História Cidade vizinha. - Capítulo 71


Escrita por:

Postado
Categorias Henrique & Juliano
Personagens Henrique
Tags Drama, Romance
Visualizações 27
Palavras 2.342
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), FemmeSlash, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi lindezinhas 🤗🤗🤗
Como vocês estão?
Desculpa o sumiço está tudo uma correria só que fico sem tempo de aparecer por aqui. Sorry gentem😢😢
Mas voltei com capitulo fresquinho.
Spoliers: espero que tenham lenço porque olha não ta fácil não. 😭😭😭😭😭😭

Capítulo 71 - Fim de noite.


...
_Olha tenho que admitir que o Felipe a subestima demais Dra. Laura, muita coragem de vir até aqui sozinha!

Escutei ele chegar mais proximo e com a luz do celular pude ver uma arma em sua mão e nessa hora me dei conta da enorme besteira que fiz vindo até aqui, mas apesar das pernas bambas figi tranquilidade e coragem.
_Estou aqui, agora me diz o que tanto tem pra falar!
(...)

Ficamos alguns minutos apenas nos encarando como uma espécie de demarcação de território e então ele virou as costas e saiu e isso me deu ainda mais medo e quando ia gritar as luzes do lugar se ascenderam. Foi quando notei que o barracão era uma fabrica abandonada, olhei em volta quando vi um homem de quase quarenta, de feição tranquila se aproximar de mim e agora sem arma.

Ele caminhava calmamente até mim e dessa vez não senti medo algum apenas curiosidade; queria saber o que o faria agir contra a lei para ajudar o mau carater do Felipe. E mais ainda o que o faria trai-lo dessa forma procurando a pior inimiga de seu chefe.
_Agora podemos conversar dona Laura! -Ela podia estar com medo, porém, escondeu isso muito bem. A minha frente estava uma mulher corajosa pronta pra defender sua família e empresa.
_Confesso que estou bastante intrigada com o que tem pra falar. -Ele andou em círculos enquanto falava evitando meu olhar acho que por vergonha.
_Essa fabrica antiga pertence a minha família, mas meu irmão perdeu tudo que tínhamos, todo trabalho de anos do meu pai ele jogou fora...eu procurei outros empregos e dia a pos dias era só porta na cara. Os Gonzales ficaram com uma pessima imagem devido as ações do meu irmão, então eu me vi vendendo tudo que tinha pra sustentar minha esposa e filhos...

Ele falou de todo seu caminho antes de conhecer meu primo e se envolver nas armações dele e a cada palavra dita eu tinha mais certeza de que ele era um homem bom que fez o que pode pra não deixar faltar nada pra família e isso apesar de errado era fácil de se compreender. Pra sustentar a minha filha eu sou capaz de qualquer coisa e não brinco quamdo digo qualquer coisa, só quem tem filho compreende a dor que é ver o fruto de suas entranhas precisar de algo.
_Como conheceu o Felipe?
_Irônico essa situação toda, o Felipe era um grande amigo do meu irmão e eu sempre dizia que essa amizade iria destruir tudo na vida dele e olha onde estou...
_Eu não o conheço, mas eu entendo qie a relação que se estabelece é diferente da que seu irmão tinha. Não trabalha pra ele por gosto e sim pra não falatr nada em sua casa!
_Eu estou preso ao Felipe e por isso te mandei a carta, se a senhora dona Laura prometer cuidar da minha família e estou disposto a acabar com o Felipe.

Assumo que gelei o corpo todo. _O que quer dizer com isso? Qual é seu nome? -Só agora reparei que não havia perguntado.
_Jayme senhora. -Sorri.
_Me explica isso de estar preso.
_Depois que perdemos tudo meu filho começou a ficar doente e acabamos descobrindo uma doença rara no coração dele e o sistema público demoraria um seculo para liberar o tratamento então pedi um empréstimo e mais outro pra pagar o tratamento, no entanto, não teve jeito meu filho precisava de um transplante e conseguimos um doador. Mas, tudo tem seu custo...agora tenho muitas dividas, tenho os remedio que ele precisa tomar e manter o sustento deles eu não estou conseguindo dona...

Ele parou de falar e chorava copiciosamente e eu não sabia o que fazer apenas coloquei uma mão em seu ombro e quanto ele colocava toda a sua dor pra fora em forma de lágrimas. Assim que se acalmou  olhava buscando um resposta e eu podia  arrepender, mas farei aquilo que mimha intuição manda.
_Se me ajudar a acabar com o meu "querido primo" te garanto que sua família principalmente seu filho não ficará sem assistência. Você entende que eu preciso verificar a sua história não é?
_Sim, anota o endereço da minha casa...

Acertamos todos os detalhes para que eu fosse ver a sua esposa e assim que o verificasse eu iria assumir toda a responsabilidade dele no que se refere aos cuidados de seus familiares. Conversamos sobre o comportamento do Felipe que segundo o Jayme está bem mais agressivo e fora de controle e isso era preocupante.

