𝖽𝗈 𝖼𝗈𝗆 𝗊𝗎𝖾 𝗈 𝗍𝖾𝗆𝗉𝗈 𝗀𝖾́𝗅𝗂𝖽𝗈 𝗌𝖾 𝗍𝗈𝗋𝗇𝖺𝗌𝗌𝖾 𝗌𝖾𝗎 𝗆𝖺𝗂𝗈𝗋 𝗂𝗇𝗂𝗆𝗂𝗀𝗈; 𝖾𝗇𝗍𝗋𝖾𝗍𝖺𝗇𝗍𝗈, 𝖺𝗈 𝗈𝗅𝗁𝖺𝗋 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗈 𝗌𝗈𝗋𝗋𝗂𝗌𝗈 𝖽𝖾 𝖿𝖾𝗅𝗂𝖼𝗂𝖽𝖺𝖽𝖾 𝖽𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖺 𝖻𝖾𝗅𝖾𝗓𝖺 𝖼𝖺𝗆𝗉𝗈𝗇𝖾𝗌𝖺, 𝗌𝖾𝗇𝗍𝗂𝗎-𝗌𝖾 𝗆𝗂𝗇𝗂𝗆𝖺𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾 𝖺𝗊𝗎𝖾𝖼𝗂𝖽𝗈, 𝖺𝗈 𝗉𝗈𝗇𝗍𝗈 𝖽𝖾 𝖾𝗌𝗊𝗎𝖾𝖼𝖾𝗋 𝗌𝗈𝖻𝗋𝖾 𝗌𝗎𝖺 𝗉𝗋𝖾𝗈𝖼𝗎𝗉𝖺𝖼̧𝖺̃𝗈 𝗂𝗇𝗂𝖼𝗂𝖺𝗅. 𝖠 𝗆𝖺̃𝖾 𝗍𝗂𝗇𝗁𝖺 𝗎𝗇𝗌 𝗉𝗂𝖼𝗈𝗌 𝖾𝗌𝗍𝗋𝖺𝗇𝗁𝗈𝗌 𝖽𝖾 𝖺𝗇𝗂𝗆𝖺𝖼̧𝖺̃𝗈, 𝖾𝗋𝖺 𝖼𝗈𝗆𝗉𝗅𝖾𝗍𝖺𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾 𝖽𝗂𝖿𝖾𝗋𝖾𝗇𝗍𝖾 𝖽𝗈 𝗉𝖺𝗂, 𝗇𝗈 𝗊𝗎𝖺𝗅 𝖿𝖾𝗅𝗂𝗓𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾 𝗇𝖺̃𝗈 𝖾𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝖾𝗆 𝖼𝖺𝗌𝖺.

— 𝖵𝖾𝗃𝖺, 𝗏𝖾𝗃𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺, 𝗁𝗈𝗃𝖾 𝗌𝖾𝗋𝖺́ 𝗎𝗆𝖺 𝗀𝗋𝖺𝗇𝖽𝖾 𝗇𝗈𝗂𝗍𝖾! — 𝖠 𝗆𝗎𝗅𝗁𝖾𝗋 𝗈 𝗉𝖾𝗀𝗈𝗎 𝗇𝗈 𝖼𝗈𝗅𝗈, 𝗉𝗎𝗑𝖺𝗇𝖽𝗈 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗆𝗈𝗌𝗍𝗋𝖺𝗋 𝗈 𝗊𝗎𝖾 𝖾𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝖺𝗉𝗋𝗈𝗇𝗍𝖺𝗇𝖽𝗈 𝗇𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖺 𝗁𝗈𝗋𝖺. 𝖠 𝗍𝗈𝗇𝖺𝗅𝗂𝖽𝖺𝖽𝖾 𝗋𝗎𝖻𝗋𝖺 𝗇𝗈 𝗋𝗈𝗌𝗍𝗈 𝖽𝖾𝗅𝖺 𝖽𝖾𝗇𝗎𝗇𝖼𝗂𝖺𝗏𝖺 𝗌𝗎𝖺 𝖾𝗑𝖼𝗂𝗍𝖺𝖼̧𝖺̃𝗈, 𝖼𝗈𝗂𝗌𝖺 𝗇𝖺 𝗊𝗎𝖺𝗅 𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺 𝗇𝗎𝗇𝖼𝖺 𝖾𝗇𝗍𝖾𝗇𝖽𝗂𝖺.

— 𝖬𝖺𝗆𝖺̃𝖾, 𝗈 𝗊𝗎𝖾 𝖾́ 𝗂𝗌𝗌𝗈? 𝖯𝖺𝗋𝖾𝖼𝖾 𝖾𝗌𝗍𝗋𝖺𝗇𝗁𝗈 — 𝖰𝗎𝖾𝗌𝗍𝗂𝗈𝗇𝗈𝗎, 𝖺𝗍𝖾𝗇𝗍𝖺𝗇𝖽𝗈-𝗌𝖾 𝖺𝗈 𝖿𝗈𝗋𝗆𝖺𝗍𝗈 𝗊𝗎𝖾𝖻𝗋𝖺𝖽𝗈 𝖾 𝗋𝖾𝖽𝗈𝗇𝖽𝗈, 𝖺𝗉𝖺𝗋𝖾𝗇𝗍𝖺𝗏𝖺 𝗎𝗆 𝗉𝖺̃𝗈, 𝗆𝖺𝗌 𝖾𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝗎𝗆 𝗉𝗈𝗎𝖼𝗈 𝗆𝖺𝗂𝗈𝗋 𝗊𝗎𝖾 𝗈 𝗇𝗈𝗋𝗆𝖺𝗅.

— 𝖭𝖺̃𝗈 𝗌𝖾𝗃𝖺 𝗍𝖺̃𝗈 𝗌𝗂𝗇𝖼𝖾𝗋𝗈, 𝗂𝗌𝗌𝗈 𝗊𝗎𝖺𝗌𝖾 𝗆𝖾 𝖿𝖾𝗓 𝖼𝗁𝗈𝗋𝖺𝗋 — 𝖡𝗋𝗂𝗇𝖼𝗈𝗎, 𝖽𝖾𝗂𝗑𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺 𝗇𝗈 𝖼𝗁𝖺̃𝗈 𝖾 𝖺𝗃𝖾𝗂𝗍𝖺𝗇𝖽𝗈 𝗈𝗌 𝖿𝗂𝗈𝗌 𝗌𝖾𝖽𝗈𝗌𝗈𝗌 𝗊𝗎𝖾 𝗁𝖺𝗏𝗂𝖺𝗆 𝗌𝗂𝖽𝗈 𝖻𝖺𝗀𝗎𝗇𝖼̧𝖺𝖽𝗈𝗌. 𝖮𝗅𝗁𝗈𝗎 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗈 𝖼𝗈𝗋𝗉𝗈 𝗆𝗂𝗎́𝖽𝗈 𝖾 𝗌𝗈𝗋𝗋𝗂𝗎.

𝖬𝖾𝗌𝗆𝗈 𝗍𝖾𝗇𝖽𝗈 𝗌𝖾 𝗉𝖺𝗌𝗌𝖺𝖽𝗈 𝖺𝗉𝖾𝗇𝖺𝗌 𝗎𝗆 𝖺𝗇𝗈, 𝖸𝖾𝗇𝗇𝖾𝖿𝖾𝗋 𝗉𝗈𝖽𝖾 𝗉𝖾𝗋𝖼𝖾𝖻𝖾𝗋 𝗌𝖾𝗎 𝖼𝗋𝖾𝗌𝖼𝗂𝗆𝖾𝗇𝗍𝗈, 𝗉𝗋𝗂𝗇𝖼𝗂𝗉𝖺𝗅𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾 𝖺 𝗆𝗎𝖽𝖺𝗇𝖼̧𝖺 𝖽𝖾 𝖿𝖾𝗂𝖼̧𝖺̃𝗈. 𝖤𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝗆𝖾𝗇𝗈𝗌 𝗆𝗈́𝗋𝖻𝗂𝖽𝖺, 𝗉𝖾𝗇𝗌𝗈𝗎. 𝖠 𝖾𝗑𝗉𝗋𝖾𝗌𝗌𝖺̃𝗈 𝖼𝗈𝗇𝗍𝖾𝗇𝗍𝖾 𝖽𝖺 𝗆𝗎𝗅𝗁𝖾𝗋, 𝖺𝗈𝗌 𝗉𝗈𝗎𝖼𝗈𝗌, 𝖿𝗈𝗂 𝗌𝗎𝖻𝗌𝗍𝗂𝗍𝗎𝗂́𝖽𝖺 𝗉𝗈𝗋 𝗎𝗆 𝗉𝖾𝗌𝗈, 𝗎𝗆𝖺 𝗉𝗋𝖾𝗈𝖼𝗎𝗉𝖺𝖼̧𝖺̃𝗈 𝗋𝖾𝗉𝖾𝗇𝗍𝗂𝗇𝖺 𝖺𝗈 𝗌𝖾 𝗅𝖾𝗆𝖻𝗋𝖺𝗋 𝖽𝖺𝗌 𝖼𝗂𝗋𝖼𝗎𝗇𝗌𝗍𝖺̂𝗇𝖼𝗂𝖺𝗌 𝗊𝗎𝖾 𝖿𝗈𝗂 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝖺𝖽𝗈𝗍𝖺𝗋 𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺. 𝖳𝖾𝗆𝗂𝖺 𝗈 𝗃𝗎𝗅𝗀𝖺𝗆𝖾𝗇𝗍𝗈, 𝗌𝖾𝗆𝗉𝗋𝖾 𝖿𝗈𝗂 𝗎𝗆𝖺 𝗆𝗎𝗅𝗁𝖾𝗋 𝗊𝗎𝖾 𝗌𝖾 𝗉𝗋𝖾𝗈𝖼𝗎𝗉𝖺𝗏𝖺 𝖽𝖾𝗆𝖺𝗂𝗌 𝖼𝗈𝗆 𝗈 𝗊𝗎𝖾 𝗈𝗌 𝗈𝗎𝗍𝗋𝗈𝗌 𝗉𝖾𝗇𝗌𝖺𝗆, 𝗇𝖺̃𝗈 𝗊𝗎𝖾𝗋𝗂𝖺 𝗊𝗎𝖾 𝖺𝗊𝗎𝗂𝗅𝗈 𝗏𝗂𝖾𝗌𝗌𝖾 𝗃𝗎𝗌𝗍𝖺𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾 𝖽𝖺 𝗉𝖾𝗌𝗌𝗈𝖺 𝗊𝗎𝖾 𝖾𝗅𝖺 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝖺𝗆𝖺𝗏𝖺 𝗇𝗈 𝗆𝗈𝗆𝖾𝗇𝗍𝗈. 𝖯𝖾𝗇𝗌𝖺𝗋 𝗊𝗎𝖾 𝗎𝗆 𝖽𝗂𝖺 𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖺 𝖽𝗈𝖼𝖾 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺 𝗉𝗈𝖽𝖾 𝖾𝗑𝗉𝖾𝗋𝗂𝖾𝗇𝖼𝗂𝖺𝗋 𝗇𝗈𝗏𝖺𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾 𝗈 𝗌𝖾𝗇𝗍𝗂𝗆𝖾𝗇𝗍𝗈 𝖽𝖾 𝗌𝗈𝗅𝗂𝖽𝖺̃𝗈 𝖺 𝖽𝖾𝗂𝗑𝖺 𝗂𝗇𝗊𝗎𝗂𝖾𝗍𝖺. 𝖭𝖺̃𝗈 𝖽𝖾𝗂𝗑𝖺𝗋𝗂𝖺. 𝖯𝗈𝗋 𝗂𝗌𝗌𝗈, 𝖾𝗇𝗀𝗈𝗅𝗂𝖺 𝖺 𝗉𝗋𝖾𝗈𝖼𝗎𝗉𝖺𝖼̧𝖺̃𝗈 𝖾 𝖽𝖺𝗏𝖺 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝖾𝗅𝖾 𝗈 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝖽𝗈𝖼𝖾 𝗌𝗈𝗋𝗋𝗂𝗌𝗈, 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗊𝗎𝖾 𝖾𝗅𝖾 𝗇𝖺̃𝗈 𝗉𝗎𝖽𝖾𝗌𝗌𝖾 𝗉𝖾𝗇𝗌𝖺𝗋 𝖾𝗆 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝗇𝖺𝖽𝖺.

𝖯𝖾𝗀𝗈𝗎 𝗎𝗆 𝗉𝗈𝗎𝖼𝗈 𝖽𝖺 𝗆𝖺𝗌𝗌𝖺 𝖼𝗋𝗎𝖺 𝖾 𝖽𝖾𝗎 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺 𝗉𝗋𝗈𝗏𝖺𝗋.

