1. Spirit Fanfics >
  2. AFTER MOON - MiHyun >
  3. Capítulo 10

História AFTER MOON - MiHyun - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Notas: ATENÇÃO!!!!

Então, meus amores esse capítulo está bem grande. Me desculpem aos que não gostam. Sinto muito pelos erros que estiverem nesse capítulo e peço que comentem dizendo o que acharam. Me anima muito ler o comentário de vocês, sério. Eu estava totalmente animada para postar, vocês não imaginam. Infelizmente, hoje eu tive um dia um pouco ruim mas saber que iria entregar mais um capítulo hoje para vocês, me deixou mais contente. Espero que tenham uma boa leitura. Leiam as notas finais, por favor :)

lipseok prod. Suga

Capítulo 10 - Capítulo 10


O lugar que eu me encontrava era calmo. Estava esperando minha vez. Depois de muita insistência dos meus amigos, decidir ir na psicóloga na qual meu pai havia dado o cartão da última vez. Falando nele, ele havia chegado uns nove dias, dando certo dezesseis dias após eu ser expulsa de casa. Doía muito pensar nesse fato.

Papai foi na casa da senhora Minatozaki, contou que havia sido recebido pela mamãe com um escândalo. Eu tive que contar para ele, havia me preparando todos aqueles dias antes de ele chegar para contar. Se eu tive medo de uma rejeição? Óbvio que sim. Aquele momento todo para mim foi tenso. Passei metade da conversa chorando e pedindo desculpas. É claro que tudo que ouvir foi um "Não peça desculpas para mim. Não importa quem ou de quem você possa gostar, eu não vou te amar menos por isso" aquilo sim havia sido palavras que me deixaram aliviada. Eu podia contar com meu pai, disso eu tinha certeza, principalmente depois da conversa franca que tivemos sobre meus medos e incertezas. Abrir o jogo quanto a isso. Era óbvio que ainda estava confusa mas, aquilo tudo foi meio caminho andando para achar uma resposta. Meus amigos não largavam do meu pé quanto minha ida na psicóloga porque, de uma coisa era certa, eu podia ter eles ao meu lado mas na maioria das situações, precisamos de outro alguém para me ajudar. 

Entendi, afinal, eu havia passado por tanta coisa nos últimos meses que era até difícil organizar os acontecimentos. Meus amigos faziam tudo por mim e eu queria poder retribuir isso para todos. Meu aniversário é mais um exemplo. Houve uma pequena comemoração na casa de Sana, depois da aula, só com as pessoas próximas ou seja, Sana, a senhora Akira, Hoseok, Momo, Dahyun e meu pai. Apesar de eu dizer que não era necessário, eles fizeram isso escondido e até a mãe de Sana disse "Compactuei". Foi divertido. Jogamos Just Dance o resto do dia. O engraçado foi Dahyun e Hoseok implicando um com outro no meio das partidas quando dançavam juntos. Momentos bons que me fazem bem e que quero lembrar sempre.

Minhas mãos não paravam quietas e as encarava em cima do meu colo. Eu estava nervosa. Era minha terceira vez que vindo na clínica, ainda estava pegando o costume e tentando ficar confortável com toda aquela situação. Me sentia frustrada também. Fazia dias que eu não ia para academia de dança. Eu havia me afastado para me focar melhor na escola, Seulgi disse isso e também ficou sabendo sobre os últimos acontecimentos, sendo totalmente compreensiva. A mais velha chegou a me visitar na casa da mãe de Sana. Era uma professora maravilhosa. Apesar disso, não deixei de dançar dentro do próprio quarto. Eu tinha que praticar para audição.  Ao  contrário de mim, Momo e Hoseok, já haviam voltado as atividades normalmente desde que o festival passou. Dahyun era a que estava mais dedicada do que nunca. Fiquei feliz por isso. Falando em Dahyun, o que dizer? Só de pensar, solto um sorriso pequeno. Ela tentava estar mais próxima do que nunca desde a vez que foi aquele dia em casa. Dormimos juntas, uma do lado da outra mas acho que não foi por tanto tempo já que, acordamos com um grito de Sana. Ficamos envergonhadas com a situação, eu então, quase virei um tomate completo. O grito era tudo por conta de uma barata, segundo a japonesa mas para mim, foi só uma mentira da garota.

- Myoui Mina? - Levanto minha cabeça ao ouvir meu nome. Era a recepcionista chamando minha atenção - É a sua vez. - Concordo e me curvo. Havia mais umas duas pessoas esperando na sala, provavelmente, iriam fazer terapia de casais. Ao entrar, vejo Taeyeon anotando algo em um pequeno caderno.

- Boa tarde. - Me curvo. Ela levanta o olhar e sorrir, se ajeitando na cadeira.

- Olá, Mina. Fico feliz em vê-la de novo. - Ela deixa o caderno de lado. Eu sento em um sofá, de frente para ela.

- É, estou aqui. - Digo um pouco envergonhada.

- Nós não terminamos de conversar naquele dia, se quiser continuar o assunto, pode falar. - Me ajeito no sofá, estava um pouco tensa.

- Bom, eu fui parar no hospital. O garoto me bateu e... tentou abusar de mim de novo. - Engulo em seco - Ele nunca mais deu as caras na escola, mas minha família processou ele.

Contei para a mais velha sobre esses detalhes, contei sobre os envolvidos e agora, contava sobre minha mãe ter me expulsado de casa e o quanto fiquei aliviada por meu pai ter entendido.

- Estou feliz sobre isso, Mina. Sua mãe apesar de ter um pensamento velho, ela irá se arrepender disso. Pelo que deu entender, ela é muito orgulhosa. Enquanto estiver afastada dela, tente se cuidar se alimentando e fazendo coisas que gosta. Você diz que gosta de dançar, têm aulas ou algo assim?

- Bom, eu faço parte de uma academia. Por causa do festival da escola e pelos últimos acontecimentos, a diretoria achou melhor eu me cuidar de todas as formas possíveis. Me sentir um pouco mal no começo, é a coisa que mais gosto de fazer.

- Talvez seja uma boa oportunidade para tentar coisas novas.

- Bom, eu irei essa segunda viajar para Ilha de Jeju com alguns amigos e colegas. - Digo, lembrando que apenas faltava o domingo para entrarmos no avião pela manhã e chegarmos em Jeju.

- Oh, isso é muito bom. Você poderá distrair sua mente.

- Penso a mesma coisa.

- É uma pena que não nos veremos essa semana para a consulta, mas espero que me conte todas as novidades quando voltar. - Ela dá um sorriso doce.

- Irei sim. É gratificante para todos nós essa viagem já que trabalhamos duro na apresentação do festival da escola. - Dei um sorriso, dando mais detalhes sobre o dia do festival e que ainda sentia algumas dores no meu corpo. A positividade da minha psicóloga, me fez ter esperança que Jimin não sairia fácil dessa história.

Conversamos por mais trinta minutos. Eu sair do consultório indo para casa da Minatozaki. Era tarde de sábado e provável que Hoseok e Momo estariam presentes já que tinham o dia livre. Dahyun não estaria ali por ter que ajudar cuidar da irmã mais nova que estava doente. Me sentia vazia porque desde ontem, não via o sorriso meigo de Dahyun ou, olhar seus olhinhos de perto.

Ao entrar, já me deparei com Sana e Momo se lambuzando por algo que deduzo ser chocolate na sala enquanto Hoseok, procurava algo na Netflix. O mesmo ao me ver entrar, dá um sorriso.

- Minari! - Ele exclama vindo em minha direção - Me ajude a cuidar dessas duas crianças. - Ele fala olhando para Sana e Momo, ainda correndo pela casa com o cabelos totalmente atrapalhados. Momo corria atrás da mais nova, não haviam percebido minha chegada. Estava rindo com a cena, essas duas nunca iam mudar.

- O segredo é paciência. O que elas estão fazendo? - Me dirijo a cozinha e ele vem atrás.

- Tentando fazer bolo. A tia está fazendo crochê para se acalmar quanto a cozinha. Ela queria fazer o bolo mas, as duas impediram, dizendo que seriam responsáveis suficiente.

- E ela acreditou? - Pergunto surpresa, rindo com Hobi da situação - Se ela visse a cena.

- Mina! - Momo grita, ao me ver. Sana acaba melando o cabelo da garota. Sentir que ia rolar linchamento naquele momento. O cabelo de Momo era sagrado e a Minatozaki poderia se considerar morta.

- Olha o que você fez! - Hirai exclama, quase chorando.

- Foi sem querer. - Disse com cara de medo, indo para trás de mim para se proteger. 

Antes de Momo falar, eu interrompo

- Gente, é assim que faz um bolo? Com bagunça? Se a senhora Akira ver a cozinha bagunçada, é as duas que morrem.

- Mimi, mas a Sana-

- Ok, seu cabelo. Sugiro tomar um banho.

- Amo. Ela coloca a ordem nas crianças dela. - O Jung diz, apoiado com um braço na mesa. Momo concorda e decide subir. Sana que havia ido para trás de mim depois do pequeno quase surto de Momo, sai ao poucos quando a japonesa mais velha se afasta.

- Myoui Mina é sim um anjo. A maior prova é que salvou minha vida.

- Sana, sua mãe vai surtar. - Ela olha ao redor.

- Ih, é verdade. Ela têm mais amor pela cozinha do que por mim. A gente só queria fazer lanches para todos nós, a Jihyo estaria vindo e...

- A Jihyo deve te amar muito, né? Aguenta a criança. - Falo, rindo, deixando a pose séria de lado.

- Ah, Minari. Você também me ama, não nega.

- Olha, vamos fazer o seguinte. Você irá tomar um banho porque bom, está toda suja de trigo e isso é óbvio. Depois limpa os lugares onde sujaram pela casa. Hoseok e eu tentaremos fazer o bolo e limpar aqui.

