1. Spirit Fanfics >
  2. A parte mais doce do destino >
  3. Best of Me

História A parte mais doce do destino - Capítulo 13


Escrita por:


Capítulo 13 - Best of Me


Fanfic / Fanfiction A parte mais doce do destino - Capítulo 13 - Best of Me

[ELLIE ON]

Depois de finalmente concluirmos o que já havíamos começado dias atrás ficamos deitadinhos, um olhando para os olhos do outro, silenciosos, perdidos em nossos próprios pensamentos e aproveitando aquele lugar tão especial.

Yoongi, toca um pouco pra mim? Eu perguntei olhando para o teclado...

Colocamos algumas peças das nossas roupas pois estava muito frio e ele abriu o instrumento musical. Antes de começar disse que era para eu perdoá-lo se eu ele errasse algo pois não gostava muito de tocar em público.

Em público? Só tem eu aqui Yoongi e já fizemos coisa muito mais complicada que isso.

Ele sorriu sem jeito e começou a dedilhar as teclas, baixinho, timidamente, ele cantarolava a letra da música que certamente era de autoria própria mas ele não quis comentar e eu achei melhor respeitá-lo.

Um estrondo vindo lá de baixo de fez dar um pulo na cama. Puxei o lençol e cobertores para cima de mim, tampando até a cabeça.

Calma Ellie, elas chegaram... Com certeza são a minha avó e mãe e se eu conheço essas duas vão fazer um escândalo quando me virem aqui. Disse Yoongi tentando me acalmar.

Yooongiii??? Yoongiii ta aqui???!!!

Ó... Não falei.

Ye Halmeoni! Ele gritou do quarto.

Apareça então..

Arassô!

Yoongi levantou-se e começou a por mais algumas peças de roupa. Me espere aqui, OK? Vou avisar que você está dormindo, descansando da viagem. Se alguém perguntar, viemos tirar as fotos do nosso trabalho.

Ouvi Yoongi falando com a avó e a mãe e achei melhor me arrumar. Tive medo da reação das duas ao saberem que eu estava ali.

Encontrei no meio do quarto a calcinha, o sutiã e a blusa. A calça, as meias e todo restante eu não conseguia achar. Peguei as peças que estava visíveis e entrei correndo embaixo das cobertas novamente, iria me vestir ali, antes que fosse vista, descoberta.

De longe comecei a ouvir um som de briga, um verdadeiro escândalo. "Yoongi eu não acredito que essa garota está no seu quarto, o que fizeram lá?"

Foi assim que ela começou. Daqui eu podia escutar os sussurros de Yoongi tentando acalmá-la e a avó fazendo uma espécie de oração, um chiado baixinho, mas cheio de expressão.

Pah! A porta bateu na parede do quarto. Num sobressalto, puxei as cobertas até o pescoço e me sentei na cama.

É ... Oi? Eu disse forçando um sorriso.

Oi? Oi? Vocês dizem OI?? Ela gritava. Vocês são uns descarados. Adolescentes, inconsequentes. Eu não quero dar oi, eu quero uma explicação para essa cena.

Enquanto dizia, ela tentava me retirar o cobertor, até que Yoongi finalmente conseguiu acalmá-la.

Halmeoni, me ajude. Omma, nós viemos te ver. Pegamos estrada, sentimos frio, saímos cedo, o que tem de mal a Ellie cochilar aqui?

A avó havia encontrado minha calça e tinha colocado o banco do teclado cima, para escondê-la.

Eu balbuciei alguns sons tentando encontrar as palavras certas mas por sorte fui interrompida por uma voz vinda lá de baixo.

Yobo!! Chegamos!!!

A mãe de Yoongi mudou da água pro vinho. De forma inconsciente levou as mãos aos seus cabelos tentando arrumá-los. Puxou as mangas da camisa até as pontas dos dedos e gritou em tom de alegria:

Querido? Finalmente você chegou!!!

A mãe de Yoongi saiu correndo para o andar debaixo querendo recepcionar o marido, a avó, por sua vez chamou-o num canto e cochichou baixinho que devíamos tomar mais cuidado, mencionando a minha calça que ela havia escondido.

Com as duas para fora do quarto finalmente eu pude fitar os olhos de Yoongi. Ele mal conseguia olhar para mim, mas aquela tinha sido a nossa primeira vez. A minha, a dele e a nossa, e eu não queria que nada estragasse o momento, então tentei me aproximar.

