1. Spirit Fanfics >
  2. Em busca do tesouro de Shenlong. >
  3. Goku!!!!!?

História Em busca do tesouro de Shenlong. - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Descupe a demora.

Capítulo 6 - Goku!!!!!?


Goku passou a noite ouvindo Vegeta praguejar: que lugar era aquele? Que porcaria de leis eles tinha? Porque em todo lugar do mundo um suspeito para averiguação tinha direito a um telefonema e blá, blá, blá. 

— Aí Vegeta, se acalma. O tal do Uub não disse que o telefone está com defeito e que amanhã, assim que consertarem tudo ele deixa a gente ligar? E talvez nem precise.

— Calma kakarotto? – rosnou enraivecido-  que calma?! Você já parou para pensar em quantos dias vamos perder se esse maldito chefe de polícia demorar para verificar as autenticidades dos passaportes e tudo mais? Sem falar na sua noiva que certamente vai começar a achar que você vai fazer com ela o mesmo que eu supostamente fiz com a prima dela.

Pela primeira vez naquele dia, Goku realmente parou para pensar em sua pequena, em sua Chichi. Sabia do temperamento dela, mas sabia também o quanto ela era romântica e sonhadora, e as palavras de Vegeta nunca fizeram tanto sentido.

— Ela não vai pensar nisso, ela sabe que eu a amo.

— Sabe mesmo Kakarotto? E quantas vezes você demonstrou isso a ela? Sabe,  sem ser dizendo de forma melosa no ouvido "ai amor eu te amo",tô falando de quantas vezes você colocou ela e as vontades dela, os desejos dela acima de qualquer coisa?

Goku estava em silêncio e todas as palavras de Vegeta rasgavam sua mente e cortavam seu coração de uma forma que nunca imaginou, e realmente ele tinha razão, nunca havia parado para pensar em como era egoísta; sempre ele... As vontades dele. Ora com a mania de treinar, ora com as mentiras para se divertir com os amigos, e agora aquilo, sair a poucos meses do casamento atrás de satisfazer o ego dele ou talvez se livrar, como Vegeta falou: da loucura dos preparativos, talvez achando que o diário era só mais uma loucura do pai, mas quando em nome de deus fez aquilo, não pensou em Chichi, só seguiu sua vontade.

— É, você tem razão. – Admitiu tristemente - eu deveria ter pensado nela.

— É, deveria! Eu sei exatamente o que está sentido agora, porque eu já passei por isso e hoje pago um preço muito alto por ter sido egoísta e nunca ter dado a ela o devido valor ou ao menos ter dito a droga de um: eu te amo, que tantas vezes ela reclamou em não ouvir de mim, talvez se em algum momento eu tivesse dito, ela teria me esperado. 

Vegeta tinha em sua voz uma melancólica, e em seu rosto uma tristeza tão transparente que Goku se perguntou se Chichi o deixasse se aquela seria também sua expressão. Vegeta, assim como Goku, ficaram em silêncio, e cada um em seu silêncio ponderava todas as coisas ditas. Goku imaginando se de fato Chichi pensaria que ele a abandonou, afinal ele sempre disse eu te amo, claro que todas as vezes era quando eles estavam em um amasso mais quente e ele queria ir a diante, ou quando ele aprontava como na vez que saiu escondido dela para ir na despedida de solteiro do Kuririn e ela ficou sabendo que ele passou a noite com a sabão da vez a tal da Maron, e foi osso convencer ela a perdoá-lo, mas se parasse para pensar, ele nunca tinha dito um eu te amo casual, apenas por ser de fato verdade. E ele a amava.

Já Vegeta, estava pensando em como colocar para fora de forma tão estranha seus sentimentos tinha o aliviado toda a dor que carregava desde que saiu do hospital logo após o incidente na caverna e descobriu que Bulma tinha se mudado de cidade e mudou o número do telefone. Claro que ela deixou uma carta bem desaforada, e sendo ela quem era, não seria de outro jeito, mas o fato era que ele a perdeu, perdeu sua chance com ela, o amor dela, uma vida com ela, perdeu tudo, e agora ele era uma metade incompleta, um rascunho do homem que um dia foi e sem ela, jamais voltaria a ser completo de novo. Mas não iria ficar reclamando e choramingando; ele provocou sua desgraça, e só ele era culpado, então suportaria a dor, afinal ele era Vegeta Sayajin.

