História Diária de Rebeca - Capítulo 20


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Romance
Visualizações 2
Palavras 1.376
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção Adolescente, Literatura Feminina, Luta, Mistério, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 20 - A discussão


Fanfic / Fanfiction Diária de Rebeca - Capítulo 20 - A discussão

 Gabriel - Paris - Nova liberdade

Já era de tarde e meu celular estava descarregado, fico então assistindo na sala esperando aquela merda carregar, papai estava procurando sua pasta para poder ir a uma reunião importante, só que aquilo não bastava sem ele tentar iniciar uma conversa.

Papai: Estou indo agora, mas se quiser alguma coisa é só pedir.

Gabriel: Quero ir para casa.

Papai: Olha, eu disse que o trato era até final desse ano e só falta algumas semanas para acabar o ano... *Interrompo*

Gabriel: Um mês e duas semanas.

Papai: Quer saber.... Pega, acho que isso será melhor do que minhas palavras para você.

Ele me entrega um envelope e depois de pegar sua pasta, vai para sua reunião, deixo então a pasta de lado e continuo assistindo meu filme normalmente, só que a paz não dura muito quando a campainha toca. Era Julian e Ruan com caixas de cerveja e um filme em dvd, junto a eles estava mais um rapaz segurando algumas sacolas.

Julian: Olá meu amigo, viemos te pedir um favor.

Ruan: Essa MULA para conquistar umas garota, acabou caindo na arma da jararaca e ela e as amigas vão vir assistir filme na sua casa.

Gabriel: Para você está envolvido deve ter sido algo muito ruim mesmo, e mesmo assim não posso deixar vocês assistirem filme na minha casa, papai acabou de sair para uma reunião.

Ruan: Acho que isso vai mudar sua ideia. (Ele me mostra uma print da foto de Mamãe e uma mensagem em baixo dizendo que iria divulgar se não cumprirem com a promessa)

Gabriel: Por que você fez isso Julian?

Julian: Não foi só você ameaçado por ela, uma garota diz que foi supostamente estrupada por Ruan naquela festa e por provas falsas ele pode acabar sendo expulso da Universidade. (Cada vês que ouvia mais, sentia um ódio muito grande por Lecyane)

Todos entram e eu fico cada vez mais indignado com aquela situação. Vou para a varanda na pequena academia de papai e começo a descontar a raiva no saco de pancadas, Julian vai até minha direção para poder se justificar de tudo aquilo.

Julian: Olha, eu me arrependo muito do que fiz... Se eu não tivesse encontrado aquela foto no seu celular, nada disso teria acontecido.

Gabriel: O que você queria com aquela foto?

Julian: Te zuar talvez, só a velha chantagem emocional que todos os amigos fazem.

Gabriel: Ótima chantagem.

Ouço a campainha tocar e Ruan atende a porta já  sabendo quem era. Elas entra cumprimentando normalmente, Júlia aparece e Ruan estava sem palavras ao vê-la entrando, ela era a garota que ele gostava de verdade junto a rainha das cobras, não imagino a chantagem emocional que ela teria feito com ela para acabar parando junto a nós. Escolhemos as posições para assistir o filme enquanto eu e Julyan ficamos fazendo a pipoca junto a outras coisas para comer. 

Passando as horas, meu celular fica com a carga cheia e meu pai liga, já era tarde e papai estava quase chegando de sua reunião, Lecyane não parava de me olhar em todos os momentos, pela primeira vez ela parecia estranha, fico então na cozinha enquanto todos ficavam andando conversando pela casa, ouço então vozes na varanda e vejo pela janela Ruan e Júlia conversando a sós, ele parecia mRio sem jeito perto dela e a conversa parecia bem interessante. 

Lecyane: Parece que eles estão tendo uma conversa amigável como planejado. 

Gabriel: Por que você usa jogos mentais para manipular as pessoas ao seu favor?

Lecyane: Precisava fazer isso para descobrir o que eu quero... (Ficamos em um silêncio de 5 minutos) Vamos dizer que preciso para uma matéria de jornal.

Gabriel: Não é para sua matéria de jornal, talvez seja por conta de você estar interessada em mim. (Ela me encarava espantada quando ouviu aquilo enquanto pego uma bebida na geladeira) Eu responderei se você apagar todos os dados sobre mim e meus amigos em seu celular.

Lecyane: Ok.