- Eu?! - O garoto pula.

- É, ué.

- Eu não sei nada de como cozinhar.

- Mas sabe de comer.

- É diferente. - Ele fala óbvio - Tudo bem, vou ajudar.

Sana concorda e segue por fim para o andar de cima. Lavo minhas mãos e começo o trabalho junto a Hoseok que parecia não saber o que fazer, eu só estava dando as instruções. Aqui e ali, ele me passava os ingredientes.

- Mina. - O garoto me chamou e eu digo um sim - Não sei se a Sana te contou mas, fomos visitar o Jungkook esses dias. - O garoto disse, com receio e eu também fiquei com receio ao ouvir o nome do Jeon.

- E o que têm?

- Nada, a gente só não comentou para não ficar chateada depois. Decidimos ir nós três ver ele, não falamos nada porque sabíamos que essa decisão é sua. - Continuo olhando para a massa.

- Você já preparou a forma?

- Já. - Ele diz pegando a forma para o bolo ser assado e me mostrando. Concordo.

- Você quer me dizer algo com esse assunto? - Olho para Hoseok, ele parecia não saber o que dizer mas diz.

- O Jungkook perguntou de você. Antes que diga, sei que é delicado por fatores que nós sabemos porém, Sana, Momo e eu estávamos conversando sobre isso. Talvez fosse bom você ver Jungkook e ouvir. O tal do Yoongi conversou com você e tudo mais só que, isso é um assunto mais de vocês dois do que de terceiros. Por isso decidimos que era você que devia tomar essa decisão. - Concordo com a cabeça e então, paro de bater a massa.

- Já ajustou o forno?

- Sim.

- Tudo bem, me ajude aqui. - Ele segurou a forma e eu comecei preencher a mesma com a massa. Logo, coloquei no forno e ajustei a temperatura, sorrindo por fim.

- Hoseok. - Chamo o garoto e ele está guardando os outros materiais - Qual sua opinião quanto ao Jungkook? - Ele suspira, talvez não aguentando segurar a língua porque ele queria falar. Eu conhecia esse garoto para saber sobre isso.

- Por mais que eu ache ele um canalha que deixa se levar facilmente, vocês deveriam conversar e cada um ouvir o que têm para dizer para o outro. Mesmo que seja "vá se foder" mas é válido.

- Eu só... - Me aproximo do Jung - Não quero pensar nessas coisas ruins e o Jungkook foi uma delas.

- Você sabe a hora certa que deve fazer suas coisas, é uma decisão sua. Vamos limpar logo o que aquelas duas pestes fizeram aqui na cozinha depois disso, quero comer horrores Vocês que não vão me impedir.

- Eu não pergunto mais sobre a dieta porque sei a resposta. - Solto uma risada, já vendo o mesmo com um esfregão em mãos.

Não demoramos tanto tempo limpando e quando acabamos, Momo e Sana já estavam limpando onde haviam sujado pela casa. Tinha até na parede, acredita? Antes de subir para tomar banho, Jihyo chegou com algumas besteiras para comermos durante o filme.

Estava agora trocando de roupa no quarto de hóspedes. Me olhei no espelho avaliando minha imagem enquanto fico penteando o cabelo. Meu cabelo estava muito comprido. Seria legal cortar o mesmo, fazia algum tempo que ele não ficava curto. Pensando aqui nas mudanças de visual. Ouço batidas na porta.

- Pode entrar! - Digo, ainda penteando meu cabelo para desembaraçar. A imagem de Momo aparece no espelho.

- Estou com medo de ficar com Sana e a Jihyo na sala. Aquelas duas fedem a sexo por conta de tanta tensão sexual. Eu sou uma criança no meio disso tudo. Você vai demorar muito para descer? - A garota pergunta, um pouco inquieta.

- Não, só estou acabando de me arrumar.

- Você se veste sempre como se fosse visita. - Hirai se aproxima, tirando a escova da minha mão e penteando meus cabelos.

- É que sou uma visita. Mas uma visita que não sabe por quanto tempo vai ficar. Sou muito grata pela senhora Akira e por Sana cederem um quarto para mim, cederem comida, cederem luz. Tenho que agradecer por vocês sempre estarem comigo. Isso é muito importante para mim. - Falo, encarando Momo pelo espelho a mesma dá um sorriso.

- Somos amigos, todos nós, vamos proteger um ao outro. Não sei se um dia vamos enjoar um da cara do outro mas enquanto isso não acontece, todo mundo vai encher a paciência de todo mundo, principalmente de você que é a nossa mascote.

- Momo, o que acha se eu deixar o cabelo curto? - Hirai faz uma expressão animada

- Eu posso cortar?!

- Não. - Me afasto, ficando distante e colocando as mãos na minha frente para ela não se aproximar - Da última vez você tentou cortar o cabelo de alguém, quase furou a cabeça do dito. Sim, estou falando de Hoseok. - Ela bufa. Ok, eu exagerei um pouco.

- Você só quer deixar ele curto. Não têm nada complicado nisso.

- Tudo bem, vou pensar sobre isso. Vamos descer?

- Agora é que estou penteando meus lindos fios de cabelo. - Momo sorrir, como se estivesse nas nuvens - Quase matei Sana pelo que ela fez.

- Esperava o quê com a brincadeira de vocês? - Sento na cama, esperando a mesma sair do devaneio.

- Eu esperava que isso não acontecesse, ué. Mas 'tá tudo bem. Ele está limpo e cheiroso como deve ser.

Hirai diz e olho para cama que eu dormia todas as noites. Pode parecer meio doido mas, desde o dia que Dahyun dormiu ao meu lado, ainda posso sentir o cheiro e até a própria presença dela sorrindo, olhando para mim. Nós não falamos sobre isso, a gente agia normalmente uma perto da outra. No entanto, sentia que alguma coisa havia mudado e não só comigo. Eu pensava sobre os últimos meses confusa e pensava no agora, em como na convivência, eu havia me adaptado ter Dahyun por perto. Era até estranho a mesma não estar com a gente hoje, mas, entendo que exista outras prioridades. Nunca imaginei que ela sentar na mesa do refeitório conosco, me faria sentir um turbilhão de coisas estranhas no agora. Eu não sei o que havia mudado na Kim desde aquele dia. No fundo, desejava que fosse da mesma maneira como eu havia mudado. 

Sinto um lado da cama pesando. Momo estava sentada ali, me olhando preocupada.

- 'Tá tudo bem, Mina?

- Sim. Por quê?

- Eu estava conversando com você e você não me respondeu. Estava de cabeça baixa e pensei que estivesse com alguma dor.

- Estou bem, sério. Só estava pensando em algumas coisas.

- Esse pensamento têm nome e sobrenome, não é? - Concordo com a cabeça. No final das contas, só esperava um "Eu já sabia" de Momo em relação a Kim - Vocês duas viraram chiclete. E você jurava que a Dahyun não ia com sua cara. Isso é quase impossível, Minari.

- Têm razão. Acho que sou boba demais ás vezes. Só acho estranho ela não estar conosco hoje.

- Também achamos de certa forma. A Dahyun começou a fazer parte das nossas vidas muito rápido. Ás vezes até não acredito que o Hobi, o que não ia muito com a pessoa dela, viraram até bons amigos.

- Ela mostrou que não era assim e ele percebeu. - Momo concorda com a cabeça.

- Mina, eu sei das coisas mesmo que você nunca deixe algo explícito. Eu sempre percebi que gostava da Dahyun. É claro que, eu tirava minhas brincadeiras e ver você negar o seu próprio gay panic era engraçado mas, sei que as coisas estão sérias agora. Eu apoio muito as duas e espero que seja para ser. Me orgulho muito de você está começando a ficar decidida, ficando madura e encarando isso. - Acabo sorrindo e me sinto como no dia que conheci Momo. Nos abraçamos por alguns minutos. Ter Momo como minha amiga era maravilhoso.

- Obrigada pelo apoio, pêssego. - Digo rindo, do pequeno apelido que dei quando criança.

Descemos para o andar de baixo, conversando e assistindo o filme. Sempre fazíamos comentários com alguma espécie de furo na história ou zoando os personagens por entrar em uma sala escura em um lugar abandonado. Quem em sã consciência faz isso?

- Eu disse que era o tal do Mark. - Jihyo fala, se levantando do sofá.

- Não vale, você já tinha assistido.

- Juro que não.

- Tudo bem, amor. Acredito em você.

Tanto eu como Hoseok e Momo, olhávamos atentos e desacreditados para a cena que acontecia no mundinho delas. As duas estavam no outro sofá que havia na sala. Ambas rindo uma para outra, que nem duas bobonas. Era fofo.

- Muito bom ver que a Sana diz que odeia boiolagem mas é toda boiola. - Hoseok fala, pegando a bacia de pipoca para si, encarando agora cínico a cena.

- É assim que a gente pega os outros no pulo. - Hirai comenta, logo se levantando e desviando do travesseiro da mesma - Ué, foi o Hoseok que falou e só usei minha frase como complemento.

- Gente, se a Sana disse o que o Hoseok falou, ela é muito mentirosa. Acredita que quando ela me pediu em namoro, ela chorou quando eu disse não? - Jihyo diz, nos olhando e Sana parecia querer impedir a Park de falar.

- O quê?! - Exclamamos juntos.

- Como assim foi a Sana que pediu você em namoro? - Pergunto ainda pasma. Não sabia dessa parte da história e muito menos da outra.

- E como assim ela chorou quando recebeu não? - Hobi fala, enquanto comia a pipoca.

- Que babado. - Momo fiz perplexa - Mas pera aí, conta isso 'pra gente.

- Não precisa não, amor. Shiu! - Sana fala rindo sem jeito.

