1. Spirit Fanfics >
  2. Membros >
  3. infartei

infartei

infartei
Nome: ・ ₊˚˖༄ ، ┈ gi
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização:
Aniversário: 25 de Outubro
Cadastro:

infartei


⠀⠀ ⠀⠀ ⌜ a / ela / a ⌟
⠀ ⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀ ⠀・ ₊˚˖༄ ، esfj-t; lufana; chalé #𝟷0;⠀
⠀ ⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀ ⠀・ ₊˚˖༄ ، the chandler to my joey & the kat for my bianca∙
⠀ ⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀ ⠀・ ₊˚˖༄ ، gats ⎼ phoebe and rachel to my monica
⠀ ⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀ ⠀・ ₊˚˖༄ ، the bella to my gigi
⠀ ⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀ ⠀・ ₊˚˖༄ ، biuriful people ⍪ hades + fifis

.ELPAD! ela é como doce, ela é tão amável.

Postado

Mostrar Spoiler: 𝐉𝐔𝐕𝐄𝐍𝐓𝐔𝐃𝐄 𝐏𝐄𝐑𝐃𝐈𝐃𝐀 ━━
╭.✿・゚.*・。━━ ❝𝗖𝗢𝗠𝗢 𝗠𝗜𝗡𝗛𝗔 𝗠𝗔𝗘 𝗦𝗘𝗠𝗣𝗥𝗘 𝗙𝗔𝗭 𝗤𝗨𝗔𝗡𝗗𝗢 𝗘𝗦𝗧𝗔́ 𝗜𝗡𝗗𝗘𝗖𝗜𝗦𝗔, 𝗘𝗟𝗔 𝗘𝗦𝗣𝗘𝗥𝗢𝗨 𝗢 𝗧𝗔𝗟 𝗗𝗢 𝗦𝗜𝗡𝗔𝗟 𝗗𝗜𝗩𝗜𝗡𝗢 𝗣𝗔𝗥𝗔 𝗘𝗦𝗖𝗢𝗟𝗛𝗘𝗥 𝗢 𝗠𝗘𝗨 𝗡𝗢𝗠𝗘.❞ RACHEL SEMPRE ACREDITOU tanto em destino quanto que o mundo dá sinais, principalmente nos momentos de indecisão como se o universo a ajudasse a fazer as melhores escolhas e foi seguindo essa linha de pensamento que escolheu o nome de sua primogênita. Passou nove meses não gostando de nenhum dos nomes que cogitava, nenhum parecia perfeito, até que o dia em que a filha viria ao mundo chegou e ainda não tinha qualquer ideia de como ela chamaria, enquanto Edgard dava entrada no hospital, uma menina que tinha uns sete anos se aproximou ao ver a mais velha sofrendo com as dores da contração por causa de sua bolsa que havia estourado, se suprendeu quando a criança insistiu em conversar consigo, segurando sua mão em poucos minutos de conversa e em uma falha e adorável tentativa de distraí-la, embora as intenções fossem as melhores possiveis, a mais nova não conseguiu fazê-la esquecer das contrações apenas falando do quanto queria conhecer um únicornio algum dia. Depois desse momento, não viu mais a garotinha , não mudando o fato de que Rachel ficou encantada e não ousou se esquecer do nome do anjinho que lhe serviu como companhia por bons minutos, tendo a certeza que BRENNA seria o nome de sua filha. Encarou tudo como um sinal, como se aquela menininha fosse sua filha escolhendo seu nome antes mesmo de nascer. Uma tremenda loucura e sempre que Rachel conta essa história pra alguém, Brenna adora se intrometer e dizer que a mãe com certeza fumou algo no dia ou melhor, que ela seria uma perfeita roteirista de Dark. Bree só veio descobrir anos depois que seu nome significa "princesa", e claro, aos seis anos de idade isso foi a melhor coisa do mundo, apesar de agora não ter relevância nenhuma. O segundo nome, SKYLAR foi escolhido pelo seu progenitor em uma homenagem a irmã mais velha que faleceu quando ainda eram crianças, Edgard sempre soube que se algum dia tivesse uma filha, faria seu máximo para homenageá-la. O significado deste nome não importa nenhum pouco, levando em conta que Brenna anula completamente a existência desse nome, principalmente por ter sido dado pelo se progenitor, preferindo fingir que não existe. É conhecida como Brenna Harper, ou Bree Harper para os mais íntimos, mas nunca, em hipótese alguma a chame pelo sobrenome paterno (Cunnigham) e muito menos por Sky, era o apelido que Edgard usava e que ela espera do fundo do coração nunca mais ouvr.

