História Amount Due Amount - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jung Hoseok (J-Hope), Min Yoongi (Suga), Personagens Originais
Tags Curta, Declaração, Faculdade, Fofa, Hoseok, J-hope, Romance, Sope, Suga, Yoongi, Yoonseok
Visualizações 72
Palavras 1.572
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção, Fluffy, LGBT, Slash, Universo Alternativo
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi meus babys 💜
Essa fanfic é bem amorzin, e é um plot bem simples só que eu realmente gostei e ele já está escrita faz um bom tempo, só não conseguia fazer uma capa.

Essa fanfic tem um diferencial, sempre narro como Hoseok dessa vez temos Yoongi narrando.

Fiz um pedido que chegou bem rápido e ficou muito linda, sigam eles no twitter @FansingDesing

Até as notas finais 💚

Capítulo 1 - Devido Valor


Sabe aquele ditado popular que está na lista de que todos falamos e ninguém realmente segue?!

“Só damos valor de verdade a algo quando perdemos”

Há variações de como é dito e como vai chegar até você. Entretanto ele chega, e você possivelmente irá falar em algum momento, passando ele adiante. Aonde eu quero chegar é, que todos falamos por um motivo.

Igual os clichês, acontece que tudo que você olha em entretenimento é alguma coisa que chegou a acontecer com alguém, se virou clichê é porque alguém praticou e outro observou, gostou e passou em diante. É sempre assim, nós mesmos criamos o que criticar depois.

Mesmo que seja batido o lance do coque frouxo e Starbucks, em um certo momento você vai usar seja em uma roda de amigos para uma piada ou até mesmo praticando a ação.

A vida resolveu me causar motivo de reflexão social e emotiva.

Há cerca de três dias, Jung Hoseok veio até mim e declarou seu amor platônico. Um garoto do segundo ano de dança, sorriso largo e pele morena, chegou até mim no final da tarde depois do encerramento de ambas as aulas, e de forma simples despejou sobre mim seus sentimentos. Rápida e certeira, eu diria que foi sua declaração.

“— Sabe Yoongi, eu gosto muito de você! Sei que é hetero, então nem precisa responder. Vim apenas tirar o peso das costas e… uma casquinha.”

Com isso ele selou nossos lábios e foi embora com seu típico sorriso largo e belíssimo corpo. Deixando um garoto pálido em completo choque para ‘trás, vulgo eu.

Meu contato com o moreno até então era de cunho social, tendo em vista que temos o mesmo ciclo de amizade. Não não éramos íntimos muito menos nos conhecíamos, apenas convivemos de forma educada um com o outro. Até esse momento.

Passei os últimos três dias pensando em uma resposta, mesmo ele dizendo ter conhecimento de minha escolha - que na verdade nem eu tinha aquela certeza -. Já cheguei a me considerar assexuado pelo simples fato de não sentir atração física por nenhum outro ser.

Hoseok não mudou nesses dias que se passaram, mesmo estando “com o peso fora dos ombros” continuava o mesmo. Queria questioná-lo sobre o acontecimento de segunda, afinal criei duas possibilidades muito boas diga-se de passagem.

Primeira: Ele sofre de amnésia. Sabe o filme “Como se fosse a primeira vez”?! Então, mesmo esquema.

Segunda: Era uma aposta.

Sim, em nenhuma das possibilidades eu considero que ele escolheu me esquecer ou coisa do gênero, todos sabemos que seres humanos são transparentes - mesmo querendo esconder, deixaríamos pistas -. E eu andei observando o Jung e ele não demonstra nenhuma ponta de fragilidade emocional…

Esqueci de mencionar que faço psicologia e que amo estudar o comportamento alheio.

Esse homem fugia de meus conhecimentos. Dizia gostar de mim, para no outro dia depois de um chute mudo, não demonstrar nem um olhar cabisbaixo, fugir de meus olhos, acréscimo de vergonha. Nada! Parece que nem vir para aula de ontem ele veio.

Voltando para a tese do primeiro parágrafo. Eu não digo que o perdi, afinal nunca o tive de modo literal. Apenas acho que essa frase combina comigo no momento. Observe, eu segundo ele, possuo seu coração mas que segundo a situação parece que estamos naquele capítulo, onde o autor presenteia os leitores com a superação do rejeitado e com seus pensamentos de arrependimento do que o rejeitou.

Só que parece que eu pulei uns capítulos dessa história e que recebi um spoiler.

Enfim, na realidade, depois de uma longa reflexão pensei também que isso podia ser uma estratégia muito bem elaborada para poder me fazer pensar tanto na situação e consequentemente nele, e que isso fosse me fazer ficar apaixonado. O que iria funcionar, pois estou completamente vidrado em seu comportamento!

Agora que eu o perdi e dei o suposto valor para ele, e que ele já pisou em mim, deixando a óbvia ironia aqui presente ressaltada… Ele volta para mim?!

Quer saber, eu sou seu sunbae e sua paixão - palavras dele - então vou mandar tudo para o alto, chegar nele e o peitar!

[...]

Pior coisa a se fazer, mesmo não tendo papas nas língua, não sou o tipo que expressa muito bem meus sentimentos em discursos bem elaborados e cheios de sentimento.

Vou me arrepender! Com certeza vou me enrolar e ele como tem o riso frouxo vai rir. Vou corar e querer bater nele.

Não quero mais! Como ele está destruindo o psicológico de um futuro psicólogo?

[...]

