História Crise dos 7 anos (Continue a História) - Capítulo 9


Postado
Categorias Divergente
Personagens Andrew Prior, Beatrice "Tris" Prior, Christina, Ezekiel "Zeke" Pedrad, Marcus Eaton, Natalie Prior, Shauna, Tobias "Quatro" Eaton, Will
Tags Divergente, Fourtris, Romance, Shai Woodley, Theo James
Visualizações 59
Palavras 2.558
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá! ❤❤

Primeiramente pedimos imensas desculpas pela demora de postar um capítulo novo.
Tivemos umas complicações, porém prometemos não abandonar vocês, com isso esse capítulo a autora caprichou e prometo que é magnífico.

@Sazevedoeaton

Boa noite queridos leitores (as), perdão pela demora da postagem, mas eis que depois de uma madrugada descansada eu finalmente consegui escrever um capítulo decente e que ficasse no nível das outras autoras .
Hoje a história é narrada, foi o melhor jeito que eu consegui para escrever, esperando, claro, Que todos vocês gostem da leitura, tanto quanto eu gostei de te lo escrito.
O próximo capítulo é da amiguinha Jenny, autora do Se eu Ficar e Perfect actors, e vamos lá!

Boa leitura a todos.

Capítulo 9 - Capítulo IX - Sazevedoeaton


Quando a pequena Alice veio ao mundo, Beatrice e Tobias não poderiam imaginar que a vida deles teria uma mudança para lá de radical. Ambos estavam eufóricos, felizes, e contemplando o amor dos dois, Alice, sendo ninada pela família e os amigos próximos.

Tobias revezava seu olhar entre a mulher que sempre amou e a pequena bebê de olhos azuis, apaixonado, sonhando como seria a vida deles a partir daquele momento. Tris por outro lado, não conseguia tirar os olhos de sua filha, imaginando a mãe que queria ser para a pequena e torcendo para que, agora, tudo fosse apenas alegria na vida de seu bebê.

O casal não se desgrudou em momento algum enquanto estavam na maternidade. Tobias preferia estar ao lado de sua eterna namorada para ajudar no que fosse preciso. Negou a ajuda de todos que se dispuseram a ajudar, não por implicância ou arrogância, mas simplesmente não queria perder momento algum do desenvolvimento de sua filha recém-nascida. Beatrice ainda queria debater, imaginou que o moreno estivesse cansado de ficar por ali o tempo todo cuidando das duas, mas acabou ouvindo de sua mãe uma coisa que a loira exigia do namorado sempre que podia.

- Você disse que queria ele presente nas coisas que você planejava do casamento. Ele arrumou um modo de não ficar longe. Não afaste o pobre!

A loira então se calou, guardando para si a opinião que tinha de Tobias estar ali agarrado a ela e a bebê 24 horas por dia. Ela queria a atenção dele, ele estava ali por ela e pela filha, não existiam motivos para brigas e reclamações. Bastava apenas aproveitar e tentar viver a vida que eles sempre quiseram, desde quando eram novinhos e sem experiência alguma na vida romântica.

Quando a alta de Tris e Alice chegou, a empolgação da família se multiplicou em uma festa de boas-vindas, regadas a muito amor e muito carinho. As duas eram bajuladas e gostavam da atenção que recebiam. Todo mundo queria segurar a pequena recém-nascida no colo e mesmo tentando manter a calma, Tris estava à beira de um colapso nervoso.

— Você esta feliz? – Perguntou Tobias em um determinado momento da festa de boas vindas.

Tris olhou nos olhos azuis escuros de Tobias e sorriu de lado,assentindo minutos depois.

Só que a felicidade para ser completa ainda faltava alguns pontos soltos e a jovem tinha medo da resposta que receberia por questionar. Tobias a amava e ela sabia disso, mas será que ele ainda queria o casamento?

— Sim... E você?

— Não poderia estar mais feliz do que agora.

Naquela mesma semana, Tobias vinha aparecendo pouco pela casa dos pais de Tris, sempre tinha uma desculpa para não aparecer e aquilo, além de machucar a noiva, intrigava também, afinal, ele estava tão feliz com o nascimento da filha, parecia tão empolgado, e agora estava distante, frio e pouco ligava para saber como as duas estavam. Chegou a pensar que ele tinha desistido de tudo. Christina precisou entrar em ação para acalmar os ânimos da melhor amiga ou então ela surtaria junto com sua amiga.

