1. Spirit Fanfics >
  2. Dois Opostos >
  3. Minha causa

História Dois Opostos - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Boa Leitura♥

Capítulo 15 - Minha causa


Draco Malfoy:

Faz uns dois dias desde que eu acordei, Harry realmente não veio mais me ver, e por mais que no fundo isso me doa, ainda sei que isso é o melhor para ele. Pansy e Goyle vieram me ver logo que Potter saiu, e desde então passam todo tempo aqui, Blásio também  veio, um pouco mais tarde que os outros dos,  porém também fica muito tempo aqui.

Minerva veio conferir ontem a tarde, qual o meu estado, e ia começar a falar comigo sobre Córmaco,  mas Madame Ponfrey a impediu,  dizendo que eu ainda preciso de repouso, e Pansy concordou com ela. Tentei pedir para Blásio e Goyle me contarem o que aconteceu com o garoto que me torturou,  mas ambos seguiram as recomendações da Madame Ponfrey e evitaram me contar a verdade.

- Estranho não termos nos esbarrado com Potter nenhuma vez. - Pansy comenta, assim que entra na enfermaria seguida dos outros dois.  - Afinal, quando você estava naquele "coma", todos os dias ele estava aqui.

- Fomos obrigados a arrastá-lo para fora umas três vezes.  - Goyle fala revirando os olhos. - Porque ele não queria nos deixar sozinho com você.

- Parecia que a qualquer momento você pudesse quebrar.  - Blásio completa o pensamento,  e os três se olham como se todas essas frases tivessem sido planejadas.

- Não vi Potter desde que acordei. - Minto descaradamente me sentando um pouco na cama, e pegando um livro na mão para evitar falar sobre o assunto,  mas os três são extremamente insistentes.

- Isso realmente é muito estranho. Achei que ele pudesse ter algum tipo de desmaio, porque não foi em nenhum banquete, não sei quando e nem como comeu, só para não sair de perto de você. - Zabini fala se escorando na janela, e girando uma bola na mão, parecendo um pomo de ouro,  e esse objeto automaticamente me lembra Potter, e fecho os olhos dedicado a afastá-lo da minha mente,  porém a preocupação fala mais alto.

- Mas, desde que acordei... Ele tem ido nos banquetes? - Pergunto para Pansy que dá de ombros.

- Tem sim, mas parece que Hermione tem o forçado a comer.

- O garoto realmente está acabado. - Goyle afirma, enquanto os outros confirmaram com a cabeça. 

- Bom, Potter sempre está metido em confusão, deve ser mais uma. - Falo tentando evitar transparecer minha preocupação com o garoto, e me convencer a não levantar imediatamente dessa cama e ir atrás dele para ver se ele está bem.

- Você mente muito mal. - Zabini fala muito baixo, mas mesmo assim eu escuto, e me viro em direção a ele.

- O que quer dizer com isso? - Pergunto levemente confuso com sua afirmação repentina. Porém,  quando ele está prestes a responder,  Madame Ponfrey entra no quarto, seguida de Minerva.

- Você já está bem, pode voltar a sua rotina normal.  Mas, evite se estresse muito ou fazer muitos exercícios físicos, - Ela fala, lançando mais alguns feitiços não-verbais sobre mim, provavelmente para ter certeza que está tudo ok.

- Obrigado. - Respondo com certa dificuldade, afinal essa palavra não sai dos meus lábios com tanta facilidade,  e eu percebo isso quando os meus três amigos me olham chocados, e levam a mão a boca para conter uma risada. E eu reviro os olhos, com um pequeno sorriso de canto, porque sei que eles vão me incomodar muito por conta disso.

- Fico feliz que esteja bem Malfoy. - Minerva fala,  com um semblante sério, mas com uma voz levemente tranquilizadora. - Podemos conversar? - Ela pergunta,  porém isso se parece mais com uma afirmação do que com uma pergunta.

- Lógico. - Falo, me endireitando na cama, e levando a mão até os cabelos automaticamente.  Posso estar numa enfermaria,  mas nunca vou perder a minha postura. 

Ela olha para os três presentes na sala, e como se entendessem a ordem a silenciosa dela, eles se despedem, e seguem para fora do quarto, avisando que estarão me esperando quando eu for sair. Minerva se senta ao lado da cama, cruzando as pernas.

- Bom... Eu sei que você ainda não está nas melhores condições... - Interrompo ela com um sinal com a mão. 

