História Ela, Ginevra Weasley. - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Cho Chang, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Ronald Weasley
Tags Harry, Hinny
Visualizações 82
Palavras 6.345
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela, Suspense, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Drogas, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Esse deve ser o maior capítulo da Fic com certeza! Pra compensar o tempo que eu fiquei sem postar!
Esse cap. vai desenvolver muita coisa então fiquem ligados, ainda não é o final, mas provavelmente o próximo capítulo é o último! Espero que não tenham desistido rs, beijinhos ✨

Capítulo 13 - O grande dia


O noite anterior havia sido comprometedora.
Um beijo antecipado havia mudado todos os planos de Gina, logo, ela teria de antecipar também a execução de seu plano.
Se o Ministro teria de morrer, ele morreria. E se ela teria que fazer o serviço, ela faria, estava decidida.
Gina queria pôr um ponto final em tudo de uma vez por todas, e por algum motivo não parava de pensar no "beijo de emergência" que havia dado em Harry.
Trancada em sua sala, atrás de sua mesa amadeirada, a garota encarava apreensiva o relógio, à cada "tic tac" ela respirava com mais dificuldade.
Os pensamentos dela deveriam girar em torno de seu plano, mas o rapaz, dono daquela cicatriz ainda a impedia de ter qualquer ideia.
- Merda! - Sussurrou para si mesma, detestava a ideia de pensar nele, era loucura.
A ruiva lembrou então de Astoria, e o quanto sentia falta e ódio da garota ao mesmo tempo.
Astoria havia mentido, e escondido algo importante e Gina nem podia sonhar em confiar nela outra vez, não conseguia acreditar que a amizade delas estava realmente por um fio, apesar de tudo que viveram juntas.
- Foco, Gina! - Pensou voltando ao beijo que rolou no cinema com Harry, e com todos aqueles pensamentos Gina achou melhor afastar-se dele por um tempo, pelo menos até colocar a cabeça no lugar não se direcionaria mais à ele, mudou todo o seu trajeto no ministério, não fumariam mais juntos, não conversariam, e apesar das inúmeras tentativas frustradas de Harry de tentar iniciar uma conversa, em todas Gina se esvaía dele.
Certamente o rapaz que carregava a  cicatriz estaria confuso, mas a ruiva não queria se importar com ele, pelo contrário, queria odia-lo, e ter o prazer de engana-lo, iludi-lo e depois abandona-lo como ele fez com ela.
Gina não dizia nem para si mesma, mas nunca perdoou Harry por ter escolhido abandona-la na época da Guerra. Ela podia ajudar, e ajudou, podia lutar e lutou bravamente, esperou por ele e quando ele voltou disse que não poderia mais continuar.
'puta merda!' pensou novamente a garota, não queria estar pensando naquilo, apesar de saber que aquele dia chegaria.
Ignorou as inúmeras ligações dele, e focou em seu plano para acabar com tudo aquilo o mais rápido possível.
Então como um sopro, um envelope entrou pela porta e flutuou até a sua mesa. 
Ali estaria sua resposta, plena e instantânea.
Os dedos de Gina percorreram o envelope dourado, observando bem o que seria.
Um convite diretamente do Ministro da magia, os olhos dela semicerraram espontaneamente, e engoliu seco ao ver do que se tratava, era o convite para a confraternização anual do Ministério.
Gina Lembrava bem desses jantares de Gala que o ministério dava todo ano para seus funcionários e Aurores, mas não era apenas isso, seria na confraternização que Ministro anunciaria a sua aposentadoria e nomearia o seu sucessor.
A lâmpada se acendeu imediatamente na mente de Gina, sua oportunidade havia chegado, a morte do Ministro da magia estava mais próxima do que ela imaginava, e seria naquela noite, na noite da confraternização, Gina não adiaria mais. Mas o que levaria o Ministro renunciar assim do nada? Alguém estaria pressionando-o? Por algum motivo ele sabia que ia morrer?
Gina não tinha respostas para aquela atitude repentina do Ministro, mas sabia que era nada bom.
Naquela tarde ao sair do ministério, Harry pediu para ela espera-lo, Gina concordou mas não o fez, alcançou o elevador o mais rápido que pôde e partiu. Passou metade da semana se esquivando do rapaz, e até era divertido pra ela, mas sabia que teria que encara-lo à qualquer momento.
Na manhã seguinte, ao ouvir pela milésima vez Richard anunciar a confraternização pelo auto falante, Gina selou o seu plano, então ouviu batidas na porta, e logo viu que era Cho.
- Precisam de você aqui, Weasley. - Gina a encarou e assentiu ignorando completamente o tom grosseiro de Cho ao pronunciar seu nome.
A ruiva caminhou até a porta onde pôde ver Harry e Richard conversando do lado de fora ao lado de uma pilha enorme de livros.
- E então? - Perguntou Gina ríspida.