— Você acabou de ter um bebê, sabe que não pode ficar nervosa assim, Beatrice.

— Como você quer que eu fique se ele nem aparece aqui para saber como eu e Alice estamos? A agonia está me consumindo segundo por segundo. – Desabafou com a morena.

— Sinceramente, eu não sei o que está se passando nessa sua cabeça, mas Tobias deve estar atarefado...

Tris não queria ouvir uma desculpa para o sumiço repentino de Tobias. Ele tinha uma obrigação com ela e a filha, e trabalho nenhum no mundo poderia ser mais importante do que saber pelo menos da saúde de suas meninas.

— Se você respeita a minha sanidade, Christina, não tente me dizer que ele está atarefado com o trabalho. Tobias prometeu que estaria junto, que não me deixaria sozinha com Alice. E olha aí o que ele está fazendo! Nem se passou uma semana e eu já nem me lembro o timbre da voz dele!

— Qual é o seu medo, afinal? – Perguntou Christina enquanto encarava Tris andar de um lado para o outro dentro de seu pequeno quarto.

— Não é óbvio?

— O que é óbvio?

— Que ele arrumou outra, Christina! – Ela jogou as mãos para o alto irritada, o que fez Christina tentar segurar o riso. – O que foi? Está achando engraçado?

— Amiga, eu não estou rindo de você. Estou apenas achando um pouco doideira essa coisa toda. Você sabe que Tobias é doido por você.

— Não sei de mais nada, Chris. Não sei o que pensar, o que fazer… Talvez, ele tenha estado certo em uma de nossas últimas brigas. Cada um devia seguir seu caminho…

Claro que assim que a morena saiu da casa de sua melhor amiga,não teve outra atitude a não ser ligar para o amigo. Ela sabia o que estava acontecendo, mas não podia falar, tudo seria uma surpresa para Tris.

Tobias atendeu no terceiro toque, um barulho de furadeira ecoava não muito distante. Ele estava na obra e Christina gostou de saber que tudo não passava de maluquice de sua amiga.

— Olha aqui, bonitão, quanto tempo mais vai levar essa obra? – Indagou tentando ficar séria o suficiente para que Tobias entendesse que as coisas estavam ficando fora de controle. Tris iria mandar tudo pelos ares em pouco tempo e o moreno precisava correr.

— Talvez uma semana ou menos. Depende do tempo e do pessoal para a obra. Por quê?

— Tris está arrancando todos os pelos do corpo porque acha que você está com outra pessoa. - Avisou e Tobias riu.

— Tris sendo Tris. Nada de mais.

— É, só que agora ela não está sozinha. Ela tem uma bebê e você não está sequer ligando para saber como as duas estão. Não quero soar maluca, mas se você não aparecer, ela vai pirar.

— Chris, eu falo com a Natalie todos os dias. Esse é o meu plano. Se eu ficar perto dela eu vou acabar soltando coisas que eu não posso. Me ajuda a acalmar ela. Por favor! – Choramingou o moreno.

Christina revidou os olhos, mas topou, afinal de contas, ela adorava momentos fofos como aqueles.

— Tudo bem, Tobias. Mas não demore muito, ou teremos problemas sérios para enfrentar.

Tobias tinha tudo planejado, pronto para o momento de entregar sua surpresa para sua amada. A euforia tomava conta de cada parte de seu corpo e ele não via a hora de ter sua família toda junta no lugar que ele já considerava como um lar, doce lar. Até já conseguia ter o vislumbre de ver a pequena Alice correndo pelos espaços da casa, com suas bonecas. Não via a hora de ser pai de verdade.

Natalie, que sabia de tudo que se passava e ajudava o genro a seguir com o seu plano, tentava, em vão, acalmar a filha que estava tendo uma crise de ansiedade gradativa. Vez ou outra a loira xingava o pai de sua filha, acreditando que ele estava tendo um caso com outra mulher. Era até cômico acompanhar a trama de perto, mas ela entendia que qualquer passo em falso e Tris poderia entrar em uma depressão pós-parto profunda. Ela precisava destruir a filha, ou então o plano teria tido falhas antes mesmo de ser concluído como eles queriam.

— Vamos ao shopping? – Perguntou a mulher enquanto Tris estava deitada sobre a cama observando o nada.

— Não estou com cabeça para passear em shopping, mãe. Além do mais, quem ficaria com Alice para que eu e você pudéssemos sair? O pai dela? – Disse com certa tristeza na voz, o que não passou despercebido por Natalie.

