1. Spirit Fanfics >
  2. Desejo Sombrio >
  3. Capítulo III

História Desejo Sombrio - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Helloooo, tudo bem com vocês?

Depois de muita enrolação, trago para vocês mais um capítulo.

Espero que gostem e tenham uma boa leitura! 😘

Capítulo 3 - Capítulo III




                                 Desejo Sombrio 

 

 A boate já estava bombando como sempre. A música alta e animada deixava as pessoas loucas, que dançavam na pista livremente com seus parceiros ou sozinhos mesmo.

Fui apresentada aos outros que trabalhavam aqui, e achei cada um muito diferente do outro. Kira era um mulherengo nato que assim que me viu, já jogou um monte de cantadas, eu só fazia rir das suas tentativas, mas ele era gente boa. Sai e Deidara eram animados e engraçados e Shino e Lee eram mais quietos e calados, mas me aceitaram bem.

Essa foi minha primeira impressão de todos, eles eram gente boa.

Sobre o meu trabalho, por incrível que pareça, eu estava me saindo super bem. Não tinha derramado nada em ninguém e nem quebrado.

Um ponto para mim.

—  Está se saindo muito bem, Sakura.  —  Ino me elogiou e eu sorri orgulhosa de mim mesma.

—  Obrigada, estou me esforçando ao máximo para não fazer nenhuma cagada. Eu preciso muito desse emprego.  —  E como eu precisava dele, se eu fosse demitida, olá futura Sakura moradora de rua.

—  Imagino que sim.  —  Ino disse e eu concordei com a cabeça.

—  Que horas a boate fecha?  —  Perguntei, ajeitando meu cabelo que tava caindo.

—  De três da madrugada, mas quando acontecesse alguns imprevistos, fechamos mais tarde.  —  Ino explicou, dando um trago no seu cigarro. Que eu nem sabia que ela fumava.

Bem, de vez em quando eu também costumo fumar um cigarrinho quando estou nervosa.

E esses imprevistos suponho que seja brigas ou o abastecimento das bebidas e alimentos. Enfim, meu trabalho era só despachar bebida, então eu saia mais cedo.

—  Quer uma bebida?  —  Ino perguntou me oferecendo um copinho.

—  A gente pode?  —  Perguntei, pegando o corpo da sua mão.

E se o patrão visse? A gente não estaria encrenca? Ino não parecia se importar.

—  Claro que sim, Sasuke não liga que tomamos algumas na hora do serviço. Depois a gente coloca na conta de todos.  —  Ela disse e virou seu copo.

Virei o meu também sentindo a queimação na garganta. Identifiquei ser vodka, eu era bem forte para bebidas. Não me embebedava tão fácil, então tava de boa.

—  Ino, um martini e um whisky.  —  Karin chegou falando e ficou parada esperando com o braço sobre o balcão.

—  Certo!  —  Ino prontamente foi pegar o whisky e eu fui preparar o martini.

Peguei uma taça, coloquei três gelos depois despejei o gim e o vesmuto seco, e pra finalizar coloquei uma azeitona dentro.

—  Aqui.  —  Falei colocando sobre o balcão, a ruiva pegou colocando na bandeja sem nem olhar para o meu rosto.

Vaca!

—  Prontinho.  —  Ino voltou colocando o copo na bandeja e a ela se foi indo entregar.

—  Eu ein, o que a Karin tem contra mim?  —  Perguntei confusa para Ino.

Desde o primeiro dia que vim aqui, ela sempre me olha com cara feia. Deus tá de testemunha que eu sempre tratei ela bem e fui educada.

—  Não liga para isso, ela deve tá se sentindo ameaçada.  —  Ino comentou despreocupada olhando para o salão.

Ameaçada? Desde quando eu ameacei ela?

—  Ameaçada por quê?  —  Perguntei cruzando meus braços e escorando meu quadril no balcão. Ino me olhou de lado e suspirou.

Agora eu queria saber dessa história de ameaçada.

Eu não mato nem formiga.

—  Você é bonita, Sakura.  —  Foi tudo o que ela disse, me fazenda franzir as sombrancelhas em confusão.

—  Isso foi um elogio?  

Eu sabia que tinha lá minhas qualidades, mas não ao ponto de deixar outra pessoa ameaçada.

—  Ok, olha... A Karin gosta de atenção, e desde o dia que você chegou ela tá voltada para você, além de que...  —  Ino se calou percebendo o que ia dizer.

—  Além de que...  —  Incentivei, sem esconder minha curiosidade.

—  Olha, eu vou te contar, mas por favor, bico calado.  —  Ino pediu fazendo um gesto com a boca e eu concordei.  —  Karin é apaixonada por Sasuke. Toda vez que uma garota que ela considera bonita demais chega aqui, ela age dessa forma com medo de Sasuke se interessar.

Agora tudo faz sentido! A ignorância que ela me tratou, me ignorando, fazendo cara feia, ela queria que eu desistisse de trabalhar aqui.

Então era tudo por medo de Sasuke me querer? Puff, que ridículo. Ele nem se quer me olhou por mais de dez minutos.