- O ministro pediu pra você se livrar desses livros, estão velhos e empoeirados, ele não precisa mais deles. - Cho dizia apontando com a varinha as pilhas enormes de livros.
- Ta, você pega essa pilha e eu levo o restante. - Gina sugeriu mesmo sem entender o propósito daquele serviço e Cho lançou um sorriso debochado.
- Anh... esse é o seu trabalho, eu só vim dar o recado. - A oriental se virou indo em direção ao elevador.
- Oh, jura? e como vou levar tudo isso sozinha? 
- Anh... Isso o Ministro não me disse... mas, boa sorte! - Cho continuou seu caminho deixando Gina sozinha enfurecida.
- Vadia! - Sussurrou tentando não perder a paciência que ainda lhe restava.
- Precisa de ajuda, Srta. Weasley? - Por um segundo Gina torceu para que não fosse Harry e por sorte não era.
- Ah... Richard... na verdade eu preciso sim...
- Oh, tenho certeza que meu subordinado Sr. Potter terá o prazer de te ajudar a carregar essa bagunça! Não sei por que papai guardava toda essa tranqueira em sua sala, com todos as novas tecnologias implantadas no Ministério. - O alívio de Gina desceu pelo ralo, Richard conseguia sempre se superar no quesito de ser insuportável.
- Sr. Potter! ajude a Srta. Weasley com todas essas coisas, sim? - Tentando não encara-lo diretamente, Gina olhou rapidamente para Harry que se aproximava nada contente, ele parecia farto das ordens de Richard e também de tentar algum contato com ela.
- Está bem. - Harry dizia erguendo sua varinha e nem precisou dizer as palavras "Wingardium Leviosa" para que algumas pilhas de livros se erguessem do chão, elas levitaram até o elevador e Gina o seguiu guiando atrás dele outra pilha de livros.
Os dois entraram no elevador juntos, mas em momento algum Harry à olhou nos olhos, ele parecia chateado ou apenas pagando com a mesma moeda, por ela estar o ignorando à dias.
Alguns segundos depois Gina tentou quebrar o gelo.
- Obrigada por me ajudar com os livros. - Sem resposta, ela encarou o nada e Harry mantinha-se em silêncio, se Hermione estivesse ali, certamente riria daquela cena ridícula dos dois.
Após alguns segundos em silêncio Gina pensou em arriscar outra frase para tentar derrubar a barreira, mas o elevador fez esse trabalho.
Um barulho estranho soava dos cabos que suspendiam o elevador fazendo-o parar.
- O que foi isso? - Perguntou Gina assustando-se.
- Eu não sei, parece que algo se arrebentou. - Harry não demonstrou mas também estava assustado.
- E agora?? 
- Calma, nos enviarão ajuda logo. - Um chiado soou do interfone do elevador e uma voz nada estranha começou à falar algo difícil de se compreender.
- É... som... testando... como se usa essa coisa, ein? um, dois... - A voz de Richard soava do outro lado. - Ahm... Se estiverem me ouvindo, não entrem em pânico! houve um probleminha desconhecido nos elevadores, mas já estamos consertando! isso pode levar alguns minutos ou... horas!!! então, peço que tenham... ahm... paciência, bem... é só isso. Como desliga isso aqui?! Ahm... câmbio desligo! - A voz de Richard desapareceu, e um silêncio constrangedor tomou conta do ambiente abafado.
- Dá pra acreditar que esse é o nosso supervisor? - Harry dizia desanimado.
- E agora? o que faremos?!
- Você não ouviu? Tem que esperar. - Harry se ajeitou e se sentou no chão do elevador.
- Quanta grosseria! 
- Vai ficar esperando em pé? ouviu o que ele disse, pode levar algumas horas!
- Eu ouvi o que ele disse! acontece que Richard é um imbecil e não dá pra levar a sério absolutamente nada do que ele diz!
- Você quem sabe, então. - Harry dizia com desdém. Gina fingiu não se importar, mas com o passar do tempo suas pernas começaram à formigar.
- Tá! me dá um espaço pra sentar. - Harry lhe mostrou o espaço disponível sem lhe dar muita atenção. Gina encarava todos aqueles livros, alguns minutos se passaram e uma musiquinha começou à tocar no elevador e a Voz de Richard anunciava mais uma vez o jantar de confraternização do Ministério.
- Argh! Ele tem que fazer isso à cada dez minutos!?? - Gina dizia enraivecida.
- Ele vai fazer até a noite do jantar, acostume-se. - Harry dizia entediado.
- Não acha isso estranho, Harry? O Ministro renunciar assim... sem mais nem menos?
- Não é uma renuncia, Gina ele está se aposentando! 
- Tá, mas... ainda assim é estranho. - Gina pensou em fazer algumas perguntas para Harry, aproveitando que estavam presos, mas Harry estava uma pilha de nervos e Gina não estava afim de começar uma briga com ele ali dentro.
- O que mais me incomoda... - Falou Harry após alguns minutos em silêncio. - É que ele só está fazendo isso porque acha que ocupará o lugar do pai dele. Acha que será o mais novo ministro que o mundo da magia já viu.