...

A viagem seguiu com Chichi contando para Bulma os detalhes da cerimônia e da recepção, Também contou que ela havia adiado o casamento, e da mentira que contou ao seu pai; para o senhor Cutelo, Goku estava cuidando do irmão hospitalizado o que fez Raditz fazer cara de doente levando as duas as gargalhadas, e de que ela ia aproveitar esse tempo para ir a Orange City comprar algumas coisas do enxoval íntimo que estava faltando, claro que seu pai se ofereceu para ir com ela mas a ideia de ver sua pequena princesa entrando e saindo de lojas de lingerie o desanimou, sendo exatamente o que Chichi esperava, Bulma ria sem acreditar nas coisas loucas que a prima contava, já Raditz observava Tights em silêncio, mas sua curiosidade pela loira de olhos castanhos escuros já estava o dominando. Aproveitando-se do fato do assento ao lado da loira está desocupado, Raditz se sentou sem muita cerimônia. Ele era por natureza rude, talvez suas boas maneiras se restringissem apenas ao tribunal 

— E então, eu sei que sabe que eu me chamo Raditz, mas pode me chamar de Rad como sua irmã - ele se sentiu estúpido logo depois de ter falado mas já foi, já Tights o olhou meio confusa, nunca foi de chamar a atenção do sexo oposto e depois do episódio com o cretino mentiroso se fechou ainda mais em seu mundo, e tudo que consegui dizer foi: 

—Tights Briefs.

— Então Tig, posso chamá-la assim? Prosseguiu Raditz.

Tights por algum motivo bobo achei engraçado aquele homem todo grandão falando Tig e acabou permitindo com um sim de cabeça, mas sem o olhar de fato.

— Então Tig, o que você faz? Sabe, com o que trabalha? Disse Raditz meu nervoso.

— Eu sou cartografa, me formei faz pouco tempo.

— Legal, eu sou advogado.

— Que bom, eu pensei em cursar direito, mas não sou boa com pessoas, sabe?

— E o que exatamente você faz?

— Nada muito interessante, só leio e faço mapas.

— Agora faz sentido das duas malucas terem trago você, vão precisar de alguém para ler o mapa que o doido do meu pai achou.

— É mais ou menos isso. - disse Tights sem muito entusiasmo.

Raditz estava encantado com a timidez de Tights e ficava se perguntando como uma mulher linda como ela tinha se metido em uma roubada, bem como do porque ela se vestia de forma tão fechada. Na verdade, agora ele esperava ter tempo para conhece-la melhor durante aquela suposta aventura.

— Você conheceu a Bul na faculdade? Perguntou Tights surpreendendo Raditz.

— Sim, eu sou muito amigo do ex noivo dela, e por coincidência meu pai era professora dos dois malucos. Acho que por isso acabamos meio que nos aproximando bastante mesmo sendo cursos diferentes. Quando meu pai morreu eu estava servindo junto com o meu irmão, tinha tido algumas brigas com ele e por birra tranquei a matrícula e fui servir. Meu irmão tinha se alistado porque nunca levou muito jeito com estudos. Era como meu pai dizia: cabeça de prego. Faltava só um semestre, então quando voltei eu terminei e cá estou eu advogando em uma cidade pequena, mas estou feliz dá para pagar as contas.

Raditz estava zangado consigo mesmo. Como pôde contar de uma única vez sua vida toda para uma mulher que conheceu a dezoito horas atrás? 

Já Tights, ficou surpresa e ao mesmo tempo cativada de como ele parecia transparente.

De longe, Bulma olhava a interação de Raditz com sua irmã, e não achava aquilo legal. Tights era maior de idade, mas no quesito homens era mais inocente do que uma flor, e a prova disso era que a pouco ia caindo no conto do seu te amo, mas quero uma prova de amor. Claro que seu amigo Rad não era mal caráter, mas era mulherengo e tinha muita, muita lábia. E Bulma se recordava muito bem que ele era recordista de mulheres da sua fraternidade e não queria que sua Irmã fosse mais uma na extensa lista dele.