— 𝖦𝗈𝗌𝗍𝗈𝗌𝗈?

— 𝖦𝗈𝗌𝗍𝗈𝗌𝗈… — 𝖣𝗂𝗌𝗌𝖾 𝖼𝗈𝗆 𝗎𝗆 𝗈𝗅𝗁𝖺𝗋 𝗌𝗎𝗋𝗉𝗋𝖾𝗌𝗈, 𝖼𝗈𝗅𝗈𝖼𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖺𝗌 𝖽𝗎𝖺𝗌 𝗆𝖺̃𝗈𝗓𝗂𝗇𝗁𝖺𝗌 𝗇𝖺 𝖻𝗈𝖼𝖺 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝖾𝗌𝖼𝗈𝗇𝖽𝖾𝗋 𝖺 𝗋𝖾𝖺𝖼̧𝖺̃𝗈. 𝖥𝖾𝗅𝗂𝗓𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾 𝖾𝗋𝖺 𝗉𝖾𝗋𝖼𝖾𝗉𝗍𝗂́𝗏𝖾𝗅 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝖺 𝗆𝗎𝗅𝗁𝖾𝗋, 𝖾𝗇𝗍𝖺̃𝗈 𝖾𝗑𝗂𝖻𝗂𝗎 𝗎𝗆 𝗌𝗈𝗋𝗋𝗂𝗌𝗈 𝗏𝗂𝗍𝗈𝗋𝗂𝗈𝗌𝗈 — 𝖬𝖺𝗆𝖺̃𝖾, 𝗉𝗈𝗋𝗊𝗎𝖾 𝖾𝗌𝗍𝖺́ 𝖿𝖺𝗓𝖾𝗇𝖽𝗈 𝗂𝗌𝗌𝗈?

— 𝖢𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺, 𝗏𝗈𝗎 𝗍𝖾 𝖾𝗇𝗌𝗂𝗇𝖺𝗋 𝗎𝗆𝖺 𝖼𝗈𝗂𝗌𝖺 𝗆𝗎𝗂𝗍𝗈 𝗅𝖾𝗀𝖺𝗅 — 𝖲𝖾𝗇𝗍𝗈𝗎-𝗌𝖾 𝗇𝗈 𝖼𝗁𝖺̃𝗈, 𝗉𝗎𝗑𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗈 𝗌𝖾𝗎 𝖼𝗈𝗅𝗈. 𝖯𝗈𝗋 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝗊𝗎𝖾 𝗈 𝖼𝖺𝖿𝗎𝗇𝖾́ 𝖿𝗈𝗌𝗌𝖾 𝗍𝖾𝗇𝗍𝖺𝖽𝗈𝗋 𝗇𝗈 𝗆𝗈𝗆𝖾𝗇𝗍𝗈, 𝖾𝗅𝖾 𝗈𝗅𝗁𝗈𝗎 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝖼𝗂𝗆𝖺, 𝖿𝗂𝗑𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖺𝗌 𝗈𝗋𝖻𝖾𝗌 𝖼𝗈𝗆 𝖺𝗌 𝖽𝖺 𝗆𝖺̃𝖾, 𝖺𝗍𝖾𝗇𝗍𝗈 𝖺𝗈 𝗊𝗎𝖾 𝖾𝗅𝖺 𝗂𝗋𝗂𝖺 𝖿𝖺𝗅𝖺𝗋 — 𝖳𝗈𝖽𝗈𝗌 𝗈𝗌 𝖺𝗇𝗈𝗌 𝗍𝖾𝗆𝗈𝗌 𝗎𝗆 𝖽𝗂𝖺 𝖾𝗑𝖼𝗅𝗎𝗌𝗂𝗏𝖺𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾 𝗇𝗈𝗌𝗌𝗈, 𝖺𝗅𝗀𝗈 𝗊𝗎𝖾 𝖼𝖾𝗅𝖾𝖻𝗋𝖾 𝗇𝗈𝗌𝗌𝗈 𝗇𝖺𝗌𝖼𝗂𝗆𝖾𝗇𝗍𝗈 𝖾 𝗇𝗈𝗌𝗌𝖺 𝗏𝗂𝗏𝖾̂𝗇𝖼𝗂𝖺, 𝖾𝗇𝗍𝖺̃𝗈 𝗇𝖾𝗌𝗌𝖾 𝖽𝗂𝖺 𝖼𝗈𝗆𝖾𝗆𝗈𝗋𝖺𝗆𝗈𝗌 𝖼𝗈𝗆 𝖼𝗈𝗂𝗌𝖺𝗌 𝗀𝗈𝗌𝗍𝗈𝗌𝖺𝗌 𝖾 𝗉𝗋𝖾𝗌𝖾𝗇𝗍𝖾𝗌 𝖽𝖾 𝗆𝗈𝗇𝗍𝖺̃𝗈 𝖺𝗈 𝗅𝖺𝖽𝗈 𝖽𝖾 𝗊𝗎𝖾𝗆 𝖺𝗆𝖺𝗆𝗈𝗌! 𝖭𝖺̃𝗈 𝗉𝖺𝗋𝖾𝖼𝖾 𝗅𝖾𝗀𝖺𝗅?

— 𝖠𝗌 𝗉𝖾𝗌𝗌𝗈𝖺𝗌 𝗍𝖾̂𝗆 𝗎𝗆 𝖽𝗂𝖺 𝗂𝗇𝗍𝖾𝗂𝗋𝗈 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗀𝖺𝗇𝗁𝖺𝗋 𝗉𝗋𝖾𝗌𝖾𝗇𝗍𝖾𝗌? — 𝖮𝗌 𝗈𝗅𝗁𝗈𝗌 𝗇𝖺̃𝗈 𝖾𝗌𝖼𝗈𝗇𝖽𝗂𝖺𝗆 𝗈 𝖻𝗋𝗂𝗅𝗁𝗈, 𝖾𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝗆𝖺𝗋𝖺𝗏𝗂𝗅𝗁𝖺𝖽𝗈 𝖼𝗈𝗆 𝖺 𝗂𝗇𝖿𝗈𝗋𝗆𝖺𝖼̧𝖺̃𝗈 𝗊𝗎𝖾 𝗁𝖺𝗏𝗂𝖺 𝖺𝗉𝗋𝖾𝗇𝖽𝗂𝖽𝗈 — 𝖬𝖺𝗌 𝗀𝖺𝗇𝗁𝖺𝗋 𝗉𝗋𝖾𝗌𝖾𝗇𝗍𝖾𝗌 𝖺𝗉𝖾𝗇𝖺𝗌 𝗉𝗈𝗋 𝗍𝖾𝗋 𝗇𝖺𝗌𝖼𝗂𝖽𝗈 𝗇𝖺̃𝗈 𝖾́ 𝖾𝗌𝗍𝗋𝖺𝗇𝗁𝗈? 𝖵𝗈𝖼𝖾̂ 𝗌𝗈́ 𝖾𝗌𝗍𝖺́ 𝗏𝗂𝗏𝗈.

𝖠 𝗆𝗎𝗅𝗁𝖾𝗋 𝗌𝗎𝗌𝗉𝗂𝗋𝗈𝗎. 𝖯𝗈𝗋 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝗊𝗎𝖾 𝖿𝗈𝗌𝗌𝖾 𝗇𝖺𝗍𝗎𝗋𝖺𝗅 𝖽𝖾 𝗌𝗎𝖺 𝗂𝖽𝖺𝖽𝖾, 𝗈 𝗃𝗈𝗏𝖾𝗆 𝖿𝖺𝗍𝗈 𝖽𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺 𝗂𝗇𝖽𝖺𝗀𝖺𝗋 𝖺𝗍𝖾́ 𝖺𝗌 𝖼𝗈𝗂𝗌𝖺𝗌 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝗌𝗂𝗆𝗉𝗅𝖾𝗌 𝖾𝗋𝖺 𝖾𝗇𝗀𝗋𝖺𝖼̧𝖺𝖽𝗈. 𝖮 𝗍𝗈𝗆 𝗊𝗎𝖾 𝖾𝗅𝖾 𝖺𝗌 𝖿𝖺𝗓𝗂𝖺𝗆 𝗍𝖺𝗆𝖻𝖾́𝗆.

— 𝖵𝗈𝖼𝖾̂… 𝖿𝖺𝗓 𝗉𝖾𝗋𝗀𝗎𝗇𝗍𝖺𝗌 𝖽𝖾𝗆𝖺𝗂𝗌, 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺. 𝖠𝗉𝖾𝗇𝖺𝗌 𝖺𝖼𝖾𝗂𝗍𝖾 — 𝖹𝗈𝗆𝖻𝗈𝗎 𝖽𝗈 𝗌𝖾𝗆𝖻𝗅𝖺𝗇𝗍𝖾 𝖼𝗎𝗋𝗂𝗈𝗌𝗈 𝖽𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺, 𝖻𝖺𝗍𝖾𝗇𝖽𝗈 𝖾𝗆 𝗌𝗎𝖺 𝗍𝖾𝗌𝗍𝖺 𝖾𝗑𝗉𝗈𝗌𝗍𝖺 𝗉𝖾𝗅𝖺 𝖿𝗋𝖺𝗇𝗃𝖺 𝖼𝖺𝗂́𝖽𝖺 𝖼𝗈𝗆 𝗎𝗆 𝗉𝖾𝗊𝗎𝖾𝗇𝗈 𝗉𝖺𝖼𝗈𝗍𝖾 𝖾𝗆𝖻𝗋𝗎𝗅𝗁𝖺𝖽𝗈 𝖼𝗈𝗆 𝖿𝗈𝗅𝗁𝖺𝗌 𝖾 𝖿𝗂𝗈𝗌 𝗋𝖺𝗅𝗈𝗌 𝖽𝖾 𝖼𝗈𝗋𝖽𝖺. — 𝕱𝖊𝖑𝖎𝖟 𝖆𝖓𝖎𝖛𝖊𝖗𝖘𝖆́𝖗𝖎𝖔, 𝖇𝖊𝖓𝖟𝖎𝖓𝖍𝖔
〉• 𝕹𝖔 𝖒𝖔𝖗𝖊 𝖑𝖎𝖘𝖙𝖑𝖊𝖘𝖘 𝖎𝖓𝖛𝖎𝖙𝖆𝖙𝖎𝖔𝖓𝖘 — 𝟐. Até onde lembra, possui por volta de seus vinte e quatro anos (𝟐𝟒), por mais que indagações sobre sua aparência jovial sejam feitas com tanta frequência. Não deixa de concordar que tudo seja questionável, mas gosta de se prender a essa pequena certeza que criou. Era um homem adulto. A mãe gostava de aniversários, Lucien lembrava bem disso. Com sua origem desconhecida em algum lugar do mundo, a pequena criança não tinha certeza se aquela era mesmo a sua data exata, mas sabia que no décimo sexto dia de abril (𝟏𝟔/𝟎𝟒) sempre havia uma festividade para animar aquele pequeno casebre. Sua mãe sempre o acordava com uma coroa de flores e trabalhava bastante para conseguir alimento fresco, ela era tão generosa. Atualmente, aquece-se ao recordar de como era bonito observar aquele sorriso lhe desejando um bom ano, junto a abraços invasivos e um caloroso beijo na bochecha. Lucien gostava de como nada daquilo era falso, então é seguro dizer que, inesperadamente, o homem gosta dessa data. Não com o mesmo calor, mas por trazer boas recordações.
❛❛ 𝐎 𝐓𝐄𝐌𝐏𝐎 𝐄𝐒𝐓𝐀́ 𝐕𝐎𝐀𝐍𝐃𝐎, 𝐑𝐄𝐋𝐀𝐗𝐄 𝐒𝐔𝐀 𝐌𝐄𝐍𝐓𝐄 𝐂𝐀𝐍𝐒𝐀𝐃𝐀. 𝐅𝐈𝐂𝐀𝐑𝐄𝐌𝐎𝐒 𝐒𝐎𝐙𝐈𝐍𝐇𝐎𝐒. ━━━━━━━━━━━

