História A Seleção Ômega - JiKook - ABO - Capítulo 21


Escrita por:


Notas do Autor


Oiiiiiiiiiiiiii

Boa Leitura 📖💕

Capítulo 21 - Cap'05 - Descobertas - (2T)


Fanfic / Fanfiction A Seleção Ômega - JiKook - ABO - Capítulo 21 - Cap'05 - Descobertas - (2T)

Jimin

Phoenix, 01.04.1785

Sábado, 05H00PM

Estou nervoso, por dois motivos, primeiro: hoje tenho um encontro com o Príncipe; segundo: a apresentação da dança é amanhã! Bya nos ensaiou a semana inteira, ajudou quando não conseguimos fazer algo, mas a única coisa que ninguém consegue tirar de mim é o nervosismo. Nunca me senti tão nervoso com algo, e dançar para o Príncipe não era algo que imaginava quando fui chamado para Seleção. Agora estou eu, aqui, terminando de me arrumar, o Príncipe disse que iria me levar em um lugar especial p'ra ele que ninguém dos Selecionados ainda foi ver.

Diz ele que esse lugar só as pessoas que ele considera especial ele leva lá. Não deixei de me sentir especial, o Príncipe me faz sentir tantas coisas que palavras não conseguem explicar, Ângela está me arrumando, segundo ela Taehyung teve que ir dar um jeito em algum problema envolvendo ele e não pode me acompanhar, espero que não seja nada e ruim. Ângela termina de me arrumar e sai comigo para fora do quarto depois de o trancar. O Príncipe me deixou em último para ir ao encontro com ele, imagino que seja por causa desse tal lugar especial que vai me levar. Agora estamos indo ao ponto de encontro, Ângela disse que o Príncipe pediu para nos encontrarmos no Jardim da Cozinha, e estamos indo para lá.

Ao chegar a mesma me deixa sozinho ao ver o Príncipe se aproximar com alguns soldados atrás dele, estes que, com um sinal do Príncipe o deixaram de o seguir. Ele caminha até mim, sinto minhas mãos soando de nervosismo, esse é um dos meus defeitos, não consigo controlar meu nervosismo e nem minhas emoções, estou aprendendo ainda e isso não é nada fácil. Ele para em minha frente me olhando profundamente, o olho da mesma forma, é sempre assim, quando nôs vemos, parece que tudo ao redor some e só existe nós dois.

— Você está lindo Park — diz o mais velho, sinto minhas bochechas corarem, fico sem jeito para elogios, e parece que o Príncipe sabe pois ele abre um sorriso pequeno enquanto me observa.

— O-obrigada... V-você também... — digo timidamente no meu tom baixo de sempre, o Príncipe pega em minha mão me conduzindo para o tal lugar especial para ele.

Olho a neve ao redor, esses dias tem nevado bastante, as temperaturas estão muito baixas mas mesmo assim não sinto frio, é como se o Don que tenho esteja me protegendo do clima gelado ou é por que eu sou gelado e não sinto frio (?). Andamos por um longo caminho, quanto mais andamos, mais nos afastamos do Palácio, chegamos em um muro de plantas com espinhos e nele a um portão trancado, o Príncipe pega um molho de chave no bolso e abre o portão, ao abri-lô, fico boquiaberto com a visão.

É outro Jardim, só que esse tem um lindo lago cristalino congelado. Uma grande árvore cobre quase todo o lago por cima com as copas das árvores floridas suspensas que agora estão cheias de flocos de neve, tem uma estrada de pedras brancas que leva até lago. Ouço o barulho do portão se fechando, o Príncipe me puxa pela mão e olho ao redor, isso aqui no verão deve ser mais lindo ainda. Na grande árvore tem um balanço, uma casinha toda branca fechada, o Príncipe me leva até o lago congelado, reparo em dois patins de patinação em cima de um dos milhares de bancos que tem espalhado por aqui.

— Esse lugar meu Omma fez para mim e para meu irmão JungHyun — diz o Príncipe, ele tem um irmão ?

— Você tem um irmão ? — pergunto baixinho vendo a fumaça que cria em nossa frente ao falarmos, isso é tão legal.

— Ele morreu dois dias depois que nascemos. Éramos gêmeos, JungHyun nasceu com um problema no pulmão e morreu com uma parada cardíaca — diz ele com grande tristeza na voz, mesmo que a expressão neutra ainda continue com ele, a voz denúncia o quão triste isso é pra ele.