—  Se for por isso, ela não precisa se preocupar. Eu estou aqui apenas atrás de um trabalho. E para ser sincera, eu achei ele um pouco rude e mandão.  —  E lindo e gostoso, mas ela não precisava saber desse detalhe.

—  Ele é bem pior, mas você com o tempo se acostuma.  —  Ino falou rindo, deu um tapinha no meu ombro e foi atender um pedido.

—  Uma cerveja, por favor!


(...)


Duas horas depois a boate ainda continuava lotada. Eu já estava suada e cansada, Ino ainda continuava na ativa pelo fato dela já ser acostumada com esse ritmo toda as noites.

—  Cansada?  —  Ino perguntou me olhando com um sorrisinho na cara.

—  Um pouco.  —  Confessei dando uns tapinhas na minha cara, para espantar o sono e o cansaço.

—  Daqui a pouco acaba.  —  Ela disse tentando me encorajar com o olhar.

Graças a Deus! Pois eu não aguentava mais. 

Meus pés estavam doendo, meus braços, mãos e coluna. Porém, eu não iria reclamar de barriga cheia. Tudo estava se saindo muito bem.

Atendi mais alguns pedidos, logo deu a hora de ir embora.

—  Ino, eu já estou indo.  —  Falei, me abaixando para pegar meu capacete que eu tinha colocado embaixo do balcão.

—  Certo, boa noite e toma cuidado no caminho.  —  Ela gritou de dentro da despensa.

—  Você também!  —  Gritei de volta, rodando o balcão e indo em direção da saída.

Cheguei ao estacionamento indo até minha moto. Montei em cima, liguei e acelerei saindo. Alguns minutos depois, cheguei no meu apartamento. Abri a porta procurando o enterrupitor, quando achei, apertei ligando a luz.

Fechei a porta e andei até a mesa colocando meu capacete e as chaves sobre ela. Eu estava morta de de sono, estralei minha coluna e pescoço. 

Eu tava um caco.

Fui para o meu quarto, o banho ficava para amanhã, hoje eu não teria mais condições para mais nada. Eu só queria minha caminha quentinha. 

Porco morre de facada não de sujeira, banho só amanhã de manhã.

Tirei toda a minha roupa, liguei o ar e cai na minha cama.


                              .

                              .


—  SAKURA ACORDA!  

Escutei os gritos de Tenten do outro lado da porta e fortes batidas na mesma. Que brutalidade é essa minha filha?

—  PRA QUÊ? A CASA POR ACASO TA PEGANDO FOGO?  —  Gritei de volta, ainda de olhos fechados e deitada.

—  NÃO!

—  ENTÃO TA ME CHAMANDO POR QUÊ, DESGRAÇA?

—  Você se esqueceu que íamos hoje para a academia?  —  Seu tom de voz agora era mais baixo.

—  QUE HORAS SÃO?  —  Perguntei, desligado o ar.

—  Nove e meia, levanta! Eu já preparei o café para a gente.  —  Escutei seus passos se afastando e me levantei.

Anotar de nunca mais prometer nada a ninguém de fazer algo pela manhã, após uma longa noite de trabalho.

Promessa era dívida.

Tomei um banho super rápido, me sequei e coloquei uma roupa de academia. Uma legging preta, um top roxo e meu tênis preto. 

Sai do quarto indo para a cozinha/sala, já vendo Tenten sentada comendo bem tranquila. Me sentei já preparando meu café.

—  Como foi o seu primeiro dia de emprego?  —  Tenten perguntou dando uma mordida em sua torrada.

—  Foi ótimo, não derramei nada em ninguém e nem quebrei.  —  Falei assoprando meu café.  —  E me dei super bem com todo mundo.

Menos com Karin.

—  Sabia que se sairia bem.  —  Tenten disse dando um sorriso orgulho, e eu sorri voltando a comer.

Terminavamos de comer em silêncio, Tenten se levantou indo deixar seu prato na pia e eu virei meu resto de café se levantando também.

—  Vamo, hoje eu ainda vou dar aulas de luta na academia.  —  Falou andando em direção da porta.

Peguei minhas coisas e corri atrás dela, fechando a porta. Hoje eu só queria treinar o que fosse possível, porque eu não estava cem por cento disposta. Nenhuma disposição aliás, sei nem porque estou indo.

Chegamos na academia super rápido, não ficava tão longe de onde moravamos, dava pra ir andando a pé mesmo.

—  Sakura, qual é o seu dia de folga? Eles falaram?  —  Tenten perguntou, quando passou pela catraca que ficava na entrada da academia.

—  Eu não sei, eles não falaram nada e nem eu perguntei.  —  Droga, era pra mim ter perguntado.

Afinal, todos nós somos filhos de Deus e precisamos de uma folguinha na semana para não surtar.

—  Procure saber então, pra gente tirar um dia e ir ao shopping, cinema.  —  Tenten disse, parada lendo umas fichas.  

Oba, eu adoro esses programinhas de amigas, talvez eu chame até Ino, menos Karin.