...

O dia naquele lugar já amanhecia por volta dos seus trinta e cinco graus e naquela cela a sensação de estar sendo assado lentamente era inevitável, Goku já tinha tirado as botas, as meias, a jaqueta, a blusa e a camiseta, e só não tirou a calça porque Vegeta protestou dizendo que não queria ter pesadelos, mas não ficou atrás, estava tão sem roupa quando Goku. Uub tinha vindo mais cedo trazer água fresca e um café com pão e manteiga, e claro que mais uma vez Vegeta reclamou, mas estava faminto e comeu o que tinha, porém dessa vez observou melhor o tal Uub, e percebeu que ele não era estranho a sua mente, mas conhecia muita gente e recordar do nome de todos era difícil. Seu cérebro só guardava o que era realmente importante, mas por algum motivo se recordou de Bulma, no entanto, a ideia lhe pareceu tão absurda que deixou no canto de sua memória.

 Já Goku parecia ter tido um surto, talvez por que começou de fato a dar importância a tudo, ou porque o pão foi pouco e ele estava com fome, e por Kami, Vegeta ouviu Goku gritar por duas horas: eu quero sair daqui!

 Não foi fácil aquilo, já era por volta das oito da noite e já estavam detidos por vinte e quatro horas quando o chefe de polícia, o tal do Boo, apareceu com sua enorme pança. Parecia mais um lutador de sumô do que um policial, trazia consigo os passaportes de Vegeta e Goku nas mãos.

— Vegeta Sayajin junior, e Goku Sadala. Leu Boo encarando os dois com um rabo de olho de baixo para cima.

— É, somos nós. E o que tem isso balofo? Provocou Vegeta.

— Até você me chamar de balofo? Nada, mas agora tem desacato a minha autoridade. Tenham uma boa estadia e espero que gostem da janta, hoje é dia de sopa de miúdos. Disse Boo fechando novamente a grade da cela.

— Oba! Adoro sopa de miúdos. Disse Goku como quem não entendeu que agora de fato estavam presos.

— Kakarotto, seu imbecil! Nós estamos presos, e você falando de sopa de miúdo, idiota? Reclamou Vegeta.

— Ah veggi, eu to com fome. Se estando calmo eu já como muito, imagina eu nervoso? E além do mais foi culpa sua, quem mandou chamar o magrinho de balofo?

— Eu juro que um dia eu te mato, kakarotto.

— Ah vai  Vegeta, se acalma nervoso. Assim você não vai conseguir pensar em um plano para tirar a gente daqui.

...

O dia amanhecia na África, quando o avião pousou e eles desembarcaram, Chichi estava em estado de euforia por ter viajado pela primeira vez na vida de avião e também cheia de raiva e vontade que tinha reprimida de matar Goku. Já Bulma sabia que Vegeta ia ficar furioso quando as visse, e mais ainda, se soubesse que foi ela que fez a tal denúncia através de seu amigo Uub. Amigo esse que conheceu em uma escavação com Bardock, claro que o rapaz foi contra, mas Bulma o convenceu de que era apenas uma pegadinha entre amigos e por ser jovem, ele acabou sendo convencido por Bulma, mas sob juramento que seu pai, o chefe de polícia, nunca deveria saber que ele sabia sobre a falsa acusação, mas já estava feito.

 Eles passaram no pequeno hotel da cidade e se registraram, e como só tinha cinco quartos Raditz reservou os cinco porque Vegeta e Goku se juntariam a eles, a disposição de quartos ficou com: Tights e Bulma ocupando um, Chichi com um, e os outros três com um para cada Vegeta, Goku e Raditz,

Raditz tinha ficado furioso quando Bulma contou que seu irmão e Vegeta estavam preso por conta de uma denúncia que ela tinha feito para atrasar eles o suficiente para a chegada daquela comitiva ali, assim não se desencontrariam, e depois de ter ouvido o sermão de Raditz eles deixaram Tights no hotel e seguiram para a delegacia.