Não vi as horas passarem eu tinha que conhecer minimamente meu aliado e ele precisava confiar em mim dessa maneira nossa parceria seria muito boa pra ambos, conversamos tudo que podiamos e assim estabelecemos uma relação. O Jayme queria saber se poderia ser preso por alguma coisa que fez e legalmente não, porque o Felipe mandou um tal de Brian fazer o serviço sujo a ele cabia me vigiar e nada mais, quando me dei conta eram sete horas da manhã e o sol em Palmas não estava perdoando ninguém.

Me despedi e entrei no carro, dirigi rápido e quando peguei uma distância parei, pois, tremia maos que vara verde acho que agora que a adrenalina passou consigo raciocinar com coerência e percebo que tudo podia ser uma emboscada e que uma hora dessa poderia estar morta. Pensando nisso minhas lágrimas caem sem controle...fui até o fórum e lá fiquei até as quinze horas estava tão afoita que esqueci completamente o meu celular e quando fui ver estava sem bateria por sorte a Rita me emprestou o carregador e assim que pude o liguei e era o que pensava o número de ligações perdidas eram gigantes fiquei tão perdida que não sabia ao certo a quem retornar primeiro...
...

Fui pra casa e quando cheguei tinha um pelotão a minha espera: Meu pai, a Naná, Duda,  Hugo, Henrique, Mohana, Paulo, Juliano, seu Edson e a dona Maria. Todo na sala com uma cara de preocupados e sim eu estava muito ferrada! Olhei fixamente para cada um deles depositei minha bolsa e chaves na poltrona e enquanto meu cérebro se preparava psicológicamente pra lidar com o que iriam falar, mas o único que falou foi o Henrique.
_Porra você é maluca só pode, ta querendo  morrer? Você tem noção do que poderia ter acontecido? Esqueceu que tem uma filha pra cuidar? ... -Falei tudo que estava engasgado. Pela manhã a Duda me ligou toda preocupada disse que a Laura tinha enviado para ela uma localização e que estava apreensiva quanto a isso, ai meu pai ligou dizendo que a Laura apareceu na fazenda ontem a noite pedindo pra deixar a Gi e que ela estava estranha então foi facil juntar os pontos e descobrir que ela tinha ido atrás do Felipe ou algo que o envolvesse. Eu falava e ela apenas olhava para o pai sem dizer uma palavra e isso estava me deixando mais puto ainda.
_Henrique...eu...é... -Eu não sabia o que dizer para contornar a situação e não era o momento pra falar sobre minha conversa com o Jayme. Pensa rápido Laura, como vai sair dessa? _Eu realmente fui ao encontro do Felipe e por questão de segurança mandei minha localização pra Duda, mas ele não apareceu, esperei horas e nada dele... -Menti!

Todos me olhavam mais calmos devido a minha mentira bem contada, eu estava cansada e queria dormir, mas não havia jeito de sair dali então fiquei fazendo sala. Ja quase na hora de buscar a Gi o Henrique saiu com seus pais e por fim pude ir pro meu quarto tomar uma banho.
...

Estava sentada na cama secando meu cabelo quando meu pai entrou com a Naná, pra eles eu tinha que ser sincera então assim que entraram eu fui até a porta fechando-a pra poder contar tudo o que aconteceu na noite passada. E apesar da preocupação eles entenderam que era o certo a ser feito.
_Eu menti...eu fui sim me encontar com alguém naquela fabrica abandonada, mas não era com o Felipe!
_Eu sabia meu amor, mas com quem foi? -Eu falava segurando em sua mão.
_Eu recebi uma carta... -Levantei e fui pegar na minha bolsa e entreguei ao meu pai que leu e fez um cara de surpresa passando pra Naná ler também. _Eu exitei bastante, mas acabri indo ao encontro do semhor Jayme ele me contou o que o levou a trabalhar com o Felipe pai e... -Contei tudo, não escondi uma só palavra deles que por sinal não abriram a boca até que eu terminasse de contar.
_Estou perplexo com tudo...me dá o endereço da familia dele eu mesmo vou investigar se tudo que ele contou é verdade. Acho prudente deixar o Paulo saber disso filha.
_E se for verdade Luís? -Perguntei séria!
_Se for mesmo nós fechamos o acordo enquanto ele nos ajuda amparamos sua familia sem reservas.

_Tudo bem pai pode falar com o Paulo, mas por hora isso fica apenas entre nós quatro ok?

_Por mim tudo bem...

Eu sabia que eles não me julgariam e ficariam ao meu lado independente da situação, eu podia confiar na Duda, mas estava esperando o momento certo pra dizer...ela está tão feliz ultimamente com o namoro com o Hugo que por hora não vou estragar isso com mais problemas e quanto ao Henrique só orando pra Deus me ajudar porque quando ele souber serei uma pessoa morta.

