1. Spirit Fanfics >
  2. Membros >
  3. Virtuose

Virtuose

Virtuose
Nome: Virtuose
Status: Usuário
Sexo: Masculino
Localização: Four Steps From Hell
Aniversário: Indisponivel
Cadastro:

Virtuose


Discord: Virtuose#1872

(Refazendo)

Os Quatro Atos do Virtuoso

Postado

Os Quatro Atos do Virtuoso

Um.
A arma em sua mão era simplesmente uma ferramenta, mas foi criada com perfeição. Letras douradas desenhadas em baixo relevo no metal preto esverdeado formavam o nome do artesão: um detalhe que mostrava o orgulho e a confiança de seu criador. Não era uma arma piltovense — aquelas coisas enfadonhas que tentam funcionar com quantias minúsculas de magia disponíveis em suas terras. Não, essa arma foi feita por um verdadeiro mestre da forja. Pulsava magia de seu coração ioniano de bronze.
Ele limpou o corpo da arma uma quarta vez. Ele só teria certeza de que estava limpa quando a tivesse limpado quatro vezes. Não importa se a havia usado ou não. Não importa que ele só ia guardá-la na bolsa debaixo da cama. Ele não a guardaria até que tivesse certeza de que estava limpa, e não teria certeza de sua limpeza até que a tivesse limpado quatro vezes. Mas já estava bem limpa. Quatro vezes era o suficiente.

Estava limpa e estava maravilhosa. Seus novos patronos haviam sido generosos. Mas, afinal, não merecem os melhores pintores os melhores pincéis?

A escala e a precisão do novo dispositivo faziam suas obras anteriores, feitas com espadas, parecerem insignificantes em comparação. Entender os mecanismos de uma arma de fogo lhe custara semanas de estudo, mas evoluir suas técnicas de ki das lâminas havia levado meses.

A arma tinha capacidade para quatro disparos. Cada projétil estava imbuído com energia mágica. Cada um era tão perfeito quanto a espada de um monge lassilano. Cada um seria a tinta da qual sua arte fluiria. Cada um era uma obra-prima. Eles não simplesmente perfuravam o corpo. Eles o reorganizavam.

O ensaio no vilarejo do moinho já havia mostrado o potencial de sua arma. E seus novos empregadores estavam satisfeitos com a recepção de seu trabalho.

Ele havia terminado o seu polimento, mas, com a arma empunhada na mão direita, a tentação era grande demais. Ele sabia que não deveria, mas mesmo assim desempacotou o corpete preto de pele de enguia. E raspou de leve a ponta dos dedos da mão esquerda na superfície escorregadia da veste. A sensação da superfície oleosa da pele acelerou sua respiração. Ele pegou a máscara apertada de couro e, incapaz de impedir a si mesmo, deslizou-a sobre a face. Ela cobriu seu olho direito e sua boca. Ela limitava sua respiração e removia a percepção de profundidade…

Perfeito.

Ele colocava a ombreira quando os sinos que havia escondido nos degraus que levavam ao seu quarto haviam soado. Então rapidamente guardou a arma e removeu a máscara.

"Olá”?, perguntou a servente, detrás da porta. O tom de sua voz sugeria que vinha do sul dessa cidade.

"Você fez o que eu pedi?”, perguntou ele.

"Sim, senhor. Um lampião branco a cada quatro metros. Um lampião vermelho a cada dezesseis."

"Então, já posso começar”, disse Khada Jhin enquanto abria a porta de seu quarto.

Os olhos da mulher se arregalaram vendo-o sair do cômodo. Jhin sabia muito bem o que aparentava. Seu visual normalmente evocava ânsias de repugnância autoconscientes, mas hoje era dia de apresentação.

Hoje, Khada Jhin mostrava uma silhueta fina e elegante, caminhando acompanhado de uma bengala. Estava corcunda e sua capa parecia ocultar uma enorme deformidade em seu ombro, mas seus vistosos passos largos desviavam a atenção. Ele batia a bengala no chão com força, passos à sua frente, enquanto marchava em direção à janela. Então cutucou sua moldura ritmadamente — três batidas, e então uma quarta. Seu ouro reluzia, sua capa bege fluía e suas joias fulguravam sob o sol.