Na delegacia, Uub tentava enrolar mais uma vez seu pai com a conversa de que já tinha entrado em contato com a embaixada e eles ficaram de retornar o contato com as informações sobre os dois estrangeiros.

—Merda Kakarotto, abaixa esse braço, a catinga está vindo aqui.

— Ah tá!  Com coisa que você tá cheiroso, Vegeta.

— Claro que eu não estou cheiroso, nunca vi alguém depois de cinco dias sem um banho ficar cheiroso, idiota, mas eu não fico levantando meu braço na sua cara verme.

— Tá, mas isso tudo é culpa sua, se tivesse ficado de boca fechada ao invés de falar que o gordinho era gordão, nós não estávamos nessa.

Vegeta ia protestar, mas seus ouvidos capturaram uma voz de mulher, voz essa que ele reconheceria entre milhares.

— Bulma!!!!

— Então senhor Boo, esse é o nosso advogado, nós fomos informados pela nossa equipe de escavação de que o nosso arqueólogo responsável e o assistente dele não chegaram lá e isso já faz cinco dias mais ou menos, então viemos verificar e de fato eles desembarcaram aqui, mas não chegaram lá. Então nosso advogado teve a ideia de vim pedir a sua ajuda para encontrá-los, eu não gosto nem de imaginar eles perdidos ou então pior, sequestrados por esses caçadores e piratas do deserto. Bulma tinha lágrimas nos olhos e uma atuação digna de uma atriz.

— Acalme-se senhorita, Uub por favor traga água para essa belíssima senhora ou perdão para a senhorita. Disse o chefe Boo.

Raditz queria rir, e rir muito, mas se controlou.

— Então chefe Boo, estes são os homens que estamos procurando o arqueólogo Vegeta Sayajin, e meu irmão e noivo dessa jovem – disse ele apontando para Chichi -  Goku Sadala, ex fuzileiro condecorado, e atual assistente do senhor Vegeta. - disse Raditz mostrando algumas fotos dos dois em uns artigos de jornal muito antigos.

Boo olhou os artigos por alguns segundos e ponderou sobre aquilo.

— Eu os vi. Disse Boo.

— Graças a Kami! E onde o senhor os viu, eles estão bem estão feridos? Questionou Chichi entrando no jogo e fazendo cara de choro.

— Não, não senhorita. Eles estão aqui estão presos, por me desacatarem. Respondeu Boo, tentando acalmar Chichi, mas essa intensificou o circo.

— Ai meu Kami! Preso? Meu pai vai me matar, vai me expulsar de casa, quando souber que eu estou grávida e que o Goku não vai casar mais comigo porque está preso. Estou arruinada, imagina meu bebê nascendo sem um teto? -  Chichi chorava de forma tão desesperada e realista, que o chefe Boo tinha os olhos marejados com a dramática história.

— Acalme-se cunhada, isso não vai fazer bem para o meu sobrinho, e tenho certeza de que o chefe Boo é uma boa pessoa e vai nos ajudar a resolver isso, não é mesmo chefe? Interpelou Raditz completando a atuação de Chichi.

Na cela Vegeta e Goku estavam apavorados! O  drama de Chichi tinha chegado aos ouvidos do dois e Goku se perguntava quando e como Chichi engravidou se eles nunca transaram de fato? Claro que tirando a vez que ele quase perdeu o controle e a penetrou, eles nunca ficaram dessa forma, ele tinha jurado que não forçaria a barra, mas se ela realmente estava grávida o filho era dele e isso seria motivo de sobra para ela vim atrás dele com esse desespero todo, de fato o senhor Cutelo os mataria.

— Você engravidou sua noiva e deixou ela sozinha? Que merda Kakarotto! Disse Vegeta olhando para Goku, que se encolhia no canto da cela como se estivesse com medo de algo.

— Veja bem, jovem advogado seu cliente me ofendeu, me desacatou, e me humilhou de certa forma. A prisão deles e legitima, eles tinham sido detidos porque recebemos uma denúncia de que eles eram caçadores, mas seu amigo o baixinho esquentado tem problemas com a língua dele. Disse Boo justificando a prisão dos dois.