Sabe, não é como se não tivesse coragem de chegar nele e essas coisas. É que o Hoseok já é uma paixão superada, quando estávamos no ensino médio, quando eu o conheci, me apaixonei! Vi ele pegando uma menina no final da escola e me afundei em sorvete - eu era uma criança, não podia me afundar em álcool, algo que faço com frequência atualmente - e duas semanas depois, voltei a ser apenas amigo dele no meu coração.

Resumo básico da desgraça alheia.

Sendo assim, não quero reacender algo que eu joguei na água e mesmo depois de frio, brinquei de Elsa e soltei gelo… Okay, estou ficando exaltado!

Tudo pois temos aula conjunta com o curso de dança. A atividade é simples; eles vão coreografar uma dança contemporânea - creio que esse é o nome - e temos que selecionar elementos que fizeram chegarmos na conclusão do que eles estão expressando e o que eles estão sentindo. Me enrolei todo para explicar mas creio que cheguei lá.

Ah Yoongi, qual é o grande problema?

Eu lhes digo! As duplas foram escolhidas pela professora de dança, preciso mesmo concluir o pensamento?!

— Hoseok, você é o próximo!

Ele sorriu assentindo para a mulher alta, vulgo professora de expressão corporal. A música iniciou e era melancólica. Seu corpo e suas expressões, antes tão vivas, agora era apáticas e seus movimentos pesados.

Minha ficha então caiu ali! Ele nunca fingiu que estava bem, ele apenas desconta a tristeza nas aulas de dança e exagerava na felicidade momentânea que nosso grupo de amigos o proporciona.

Além dele me confundir me fez chegar na conclusão, que talvez psicologia comportamental não seja a minha área de especialização.

Tudo se passou muito rápido - ao menos na minha cabeça -, eu finalmente me deixei levar pelo meus sentimentos e talvez um pouco pelo impulso, na verdade eu estava sendo totalmente impulsivo e irracional.

Levantei do chão do estúdio, a música já estava no final. Ele estava meio virado para sua professora que parecia altamente orgulhosa de seu aluno prodígio, o puxei e o beijei. Sim, caro leitor, eu o beijei. Surpreso?! Somos dois! Fiquei mais ainda quando ele me correspondeu, e me segurou pela cintura. Não ficamos ali muito tempo, afinal, estávamos em um sala de aula com duas turmas, juntas, de dois cursos… Puta que pariu!

— Pensei que era Hétero. – Ele sorriu de modo sarcástico e eu quis bater nele. Acabei de beijar ele no meio de suas turmas e é isso que ele diz?!

— Pensei que era sem coração – Devolvo na mesma moeda e sorri sarcástico.

— Erramos! – Diz simplista e dá de ombros.

— Okay, Okay! Ninguém esperava por essa, mas vamos sentar e continuar o trabalho – Meu professor fala de modo nada doce.

Saímos dali quase sendo chutados pelo meu superior. Voltei para meu lugar e fui escrever minha redação - que essa sim precisava agora de minha total atenção -, e Hobi - sim, Hobi! Se já fiz o que fiz posso chamá-lo pelo apelido de adolescência - ficou me olhando o resto da aula inteira com cara de bobo. Terminou a aula e eu saí rápido da sala e ele me seguiu ainda mais rápido. Odeio essas pessoas com corpos aptos a exercícios.

— Me beijou e agora vai fugir? – Debochou parando em minha frente.

— Sim, eu vou sumir amanhã e fingir que nada aconteceu. – Eu o encarei em puro deboche após expelir tanta ironia e ele riu.

— Sabe Yoonie, você fica muito fofo assim, irritado. E eu não sabia que era vingativo assim, estou descobrindo muito sobre você hoje. Não quer logo me fazer uma biografia oral sobre você? – Ele diz brincando, só que eu aproveito para tirar todo peso que nem sabia que guardava.

— Não sei se sou gay, apenas gosto de você. Não quero nada com você pois quebrou meu coração há quatro anos atrás, no ensino médio. E ainda me deixou três dias em total confusão! Acho melhor mudar seu curso e virar ator, você finge muito bem não ter acontecido nada. Obrigada e boa tarde.

Girei meus tornozelos e já pronto para correr sou surpreendido com um abraço. Ele apoiou sua cabeça na minha e acariciou minhas costas em um carinho gostoso.

— Calma, uma coisa de cada vez. – Fez uma pausa. – Desculpe pelo ensino médio, mesmo não sabendo ao certo quando quebrei seu coração… Prefiro que goste só de mim, assim me sinto especial. Sobre os três dias, você queria que eu aparecesse na faculdade com cara de morte?

— Sim! – Soltei alto, diria que até demais, ainda bem que o som saiu abafado por seu tronco que se encontrava encostado no meu rosto. Sinto ele rir e eu sorri fraco.

— Vamos fazer assim, você me dá uma chance de um encontro e se não me quiser eu apareço no outro dia devastado. Afinal você quer que toda a faculdade saiba que levei um fora.

Levantei o rosto para olhá-lo e ele me roubou um selinho. Sussurrou um “vamos” e me puxou em direção a uma cafeteria qualquer…

Assim que foi o início da suposta valorização do que antes eu tinha perdido.


Notas Finais


Pessoas lindas, eu quero dizer que vai demorar só que vai vir um projeto maravilhoso aqui para vocês 💜

Linda betagem pela @Bloodswet do projeto xavoso @novice_editions
Favoritem e Comentem 💞

Beijos da Fada 🌈❣️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...