"O que… O que é isso?”, perguntou a servente, sinalizando em direção ao ombro de Jhin.

Ele pausou por um momento para estudar o rosto querubínico da mulher: era redondo e perfeitamente simétrico. Um projeto medíocre e previsível. Removido, ele daria uma péssima máscara.

"É para o meu crescendo, querida”, disse Khada Jhin.

Da janela da pousada, ele tinha uma visão clara do resto do vilarejo no vale abaixo. Essa apresentação teria de ser esplendorosa, mas ainda havia muito trabalho a fazer. O conselheiro estaria de volta essa noite e, até o momento, todos os planos de Jhin para a noite pareciam… Sem inspiração.

"Trouxe algumas flores para os seus aposentos”, disse a mulher, passando por ele.

Talvez ele devesse ter usado outra pessoa para colocar os lampiões. Mas não usou. Ele podia ter trocado de roupa antes de abrir a porta. Mas não trocou. Agora, ela havia visto Khada Jhin em sua finesse.

A inspiração de que ele precisava estava tão óbvia agora. Tão pré-ordenada. Nunca houve uma escolha. Não havia como escapar da Arte.

Ele teria que tornar o rosto de sua servente... Mais interessante.

Dois.
O porco glaceado brilhava sobre o caldo de cinco sabores. O aroma enfeitiçava Shen, mas ele havia colocado sua colher de lado. Conforme saía a garçonete, ela sorriu e acenou com a cabeça, aprovando. A gordura ainda precisava derreter no caldo. Sem dúvida, a sopa já estava excelente, mas o sabor atingiria o seu ápice em um momento. Paciência.
Shen considerou o interior da Pousada Rochedos Brancos. Ele era enganosamente simples e rústico. Os tecelões de madeira haviam feito um trabalho magistral, removendo a casca da árvore e folhas vivas somente onde necessário.

Foi então que a vela na mesa de Shen bruxuleou... De forma estranha. Ele se afastou da mesa, deslizando, recuperando as espadas debaixo de sua capa.

"Seus discípulos são tão silenciosos quanto uma voráce prenha”, disse ele.

Sozinho e vestido como um mercador, Zed entrou na pousada. Passando rapidamente pela garçonete, ele sentou-se a três mesas de distância. Cada parte de Shen queria avançar em seu adversário; vingar-se da morte de seu pai. Mas essa não era a maneira do Crepúsculo. Ele se acalmou enquanto percebia que a distância era muita, mesmo que fosse a distância de seu dedo indicador.

Shen fitava Zed, esperando vê-lo sorrir ironicamente. Em vez disso, seu rival suspirou. Sua pele estava pálida e dobras escuras sobravam debaixo de seus olhos.

"Por anos eu esperei”, disse Shen."

"Julguei mal a distância?”, perguntou Zed, exausto.

"Mesmo que desse para cortar minha cabeça, já teria me aproximado e atacado”, continuou Shen, deslizando seu pé para trás e inclinando-o contra o piso. Zed estava a dez passos e meio dedo de distância.

"Seu caminho é mais parecido com o meu. Os ideais de seu pai eram uma fraqueza. Não havia mais como Ionia suportá-los”, disse Zed. Ele inclinou-se para trás, no encosto da cadeira, mantendo-se fora do alcance que Shen precisaria para desferir um golpe letal. "Eu sei que não é algo que possa fazer com que compreenda. Contudo, eu lhe ofereço uma chance para ter sua vingança."

Shen moveu-se alguns centímetros, ficando à beira de seu assento. "Eu não ajo por vingança. Você afronta o equilíbrio. E, por isso, será condenado."

"O Demônio Dourado escapou”, disse Zed, sucintamente.

"Impossível”, respondeu Shen, sentindo um vazio tomar conta de seu peito.

"A maior vitória de seu pai. E agora, mais uma vez, sua piedade tola manchou seu legado." Zed balançou a cabeça. "Você sabe do que aquela… coisa… é capaz." Zed então debruçou-se sobre a mesa, bem dentro do alcance de Shen — com o pescoço perfeitamente exposto. "E você sabe que somos as únicas duas pessoas que podem se aproximar o suficiente para impedi-lo."