- Isso seria loucura! não conheci muito bem o Ministro, mas pelo que sei ele é sensato o suficiente pra saber que o filho dele é um idiota! Todo mundo sabe que Richard só é supervisor dos Aurores porque é filho dele mas... ocupar o cargo de Ministro seria demais!
- Eu o conheci... o Ministro. - Harry dizia como se se perdesse em pensamentos.  Trabalhei diretamente pra ele, a quase um ano.
- Jura? e o que fazia? - De repente o interesse de Gina aumentou.
- Eu lia pra ele... li todos esses livros e muitos outros, desde os mais antigos aos mais recentes.
- Como assim "lia" pra ele?
- Pode-se dizer que eu sei todas as normas ministeriais de cor, porque ele me fazia ler e reler pra ele várias vezes. - As peças na mente de Gina começaram à se encaixar, Harry amava trabalhar como Auror pelas ruas de Londres, quando soube que ele foi afastado não imaginava que seria pra ficar lendo para o Ministro da magia.
- À princípio eu achei loucura, pensei que era porque ele não enxergava bem mas, com o passar do tempo vi que ele tinha propósitos maiores com tudo aquilo e eu fui me apaixonando cada vez mais por cada um dos livros. - Gina ouvia Harry dizer, notara o brilho nos olhos dele, que ela só via quando o mesmo falava sobre Alvo Dumbledore.
- Ninguém jamais soube disso e agora... ele quer queima-los. - Harry dizia observando os livros com cuidado.
- Isso não faz nenhum sentido, Harry.
- Eu sei... ele é um homem honesto, só me entristece saber que esse legado acabará assim... nas mãos de alguém como o Richard.
- Mas isso ainda não é oficial, ele ainda vai anunciar no jantar... não é?
- Com todos aqueles trasgos ao lado dele querendo roubar o seu cargo antes mesmo da aposentadoria, temo muito quem será o próximo ministro... já que praticamente todos os prováveis candidatos foram mortos "misteriosamente". - Gina engoliu seco, poderia ser um blefe? Poderia, então a garota fingiu interesse em um dos livros. - Mas não quero falar mais disso. - Completou, Harry.
- É-é... nem eu. - Concordou Gina folheando as páginas antigas do livro que segurava.
- Podemos então falar do fato de você estar me ignorando à mais de uma semana? - A pergunta repentina a fez quase saltar.
- Tá falando do quê? - Respondeu a ruiva sem nem olha-lo nos olhos.
- Ok, vai dizer então que não está me mantendo longe depois daquele...
- O que? Daquele beijo? Tá brincando, não é Harry? - Harry não respondeu e a garota voltou à fitar o livro.
- Não se preocupe também não significou nada pra mim. - Harry disse tentando recuperar a atenção da moça, e Gina fingiu desdém.
- Sei que se afastou porque pensou que poderia mudar alguma coisa entre nós, mas não... definitivamente não. - Harry dizia com firmeza em suas palavras.
- É muito bom que pense assim, Harry não quero atrapalhar o nosso trabalho juntos. - Gina disse por fim escondendo a ponta de desapontamento.
- Ótimo... - Ao ouvir a palavra vir de Harry, Gina o olhou discretamente, ele permanecia com a cabeça erguida e os olhos fechados, as mangas da blusa social sempre dobradas, e sua barba estava por fazer, Gina adorava a região maxilar dele. Com certeza o homem sentado em sua frente não fazia ideia do quanto roubava a respiração dela, e se dependesse de Gina, ele nunca saberia.
Em um estalo a luz se acendeu e o elevador continuou a descer normalmente e Gina desviou seu olhar rapidamente.
- Parece que voltou ao normal. - Ouviu Harry dizer se levantando.
Então puderam levar os livros até o térreo do ministério e queima-los como pedira o Ministro da magia.
- Valeu por me ajudar com os livros, Harry.
- Sem problemas. - Disse o rapaz lançando um daqueles sorrisos encantadores dele e sumindo em sua sala.
Gina tentaria continuar com o plano e manter distância, mas à cada vez que ele se afastava, ela sentia receio.
Em uma tarde, enquanto saia para fumar o último de seus cigarros, avistou Harry conversando com Cho em sua sala, ignorou absolutamente o olhar petulante da oriental sobre ela, estava acostumada à sentir uma nuvem negra vindo de Cho sempre que ela estava por perto, mas não era a nuvem negra que a assustava, era o frio na barriga que voltou à assombra-la naquele instante, que a fazia pensar loucuras, como, o quê eles estariam conversando? Naquela sexta a noite aconteceria a confraternização e Harry certamente levaria Cho como sua acompanhante, o que seria ainda mais bizarro, mas não queria pensar naquilo, tinha que se preparar para seu grande ataque.