〉• 𝕾𝖈𝖍𝖜𝖆𝖟𝖊 𝖘𝖔𝖓𝖓𝖊 — 𝟑. Seus ““registros oficiais”” estão presentes em Gounberg, onde foi encontrado pelo casal humilde no qual passou grande parte de sua infância. Bem, a verdade é que não haviam registros, ele nem saia do pequeno casebre afastado que era escondido por um paraíso natural de árvores em um campo aberto. Sua diversão era ver seu pai trabalhando na parte mais braçal e sua mãe cuidando dos afazeres da casa, enquanto se esforçava um pouco para ajudá-la no que conseguia. Todas as vezes em que fecha os olhos, lembra-se do clima ameno da primavera, onde acompanhava o balançar da grama alta, enquanto contentava a curiosidade de atravessar aquela cerca que o separava da outra parte da região.
Citação:
“— 𝐴 𝑣𝑜𝑣𝑜́ 𝑆𝑎𝑟𝑙𝑢𝑛𝑖 𝑣𝑒𝑖𝑜 𝑎𝑞𝑢𝑖, 𝑒𝑙𝑎 𝑡𝑟𝑜𝑢𝑥𝑒 𝑎𝑙𝑔𝑢𝑛𝑠 𝑙𝑖𝑣𝑟𝑜𝑠 𝑛𝑜𝑣𝑎𝑚𝑒𝑛𝑡𝑒. 𝐷𝑖𝑠𝑠𝑒 𝑞𝑢𝑒 𝑒𝑠𝑡𝑜𝑢 𝑓𝑖𝑐𝑎𝑛𝑑𝑜 𝑏𝑜𝑚 𝑒𝑚 𝑚𝑒 𝑒𝑥𝑝𝑟𝑒𝑠𝑠𝑎𝑟, 𝑚𝑎𝑠 𝑓𝑖𝑐𝑜𝑢 𝑓𝑎𝑙𝑎𝑛𝑑𝑜 𝑛𝑜𝑣𝑎𝑚𝑒𝑛𝑡𝑒 𝑐𝑜𝑖𝑠𝑎𝑠 𝑒𝑠𝑡𝑟𝑎𝑛𝘩𝑎𝑠 𝑠𝑜𝑏𝑟𝑒 𝑒𝑢 𝑒𝑠𝑡𝑎𝑟 𝑐𝑟𝑒𝑠𝑐𝑒𝑛𝑑𝑜 𝑟𝑎́𝑝𝑖𝑑𝑜 𝑒 𝑚𝑒 𝑑𝑒𝑢 𝑢𝑚 𝑏𝑒𝑖𝑗𝑜 𝑚𝑜𝑙𝘩𝑎𝑑𝑜, 𝑢𝑔𝘩. 𝐴𝘩, 𝑒́ 𝑣𝑒𝑟𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑞𝑢𝑒 𝑎𝑠 𝑎́𝑔𝑢𝑎𝑠 𝑐𝑜𝑟𝑟𝑒𝑛𝑡𝑒𝑠 𝑑𝑒 𝐺𝑜𝑢𝑛𝑏𝑒𝑟𝑔 𝑠𝑎̃𝑜 𝑡𝑎̃𝑜 𝑐𝑙𝑎𝑟𝑎𝑠 𝑒 𝑙𝑖́𝑚𝑝𝑖𝑑𝑎𝑠 𝑞𝑢𝑒 𝑓𝑎𝑧𝑒𝑚 𝑜𝑠 𝑏𝑎𝑟𝑐𝑜𝑠 𝑝𝑎𝑟𝑒𝑐𝑒𝑟 𝑞𝑢𝑒 𝑒𝑠𝑡𝑎̃𝑜 𝑓𝑙𝑢𝑡𝑢𝑎𝑛𝑑𝑜? 𝐸𝑙𝑎 𝑚𝑒 𝑐𝑜𝑛𝑡𝑜𝑢 𝘩𝑖𝑠𝑡𝑜́𝑟𝑖𝑎𝑠 𝑏𝑒𝑚 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑒𝑠𝑠𝑎𝑛𝑡𝑒𝑠, 𝑐𝑜𝑛𝑓𝑒𝑠𝑠𝑜 𝑞𝑢𝑒 𝑓𝑖𝑞𝑢𝑒𝑖 𝑏𝑒𝑚 𝑎𝑛𝑖𝑚𝑎𝑑𝑜… 𝐷𝑒𝑠𝑐𝑢𝑙𝑝𝑒, 𝑒𝑠𝑡𝑜𝑢 𝑠𝑒𝑛𝑑𝑜 𝑖𝑛𝑐𝑜𝑛𝑣𝑒𝑛𝑖𝑒𝑛𝑡𝑒. 𝐸𝑠𝑞𝑢𝑒𝑐̧𝑎 𝑡𝑢𝑑𝑜.
Quando pensa sobre sua antiga casa, o frio sempre está presente em suas memórias. Nunca adequou-se a aquilo. Talvez seja por isso que a ideia de vê-la em chamas o fascinou quando executada.
〉• — 𝟒. Quando mais crescido, considerou as terras desoladas como seu único lar possível. Viveu como um nômade com um grupo de curadores, no qual viu como família por um tempo. Vejam, eles até o nomearam, existia algo mais acolhedor? Passando de um núcleo para outro, Lucien observou mais em três anos do que havia observado nos outros em que tinha passado preso ao casebre em Gounberg. Talvez mais do que observaria em toda sua vida. Ikari era o nome daquela que levava a ti todo o conhecimento que possuía de todos os lugares que haviam passado, sejam culturais ou religiosos. Ikari parecia saber de tudo, e isso prendia a atenção da criança.
Escreveu "𝐏𝐚𝐩𝐚𝐢 𝐦𝐞 𝐞𝐧𝐬𝐢𝐧𝐨𝐮 𝐚 𝐚𝐦𝐚𝐫 𝐨𝐬 𝐂𝐞𝐥𝐞𝐬𝐭𝐞𝐬, 𝐈𝐤𝐚𝐫𝐢 𝐦𝐞 𝐞𝐧𝐬𝐢𝐧𝐨𝐮 𝐚 𝐚𝐩𝐫𝐞𝐜𝐢𝐚𝐫 𝐚 𝐯𝐢𝐝𝐚 𝐞 𝐨 𝐦𝐮𝐧𝐝𝐨".
Entretanto, Ikari era como eles. Na verdade, tão podre quanto. Isso fez o pequeno Lucien se questionar, por um longo período, sobre o conceito da integridade humana. Com seu propósito de vida vazio, encontrou-se sozinho e conflituoso novamente, onde mostrava-se julgador da espécie humana e demonstrando sua inadequação com ideias um tanto megalomaníacas. Não se via no mundo, não se encaixava em nada, não queria estar na altura dos pecadores. Era o filho abençoado, considerava-se, ainda mais depois de presenciar tantas tormentas.

❀❯❯. E pensar que, no final de tudo, o destino o colocou em 𝓐𝓵𝓵𝓪𝓷𝓪𝓻 por um simples capricho.

❛❛ 𝐄 𝐍𝐎 𝐂𝐀𝐌𝐈𝐍𝐇𝐎 𝐃𝐄 𝐍𝐎𝐒𝐒𝐀 𝐒𝐀𝐋𝐕𝐀𝐂̧𝐀̃𝐎, 𝐕𝐀𝐌𝐎𝐒 𝐅𝐀𝐙𝐄𝐑 𝐏𝐋𝐀𝐍𝐎𝐒 𝐏𝐀𝐑𝐀 𝐃𝐄𝐑𝐑𝐔𝐁𝐀𝐑 𝐑𝐄𝐈𝐒 ━━━━━━━━━━━

Citação:
𝖣𝖾𝗎 𝗎𝗆𝖺 𝗏𝗂𝗋𝖺𝖽𝗂𝗇𝗁𝖺, 𝗈 𝗏𝖾𝗌𝗍𝗂𝖽𝗈 𝗁𝖺𝗏𝗂𝖺 𝖼𝖺𝗂́𝖽𝗈 𝖻𝖾𝗆.

𝖢𝗈𝗋𝗋𝖾𝗎 𝖽𝖾 𝖿𝗈𝗋𝗆𝖺 𝖽𝖾𝗌𝖾𝗇𝗀𝗈𝗇𝖼̧𝖺𝖽𝖺, 𝗌𝖾𝗆 𝗌𝖾 𝗂𝗆𝗉𝗈𝗋𝗍𝖺𝗋 𝗌𝖾 𝗈𝗌 𝗌𝖺𝗉𝖺𝗍𝗈𝗌 𝗀𝗋𝖺𝗇𝖽𝖾𝗌 𝗈 𝖿𝖺𝗋𝗂𝖺𝗆 𝗍𝗋𝗈𝗉𝖾𝖼̧𝖺𝗋. 𝖤𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝗊𝗎𝖾𝗋𝖾𝗇𝖽𝗈 𝗊𝗎𝖾 𝖺 𝗆𝖺̃𝖾 𝗈 𝗏𝗂𝗌𝗌𝖾, 𝗊𝗎𝖾𝗋𝗂𝖺 𝗊𝗎𝖾 𝗏𝗂𝗌𝗌𝖾 𝗈 𝗊𝗎𝖺̃𝗈 𝖻𝖾𝗅𝗈 𝖾𝗅𝖾 𝖾𝗋𝖺.

𝖮 𝗀𝖺𝗋𝗈𝗍𝗈 𝖼𝗋𝖾𝗌𝖼𝖾𝗎 𝗍𝖾𝗇𝖽𝗈 𝖼𝖾𝗋𝗍𝖾𝗓𝖺 𝖽𝖾 𝗌𝖾𝗋 𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖾 𝗊𝗎𝖾 𝗌𝖾 𝖽𝗂𝗌𝗍𝖺𝗇𝖼𝗂𝖺𝗏𝖺 𝖽𝖾 𝗊𝗎𝖺𝗅𝗊𝗎𝖾𝗋 𝖼𝖺𝗋𝖺𝖼𝗍𝖾𝗋𝗂́𝗌𝗍𝗂𝖼𝖺 𝗆𝖺𝗌𝖼𝗎𝗅𝗂𝗇𝖺, 𝗆𝖾𝗌𝗆𝗈 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗎𝗆𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺. 𝖮𝗎𝗏𝗂𝗎 𝖿𝖺𝗅𝖺𝗋 𝖽𝖾 𝗌𝖾𝗎 𝗉𝖺𝗂 𝗊𝗎𝖾 𝗁𝗈𝗆𝖾𝗇𝗌 𝗇𝖺̃𝗈 𝖽𝖾𝗏𝖾𝗆 𝖿𝖺𝗓𝖾𝗋 𝗉𝗈𝗌𝖾 𝖾 𝗎𝗌𝖺𝗋 𝖽𝖾 𝖺𝖽𝖾𝗋𝖾𝖼̧𝗈𝗌 𝖿𝖾𝗆𝗂𝗇𝗂𝗇𝗈𝗌, 𝖾𝗋𝖺 𝖺𝗅𝗀𝗈 𝗇𝗈𝗃𝖾𝗇𝗍𝗈 𝖽𝖾 𝗌𝖾 𝗈𝗅𝗁𝖺𝗋. 𝖮 𝗉𝖺𝗂 𝗈𝖽𝗂𝖺𝗏𝖺 𝗌𝗎𝖺𝗌 𝖿𝖾𝗂𝖼̧𝗈̃𝖾𝗌 𝖿𝖾𝗆𝗂𝗇𝗂𝗇𝖺𝗌, 𝗉𝗈𝗋 𝗏𝖾𝗓𝖾𝗌 𝗉𝗎𝗑𝖺𝗏𝖺 𝗌𝖾𝗎𝗌 𝖼𝖺𝖻𝖾𝗅𝗈𝗌 𝗅𝗈𝗇𝗀𝗈𝗌 𝖾 𝖺𝗆𝖾𝖺𝖼̧𝖺𝗏𝖺 𝖼𝗈𝗋𝗍𝖺́-𝗅𝗈𝗌, 𝖺𝗉𝖾𝗇𝖺𝗌 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗈𝗎𝗏𝗂𝗋 𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺 𝖼𝗁𝗈𝗋𝖺𝗋 𝖾 𝗂𝗆𝗉𝗅𝗈𝗋𝖺𝗋 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗊𝗎𝖾 𝗇𝖺̃𝗈 𝗈 𝖿𝗂𝗓𝖾𝗌𝗌𝖾. 𝖮 𝖼𝖺𝖻𝖾𝗅𝗈 𝗀𝗋𝖺𝗇𝖽𝖾 𝗈 𝖽𝖾𝖿𝗂𝗇𝗂𝖺 𝖼𝗈𝗆𝗈 𝗆𝗎𝗅𝗁𝖾𝗋? 𝖴𝗌𝖺𝗋 𝗏𝖾𝗌𝗍𝗂𝖽𝗈𝗌 𝗌𝗎𝗋𝗋𝖺𝖽𝗈𝗌 𝗆𝖺𝗇𝖼𝗁𝖺𝗏𝖺 𝗌𝗎𝖺 𝗂𝗆𝖺𝗀𝖾𝗆? 𝖲𝖾𝗇𝗍𝗂𝖺-𝗌𝖾 𝖼𝗎𝗌𝗉𝗂𝖽𝗈 𝗇𝗈 𝗆𝗎𝗇𝖽𝗈 𝖼𝗈𝗆𝗈 𝗎𝗆 𝗌𝗂𝗆𝗉𝗅𝖾𝗌 𝗂𝗇𝖽𝗂𝗏𝗂́𝖽𝗎𝗈 𝗌𝖾𝗆 𝗇𝗈𝗆𝖾. 𝖤𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝗇𝗎, 𝗂𝗇𝗀𝖾̂𝗇𝗎𝗈, 𝖽𝖾𝗌𝗈𝗅𝖺𝖽𝗈, 𝗌𝖾𝗆 𝗂𝖽𝖾𝗂𝖺 𝖽𝗈 𝗊𝗎𝖾 𝗌𝖾𝗋 𝗈𝗎 𝗉𝖺𝗋𝖾𝖼𝖾𝗋.