— Sinto muito por isso... — digo sentindo a dor dele, mesmo que mão seja da mesma forma, descobri com o tempo que sou uma pessoa muito empática — Ele iria ser incrível. Como você!

Não sei da onde me saiu coragem pra falar isso, mas passo por cima da vergonha ao ver o lindo sorriso que ele abriu para mim. Ele fica tão lindo sorrindo.

— Não fale para ninguém sobre isso. Ninguém além da minha família sabe sobre JungHyun. Estou confiando em você baixinho — diz o Príncipe me fazendo colocar um bico nos lábios.

— Eu não sou baixinho! — digo vendo ele arquear uma sombrancelha enquanto me olha risonho.

— Não ?

— Não! Você que cresceu demais! — digo cruzando os braços vendo ele sorrir mostrando os dentes branquinhos dele, parece um coelhinho sorrindo assim, tão lindo.

— Se você diz — diz ele me puxando para o banco aonde estão os patins — Vou te ensinar a patinar, Ok ?

— Tá bom... — digo e me sento no banco ao lado dele — Como ficar de pé em cima disso ? — pergunto vendo a lâmina brilhante na parte de baixo protegida por uma capinha.

— Vou te ajudar, você só precisa ter equilíbrio — diz o Príncipe já com os patins nos pés. Eu já vi e li sobre patinação no gelo, mas na prática isso parece um grande desafio.

— Equilíbrio... — murmuro para mim mesmo — Estou prevendo muitas quedas.

Rimos.

— Só se for da sua parte, por quê eu sou muito bom nisso e não vou cair! — diz o Príncipe me ajudando a fechar o patins, o olho o desafiando.

— Então coloque um olho nas costas Príncipe, não se sabe o que se pode acontecer pela retaguarda — digo o vendo sorrir, estou desafiando a pessoa errada disso eu tenho muita certeza.

— Digo o mesmo para você, baixinho — diz ele me ajudando a ficar de pé, ele desliza primeiro sobre o gelo estendendo a mão para mim, a pego colocando os pés em cima do gelo grosso, a primeira coisa que faço é escorregar pra frente quase caindo em cima do Príncipe que ri de mim.

— Não ria! — digo com meu bico nos lábios, o Príncipe coloca uma das mãos quentes dele sobre meu rosto enquanto a outra está em minha cintura me segurando com firmeza. Ele aproxima nossos rosto mordendo meu bico me fazendo colocar a mão sobre os lábios o olhando indignado, ele ri mais alto agora me abraçando.

— Não faça esse biquinho fofo na minha frente Pequeno Frozen, se não eu vou morder! — me alerta ainda me abraçando, o abraço de volta sentindo o calor que o corpo dele transmiti, é tão bom e aconchegante que não tenho nem um pouco de vontade para sair dos braços dele — Vem, vou te ensinar.

Ficamos uma boa parte me fazendo conseguir ficar de pé sem cair no gelo, o Príncipe sempre está rindo, ainda mais quando eu quase caio e me agarro nele com o coração batendo freneticamente. Peguei o jeito depois de um tempo e agora estamos correndo - lê-se deslizando - um atrás do outro, mas ele tem as pernas maior e mais forte que as minhas e em questões de segundos consegue me alcançar.

— Isso não vale! Você tem mais prática que eu!! — digo com o bico nos lábios que nem percebi que coloquei, o Príncipe me olha risonho enquanto passa a mão em meus fios loiros - quase brancos. Mas o sorriso dele acaba me fazendo ficar preocupado.

— Nosso tempo está acabando — diz ele me fazendo entristecer também — Seu cabelo está mais claro, isso indica que a qualquer momento seu poder vai expandir e você precisa ter controle dele antes que... Antes que aconteça o mesmo que aconteceu comigo.

— Ainda não sei como fazer isso — quase sussurro ao dizer.

— Você tem o elemento principal aqui pequeno, use-o — diz ele apontando para o gelo, engulo seco, mão sei por onde começar.

— C-como e-eu...

— Vem cá — diz ele me puxando para ficar perto da borda do lago, ele para atrás de mim me abraçando enquanto eu fico de frente para o gelo de costa pra ele — Tente sentir o frio. Ele faz parte de você pequeno Frozen. Imagine o gelo ganhando forma, assim como faço com o fogo.