╭.✿・゚.*・。━━ ❝𝐄𝐔 𝐑𝐄𝐏𝐄𝐓𝐈 𝐃𝐄 𝐀𝐍𝐎 𝐏𝐎𝐑𝐐𝐔𝐄 𝐌𝐄𝐔 𝐏𝐀𝐈 𝐄𝐑𝐀 𝐔𝐌 𝐂𝐔𝐙𝐀̃𝐎 𝐃𝐎 𝐂𝐀𝐑𝐀𝐋𝐇𝐎 𝐐𝐔𝐄 𝐌𝐄 𝐒𝐄𝐐𝐔𝐄𝐒𝐓𝐑𝐎𝐔 𝐏𝐎𝐑 𝐔𝐌 𝐀𝐍𝐎, 𝐓𝐀́ 𝐅𝐄𝐋𝐈𝐙 𝐂𝐎𝐌 𝐀 𝐄𝐗𝐏𝐋𝐈𝐂𝐀𝐂̧𝐀̃𝐎?❞ NÃO É A COISA MAIS LEGAL DO MUNDO para Brenna ter que explicar ínumeras vezes que repetiu de ano porque depois do divórcio de seus pais, Edgard com medo de perder a guarda usou do final de semana que Rachel permitia que Bree visitasse o pai para "viajar" com a mais nova para bem longe, em outras palavras, sequestrando a própria filha para que a ex-esposa não ficasse ou vê-se ela, nunca mais se dependesse somente dele. E este ano que passaram escondidos, Brenna não frequentou a escola o que a fez ter perdido um ano, embora, aos oito anos de idade não compreendesse nem que estava sendo raptada pelo próprio pai, muito menos as razões pela qual não estava frequentando a escola, já que o progenitor tinha a convencido que ela tinha ganhado umas férias prolongada por ser uma boa garota. Se tratando de seus aniversários por nunca ter tido uma boa condição financeira, principalmente depois que Edgard foi preso e sua mãe teve que sustentar a casa sozinha, por isso, sempre esteve acostumada com comemorações simples e principalmente, a suas "festas" serem resumidas a ela e a mãe maratonando séries e filmes se enchendo de porcarias por vinte e quatro horas e isso durou até seus treze anos até que sua mãe se casou novamente e seu padrasto Cadu apesar de não ser rico, juntava um dinheiro suficiente para que a afilhada pudesse escolher dar uma festa se assim quisesse ou comprar o presente que desejasse. Foi intercalando entre dar festa em um ano e juntar dinheiro no outro que com ajuda de Cadu ganhou uma moto no aniversário de dezessete anos, sua amada Harley Davidson 883. Brenna está no auge de seus dezenoves anos, tendo nascido no dia vinte e nove de julho, sendo uma verdadeira leonina.

╭.✿・゚.*・。━━ ❝𝐄𝐔 𝐑𝐄𝐀𝐋𝐌𝐄𝐍𝐓𝐄 𝐀𝐌𝐀𝐕𝐀 𝐌𝐀𝐋𝐈𝐁𝐔, 𝐌𝐀𝐒 𝐎𝐃𝐈𝐀𝐕𝐀 𝐂𝐎𝐌𝐎 𝐀𝐐𝐔𝐄𝐋𝐄 𝐋𝐔𝐆𝐀𝐑 𝐍𝐀̃𝐎 𝐄𝐑𝐀 𝐌𝐀𝐈𝐒 𝐓𝐀̃𝐎 𝐌𝐀́𝐆𝐈𝐂𝐎 𝐏𝐎𝐑 𝐂𝐀𝐔𝐒𝐀 𝐃𝐎 𝐌𝐄𝐔 𝐏𝐀𝐈.❞ NASCEU E CRESCEU EM MALIBU, aliás, era onde ambos os pais haviam nascido e crescido também. e de fato, Bree amava a casa que vivia e que se manteve morando mesmo com divórcio de Rachel e Edgard, claro, até que seu pai fizesse com Brenna de oito anos entrasse em um carro alugado no final de semana acreditando que iria para uma "viagem" que durou um ano. Um ano de puro desespero para Rachel que sofria descaso da polícia que não procurava sua filha decentemente porque se tivessem se esforçado no mínimo, a achariam já que a mais nova estava 32h de distância de casa, em um hotel barato em Winscosin. Quando foi encontrada ou melhor, quando Bree aproveitou que o pai tinha ido no mercado comprar algo para comer, desobedeceu achando que não tinha nada de errado em quebrar a regra boba que o pai tinha decretado "de não ligar para ninguém" se fosse apenas por poucos minutos para desejar aniversário para a mãe dela e só. Brenna não tinha noção de que estava sendo procurada ou que tinha sido sequestrada, achava que estava em uma viagem muito longa com o pai e que voltaria pra casa em breve, por isso quando usou telefone do quarto do hotel para discar o número de casa que só sabia de cor porque a progenitora tinha lhe ensinado em caso de outras emergências, deu o melhor presente de aniversário para Rachel porque foi a partir dessa inocente ligação que conseguiram localizar onde a mais nova estava e que a mais velha conseguiu reencontrar sua garotinha. Quando Edgard foi preso e Brenna voltou para Malibu com a mãe, as duas tentaram viver normalmente na mesma casa por um ano, mas conforme foi processando o que tinha acontecido e compreendendo que tinha sido sequestrada pelo próprio pai, mesmo com ele preso, Bree tinha pesadelos constantes e se sentia insegura em Malibu porque em seus pesadelos consistia o progenitor fugindo da prisão e indo atrás dela para levá-la embora novamente, além de Rachel que também não se sentia mais segura com mesmo medo de perder a filha, o que fez com que colocasse a casa para vender e com ajuda de amigos, conseguisse um emprego de professora em uma escola em Miami, se mudando para a cidade, em uma tentativa de deixar todas as experiências ruins para trás.