- Me desculpe lhe interromper, mas não precisa de enrolação, me diga o que aconteceu com Córmaco.  

- Harry nos contou,  que quando chegou no local,  você estava sendo torturado pela Maldição Cruciatus. - Me arrepio por completo ao ouvir esse nome, e lembrar da sensação dela no meu corpo, mas também não consigo evitar me focar no nome que ela citou "Potter nos contou". Foi ele que me achou? 

- Ele lançou um Estupefaça fortíssimo no garoto, que quase o deixou desacordado, e por final o petrificou até que nos chegássemos. Quando chegamos Harry estava sentando com você no chão,  e você tremia demais, e sua respiração estava muito fraca. 

Começo a não ouvir as palavras de Minerva,  e me foco no garoto moreno "Eu salvei você!" ele gritou quando o mandei embora, mas eu estava tão focado em afastá-lo que nem prestei atenção na sua afirmação. Potter realmente me salvou, mais uma vez... mais uma vez ele arriscou a vida dele por mim, e mais uma vez eu não tive coragem de o agradecer, mas tive coragem de o afastar. Cada minuto que passa eu percebo ainda mais, o quanto é melhor para ele que fique longe de mim. 

- Córmaco foi levado até uma prisão preventiva até o julgamento,  mas digamos que agora ele está no St.Mungus protegido por aurores do Ministério.

- Por que ele está no St.Mungus? - Pergunto meio confuso,  e fico ainda mais preocupado,  quando Minerva parece receosa em me responder. - Minerva,  por que ele está no St.Mungus?  

- Alguém o atacou na cadeia, não usou nenhuma maldição imperdoável,  mas lançou feitiços fortes o suficientes para o deixar em estado vegetativo.  Não sabemos se ele irá acordar tão cedo, e nem se irá acordar. - Congelo dos pés à cabeça, parecendo completamente improvável que alguém o atacaria por minha causa, Pansy se importa muito comigo, mas é incapaz de machucar uma mosca, Goyle só machucaria alguém de eu mandasse, caso o contrário não tomaria essa atitude sozinho, Blásio por mais que seja meu amigo, não somos tão íntimos ao ponto dele atacar alguém por minha causa, minha mãe não tem permissão para sair da Mansão Malfoy.

- Quem faria is... - E então a minha ficha cai. E num movimento involuntário,  me levanto da cama, entrar em contato com o chão com tanta velocidade,  me deixa um pouco sonso, e sou obrigado a me firmar na parede até recuperar bem a visão e o equilibro. 

- Malfoy?  Está tudo bem? - Ela pergunta parecendo ser uma pergunta padrão,  porque sua expressão demonstra claramente que ela sabe o que estou pensando,  e sabe onde vou.

- Está tudo ótimo,  mas preciso verificar uma coisa. - Falo, enquanto procuro pelas minhas roupas. - Accio roupas. - Pronuncio o feitiço, quando desisto de procurar,  e minha mente parece entrar em colapso, para ir logo falar com ele. 

Me visto com ajuda de magia,  e finalmente sigo até a porta, quando já estou do lado de fora, Minerva fala:

- Ele não faria isso por qualquer pessoa.  - Sua frase me pega de surpresa, primeiro por ela confirmar que sabe que foi ele, ou desconfia assim como eu, segundo porque Minerva acabou de dizer abertamente que se ele não faria isso por qualquer pessoa, então eu não sou qualquer um para ele. E mesmo com toda a preocupação e desespero que me invade, não consigo evitar sorrir ao pensar nisso... Sou realmente importante para ele.

E nós precisamos conversar.  

Harry POV: 

Esses últimos dias sem ver Draco, tem sido levemente pacatos demais, estava acostumado a me esgueirar pelos corredores durante a madrugada, somente para o observar dormir e saber que estava tudo bem, também estava acostumado a acordar no outro dia, dormindo bem de mal jeito na cadeira, e Madame Ponfrey apenas revirar os olhos em reprovação,  mas desistindo de tentar me mandar embora. Realmente,  não comi muito bem durante aqueles dias, porque meu único foco era que ele ficasse bem, e não eu, então apenas tomei algumas Poções Revigorantes que "peguei emprestado" da sala do Horácio.  E depois que ele me mandou embora, esses dois dias tem sido focados, em Hermione tentando me fazer comer, mesmo eu não estando com muita vontade para isso,  ficar preocupado com Draco (apesar de tudo) e pedir para Madame Ponfrey se está tudo bem com ele, além de uma ou duas vezes ter perguntado para Zabini como ele realmente estava e o mesmo responder somente "Vá ver você mesmo". 