Enquanto acendia o cigarro, Gina repensou nas missões de "G", fazia tempo que desconfiava de seu "mestre", se é que ainda poderia chama-lo assim, ele simplesmente a abandonou naquela missão, e ainda lhe enviara para matar o Ministro da magia, o que ele queria com tudo aquilo? o que ele poderia querer além de vingança? Seria o dinheiro das vítimas? ou... o cargo deles.
- Cargo... - Sussurrou para si enquanto assoprava a fumaça.
- Olá, Srta. Weasley. - Uma voz soou atrás dela.
- Como vai, Richard? - Gina perguntou sem interesse na resposta.
- Muito bem, obrigado! a avistei aqui sentada, sozinha... e talvez não tenha dito o quanto a senhorita é uma moça fina, elegante, apesar da nicotina em excesso que você consome compulsivamente, mas... você tem... algo em especial!
- Ahm... obrigada, Richard... - Respondeu Gina tentando não parecer confusa com aquela conversa repentina.
- Acredito que recebeu o convite de meu pai para a confraternização anual de...
- Sim, eu recebi!
- Ótimo! ótimo, gostaria de me acompanhar está noite?
- Oh... - "O QUÊ???" Pensou Gina quase engolindo a fumaça.
- Será uma noite agradável e seria uma honra acompanhá-la nesta ocasião tão festiva! - Gina não havia perdido tempo estudando a vida de Richard, o filho do Ministro, mas sabia bem o tipo de homem que ele era, soberbo, medíocre, mimado metido à besta, que certamente só estava ali por conta de seu grau parentesco, ouvira Harry reclamar da falta de profissionalismo dele algumas vezes, e não entendia como Harry era subordinado à aquele imbecil. Em todo caso, Gina teria que dar uma resposta, e apesar de Richard ser repugnante e o tipo de homem com quem Gina jamais sairia em um encontro, ele poderia ser útil, ela poderia arrancar informações dele, ou apenas não aparecer sozinha à uma festa daquelas, que apesar de estar ali só faixada, ainda assim seria deprimente aparecer sozinha.
Resolveu então aceitar o convite, Richard pareceu saltitar depois daquela conversa constrangedora, seria uma noite longa aquela, ele à pegaria às 20h em seu prédio e fez questão de deixar claro que detestava atrasos, e que fumassem em seu carro, como se ela se importasse.
No final do expediente Gina avistou Cho entrando no carro com Harry, e jamais admitiria, mas sentiu uma pontada de ciúmes.
- Apreciando a paisagem? - A voz feminina perguntou atrás dela, e Gina reconheceu.
- Tá fazendo o que aqui? - A ruiva cuspiu as palavras.
- Temos assuntos pendentes, não é?
- Eu quero que você vá pro inferno, Astoria! - Gina disse, se afastando completamente da loira, mas Astoria a alcançou.
- Não precisa agir assim, Gina.
- Me solta!
- Ele me forçou à esconder tudo, sabe como ele é!
- Ah, jura? achei que fôssemos amigas! 
- E somos!
- Não pareceu amigável quando me jogaram nessa missão de merda pra morrer aqui!
- Você não vai morrer, Gina! é por isso que eu tô aqui. - A ruiva se voltou para  finalmente ouvir a garota.
- Eu vou te ajudar no que for preciso, e acabar logo com isso.
- Não preciso que faça isso, Astoria... se acha que pode me comprar agora tá enganada! Eu me informei! me infiltrei nesse maldito Ministério, me arrisquei, menti pro Harry, tudo pra conseguir informações e não é agora que vou precisar de reforço.
- E desde quando se preocupa com Harry Potter?
- Não tem absolutamente nada a ver com ele! Tem a ver com você! Sabia o tempo todo que eu viria sozinha pra essa porcaria de missão e concordou com isso!
- Você tem todos os motivos pra me odiar, mas eu não vou deixar você agora! Só falta essa missão, Gina vamos acabar logo com isso e ser livre! - O fogo que ardia nos olhos de Gina se acalmou por um momento, Astoria parecia acabada também, todos estavam. Estavam cheios daquela vida monitorada e de missões que pareciam não ter fim. Gina não confiava mais em "G", mas naquele momento só lhe restava acreditar, acreditar que aquela seria a última vez, e se Astoria estava disposta à ajuda-la, assim seria.
- Certo. - Gina disse áspera, Astoria respirou profundamente. - Pra minha casa então, vamos acabar com isso hoje.
Naquela noite tudo parecia calmo, apesar de tudo.
No apartamento 31 uma jovem moça ruiva caminhava pelo quarto experimentando vestidos.
- O que acha deste amarelo? É confortável... - Gina perguntava vestindo o terceiro vestido naquela noite.
- Você tem um gosto peculiar, Gina mas não é um jantar qualquer! É a sua grande noite não pode ir com qualquer coisa. - Com "grande noite" ela queria dizer a noite da execução, Gina preferiu ignorar o fato de Astoria ser inteiramente fria, as vezes falava como se não tivesse sentimentos.
Astoria revirava o guarda-roupa de Gina.