— Minha filha, você não acha que está exagerando um pouco? Tobias não sumiu. Ele está trabalhando muito para vocês...

Tris ri quando sua mãe se calou.

— Parece que Tobias tem uma legião de fãs. Primeiro Christina e agora você. Não entendo.

— Vá se arrumar, filha. Vamos ter uma tarde alegre, tenho certeza que depois você estará mais leve e tranquila e quando Tobias estiver por aqui, vocês vão poder conversar com tranquilidade. – Deu um beijo na cabeça de sua filha e em seguida sua neta para depois caminhar em direção a porta do quarto.

— E a Alice, com quem vai ficar?

— Com o seu pai. Ele cuidou de você e Caleb, vai cuidar bem de Alice.

Mesmo não muito contente com a saída, Tris se vestiu com um vestido florido que ela amava e uma sandália de salto. Recebeu elogios de seu pai quando desceu a escada que levava à sala da grande casa.

Claro que, como uma boa mãe, ela lembrou ao pai de certas coisas para a bebê: temperatura do leite, hora da comidinha e a fralda trocada. Andrew até sorriu porque, sem querer, acabou lembrando de sua iniciação no mundo paterno com o nascimento de Caleb e em seguida de Tris, mas acatou cada pedido de sua filha, queria que ela se orgulhasse dele.

— Apenas divirtam-se. Alice estará bem quando você chegar aqui. – Prometeu, ganhando um abraço de sua loirinha.

O filme era uma comédia romântica que fez Tris rir e desencanar de suas imaginações férteis. Estava até se sentindo mas leve. A saída com sua mãe tinha dado mais certo do que ela queria acreditar.

— Vamos tomar um café? – Perguntou Natalie depois de sair de uma loja de roupas com algumas sacolas em mãos.

Tris ponderou por um minuto, olhando o celular em busca de alguma ligação de seu pai.

— Será que está tudo bem com Alice?

— Claro que está! Seu pai sabe o que faz. Vamos ou não?

— Tudo bem. Um café e depois vamos embora.

— Claro! Como você quiser.

Seguiram juntas à praça de alimentação, enquanto uma se deliciava em um café expresso com alguns donuts, a outra se esbaldava em um cappuccino de dar água na boca, completamente alheias ao mundo a sua volta.

Sua mãe estava ajudando a esquecer um pouco das situações complicadas que estava vivendo. Ela precisava de um pouco de paz. Mas foi em um momento de desconcentração, que algo em seu campo de visão lhe chamou a atenção.

Eles não a viram, estavam alheios, olhando algumas revistas. Enquanto Tobias carregava algumas bolsas, Christina folheava a revista próxima demais de Tobias, o que atiçou a ira de Tris.

— Não acredito nisso! – Murmurou, enquanto os dois passavam bem diante de seus olhos já úmidos pela descrença de estar sendo traída por aqueles que ela julgava serem leais a ela.

Natalie seguiu o olhar da filha notando o que se passava na mente dela enquanto Tobias e Christina caminhavam.

— Por favor, não crie caraminholas nessa sua cabeça…

Mas já era tarde demais, Tris havia sumido de perto de seus olhos e a única coisa que Natalie poderia fazer além de procurar por sua filha, seria avisar a Tobias que o tiro estava saindo pela culatra.

O genro não atendia as ligações e Christina também não, estavam focados no que ainda faltava para a surpresa e não deram conta de que Beatrice seguia os dois muito de perto.

Entraram no mesmo carro, ainda demorando um pouco para dar partida. Tris iria sucumbir à agressão ali mesmo, mas ainda queria esperar mais um pouco para ver onde toda aquela situação iria acabar. Não havia explicações, em sua cabeça os dois agiam pelas suas costas.

Pegou o táxi que estacionava naquele momento, implorando para que o taxista não perdesse o carro de Tobias de vista. Primeiro passou por ruas comercias, depois próximos a uma praia e em seguida em uma rua que levava a casas grandes e bonitas, com grandes jardins ao redor. O coração da loira batia tão apertado em seu peito que chegava a ser doloroso tentar montar a cena que brincava em sua mente.

— É ali... – Apontou para o carro estacionado em uma casa branca com jardim verde exuberante.

Não esperou nem mesmo o táxi parar, pegou alguns dólares jogando na direção do motorista e depois saiu do carro, olhando atentamente o local onde deveria ser o ninho de amor de Tobias e Christina.