- Ela me pediu em namoro, foi ela quem deu o primeiro passo assim como das outras vezes. A questão do "não" no pedido foi só uma brincadeira minha mas ela chorou de verdade. Eu fiquei nervosa e disse que era brincadeira, aceitando o pedido oficialmente. - A Minatozaki escondia o rosto entre as mãos. Jihyo puxa a garota para perto de si, abraçando a mesma de lado. Posso ver Hoseok segurando a risada.

- Sahyo é tão fofo.

- O que é Sahyo? - Sana pergunta olhando para Momo.

- É a junção de Sana e Jihyo. Inventei agora, sou um gênio. - Ela fez posse, colocando um óculos escuro qualquer que havia na mesinha da sala. Eu nem havia percebido que aquilo estava ali antes.

- Eu gostei. - A Park fala olhando para a namorada logo em seguida, sorrindo. Sana não era diferente. Quem um dia jurou ser alérgica a boiolagem, estava contaminada com isso.

---


Domingo de manhã. Eu quis acordar para vim aqui. Depois da conversa com Hoseok, foi o que fiquei pensando antes de dormir. Não sabia como estavam as coisas naquele dia, não toquei mais no assunto com o Jung. Suspirei, indo em direção a entrada da casa de repouso. Pelos pais de Jungkook, soube que o garoto estava repousando aqui. Haviam pedido para ver o garoto logo quando fiquei sabendo por Yoongi mas, preferir deixar quieto e eles não insistiram. Quando liguei, ficaram felizes sobre a decisão. Eu realmente esperava está fazendo a coisa certa. Não havia se passado tanto tempo desde que vi o Jeon porém, parecia que havia se passado meses.

Logo que entrei, a recepcionista me deu um sorriso. Retribuir me curvando e ela faz o mesmo.

- Bom dia, senhorita.

- Bom dia. Eu vim ver alguém que estar aqui.

- Pode me dizer o nome? - Ela olha para o computador.

- Jeon Jungkook.

- Oh, certo. Ele está no quarto 505. O Woojin irá lhe acompanhar.

- Certo. Obrigada. Tenha um bom dia. - Falo me afastando, já acompanhando o rapaz que trabalhava ali.

O lugar era realmente bonito e todo organizado. Não me surpreendia. A família tinha bastante dinheiro para cuidar de Jungkook. Subimos de elevador e já estávamos no corredor do quarto. Mais alguns passos e chegamos na frente da porta.

- Talvez o paciente esteja dormindo. - Woojin diz - Irei bater caso não acorde, eu entro. - Concordo com a cabeça. O rapaz bate na porta e escuto um "Entre" Fiquei atrás de Woojin, me escondendo de uma possível visão de Jungkook. O rapaz abre a porta.

- Bom dia. Têm uma moça que veio lhe visitar.

- Tudo bem, deixa ela entrar. - Ouço a voz do garoto de dentro do quarto. Um rápido pensamento de se eu estava fazendo o certo, passou pela minha cabeça. O rapaz que trabalhava na casa de repouso, abriu passagem para entrar. Me curvei e entrei afinal, não dava para simplesmente dar meia volta para a porta de entrada. Vejo Jungkook sentado em uma cadeira daquele médio quarto de descanso. Havia uma janela bem grande ali onde o mesmo estava perto, concentrado em um livro. O rapaz fechou a porta. O Jeon então, tirou sua atenção do livro e se virou para me olhar. O garoto parecia surpreso e eu também. Jungkook parecia diferente de todos aqueles últimos dias, isso poderia ser levado de um jeito positivo.

- Mina? -Os olhos de jabuticaba estavam atentos. Ele não se levantou, continuou sentado. Eu mantinha distância, confesso que estava com medo que algo de ruim acabasse acontecendo.

- Oi, Jungkook.

- Eu... Eu nunca achei que você iria vim aqui. - Jungkook diz parecendo sincero - Sei das coisas que fiz.

- Eu também sei. - O garoto abaixa a cabeça - Mas vim aqui para conversamos. Pensei sobre isso noite passada. Acho que precisamos disso. Sei que você só ficou comigo por conta do Jimin. - Disse na lata aquela última frase com um nó na garganta, lembrando do dia que o mesmo havia me machucado de várias formas. Engulo em seco, tentando parecer firme em frente do garoto.

- Você não quer se sentar? - Ele se levanta, pegando uma cadeira que havia ali no quarto e o colocando um pouco perto da sua. Andei até a mesma e sentei, ficando um pouco do lado de Jungkook. - Como você está?

- Eu? Estou tentando me recuperar de coisas pela qual passei mas sei que isso vai levar tempo. E como você está?

- Essa é uma pergunta meio complicada de responder. Sendo sincero, me sinto um lixo há dias. Comecei a ter mais consciência de tudo que fiz e isso, foi um grande baque. Ficar sozinho, ajuda pensar e refletir. Eu sou tão facilmente levado por alguém, não é? Esses dias estou lendo esse livro - Ele mostra o mesmo, dando de ombros - Li algo que fiquei refletindo "Que todo homem é bom mas a sociedade o corrompe". Isso é verdadeiro, pelo menos penso assim. Me deixei demais me levar por status e popularidade, festas e bebidas. Não vou culpar apenas Jimin pelo que fiz pois estou ciente que também tenho culpa desde o momento que aceitei fazer parte deste circo. Eu só, peço perdão. Mina, só quero o seu perdão. - A sala fica em silêncio por um tempo mas logo, Jungkook volta a falar - Fui um idiota, babaca, imbecil e qualquer coisa de ruim que você possa imaginar para completar. No começo, eu estava sendo um robô por conta do garoto mas, eu acabei gostando de você e o fato de você sempre ter me negado de irmos para cama, me deixava frustrado. O pessoal me chamava de fracote por não ter conseguido isso. Me sentia humilhado pelos garotos, me deixei impulsionar por conta do meu ego. Eu sinto muito por aquilo, de verdade. Depois de que soube do ocorrido na escola, por Hoseok, sinto mais ainda. Eu não fazia ideia do quanto você tinha esses problemas, nunca se quer imaginei, achava que estava tudo bem com você. Na verdade, a gente não faz ideia sobre ninguém. - Apenas fazia concordar com a cabeça, olhando para todos os lugares daquele quarto além do Jeon na minha frente. Não queria chorar, já havia feito isso todos os dias, na frente dos meus amigos era o que mais ocorria. Com Jungkook, era diferente. Ele foi meu amigo, mas naquele momento, me impedia de chorar. Ainda me sentia como estranha com tudo que aconteceu, a confiança não era a mesma.

- Você têm todas essas coisas horríveis, Jungkook. Do jeito que você falou. Estou ouvindo seu ponto de vista, sua versão das coisas. Faço isso principalmente para tentar seguir em frente mas, saiba que não será tão cedo que vou conseguir te perdoar. Você me traiu e eu não fazia ideia. As pessoas sempre jogaram essas verdes porém, sempre confiei em você. Você era o Jeon Jungkook fofo que conheci e isso não iria mudar, ninguém iria me fazer acreditar menos. Eu gostei mesmo de você, Jeon mas acho que a maior parte disso, foi porque precisava me sentir protegida por alguém de tudo que estava tentando fugir.

- Não posso justificar a traição. Estou admitindo que errei quanto a isso também. - Jeon deixa o livro perto de uma mesinha perto da janela - Por mais que demore, eu espero pelo seu perdão. Não estou pedindo para nós voltarmos. Ainda gosto de você só que não me resta dúvidas de que esse não é o caminho que devemos seguir, juntos como um casal. Te machuquei demais, Mina Não quero mais fazer isso com você e nem para nenhuma outra garota, ou qualquer outra pessoa. Estamos nos cuidando.

- Bom, tivemos essa conversa e me sinto aliviada. É como você disse, nosso caminho não é como um casal.

- Eu agradeço por ter deixado fazer parte da sua vida. Não pretendo esquecer da nossa amizade. - Jeon fala e dou um sorriso de lado, lembrando do dia que nos conhecemos - Fiquei feliz em saber que irá para Ilha de Jeju.

- É, nós ganhamos. Foi uma surpresa para mim. - Lembro que já seria amanhã que iríamos viajar para cidade. Havia se passado rápido os dias. Eu estava animada apesar de não aparentar muito. Conversar com Jungkook, era uma forma de me sentir mais resolvida para ir nessa viagem, sem precisar ir com a cabeça cheia dos problemas - Você não voltará mais a escola? Irá reprovar de ano?

- O meu pai contratou um professor particular para me dar aulas. Irei fazer o vestibular como todo mundo também. Eu não posso perder meu último ano. Aqui também é muito confortável, não fiz questão nenhuma de voltar para casa. Esse é um momento só para mim, sabe? Sinto saudades da escola mas, é melhor ficar por aqui.

- Isso é bom. Talvez consiga passar em engenharia. - Ele ri

- Minha mãe me mata se souber que não quero fazer medicina. Não acho que sua decisão tenha mudado quanto ao curso que quer. - Nego com a cabeça e ele sorrir.

Nós conversamos por mais dez minutos, tocou no nome delicado da minha mãe o que me fez obviamente desconfortável. Não contei do que havia acontecido, não era necessário Jungkook saber. Ele já estava pronto para tomar o café da manhã e eu, pronta para ir embora, em pé perto da porta.

- Foi bom te ver, Mina. Realmente não esperava sua visita mas agradeço por isso. - O garoto diz, sincero e por um momento pude enxergar o Jungkook que conheci. No final, era o Jungkook que conheci mas ele havia passado por transformações, assim como eu havia passado, assim como todo mundo passa.

- Um dia talvez eu venha aqui de novo.

- Espero que nessa volta, eu tenha a notícia boa que você tenha me perdoado. - Permanecia sentado, aquela conversa havia sido melancólica.

- Eu também espero. - Digo abrindo a porta e antes de sair, Jungkook chama meu nome.

- Mina! - Volto e o mesmo permanece sentado - Você se sentiu protegida por mim em algum momento?

- Momentaneamente.