Ele estende uma mão fazendo uma bola de fogo surgir em cima da palma da mão dele, fico impressionado ao ver a bola de fogo mudar de cor para roxo.

— Por que ela tá roxa ? — pergunto a tocando, ele me disse que quando ele quer queimar algo o fogo se torna vermelho escuro, mas quando o fogo sai na cor clara quase laranja não queima as pessoas que ele não quer que queime, mas não sabia que podia ficar roxo.

— Aprendi isso a pouco tempo. É só eu pensar na cor e ela aparece. Nossos ensinamentos são diferentes, mas imagino que a forma de controlar o fogo e o gelo sejam da mesma forma, só precisamos de um incentivo — diz ele em cima do meu ouvido me fazendo arrepiar pelo ar quente que sai dele — Ele pode ficar sólido também.

Ele fecha a mão em um punho, a bola antes roxa agora é vermelha em formato de coração, dura e pesada, a toco vendo o quão lisa é, brilhante e o vermelho é muito intenso.

— Isso é a pedra que mais conhecemos como Rubi — diz ele me fazendo olhar - para agora - jóia em formato de coração.

— Mas... Como ? — pergunto confuso, não sabia que dava para fazer jóias com os dons. Novidade.

— Eu também não sei. Vou ver com meu Omma se ele tem o pergaminho do gelo, vou estudá-lo e ensinarei a você as coisas básicas. Quando você souber o básico, te dou o pergaminho e você aprende o resto sozinho, não sei nada sobre o gelo, mas sempre que precisar vou estar sempre disponível para te ajudar.

— Isso é tão legal — digo segurando o Rubi nas mãos — Ele fica assim pra sempre ?

— Se eu quiser, sim — responde-me ainda abraçado a mim — Pode ficar pra você.

Sorrio segurando o Rubi em forma de coração que é do tamanho da minha mão fechada, vou guardá-la para sempre comigo.

— Obrigada — digo me virando pra ele — Quando eu aprender a fazer isso vou fazer uma escultura de um Lobo Branco e te dou.

— Vou cobrar — diz ele olhando-me com aquele sorriso de derreter manteiga.

Guardo o Rubi dentro do bolso do meu casaco que Ângela me obrigou a usar e o fecho para não deixe cair.

— Temos que voltar, está escurecendo — diz ele olhando para o céu, olho também vendo as nuvens cinzentas ficando mais escuras.

Voltamos para o Palácio, Ângela está parada na calçada olhando em nossa direção, o Príncipe se despede de mim mantendo a formalidade agora e vai para outro lado com os soldados que o acompanham sempre. Ando até Ângela parando na frente dela que está com um sorriso estranho nos lábios.

— O encontro foi bom né ? — pergunta caminhado ao meu lado.

— Foi — digo sorrindo, mesmo o Lúpus sendo tão fechado com todos comigo ele se abre nem que seja um pouco e me faz sorrir o tempo todo.

— Parece que foi bom mesmo, em! Olha o sorriso bobo no rosto — diz ela me fazendo corar, apresso os passos na frente dela ouvindo-a rir de mim.

— Ângela, vamos logo para meu quarto — digo num fio de voz a vendo parar ao meu lado, mesmo falando baixo ela me ouviu, travo no chão ao ver no fim do corredor - com a minha visão lupina que ampliou do nada - uma pessoa vestida dos pés a cabeça todo de preto nos observando, ao ver que o vi, a pessoa some, meu coração começa a bater a mil, será que estou paranóico ou aquilo significa uma ameça ? Meu Lobo está agitado, não sei o que aquilo significa mas estou assutado agora.

— O que foi Jimin ? — pergunta Ângela me olhando preocupada.

— N-nada — digo engolindo seco, tenho que avisar o Príncipe sobre aquilo. Nessas partes do Palácio não tem tantas câmeras escondidas, mas acho que alguma deve ter capturado aquele ser misterioso.

— Que susto. Você parou do nada e ficou olhando para frente como se tivesse visto um fantasma — diz a mais velha, voltamos a andar, mas o que ela disse não passa de uma verdade, esse tal fantasma pode voltar a qualquer momento, não pode ? Espero que não e que isso seja uma paranóia da minha cabeça confusa.

— N-não foi nada. E-eu só pensei ter visto algo. Nada de mais — digo voltando a andar com ela, fico olhando para os lados com medo de vê-lo outra vez, as vezes pode ser algum soldado disfarçado né ? Espero que sim.