𝖠𝗈 𝗌𝖾 𝗈𝗅𝗁𝖺𝗋 𝗇𝗈 𝖻𝖺𝗇𝗁𝗈, 𝗍𝗂𝗇𝗁𝖺 𝖼𝖾𝗋𝗍𝖾𝗓𝖺 𝖽𝖾 𝗊𝗎𝖾 𝖺𝗊𝗎𝗂𝗅𝗈 𝖾𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝗅𝖺́. 𝖳𝗂𝗇𝗁𝖺 𝖼𝖾𝗋𝗍𝖾𝗓𝖺 𝖽𝖾 𝗊𝗎𝖾 𝗌𝖾 𝗂𝗇𝖼𝗈𝗆𝗈𝖽𝖺𝗏𝖺 𝗊𝗎𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖺𝗌𝗌𝗈𝖼𝗂𝖺𝗏𝖺𝗆 𝗌𝗎𝖺𝗌 𝗏𝖾𝗌𝗍𝗂𝗆𝖾𝗇𝗍𝖺𝗌 𝖺 𝗎𝗆 𝗌𝗂𝗆𝗉𝗅𝖾𝗌 𝗀𝖾̂𝗇𝖾𝗋𝗈, 𝗈 𝖿𝖾𝗆𝗂𝗇𝗂𝗇𝗈. 𝖤𝗅𝖾 𝖾𝗋𝖺 𝗎𝗆 𝗆𝖾𝗇𝗂𝗇𝗈. 𝖰𝗎𝖾 𝗎𝗌𝖺𝗏𝖺 𝗈𝗌 𝗏𝖾𝗌𝗍𝗂𝖽𝗈𝗌 𝗎𝗌𝖺𝖽𝗈𝗌 𝖽𝖾 𝗌𝗎𝖺 𝗂𝗋𝗆𝖺̃ 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝗏𝖾𝗅𝗁𝖺, 𝗊𝗎𝖾 𝗍𝗂𝗇𝗁𝖺 𝖼𝗎𝗂𝖽𝖺𝖽𝗈 𝖼𝗈𝗆 𝗌𝗎𝖺 𝖺𝗉𝖺𝗋𝖾̂𝗇𝖼𝗂𝖺, 𝗊𝗎𝖾 𝖾𝗋𝖺 𝖻𝖾𝗅𝗈, 𝖾 𝗆𝖾𝗌𝗆𝗈 𝗊𝗎𝖾 𝗇𝖺̃𝗈 𝗊𝗎𝗂𝗌𝖾𝗌𝗌𝖾 𝗌𝖾𝗋 𝖽𝖾𝗌𝖾𝗃𝖺𝖽𝗈, 𝖾𝗅𝖾 𝗍𝗂𝗇𝗁𝖺 𝗇𝗈𝖼̧𝖺̃𝗈 𝖻𝗋𝖾𝗏𝖾 𝖽𝖾 𝗊𝗎𝖾 𝗌𝗎𝖺 𝖺𝗉𝖺𝗋𝖾̂𝗇𝖼𝗂𝖺 𝗇𝗎𝗍𝗋𝗂𝖺 𝗎𝗆𝖺 𝖿𝗈𝗋𝗍𝖾 𝖺𝗉𝗋𝗈𝗑𝗂𝗆𝖺𝖼̧𝖺̃𝗈 𝖺𝗈 𝗉𝗎𝗋𝗈. 𝖠𝗅𝗀𝗈 𝗊𝗎𝖾 “𝗇𝖺̃𝗈 𝖾𝗋𝖺” 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗀𝖺𝗋𝗈𝗍𝗈𝗌.

— 𝖬𝖺𝗆𝖺̃𝖾, 𝗈𝗅𝗁𝖾, 𝗈𝗅𝗁𝖾 — 𝖯𝗎𝗅𝗈𝗎 𝗇𝖺 𝗉𝗈𝗇𝗍𝖺 𝖽𝗈𝗌 𝗉𝖾́𝗌, 𝗅𝖾𝗏𝖺𝗇𝗍𝖺𝗇𝖽𝗈 𝗈𝗌 𝖻𝗋𝖺𝖼̧𝗈𝗌 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝖼𝗂𝗆𝖺.

— 𝖤𝗌𝗍𝖺́ 𝖺 𝖼𝗈𝗂𝗌𝖺 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝗀𝗋𝖺𝖼𝗂𝗈𝗌𝖺 𝖽𝗈 𝗆𝗎𝗇𝖽𝗈, 𝖺𝗇𝗃𝗂𝗇𝗁𝗈. 𝖬𝖾𝗎 𝖻𝖾𝗇𝗓𝗂𝗇𝗁𝗈 𝖾́ 𝗍𝖺̃𝗈 𝖻𝗈𝗇𝗂𝗍𝗈, 𝖾𝗌𝗍𝗈𝗎 𝗍𝖺̃𝗈 𝖿𝖾𝗅𝗂𝗓 — 𝖢𝗈𝗆𝖾𝗇𝗍𝗈𝗎, 𝖿𝖺𝗓𝖾𝗇𝖽𝗈 𝖺𝗌 𝖻𝗈𝖼𝗁𝖾𝖼𝗁𝖺𝗌 𝖽𝗈 𝗀𝖺𝗋𝗈𝗍𝗈 𝖿𝗂𝖼𝖺𝗋𝖾𝗆 𝗋𝗎𝖻𝗋𝖺𝗌 𝖼𝗈𝗆 𝗈 𝖾𝗅𝗈𝗀𝗂𝗈. 𝖤𝗅𝖾 𝗀𝗈𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝗊𝗎𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖾𝗅𝖺 𝖿𝖺𝗅𝖺𝗏𝖺 𝗌𝗈𝖻𝗋𝖾 𝗌𝗎𝖺 𝖺𝗉𝖺𝗋𝖾̂𝗇𝖼𝗂𝖺. 𝖲𝖾𝗇𝗍𝗂𝖺 𝗌𝖾𝗎 𝖼𝗈𝗋𝖺𝖼̧𝖺̃𝗈 𝖻𝖺𝗍𝖾𝗋 𝗋𝖺́𝗉𝗂𝖽𝗈 𝗊𝗎𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖺𝗉𝗋𝖾𝖼𝗂𝖺𝖽𝗈, 𝖾𝗇𝗍𝖺̃𝗈 𝗍𝖾𝗏𝖾 𝖺 𝖼𝖾𝗋𝗍𝖾𝗓𝖺 𝖽𝖾 𝗊𝗎𝖾 𝖾𝗅𝖾 𝖻𝖺𝗍𝗂𝖺 𝗉𝗈𝗋 𝖾𝗅𝖺.

— 𝖦...𝗀𝗋𝖺𝗍𝗈, 𝖺𝖺𝗁

𝖤𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝗇𝖺 𝖿𝖺𝗌𝖾 𝖼𝗈𝗇𝗍𝗎𝗋𝖻𝖺𝖽𝖺 𝖽𝖺 𝗏𝗂𝖽𝖺 𝗈𝗇𝖽𝖾 𝖼𝗈𝗆𝖾𝖼̧𝖺𝗏𝖺 𝖺 𝗍𝖾𝗋 𝗂𝗇𝗍𝖾𝗋𝖾𝗌𝗌𝖾𝗌 𝗉𝖾𝗅𝗈 𝗌𝖾𝗑𝗈 𝗈𝗉𝗈𝗌𝗍𝗈. 𝖭𝖺̃𝗈 𝗏𝗂𝖺 𝖼𝗈𝗆𝗈 𝗎𝗆 𝖽𝖾𝗌𝖾𝗃𝗈, 𝗎𝗆𝖺 𝗅𝗂𝖻𝗂𝖽𝗈, 𝖾𝗋𝖺 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝖼𝗈𝗆𝗈 𝗎𝗆𝖺 𝗂𝗇𝗈𝖼𝖾𝗇𝗍𝖾 𝖼𝗎𝗋𝗂𝗈𝗌𝗂𝖽𝖺𝖽𝖾; 𝖺𝗅𝗀𝗈 𝗊𝗎𝖾 𝖺 𝖿𝗂𝗀𝗎𝗋𝖺 𝖿𝖾𝗆𝗂𝗇𝗂𝗇𝖺 𝗍𝗂𝗇𝗁𝖺 𝗊𝗎𝖾 𝖾𝗅𝖾 𝗇𝖺̃𝗈 𝗍𝗂𝗇𝗁𝖺. 𝖲𝗎𝖺 𝗆𝖺̃𝖾 𝗌𝖾𝗆𝗉𝗋𝖾 𝖿𝗈𝗂 𝖺 𝗎́𝗇𝗂𝖼𝖺 𝖿𝗈𝗇𝗍𝖾 𝗊𝗎𝖾 𝗍𝗂𝗇𝗁𝖺 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗌𝗎𝗉𝗋𝗂𝗋 𝖽𝗎𝖺𝗌 𝖽𝗎́𝗏𝗂𝖽𝖺𝗌, 𝗉𝗈𝗋𝖾́𝗆, 𝗇𝖾𝗆 𝗌𝖾𝗆𝗉𝗋𝖾 𝖾𝗋𝖺 𝗍𝖺̃𝗈 𝖿𝖺́𝖼𝗂𝗅 𝗂𝗌𝗌𝗈. 𝖤𝗌𝗍𝖺𝗏𝖺 𝖼𝗈𝗆𝖾𝖼̧𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖺 𝗍𝖾𝗋 𝗎𝗆𝖺 𝗇𝗈𝖼̧𝖺̃𝗈 𝖽𝖾 𝗊𝗎𝖾 𝖺𝗊𝗎𝗂𝗅𝗈 𝖾𝗋𝖺 𝖺𝗅𝗀𝗈 𝗂́𝗇𝗍𝗂𝗆𝗈 𝖾 𝗏𝖾𝗋𝗀𝗈𝗇𝗁𝗈𝗌𝗈, 𝖺𝗉𝖾𝗇𝖺𝗌 𝖺 𝗂𝖽𝖾𝗂𝖺 𝖽𝖾 𝗈𝗅𝗁𝖺𝗋 𝗌𝗎𝖺 𝗉𝖾𝗅𝖾 𝗈 𝖿𝖺𝗓𝗂𝖺 𝖾𝗇𝖼𝗈𝗅𝗁𝖾𝗋-𝗌𝖾 𝖾 𝖽𝖾𝗌𝗏𝗂𝖺𝗋 𝗈 𝗈𝗅𝗁𝖺𝗋.

𝖭𝗈 𝗆𝗈𝗆𝖾𝗇𝗍𝗈, 𝗈 𝗌𝗂𝗅𝖾̂𝗇𝖼𝗂𝗈 𝗉𝗋𝖾𝗌𝖾𝗇𝗍𝖾 𝖾𝗋𝖺 𝗋𝖾𝖼𝗈𝗇𝖿𝗈𝗋𝗍𝖺𝗇𝗍𝖾 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝖺𝖼𝖺𝗅𝗆𝖺𝗋 𝗈𝗌 𝗉𝖾𝗇𝗌𝖺𝗆𝖾𝗇𝗍𝗈𝗌 𝗂𝗇𝗍𝗋𝗎𝗌𝗈𝗌. 𝖲𝖾𝗇𝗍𝗈𝗎-𝗌𝖾 𝗇𝗈 𝖼𝗁𝖺̃𝗈, 𝗈𝖻𝗌𝖾𝗋𝗏𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖺 𝗆𝖺𝗇𝖾𝗂𝗋𝖺 𝗋𝗂́𝗍𝗆𝗂𝖼𝖺 𝖾𝗆 𝗊𝗎𝖾 𝖺 𝗆𝖺̃𝖾 𝗉𝖺𝗌𝗌𝖺𝗏𝖺 𝖺 𝗏𝖺𝗌𝗌𝗈𝗎𝗋𝖺 𝗇𝖺 𝗌𝖺𝗅𝖺, 𝖾𝗇𝗍𝖺̃𝗈 𝗌𝖾𝗇𝗍𝗂𝗎 𝖺 𝗂𝗇𝖽𝖾𝗅𝗂𝖼𝖺𝖽𝖺 𝗇𝖾𝖼𝖾𝗌𝗌𝗂𝖽𝖺𝖽𝖾 𝖽𝖾 𝗊𝗎𝖾𝖻𝗋𝖺𝗋 𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖾 𝗌𝗂𝗅𝖾̂𝗇𝖼𝗂𝗈.