- Eu sei, é exatamente o que torna tudo ainda mais difícil. - A loira parou de procurar vestidos e se sentou na cama, encarando a garota Weasley.
- Eu sei o quanto deve estar nervosa... mas é sua última missão, Gina. Já enfrentou coisas piores. - Gina a observava pelo reflexo do espelho. - Lembra de quando se livrou do Half? foi sua primeira execução e se saiu muito bem...
- Eu sempre cumpri tudo com êxito, Astoria, acontece que eu não posso mais fazer isso, você não entende? Ele me convidou para um jantar com vários outros Aurores, seria muita loucura uma tentativa de homicídio ali. Sobre o Sr.G ter me escolhido... tá na cara que ele quer me ferrar, a pergunta é... porquê?
- Gina, o Sr. G sabe o que está fazendo... esta é uma ótima oportunidade pra acabar com isso, esse jantar... vai ter centenas de pessoas do Ministério, ninguém vai suspeitar de você. - Gina se virou para Astoria abrindo seu vestido amarelo,  retirando-o.
- Já faz tempo que as coisas não ocorrem como o combinado... acho que ele tem um plano maior... - A garota loira encarava o chão. - Acho que fomos enganados... desde o início...
- Do que você ta falando agora?!
- Não existe aquela história de vingança! À algum tempo eu tenho notado as mudanças de interesse do "G" nessa missão...
- Gina, você...
- ... Me quer infiltrada no ministério, quer saber sobre a segurança de lá, Aurores...
- Gina...
- Eu juntei as peças Astoria! - Um silêncio tomou conta do cômodo. - As pessoas... que matamos... todos tinham influências no ministério, apesar de serem corruptos, todos pretendiam ocupar o cargo de Ministro, todo mundo deseja loucamente esse posto! e... após à aposentadoria do atual Ministro, todos eles pretendiam se candidatar, todos! - Astoria voltava à encarar o chão. - Eu sei que tem alguma ligação, eu...
- Gina, para! - Gina respirou por um segundo, e encarou Astoria nos olhos. - Tudo isso é loucura! Sempre vingamos a família de "G" por um bem maior! para honrar a família dele que foi prejudicada por todos aqueles desgraçados que matamos! se fosse com a minha família Gina, eu faria o mesmo! e se sua família fosse traída, ein? o que você faria? não iria querer vingança? - Gina segurou o tecido fino do vestido azul pendurado no cabide ouvindo cada palavra de Astoria, após alguns segundos em silêncio se virou para encara-la.
- Tem alguma coisa que você queira me contar? - Os olhos da ruiva penetraram os da loira sentada em sua frente. - Digo, mais alguma coisa? porque se ainda estiver me escondendo algo, Astoria... eu juro que não poderei mais perdoar, eu...
- Não estou escondendo nada, Gina! Pare com isso! - Astoria se levantou e caminhou até a amiga. - Esta é a sua última missão, lembre-se disso! depois tudo voltará à ser o que era antes e poderemos mudar daqui juntas.... ein? o que acha? - Astoria olhou para os lábios vermelhos de Gina, que se desviou de pressa fazendo Astoria recuar, tentando fazer aquilo não parecer constrangedor Astoria foi até o guarda-roupas e seus olhos brilharam.
- Encontrei o vestido perfeito. - Gina olhou para o vestido que Astoria segurava, era o vestido vermelho que ela usara nas Bodas de prata de seus pais.
- Esse é realmente lindo! eu nem me lembrava dele. - Gina experimentou o vestido e sabia que era o ideal para aquela noite. Os pensamentos da ruiva estavam em erupção, aquela seria sua chance de executar o serviço sujo, mas ainda lhe restava uma dúvida. Como faria isso? Pensou em envenenar a taça que o Ministério utilizaria aquela noite, mas seria arriscado demais.
- Por que não pega ele de surpresa após o jantar? - Astoria sugeriu.
- Ele sempre está cercado de pessoas, seria impossível. - Gina dizia fazendo os ajustes necessários em seus cabelos.
- Poderia tentar seduzi-lo, como eu fiz com Andress... é sempre certeiro.
- Certeiro para alguém com menos de 80 anos... decididamente não. Tem que ser algo muito bem discreto, em que ninguém consiga assimilar direito o que aconteceu.
- Então é melhor pensar rápido. - As horas iam se avançando e Gina tinha algo em mente, apenas lhe restava esperar que desse certo.
- O que é isso? - A voz de Astoria surgiu do quarto, onde a garota loira segurava um dos bilhetes que Harry deixara outro dia em sua mesa.
- Ah, é só... uma besteira. - Astoria olhou para o bilhete novamente, semicerrando os olhos.
- Tá transando com ele? - A pergunta fez Gina se chocar, por sorte não teve que chegar á esse ponto com ele, mesmo que ela quisesse muito saber se os dotes de Harry na cama haviam progredido desde o último ano em Hogwarts.