— Ah sim. SeokJin mandou uma cesta pra você, está no seu quarto — diz ela me fazendo prestar atenção nela.

— Cesta ? — pergunto confuso.

— Sim. Você vai ver — diz.

Chegamos em meu quarto, Ângela volta o caminho todo, tranco a porta apreensivo, meu lobo está agitado por causa de algo e tenho certeza que é por causa daquela pessoa de preto, meu Lobo só me alerta de coisas assim quando sabe de algo que eu não sei, estou preocupado. Olho em cima da minha mesa de estudo e vejo uma cesta toda enfeitada com um plástico transparente cobrindo toda a cesta com um grande laço rosa, chego perto vendo que está cheia de doces, os doces que mais gosto de comer que SeokJin me fez para mim no dia em que fui na cozinha co Taehyung.

Vejo um cartão junto ao laço a abro para ler:

Para meu filhote
Espero que goste!
Com amor ♥
SeokJin

Sorrio feliz, abro a cesta vendo os vários doces empacotados com diversos sabores, pego uma trufa de morango e abro para comer. Isso é muito bom. SeokJin me disse que nunca pode ter filhos por que o ovário, útero, sei lá, não se desenvolveu corretamente e não tem como gerar uma criança, e se conseguisse um dos dois morreria. Ele até tentou, mas não chegava a dois meses e sempre tinha um aborto.

Agora ele me adotou, disse que iria me mimar como nunca pode fazer com um filho vindo dele, achei que fosse brincadeira mas ele disse sério, fico feliz em saber que alguém como ele também se importa comigo, depois tenho que agradecê-lo pela cesta.

Depois de comer quase todos os doces, guardo a cesta no meu closet, tomo um banho e me jogo na cama, caio no sono em questões de segundos, estava muito cansado do dia que tive.

❇↘❇↗'A Seleção Ômega'↘❇↗❇

Acordo de manhã com o despertador, levanto coçando os olhos vendo a janela aberta e um vento gelado passa para dentro do quarto, não sinto o frio o que é muito estranho pois, algumas semanas atrás quando fiquei doente da Gripe Lupina o que eu mais sentia era frio. Vou a casa de banho, faço minhas higienes e tomo um banho, já arrumando, ando até a cesta de doces dentro do closet e pego um bolinho de chocolate e como, impaciente em ficar esperando Taehyung ou Ângela no quarto, saio e vou para a sala espelhada ensaiar os passos da dança, quero estar perfeito para quando for a apresentação para o Príncipe, quero muito poder dançar com ele no dia do baile.

Já fazia um bom tempo que estava dançando, minha dança melhorou bastante desde que comecei a ensaiar todos os dias antes do café e as vezes a tarde. Hoje é dia, não posso fazer nada errado.

Dançando de olhos fechados sinto o impacto de alguém me empurrando, caio no chão de frente, me levanto sentindo meu pulso esquerdo doer demais. Sento no chão por causa da dor, a pessoa que me empurrou já não está mais aqui, quem será que foi ? Lágrimas escorrem por meus olhos, isso está doendo demais, levanto devagar e saio da sala, nos corredores já tem alguns soldados rondando o lugar, alguns me olham curiosos por eu estar chorando segurando meu pulso dolorido que está ficando vermelho, chego na ala médica e vejo a enfermeira sentada olhando alguns papéis.

— Haneul — a chama com a voz entrecortada, a mesma me ouve e me olha, preocupada, ela vem até mim.

— O que houve ? — pergunta me puxando para dentro da sala, explico pra ela o que aconteceu e a mesma fica mais preocupada ainda — E quem faria isso com você ?

— E-eu n-não sei... T-tá doendo Hane — digo vendo a mesma me levar para a sala de raio x.

— Fique aqui que vou chamar o Doutor Lim para fazer o Raio X em você pra ver se não quebrou o pulso — diz Hane, ela entra em uma porta dentro da sala e conversa com alguém lá dentro.

Meu lobo entra em alerta, e se isso que aconteceu comigo foi aquela pessoa que me vigiava ontem ? Um frio passa pela minha espinha, mas a questão é, Porquê ? O ruim é que a pessoa que me empurrou não tinha aroma algum, por que se tivesse eu iria sentir no ar, a pessoa de preto também não tinha cheiro característico, então suponho que seja um Beta ? Deve ser né ?