Yoongi olhava fixo para a parede e resmungava baixinho algumas palavras que eu não podia ouvir. Peguei a minha calça e vesti. Ele nem mesmo percebeu. Guinho, eu disse tentando me aproximar, mas ao tocar seu braço, Yoongi fez um movimento brusco, puxando-o das minhas mãos. Eu fiquei magoada, não era isso que eu esperava.

Sentei-me na cama e esperei que ele se acalmasse. Eu não podia acreditar que aquilo estava acontecendo. Mas na vida toda eu passei por isso, tive azar, tudo o que ia bem, desandou do nada, por que agora seria diferente? Eu pensava.

Então decidi tentar pela última vez e se ele não correspondesse como eu esperava eu ia embora.

Levantei e caminhei lentamente até ele. Me sentia pisando em ovos. Não queria que desse errado, mas não via muita saída. Toquei o seu ombro e me surpreendi.

Yoongi me abraçou e repetiu inúmeras vezes: estou envergonhado!

Guinho, envergonhada estou eu, não se esqueça que sua avó achou as minhas calças. Eu disse e nós rimos ... realmente a situação era ruim, mas era melhor rir do que chorar.

Sabe o que eu acho sinceramente? Que nós não fizemos nada que outros casais não façam, a diferença é que ... bem... eles estão do outro lado do mundo não é mesmo?

É... não devíamos ter vindo, mianhe.

Não, eu não vou te desculpar, eu não me arrependi e eu vou pretendo fazer isso muito mais vezes, afinal de contas, que outro lugar você conhece que tem uma claraboia dessas?!

Yoongi parecia aliviado e eu queria ir ao banheiro. Precisava lavar o rosto, passar uma base para esconder quando meu rosto ficasse vermelho ao encontrar a halmeoni. Mas eu não queria sair de perto dele. Então, decidi ficar ali, abraçada as minhas pernas e vendo a neve cair.

TOC TOC TOC!

[LUNNA ON]

A noite se arrastou mais do que de costume. Levantei bem antes do horário para me arrumar. A nevasca tinha sido enorme e certamente poucos alunos conseguiriam ir hoje devido as ruas estarem interditadas. Isso para uma professora até que é bom, eu disse e ri de mim mesma.

Escolhi uma roupa bem bonita. Sobretudo rosa chá. Bota preta. Fiz babyliss nos cabelos. Queria parecer mais bonita que o normal, alias, bem mais bonita.

Sai caminhando rumo a escola. Passos de forminguinha para não escorreg .... Ooopaaa quase cai. Aiish.

Mais alguns passos e agora eu dancei. Vi o chão se aproximar do meu rosto e senti uma mão firme me puxando pelo braço.

Quando finalmente pude me recompor, respirei fundo e virei-me para agradecer a pessoa que tinha me salvado.

Gomawo.

Hoseok? Eu perguntei e me surpreendi.

Sim Sunbaenin, e você precisa se arrumar, ou seus alunos vão achar estranho te ver assim, olhe pra mim.

Hoseok soltou os fios de cabelo que haviam se prendido no meu gloss e organizou cada um em seu lugar. Pegou os livros que eu levava em meus braços e num silêncio constrangedor caminhamos até a nossa sala.

Para minha alegria, meus alunos não foram. As turmas todas tinham sido liberadas, havia um email na caixa de entrada dos alunos que indicavam que eles deveriam se cuidar, em casa.

A escola parecia vazia e deserta. Hoseok, como sempre, não havia visto o email e por isso veio para a aula.

Decidimos então trabalhar nas impressões das fotos e emoldurá-las. O dia da exposição estava chegando e essa era uma excelente oportunidade de por tudo em dia.

[HOSEOK ON]

Durante o dia inteiro eu tentei me fazer de indiferente só que eu não sou assim e foi muito difícil me concentrar no trabalho. Para evitar falar alguma bobagem preferi conversar pouco ou quase nada ... Mas agi por impulso e agora pode ser tarde demais.

Lunna foi a uma reunião com o diretor e eu deixei um documento do word aberto em seu computador. Até tudo bem, mas o documento era na verdade um convite para ela jantar comigo.

Enquanto ela estava fora da sala liguei para o restaurante e fiz a reserva. Agora eu estou aqui, aguardando ansiosamente pelo seu retorno.

Ela está vindo. Voltei pra minha mesa e aguardei que Lunna encontrasse o meu convite. Sentia um calorão no rosto como se as minhas bochechas fossem pegar fogo.