- Não. - Respondeu áspera, Astoria continuou olhando a bilhete como se surgissem mais palavras.
- Não acha que estão ficando... próximos demais?
- Não estamos próximos além do necessário, eu me aproximei dele para conseguir informações, nada além disso.
- E tudo isso faz parte do seu plano? não se lembra da regra "não se envolver com ninguém"?
- Qual regra? a mais ignorada de todas? todos quebramos regras, nós duas quebramos essa regra! você e o Malfoy também quebraram juntos e agora eu tenho que me privar?
- Como... sabe do Draco?
- Eu vi. - Astoria engoliu seco. - Vi vocês durante as provas no deserto do Atacama, mas eu não tô nem aí pra isso, precisava me aproximar de Harry e ganhar a confiança dele, só assim consegui estar à um passo à frente deles. - Gina terminava de prender o seu cabelo em um coque frouxo, deixando alguns fios ruivos caírem propositalmente dando um charme a mais. - É tudo estratégico, Astoria... diferente de vocês naquele dia.
- Aquilo foi um momento, não importa mais.
- Jura? Não parece que esqueceu. - Gina jogara aquela carta que guardava à muito tempo em sua manga, não por vingança ou ciúmes, mas porque Astoria as vezes parecia querer ter um certo controle sobre ela, e Gina detestava ser controlada, não importava por quem fosse.
- Já vou indo, Richard ja deve estar me esperando lá em baixo, iremos juntos. - Astoria desviou o olhar novamente, como sempre fazia quando Gina falava sobre outros caras, um olhar insatisfeito, que ela não entendia muitas vezes e nem pretendia mais entender.
- Tudo bem, eu já estou indo também, preciso resolver algumas coisas.
- Certo. - Gina sabia que o clima estava estranho com Astoria, mas o ciclo havia se fechado e ela precisava agir, não aguentava mais aquela pressão sobre seus ombros. Usara Harry e tantas outras pessoas para alcançar seus objetivos, que sentia sua consciência à crucificando aos poucos. Durante os dias de encenação, aproximou-se de Harry apenas para conseguir informações e nada mais, esse era o plano, fingiu precisar da ajuda dele para que ele pudesse se sentir íntimo dela, conversavam mais do que ele conversava com a própria namorada, o que era um ponto à mais para Gina, era como um amigo pra ele em um corpo de mulher, a versão que sempre dava certo com qualquer homem feito Harry Potter. A máscara, entretanto, não fugia muito de sua realidade, Gina não tinha muitas vaidades, era livre para conversar das coisas mais sérias, às mais pervertidas, e Harry adorava aquilo.
A capa de "melhor amiga" estava dando cada vez mais certo, e vinha sendo mais útil do que ela esperava, apesar de ter se afastado um pouco, logo, Harry estaria maluco de ansiedade para vê-la, mas notando a indiferença da parte da ruiva, esquivou-se também, Gina sabia bem que Harry era orgulhoso demais para correr atrás dela, por mais que ele quisesse. 
- E então, ele convidou Cho para ir com ele ao jantar na tentativa de me fazer sentir ciúmes. - Gina dizia em seus pensamentos entrando no elevador.
- Ok, Gina! menos... talvez ele não esteja tão afim assim. - Repreendeu a si mesma ainda em seus pensamentos.
Gina chamou o elevador e desceu até a portaria, onde pôde avistar Harry vestido em um smoking preto, e sentiu um embrulho no estômago, e estava realmente charmoso, ele não a viu, seu carro já estava saindo, provavelmente para buscar Cho.
Ao sair da portaria avistou Richard encostado em seu carro prata, vestindo um smoking verde oliva horroroso, o que a fazia lembrar uma azeitona. Em pensar que teria de comer e beber ao lado dele a noite inteira, aquilo lhe causava náuseas.
- Ora ora, se não é a enigmática Ginevra Weasley! - Ele dizia com aquela voz irritante.
Richard deu uma boa olhada nos peitos da ruiva antes mesmo dela chegar até ele.
- Ual. - Ele disse erguendo a sobrancelha, o que fez Gina se segurar para não dar o fora dali e partir sozinha. 
- Er... eai. - Richard abriu a porta do carro para ela, e o cheiro de ervas era evidente  ali.
- Nem parece aquela garota que caminha pelos corredores do ministério... sempre tão ocupada. - Richard deu a volta e entrou no carro com ela. Gina forçou um sorriso como sempre fazia com os comentários sem o menor sentido dele.
- Bom, acho que agora seremos eu e você. - Gina encolheu o sorriso imediatamente, o que fez Richard se constranger e apenas focar em dirigir até ao "L'Alouette Français" onde ocorreria a confraternização, Gina apenas ouvira falar naquele lugar, mas nunca pensou que pisaria em um lugar como aquele, sabia apenas que era conhecido por ser de frente para um lago enorme, com vários monumentos históricos e inteiramente sofisticado, o que não era a praia dela, mas por alguma razão, naquela noite estava ansiosa para conhecer.
