História Clexa Em Um Novo Mundo - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias The 100
Personagens Bellamy Blake, Clarke Griffin, Indra, Lexa, Octavia Blake, Raven Reyes
Tags Clarke, Clexa, Heda, Lexa, The100
Visualizações 110
Palavras 1.957
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Luta

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 26 - Capítulo 26


Fanfic / Fanfiction Clexa Em Um Novo Mundo - Capítulo 26 - Capítulo 26

Clarke

 

"Tudo o que ouvi em seguida foi um barulho de tiro." 

 

Meus olhos estavam fixos no meu pai. Senti um cheiro de pólvora invadir meu nariz e uma fumaça passar perante meus olhos. O tempo tinha parado por causa de meu desespero e eu via as coisas acontecendo três vezes mais devagar. Pisquei algumas vezes para que as lágrimas presas em meus olhos finalmente caíssem. Vi meu pai soltar a arma que segurava e ela quicar ao cair. Ele já não tinha Lexa sobre seu domínio mais, pois agora seus braços estavam soltos em volta do corpo. Em suas costas uma mancha vermelha se formou em sua roupa. Com passos nem um pouco firmes, ele se virou em minha direção e caiu de joelhos. Tinha o olhar fixo em minhas mãos e foi só assim que percebi o que havia acontecido. Meu corpo tinha ganhado vontade própria e por impulso usei a arma de Bellamy, que Octavia havia me dado antes de chegarmos aqui. Eu tinha matado meu próprio pai. Quando esse pensamento tomou conta de minha mente, larguei a arma e olhei para minhas mãos. Fitava elas estendidas na frente de meu corpo. Tremiam muito. Voltei a olhar meu pai, que ainda estava na mesma posição, com os olhos arregalados não acreditando no que via e me incriminando. Ele caiu no chão. Lexa passava as mãos por seu corpo, parecendo não acreditar que ainda estava viva. Ela olhou meu pai no chão, a poça de sangue ao lado e só então encontrou meu olhar. 

 

Clarke.

 

Mesmo de longe, vi em seus lábios ela pronunciar meu nome. Não aguentei mais segurar e chorei. As lágrimas escorriam ferozmente por minhas bochechas. Vi ela andar rápido em minha direção e parar na minha frente. Acho que ela não sabia o que fazer. Após alguns segundos, levou as duas mãos até meu rosto, limpando minhas lágrimas. Eu não conseguia falar nada e ela respeitou meu momento. Me envolveu em seu abraço e me puxou para seu corpo. Passei meus braços em volta de seu pescoço e afundei meu rosto nele, sentindo seu cheiro, enquanto ela acariciava meus cabelos. Por mais que eu estivesse destruída naquele momento, Lexa me trazia paz. Parei de soluçar, o desespero diminuiu e apenas chorei de leve. Ficamos assim por uns minutos até que ela desceu suas mãos para minha cintura, nos afastando. Seu olhar estava fixo no meu, dizendo que não me deixaria. Seus olhos percorriam os meus, tentando me decifrar e me passar tranquilidade. Lexa entrelaçou nossos dedos e se virou, procurando alguém. Indra estava ao longe mas se aproximou quando Lexa chamou. 

 

Arrume tudo. Partiremos em algumas horas. 

 

Indra assentiu e saiu. Lexa se virou de novo para mim e depois percorreu os arredores com os olhos. 

 

Venha. 

 

Franzi a testa sem entender. Achei que iríamos embora, mas ela me puxou pela mão até um lugar afastado. Já não via mais o centro do acampamento onde tudo aconteceu e nem ouvia vozes. Só silêncio. Lexa soltou minha mão e se sentou embaixo de uma grande árvore, encostando sua costas no tronco. Ela me olhou e fez sinal para que eu me sentasse ao seu lado. Assim o fiz, mas sem encará-la. Apenas fiquei ao seu lado, fitando o nada. Ela virou a cabeça em minha direção e se aproximou, passando um braço em volta de meu corpo, fazendo com que eu ficasse aninhada ao seu. Apoiei meu rosto em seu peito. Lexa pegou minha mão, fazendo carinho nela.

 

Estou feliz por você estar bem. Tive medo de te perder. De não te encontrar.

 

Ela beijou o alto de minha cabeça demoradamente e continuou. 

 

Sinto muito pelo o que aconteceu hoje. Me desculpe por te fazer escolher entre mim e seu pai.