╭.✿・゚.*・。━━ ❝𝗣𝗢𝗗𝗘 𝗧𝗘𝗥 𝗖𝗘𝗥𝗧𝗘𝗭𝗔 𝗤𝗨𝗘 𝗧𝗘𝗠 𝗜𝗡𝗙𝗟𝗨𝗘𝗡𝗖𝗜𝗔 𝗗𝗘 𝗟𝗜𝗭𝗭𝗢 𝗘𝗠 𝗧𝗢𝗗𝗔 𝗠𝗜𝗡𝗛𝗔 𝗔𝗨𝗧𝗢𝗘𝗦𝗧𝗜𝗠𝗔 𝗔𝗟𝗧𝗔, 𝗘𝗦𝗦𝗔 𝗠𝗨𝗟𝗛𝗘𝗥 𝗘́ 𝗗𝗘𝗨𝗦!❞ NÃO, AUTOESTIMA DE BRENNA NEM SEMPRE FOI TÃO INABALAVEL ASSIM. Quando mais nova, tentou ínumeras vezes se encaixar em padrões que eram impossíveis para ela. Bree cresceu vendo princesas brancas, com cabelos lisos, olhos claros e se perguntou por anos se por ter nenhuma dessas características não poderia ser princesa, a única forma com que Rachel e Edgard a convenceram de que ela poderia ser princesa foi mostrando que este era um dos ínumeros significados do nome dela. Ela detestou seu próprio reflexo por anos e até alisou o cabelo quando era mais nova para tentar ter o mesmo cabelo de suas colegas de sala, mesmo que odiasse passar chapinha, alisou o cabelo por dois anos até que se esgotou e notou o quanto aquilo tinha prejudicado seus fios e cachos. Foi a partir desta época que Bree começou a a trabalhar sua autoestima e entender o quão linda era, o quanto seu cabelo natural é uma das coisas mais belas do mundo e só precisava de cuidados e hidratações. Não foi fácil e nem rapido, toda vez que se cansava de hidratar ou ajeitar o cabelo quase tinha recaídas para voltar a alisar por ser mais prático e por isso, nunca vai permitir ou se importar se alguém que se incomodar com sua autoestima alta. Aprendeu a se amar, a se achar uma grande gostosa e nunca precisou diminuir alguém para se enaltecer, Brenna compreendeu que cada tem a sua própria beleza e que se comparar aos outros e principalmente aos padrões impostos é um desperdicio de tempo e uma crueldade consigo mesma.


