1. Spirit Fanfics >
  2. Conte-me seus sonhos, anjo >
  3. A Cretinice de Clint Barton

História Conte-me seus sonhos, anjo - Capítulo 16


Escrita por: lilian-evans

Notas do Autor


Capítulo curto, mas os próximos serão bem mais longos, e talvez virão mais rápidos.
Boa leitura!

Capítulo 16 - A Cretinice de Clint Barton


-- Ele sabe? -- Clint perguntou assim que Tony passou pelo hall de entrada, assistindo um filme legendado.

-- Sobre o quê está falando agora? -- Tony se certificou de estar na frente dele para falar, para que o homem o entendesse. 

-- O garoto. Peter. -- Clint respondeu, e só então Tony percebeu que ele retomou ao aparelho. Quer ouvir minha confissão, não é, seu cretino? Tony pensou enquanto esperava por mais. -- Você praticamente o come com os olhos a todo momento. Ele não parece notar, mas te olha com aquele brilho também. Como se você tivesse pendurado a lua e as estrelas no céu. Vocês já estão juntos ou ainda brincando de se rodearem?

-- Ele não sabe. -- Tony suspirou, se sentando. -- E ele é nerd, cara. Tem esse brilho toda vez que vê um de nós. Você tinha que ver como ele só faltou saltitar de empolgação quando disse que íamos jantar com o infame Gavião Arqueiro. 

Tony viu como o brilho permaneceu com ele conforme o levava para casa, como ele o questionou sobre quando veriam o doutor Banner, que no momento estava no Novo México. Peter se manteve falante a viagem toda, e Tony o amou por isso. Amou como ele parecia normal, tão feliz e que aquela felicidade em parte era causada por ele. Tony viu como ele ficou mais apagado quando desceu do carro, mas a promessa de uma surpresa no próximo fim de semana o iluminou outra vez. 

-- E não pretende contar à ele? -- Clint disse. -- Quer dizer, depois de toda nossa conversa sobre nossos divórcios, eu pensei que você estivesse abrindo caminho para o novo...

-- Ele é menor de idade. -- Tony usou a desculpa que repetia à si mesmo a todo instante.

-- Pelo o quê, uma semana? -- Clint debochou, com aquele sorriso convencido e irritante.

-- O divórcio não é a única coisa que temos em comum, não é? -- Tony aproveitou para alfinetar. Ele não era cego, afinal.

-- Agora sou eu que não sei sobre o que estamos falando. -- Tony já esperava que ele desconversasse. 

-- Pietro Maximoff. -- Tony cruzou os braços. -- O nome Pietro é uma versão de Peter, sabe? E ele também tinha dezessete anos na época. Mesmo que eu sabia que seu carinho por Wanda é paternal, eu sei que muito dele veio da culpa pelo irmão dela. E que todo aquele jogo de provocação em Sokovia era um flerte mal disfarçado, Légolas. Não me faça de idiota.

-- Ele era irritante. -- Clint revirou os olhos, mas aquilo não funcionou e ele sabia disso. -- Ele tinha personalidade. E era bonito e habilidoso. Minha esposa estava grávida e meu casamento em crise. Não era como se eu estivesse a traindo, mas ele despertou meu interesse. Ao menos eu me mantive fiel, até o final.

-- Você sabe que a situação dela era estressante, Barton. -- Eles já haviam batido nessa tecla várias vezes, o próprio Clint defendendo a ex-esposa. -- Você chegava a passar anos fora, e sem querer ofender, mas o caseiro que contrataram era do tipo tirado de um romance erótico de cowboy. 

-- Eu sei. -- Ele sorriu sem humor, encarando as mãos. -- Mas ainda penso nele, sabe? Em como além de ter uma personalidade que me atraía da mesma forma que me irritava, sem falar em como ele era bonito e habilidoso, ele tinha um coração bom. Ele se sacrificou para salvar a minha vida, e em todos esses anos eu me perguntei o que teria acontecido se as coisas não acabassem assim. Eu me pergunto se não segui o seu exemplo e me divorciei porque um garoto estava tomando a minha mente.

-- Peter também quase morreu. Várias vezes, uma delas nos meus braços e a última por querer se sacrificar no meu lugar. -- Tony encarou o vidro, se lembrando dos acontecimentos. -- Tenho pesadelos todas as noites com isso, e não sei o que teria acontecido se ele não tivesse voltado. Eu sei como se sente, Clint.

-- Mas você teve a sorte de uma segunda vez. -- O loiro o encarou, os olhos sérios e impertubáveis. -- Eu e muita gente não. Então aproveite isso. É claro, não caia sobre o garoto com garras e dentes, porque Peter parece ser do tipo a ser levado a fogo baixo -- e Deus sabe como tudo teria sido mais fácil entre mim e Pietro no lugar de vocês --, mas não o deixe escapar, Tony. Você parece estar num daqueles romances água com açúcar, onde o cara fica todo bobo. Ele te faz bem, e arrisco dizer que você retribui isso para ele.

-- Certo, Guru. -- Tony se aproximou, dando um meio abraço quando Clint se levantou. -- Quero mantê-lo seguro e bem, acima de tudo. O amor vem depois. 

-- Não seja idiota, seu idiota. -- Ele retrucou, antes de soltá-lo. -- Agora vá dormir. Não quero em um futuro próximo escutar reclamações do Peter porque seu homem não cumpre os horários básicos de sono.

-- Ele já sabe que não durmo muito. -- Tony guardou para si mesmo a euforia que as palavras dele causaram.


Notas Finais


Espero que tenham gostado!
(Esse final...tô boiola ainda)
Até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...