— Eu o entendo perfeitamente o senhor, ele realmente tem problemas com ordem e disciplina, o pai dele, o embaixador Saiyajin, vem tentando corrigi-lo desde moleque, mas sabe como é; coração de pai acaba por amolecer por assim dizer, mas me dica chefe Boo, o senhor pretende fazer a acusação formal quando?

 Sobre a menção do nome do embaixador, Boo ponderou. Realmente não tinha dado a devida atenção aos dois estrangeiros, o fato era que o embaixador Vegeta Sayajin era influente, influência essa que chegava ali no fim do mundo.

— Vamos fazer da seguinte forma, em consideração a jovem grávida, seus amigos fazem um pedido formal de desculpas e eu os libero.

— Isso seria muito justo, me permitiria vê-los? Perguntou Raditz.

— Uub, leve o advogado até os prisioneiros. Na menção da palavra prisioneiro Chichi intensificou o choro falso enquanto Uub saia com Raditz em direção a cela.

Goku estava encolhido no canto da cela e Vegeta em pé de braços cruzados com sua pose de príncipe quando Raditz se aproximou da cela.

— Hum, porque essa cena não me é estranha? Disse Raditz provocando.

— Anda cabeludo safado, fala logo, Vegeta tinha o cenho franzido como sempre.

— Eu quero privacidade com os meus clientes. Disse Raditz olhando para Uub que saiu sem protesto algum.

— Então a Chichi está aí e convenceu o chefe Balofo a soltar vocês, mas vão ter que pedir desculpas e de forma convincente, esclareceu Raditz.

— Mas nem morto que eu peço desculpas para aquele balofo. Disse Vegeta.

— Ah vai veggi deixa de drama e só desculpas, vai?  Ninguém vai morrer por isso. Pediu Goku.

— Não Kakarotto! Eu tenho meu orgulho. Retrucou Vegeta.

— Bom, se essa é sua última palavra lamento muito, pois vai ser horrível, escutar o nobre Vegeta Sayajin reclamar de como seu filho primogênito é irresponsável e vive dando trabalho. Você sabe né bla, bla, bla júnior. Raditz conhecia bem o amigo para saber que entre se humilhar pedindo desculpas ao  bolo fofo do chefe de polícia e ser humilhado pelo pai, com certeza ele iria pelo lado mais leve da balança.

— Tá, eu faço, mas me tira logo daqui. Estou louco para tomar um banho, e comer algo decente. Disse Vegeta se convencendo que dos males o menor.

Raditz deu um assobio e Uub veio com a chave para abrir a cela. O ar de alívio era grande, mas acabou assim que Vegeta viu que de fato Bulma estava ali, junto da noiva de Kakarotto.

— Gokuuu meu amor, você está vivo! — disse Chichi o abraçando. — Credo, pelo cheiro acho que morreu e esqueceram de te enterrar isso sim! - completou Chichi de forma baixa só para ele escutar.

— Chichi, me perdoa. Se eu soubesse do nosso bebê eu não tinha vindo, você está bem? E o bebê? Goku falava de forma tão sincera que deu pena.

— Hum, então Chefe Boo eu gostaria que o senhor aceitasse o meu sincero pedido de desculpas por ter sido deselegante com o senhor. Disse Vegeta de forma séria, mesmo que por dentro estivesse louco para esmurrar aquela cara de balão.

Boo olhou para Goku que acariciava a barriga de Chichi com um carinho evidente.

— Já é minha vez? Então tá! Por favor chefe Boo, me desculpe pela grosseria não foi intencional, é que o Vegeta quando fica nervoso fala o que não deve. Goku ia falar mais, porém Raditz sabendo da mania que o irmão tem de falar demais, acabou o interrompendo.

— Bom chefe Boo, espero que os maus entendidos tenham ficado para trás?

— Hum, claro. E por favor leve meus comprimentos ao senhor Sayajin  - disse Boo enquanto todos saiam da delegacia.

— Você usou o nome do meu pai, seu cabeludo safado? Reclamou Vegeta.

Em nenhum momento Bulma e Vegeta se falaram ou trocaram olhares, mesmo o coração implorando por um oi, ou um: o que faz aqui? Como sempre fora do feitio dele. Se mantinham calados, e assim foi pelo resto do dia, assim como Goku e Vegeta, todos aproveitaram para se refrescarem e descansarem.