╭.✿・゚.*・。━━ ❝𝗘𝗨 𝗥𝗘𝗔𝗟𝗠𝗘𝗡𝗧𝗘 𝗔𝗖𝗛𝗔𝗩𝗔 𝗤𝗨𝗘 𝗠𝗘𝗨 𝗣𝗔𝗜 𝗠𝗘 𝗔𝗠𝗔𝗩𝗔, 𝗠𝗔𝗦 𝗡𝗨𝗡𝗖𝗔 𝗣𝗔𝗦𝗦𝗘𝗜 𝗗𝗘 𝗔𝗟𝗚𝗢 𝗤𝗨𝗘 𝗘𝗟𝗘 𝗣𝗢𝗗𝗘𝗥𝗜𝗔 𝗨𝗦𝗔𝗥 𝗣𝗔𝗥𝗔 𝗠𝗔𝗖𝗛𝗨𝗖𝗔𝗥 𝗠𝗜𝗡𝗛𝗔 𝗠𝗔̃𝗘.❞NÃO HÁ UMA RELAÇÃO ENTRE ELES, principalmente porque desde que a sequestrou e foi preso, Bree não voltou a ter contato com o progenitor. No começo, isso foi uma decisão de Rachel depois que havia acabado de recuperar sua menininha, porém, conforme Brenna cresceu e desenvolveu a capacidade de tomar suas próprias decisões e com a ajuda das sessões de terapia para processar e saber lidar com as coisas que lhe aconteceram da melhor forma, manteve as decisões da progenitora para si, sem a mínima vontade de vê-lo novamente. E como mesmo depois de seis anos desde que foi solto nunca ter sido procurada pelo homem, lhe deu o conforto de saber que a vontade zero de se encontrarem é recíproca, aliás, o seu verdadeiro pai é Cadu e nenhum pedido de desculpas de Edgard poderia ser capaz de mudar. Ele tentar ser presente ou não em sua vida, não mudaria nada, aliás, todo seu repúdio pelo progenitor é em razão do quanto ele fez sua mãe sofrer, e várias coisas tem perdão para Brenna, menos isso, aliás, Rachel lida com esse medo de perder a filha constantemente, mesmo depois de anos do ocorrido.
╭.✿・゚.*・。━━ ❝𝗘 𝗠𝗘𝗦𝗠𝗢 𝗤𝗨𝗘 𝗘𝗟𝗔 𝗗𝗜𝗚𝗔 𝗜́𝗡𝗨𝗠𝗘𝗥𝗔𝗦 𝗩𝗘𝗭𝗘𝗦 𝗤𝗨𝗘 𝗦𝗔𝗕𝗘 𝗤𝗨𝗘 𝗘𝗨 𝗦𝗘𝗜 𝗠𝗘 𝗣𝗥𝗢𝗧𝗘𝗚𝗘𝗥, 𝗔𝗜𝗡𝗗𝗔 𝗦𝗜𝗡𝗧𝗢 𝗢 𝗚𝗥𝗔𝗡𝗗𝗘 𝗧𝗥𝗔𝗨𝗠𝗔 𝗘 𝗢 𝗠𝗘𝗗𝗢 𝗗𝗘 𝗠𝗘 𝗣𝗘𝗥𝗗𝗘𝗥 𝗗𝗘 𝗡𝗢𝗩𝗢.❞ BRENNA E RACHEL SÃO COMO UNHA E CARNE, INSEPARAVEIS. Embora, não seja a maior fã da superproteção da mãe entende o porquê de todo esse excesso de cuidado e zelo nasceu, aliás, odeia imaginar como a mãe sofreu quando desapareceu, aliás, toda vez que esse assunto "proibido" é tocado, Rachel mostra que ainda não sabe lidar bem e que é uma época que deseja apagar de sua vida. Ainda sim, continuam sendo melhores amigas que se conhecem perfeitamente seja a progenitora sabendo quando a mais nova está aprontando ou até a prole que aos treze/quatorze anos já tinha entendido que a mãe estava apaixonada novamente, e tomou a iniciativa de incentivar a mãe a ser feliz com Cadu, se esta fosse a vontade dela. A Harper é um amor de pessoa, na maioria das vezes. Uma verdadeira leoa quando se trata de proteger sua família de qualquer um, sendo bastante tolerante e compreensiva sempre, mas tendo seu limite. Diferente da filha e do marido, Rachel não está envolvida diretamente com os Valencia, e não tem como deixar de se importar que ambos estejam trabalhando para os D'Valencia, não aprova e a maioria de suas discussões tanto com Brenna quanto com Cadu, seu marido, são por causa disso, porque está esgotada do medo de perdê-los. Apesar de Cadu sempre dizer que estar envolvido com a gangue traz um nível de segurança e proteção para ela e a filha que certamente a polícia sequer se esforçaria em dar. Fora estas pequenas (e cada vez mais frequentes discussões) Bree pode dizer com convicção que nunca lhe faltou amor em casa, a ausência de Edgard por anos não foi sentida, principalmente porque era recheada de carinho pela mãe e pelo padrasto, o que tornou os três extremamente unidos em quase tudo. Apesar de geralmente estar trabalhando ou fazendo serviços para Cadu e para os Valencia, Bree adora ir no salão de cabeleleiro que Rachel abriu recentemente para ajudá-la no que precisar, além de adorar distribuir panfletos do estabelecimento para os amigos porque sabe o quanto isso é importante para a mãe, e Bree faz de tudo para que mãe seja feliz porque ela merece isso mais do que todo mundo.
╭.✿・゚.*・。━━ ❝𝗡𝗔̃𝗢 𝗘𝗫𝗜𝗦𝗧𝗘 𝗨𝗠 𝗠𝗢𝗠𝗘𝗡𝗧𝗢 𝗘𝗠 𝗤𝗨𝗘 𝗘𝗟𝗘 𝗘𝗥𝗥𝗢𝗨 𝗖𝗢𝗠𝗜𝗚𝗢, 𝗤𝗨𝗘 𝗡𝗔̃𝗢 𝗠𝗘 𝗣𝗥𝗢𝗧𝗘𝗚𝗘𝗨 𝗢𝗨 𝗤𝗨𝗘 𝗡𝗔̃𝗢 𝗖𝗨𝗠𝗣𝗥𝗜𝗨 𝗔𝗦 𝗣𝗥𝗢𝗠𝗘𝗦𝗦𝗔𝗦 𝗤𝗨𝗘 𝗙𝗘𝗭, 𝗖𝗔𝗗𝗨 𝗦𝗘𝗠𝗣𝗥𝗘 𝗙𝗢𝗜 𝗨𝗠 𝗣𝗔𝗜 𝗣𝗘𝗥𝗙𝗘𝗜𝗧𝗢.❞ DANDO RAZÃO AO CLICHÊ DE QUE PAI É QUEM CRIA, BREE VÊ CADU COMO SEU PAI e também, como seu melhor amigo. A aproximação e intimidade que os dois criaram teve como base o fato que Cadu não entrou em sua vida impondo regras ou tentando ser o pai dela, fez de tudo para ser amigo dela e o resto apenas aconteceu, como uma espécie de recompensa por todo esforço que fez em protegê-la e ajudá-la a se sentir segura na sua própria casa. Bree nunca se importou com o padrasto ser parte da gangue Valência, isso nunca foi um problema, de certa forma, Cadu fez com que a mais nova se sentisse segura. Faz seis anos que Cadu está em sua vida, seis aniversários que ganha presentes e festas que ele faz questão de bancar, seis anos que tem conquistado cada vez mais sua independência com ajuda dele, seis anos desde que o mais velho entrou em sua vida e a ama como se fosse sua filha. Não se lembra de nenhum momento de todo esse tempo onde ele falhou consigo, em todos aspectos, o seu padrasto esteve presente; em todas as apresentações de escola que poderia ir, em todo momento ruim de sua vida tinha o abraço de Rachel e de Cadu para lhe confortar, e principalmente em cada vez que precisou de alguém para reforçar que faria de tudo para protegê-la, ele estava lá. Carlos Educado mostra seu melhor somente para as mulheres de sua vida, e o pior para quem mexe com elas. Não se engane pelo pai e marido amoroso que ele é, isso não faz com que seja fácil lidar com ele quando o mesmo está irritado, aliás, não é atoa que faz parte dos Valência, não tem piedade ou sangue de barata para aturar empecilhos, traíras e tampouco idiotas que atrapalham os negócios. Sua esposa e afilhada são as únicas que conseguem o convencer ou tem o direito de o pedir qualquer coisa, o resto do mundo precisará lutar muito se desejar o convencer de qualquer coisa.