- E agora você se sente protegida por outra pessoa? - Pega desprevenida naquela pergunta porém, não iria deixar de responder.

- Sim, eu me sinto protegida por alguém.

---


- Você não entende disso. - Hoseok falou, olhando para a tela do computador.

- Pera aí, deixa eu fazer também. - Sana fala, enquanto tentava empurrar o Jung da cadeira. Estávamos no quintal naquela tarde de domingo. Enquanto eu pintava as unhas de Momo, Hoseok e Sana disputavam para ver quem iria jogar.

- Não, você vai acabar com minhas moedas.

- E daí? Você é rico.

- Duas crianças, meu pai. - Hirai diz, olhando para cena debochada.

- Olha quem fala. - Digo, e ela me dá um pequeno peteleco na testa - Sorte sua que já acabei, se não deixava pela metade.

- Estão lindas, Mimi. - Os olhos de Momo brilham ao olhar para as unhas - Muito obrigada.

Dou um sorriso como resposta e lavo minhas mãos em uma torneira que há ali no próprio quintal. Enxugo as mesmas em uma toalha. Ao fazer isso, tiro o celular do meu bolso verificando se não há nenhuma mensagem. Principalmente de Dahyun. Não falava com a mesma desde ontem e estava preocupada. Será que a garota estaria me evitando? Poxa, eu pensei que estávamos indo bem. Se eu havia feito algo de errado, não sabia.

- Mina! - Ouço Sana me chamando e me aproximo do pessoal - Vai levar biquíni, né? Iremos a praia e temos que aproveitar. Eu 'tô muito empolgada se tiver alguma festinha. É uma pena Jihyo não ir. - A Minatozaki faz uma expressão triste.

- Eu de vela, quem aguenta?

- Eu também, ué. - Momo responde ao Jung que não tira os olhos do computador

- Vocês falam isso como se eu também estivesse namorando alguém. - Falo, sentando perto de Sana.

- Ué, e não 'tá não? - Hobi me olha e eu cruzo os braços. Não sei quando foi o dia que parei de ser respeitada.

- Elas namoram e nem sabem. - Momo diz rindo - Ainda - Faz uma cara maliciosa - Eu só não quero ir diretamente na água. Eu tenho medo de ser levada.

- Tinha esquecido que você não sabe nadar. - Comento. Momo tinha um certo medo de piscina porque uma vez fomos em um aniversário de uma colega de classe. Era na piscina porém, Momo não sabia nadar e achava que não era tão fundo. Ela havia quase se afogado. Apesar de não ter sido tão grave, ficamos todos preocupados e Momo, nunca mais se atreveu entrar dentro de uma piscina ou até mesmo, chegar perto do mar.

- Tudo bem, nós iremos te proteger. - Sana diz, pegando a mão da garota para confortar a mesma. Sabia que era delicado.

- Confio em vocês. Aliás - Momo se levanta, andando lentamente até minha direção - Falando em confiança, que tal você confiar em mim para eu cortar seu cabelo?

- Mina de cabelo curto? Eu quero. - Hoseok fala, tirando atenção do notebook - Isso me lembrou que haverá uma surpresa amanhã.

- Meu Deus, o que é? - Minatozaki diz, curiosa.

- É surpresa, não posso contar. Vocês vão ver amanhã.

- Como você é chato. - Sana nega com a cabeça - E Mina, a decisão de cortar o cabelo é sua. Acredite ou não, Momo se aperfeiçoou em cortar cabelo.

- Quando a mãe quer economizar com algumas coisas, inclusive salão e barbeiro, a gente têm que aprender a se virar. - Hirai concorda por fim.

- Eu vou sentir falta do meu cabelinho grande. - Digo, pegando e olhando algumas mechas - Mas mudar sempre é bom. - Todos abrem o sorriso, principalmente a Hirai.

- Amo! - A garota exclamou me fazendo rir - Como é um corte simples, só vai precisar de uma tesoura e uma pente.

A garota continuou falando mais algumas coisas. Fiquei presa pensando no que seria a tal surpresa que Hoseok disse. Tinha o pressentimento que era algo relacionado a Dahyun. Talvez seja por isso que ela esteja meio sumida. Embora eu queira falar com a garota, me sinto insegura de mandar mensagem e incomodar a Kim. Ela têm muitas responsabilidades com a família. Pensando bem, a irmã dela pode ter piorado. Quanto sou egoísta em pensar que eu possa ter culpa em algo.

Alguns minutos depois, Momo coloca um pano em minha frente para não me sujar com os fios já cortados. Confesso que estava com medo de Momo fazer algo errado e eu acabar ficando careca, mas tentei relaxar, me despedindo do meu cabelo toda vez que sentia a tesoura nele.

Não demorou muito para ficar pronto. Me sentia diferente. O que um corte não faz, não é? Dou um sorriso, olhando meu reflexo no espelho. Aparentemente Momo havia feito tudo certo.

- Você está tão fofa, Minari. Vai abalar os corações amanhã. - Sana fala enquanto ajuda Momo a limpar o local.

- Abalar os corações que já estão abalados. - Hirai insinuou e mesmo ela estando atrás de mim, pude sentir a expressão maliciosa só pela voz.

- Eu entendi, ok? - Falo, me levantando com certa vergonha.

- E era para entender. Não é segredo para ninguém.

- Obrigada, Momo. Confesso que achei que iria fazer alguma bobagem no meu cabelo. - Ela faz uma careta.

- De nada, anjo. - Hoseok estava quieto, havia voltado atenção para o computador e então me aproximo do mesmo.

- O que tanto você faz aí?

- Antes eu estava jogando mas agora, estou organizando algumas coisas. Pretendo tirar fotos na nossa viagem e quero guardar tudo. É seu último ano e quero guardar as boas lembranças.

- As boas lembranças se guardam na mente. - Respondo para o mesmo.

- 'Tá mas, imagina se um dia eu sofrer um acidente fatal que faz esquecer de vocês? Vocês terão provas de que sou euzinho na foto. Penso muito no meu bem estar e no dia de vocês. Não quero que sofram caso esqueça seu nome e rostos. - Afirma, fazendo uma carinha de cachorro pidão para se defender.

- Você é meio exagerado.

- Eu sou precavido.

- Ai Mina, pergunta dele se ele já arrumou a mala? Vai deixar 'pra última hora, como sempre eu aposto. - A Minatozaki fala, provocando o garoto.

- Olha só, você me respeita.

Ambos começaram uma pequena discussão. Óbvio que era brincadeira de ambos mas aquilo nos divertia muito. De certo modo, eu concordava com Hoseok. Quero poder lembrar de tudo que vivi do lado dos meus amigos quando ficar mais velha. Mesmo que tudo, não seja possível, pelo menos metade já é o suficiente. Eles eram tudo para mim, minha segunda família.

---

Acordei no dia seguinte um pouco desesperada, achando que estava atrasada para ir para viagem, com risco de perder o ônibus. Acho que havia ficado mais ansiosa pela noite que acabei sonhando com isso. Fiquei pensando em inúmeras situações do que podia acontecer de divertido ao lado do pessoal e principalmente, de Dahyun. O que me envergonhava muito. Parei de contar ás vezes antes de dormir o quanto pensei em nós duas. Só de pensar de novo, minhas bochechas ficam coradas, sem dúvidas. 

Sana estava no banheiro, conseguir fazer a mesma levantar um pouco cedo já que ela sempre teve e têm dificuldade para acordar. Deixei a mesma ir primeiro e mais uma vez, conferir minha mala para ver se já tinha tudo o que precisava. 

- Sabia que água 'tá muito gelada? Cara, eu sentir que meu espírito foi e voltou. Como 'tô acordada? - A garota fala entrando no meu quarto enquanto enxugava os cabelos. 

- Eu vou tomar meu banho agora. Sana! - Chamo a mesma, nervosa.

- O quê? 

- Se eu morrer de avião e você ficar viva, apaga as coisas do meu celular. - A garota ri, negando com a cabeça. 

- Você não irá morrer. 

- Mas é uma possibilidade. 

- Ok, vá tomar banho logo. Mamãe está fazendo o café e vamos ter que descer daqui pouco para nos levar. - Concordo e a mesma sai do quarto. Vou direto para o banheiro fazer o necessário. Não gostava muito de segundas, mas confesso que aquela estava me deixando eufórica para saber o resto da semana o que estaria vindo por aí. 

Após eu tomar meu banho, coloco uma blusa e por cima, um moletom. Aquele dia estava fazendo um pouco de frio. Embora a maioria dos pais tivessem carro para deixar os filhos no aeroporto, outros não. A condenação achou mais organizado todos se reunirem na escola para todos irem nos ônibus, diminuir assim o risco de se perderem pelo caminho. Todos concordaram no fim. Seria divertido da mesma maneira. 

- Bom dia, senhora Akira. - Falo entrando na cozinha, vendo a senhora lavando algumas coisas na pia.

- Bom dia, querida. Tome café para não ficar com fome no caminho.

- Certo. Mas a senhora preguiça de ajuda? 

- Não, não. Está tudo bem. Vocês já estão arrumadas para a viagem, não devem se sujar na cozinha. 

Sana não demora para descer e tomamos café nós três. A mãe de Sana falava coisas engraçadas sobre ela tomar cuidado e que não deveria aprontar. Jihyo e ela estariam esperando a volta dela. Disse para Sana não me perder de vista também. O café da manhã havia sido animado. Agora estávamos na frente de casa, colocando as malas no carro. Um carro começa a se aproximar mas logo reconheço de quem seja. Ao estacionar, meu pai sorrir para mim e vou correndo abraçar o mesmo.

- Pai! - O abraço e ele retribuir rindo - Não saberia que viria me ver. 

- Claro que vinha. Eu tenho que desejar boa viagem para você antes de voar para longe, que nem um passarinho. - O mais velho diz e olha em direção a Sana e a mãe da mesma - Bom dia, senhoritas. 