(...)
POR Henrique.

Estava no aeroporto pronta pra voltar pra casa quando a Eduarda me ligou dizendo não saber onde a Laura estava apenas que ontem a noite havia mandado uma localização pro telefone dela eu não sabia o que tinha acontecido, mas um frio percorreu todo meu corpo. Quando peguei o telefone pra ligar pra ela entrou uma ligação do meu pai dizendo que estava brincando com a Gi, quando o questionei ele disse que a Laura foi até a fazenda e pediu que ficassem com ela e que temia ela fazer uma besteira...eu sabia exatamente a besteria que ela faria.

Voltamos pra Palmas e eu fui diretamrnte pra  casa dela e um tempo depois minha família chegou depois de ter deixado a minha filha na escola, as horas passavam e nada da Laura dar sinal de vida. Eu estava aflito andando de um lado ao outro quando ela chegou calma.
_Porra você é maluca só pode, ta querendo  morrer? Você tem noção do que poderia ter acontecido? Esqueceu que tem uma filha pra cuidar? ... -Eu não sabia onde ela estava e o que fez, mas só de pensar que poderia ter acontecido alguma coisa com ela meu desespero ficava maior e uma raiva me atingia feito um tiro.
_Henrique...eu...é... -Eu não sabia o que dizer para contornar a situação e não era o momento pra falar sobre minha conversa com o Jayme. Pensa rápido Laura, como vai sair dessa? _Eu realmente fui ao encontro do Felipe e por questão de segurança mandei minha localização pra Duda, mas ele não apareceu, esperei horas e nada dele...

Mesmo ela estando ali na minha frente o medo não abandonava meu ser ainda sentia um aperto gigante no peito e sentia que alfo muito ruim estava bem proximo da gente. Eu a abracei na tentativa de ter seu corpo junto ao meu me sentir melhor, mas de nada adiantou ainda sentia uma angústia enorme; depois de algum tempo ali fui buscar a Geovanna no Colégio.

Voltei um tempo depois com minha filha que correu pro quarto da mãe que estava dormindo tranquila e em vez de acorda-la tirou o tênis e deitou com a mãe e em minutos também dormia. Então fui pra fazenda ver como a Pati estava chegando lá vi um carro diferente um Jeep Compass prata estacionado, pensei que tinha gente em casa, mas quando entrei estava minha mãe e a Patrícia conversando.
_Oi mãe, oi Pati... -Depositei um beijo na cabeça delas. _De quem é aquele carro lá fora?
_Gostou? -Afirmou que sim com a cabeça. _Presente do vovô pra neta que ele mais ama!!! -Brinquei se referindo a mim mesma.
_Ele é lindo. -Estendi a mão e ela não entendeu. _A chave Patrícia...
_Pra quê? -Perguntei curiosa.
_Vamos jantar fora o que acha? -Ela se animou pra sair comigo até porque ficar o tempo todo na fazenda era chato demais, saímos pra jantar e conversamos sobre nosso filho...

(...)
3 dias depois.

_Não esquece Brian o carro da minha prima é um Jeep Compass prata, segue ela em todos os lugares e assim que conseguir faça o serviço! Não vou aceitar falhas.

Segui a dra. Laura desde a saída de casa até o fórum e em todos os lugares em que ela foi durante o dia; ela era uma mulher muito ocupada porque não parava o dia todo corria de um lado a outro levando documentos nos mais diversos lugares. No início da noite ela foi ao shopping pra não atrasar meus planos estacionei do lado de fora esperando ela sair.

Depois de uns trinta minutos vejo seu carro deixando o estacionamento indo em direção oposta a sua casa e essa era a oportunidade perfeita. Então liguei pro meu contato e era nossa chance, tentei ultrapassar seu carro e ela diminuiu a velocidade então meu comparsa veio a mais de duzentos por hora invadindo a pista e sem dar tempo fechou o carro dela que perdeu o controle e se chocou contra um poste de luz; abandonamos o carro batido ali e saimos em disparada e depois de uma certa distância vimos as pessoas se aglomerarem em volta e a policia chegar então fomos embora. Missão cumprida.

...
_Oi, por acaso você conhece a dona desse celular? Esse é o ultimo numero que ela ligou!
_Sim, quem ta falando?
_Aqui é o policial André a dona desse celular sofreu um acidente grave e foi hospitalizada e...

Parei de escutar quando ele falou que ela tava mal no hospital meu mundo parou naquele instante...


Notas Finais


Apreciem a leitura.
Volto assim que der.
Obrigada por acompanharem a história e pelos comentários e por não desistirem de mim e historia. Vocês são as melhores leitoras (es) do mundo😍😍😍😍😍
Beiju😋😋😚😚😚😙😙😙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...