╭.✿・゚.*・。━━ ❝𝗤𝗨𝗔𝗡𝗗𝗢 𝗚𝗔𝗡𝗛𝗘𝗜 𝗦𝗣𝗢𝗢𝗞𝗬, 𝗗𝗘𝗩𝗘𝗥𝗜𝗔 𝗦𝗘𝗥 𝗨𝗠 𝗖𝗔̃𝗢 𝗗𝗘 𝗚𝗨𝗔𝗥𝗗𝗔, 𝗠𝗔𝗦 𝗢 𝗠𝗜𝗠𝗔𝗠𝗢𝗦 𝗗𝗘𝗠𝗔𝗜𝗦 𝗘 𝗧𝗥𝗘𝗜𝗡𝗔𝗠𝗢𝗦 𝗣𝗢𝗨𝗖𝗢 𝗝𝗔́ 𝗤𝗨𝗘 𝗘𝗟𝗘 𝗦𝗘 𝗧𝗢𝗥𝗡𝗢𝗨 𝗨𝗠 𝗖𝗔𝗖𝗛𝗢𝗥𝗥𝗢 𝗕𝗢𝗕𝗔̃𝗢 𝗘 𝗠𝗔𝗡𝗛𝗢𝗦𝗢 𝗡𝗔 𝗠𝗔𝗜𝗢𝗥𝗜𝗔 𝗗𝗢 𝗧𝗘𝗠𝗣𝗢.❞ QUEM VÊ BREE PASSEANDO COM SPOOKY pode jurar que ambos parecem que estão prestes a matar qualquer um que cruzar seu caminho, mas assim como sua dona, Spooky é um completo doce e bobão assim que ganha intimidade e toda sua pose de bravo vai cair por terra. Spooky odeia ficar distante de Brenna, por isso, o que o torna um total grude e protetor com ela, não saindo de perto a menos que receba ordens dela e claro, Bree não está tão distante já que adora levar o pastor alemão para cada canto que tem oportunidade. Cadu e Rachel não estão errados quando afirmam repetida vezes que ele é uma versão animal de Brenna, já que tentar forçar intimidade com Spooky não é a ideia mais inteligente, ele costuma gostar de todos que estão no dia a dia de Bree, mas caso ele não goste, não tente forçar porque isso irá lhe render um grande machucado de uma mordida. Geralmente, só ataca com as ordens da Harper, mas sempre existem exceções e isto inclui momentos como se alguém estiver perturbando a paz ou a soneca dele, e principalmente, qualquer um que altere o tom de voz na hora de falar com Bree, Cadu ou com Rachel.
╭.✿・゚.*・。━━ 𝗔𝗡𝗢 𝟭𝟵𝟵𝟴. Rachel e Edgard se conheceram ainda desde os quatorze anos e não desgrudaram mais se assumindo como casal no ensino médio, não eram o mais popular, mas realmente se amavam e pareciam donos de um amor que iria perdurar por toda a eternidade. Depois que se formaram, juntaram dinheiro e quando ambos estavam no auge de seus vinte e três anos se casaram tanto com dinheiro que Rachel conseguia como garçonete, tanto quanto Edgard ganhava começando sua profissão futebol americano jogando no time Oakland Raider. Ainda sim, Rachel não tinha cursado administração como desejava, porque meses depois que se formou no colegial, sua mãe foi diagnosticada com câncer no fígado e a Harper adiou todos seus planejamentos para dedicar seus cuidados e uma parte do salário no tratamento da progenitora.