 Tights foi a primeira a acordar e após  outro banho resolveu sair, iria comer e beber algo. O clima quente do dia estava dando lugar o frio da noite e se tornando mais agradável. Raditz já estava no restaurante, comia uma macarronada e tinha como companhia uma taça de vinho tinto, e quando viu Tights se aproximar, se levantou de forma cavalheira puxando a cadeira para que ela se sentasse o que ela fez com muita delicadeza e charme.

— Quer que eu peça uma salada para você?

— Não, acho que vou te acompanhar na macarronada, me parece estar gostosa.

— Não é das piores, e te garanto que já comi cada gororoba que te matariam de indigestão.

— Acredito em você, e talvez esse seja meu defeito: acreditar.

— Não creio que isso seja um defeito, afinal que sentido faria a vida se vivermos desconfiando de todos a nossa volta?

Tights analisava as palavras de Raditz, ele parecia ser diferente, mas à primeira vista todos são e no fim acabam se mostrando todos iguais.

— Você serviu durante muito tempo? Perguntou Tights após fazer seu pedido.

— Três anos, fui dispensado do serviço após ser baleado em combate.

— E dói ser baleado? Quero dizer, sei que é horrível, mas nunca conheci alguém que, sabe? Serviu e se feriu, então é….

—Se,i curiosidade. Mas não, não dói, apenas queima. A dor vem, mas é depois que retiram a bala e todo aquele processo de cura, disse Raditz rindo.

— Então como é na cidade onde você mora?

— A cidade é pequena, então todo mundo sabe da vida de todo mundo, mas também todos ajudam todos.

— Sua namorada deve ter muita confiança em você para te deixar viajar com duas malucas. Tights não entendeu o porquê de ter entrado ou falado naquele assunto, mas falou e não tinha como voltar atrás.

— Sem namoradas, ou esposa ou qualquer coisa mais séria. Já tive um amor que acabou me deixando e casou com um amigo, mas aqui estou, vivo e livre.

— Aí por Kami, eu não quis de trazer lembranças ruim eu...eu...eu só.

— Ei, calma Tig. Relaxa, tá tudo bem, não foi traição ou algo do tipo, nós tínhamos terminado a muito tempo quando eles se envolveram e de certa forma foi muito bom por que me tornei alguém muito melhor do que eu imaginei ser, e o Tenshin é um homem muito correto e um bom amigo também.

Tights não sabia ao certo o porquê, mas o fato de saber que ele era solteiro e disponível trouxe para si uma alegria que a muito, ou talvez nunca, tenha sentido.

O jantar entre eles foi muito agradável e divertido, Tights era uma companhia muito agradável, e Raditz tinha que admitir que tudo nela o agradava, e o agradava até demais. Eles subiram e Raditz insistiu em acompanhar Tights até o quarto e depois estenderia a noite no bar do hotel que, mesmo não sendo lá essas coisas, dava para embriagar um homem, mas chegando no corredor se depararam com os gritos entre Bulma e Vegeta que brigavam de um lado e Chichi e Goku do outro.

— Acho que vamos ter que ficar no meu quarto até eles desembucharem tudo que está engasgado. Raditz tinha um semblante sério ao fazer a proposta a Tights que por instinto achou melhor recusar o convite.

— Creio que é melhor eu entrar para tentar acalmar os ânimos antes que alguém saia morto, disse Tights de forma extremamente calma. Mas teve que voltar a trás quando ao abrir porta teve que fechá-la rapidamente para um vaso de barro não lhe acertar a testa.

— Acho que seria muito produtivo se voltássemos ao restaurante e bebemos mais uma taça daquele vinho, o que acha?

— Acho uma ideia muito boa; Raditz ria das expressões no rosto ligeiramente rosado que naquele instante tinha Tights. Os dois desceram dando as costas a lavação de roupa suja


Notas Finais


Gostaria de agradecer a todos que estão lendo essa fic vocês são muito importante para mim e R_Rell muito obrigada palavras ajuda em Beta essa para mim.💋💋💋💋💋poara todos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...