- Bom dia! - As mesmas respondem, sorrindo. 

- Eu estava indo para o trabalho e resolvi vim aqui. Por favor, tome cuidado e se cuide. 

- Irei sim. Confesso que sua visita me deixou mais alegre. - O mesmo sorrir.

- Será que Akira deixará levar vocês? É no caminho para o trabalho. 

- Talvez. É melhor perguntar dela. 

Meu pai conversou com a mãe de Sana. Iríamos por fim, junto com meu pai até a escola. A mãe de Sana não queria deixar de abraçar a mesma, pedindo para ela ter cuidado e usar protetor solar. Me despedir da senhora por qual me abrigava, desejando que eu aproveitasse e tomasse cuidado ao mesmo tempo. Ela era um amor. 

Estávamos indo no carro para a escola, conversando algumas coisas sobre o vestibular e baile. Os dois, ambos não muito longes e o fim do ensino médio, também não. Era um assunto até bobo de ser tocado naquele dia por conta de ser um dia que não era nada relacionado com tarefas e provas. Mesmo assim, foi natural. Meu pai se preocupava muito se eu estava indo bem ou não na escola e depois dos fatores que ocorreram, mais ainda. 

O carro começa a parar devagar em frente a escola. O ônibus já estava ali. Naquele dia não haveria aula por conta da dedetização, então, iríamos ter que ficar o mais longe possível do prédio. Já havia algumas pessoas no local do nosso grupo com mais dois professores. Jeongyeon e o Seokjin que haviam ficado responsáveis de nos levar, isso por meio de um sorteio. Essa escola parecia meio doida ás vezes. 

Quando saímos do carro, Hoseok veio correndo até nós.

- Eu achei por um momento que estariam dormindo ainda. Bom dia, senhor Myoui.

- Bom dia, Hoseok. Como vai seu pai? 

- Cuidando dos negócios como sempre.

- Oh, certo. Seja um cavalheiro e cuide dessas duas damas durante a viagem. - Sana e eu não nos aguentamos após aquela frase. Demos gargalhadas, fazendo sem querer, chamar atenção de algumas pessoas que estavam ali perto. Hoseok parecia envergonhado. Na frente do meu pai, o Jung sempre se segurava com o cinismo e brincadeiras. Talvez estivesse pensando que estragamos a reputação dele - Por que riram, meninas?

- A piada que o senhor é muito engraçada. - Minatozaki falou e Hobi fechou a cara para a mesma. 

- Elas são brincalhonas assim mesmo, senhor Myoui. 

- Certo, rapaz. Confio em você. - O mesmo concorda e eu ainda tento evitar de ri de novo - Têm mais duas meninas faltando, não é? A Momo eu sei que mas a outra, sempre esqueço o nome é a...

- Dahyun! - Respondo para meu pai. Sana me olha desconfiado. 

- A Momo esqueceu de comprar alguma coisa e está fazendo isso. Daqui pouco ela vai aparecer. Ah, e a Dahyun está em um canto do muro dormindo. - Hoseok fala, olhando para a provável direção que a garota estava.

- Dormindo? - Pergunto.

- É, ela chegou primeiro do que todo mundo pelo que entendi. A mãe dela teve que deixar ela cedo aqui já que teria que cuidar da outra irmã. Vou chamar a mesma e dizer que vocês estão aqui, com licença. - Hoseok se afastou, indo em direção ao ônibus. 

- O amigo de vocês é confiável? - Meu pai pergunta.

- Claro que é. - Respondo e Sana concorda.

- Então por que vocês riram quando eu chamei ele de cavalheiro? - A expressão séria do meu pai estava no meu rosto. Era engraçado porque meu pai era todo solto.

- É que o Hoseok é bem solto e não faz o tipo cavalheiro. Não que ele não respeite a gente, óbvio que ele respeita mas ele não trata a gente assim. 

- É, pai. O Hoseok não faz nada de ruim e nunca fez também. - Digo completando a afirmação de Sana.

- E se fez, eu passo pano. - Sana falou. 

- Certo, será que devo confiar mesmo? - Mantinha a pose séria, falando do garoto. 

- Sim, pai. O que ela quis dizer é que é mais fácil a gente cuidar dele, do que ele da gente. 

- Tudo bem, meninas. Eu só estava brincando. Confio no Hoseok, ele já salvou minha filha e sei que ele faria isso por qualquer um. É um rapaz bom. - Ele olha no relógio de pulso. Vejo Hoseok se aproximado de Dahyun. Mas pera, era a Dahyun? Como assim? Então Dahyun está de...

- Black hair?! - Sana falta alto, assustando a garota que vinha toda sonolenta em nossa direção. O meu pai ri da reação da Minatozaki.

- Ai Sana, sem gritos logo cedo. Eu acordei com vontade de cometer um crime de ódio e pode sobrar para você. - Kim se pronuncia, parecendo não perceber a presença do meu pai. 

- Você sabia que sou advogado e trabalho em uma empresa? - A garota parece se assustar com a voz e logo olha para meu pai. Ele estava rindo.

- Senhor, Myoui. Bom dia. Eu falei em modo literal, não vou matar ninguém, nem afogado nessa viagem. 

- Ok, calma. Só estou brincando e bom dia para você também. - Aquele dia estava sendo muito bom, esperava que o restante fosse assim também - Olha, crianças eu preciso ir. Infelizmente não vou poder esperar a outra amiga de vocês chegar, daqui a pouco vai dar o horário para eu estar no trabalho. Desejo todos uma boa viagem e por favor, cuidem da minha menina. 

- Pode deixar! - Todos afirmaram e eu sorrir. O mesmo me abraça e caminhamos até o carro.

- É aquela, não é? 

- Quem? - Pergunto confusa, olhando para a direção onde mesmo olhava em direção.

- A Dahyun. 

- O que têm ela? 

- É dela que você gosta, não é? - Minhas bochechas parecem querer queimar de vez. Meu pai me fez uma pergunta tão direta como essa - Mina, tudo bem. Não precisa ficar com vergonha mas, quero te dar um conselho. Aproveita essa viagem, talvez essa seja uma boa oportunidade para você se sentir um pouco livre dos problemas dessa cidade como também, aproveitar para falar seus sentimentos. Isso é você que decide. Não sei se está pronta ou não para isso. A única coisa que digo além do conselho é que, você têm bom gosto e se não me dar ela como nora, não aceito menos quê isso. 

- Pai! - O repreendo.

- Eu só estava brincando, meu amor. Olha, tome cuidado e boa viagem. Converse comigo sempre que puder. 

- Sim, senhor. - Dou um sorriso e o mesmo entra no carro, já ligando o mesmo.

- Tchau, filha!

- Tchau, pai! - Aceno e o mesmo logo some ao dobrar a rua. Também esperava fazer uma boa viagem.

Ok, vamos pensar no que eu vi alguns minutos atrás. Dahyun de black hair. Confesso que já havia imaginado ela assim em um sonho distante afinal, nunca tinha visto a garota com os cabelos pretos. Fico nervosa. Ela estava linda. Talvez essa fosse a surpresa que Hoseok mencionou ontem. Crio coragem, e me viro para ir em direção ao grupo de conversava alguma coisa.

- Ela não está linda? - Sana disse, quando me aproximei. Fiquei confusa nessa hora. Dahyun balança a cabeça em positivo.

- Realçou o rostinho dela. Você ficou linda com o cabelo curto, Mina. - Nem lembrava mais desse detalhe. Sorrio envergonhada e decido falar algo também. 

- E eu achei que nunca iria te ver de cabelo preto. Está linda, cada vez você se supera. - Digo, fazendo uma voz de brincalhona para não ficar tão na cara o quanto eu estava boba com aquele visual da Kim. Ela vestia o típico moletom cinza. Ela sendo tão ela com os gostinhos dela, isso tudo tornava a garota mais especial ao meu ver.

- Fiquei em dúvida, sabe? Mas Hoseok me ajudou a escolher. Me fez ficar curiosa sobre o que você havia feito também. 

- Oh, ele fez isso conosco ontem também. - Afirmo.

- E eu me divertir vendo as duas curiosas para saber uma o que outra fez. - Hobi diz, rindo parecendo lembrar da situação criada por ele mesmo.

- Por que cabelo preto? Algum significado? Você diz que geralmente está entediada ou irritada quando faz algo no cabelo. - Pergunto para a garota. A mesma ainda parecia com sono no entanto, tentava se manter firme na conversa.

- Eu queria para ficar na era clean e então, o Hobi disse para deixar ele preto. Fiz isso e agora estou aqui belíssima. - A Kim fala, fazendo um high five com o Jung.

- Viraram amiguinhos. - Sana falou, finalmente deixando o celular de lado - Olha, eu conheci o Hoseok primeiro.

- O horário do ciúmes. Calma, têm Hoseok para todo mundo. - Diz se gabando, me fazendo rir.

- Não tenho como competir com a Sana, desisto. A mesma fala.

- Dahyun começou me amar quando confessei para ela que eu no começo tinha receio dela, uma opinião diferente. Isso mudou, acho que por isso após a diferença, veio a era clean. - O garoto fala, abraçando Sana de lado enquanto a mesma, encostava a cabeça no ombro para tentar cochilar. 

- Minha era clean não foi por isso. 

- Foi por que então? - Jung, pergunta. 

- Foi porque eu quero dar novas cores na vida junto com alguém. - Dahyun diz olhando para mim. Me assusto com a frase e começo a rir de nervoso. 

- É, que bonito essa frase aí. - Totalmente nervosa, respondo. Hoseok parecia se segurar para não rir junto com a Sana - Vem cá, cadê a Momo? Ela não ligou mais?

- Falando no diabo, 'tá ali ela. - Hoseok disse, apontando para a garota que estava vindo um pouco apressada em nossa direção. 

- Eu achei que ia perder o ônibus. - Diz ofegante.