 

Fechei meus olhos e uma lágrima escorreu por um deles. Um nó se formou em minha garganta e eu não disse nada. 

 

Está tudo bem Clarke, não precisamos falar disso até que você esteja pronta. Só queria que soubesse que eu sinto muito e que sou muito grata por você ter salvo a minha vida. Queria que não tivesse sido nessas circunstâncias, mas obrigado.

 

Respirei fundo.

 

Não foi sua culpa Lexa. Foi ele quem escolheu o povo ao invés de mim. Um povo que ele mal conhecia. Ele deixou de ser meu pai nesse dia, quando me virou as costas. Ele iria tirar você de mim e eu simplesmente não podia deixar isso acontecer. 

 

Senti ela abaixar a cabeça e soltar minha mão. 

 

De qualquer forma, você não teria que fazer o que fez se eu tivesse visto ele se aproximar. Eu poderia ter evitado tudo isso, porque independente do que aconteceu, ele ainda era seu pai. Eu jamais iria querer que você carregasse esse peso por minha causa.

 

Inclinei minha cabeça, pequei seu queixo que estava apontado para o lado contrário a mim e fiz com que ela me olhasse. Selei nossos lábios. 

 

Amor, a única coisa pelo o qual você é responsável é por eu estar segura agora. 

 

Lexa acariciou minha bochecha com as costas da mão e sorriu de leve.

 

Não sabe o quanto eu sonhei com você assim em meus braços nessas últimas semanas. Te procurei por todos os lugares e me desesperei por não te encontrar logo. Não conseguia dormir pois toda vez que fechava os olhos, via você sofrendo. 

 

Entrelacei nossos dedos novamente. 

 

Foi agoniante todos esses dias trancada naquele lugar mas pensar em você me dava esperança e força. 

 

Lexa tinha agora um sorriso no rosto e seus olhos verdes brilhavam. Ela se ajeitou de modo que pudesse se deitar e me puxou para que eu fizesse o mesmo. Fiquei de lado, colocando a metade de meu corpo sobre o seu e minha perna sobre a sua. Arrumei seu cabelo atrás da orelha, me dando visão total de seu rosto. Só agora percebi que ela tinha alguns machucados devido a luta. Beijei cada um deles e depois a sua boca. Foi um beijo calmo apesar de tanto tempo sem nos vermos. Ficamos assim durante uma hora mais ou menos, apenas matando a saudade, conversando e fazendo carinho uma na outra. 

 

Lexa se levantou e me deu as mãos para que eu também ficasse de pé. Voltamos ao acampamento e em momento algum ela soltava minha mão. Os guerreiros estavam terminando de organizar as últimas coisas antes de finalmente podermos ir embora. Ao nos ver, Indra veio atualizar Lexa sobre tudo.

 

As armas deles já estam guardadas em sacos amarrado as selas dos cavalos. Os corpos dos nossos irmãos já estam na carroça prontos para serem levados. Os inimigos que sobraram estão amarrados em árvores e um em especial te aguarda.

 

Indra apontou para Bellamy que ainda estava sobre vigilância de Octavia. Lexa me olhou e engoliu em seco.

 

Foi ele não foi? 

 

Eu sabia que ela se referia ao fato de ele ter me prendido. Abaixei a cabeça e afirmei. Lexa me deixou para trás com Indra, que mantinha um sorriso malicioso, e partiu em direção a ele com raiva. Pude ver seu maxilar tenso e suas mãos fechadas ao lado do corpo. Ao chegar perto o suficiente, Lexa deu logo um soco no rosto dele.

 

Seu desgraçado, como pôde? 

 

Com a pancada Bellamy caiu de bruço no chão, tendo a cara esmagada por não poder se apoiar com as mãos que estavam amarradas nas costas. Lexa colocou a bota na lateral do rosto dele, apertando cada vez mais. Bellamy tinha a expressão de dor intensa. 

 

Você se dizia amigo dela e a sequestra daquela maneira?  A mantém trancada em uma prisão isolada? Como isso é amizade? 

 

Ele não respondeu, deixando-a mais nervosa ainda. Lexa tinha um olhar frio. Ela puxou sua adaga presa a cintura e a apertou contra a garganta dele. Eu ainda estava parada no mesmo lugar, com os olhos marejados, e só quando ela teve essa atitude que eu descongelei. Corri até eles e coloquei uma das mãos no ombro de Lexa. 