𝗔𝗡𝗢 𝟭𝟵𝟵𝟵 𝗘 𝟮𝟬𝟬𝟬. A Harper não pôde aproveitar da novidade de estar grávida, já que quatro dias depois que os seus exames mostraram resultado positivo, sofreu de uma trágica perda. Como era esperado há meses pelos médicos, a mãe de Rachel faleceu por causa de seu câncer, antes mesmo de poder ter conhecimento que seria avô. Morreu antes de saber que em nove meses Brenna iria vir ao mundo. Em 29 de julho de 2000, Brenna Skylar Harper Cunningham nasceu, sendo o grande raio de luz na vida dos pais.

𝗕𝗥𝗘𝗡𝗡𝗔, 𝗢𝗜𝗧𝗢 𝗔𝗡𝗢𝗦.O casamento dos pais da Brenna foi completamente saudável e feliz por oito anos, onde nada parecia poder abalá-lo realmente, os três formavam uma família linda e feliz. Rachel acabou continuando a adiar a faculdade, e passou a trabalhar como cabeleireira no salão de uma amiga, tinha medo de uma universidade sobrecarregar Edgard ou lhe fazer ser uma mãe ausente. O que abalou, de fato toda a estrutura desta família foi a lesão pubalgia que afastou Edgard dos jogos e do time, mesmo podendo melhorar com tempo, o Cunningham não lidou bem com tal decisão do treinador e descontava seu estresse seja da dor ou da frustração profissional em Rachel que não ouvia quente e rendia brigas quando Brenna estava na escola ou brincando na casa de alguma amiga, a mais nova não tem memórias de tais discussões porque nunca as presenciou realmente, tudo que viam era fragmentos de uma clima tenso ou início de uma briga onde era mandada para o quarto ou para a vizinha/babá. Rachel aturou todas as birras e o mau humor do marido por meses, mas quando notou que ele estava começando com vícios como bebida e até mesmo drogas que tinha conseguido com outros colegas do time para "aliviar a dor", soube que não aceitaria aquilo na sua vida e não seria ela quem daria uma segunda chance, por isso na semana seguinte que descobriu desse vício arrumou os papéis para pedir o divórcio.

𝗕𝗥𝗘𝗡𝗡𝗔, 𝗡𝗢𝗩𝗘 𝗔𝗡𝗢𝗦. Edgard não lidou bem com o pedido de divórcio, Rachel sempre soube disso, mas ele pareceu se comportar bem. Fez suas malas e foi viver em um flat que os salários como jogador lhe proporcionaram, embora, tenha torrado todo dinheiro com bebida e drogas meses depois, por isso, vez ou outra era negligente quando a pensão de Brenna. Confiando no homem que se casou, a Harper mais velha nunca impediu o contato dele com a filha porque sabia que tanto a mais nova quanto o homem eram grudados e melhores amigos, deu voto de confiança de que Edgard nunca a machucaria, mas então, quando os problemas com as drogas se intensificaram, a progenitora em um ato de preocupação quis brigar pela guarda, não achava que o ex marido estava em condições de ser responsável pela mais nova e ele aparentemente tinha lidado bem e concordado. E então, no final de semana que tinham combinado que Brenna passaria dois dias na casa do pai, ele surtou, enganando a filha e dizendo que os dois iriam viajar por um tempo e depois voltariam, e foi desta forma que Edgard sequestrou a própria pole e desejou Rachel em desespero por um maldito ano.