- Veio a pé? - Pergunto preocupada e Sana vai logo dando a garrafinha de água dela. Momo toma e tenta normalizar a respiração. 

- Eu fiquei isso aqui - Ela faz um símbolo do pequeno com os dedos - De ser assaltada. 

- O que aconteceu? - Dahyun pergunta e Hoseok parecia assustado.

- Eu fui na farmácia e aí, quando eu ia chegando, tinha uns caras lá. Só fiz dá meia volta e sair correndo. Fiquei com medo porque um deles me viu. - É melhor irmos para perto ônibus e sair de perto da rua. 

Nós ficamos esperando o restante do pessoal chegar e tentando acalmar Momo. A garota estava bem nervosa quando chegou, mas felizmente, agora estava mais calma. Quando Namjoon chegou, cumprimentou a gente assim como Yerim, que não parava de falar nenhum momento. Tzuyu se mantinha quieta, talvez esperando Jisung e Chaeyoung que ainda não haviam chegado. Faltava apenas eles inclusive. Já estávamos em uma rodinha de amigos, todos conversando sobre o que queria ou não fazer quando chegasse lá. 

- Eu só penso na hora de estar nadando na praia, muito bem relaxada com a água. Isso para mim vai ser a terapia que não posso pagar. - Yerim diz, fazendo uma expressão suave no rosto. 

- Nós poderíamos jogar vôlei também. Um esporte sempre é bom. - Namjoon fala, dando ideias para o pessoal.

Ao meio da conversa nem havia percebido que Dahyun não estava mais ali e sim, conversando com uma garota. Estranhei. Quem seria ela? Tudo bem, pode ser alguma parente da mesma. 

- Encarar é feio. - Hoseok sussurrou, me dando um leve susto.

- Não estou encarando.

- Ok, Kátia. - O olho confusa - Relaxa, a Dahyun só está conversando. Não vai me dizer que está com ciúmes? - O garoto solta um risadinha baixa.

- Que ciúmes? Apenas somos amigas.

- Ai, Mina. Troca esse disco porque todo mundo 'tá cansado. Quero ver até quando isso. Será que até quando vocês estiverem no altar, você vai dizer para mim "Somos amigas" também? - Reviro os olhos com o exagero do garoto. Depois eu sofria bullying dos meus amigos por ler fanfic. É mole.

Olho para Sana e Momo, tentando disfarçar quando Dahyun virou vindo em nossa direção. As japonesa mais nova, abraçava a mais velha tentando confortar pelo que aconteceu mas ia ficar tudo bem, pelo menos eu esperava. Dahyun então, se senta ao meu lado o que antes, ela não estava. Não comento nada. Logo o professor Kim e a professora Yoo se aproxima e junto deles, Chaeyoung e Jisung estão presentes. Ou seja, estavam todos completos para a viagem. 

- Bom dia, alunos. - A professora Yoo disse.

- Bom dia! - Falamos todos juntos. 

- Vamos agora subir no ônibus para ir para o aeroporto. Pedimos que por favor, não se separem quando sairmos do ônibus.

- Infelizmente, a professora Ha Sooyoung não irá poder vim conosco por problemas pessoais que aconteceram de última hora. Seremos responsáveis por vocês e esperamos um bom comportamento de cada um. Isso não quer dizer que não possam se divertir mas por favor, tomem cuidado. - Seokjin fala e pega sua mala, onde havia sua coisas para a viagem.

- Fila para entrar no ônibus. - A mulher falou e assim, logo ficamos em uma fila para entrar e a mesma, conferir autorização dos pais. Fiquei no final, sendo penúltima tendo Momo na minha frente e Dahyun atrás de mim. Nós entramos e obviamente, haveria bastante espaço para sentarmos onde quiséssemos. Enquanto havia algumas pessoas, Dahyun me abraça por trás, colocando sua cabeça em minha costa. Meu corpo arrepia pelo contato. Eu podia ver a expressão fofa no rosto da Kim na minha mente, com sono e tentando se aconchegar. 

- Você é tão quentinha, Mimi.

- Obrigada. - Tento parecer não nervosa. Agora está na vez de Momo. Dahyun se afasta de mim, sabendo que já seria a próxima. Hirai entra e logo minha vez chega.

- Bom dia, senhorita Myoui. O comprovante assinado pelo pai ou responsável. - Entreguei o papel com a assinatura do meu pai. Yoo leu e confirmou, dando um pequeno sorriso.

- Pode entrar e se sentar. 

Fiz o que a mulher pediu. Todos os alunos estavam perto um do outro, em uma conversa animada. Hoseok e Jisung contava umas piadas divertidas e até o professor Kim, havia entrado na brincadeira. Yerim estava sentada do lado de Momo, Sana e Hoseok juntos,  Tzuyu junto com a Chaeyoung e Namjoon com Hyojong. Sentei no banco atrás de Sana, perto da janela para olhar o movimento das ruas no caminho. Logo vejo, Dahyun entrando no ônibus. A garota senta do meu lado, sem dá muita atenção na conversa do pessoal.

- Sabia que você está menos falante hoje? - Digo tentando puxar assunto.

- Nah, é que estou com sono. 

- Por um momento, achei que não estava animada com a viagem.

- Óbvio que estou. Juro que é só o sono.

- Tudo bem, eu confio em você. - Dou um sorriso de leve e a mesma retribui. O professor Kim e a professora Yoo dá as últimas instruções para a viagem. O ônibus começa a percorrer o destino e eu olhava atenta para as ruas pela janela. Sentia o olhar de alguém sobre mim mas, tentei ignorar. 

- Mina? 

-Oi, Dubu. - Deixo escapar e ela sorrir - Desculpa.

- Relaxa, eu gosto quando me chama assim. - Um sorriso meigo apareceu em seu rosto e os olhinhos brilhavam. Isso era tão fofo - Quer ouvir música comigo? - Mostra uma lado do fone, me oferecendo. Concordo, um pouco envergonhada. Ela se ajeita e eu também. A música típica do nosso gosto musical tocava naquele momento. A lembrança do show que fomos me invadiu. Aquele dia tinha sido maravilhoso, me sentia privilegiada por ter passado aquele tempo com Dahyun. A mesma colocou a cabeça no meu ombro. Podia sentir o cheiro do seu cabelo e confesso, eu tive vontade de fazer um cafuné na garota. Me contive afinal, não estávamos sozinhas.  Fomos assim o resto do caminho. Ouvindo música e com uma Dahyun respirando levemente perto de mim, totalmente serena.

--- 

Ao colocarmos os pés em Jeju, sinto o vento bater fortemente. Era um vento agradável, limpo. Eu tive mais certeza ainda que iria aproveitar bastante naqueles dias.

- Como eu amo a natureza. - Namjoon diz, sentindo o vento de braços abertos - A gente podia dá um passeio de bicicleta hoje. O que acham?

- Eu não sei como estou em pé e você quer passeio de bicicleta? - Chaeyoung fala, parecendo nenhum pouco paciente. Talvez não fosse o forte da garota pedalar. 

- Eu acho a ideia legal, mas é melhor chegarmos onde iremos ficar para decidirmos melhor. -Hyojong afirmou, brincando com sua mala preta.

- É, pessoal. Vamos ver primeiro o que vamos almoçar porque estou com fome e preciso me alimentar. 

- Prefiro comer também para depois decidirmos o que iremos fazer. Temos uma semana livre, não vamos nos estressar. - Tzuyu concorda com Momo e logo, o professor se aproxima de nós.

- Realmente, senhorita Chou. O pessoal da pousada vem nos buscar. A senhorita Yoo foi procurar. Por favor, não se afastem.

Depois de alguns minutos, apareceram três homens, não muito de idade para nos levar para tal pousada. Jeju era tão calma e tão bonita. Estava indo em um táxi junto com Momo e Yerim. O professor Kim ia ia conosco naquele carro. Quando chegamos, todos ficaram surpresos do quanto a tal pousada era linda. Hoseok já tirava as fotos, impressionado. 

- Nossa, eu quero deitar naquela rede ali. - Jisung disse, sussurrando para mim. Soltei uma risada. Acho que todos estavam pensando em tirar um cochilo para fazer algo mais tarde.

- Olá a todos. Vocês então são os alunos sortudos? Fico muito feliz de terem ganhado esta viagem, imagino o quanto tiveram trabalho e perseverança. Não só vocês como todos os outros alunos que realizaram o projeto. Meu nome é Kim Jongdae, dono da pousada e esse é meu filho Seungmin. - O garoto que estava ao lado dele, deu um pequeno aceno sorrindo sem mostrar os dentes - Sejam todos bem-vindos, iremos mostrar os quartos que vocês irão ficar.

No final, descobrimos que iríamos dividir quartos. Sana, Momo, Tzuyu e eu. Yerim, Chaeyoung e Dahyun iriam ficar em outro. Nem tudo foi por questão de afinidade.Confesso que fiquei triste pela Kim não ficar conosco. Ela deveria ter ficado chateada mas nada falou. Só o que não podia era os garotos dormirem junto conosco. Só de imaginar a bagunça do quarto dos quatro, fazia pensar que era melhor assim. Coitado de Namjoon que é todo organizado.

Almoçamos. Na verdade, já era hora da janta. Comemos muito naquele primeiro dia e claro tiramos tirado um bom cochilo para aproveitar o final de tarde. Dahyun, Hoseok e eu estávamos embaixo de uma árvore, comendo alguns pastéis.

- 'Pra mim é engraçado. Talvez Namjoon não demore muito para perder a paciência. 

- Pelo menos você tem  alguma intimidade entre si. Foi muito azar eu não ficar junto das meninas. - A garota faz uma pose de choro. "Lide sua dor com humor" lembrei de que a Kim havia me dito uma vez.

- Falando em garotas, quem era aquela que conversou alguns ,minutos antes de entrarmos no ônibus? - O Jung me olha rapidamente. Ok, eu mato ele se o mesmo insinuar alguma espécie de ciúmes - Uma ficante?