— Senhor Park — ouço a voz do Doutor — Por favor, vai naquela casa de banho, tire toda as roupa, acessórios, que usa e deixe em cima da mesa que tem lá e coloque a roupa que está pendurada na parede.

Assinto e entro na casa de banho, tiro tudo que uso com um poco de dificuldade por não poder usar um braço, ponho a roupa toda azul e saio da casa de banho. O Doutor manda eu colocar o meu braço em baixo de um negócio que não sei o nome e faz tudo o que tem que fazer. Quando termina, ele me manda ir colocar minhas roupas normais e pede para mim esperar na sala de fora pra não ficar exposto a radiação dentro da sala.

Enquanto espero, observo o lugar todo branco, metade da parede para baixo é pintada de um azul bem clarinho, nunca estive em um hospital fora do Palácio então não sei se é assim em todos. Sinto meu Lobo apreensivo de novo. Não sei mais o que pensar, toda vez que ele fica assim algo acontece, olho para os lados afim de ver algo anormal mas apenas vejo a enfermeira sair da sala junto do Doutor Lim.

— Senhor Park, você teve um deslocamento no ossos, vamos ter que colocá-los no lugar novamente, vai doer, mas é preciso — diz o Doutor Lim me fazendo me fazendo tremer de medo, já não basta a dor que estou sentindo, agora isso.

Depois de todo o procedimento dolorido, a enfermeira Hane enfaixou meu pulso e pediu para que eu não movimente até a próxima consulta que vai ser quando meus remédios acabarem e meu pulso já não vai estar mais roxo e inchado igual ficou, essa dor é insuportável, imagine se tivesse quebrado ? Acho que eu não iria aguentar em pé.

Hane me da todos os remédios que o médico recomendou para as dores e o inchaço.

— Não se esqueça, nada de pegar peso, se mexer demais pode inchar de novo e vai demorar mais tempo para curar — diz Hane.

— Mas Hane, hoje eu tenho uma apresentação. Como vou fazer com o pulso assim ? — pergunto preocupado, nem havia me lembrado disso. Acho que meu Lobo estava tentando me lembrar disso.

— Eu não sei. Você não pode balançar, mexer e nem pegar nada com esse pulso. Se você quiser fazer a tal apresentação, vai ter que fazer de tudo para não mexer o pulso machucado — ela diz também preocupada.

— Vou pensar em alguma coisa... — digo tentando me convencer que eu vou conseguir.

— Boa sorte!

Saio da ala hospitalar, anda calmamente pelos corredores sendo vigiados pelos soldados de plantão, sinto algum se aproximando, olha para trás e dou de cara com o Príncipe, ele parece preocupado.

— Como isso aconteceu ? — pergunta-me o Lúpus pegando meu braço com o pulso machucado com delicadeza.

— N-não...

— Não esconda de min, Jimin! — diz o Lúpus sério.

— F-foi N-não s-sala de dança... — digo nervoso, o Alfa me faz ficar nervoso.

— Você caiu ? — pergunta-me olhando meu pulso enfaixado, muito bem enfaixado.

— Sim, acho que cai em cima da mão, ai deslocou o osso e o Doutor Lim colocou no lugar — digo me lembrando da dor que foi, ainda dói muito, mas com os remédios que tomei a dor diminuiu consideravelmente.

— Como você caiu ? — pergunta-me ainda com a expressão seria no rosto, mas com um pingo de preocupação.

— M-me empurraram... — digo vendo ele trincar o maxilar, engulo seco ao vê-lo respirar fundo enquanto segura meu braço com delicadeza.

— Quem foi ? — pergunta controlando a voz.

— N-não vi... E-eu estava ensaiando de olhos f-fechados e só sentir alguém me empurrando... — digo encolhido sentindo meu pulso doer ainda —... Deve ser sido algum Beta, a pessoa não tinha aroma. Não senti.

— Estranho... — diz o Príncipe sério ainda — Aonde está Taehyung ? Seus criados ?

— Não sei. Acho que estão com os outros criados ainda — digo vendo me lançar um olhar duro.

— Sabe que não pode andar sozinho nesses corredores Park. Mesmo tendo muitos soldados em todo lugar, aqui é um Alvo para inimigos. Não quero você andando sozinho outra vez, me ouviu ? — diz sério, balanço a cabeça vendo ele relaxar a postura — Eu me preocupo com você pequeno Frozen, não quero que nada de ruim te aconteça e por favor, não sai mais sozinho!