Ino sim, Karin não!

—  Certo, vou perguntar a Ino.  —  Falei indo começar meu treino de perna.

—  Certo! Nada de moleza no treino, eu estou de olho, vamos treinar!  —  Tenten falou alto, andando para o outro lado da academia.

Que saco! Se seu treinador pega no seu pé, multiplique ele por dez que não chega nem perto de Tenten, quando o assunto é treino ela vira uma maníaca.

Foquei no meu treino e uma hora e meia depois eu estava suando que nem uma porca, suou pingava no meu rosto, costas e pernas. Não peguei leve, eu estava mortinha.

—  Vejo que não pegou leve, muito bem, continue assim se quiser manter esse corpinho gostoso em dia.  —  Tenten elogiou o meu estado, eu ainda estava regulando a minha respiração.

Essa maldita era a minha personal, na verdade ela era minha carrasca que gostava de me ver sofrendo e pedindo por misericórdia.

—  Vamos almoçar naquele restaurante ali da esquina, espere só um pedaçinho que vou terminar uns treinos.  —  Ela disse voltando para onde estava.

Bom, enquanto eu espero vou beber um pouco de água. Atravecei toda a academia, pelo caminho até recebi uns elogios, isso era bom para o meu ego. Eu gostava de elogios, minha autoestima agradecia.

Cheguei perto do bebedouro pegando um copinho descartável que ficava ao lado, esqueci de trazer minha garrafa. Quando ia colocar minha água, eis que surge uma segunda mão me atrapalhando.

Olhei para o lado e quase uma baba escorreu pela minha boca.

Tinha um homem loiro de incríveis olhos azuis parado, todo suado usando uma regata azul, mostrando seus braços e ombros largos e bem malhados. 

Se Sasuke era o Deus apolo moreno, esse era a versão originalmente loira. Tá cheio de deuses do Olimpo soltos por aí?

Assim eu não aguento!

—  Opa, me desculpe.  —  Ele se desculpou abrindo um sorriso, mostrando seus dentes perfeitamente brancos e alinhados.

Deveria ser pecado um homem tão gostoso andar assim na rua. Eu mesma teria medo de ser sequestrada por alguma viúva ou uma solteirona maluca desesperada para casar.

—  Não foi nada, eu espero.  —  Falei sorrindo mais que o normal.

—  Primeiro as damas.  —  Ele fez um gesto com os braços, mandando eu ir na frente.

—  Obrigada.  —  Passei, colocando água no meu copinho, depois ele se aproximou colocando no dele.

Observei ele virar aquele copinho, então uma gota de água caiu pela sua boca, passando pela sua garganta e descendo.

Droga! Eu nunca tive tanta inveja de ser uma gotinha de água.

Depois que ele tomou água, abriu a lixeira jogando o copo dentro e se virou para mim me olhando inteira.

—  Qual seu nome?  —  Ele perguntou, cruzando os braços.

—  Sakura, e o seu?  —  Perguntei prestando atenção nos seus bíceps.

—  Naruto.  —  Ele respondeu, e eu concordei ainda olhando para os seus braços, escutei ele soltar um riso, então encarei seu rosto voltando para a realidade.

—  Gosta de bíceps, Sakura?  —  Ele perguntou sorrindo malicioso, e eu fui pega no flagra.

—  O que? Não, quer dizer, sim!   —  Falei toda atrapalhada, e seu sorriso se alargou mais ainda.

—  Eu estou brincando.  —  Ele disse e começou a rir.

Droga, eu estou me sentindo uma idiota por agir assim, até parece que eu nunca tinha visto um homem gostosão. Que virgem falsa era essa que eu era? 

Que vergonha! 

Onde tá aquela vaca da Tenten quando se precisa dela, a gente não ia almoçar?

—  Tem namorado?  —  Ele perguntou parando de rir.

—  Não.  —  Mas se você quiser, eu quero.

—  Me passa seu número, vamos marcar alguma coisa depois.  —  Naruto disse, pegando seu celular e me oferecendo para colocar o número.

Peguei digitando meu número e colocando o nome, entreguei de volta, ele olhou e guardou.

—  Depois eu mando uma mensagem para você.  

—  Certo, agora tenho que ir.  —  Falei me afastando e acenando com a mão, quando vi Tenten vindo na nossa direção com o cenho franzido.

—  Até mais, Sakura.  —  Ele disse dando um sorriso charmoso.

Gato e simpático, o combo perfeito!

Cheguei até Tenten que parou ainda olhando para Naruto, que tinha voltado a fazer seu treino. Ela me olhou, pós as mãos na cintura.

—  Flertando na minha academia?  —  Ela disse negando com a cabeça.

—  É pecado agora?  —  Retruquei cruzando os braços.

—  Não, vamos logo, estou morta de fome.  —  Chamou e se virou me dando as costas, e eu a segui.















Notas Finais


Fim de capítulo!! O que acharam?

Hum, hum, deixa só o Sasuke descobrir que a Sakura tá se engraçado pro lado do Naruto.

Até o próximo!! Xoxo ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...