Ela trazia alguns materiais para a exposição. Cavalete, molduras, martelos e pregos. Tentei ajudá-la e sem querer nossas mãos se tocaram, rapidamente apoiei tudo sobre a minha mesa.

Hoseok, está saindo um calor do seu corpo. Será que está com febre? Ela perguntou e acenei negando a sua pergunta.

Fui até o banheiro, lavei o rosto e os pulsos. A água saia tão fria da torneira que eu sentia espetar a minha pele.

Vamos hoseok, se acalme, eu disse enquanto secava meu rosto e voltava para a sala.

No meio do caminho me lembrei que ela teria visto o meu convite e senti o peito apertar. O que será que ela vai dizer?

Você tem o melhor de mim
Então, por favor, não me abandone
Você tem o melhor de mim

[LUNNA ON]

A hora de irmos embora se aproximava quando finalmente consegui a liberação do material para a exposição. Não falei ao Hoseok a verdade senão ele iria me ajudar mas com certeza ficaria sem graça por estar andando sozinho comigo por aí... Vamos Lunna, um passo de cada vez, eu disse mentalmente.

Estou indo a uma reunião com o diretor.

(...) 

Meia hora depois, quando voltei, Hoseok estava vermelho como um tomate e suando. Era possível ver as gotas na pele do seu rosto.

Abruptamente nos tocamos e ele ficou em choque. Vai ser difícil quebrar essa barreira... Eu queria chorar.

Sentei-me a frente do meu computador e dei um grito, um convite para sair!

Na mesma hora agendei um horário no salão, deixei um bilhete para Hoseok junto com as chaves da nossa sala, peguei a minha bolsa e saí. Eu tinha pressa. Eu precisava chegar em 15 min, fazer as unhas e cabelo e passar em casa. Tomar um bom banho, vestir uma roupa marcante e não me atrasar. Hoseok não gosta de atrasos.

Fiz tudo o que programei e em 1 hora e alguns minutos, tá, foram quase 2 horas, eu estava dentro do táxi.

Anunciei o destino daquela corrida e peguei o batom na pequena bolsa. Hoje eu não poderia falhar...

A senhorita está bonita.

Ham?

É, não precisa de mais maquiagem, disse o senhorzinho que dirigia o táxi. Sem jeito, guardei o batom e olhei através do vidro embaçado a neve que antes era pesada agora cair fininha sobre a calçada.

Chegamos. Respirei fundo.

Desci do carro e uma espécie de maitre ou não sei o que veio me recepcionar ainda na rua.

A senhora deve ser Lunna?

Sim.

Me acompanhe por favor.

Pé ante pé caminhei atrás dele. O restaurante não estava muito cheio, à meia luz, a decoração romântica e os cheiros de todo tipo de prato que serviam formavam uma dupla perfeita.

Por aqui por favor.

Subimos escadas estreitas e chegamos a uma ala de salas privativas. Senti a barriga gelar quando finalmente encontrei os olhos de Hoseok vestindo nada menos que um fraque.

Ele me parecia um verdadeiro príncipe. E eu tinha tanta vontade de beijá-lo.

Obrigada, eu disse ao moço que me acompanhou, tirei os saltos e finalmente fechei a porta.

Mal tive tempo de dizer oi ao Hoseok, ele me surpreendeu levantando-se da almofada em que estava sentado e vindo para perto de mim. Hoseok colocou-me contra a parede e disse em meu ouvido: você não sabe como senti a sua falta, nunca mais se afaste de mim, eu quero ficar com você aqui, agora e para sempre, estou de mudança, tenho tanta coisa para te contar e tão pouco tempo, você tem o melhor de mim!

Ele arfava. Era visível que estava tenso, suas mandíbulas muito marcadas estavam visivelmente tensas, ele mal podia de se mexer. Meu desejo de beijá-lo agora era ardente, mas eu não poderia ser irracional e colocar tudo a perder, então, num sussurro eu disse: vamos conversar com calma?

Ele quis me beijar, encaixou a sua mão em meu pescoço e aproximou a sua boca do meu rosto. Eu estava séria, ele sorria. Chegou bem pertinho, eu pude sentir o quente da sua respiração na minha pele e quando eu finalmente me preparei, senti o seu corpo se afastar. Abri os olhos e ele dizia: por favor, sente-se Lunna, apontando uma almofada ao seu lado.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...