As palavras de Blásio ainda não saíram dos meus pensamentos, ainda não fazem o menor sentido para mim, mas mesmo assim me pego acordando no meio da noite pensando se devo ir ver o loiro,  como Zabini me mandou fazer. "Ele precisa de você" de todas suas afirmações, essa foi a que mais mexeu comigo, não consigo imaginar Draco precisando de mim, afinal ele deixou claro que minha presença ali só o atormentava, mas mesmo assim sua frase parecia possuir tanta verdade, ele não estava falando aquilo só para me irritar, mas sim porque parecia verdadeiramente preocupado com o loiro. Mas, por que então Draco teria me afastado, se precisa tanto de mim assim? Isso não faz o menor sentido.

- E você está viajando de novo. - Rony fala quando saímos da aula de TDCM, e finalmente saio dos meus pensamentos envolvendo Malfoy.

- Como é? - Pergunto piscando minha atordoado e fitando o ruivo com os olhos.

- Hagrid várias vezes falou com você,  e suas únicas respostas foram "é, verdade, aham,  hum", não estou aguentando mais conviver com você assim. - Ele fala revirando os olhos, e dando de ombros. - O que está acontecendo com você, Harry?  

- Não está acontecendo nada Ron,  eu apenas estava meio desligado,  deve ser sono. - Minto decidido a evitar falar sobre Draco em uma conversa com Ron,  afinal o ruivo já deixou claro que cada vez que tocamos nesse assunto,  ele surta. Então opto por mentir e evitar complicações. 

- Por Merlin Harry,  eu não sou tão burro quanto pareço. - Sou obrigado a dar risada com seu comentário,  mas me calo quando ele me olha feio.  - Estou falando sério. Não consigo entender porque você está tão preocupado com Malfoy, mas se isso vai te fazer melhor,  vá vê-lo de uma vez. 

Fico paralisado com seu comentário,  afinal desde que me aproximei de Draco, ele tem sido a pessoa que mais tem dado contra, e dizendo que eu devo estar enfeitiçado,  e que deveria me afastar até o feitiço perder o efeito, então o ouvir falando isso, me deixando completamente chocado.

- Sim, eu sei que é impressionante eu estar falando isso, mas Harry é visível para qualquer pessoa que você está acabado. Quando vocês pararam de se falar, você ficou todo pra baixo, e nem as piadas de Dino ou de Simas conseguiram te animar por completo. Depois,  quando ele foi torturado em Hogsmeade,  você entrou em uma bolha de proteção para ele, onde você não dormia, não comia, só vivia para saber que ele estava bem. E agora,  por algum motivo que eu não sei,  vocês se afastaram de novo, e você parece viver em outro mundo, não se foca nas aulas, não come, não entra nos assuntos comigo e com Mione. Por mais que eu odeie o Malfoy,  você é o meu melhor amigo,  e não aguento mais te ver desse jeito.

- Ron... Eu não sei o que dizer. - Falo realmente impressionado com as palavras dele, e principalmente pela maneira que está aparente a mudança que Malfoy tem gerado nos meus pensamentos e na minha rotina.

- Você sempre quebrou as regras Harry,  nunca aceitou ouvir um "não" como resposta. "Não vá a Floresta Proibida de noite" você foi. "Não vá no terceiro andar" você foi.  "Não vá atrás Voldemort" você foi. A verdade é que toda vez que alguém te manda fazer alguma coisa,  você tem um instinto, em fazer o contrário. Então por que agora, decidiu obedecer seja lá o que Malfoy tenha te pedido? Regras e ordens não combinam com você. 

Pensou em argumentos para contrariá-lo,  mas o discurso dele e o discurso de Zabini,  se unem na minha mente, me fazendo ser incapaz de remar contra eles. Não importa o que Draco queira que eu faça,  eu preciso vê-lo,  mesmo isso sendo contra a sua vontade.

- Obrigado Ron.  - Falo dando um abraço nele, e começando a correr em direção a enfermaria. Draco precisa me ouvir,  querendo ou não. 

Por incrível que pareça, no meio do caminho, me esbarro com uma pessoa e vou ao chão, levanto os olhos pronto para pedir desculpas, mas fico sem reação ao encontrar na minha frente, justamente quem eu estava procurando.

- Harry?  - Ele fala parecendo tão chocado quanto eu. 