𝗕𝗥𝗘𝗡𝗡𝗔, 𝗗𝗘𝗭 𝗔𝗡𝗢𝗦. Não importava o quanto Rachel distribuísse panfletos em cada esquina com a foto de Brenna, nem o quanto pedisse ajuda para polícia que investigava com descaso até ouvindo de alguns policiais cochichando entre si que a criança não corria perigo porque está com o pai, a única razão pelo qual pôde ver Brenna novamente foi porque a filha não tinha ideia de que tinha sido raptada pelo próprio progenitor. Bree realmente achava que estava em um viagem de longos meses com Edgard e que em semanas voltaria para casa, pelo menos era isso que o mais velho lhe respondia toda vez que dizia estar com saudade de sua mãe e era proibida de ligar para a progenitora porque era um "acordo" de que não ligariam para ela porque a saudade tinha que ser gigantesca para que a mais nova recebesse o abraço mais gostoso quando se encontrassem novamente. Só que a caçula não gostou de passar o aniversário de Rachel sem parabenizá-la, aproveitando a saída do pai para comprar comida para usar o telefone do quarto de hotel para que ligasse para casa ━ número este que só tinha decorado porque tinha aprendido com a mais velha em casos de emergência. E antes que o Cunningham percebesse que a mais nova tinha lhe desobedecido, era tarde demais, já estava sendo preso e levado enquanto Brenna era levada de volta até os braços de Rachel, que estava emocionalmente destruída porque os doze meses sem a prole foram um pesadelo para si.

𝗕𝗥𝗘𝗡𝗡𝗔, 𝗗𝗢𝗭𝗘 𝗔𝗡𝗢𝗦. Dois anos se passaram, Rachel se mudou para Miami um ano depois que se reencontrou com Brenna, querendo deixar todos os fantasmas do passado para trás, e se empenhou em trabalhar em um salão cabeleireiro perto de casa para que fosse uma mãe presente para Brenna, principalmente, depois que a prole passou a ter muito pesadelos relacionados a Edgard, aliás, ainda estava no processo de compreender melhor porque o progenitor estava afastado e não podia mais vê-lo. Bree frequentou sessões de terapia em razão de que Rachel desejava uma ajuda profissional para a mais nova lidar da melhor forma com tal situação, principalmente, porque em meados de novembro de 2013, Edgard foi solto. Rachel deixou que Bree soubesse disso para não ser uma surpresa desagradável mesmo que a chance dele vê-las novamente era improvável, principalmente porque a progenitora cortou todas as conexões possíveis que pudessem levar até elas, e como esperado, Edgard não voltou a vê-las. Bree não se importa de saber se é porque ele não quis, ou porque não sabe onde encontrá-las, não tem mínima vontade em ter um reencontro com o “pai”.

𝗕𝗥𝗘𝗡𝗡𝗔, 𝗧𝗥𝗘𝗭𝗘 𝗔𝗡𝗢𝗦. Ainda frequentando a terapia, que mostrou ser um completo sucesso com o passar dos anos, Bree conseguiu lidar com esses eventos passados de uma maneira, que atualmente eles não interferem mais em nada de sua vida pessoal. Se considera bem resolvida quanto a eles. Em 2013, tudo em sua vida se encaixou de uma forma perfeita, aliás, foi quando Carlos Educado apareceu em sua vida, ou melhor, na vida de Rachel. Bree jamais foi capaz de esquecer que quando a sua condição financeira e de sua mãe não era exatamente a melhor, e isso resultava nelas terem que ir para todos lugares a pé e voltarem da mesma forma cheia de compras do mercado, seu vizinho Cadu sempre que podia oferecia carona, e na maioria das vezes, Rachel negava por receio, mas com passar dos meses e da vivência, passou acreditar que as caronas não passavam de uma simples gentileza, o que realmente eram. A partir disso, Bree não parou de ver o mais velho frequentando sua residência seja para ajudá-las em emergências com encanamento, a montar móveis ou quando engatou em um romance com sua mãe, relacionamento este que tentaram esconder da mais nova, mas não sabe se era esperta demais ou eles disfarçavam de menos, mas soube desde o começo que sua mãe estava apaixonada por Cadu; e se não fosse por Brenna tendo a iniciativa de dizer para sua mãe em meio a um jantar (que tinha Cadu como convidado) que estava tudo bem se eles quisessem se casar, e apesar de ambos mais velhos terem rido na hora em que a mais nova disse isso, como se fosse algo sem importância. No final das contas, eles realmente se casaram, em junho de 2014.