Shen lembrou-se da primeira vez que havia visto o cadáver de uma das vítimas do infame Khada Jhin. A memória lhe fez arrepiar a pele e pressionar os dentes. Somente seu pai havia sido forte o suficiente para ainda acreditar que uma justiça clemente havia de ser servida.

Foi naquele dia que algo mudou em Shen. E se quebrou em Zed.

Agora, o monstro estava de volta.

Shen colocou suas espadas sobre a mesa e voltou a olhar para a vasilha perfeita de sopa à sua frente. Gotículas da gordura do porco brilhavam em sua superfície, mas ele já não sentia mais fome.

Três.

Ainda não havia nenhum sinal de Zed. Isso era decepcionante. Muito decepcionante. Ele certamente deve ter ido buscar seu antigo amigo. Provável que estivesse se escondendo, espreitando. Jhin precisava ser cauteloso.
A partir do quebra-mar, Jhin olhou de volta em direção ao navio estrangeiro. A maré havia subido e o navio partiria em não muito tempo. Ele teria de voltar logo se quisesse fazer seu espetáculo em Zaun no mês que vem. Eram riscos acima de riscos.

Ele parou para conferir seu reflexo em uma poça. Da água, um mercador velhote e preocupado fitou-lhe de volta. Anos de prática em atuação, combinados com seu treinamento marcial, haviam lhe dado controle total dos músculos do rosto. Era um rosto comum — e ele havia lhe dado uma expressão trivial. Assim que subiu a colina, Jhin misturou-se facilmente na multidão.

Ele conferiu os lampiões brancos acima de si, contando a distância. Se Zed aparecesse, ele precisaria deles. Na pousada no cume da colina, ele observou as jardineiras onde havia escondido armadilhas. Lâminas afiadas de aço em forma de flores. Elas protegeriam sua rota de fuga caso algo desse errado.

Ele pensou em como o metal deslizaria através da multidão e espalharia um vermelho vivo sobre o verde azulado recém-pintado das paredes do edifício. Era, de certo, tentador.

Ele avançava pela multidão quando ouviu o ancião da vila falando com Shen.

"Por que o demônio atacaria ela e os conselheiros?”, perguntou o velho.

Shen, vestido em seus trajes azuis, não respondeu.

Outro membro dos Kinkou, uma jovem chamada Akali, ficou ao lado de Shen. Ela caminhou até a porta da pousada.

"Não”, disse ele, bloqueando seu trajeto.

"O que te faz pensar que não estou pronta?”, desafiou Akali.

"Que, quando tinha sua idade, eu não estava."

Naquele momento, um guarda da cidade entrou aos tropeços; seu rosto pálido e vazio.

"A carne dela foi... Ela foi...” Ele deu alguns passos e caiu no chão, inconsciente pelo choque.

Contra a parede do outro lado, o dono da taverna riu. Depois começou a chorar — seu rosto pintado pela loucura. "Ele viu. Ele viu a flor!"

Essas não eram pessoas que esqueceriam do trabalho de Khada Jhin.

Shen olhou atentamente para os rostos dos transeuntes.

Rapaz inteligente, pensou Jhin, antes de desaparecer entre a multidão.

Ele conferiu os telhados em busca de Zed conforme voltava para o navio.

O trabalho era inescapável. Juntos ou separados, Zed e Shen iriam atrás das pistas que ele deixou. Elas os levariam de volta ao Festival da Florescência. De volta à Passagem de Jyom. E, quando estiverem desesperados, trabalharão juntos novamente.

Será como haveria sido quando eram mais jovens. Eles se amontoariam, juntos, em desespero e medo.

Só então que o grande Khada Jhin revelará a si mesmo…

E sua verdadeira obra-prima terá início.

Quatro.

Permalink Comentários (2)

Atualizações do Usuário

Usuário: Virtuose
Óbvio, o Garu é a coruja mais sexy do planeta
Usuário: Virtuose
Tu é meu garu-sama então, beleza? 🦉
Usuário: Virtuose
Pode te chamar de minha corujinha, Gi? 🦉🤡