Correu para alcançar os dois, assustando-os quando gritou o nome deles. Christina encarou a amiga perplexa, enquanto Tobias suspirava chateado por ter sua surpresa revelada tão rapidamente.

— Vocês acharam que iam esconder essa palhaçada por quanto tempo mais?!

— Tris... – Christina ia tentar dizer, mas Tris não queria ouvir.

Se sentia horrível por ter deixado que os dois a enganassem.

— Se vão mentir não precisam sequer abrir o bico! – Gritou a loira atraindo a atenção de algumas pessoas para os três.

— Calma, nós vamos te contar! – Tobias tentou, em vão, falar.

— Eu não quero saber dessa sujeira toda! – Tris chorou. – Eu não consigo simplesmente acreditar que vocês estavam agindo pelas minhas costas como se eu não fosse ninguém!

— Espere Tris... Não é nada disso que você está pensando. – Levantou as mãos Tobias, quando se deu conta do que a mãe de sua filha falava. – Está achando que eu e Christina temos alguma coisa?

— Do que mais você acha que eu estou falando?

— Não, garota! Perdeu o juízo? Eu e Chris não temos nada. Ela apenas estava me ajudando...

— Te ajudando em que?

Tobias encarou Tris por meio segundo, antes de estender sua mão para ela.

— Vem comigo que eu irei te mostrar.

Tris, ainda receosa, segurou na mão de Tobias, que a puxou para dentro do ambiente, satisfeito com as mudanças que ele havia feito. A loira, no entanto, não esperava pelo que a aguardava dentro da casa.

Era um espaço amplo e iluminado. Havia uma grande sala com um sofá felpudo claro e um tapete ao seus pés de uma tonalidade creme; havia uma lareira embaixo de uma televisão de tela plana. Alguns portarretratos estavam distribuídos pelo ambiente e, dentro dos pequenos portarretratos, momentos de Tobias e ela, com os amigos, com a filha ainda na maternidade.

Seus olhos se encheram de lágrimas, afinal ela não esperava por aquilo.

Ia se virar para procurar Tobias, pedindo uma explicação do que era aquilo tudo, mesmo com seu coração dando lhe uma justifica plausível.

— Eu queria fazer uma surpresa para você. Não queria que as coisas tivessem saído do controle e nem que você pensasse que eu e Chris tínhamos algo. Sei que estive sumido, mas era por uma boa causa. – Tobias disse e a loira observa o noivo,se sentindo envergonhada por pensar algo de ruim de sua melhor amiga. – Eu não quero mais brigar, amor. Quero uma vida ao seu lado. Quero construir um lar com você e Alice. – Ele botou a mão no bolso enquanto olhava Tris, puxando uma pequena caixa de veludo preta. – Eu não quero nenhuma Margô, ou sei lá quem você vai querer inventar. Eu quero você e só você. – Os olhos dos dois já estavam banhados com suas lágrimas. O coração de Tris batia loucamente dentro de seu peito, enquanto as mãos de Tobias suavam frio. – Eu queria transformar esse lugar em um lar, tentei achar os melhores objetos para que você se sentisse feliz. Mas é claro que você pode mudar o que quiser. Eu só preciso que você me diga uma coisa. – Sua voz tremeu na última frase.

Se aproximou de Tris, abrindo a caixinha e mostrando à loira o que ela esperava há dias.

— Beatrice Prior, você aceita ser a futura senhora Eaton?


Notas Finais


Esperamos de coração que tenha válido a pena esperar esse tempo... Fala sério essas autoras são as melhores 😍😍

Construção de uma família em meio ao caos de uma crise, só as loucas aqui que pensam em escrever isso kkkk...

.
.
.
.

Estamos na reta final, próximo capítulo é o último aaaaaahhh.... 😭😭😭
Mas olha pelo lado positivo é por uma das melhores autoras, então não nos abandone e comenta aí!

Agradecemos imensamente a vocês que nos acompanharam, obrigada amores!! 😍😍😍

.
.
.
.
.

GALERAAAAAH, vamos entrar no nosso grupinho... Ele cresceu! hoje já estamos com 26 manas, esperamos vc lá para agregar nessa amizade linda 😉

https://chat.whatsapp.com/Km67YBI6eoYAMejb7qnOYZ

VEM PRO MANAS, VOCÊ TAMBÉM! VEM? 😂


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...