𝗕𝗥𝗘𝗡𝗡𝗔, 𝗗𝗘𝗭𝗘𝗦𝗦𝗘𝗜𝗦 𝗔𝗡𝗢𝗦. Depois do casamento de Cadu e Rachel, a vida de Bree melhorou muito em todos os aspectos possíveis, sendo um deles, sua condição financeira. Desde o começo do relacionamento, Cadu não escondeu que estava envolvido com gangue dos Valência para Rachel, apesar de ter mostrado sua desaprovação, a mulher aparentemente lidou bem com essa parte nada dócil da vida de seu marido, até no começo considerou ser uma vantagem, já que mesmo depois de anos, o medo de Edgard voltar e querer contato com Brenna ou causar mal a elas era grande. Por isso, isso nunca foi um tópico para as pequenas discussões que tiveram até que Bree se interessasse em estar envolvida em parte disso, quando a jovem mostrou interesse em aprender a tirar tão bem como Cadu assim como a aprender a lutar para se defender, e o padrasto se dedicou em ajudá-la em ambas coisas. Foi nesta época que Rachel mostrou os primeiros sinais de relutância, mas pensou que querendo ou não, poderia ficar mais tranquila porque a filha poderia sempre se defender, mas tudo se tornou intolerável para a progenitora quando Bree acabou por se envolvendo demais nesse mundo de Cadu, o ajudando sempre que podia e deixando a escola um pouco de escanteio sem o consentimento do padrasto e principalmente o da mãe, resultando na sua repetição de ano em Bayshore. Ocasionou em uma das maiores brigas entre Cadu e Rachel, já que ela achava que o padrasto estava envolvido em tal desleixo de Bree com a escola, de tanta culpa que sentiu pela desavença dos mais velhos, Brenna prometeu não faria mais isso e passou a se dedicar somente para escola por cerca de uns dois meses, até o tédio lhe tirasse do sério e se vê-se implorando para que Cadu a arrumasse algo pra fazer. Querendo ou não, ela se sentia próxima e conectada ao padrasto nessa vida, e sempre gostou da adrenalina que começar a fazer parte da gangue dos Valência trouxe para sua vida. É óbvio que sua progenitora não gostou nenhum pouco, principalmente quando ela fez isso pelas suas costas por meses, mas novamente apesar de ter sido um processo mais longo, Rachel fingiu aceitar essa parte da vida de Brenna e de Cadu, mas proibiu esse assunto durante o jantar e não suporta saber detalhes, além de que nos dias que está mais sem paciência mostra a sua verdadeira opinião; a de que não suporta esses riscos que a filha e o marido correm constantemente, desaprovando completamente. E nesses dias, a harmonia e união na casa deles é destruída completamente, já que Brenna está bem convicta do que está fazendo, e bem, Cadu sempre está cuidando dela, mas isso nunca será o suficiente para convencer a Rachel.

Permalink Comentários (14)

[11/03/2021] .(SWM).:não há como ser forte o tempo todo, uma hora você simplesmente desmorona.:

[11/03/2021] .(SWM).:a rejeição se torna uma velha amiga quando lida com ela constantemente.:

[11/03/2021] .(SWM).:até onde você iria para não ficar sozinha novamente?.:

[10/03/2021] (BB).:eu me apaixonei pelo que inventei de você.:


Atualizações do Usuário

Usuário: infartei
se eu pego essa mal carater desrespeitosa na rua
Usuário: infartei
a falta de carater ainda mata um
Usuário: infartei
entrando aqui pq n posso entrar em outra rede social sem levar spoiler de obx
Usuário: infartei
ESTA AQUI ME FEZ FELIZ QND MAIS NGM FEZ ttps://www.spiritfanfiction.com/historia/clausulas-de-contrato-22705385/capitulo1
História Cláusulas de Contrato
História Cláusulas de Contrato
Leia o capítulo 1 da História Cláusulas de Contrato - História escrita por bellyachx - "Agora espere, espere, espere por mim. Eu te verei quando cair no sono." ..
Usuário: infartei
Favoritei a história
História: Cláusulas de Contrato
História: Cláusulas de Contrato
"Agora espere, espere, espere por mim. Eu te verei quando cair no sono." Ah, a adolescência. Ela vem como um tsunami em nossas vidas e invade tudo, deixando pouquíssimas coisa..