- É uma doida aí que furou meu olhou. - Então, seria a tal melhor amiga que ficou com o Yoongi? Eu não sabia que elas tinham voltado a se falar. Talvez seja por isso que me sentia um pouco distante.

- Fizeram ás pazes? - Pergunto.

- Não, mas ela já tentou. Evito lembrar disso se não, vou quebrar a cara de alguém.

- Entendo. - A garota mexe algo no bolso, tirando o seu celular - Quero foto nossa juntos. Pena que Sana e Momo estão dormindo mas irá vim muitos dias.

- Vim preparado com minha câmera também. - Hoseok fala, ficando do lado esquerdo de Dahyun enquanto eu do direito.

- Eu também. A gente pode reunir todas as fotos tiradas e fazer um book. Agora, olhem para o celular e digam "Comunismo". - Olhamos de olhos arregalados para a garota - Brincadeira.

- Brincadeira têm hora, brincadeira têm hora. - Hoseok diz sério mas logo sorrir. Faço o mesmo, sorrindo para a foto.

O segundo dia, começou totalmente agitado. Nós fomos dar um passeio na cidade. Era tão linda. Devia ser bem legal morar por ali. No passeio, nós visitamos alguns lugares importantes e tiramos fotos,inclusive, fomos em um dos museus. Tão bonito e sofisticado. O senhor Kim e a senhora Yoo sempre fazia algumas explicações das obras. Jisung como sempre, não perdiam a oportunidade de fazer alguma piada. No mesmo dia, saímos para assistir um filme no cinema. Perfeito demais, não era atoa que havia ganhado Oscar.

O terceiro dia era uma caminhada e fomos há uma praça. Realizamos tão desejo de Namjoon para andar de bicicleta por mais que no começo, Chaeyoung não aceitou. A questão era porque a mesma não sabia andar de bicicleta. Tzuyu deu uma força e levou a garota junto com ela. Era fofo. Isso havia me lembrado do comentário de Sana em dizer que Tzuyu gostava da Son. O final daquele dia, também tivemos uma passeio de barco e foi muito engraçado por Hyojong ter se atrapalhado e caído do barco. O garoto sabia nadar, obviamente. Momo por mais que tivesse medo de qualquer lugar fundo com água, foi conosco mas, levando mais de um bote salva vidas consigo.

Na quinta, nós finalmente fomos a praia aproveitar. Estávamos liberados a partir daquele dia visitarmos onde quer que quiséssemos. O dia foi na praia, totalmente divertido com jogos. Acho que a coisa mais assustadora foi Dahyun pedir para passar protetor na sua costa. Eu não tenho dúvidas de que fiquei incrivelmente vermelha e não foi por do sol. Sana e Momo, enterraram Hoseok na areia. A cena havia sido muito diverta fora que, o professor Kim, deu uma bolada no rosto de Hyojong. O desespero do professor pedindo desculpa ao Kim mais novo foi cômico.

Já era sexta e Sana decidiu que iriamos sair para comprar lembrancinhas. Naquele dia, estávamos liberados para ir onde quissemos  só não poderíamos ir sozinhos porque era perigoso alguém acabar de perdendo. A professora Yoo até nos deu um mapa para ajudar. A regra era só voltar antes das seis porque iríamos jantar todos juntos em um restaurante, todos tinham que estar salvos "é um voto de confiança " o professor Kim afirmou antes de sairmos.

- Mina, a gente podia ir naquela loja de roupas? - Disse, falando baixo e apontando para uma loja. 

- Tudo bem, mas temos que avisar. - Me aproximo da Minatozaki que mostrava algo para Momo - Gente, a Dahyun pediu para eu ir com ela naquela loja. 

- Tudo bem, não se percam. Se não nos encontrarem, estaremos esperando vocês na entrada da feirinha. - Minatozaki deixa de lado o artesanato para falar.

- Estamos com o celular também. Qualquer coisa, avisa. - Momo diz e eu concordo. 

- Então até logo, meninas.

- Só não esqueçam do jantar! - Momo exclama quando já estamos um pouco longe delas.

- O que irá comprar? Roupas? 

- É um presente e quero que me ajude a escolher. - A garota diz, sorrindo. 

- Olá, boa tarde. O que desejam, meninas? - A atendente diz, simpática. 

- Estamos dando uma olhada. Quero dar um olhada em brincos, colares, essas coisas. 

- Ok, você pode vim comigo, por favor? Irei lhe mostrar. - Dahyun segura minha mão levemente, seguindo e me levando onde a vendedora nos mostraria o lugar das joias. Sinto meu coração quase parar por aquele simples gesto. Para ela não fazia diferença e podia ser algo natural mas para mim, era motivo de euforia.

- Aqui, senhoritas. Fiquem a vontade para olhar de perto. - Havia vários pares de brincos e colares no lugar. Dahyun olhava atentamente.

- Qual você gostou? - Ela perguntou. 

- Eu? 

- Sim, eu trouxe você para me ajudar escolher. 

- É. - Digo sem jeito - Vamos dar uma olhada aqui. 

Começamos olhar os brincos e cordões. Era difícil saber para quem eles iriam mas era provável, ser para a mãe de Dahyun. Eu não lembro de ter visto a senhora Kim de perto, não sei como posso ajudar. Ao olharmos mais algumas coisas, vejo uma colar que me chama muita atenção. Minha atenção ficou presa, olhando para o pingente simples e delicado. 

- Você gostou? - Levo um pequeno susto da Kim.

- Achei ele lindo. 

- Acha que ele seria um bom presente?

- Oh, sim. Uma lua minguante faz parecer um sorriso. - Respondo - É simples mas é lindo. Seja quem for, vai adorar.

- Boa escolha. - A mesma diz - Acho que irei levar. - Ela olha para a vendedora que concorda. A Kim pagou com um cartão de crédito. Eu nem sabia que ela tinha. Totalmente adulta. 

Ao sairmos, já estava um pouco tarde. Não demoraria muito para precisarmos ir para o alojamento para nos arrumar e irmos para o jantar. 

- Sei que está tarde, mas, vamos andando para a pousada. Não é tão longe. 

- Certo. Contanto que não perca a gente.

- Claro que não. Tenho senso de direção. - Ela rir.

- Ah, então quer dizer que eu não tenho? - A olho desconfiada, já estávamos caminhando no caminho para a pousada.

- Hum - Fingiu pensar - Talvez. Mas se a gente acabasse nos perdendo, só não que a gente se perca uma da outra.

- Me sinto muito sua filhinha e olha que você é mais nova que eu.

- Pronto, agora vai me dizer que sou menor que você também. - Caio na risada com aquela última frase, eu nem se quer havia pensado nisso.

- Você mesmo está colocando palavras na minha boca. 

- Têm outras coisas que quero colocar na sua boca e não são palavras. - A Kim diz, me assustando. Fico completamente nervosa e ela logo se corrige - É comida que quero colocar. Tipo, te dar comida na boca. - A garota se embola - Foi só uma brincadeira. 

- Certo. - Mordo meu lábio inferior levemente. Não pense coisas, Mina. Foi uma brincadeira como ela disse. Não quer dizer que tento talvez uma queda ou um penhasco por Dahyun, quer dizer que ela têm por você. 

- Você geralmente fica muito nervosa com esse tipo de brincadeira. Isso acontece com todo mundo ou só comigo? 

- Mais você você. Não sei o motivo. - Na verdade, eu sabia sim.

- É fofo e engraçado porém, não quero deixar você constrangida. 

- 'Tá tudo bem. - Nós andamos um pouco mais rápido para a direção onde estávamos hospedadas. Ainda bem que Momo e Sana avisaram sobre já estarem lá têm uma hora atrás. Antes de entrarmos, havia alguns hóspedes fora aproveitando o final de tarde. Dahyun parou, olhando diretamente para a vista do céu com um sol se despedindo depois de mais um dia. 

- É lindo, não é? Amanhã voltará. 

- Eu sei, que bom que você estará aqui amanhã quando ele voltar. - Digo, sorrindo e a mesma retribui me olhando bem nos olhos. No entanto, nos despertamos por um grito de Tzuyu, correndo de Jisung. 

- O que estão fazendo? - Pergunto. 

- Ele têm uma minhoca. - Tzuyu diz, com medo.

- Não é de verdade, é de plástico. Olha. - Mostrou para nós. Realmente era de plástico - Não sabia que tinha tanto medo de minhocas. - A garota fecha a cara.

- Pois agora sabe. - Sai andando. Jisung dá de ombros e sai andando na direção oposta da garota. 

- É melhor a gente entrar e nos arrumarmos. - Dahyun concorda. Nos separamos quando entramos nos nosso devidos quartos. Logo quando entro, Momo me recebe com uma cara maliciosa. 

- Deve ter sido uma tarde boa, né? - Ela ri e Sana logo percebe que estou ali, entrando na brincadeira.

- Me conta tudo! - A garota diz e eu nego com a cabeça.

- Se vocês pensam que aconteceu alguma coisa entra a gente, estão muito enganadas. - Respondo, já pegando minha toalha para tomar meu banho. 

- Uma pena, não é? - Momo diz.

Reviro os olhos, indo me arrumar para sairmos.

O jantar estava sendo muito divertido. Nunca tinha visto tanta comida como naquele momento. Todo mundo se atacou, inclusive eu. As comidas típicas eram maravilhosas mas também, havia os pratos que já conhecemos muito bem. O restaurante era muito bom. Fiquei pensando no investimento que a escola deu ali, estava valendo a pena. Naquele dia, só fizemos escovar os dentes e simplesmente nos jogar na cama. 