— 𝖬𝖺𝗆𝖺̃𝖾, 𝖾𝗎 𝖺𝗂𝗇𝖽𝖺 𝗌𝗈𝗎 𝗎𝗆 𝗆𝖾𝗇𝗂𝗇𝗈? — 𝖠 𝗆𝖺̃𝖾 𝗉𝖺𝗋𝗈𝗎, 𝗏𝗂𝗋𝖺𝗇𝖽𝗈-𝗌𝖾 𝖺 𝖾𝗇𝖼𝖺𝗋𝖺𝗋 𝖺 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺 𝗇𝗈 𝖼𝗁𝖺̃𝗈, 𝖼𝗈𝗆 𝗈𝗅𝗁𝖺𝗋𝖾𝗌 𝖼𝗎𝗋𝗂𝗈𝗌𝗈𝗌.

— 𝖢𝗅𝖺𝗋𝗈, 𝖻𝖾𝗇𝗓𝗂𝗇𝗁𝗈. 𝖮 𝗋𝖺𝗉𝖺𝗀𝖺̃𝗈 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝖻𝗈𝗇𝗂𝗍𝗈 𝗊𝗎𝖾 𝗃𝖺́ 𝗏𝗂, 𝖾 𝗊𝗎𝖾 𝖽𝖾𝗏𝖾𝗋𝗂𝖺 𝗌𝖾 𝗅𝖾𝗏𝖺𝗇𝗍𝖺𝗋 𝖽𝗈 𝖼𝗁𝖺̃𝗈 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗇𝖺̃𝗈 𝗌𝗎𝗃𝖺𝗋 𝗈 𝗏𝖾𝗌𝗍𝗂𝖽𝗈 ~ — 𝖱𝖾𝗌𝗉𝗈𝗇𝖽𝖾𝗎 𝖼𝖺𝗇𝗍𝖺𝗋𝗈𝗅𝖺𝗇𝖽𝗈, 𝖻𝗋𝗂𝗇𝖼𝖺𝗇𝖽𝗈 𝖼𝗈𝗆 𝗈 𝖿𝗂𝗅𝗁𝗈, 𝗊𝗎𝖾 𝗅𝖾𝗏𝖺𝗇𝗍𝗈𝗎-𝗌𝖾 𝖼𝗈𝗇𝗌𝗍𝗋𝖺𝗇𝗀𝗂𝖽𝗈 𝗉𝖾𝗅𝖺 𝗋𝖾𝗉𝗋𝖾𝖾𝗇𝗌𝖺̃𝗈 — 𝖯𝗈𝗋 𝗊𝗎𝖾? 𝖭𝖺̃𝗈 𝗊𝗎𝖾𝗋 𝗌𝖾𝗋?

— 𝖭...𝗇𝖺̃𝗈 𝖾́ 𝗂𝗌𝗌𝗈! 𝖣𝗂𝗀𝗈, 𝗇𝖺 𝗏𝖾𝗋𝖽𝖺𝖽𝖾, 𝗇𝖺̃𝗈 𝖾́ 𝗊𝗎𝖾𝗌𝗍𝖺̃𝗈 𝖽𝖾 𝗊𝗎𝖾𝗋𝖾𝗋 𝗈𝗎 𝗇𝖺̃𝗈, 𝖺𝖼𝗁𝗈… 𝖠𝗂𝗇𝖽𝖺 𝗍𝖾𝗇𝗁𝗈 𝖺𝗊𝗎𝗂𝗅𝗈… — 𝖺𝗉𝗈𝗇𝗍𝗈𝗎 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝖻𝖺𝗂𝗑𝗈, 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗊𝗎𝖾 𝖺 𝗆𝗎𝗅𝗁𝖾𝗋 𝖾𝗇𝗍𝖾𝗇𝖽𝖾𝗌𝗌𝖾 𝗈𝗌 𝗌𝗂𝗇𝖺𝗂𝗌. 𝖤𝗋𝖺 𝗏𝖾𝗋𝗀𝗈𝗇𝗁𝗈𝗌𝗈.

𝖤𝗅𝖺 𝗋𝗂𝗎.

— 𝖵𝗈𝖼𝖾̂ 𝗉𝖾𝗇𝗌𝖺 𝖽𝖾𝗆𝖺𝗂𝗌 𝗇𝖺𝗌 𝖼𝗈𝗂𝗌𝖺𝗌 𝗉𝖾𝗋𝖼𝖾𝗉𝗍𝗂́𝗏𝖾𝗂𝗌 — 𝖢𝗁𝖾𝗀𝗈𝗎 𝗆𝖺𝗂𝗌 𝗉𝖾𝗋𝗍𝗈 𝖽𝖾 𝗌𝖾𝗎 𝗋𝗈𝗌𝗍𝗈, 𝖽𝖺𝗇𝖽𝗈 𝗎𝗆 𝗅𝖾𝗏𝖾 𝗉𝖾𝗍𝖾𝗅𝖾𝖼𝗈 𝖾𝗆 𝗌𝖾𝗎 𝗇𝖺𝗋𝗂𝗓. — 𝖮 𝗂𝗆𝗉𝗈𝗋𝗍𝖺𝗇𝗍𝖾 𝖾́ 𝗈 𝗊𝗎𝖾 𝗏𝗈𝖼𝖾̂ 𝗊𝗎𝖾𝗋 𝗌𝖾𝗋. 𝖵𝗈𝖼𝖾̂ 𝖽𝖾𝗌𝖾𝗃𝖺 𝗌𝖾𝗋 𝖼𝗈𝗆𝗈 𝗎𝗆𝖺 𝗆𝖾𝗇𝗂𝗇𝖺?

𝖠 𝖼𝗋𝗂𝖺𝗇𝖼̧𝖺 𝗇𝖾𝗀𝗈𝗎, 𝗇𝖺̃𝗈 𝗊𝗎𝖾𝗋𝗂𝖺 𝗍𝖾𝗋 𝗊𝗎𝖾 𝗌𝖾 𝗂𝖽𝖾𝗇𝗍𝗂𝖿𝗂𝖼𝖺𝗋 𝖼𝗈𝗆𝗈 𝗎𝗆𝖺 𝗆𝖾𝗇𝗂𝗇𝖺 𝗉𝖺𝗋𝖺 𝗉𝗈𝖽𝖾𝗋 𝗎𝗌𝖺𝗋 𝗈 𝗊𝗎𝖾 𝗊𝗎𝖾𝗋𝗂𝖺. 𝖤𝗅𝖾 𝖾𝗋𝖺 𝖿𝖾𝗅𝗂𝗓 𝖽𝖺𝗊𝗎𝖾𝗅𝖺 𝖿𝗈𝗋𝗆𝖺, 𝗉𝖾𝗅𝗈 𝗆𝖾𝗇𝗈𝗌 𝖺𝖼𝗋𝖾𝖽𝗂𝗍𝖺𝗏𝖺 𝗌𝖾𝗋.

— 𝖤𝗇𝗍𝖺̃𝗈 𝗏𝗈𝖼𝖾̂ 𝖾́ 𝗈 𝗆𝖾𝗎 𝖻𝖾𝗇𝗓𝗂𝗇𝗁𝗈, 𝗊𝗎𝖾 𝗎𝗌𝖺 𝗋𝗈𝗎𝗉𝖺𝗌 𝖿𝗈𝖿𝖺𝗌 𝖾 𝗉𝗋𝖾𝖼𝗂𝗌𝖺 𝗎𝗋𝗀𝖾𝗇𝗍𝖾𝗆𝖾𝗇𝗍𝖾 𝖽𝖾 𝗎𝗆 𝗉𝖺𝗋 𝗇𝗈𝗏𝗈 𝖽𝖾 𝗌𝖺𝗉𝖺𝗍𝗈𝗌. 𝖨𝗋𝖾𝗂 𝗆𝖺𝗇𝖽𝖺𝗋 𝗌𝖾𝗎 𝗉𝖺𝗂 𝖿𝖺𝗓𝖾𝗋.
〉• — 𝟓. Lucien sempre questionou a necessidade de rotulá-lo por suas características predominantemente femininas. A falta de um porte másculo, o corpo magro, rosto fino e longos cabelos, graciosos e angelicais. A fetichização por sua aparente pureza era esmagadora, infelizmente viveu a vida inteira presenciando o quão frequente era, em qualquer lugar que fosse. Belo demais para um humano, afetuoso demais para um homem. Mesmo perante diversos comentários inconvenientes, confusões e dúvidas sobre “O que é esse ser?” Lucien afirma que em momento algum deixou de se identificar por seu sexo de nascimento. Era um homem cis, que pacientemente explicava que o uso do pronome feminino era errado para se referir a ele e incomodava-se, ao ponto de bufar alto, quando via alguém insistindo que ele era “bela como uma moça que transpirava inocência”. Honestamente, vê aqueles que o tratam com gracejos perante sua aparência como porcos no cio, tão nojentos que mal consegue esconder a aversão.

〉• — 𝟔. Lucien é uma pessoa extremamente limitada quando citamos a questão do afeto. Odeia toques, odeia apertos, odeia qualquer tipo de aproximação repentina, ao ponto de ter uma ação involuntária e acabar machucando alguém por isso. O homem considera estar na área da assexualidade, onde tanto sua atração romântica quanto sexual estão comprometidas, mas a verdade é que é um pouco mais complexo. Lucien possui uma verdadeira aversão a qualquer insinuação ou qualquer contato sexual, internalizando uma condição angustiante que o faz ter reações involuntárias; como um olhar arregalado, mãos trêmulas e, no pior dos casos, violência extrema. Não se lembra ao certo como começou, mas assim que foi encontrado por Amis, antes de entrar em Allanar, sentiu que não queria que ele o carregasse no colo. Olhares mal intencionados o traziam desconforto, ao ponto de andar sempre coberto nos primeiros anos, até o rosto se possível. Não era apenas o contato genital, era com qualquer coisa, até o mínimo flerte, a mínima intenção percebida. Sente-se envergonhado quando perde a compostura, principalmente por se mostrar tão respeitável no dia-a-dia, por isso tenta não causar um escândalo maior do que o necessário. Dentre suas raras exceções, está o Ascendente, aquele no qual deixou que o tocasse assim que o encontrou. Sua conexão com Daehan foi tão natural que mal percebeu ter baixado todas as suas guardas assim que obtiveram o primeiro contato. Não se sentia inseguro, não tinha medo daquelas mãos, nem daquele calor, sendo algo permanente até os dias recentes.
❛❛ 𝐃𝐄 𝐂𝐄𝐑𝐓𝐀 𝐅𝐎𝐑𝐌𝐀, 𝐄𝐒𝐓𝐎𝐔 𝐅𝐄𝐋𝐈𝐙 𝐄𝐌 𝐃𝐈𝐙𝐄𝐑 𝐐𝐔𝐄 𝐕𝐎𝐂𝐄̂ 𝐍𝐔𝐍𝐂𝐀 𝐅𝐎𝐈 𝐄𝐌𝐁𝐎𝐑𝐀 ━━━━━━━━━━━











Citação:
𝓢𝓮𝓶𝓹𝓻𝓮 𝓱𝓪́ 𝓾𝓶𝓪 𝓲𝓷𝓽𝓮𝓷𝓬̧𝓪̃𝓸 𝓹𝓪𝓻𝓪 𝓸 𝓶𝓪𝓵. Talvez esteja em um poder inexplorado, uma oportunidade única de torná-lo mais forte, algo que surja para confrontá-lo. É possível exterminar as más intenções? Não, o homem é intrinsecamente mau — Mas, talvez você se veja como algo diferente. Aquele que não traz problemas para terceiros, tampouco se interessa por seus sentimentos conflitantes. Talvez seja uma vítima da hostilidade, o mundo realmente foi cruel com você. E se… Você, na verdade, quisesse ser salvo? Em algum momento, esse sentimento irá crescer, ao ponto de arrastar aqueles que se aproximam de você para o mesmo sentimento estupido. Se você tivesse o poder para isso, os tornaria como a si próprio. Isso o faz verdadeiramente maligno.
⌜₊Ꮺ*˖✧。Lucien pode dizer que os homens são interessantes, quando em seu tempo livre, gosta de vê-los como animais. Entretanto, é notável que hajam algumas diferenças. Os humanos podem gastar suas vidas em busca de um proposito para a existência, isso torna suas vidas mais interessantes. Desde que era um miúdo, Lucien foi um admirador da psique humana e suas polaridades; Sentimentos, pensamentos, percepções, tudo para que eles consigam se relacionar com o mundo em que vivem. Gosta de como a interação do consciente com o inconsciente formam uma pessoa, já que acredita que a personalidade é uma condição do ser humano. Uma característica duradoura de sua particularidade humana, em que eles escolhem se querem apresentá-las para o mundo ou não. Por mais que a criação de múltiplas personas se tornasse tentadora, o homem nunca precisou esconder-se em uma máscara, particularmente nunca se deu bem com coisas que um dia pudessem se tornar unilaterais. No final de tudo, não adiantaria nada viver a vida inteira como uma farsa social, apenas para agradar ao homem. 𝑨 𝒎𝒂̃𝒆 𝒔𝒂𝒃𝒊𝒂 𝒅𝒆 𝒕𝒐𝒅𝒂𝒔 𝒂𝒔 𝒄𝒐𝒊𝒔𝒂𝒔. Lucien costuma assumir um semblante calmo e voltado a serenidade, por vezes é considerado um homem frio de aparência angelical. Sua aparência é uma armadilha para quem espera um homem gentil e inofensivo. Ainda que não seja de desfazer de qualquer um no primeiro contato, não deixa de aparentar ser uma figura taciturna.