- Draco? - Respondo um pouco perdido na situação,  e finalmente me situo, quando ele me oferece a mão para eu me levantar, porém meu orgulho me impede de aceitar depois de tudo que ele disse, e dispenso sua ajuda, me levantando sozinho. 

Já de pé, deixo meu olhar recair sobre ele, Draco está impecável,  nem parece que a dois dias atrás foi torturado e quase morreu. Seus trajes estão incríveis,  sempre com aquele modelo preto de sempre, mas dessa vez sem usar a capa, somente com uma calça preta, e um sobretudo preto, levemente aberto nos primeiros botões,  dando a ele um ar de soberania, mas ao mesmo tempo tranquilidade. Seu cabelo está penteado para trás,  sem nem um fio fora do lugar, com aquele seu tom de loiro incomparável e incrível. Sua postura segue ereta, e firme, parecendo sempre com aquele seu semblante de ser humano intocável. É impossível,  olhar para Draco e negar sua beleza unicamente atraente,  mas eu nunca deixaria ele saber que penso isso.

- Precisamos conversar. - Falamos exatamente ao mesmo tempo, e ambos temos que contem uma risada pela situação engraçada, mas nós dois queremos manter uma imagem séria,  então nos contemos.

- Posso falar primeiro? - Pergunto com firmeza,  tentando demonstrar estar convicto do que dizer, mesmo estando prestes a ter algum tipo de ataque cardíaco. 

- A vontade. - Ele responde dando de ombros, e se escorando na parede,  e cruzando os braços,  com aquela sua postura de bad boy que combina tanto com ele. E tomando coragem para fixar meus olhos nos dele, o azul acinzentado me invade com ferocidade,  e sobre a força de seu olhar,  deixo as palavras fluírem para fora.

- Olha Malfoy,  desde que começamos a conversar no expressão alguma coisa mudou ok?  Eu não consigo te odiar, e não consigo ficar longe de você.  Em treze dias você afetou completamente minha forma de viver a minha vida,  e na maioria desses dias, você estava me afastando,  me deixando ainda mais desesperado para ficar perto, e na outra metade você estava entre a vida e a morte. Nem quanto tento me acostumar com sua presença,  você consegue me deixar ainda mais confuso e perdido.

- É um dom. - Ele fala dando de ombros,  e reviro os olhos, mas contendo um sorriso por vê-lo agindo "normalmente", com todo seu sarcasmo.

- A questão é, não sei o porquê quero me aproximar de você,  não sei como me aproximei também,  e não sei porque não consigo ficar longe de você. Mas, o que eu quero que fique claro, é que não sigo regras, e não sou seu empregado Malfoy,  você está muito acostumado com pessoas te obedecem, que se curvam as suas ordens e fazem tudo que você quer, mas eu não sou uma  dessas pessoas, não viu te obedecer, não vou aceitar que você me mande. Então, não vou me afastar de você porque o querido decidiu que agora vamos nos afastar, as coisas não funcionam assim. Se me quer longe de você, vai ter que fazer um esforço muito maior, do que apenas me mandar embora. 

- Você é insuportável Potter. - Ele fala revirando os olhos, mas consigo ver o sorriso discreto se formando no canto de seus lábios. 

- Olha quem falando. - Respondo, e dou risada quando ele me lança um olhar de desprezo que conheço muito bem.

- Mas, eu disse que também precisava falar com você. Então, quero que me responda com sinceridade a uma pergunta. - Ele afirma, se afastando da parede, e se aproximando um pouco mais de mim, fazendo eu olhar um pouco para cima para conseguir lhe encarar.

- Diga, não tenho nada a esconder. - Falo dando de ombros.

- Você atacou Córmaco McLaggen por minha causa? - E eu congelo.



Notas Finais


Primeiramente, MUITO OBRIGADO PELO 1K DE VISUALIZAÇÕES, você são incríveis de verdade, só me apaixono por vocês cada dia mais. Quando comecei essa fic, apenas queria colocar minha imaginação para fora, e nunca imaginei que ela conseguiria qualquer tipo de reconhecimento, e 1K para mim, já é MUITO, então muito obrigado e vamos continuar juntos nesse caminho.

Segundo, vamos falar sobre esse CAP.
Todos queremos saber, Harry atacou ou não atacou? O que vocês acham?
Ron andou aprendendo com nosso fado sensato (Zabini) a ser sensato também, ADOREI.

O que acharam desse CAP? Me contem tudoo.

Bjos da Tia Lu♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...