Ela pega o celular e começa a apagar todas as imagens e vídeos que estava usando para manipular todos nós, era justo eu contar para ela a verdade sobre eu estar gostando ou não de alguém só que nesse exato momento meu telefone toca com um número novo, Ruan aparece meio feliz depois da conversa para pegar umas bebidas para eles.

Gabriel: alô, quem fala? 

Rebeca: Gabriel? 

Gabriel: Não acredito (Aquela voz era muito familiar, parecia ser de...) É você mesmo? 

Rebeca: Como você está? (A vista dela estava doce como sempre)

Gabriel: Castiel tinha me dito que você não queria me ligar. (Lecyane me incarava enquanto falava na ligua normal que eu era acostumado)

Rebeca: Estava sem celular e consigui um novo, Faz muito tempo que não ouço sua voz. (Parecia que ela estava me escondendo algo)

Gabriel: É muito bom poder ouvir a sua... Mais por que me liga essas horas? 

Rebeca: Eu queria muito te pedir desculpas por não ter mais falado com você e nem ter chegado a tempo para me despedir. 

Gabriel: Tudo bem. 

Lecyane: Com que fala Gabriel?

Gabriel: Ninguém que te interessa inchirida (Falo com arrogancia)

Rebeca: Liguei em uma péssima hora? 

Lecyane: Não fala assim comigo. (Ela parecia brava)

Gabriel: Não, só estou com problemas com uma pessoa aqui que não para de me incher. Ligarei mais tarde para podermos conversar melhor, tenho amigos aqui em casa e depois te explico melhor a situação aqui. 

Rebeca: OH, tudo bem. 

Desligo o telefone e todos próximos me olhavam com cara de surpresos por eu falar outra língua além do Francês, Ruan era o único que não estava surpreso por conta daquilo.

Gabriel: Quer saber mesmo com quem eu estava falando? (Me aproximou de Lecyane falando em tom sério) Era a única pessoa que me importo, uma garota que não fica me perguntando coisa, que não se entromete na minha vida, de beleza que nem mesmo uma pessoa normal poderia expressar.

Lecyane: Sua Namorada?

Gabriel: Saiba que ela não é você.

Todos continuava olhando mais surpresos pois essa era a primeira vez que eu enfrentava ela olho por olho.

Lecyane: Não preciso ser ela.

Gabriel: Mais queria... Você tentou várias vezes descobrir se eu tenho alguém para amar pois você queria ser essa pessoa. (Começo a encurralar ela na parede até que ela fecha os olhos e respira fundo) Eu nunca, nem se você fosse a última pessoa do mundo inteiro... Jamais ficarei com você.

Papai chega na hora e ouve tudo, vejo então ela deixar as lágrimas descerem e corre para fora indo em bora, as suas amigas também vão atrás dela para poder ajudar enquanto todos os meninos comemoravam por conseguirem agora se livrar dela... Mas... Eu sentia que peguei muito pesado com ela, descontrolei toda minha raiva nela por tudo que eu estava segurando, Ruan pega então o envelope que eu deixei em cima da mesa com meu nome.

Papai: Filho, por que você pegou muito pesado com aquela garota?

Gabriel: Não sei...

Me sento no chão da cozinha e meus amigos resolvem ir em bora para poder deixarnos a sós. Contei tudo que estava acontecendo des dos primeiros dias de aula que me mudei para cá e o que passei nas mãos de Lecyane, enquanto ficava pensando em tudo que aconteceu comigo e Rebeca, também contei sobre ela para ele que estava feliz por mim e ao mesmo tempo triste por não ter vivido comigo nessa parte da minha vida.

Gabriel: Eu fiquei muito tempo te odiando depois de você ter deixado eu e mamãe. 

Papai: Você sabe muito bem por que eu tive que ir.

Gabriel: Eu menti pra você.

Papai: Do que você está falando?

Gabriel: Eu precisava do dinheiro para pagar o hospital de mamãe, de tanta bebida que ela ficou bebendo, teve que tratar dos rins que estavam quase parando e depois tentou suicídio... Ela precisava de você e como nunca voltou, magoada, tentou se matar e está em coma.

Papai: E  com quem você ficou todo esse tempo?

Gabriel: Minha tia cuida de mim como se fosse uma mãe.

Depois daquela conversa, o clima da casa ficou mais estranho que o normal mas pelo menos estávamos mais familiares do que nunca. No meio da noite pude ouvir ele chorando, mesmo que ela tenha começado a gastar dinheiro com jogos, ele ainda a amava.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...