 

Lexa, está tudo bem. Já chega.

 

Ela continuou como estava e respirava fundo. Esperei até que ela me olhou e senti toda aquela frieza se esvair. Lexa se levantou, ajeitou sua roupa e foi até Octavia. 

 

Amarre ele junto com os outros. Clarke quis que eu poupasse a vida dele mas antes, acho que uma boa surra seria bom para que ele se arrependa do que fez.

 

Eu hesitei e fiz menção em dizer algo, mas Lexa me interrompeu levantando a mão. 

 

Já está decidido Clarke. Ele merece.

 

Octavia saiu arrastando ele para longe e eu os acompanhei com os olhos. Ela estava com um sorriso de vitória. Ela iria gostar do que iria fazer. Indra se aproximou de nós novamente.  

 

Heda, já estamos prontos.

 

Lexa agradeceu com a cabeça e cabisbaixa caminhou até a saída. Eu apenas a segui. Assim que passamos os portões dois cavalos foram entregues a nós duas. Um branco para Lexa e um marrom para mim. Subi e ela fez o mesmo. Logo deu a ordem para que todos começassem a voltar para a aldeia. Após alguns minutos de caminhada em silêncio ao lado de Lexa, finalmente quebrei o silêncio. 

 

Octavia ficará para trás sozinha? Não é perigoso? 

 

Lexa me respondeu fria.  

 

Ela sabe se cuidar.

 

Me calei e decidi não falar mais. Lexa respirou e olhou em volta para se acalmar. Respirou fundo antes de falar.

 

Porque ainda defende ele?

 

Olhei em seus olhos.

 

Eu não estou defendendo ele, mas é que mesmo depois de tudo que ele fez, eu não queria vê-lo morto. Você iria matá-lo não ia?

 

Lexa desviou o olhar de novo. 

 

Sim.

 

Eu só não estava pronta para deixar alguém com quem eu vivi muitos anos de minha vida, morrer.

 

Lexa passou a língua nos lábios demonstrando incompreensão. 

 

Eu não entendo. Enfim, ele te disse o porque de fazer isso? 

 

Não importa, já passou.

 

Tentei desconversar mas Lexa continuou me olhando.

 

Ele disse que você tinha me hipnotizado e que me manter longe faria com que eu visse as coisas de outra forma. E que...

 

Quis parar por ali mas ela não deixou? 

 

E o que?

 

E que ele esperaria isso acontecer porque eu iria enxergar que ele era a pessoa certa para mim.

 

Lexa olhou fixamente para frente. 

 

Ele é ainda pior do que eu imaginava. Não fez isso para te proteger, foi por puro egoísmo. 

 

Não estou protegendo o Bellamy, Lexa. Repudiu o que ele fez e mesmo que ele acreditava estar fazendo o certo, ele jogou toda a nossa amizade fora e me maltratou. Eu não o perdoarei tão cedo mas morte é...

 

Ela aproximou seu cavalo do meu e colocou sua mão sobre a minha.

 

Eu entendo Clarke, isso é que você é. Você não consegue deixar de se importar. Me desculpe por ter sido fria.

 

Sorri para ela. Eu a amava tanto, amava o jeito como ela me tratava, como ela me protegia, como abaixava suas barreiras e me escutava tentando entender o meu lado. Como ela era.

 

Eu te amo Lexa. Obrigada por me salvar e por mais uma vez estar ao meu lado quando eu precisava.

 

Ela retribuiu o sorriso.

 

Eu sempre estarei com você, Clarke. Vou te proteger até meu último suspiro.

 

Confesso que meu estômago revirou ao pensar em Lexa morta, mas eu estava grata por ter ela como meu anjo da guarda.

 

Ainda bem que te tirei de lá a tempo, se não ele iria ter mudado sua cabeça em relação a mim.

 

Ela sorriu, se divertindo com sua piada. Me olhou segurando o riso e arqueou as sobrancelhas me provocando.  

 

Até parece, você é bem persuasiva Heda. 

 

Semicerroi meus olhos retribuindo a provocação. Sorrimos uma para a outra e seguimos o caminho de volta até a aldeia.


Notas Finais


Lexa não morreu gente!!!!!!!! Eu ouvi um amém?????
Kkkkkkk
Espero q tenham gostado e até a próxima 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...