O caminho foi silencioso exceto pelos comentários inapropriados que o rapaz de cabelos esquisitos soltava vez ou outra, e Gina o ignorou o caminho todo.- Bem que ao invés do Ministro, Richard que podia morrer está noite, eu faria com prazer. - Pensou Gina, mas logo notou o peso de seus pensamentos e riu.
Ao chegarem ao "L'Alouette Français", Gina se encantou com o lugar, inteiramente sofisticado como havia imaginado, cheio de estátuas e quadros com pinturas renascentistas. 
O restaurante foi reservado apenas para as pessoas do ministério naquela noite. Antes de entrar Gina deu um boa olhada ao redor, Harry não estava ali.
Logo sentaram-se para socializar com alguns dos Aurores que já haviam chegado.
Gina observou a cadeira do Ministro vazia, e o coração em seu peito quase saltou para fora, pela primeira vez estava realmente nervosa para uma missão.
Não demorou muito para que todos começassem à chegar, notou que Richard havia sumido, o que a fez suspirar aliviada, um auror veio puxar assunto com ela, Heitor Brenner era o nome dele, ele não fazia o tipo dela, mas era encantador quando queria.
Logo notou que Harry e Cho haviam chegado juntos, como o esperado, logo fingiu indiferença e continuou a conversa com o Auror de cabelos quase loiros, insinuando que a conversa estava interessante. Uma música ambiente rondava o lugar e logo um cheiro delicioso de chocolate começou à exalar.
O Ministro estava cercado de pessoas e Gina torcia para que seu plano desse certo.
As entradas foram servidas e só então Richard reapareceu.
- perdoe-me a demora, mi Lady! Estávamos discutindo o discurso de meu pai, que será após o jantar.
- Ah, tudo bem, eu nem percebi. – Disse Gina com desdém, mas jurou não ter visto Richard na roda em quê seu pai estava, mas preferiu se concentrar no jantar que havia sido servido.
A comida era deliciosa, algumas vezes lançava olhares para Harry do outro lado do salão, ele parecia aéreo, como se não estivesse ali. Por outro lado Cho estava deslumbrante, esbanjando simpatia e sorrisos à todo o momento.
Gina pensou no plano para aquela noite, e no plano para depois dela, lembrou-se da mala feita em baixo de sua cama pronta para partir, à algumas noites pediu para Hermione comprar as suas passagens para uma cidadezinha simples no Novo México, recomeçaria ali, não se despediria de seus pais e irmãos, mas pediu para Hermione que entregasse as cartas à eles, as cartas que escreveu em todos esses meses e não enviou, onde contava tudo o que havia acontecido e das coisas ruins que havia feito e que a honesta e humildade família Weasley não merecia alguém como ela entre eles, então ela partiria para sempre.
Um nó se formou em sua garganta, em pensar que não viria mais ninguém à quem amasse de verdade, não veria Rony e Hermione se casando, ou os filhos de Jorge e Gui, não veria mais Harry, logo, aquele seria seu último jantar com ele, talvez voltasse após muitos anos e se desculpasse pessoalmente.
A presença do Ministro próximo a sua mesa, cumprimentando a todos a fez voltar de seus devaneios.
- Está tudo certo por aqui? – Todos responderam em coro o quanto a comida estava saborosa, todos pareciam satisfeitos, quando uma música lenta começou a tocar.
- Ora, Srta. Weasley, está deslumbrante! – Elogiou o Ministro da magia.
- São os seus olhos, Ministro! – Richard notou o semblante aflito de Gina ao responder seu pai.
- Sorte do meu filho lhe acompanhar está noite! – Gina apenas sorriu com o comentário, notou que alguns dos convidados se levantaram para dançar no centro do salão.
- Bem, me perdoe Richard, mas acho que vou roubar a Srta. Weasley alguns minutos de você, me concede está dança, senhorita?
- Oh, é claro! – Gina não sabia que teria dança naquela noite, não estava preparada mas aceitou assim mesmo.
Por algum motivo muitos do salão direcionaram seus olhares para eles, inclusive Harry, que estava sentado de frente para eles observando-os por cima de sua taça de champanhe, com o mesmo semblante sério de sempre.
- Percebi o olhar do Sr. Potter sobre a senhorita, eu não quero fazer nenhum comentário precipitado mas acho que vocês ficariam bem como casal. – Dizia o Ministro guiando os passos da dança, com um sorriso engraçado no rosto.
- Oh, não não! Harry e eu somos amigos... Apenas. – corrigiu Gina desconcertada.
- Oh, sim! Claro! Me desculpe! Ele é um bom garoto e não que a Srta. Chang não seja boa pra ele, você sabe... As pessoas não escolhem por quem se apaixonar.
- As vezes, ministro... só não é pra ser. – Gina dizia continuando sua dança lenta com o seu alvo.
- Bobagem! – Ele a corrigiu. – Nós podemos mudar tudo! Se nós quisermos, é claro. – Gina desviou o seu olhar para o chão, onde haviam inúmeras pinturas de anjos em algum lugar celestial.