— T-tá bom... D-desculpa — minha voz quase não sai, mas sei que ele ouviu, olho os soldados que sempre o acompanham parados como estatuas atrás dele, só respiram e observam ao redor a procura de algo errado.

— Seu cabelo está mais claro... — diz passando a mão no meu cabelo — ...Vou pegar os pergaminhos com meu Omma e vou estudá-los. Pelo menos o seu don tem um tempo e um sinal para dizer que vai se manisfestar, diferente do meu que veio do nada. Precisamos começar logo.

— Isso em dá medo — digo ao lembrar que ainda tenho isso. Muita coisa pra pensar, pra fazer...

— Eu sei. Mas você vai conseguir — diz ele — Mohamed...

— Majestade — diz um soldado dando um passo a frente. A farda deles é totalmente preta, cheias de bolsos, armas, botas pesadas, e um negócio que não sei o nome que é tipo um capacete de proteção na cabeça - deve ser isso mesmo, um capacete, se não for, sei lá o que é.

— Acompanhe o Park até o quarto dele e veja se está tudo normal por lá. Depois vá na sala de segurança e fale para Lucky que me encontre no escritório, preciso falar com ele — diz o Lúpus olhando para o soldado. Mohamed faz um sinal positivo típico de soldados - eu acho -, o Príncipe olha para mim novamente — Vá com ele e não sai do quarto se não estiver na companhia de seus criados, Ok ?

— Ok — digo e vejo sumir pelos corredores, o soldado me acompanha até o quarto sem dizer um A. Chegando lá, ele revisa tudo e vai embora pedindo para mim trancar a porta, assim faço.

Sento na cama e olho meu pulso machucado, como vou apresentar se não posso mexê-lo ? Suspiro cansado deitando na cama, daqui a pouco Taehyung aparece quem sabe ele pode me ajudar com isso. Levanto da cama e guardo os remédios, abro minha caixa - de tamanho médio - cheia do jóias que ganho desde que cheguei aqui, uma em especial é mais importante que as outras por ter um valor sentimental, o Rubi em forma de coração que o Príncipe me deu é a pedra mais reluzente, brilhante e perfeita. A pego na mão me lembrando de ontem quando ele fez para mim, sempre vou levá-la e guardá-la comigo. Mesmo que eu perca a Seleção, o Príncipe sempre será a pessoa que tomou meu coração por inteiro, a única pessoa que faz meu coroação bater mais rápido e borboletas voarem por meus estomago somente com a presença dele. Mesmo que um dia todo esse conto de fadas criado por mim se acabe, nunca vou deixar de amá-lo.

— Pensando em quê ? — tomo um susto ao ouvir a voz do Lúpus, guardo o Rubi na caixa e me viro para ele.

O Príncipe está parado na porta do closet me olhando, coro ao notar seu olhar profundo sobre mim.

— Em nada... — digo baixinho, me sento na cama vendo o mais alto sentar ao meu lado, ele olha para meu colar em meu pescoço e depois para meu pulso machucado.

— Tem algo a me dizer ? — pergunta-me fitando-me.

Engulo seco, Jeon me conhece tão bem, não sei como, será que sou tão transparente assim ?

— N-não... — respondo o vendo ainda me fitar.

— Certeza ? — pergunta-me outra vez. Balanço a cabeça.

— O que faz aqui ? Taehyung chega daqui a pouco.

— Vim avisar que já tenho os pergaminhos. Vamos começar quando seu pulso melhorar — diz ele segurando minha mão.

— Jeon... — o vejo me olhar, decido contar sobre ontem, vai que é algo perigoso — Seus soldados, eles... Andam totalmente de preto dos pés a cabeça e ficam vigiando a gente escondidos ?

— Como assim ?

— É que... Ontem quando eu voltava com Ângela. Vi alguém todo de preto nos vendo andar pelo corredor... Do nada minha visão ampliou e o vi, não tinha aroma, o rosto estava coberto e quando me vou o olhando, ele sumiu...— término de falar vendo ele absorvendo o que disse.

— Isso já aconteceu antes ? — pergunta-me olhando em meus olhos.

— Não... Mas meu Lobo está em alerta o tempo todo. Não sei por quê...

— Um Lobo Ômega nunca erra — diz o Príncipe seriamente — Não saia sozinho por nada me ouviu bem ? — assinto — Vou investigar isso, talvez essa pessoa deva ser a pessoa que te machucou hoje. Não sabemos quem é, então quando ver algo assim de novo não exite em me comunicar Ok ?