⌜₊Ꮺ*˖✧。 O primeiro sentimento que as pessoas têm ao se encontrar com o Santo, se não for algo relacionado a admiração, é ansiedade. Seja por ele aparentar ser impecável, seja por seu silêncio, que dão a impressão de que ele é um ser totalmente inacessível. Parece que está te julgando, parece estar te analisando, tentando extrair algo de ti. Talvez esteja, mas por favor, não se incomode com essa pequena mania insignificante, ou com a forma que seus olhos gélidos o cortam como uma lâmina fina. É composto de singularidades e um pensamento voltado à introversão; aparenta estar distante, com um olhar estoico, observando e entendendo o ambiente em que se encontra, mesmo que de forma inconsciente. Esse composto o torna uma pessoa dificilmente impressionável, em sua mente vê tudo como um filme que em algum momento já passou em sua cabeça. As pessoas são seres fáceis de serem lidas, ele pensa. O conjunto de características revela que Lucien é um cara que inspira confiança, consequentemente o tornando uma pessoa arrogante por acreditar ser “perfeito”, e quando digo perfeito, cito que em momento algum você o verá demonstrando suas fraquezas ou conhecerá algo dele sem ser o que ele aparenta. É uma pessoa meticulosa, inteligente e, acima de tudo, possui um temperamento calmo, no qual o faz lidar em situações de estresse de forma inabalável, por vezes exibindo um sorriso confortante para aqueles que caíram no desespero.

⌜₊Ꮺ*˖✧。 É um observador da natureza humana, principalmente da hostilidade. Acha fascinante os sentimentos impuros dos homens e em como eles conseguem ser repulsivos, mas ainda sim existirem. Isso o faz ter o hábito de refletir sobre a natureza de si mesmo sobre o mundo e em como isso o afeta. Ao mesmo tempo que acha o funcionamento interno uma coisa muito interpretativa e instigante, assume que os seres humanos não são muito diferentes de formigas. Não é a primeira vez que o verá comparando-os a esses insetos miúdos e metódicos. Assim como são programados a sobrevivência, também podem ser facilmente esmagados. Lucien, pelo contrário de muitos, não teme a morte ou qualquer peça da vida. A parte mais interessante da vida humana é a incerteza. Comemorar vitórias e realizações pessoais não é o seu forte. Não sente satisfação alguma. Sua emoção para elas é quase nula, interpretando-as como consequências bem sucedidas de resoluções metodicamente calculadas. Tende a se distanciar de suas emoções com o tempo, é mais apto a entrar em momentos de ansiedade internalizada do que demonstrar qualquer sentimento de um trabalho bem feito. Citando brevemente seus momentos de ansiedade, Lucien ainda é um ser humano, então é possível vê-lo andando de um lado para o outro quando preocupado, roendo as unhas e tendo pequenos tiques no olho. Entretanto, suas reações só são mostradas quando em um quarto privado, sem qualquer olhar curioso sobre si. Toda sua carga é internalizada, o que faz com que a cabeça de Lucien esteja sempre a mil por hora, pois busca encontrar soluções rápidas para não acabar demonstrando qualquer sinal de desespero. Mesmo que queira aparentar ser uma máquina que se recusa a mostrar qualquer vacilo emocional, ocasionalmente preocupações e outras formas de desespero costumam cair em sua mente, o levando a sofrer por antecipação quase sempre. O motivo de se planejar tanto é porque, quando fica com algo na cabeça, mostra um comportamento obsessivo em que deseja que aquilo aconteça da melhor forma, por vezes se torna paranóico quando sente estar ignorando algo importante, assim como tem em mente que as coisas podem não sair como o esperado. Dito isso, quando algo dá errado, Lucien costuma criar em sua cabeça diversas situações que podem acontecer para interferir em suas ações, acarretando diversas consequências e buscando solução para todos os possíveis erros que possam ocorrer. Geralmente prevê as consequências que suas escolhas irão acarretar.

⌜₊Ꮺ*˖✧。 Lucien possui uma personalidade decidida a aquilo que acredita, seus valores decisivos, sua tranquilidade de um modo geral. É frequentemente visto sentado em uma pilha de livros espalhados pelo seu aposento, geralmente com um livro antigo em mãos, focando sua atenção nas páginas amareladas, enquanto com as pernas cruzadas e boca semi aberta. Os fios loiros caindo e se embolando nas mãos que apoiam o rosto, uma cena que não passa nada mais que serenidade. Ao entrar em contato com seu olhar, exibe um sorriso tímido e frio, abaixando a cabeça levemente em um cumprimento. Lucien, apesar de ser uma figura gélida, é uma pessoa genuinamente charmosa. Está longe de ser alguém que você chamaria para uma confraternização por acreditar em uma possível interação, mas porque apenas a presença dele levaria elegância para o local. Na verdade, talvez seja mais tentador mantê-lo de boca fechada. Devido a sua natureza decidida, Lucien acaba entrando facilmente em discussões quando sente-se aliciado a fazer algo que não planejou. Não costuma acatar ideias alheias, apesar de não ser o tipo que busca conflito em conversas avulsas, tendo a plena noção de ficar em silêncio quando não é algo que o afeta, está totalmente fechado em uma caixa arrogante que criou. Odeia palpites alheios sobre a forma que leva suas coisas, demonstra ser sutilmente cabeça dura a aceitar algo no qual não concorda, tentando persuadir através de uma conversa amistosa e reflexiva. Se necessário, torna-se conflituoso e abrupto com as palavras, caso saiba com quem está falando, mas na maioria das vezes não precisa disso; afinal, é um manipulador nato.

⌜₊Ꮺ*˖✧。 Gosta de trabalhar como conselheiro, considera ouvir as pessoas o seu maior forte, pois entra nos seus gostos particulares sobre observar a natureza humana e sua dor. Estar próximo a eles, ouvir seus problemas e desejos mundanos, seus segredos. Não, talvez não esteja verdadeiramente interessado no que aquele ser está passando, o que acontece é mais um capricho de um homem curioso, que tem a estranha mania de observar o mundo do alto da janela. De modo geral, costuma ser alguém imparcial, não é de seu feitio meter-se em assuntos que não lhe dizem respeito, tampouco lhe interessam. Quando solicitado a expressar algo, costuma ser o mais impessoal possível, principalmente perante a uma situação na qual não prendeu sua atenção. Em seus discursos, costuma desviar do assunto, entrando uma conversa banal sobre algo que estava fazendo no momento em que a conversa acontecia, então voltar a falar sobre aquilo com uma reflexão metafórica. Seu tom de voz é firme e tudo o que fala é de forma convincente, como se estivesse totalmente adepto e seguro ao falar aquilo. Tem um discurso totalmente idealista, geralmente as pessoas se comovem e acreditam na maioria deles, pois sabem que trazem conforto. Quando em desespero, elas se prendem a qualquer palavra bonita que é vendida. Lucien gosta de aproveitar isso. Percebe que, ao tocar nos sentimentos humanos, consegue vantagens em fidelidade e devoção. Isso faz dele, possivelmente, uma pessoa carismática e genuinamente confiável.

⌜₊Ꮺ*˖✧。 O fato de Lucien conseguir usar bem as palavras torna alguns fatores de sua personalidade bem problemáticos, como a manipulatividade. Utilizar da boa vontade alheia em prol de conseguir algo benéfico apenas para si mesmo, para ele não parece grande coisa. Certo, talvez no momento seja algo que o ajude em seus planejamentos, mas futuramente será algo recompensador para todos. Tem o pensamento distorcido de que tudo na vida acontece para um bem maior, assim como tudo que ele faz é completamente justificável e compreensível. Lucien é uma pessoa que tem forte influência, assim como sempre está com olhares voltados para si; sejam de admiração, sejam repulsivos, quando se prontifica a falar, todos o escutam. É notável que ele busca agradar a maioria, essa busca por simpatia lhe traz benefícios e uma boa fama. Carisma, ele faz disso a sua rotina. Tem o hábito de compartilhar histórias, olhar nos olhos e cumprimentar de longe, prestar atenção nos detalhes que são ditos, para dar a impressão de que suas experiências não estão sendo ignoradas. Tudo isso com sua expressão serena e indiferente, se limitando a breves sorrisos que o fazem parecer uma pessoa humilde. Em geral, utiliza das palavras não apenas para passar reflexões sábias ou histórias metafóricas, mas também para mudar o pensamento de alguém ao seu bel prazer. Sua influência chega ao ponto de fazer algo ruim parecer bom, buscando formas de passar aquilo de uma forma mais subjetiva e menos arriscada; uma arma extremamente perigosa contra pessoas que não possuem voz e sejam facilmente manipuláveis. Tem uma tendência forte a jogar sujo, mesmo sendo um homem comum, seu sentimento de grandeza é tão extremo que o faz sentir-se intocável, ao ponto de não se importar com o que falará para uma pessoa, apenas se atenta na forma como passará seus pensamentos sem ser de uma forma muito direta. No final, as pessoas são previsíveis, por mais fortes que elas sejam. Ele entende verdadeiramente os sentimentos envolvidos em alguém, percebe seus desejos e pretensões, por isso assume ser fácil seduzi-las.
⌜₊Ꮺ*˖✧。 Leva sua crença de maneira radical e é um homem com a fé inabalável. Busca um significado simbólico para todas as coisas. Lucien tem um contato muito forte com o lado não aparente da realidade, sendo uma das coisas no qual ele mais se pega refletindo. Quando algo acontece, não deve ser apenas visto por sua superfície, às vezes é necessário colocar um pouco mais de importância e observá-los através de um olhar mais complexo e holístico. Você se questiona sobre a importância de todas as partes? Para Lucien, até mesmo as formigas têm um papel importante para o fluxo natural. A relevância de um rei, para ele, é a mesma de um simples ferreiro, e isso é algo que sempre estará presente em seus discursos. Por vezes, sente-se deslocado ao compartilhar um pouco de seus ideais com as pessoas, assumindo que, no final, nem todos estão preparados para novas reflexões. O mundo percebido através das habilidades sensitivas está fadado ao fracasso, uma falha da humanidade que levou anos para sua própria ruína. Os humanos são indefesos diante das forças que governavam aquele universo, quando diz isso, refere-se aos próprios Celestes e ao destino dos tolos. Sua história é um exemplo claro de como aquelas forças agiam, cheias de coincidências, punições. Tudo era claro. Acredita na idealização de um mundo perfeito, pois assim as coisas seriam imutáveis e a felicidade eterna. É isso que os Celestes queriam, segundo ele.