---

Já era sábado de manhã e naquele dia, já era o nosso último dia em Jeju. Domingo pela tarde, já iríamos nos despedir e voltar para Busan. Pela noite, haveria uma festa, tipo um luau na praia. Acontecia todos os finais de semana pelo que fiquei sabendo. Pela manhã, tentamos até pescar. Foi divertido. Estávamos em pesca porém, quando pegávamos algum peixe, logo estávamos devolvendo para a água, a intenção não era comer. Alguns até tiraram foto inclusive o professor Seokjin. O dia havia se passado voando e logo, já era noite do pequeno quase luau.

Tinha algumas pessoas além do pessoal da pousada. Todas rindo, dançando, se divertindo. Me sentia bonita naquela noite, havia me arrumado bastante. Naquele momento, me lembrava das últimas palavras que meu pai me disse antes de vigiar. Me sentia uma tola pois, estaríamos de volta amanhã e eu não fiz nada em relação a Dahyun. Eu era uma idiota mesmo. Respirei fundo e Sana percebeu. 

- O que houve, Mina? - A garota pergunta.

- Só estou pensando que amanhã iremos voltar. - Meu olha fica preso em Dahyun que ria enquanto dançava com Yerim. Talvez não fosse para ser. Me sentia decepcionada no final das contas, era culpa minha por criar expetativas. Criar expectativas e não fazer nada sobre. Será que eu deveria culpar a falta de tempo a sós?

- Sente que não fez algo necessário enquanto estava aqui? 

- Sim.

- Bom, ainda dá tempo. Ainda são 11:38 PM. 

- Não é tão simples. - Digo, desviando meu olhar.

- Nada é muito simples. Seja o que for, ainda dá tempo. 

Voltei a beber o suco que havia pedido na barraquinha. Hoseok chegou puxando tanto Sana quanto eu para dançamos e foi isso que fizemos. Era a última noite, eu precisava aproveitar antes de voltar encarar certos problemas, mesmo que eu esteja encarando um agora. Os meus sentimentos por Kim Dahyun. Por que simplesmente não tenho coragem de ficar perto dela sendo que é a coisa que mais quero? Mina, não é necessário chorar. 

E foi assim que fiquei até 1:30 AM dançando, rindo, pulando. Até o professora Yoo e o professor Kim dizer que já estava na hora de nos recolhermos. Mesmo tomando banho, tirado todo o suor do meu corpo e o clima está totalmente agradável para dormir, eu simplesmente não conseguia dormir. Já fazia algumas horas desde que voltamos da festa. As meninas só fizeram de jogar na cama e logo dormiram. Comigo havia sido diferente, eu esperava que isso acontecesse porém, o sono não veio. Ás horas pareciam ter parado para meus pensamentos. 

Olhei mais uma vez no relógio. Já era 4:52 AM e nada de dormir. Por que esse castigo? Me sento na cama mais uma vez na mesma noite. Momo, Sana e Tzuyu dormiam feito pedra, isso não tinha dúvidas. Decido sair do quarto para ir lá fora. Talvez um pouco de ar fresco era o que eu precisava. Saio lentamente da cama, tentando ao máximo não fazer barulho para acordar as garotas ou qualquer pessoa dos quartos ao lado. Me enrolei em uma toalha para evitar o frio. Procurar um casaco só me faria perder tempo e barulho poderia causar. Ando lentamente até a porta, saindo e fechando a mesma com cuidado. Estava tudo muito silencioso o que me fez arrepender de ter saído. Eu e minhas bobagens sobre fantasma. Caminho em direção a saída da pousada. Aparentemente, ainda havia algumas pessoas na praia festejando, um pouco longe.

Vou em direção algumas árvores, não tinha o risco de me perder e bom, eu sabia que daria para voltar sozinha sem precisa de ajuda. Pelo menos ficaria ali só por um tempo. O ventinho da madrugada era frio. Fiquei encarando as águas que estavam um pouco mais embaixo dali. Tão bonitas, tão calmas. Eu havia adorado todos esses dias em Jeju. Eu poderia levar mais uma lembrança única se não fosse meu medo. Suspiro, abraçando minhas pernas. 

Pensei mais um pouco, em como fazia para deixar de ser medrosa. Não sei quando deixei de ter medo do escuro, mas queria que deixasse de ter medo pelos meus sentimentos a Dahyun. Era incrível como a garota toda vez que a via, se superava ainda mais com a sua beleza mas o jeito, nunca mudava. Será que ela sabia do quanto ela mexia comigo? Imagino que sim, talvez ela só se fizesse a egípcia. Mesmo eu tentando não me apaixonar, eu me apaixonei. Posso esquecer, certo? Daqui alguns meses dias, irei fazer a audição para entrar na faculdade de dança, algum momento eu teria que ir embora. Como seria minha vida sem meus amigos? Sana, Hoseok e a própria Dahyun ainda iriam para o terceiro ano. Fazer novos amigos em outro lugar me assusta, eu confesso. 

- Mina? - Ouço meu nome, saindo dos meus pensamentos com o susto.

- Que susto, Dahyun! - Coloco a mão no peito - Você gosta de me assustar. - A garota estava em pé e então, deu um sorriso. Vestia o típico moletom cinza. Estava uma fofa, toda empacotada.

- O que faz aqui? - A Kim pergunta, sentando ao meu lado.

- Eu vim respirar um pouco. Não conseguir dormir e acho que precisava de um ar fresco. E você? O que está fazendo por aqui esse horário?

- O mesmo que você. Que engraçado. Não conseguir fechar os olhos por mais de 30 minutos. Fiquei rolando na cama e por fim, decidir vim aqui. O sol vai nascer daqui alguns minutos.

- Oh, é verdade. - Digo concordando e ficamos em silêncio. Não era um silêncio ruim, era apenas um silêncio das duas olhando para o horizonte.

- Acho que não consigo dormir porque fiquei pensando muito sobre uma coisa. Me sinto que não fiz tudo que deveria ser feito em Jeju. - A Kim fala. Estávamos com aquela mesma sensação. Deveria ser só por coisas diferentes. Olhei para o céu, vendo as últimas estrelas que restavam junto com a lua, se preparando para sumir e aparecer apenas mais tarde. 

- Jeju têm muitos lugares legais mesmo. Infelizmente não conseguirmos ver tudo. 

- Bom, é complicado de explicar.

- Entendo. Mas ainda têm tempo. - Falo, lembrando das palavras de Sana do dia anterior. 

- Têm razão. - A garota afirma, depois de alguns minutos que pareceu pensar e então, tira dos bolso uma caixinha. Era a caixinha do presente. Por que ela estaria ali com ele? Tinha um grande risco de perder - Não esperava que você estivesse aqui mas eu, iria olhar para isto. Acho que não foi uma coincidência você estar aqui. - Ela me entrega a caixinha, me olhando serena - É para você. - Para mim? Eu nem acreditava.

- Como assim para mim? - Digo surpresa. 

- O presente que comprei era para você, por isso te levei. Tive que fazer a atriz para você não desconfiar. - Abro a caixinha, vendo a lua que havia me chamado atenção na loja. Estava totalmente grata quanto aquele presente. 

- Nem acredito. Você sabe que não precisava mas, muito obrigada. - Não consigo evitar de sorrir e isso parece contagiar a Mina.

- De nada. Eu posso colocar para você, se quiser. - Concordo levemente, um pouco nervosa. Eu fico de costa para a mesma e seguro com minha mão direita, meus cabelos. Dahyun então, passa ele pela minha frente e o coloca. Que nervosismo, aquilo parecia passar em câmera lenta. Olho, vendo como ficou no meu pescoço. Era realmente uma peça linda, só tinha que agradecer Dahyun. 

- Eu não comprei nada para você. Desculpa. - Falo me virando, porém, Dahyun não havia se afastado e estávamos bem próximas. Meu coração estava cada vez mais acelerado.

- Não precisa, Mina. - Ela diz me encarando. Eu estava minutos me lamentando por não ter conseguido passar muito tempo com Dahyun mas agora, estava a oportunidade de contar o que sinto. 

- Dahyun, preciso falar uma coisa. - Quase não sai, meus olhos estão muito presos na garota. 

- Eu também preciso, Mina. Sabe, eu não sei o que anda acontecendo, já têm algum tempo. Ter você do meu lado, é a coisa mais maravilhosa que ocorreu comigo. Sinto muito pelo que vou fazer, mas não vou conseguir dizer tudo em palavras. - A Kim fala, acabando com o pouco de distância que tínhamos uma da outra encostando seus lábios nos meus. Sua mão tocava lentamente meu rosto. Ela mantinha os olhos fechados, logo tratei de fechar o meus e aproveitar aquele momento na qual, eu nem se quer estava acreditando. Era apenas uma selar de lábios de Kim Dahyun porém, aquilo bastava para meu coração acelerar rapidamente e minhas mãos suar mais ainda. Eu me aproximo, para intensificar aquele selar e então, Dahyun pediu passagem. Estávamos nos beijando de verdade enquanto a mesma, tinha sua mão em meu rosto, acariciando de um jeito sereno. Eu simplesmente não conseguia me mexer mais que aquilo. Kim Dahyun havia me deixado entregue de vez para ela enquanto os primeiros raios de sol saiam. Se eu sentia um turbilhão de sentimentos antes, eu sentia um universo se sentimentos agora naquele beijo.



Notas Finais


EU TÔ MUITO ANSIOSA PRA MORE & MORE!!! As meninas estavam tão lindas no teaser mas fiquei completamente confusa com a saída dos teasers. Logo, logo iremos ter mais uma música lendária do Twice.

Agora, voltando pra fic: EU NÃO SEI NARRAR BEIJO, ME PERDOE ESTRAGAR O MOMENTO QUE TANTO VOCÊS ESTAVAM ESPERANDO!!! Aliás, gostaram da capa nova? Tive que fazer umas mudanças por uns problemas.

Agora entendem minha empolgação? Eu espero que tenha agradado alguém. Enfim, até o próximo capítulo, amo muito vocês 💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...