— Sim — digo.

— Tenho que ir, Taehyung e Ângela estão vindo — diz levantando, levanto junto e o acompanho até o closet, ele vira pra mim outra vez e sela meus lábios, suspiro quando ele se afasta — Eu sei que não vai conseguir se apresentar hoje por causa do seu pulso. Mas, saiba que você ira dançar comigo no baile de qualquer maneira.

Após dizer isso ele me beija novamente e o vejo puxar o espelho fazendo ele abrir, ele sorri e sai a fechando novamente. Um dia eu entro ali. Ouço a porta do meu quarto sendo aberta e por ela passa Ângela e Taehyung.

— Jimin hoje é o... O que aconteceu com sua mão ? — pergunta Ângela.

— Cai em cima da mão. Não foi nada muito grave — digo sentando na cama segurando meu braço machucado.

— Quando foi isso ? — pergunta-me Taehyung sentando ao meu lado.

— Hoje...

— Que horas ? — pergunta-me Ângela.

— Foi bem cedo... Mas já passou... O que vocês iriam dizer ?

— Ah, hoje é o dia das apresentações né ? Como você vai... Dançar ? — pergunta Ângela sentando do meu outro lado na cama.

— Eu não sei. Só de mexer dói — digo olhando para meu pulso.

— Vamos falar com a Bya depois. Agora você tem que tomar café — diz Ângela levantando da cama — Mark vai vir aqui mais tarde pra te ver já que faz tempo que ele não vem.

— Ah sim...

Na sala do café ouço as vozes dos Selecionados que conversam aleatoriamente, alguns falam do encontro que teve com o Príncipe outros - como eu - apenas ouvem, mas sabe quando bate aquele desânimo ? Estou assim agora. Por quê tudo tem que dar errado ? Hoje era pra ser um dia especial, mas nem vou poder dançar por causa do meu pulso machucado. Tudo piora quando olho pra frente e vejo Akira me olhando com aquele desgosto que ela tem por mim. As pessoas somente com a cara estragam o dia das outras.

Nesse momento Lívya conversa com Yeon-Gy, o que mais chama atenção nela são as marcas roxas que sempre vejo em algumas partes do corpo dela. Hoje, por exemplo, ela levantou a manga da blusa e deu para ver uma marca vermelha no braço dela como se alguém tivesse pego no braço dela e o apertado com força. Será que tem alguém aqui que maltrata ela ? Se sim, quem ? Ou deve ser só impressão minha.

— No que tanto pensa ? — ouço a voz de Akira, tiro os olhos de meu prato intocado e vejo a mais velha me encarar.

— Acho que não é da sua conta — digo indiferente, mas ao notar o que digo coloco a mão na boca por ter sido tão indelicado, Akira sorri com os braços cruzados ainda me olhando.

— Ora, ora. O leãozinho tá saindo da toca, devo me preocupar ? — pergunta-me ainda sorrindo, desvio o olhar dela decidindo não responder — Acho que alguém não vai apresentar hoje, não é ?

— Pare de incomodá-lo Akira! — resmunga Lívya ao meu lado olhando friamente para a mais velha que sorri maldosamente.

— Por quê ? — pergunta — Acha que eu vou perder a oportunidade de ver esse rostinho inocente cheio de medo quando digo algo ?! Não se intrometa Lívya, não vai querer que as coisas fiquem cada vez mais pior para você, não é ?

— Então para de importuná-lo! Não meta meus problemas com o do Jimin. Não vai querer que sei segredinho venha átona né ? — olho para Lívya perdido, o que elas estão falando ?

Akira fecha a cara e fuzila Lívya com o olhar.

— Acho melhor você ficar de boca calada. Será pior pra você se o Príncipe saber o que você é! — diz Akira voltando com o sorriso escroto nos lábios.

— É o que vamos ver! Você quer guerra ? Você terá! 


Notas Finais


Guerraaaaaaaaaa

Vocês pediram mais momentos Jikook então eu coloquei, espero que tenham gostado ♥

♣→COMENTEM (AMO LER E RESPONDER SEUS COMENTÁRIOS)

♣→FAVORITEM ♥

♦→Eu não tive tempo de revisar o capítulo, então perdoem os erros ♥

♣→ATÉ O PRÓXIMO CAPÍTULO, ♥♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...