⌜₊Ꮺ*˖✧。 Tem uma clara preferência a não se envolver muito em ambientes sociais, pois sente que sua mente não funciona direito em meio a lugares com um grande estímulo sensorial. Atenta apenas em se ocupar observando, sem exibir muitas expressões faciais. Por mais que não aparente, sente-se desgastado em aglomerações, sendo o primeiro a sair quando lhe dão a oportunidade. Lucien é o tipo de pessoa que só entra em algo que não gosta quando é de extrema necessidade. Não o convide casualmente para uma confraternização, o convide caso seja algo que mude completamente sua vida, caso contrário, esteja sempre preparado para um aceno e uma resposta educada recusando. Caso insista, esteja preparado para um olhar afiado, repetindo as mesmas palavras. Caso o toque casualmente nos ombros, acreditando ser um símbolo amistoso, esteja preparado para ter suas mãos esmagadas e um olhar mais expressivo do que o normal. O olhar de “como ousa me tocar, verme imundo?”. Lucien é um ser com semblante calmo e não aparenta incômodo com muitas coisas, sendo altamente tolerante, nem parece ser alguém que cogitaria utilizar violência para algo. Porém, ao invadir seu espaço íntimo e pessoal, a primeira reação do rapaz é te afastar; seja pacificamente ou não, depende muito da pessoa que o faça. Odeia aproximações. Odeia contato. Odeia absolutamente tudo que o faça encostar em alguém, sendo o maior motivo para que o rapaz odeie aglomerações, assim como cumprimentos em apertos de mão, no qual felizmente consegue abster-se educadamente. Nesses pequenos acontecimentos, é onde sua ansiedade costuma atacar mais, o fazendo brevemente perder o controle, para assim conseguir retirar-se sem demonstrar mais nada. Quando sozinho, torna-se compulsivo, dando pequenos surtos enquanto agachado. Fragilizado, nessas horas Lucien percebe que, por mais que acredite em sua grandeza, não passa de uma mera criança medrosa e cheia de traumas. Com sua mente enfraquecida, é frequentemente assombrado pela pergunta da mãe, aquela que guarda a tantos anos
Escreveu 𝑶 𝑸𝑼𝑬 𝑽𝑶𝑪𝑬̂ 𝑮𝑶𝑺𝑻𝑨𝑹𝑰𝑨 𝑫𝑬 𝑺𝑬𝑹 𝑵𝑶 𝑭𝑼𝑻𝑼𝑹𝑶?
⌜₊Ꮺ*˖✧。No entanto, quando isso acontece, busca o equilíbrio das emoções através das ações de um receptor. Para ele, aquele que desenvolve aquele papel, inconscientemente, é o Ascendente, no qual ama como ama a Mãe. Nas poucas vezes em que demonstrou apego emocional por alguém na vida, encontrou-se confuso e, por partes, com a obsessiva ideia de que aquele ser era o bem maior de sua vida. Estranhamente, é o tipo de ser que coloca o bem estar daquele por quem nutre respeito acima do seu. Ele, aquele que se vê sempre acima dos humanos comuns, se considera um mero sujismundo perto daquele que admira e demonstra qualquer sinal de afeto genuíno; sua ligação próxima ao Ascendente é uma prova disso, no qual o vê como uma salvação para seu desespero pessoal, quase como uma idolatria.


Citação:
𝐚𝐬 𝐞𝐱𝐩𝐥𝐢𝐜𝐚𝐜̧𝐨̃𝐞𝐬 𝐬𝐞 𝐞𝐧𝐜𝐨𝐧𝐭𝐫𝐚𝐦 𝐧𝐚 𝐡𝐢𝐬𝐭𝐨́𝐫𝐢𝐚, 𝐩𝐚𝐫𝐚 𝐞𝐯𝐢𝐭𝐚𝐫 𝐫𝐞𝐩𝐞𝐭𝐢𝐜̧𝐨̃𝐞𝐬.
𝐒𝐔𝐀 𝐌𝐀𝐈𝐎𝐑 𝐀𝐕𝐄𝐑𝐒𝐀̃𝐎 𝐄́ 𝐀𝐎 𝐓𝐎𝐐𝐔𝐄 — 𝘕𝘢̃𝘰 𝘵𝘰𝘲𝘶𝘦. 𝘈𝘱𝘦𝘯𝘢𝘴. 𝘕𝘢̃𝘰.
𝐒𝐄𝐔 𝐌𝐀𝐈𝐎𝐑 𝐓𝐑𝐀𝐔𝐌𝐀 𝐄́ 𝐑𝐄𝐋𝐀𝐂𝐈𝐎𝐍𝐀𝐃𝐎 𝐀𝐎 𝐀𝐋𝐂𝐎𝐎𝐋 — 𝘱𝘢𝘱𝘢𝘪 𝘲𝘶𝘦𝘳𝘪𝘢 𝘴𝘦𝘳 𝘶𝘮 𝘣𝘰𝘮 𝘩𝘰𝘮𝘦𝘮.
𝐒𝐄𝐔 𝐌𝐀𝐈𝐎𝐑 𝐌𝐄𝐃𝐎 𝐄𝐍𝐂𝐎𝐍𝐓𝐑𝐀-𝐒𝐄 𝐍𝐀 𝐅𝐋𝐎𝐑𝐄𝐒𝐓𝐀 𝐄𝐒𝐂𝐔𝐑𝐀 — 𝘢 𝘧𝘭𝘰𝘳𝘦𝘴𝘵𝘢 𝘢𝘪𝘯𝘥𝘢 𝘰 𝘢𝘴𝘴𝘰𝘮𝘣𝘳𝘢, 𝘱𝘦𝘲𝘶𝘦𝘯𝘢 𝘭𝘶𝘻?
𝐒𝐄𝐔 𝐌𝐀𝐈𝐎𝐑 𝐌𝐄𝐃𝐎 𝐄́ 𝐒𝐄𝐔𝐒 𝐅𝐄𝐈𝐓𝐎𝐒 𝐒𝐄𝐑𝐄𝐌 𝐄𝐌 𝐕𝐀̃𝐎 — 𝘷𝘰𝘤𝘦̂ 𝘵𝘦𝘮 𝘴𝘦 𝘦𝘴𝘧𝘰𝘳𝘤̧𝘢𝘥𝘰 𝘵𝘢𝘯𝘵𝘰. 𝘊𝘶𝘪𝘥𝘢𝘥𝘰 𝘤𝘰𝘮 𝘢 𝘲𝘶𝘦𝘥𝘢


Escreveu 𝐔𝐦 𝐦𝐚𝐥 𝐧𝐚̃𝐨 𝐞𝐬𝐭𝐚́ 𝐫𝐞𝐩𝐚𝐫𝐚𝐝𝐨 𝐬𝐞 𝐚𝐥𝐠𝐮𝐦𝐚 𝐫𝐞𝐩𝐫𝐞𝐬𝐚́𝐥𝐢𝐚 𝐫𝐞𝐜𝐚𝐢𝐫 𝐬𝐨𝐛𝐫𝐞 𝐪𝐮𝐞𝐦 𝐨 𝐫𝐞𝐩𝐚𝐫𝐚. 𝐂𝐨𝐦𝐨 𝐧𝐚̃𝐨 𝐞𝐬𝐭𝐚́ 𝐫𝐞𝐩𝐚𝐫𝐚𝐝𝐨 𝐬𝐞 𝐨 𝐯𝐢𝐧𝐠𝐚𝐝𝐨𝐫 𝐧𝐚̃𝐨 𝐩𝐮𝐝𝐞𝐫 𝐬𝐞 𝐫𝐞𝐯𝐞𝐥𝐚𝐫 𝐚 𝐪𝐮𝐞𝐦 𝐜𝐨𝐦𝐞𝐭𝐞𝐮 𝐨 𝐦𝐚𝐥.
⌜₊Ꮺ*˖✧。É claro que, para Lucien, o conceito do maligno está impregnado na sociedade de uma forma que não há como reverter aquela essência. Os homens são essencialmente maus, eles podem todas as coisas, utilizando de qualquer meio violento para atingi-las. Você pode camuflar-se em uma máscara bondosa, até o momento em que sua benevolência será testada. Você, como um pobre humano pecador, não pode escapar de sua natureza destrutiva e perversa. É assim que as coisas funcionam. Entretanto, para um forasteiro, está claro que esse conceito não resume apenas aqueles que são julgados, mas também a hipocrisia do próprio julgador. Dentro de todos os tipos de mal, aquele que não percebe sua verdadeira natureza maligna se torna o pior tipo existente.

⌜₊Ꮺ*˖✧。 Lucien é um ideólogo perverso com uma concepção extraordinária do que é o "desejo dos Celestes", de sangue frio e natureza apática. Sendo um fiel extremamente dedicado e legitimamente metódico, que leva o que quer dentro dos limites de seu código de conduta, geralmente não levando em conta a quem prejudica ou os sacrifícios necessários. É preocupado com seus ideais e tem um forte conceito de lealdade. Apesar de toda a descrição, Lucien não se considera um ser maligno, tampouco acredita que seus objetivos são questionáveis. Ele, mais do que ninguém, busca um mundo onde todos possam encontrar a felicidade genuína.
⌜₊Ꮺ*˖✧。Houve, em sua juventude, uma vida vazia e sem propósito, perdendo todos os vestígios de inocência juvenil em dias que passavam de forma mórbida. Hoje ele pode dizer claramente que acredita na mudança do mundo, o começo da praga é um sinal dessa mudança. Já chegou a odiar a humanidade, mas ao aceitar sua mortalidade e abandonar seu coração repleto de ódio, teve uma espécie de epifania, onde começou a surgir pensamentos de: Seria bom se as pessoas justas sejam salvas. O desejo de felicidade vem desde sua infância, assim como a ideia de uma utopia sonhada. Ele ama todas as formas puras de vida. Tem o sonho egoísta de levar o mundo da forma que quer, com seus princípios do que é bom, pois é o que ele considera o paraíso. Ele vê a praga como uma mensagem dada pelos Celestes sobre a parte imunda da sociedade que merece ser aniquilada e tratada como os porcos que sempre foram. A praga enxerga os pecadores, a praga foi imposta para que a bondade inata fosse encontrada.

⌜₊Ꮺ*˖✧。Gosta de pensar que todos devem jogar fora o egoísmo e criar um mundo onde todos sejam salvos, mas é incapaz de se enxergar como um desses seres que cometem erros, apesar de estar ciente de todos os seus atos. É uma pessoa má, mas não um vilão. Uma pessoa desviante, mas não desumana.
𝑂𝑠 𝘩𝑜𝑚𝑒𝑛𝑠 𝑑𝑒𝑣𝑒𝑚 𝑔𝑎𝑠𝑡𝑎𝑟 𝑠𝑢𝑎𝑠 𝑣𝑖𝑑𝑎𝑠 𝑡𝑒𝑛𝑡𝑎𝑛𝑑𝑜 𝑎𝑙𝑐𝑎𝑛𝑐̧𝑎𝑟 𝑜 𝑝𝑒𝑟𝑑𝑎̃𝑜 𝑑𝑜𝑠 𝐶𝑒𝑙𝑒𝑠𝑡𝑒𝑠, 𝑒𝑠𝑠𝑎 𝑒́ 𝑎 𝑣𝑒𝑟𝑑𝑎𝑑𝑒𝑖𝑟𝑎 𝑓𝑒𝑙𝑖𝑐𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒.
⌜₊Ꮺ*˖✧。Nunca foi um homem de grandes mentiras. Estranhamente, Lucien é um ser totalmente íntegro e gosta de apontar isso. Seja em personalidade, ideais, ele se mantém sério em expressá-los da forma mais honesta que conseguir, pois considera-os nobres. Entretanto, há coisas que são sempre necessárias omitir. Lucien é uma pessoa que gosta das coisas sob controle, mais que isso, sob controle único para si mesmo. Sempre busca despistar terceiros, principalmente quando sabe que interferem no planejamento, atrapalhando não só fisicamente, mas interferindo em sua base sentimental. Cito isso pois o rapaz não gosta de expor seus pensamentos a aqueles por quem nutre extremo respeito e admiração, como o Ascendente. Por preferir fazer o trabalho mais pesado sozinho, procura mostrar um semblante amistoso e um comportamento mais comumente, pois o bem estar físico e psicológico do Ascendente é o suficiente para Lucien.