- Você é uma boa moça, Gina Weasley... Pode conseguir o que quiser! Apenas não sabe disso ainda. – Ele dizia com um sorriso alegre, sorriso de quem mal sabia que estava tão perto da morte.
- Eu queria que isso fosse verdade, Ministro... poderia ser mesmo assim, fácil e sereno.
- Foi o que eu disse, você apenas não sabe ainda! – Gina sorriu, mas um aperto muito grande expandia em seu peito.
- Ele não é mais o mesmo... – O tom de voz do Ministro mudou de repente.
- Desculpe?
- Ele quer que eu morra o quanto antes.
- Ahm... De quem o senhor está falando?
- Eles querem me matar hoje, você precisa dizer a ele... – As pupilas dos olhos dele dilataram-se de uma forma inexplicável, Gina queria entender sobre o que ele falava.
- Senhor... - Então ele beijou cuidadosamente a mão jovem da ruiva. – Foi um prazer dançar com a Senhorita!  – O ministro se afastou deixando-a no centro do salão, Gina sentiu um enorme choque dentro de si, iria sacrificar um homem tão bom e gentil, e ele sabia que muitos ali estariam planejando algo para tirá-lo de cena.
Gina se sentou quase petrificada, conseguia sentir o temos que ele sentia, tentou conter as lágrimas.
- Está tudo bem, querida? – A mão de Richard tocou a dela, Gina o olhou profundamente nos olhos e sentiu um frio em sua espinha.
O discurso do Ministro começou, todos pararam o que estavam fazendo para escuta-lo, Richard parecia estar no topo do mundo, e aquilo só fazia ser mais medonho.
Gina mal conseguia ouvir o que o ministro dizia, queria sair dali, fugir e não olhar pra trás, queria poder dizer tudo aquilo à Harry, mas ele estava ouvindo o discurso também, sentia suas mãos trêmulas e seu rosto queimar.
-... Hoje então anuncio oficialmente a minha aposentadoria, meus agradecimentos à todos! – As palmas soavam por todo o ambiente e Gina viu um sorriso nos lábios de Richard, ele estava certo de que seria agora o mais novo ministro da magia.
- E como todos aguardavam, nomearei o meu sucessor, o que eu deixarei todos os cuidados e obrigações em suas mãos. – Houve um silêncio em todo o salão, todos achavam que o nome à ser pronunciado seria de um dos que já acompanhavam o ministro à muito tempo, os famosos “trasgos” que Harry havia lhe dito, e em último caso seria Richard, mas o que todos não esperavam, é que ocorrera um grande reajuste de última hora
- Eu confio todas as minhas obrigações Ministeriais... À Harry Potter. – Um grande alvoroço se estendeu por todo o salão em que estavam, o queixo de Gina caiu, e então pôde encaixar as peças, esse era o real motivo do Ministro fazer Harry decorar todos os livros antes de queima-los, ele queria Harry como seu sucessor e não todos os homens de má fé que o cercava.
Gina não tinha forças para executar seu plano, não conseguiria mais fazer aquilo.
Harry foi até o Ministro para o cumprimentar, e parecia tão chocado quanto todos ali, Richard havia desaparecido outra vez.
Todos foram cumprimentar à Harry, enquanto Gina não conseguia ao menos se mover, quando o viu sair daquela loucura, resolveu ir até ele, mesmo sem saber ao certo o que dizer.
- Meus parabéns, Potter! – Ela sorriu para ele.
- Eu achei que não tivesse gostado da ideia de eu ser o Ministro. – Harry sorriu.
- Não acho que deva existir alguém aqui melhor que você.
- Obrigado mesmo, Gina... Eu nem sei ainda se vou aceitar, teremos uma reunião privada depois, não sei se realmente estou apto. – Gina então chegou perto do ouvido do rapaz.
- Você pode tudo. – Sussurrou para ele. Gina foi caminhando até a saída.
- Espera... Já está indo?
- Já eu... Tenho que ir... – Harry puxou a mão dela, a trazendo-a para um abraço.
Gina retribuiu tentando segurar o choro, levou suas mãos até o rosto dele e o beijou.
- Eu acredito em você. – disse por fim indo em direção à porta, Harry ficou ali observando ela partir, sem saber que era pra sempre. 
Gina caminhou até a entrada, quando ouviu um barulho vindo do salão, um alvoroço se ouvia lá de dentro, gritos de desespero, de repente uma das serventes veio correndo em sua direção.
- Hey! O que está havendo?
- Pelas barbas de Marlin, o Ministro foi envenenado! -Disse a mulher assustada.
- Espera... e-ele está...
- Morto.

 


Notas Finais


Estamos quaaaase lá, galera!
Uma pergunta: algum de vocês assiste Riverdale? Estou pensando em começar uma Fic sobre!
Vocês aprovariam?
Quem ainda não assistiu eu super recomendo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...