⌜₊Ꮺ*˖✧。Lucien tem a visão de que sacrifícios podem ser feitos e que tudo será em prol de um bem maior. Os fins justificam os meios, se for por um motivo nobre e puro. A sua crença é de que não há diferenciação do sacrifício, toda a vida é igual, seja um rei, seja um camponês. O motivo para isso é que Lucien não busca ver as pessoas por status sociais, no final, todos são irrelevantes perante a figura da Mãe. Entretanto, entende caso haja pessoas que diferenciam e se tornam úteis devido a importância para o momento, então Lucien consegue pensar quando está em uma situação em que precisa analisar os benefícios. Além do mais, tem em mente que quanto menor o sacrifício, melhor para ele. Tende a pensar de forma racional muitas vezes, então coisas como sacrificar um pela maioria se torna algo ridiculamente lógico e fácil de decidir. “É impossível salvar uma pessoa sem ter que comprometer o bem estar de outra, assim como o que importa é a sobrevivência de um todo, não do individuo. Certifique-se de tomar a decisão certa”. Lucien vê tudo de uma forma tão distorcida, que até as desgraças que acontecem com ele se tornam um motivo para ele mostrar o quão adorado é pelos Celestes e em como o mundo o ajuda em tudo. Nos piores momentos de sua vida, os pecadores foram punidos e ele continuou vivo. Segundo ele, estão ajudando-o porque querem que ele passe a palavra aos pobres fantoches que são incapazes de andarem sozinhos, caso contrário, teria sido punido ainda em seu nascimento. Essencialmente, deseja que as pessoas entendam que não podem lutar contra o destino dado pelos Celestes. Sua constante busca pela utopia o faz acreditar que todas as mortes que ocorreram anteriormente serviram para que um dia as pessoas entendessem que não passam de meros subordinados desse destino.
❛❛ 𝐔𝐌 𝐇𝐎𝐌𝐄𝐌 𝐒𝐄𝐌 𝐏𝐑𝐈𝐍𝐂𝐈𝐏𝐈𝐎𝐒 𝐏𝐎𝐃𝐄 𝐒𝐄 𝐂𝐎𝐍𝐒𝐈𝐃𝐄𝐑𝐀𝐑 𝐔𝐌 𝐇𝐎𝐌𝐄𝐌 𝐌𝐎𝐑𝐓𝐎 ━━━━━━━━━━━

⌜₊Ꮺ*˖✧。Lucien não foi um garoto criado para ser algo. Não teve o privilégio do berço, suas formas de diversão eram limitadas e tinha a falta de exploração em suas habilidades por parte de seus pais. A única que viu potencial no menino foi uma senhora que, ocasionalmente, os visitava na pequena casa nos dias de semana. Ela presenciou seu crescimento e em como era uma criança esperta para sua idade, não só pela maneira de falar, mas de se comportar. Talvez tenha simpatizado com sua ignorância. Então, desde criança, a coisa mais trabalhada em sua vida foi o intelecto. Assim que o ensinou a ler, começou a se distrair com os livros velhos que a vovó Sarluni levava para ele. Tudo era questionado, infelizmente sua mãe era uma pessoa limitada, então nunca conseguiu suprir toda a curiosidade da pobre criança, então ela tinha que esperar a velha Sarluni voltar e contar diversas histórias. Algo bobo, mas desde cedo foi motivado a ler e adquirir conhecimento, pois tudo para ele não passava de uma página em branca que escondia sua existência. Tirando lembranças do passado de lado, Lucien sempre se destacou por conta de sua genialidade em perceber as coisas de forma intuitiva, fazendo com que a maioria das coisas que planeja corram bem. É um bom estrategista, capaz de prever movimentos e criar situações na cabeça, devido a sua natureza metódica, acaba por fazer involuntariamente. Consegue esconder suas emoções, focando em capturar a fraqueza emocional de alguém, para então avaliá-las e usá-las como a situação pede. É especializado em questões históricas e políticas, porém gosta de discutir e ampliar sua área de conhecimento a algo novo, pois assume que aprendizagem nunca é demais. Quando citamos inteligência, não apenas estamos citando apenas livros, mas também entramos nas questões observacionais, dedutivas e de memorização. Ele tem uma aptidão especial para análise e habilidades de pensamento crítico. Lucien tem algo estranho que o faz sentir as coisas, como quando está sendo observado de muito longe, ou a intenção por trás de palavras e pequenas ações, sendo a percepção sua principal arma de defesa e planejamento antecipado. Suas habilidades manipulativas o fazem ser bom em persuadir alguém a fazer algo que não quer, muitas vezes por omitir as consequências ou a ação como um todo. Ele é muito bom com as palavras, considera uma poderosa arma de ataque e defesa, melhor do que qualquer outra. Afinal, do que adianta ser o homem mais forte do mundo, quando se deixa ser nocauteado espiritualmente?
Citação:
● ● ● — 𝙽𝙰̃𝙾, 𝙴𝚄 𝙽𝙰̃𝙾 𝚂𝙾𝚄 𝙰𝚀𝚄𝙴𝙻𝙴 𝙴𝙼 𝚀𝚄𝙴 𝚅𝙾𝙲𝙴̂ 𝙴́ 𝙵𝙴𝙸𝚃𝙾 𝙿𝙰𝚁𝙰 𝙰𝙲𝚁𝙴𝙳𝙸𝚃𝙰𝚁 「✧」𝒆u sou arte e conhecimento, eu sou o dia e a escuridão・↷❯❯ 𝓹𝓇𝑜𝓉𝑒𝓉𝑜𝓇 𝑒 𝓉𝑒𝓃𝓉𝒶𝒹𝑜𝓇, aquele que faz seu coração bater • • 𝒆u te falei sobre amor, você só entendia a sedução • • 𝒆u te mostrei o belo e fez dele sua única obsessão; eu só queria dar sentido a suas vidas✰˙› 𝓐pesar de suas premonições, para você eu desobedeci❞ 𝙴𝚖 𝚛𝚎𝚝𝚛𝚒𝚋𝚞𝚒𝚌̧𝚊̃𝚘, eles me chamam por 𝕾𝖆𝖙𝖆𝖓.

Deixando um pouco de lado a parte intelectual, Lucien é relativamente bom em fazer alguns trabalhos que exigem esforço braçal, como consertar coisas não tão mirabolantes e complexas. Por ter crescido dentro de casa, observando e ajudando sua mãe, é familiarizado com os problemas que uma casa pode ter, assim como na parte organizacional. Tudo o que faz, procura fazer de forma impecável, então não preciso dizer que seu trabalho doméstico é sempre muito bem feito. Costura, arrumação, culinária, Lucien tem os perfeitos dotes de um dono de casa, assim como a paciência necessária para fazer uma faxina pelo menos duas vezes ao dia.

⌜₊Ꮺ*˖✧。 Desde pequeno, Lucien foi um garoto frágil. Sim, seu porte físico era quase esquelético, mal tinha forças para ajudar o pai a carregar madeira para dentro de casa, o que só aumentava a visão de que ele era como uma "menininha". Bem, não podemos lutar contra a genética, infelizmente Lucien nasceu sem qualquer porte atlético. Cansa fácil ao colocar um esforço físico maior do que normalmente coloca, como ao subir uma escada, ou carregar algo. Anda com leveza, suavidade, paciência, não consegue se colocar em uma situação de esforço sem que seja por necessidade, mais especificamente de sobrevivência. Tem uma natureza pacífica, apesar de todos os 'poréns' que neguem isso, digo que ele jamais sujaria as mãos diretamente, ele não tem qualquer habilidade para manusear armas. Tirando os eventos do passado, não consegue se ver lutando contra uma pessoa especializada, prefere assumir uma situação em que seja necessário para defesa pessoal, mas nada muito mirabolante. Tudo que Lucien sabe sobre luta é que, assim que estiverem com a guarda abaixada ou acabarem sendo imobilizados, ele deve correr. Suas reações naturais quando tocado não devem ser citadas como habilidades de luta, pois ele apenas utiliza da agressão no intuito de defesa pessoal, não costuma ser nada coreografado ou pensado, apenas tem bons reflexos.

Escreveu (𝑛𝑎̃𝑜 𝑚𝑒 𝑝𝑟𝑒𝑛𝑑𝑜 𝑎 𝑝𝑒𝑞𝑢𝑒𝑛𝑜𝑠 𝑝𝑟𝑎𝑧𝑒𝑟𝑒𝑠, 𝑚𝑎𝑠 𝑐𝑜𝑛𝑓𝑒𝑠𝑠𝑜 𝑎𝑑𝑚𝑖𝑟𝑎-𝑙𝑜𝑠. 𝐴𝑖𝑛𝑑𝑎 𝑠𝑜𝑢 𝘩𝑢𝑚𝑎𝑛𝑜, 𝑛𝑜 𝑓𝑖𝑚 𝑑𝑎𝑠 𝑐𝑜𝑛𝑡𝑎𝑠.)
◟✦˙› 。 𝗥𝗘𝗟𝗜𝗤𝗨𝗜𝗔𝗦 𝗔𝗡𝗧𝗜𝗚𝗔𝗦 ❪★❫❝ˑ. 𝗦𝗘𝗡𝗧𝗔𝗥 𝗘𝗠 𝗦𝗨𝗔 𝗣𝗜𝗟𝗛𝗔 𝗗𝗘𝗦𝗢𝗥𝗚𝗔𝗡𝗜𝗭𝗔𝗗𝗔 𝗗𝗘 𝗟𝗜𝗩𝗥𝗢𝗦 ❪★❫❝ˑ. 𝗖𝗢𝗠𝗜𝗗𝗔𝗦 𝗔𝗣𝗜𝗠𝗘𝗡𝗧𝗔𝗗𝗔𝗦 ❪★❫❝ˑ. 𝗟𝗨𝗚𝗔𝗥𝗘𝗦 𝗧𝗥𝗔𝗡𝗤𝗨𝗜𝗟𝗢𝗦 ❪★❫❝ˑ. 𝗔𝗡𝗗𝗔𝗥 𝗗𝗘𝗦𝗖𝗔𝗟𝗖̧𝗢 ❪★❫❝ˑ. 𝗣𝗘𝗦𝗦𝗢𝗔𝗦 𝗢𝗕𝗝𝗘𝗧𝗜𝗩𝗔𝗦 ❪★❫❝ˑ. 𝗖𝗢𝗡𝗧𝗔𝗥 𝗛𝗜𝗦𝗧𝗢́𝗥𝗜𝗔𝗦 𝗔𝗢 𝗔𝗦𝗖𝗘𝗡𝗗𝗘𝗡𝗧𝗘 ❪★❫❝ˑ. 𝗝𝗢𝗚𝗢𝗦 𝗠𝗘𝗡𝗧𝗔𝗜𝗦 ❪★❫❝ˑ. 𝗔𝗡𝗜𝗠𝗔𝗜𝗦 𝗗𝗘 𝗠𝗢𝗗𝗢 𝗚𝗘𝗥𝗔𝗟.
Escreveu (𝑛𝑎̃𝑜 𝑔𝑜𝑠𝑡𝑜 𝑑𝑒 𝑟𝑒𝑝𝑒𝑡𝑖𝑟 𝑑𝑢𝑎𝑠 𝑣𝑒𝑧𝑒𝑠, 𝑒́ 𝑖𝑛𝑢́𝑡𝑖𝑙 𝑒 𝑚𝑒 𝑓𝑎𝑧 𝑝𝑒𝑟𝑑𝑒𝑟 𝑡𝑒𝑚𝑝𝑜. )
◟✦˙› 。 𝗟𝗨𝗚𝗔𝗥𝗘𝗦 𝗔𝗕𝗔𝗙𝗔𝗗𝗢𝗦 ❪❁❫❝ˑ.𝗔𝗣𝗘𝗥𝗧𝗢𝗦 𝗗𝗘 𝗠𝗔̃𝗢𝗦❪❁❫❝ˑ.𝗣𝗘𝗦𝗦𝗢𝗔𝗦 𝗤𝗨𝗘 𝗗𝗜𝗩𝗔𝗚𝗔𝗠 ❪❁❫❝ˑ. 𝗜𝗡𝗦𝗢𝗟𝗘̂𝗡𝗖𝗜𝗔 ❪❁❫❝ˑ. 𝗣𝗘𝗥𝗗𝗘𝗥 𝗧𝗘𝗠𝗣𝗢 ❪❁❫❝ˑ. 𝗤𝗨𝗘 𝗢 𝗜𝗡𝗧𝗘𝗥𝗥𝗢𝗠𝗣𝗔𝗠 ❪❁❫❝ˑ. 𝗖𝗢𝗜𝗦𝗔𝗦 𝗘𝗫𝗖𝗘𝗦𝗦𝗜𝗩𝗔𝗠𝗘𝗡𝗧𝗘 𝗗𝗢𝗖𝗘𝗦 ❪❁❫❝ˑ. 𝗤𝗨𝗘 𝗦𝗘 𝗔𝗣𝗥𝗢𝗫𝗜𝗠𝗘𝗠 𝗗𝗢 𝗔𝗦𝗖𝗘𝗡𝗗𝗘𝗡𝗧𝗘 𝗢𝗨 𝗢 𝗙𝗔𝗟𝗧𝗘𝗠 𝗖𝗢𝗠 𝗥𝗘𝗦𝗣𝗘𝗜𝗧𝗢 ❪❁❫❝ˑ. 𝗤𝗨𝗔𝗡𝗗𝗢 𝗜𝗡𝗩𝗔𝗟𝗜𝗗𝗔𝗠 𝗦𝗘𝗨𝗦 𝗣𝗘𝗡𝗦𝗔𝗠𝗘𝗡𝗧𝗢𝗦 ❪❁❫❝ˑ. 𝗣𝗘𝗦𝗦𝗢𝗔𝗦 𝗕𝗔𝗥𝗨𝗟𝗛𝗘𝗡𝗧𝗔𝗦.



Permalink Comentários (6)

[14/06/2020] .daughterofsatan.com

[24/05/2020] .last-of((me))

[10/09/2019] .i think I did it again

[12/07/2019] .little red riding hood