História 'Ex' Sra. Jeon - 2 temporada ( Imagine Jeon Jungkook) - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Taehyung (V), Personagens Originais
Tags Bts Jeon Jungkook
Visualizações 480
Palavras 2.128
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - Descobertas


Fanfic / Fanfiction 'Ex' Sra. Jeon - 2 temporada ( Imagine Jeon Jungkook) - Capítulo 3 - Descobertas

No dia seguinte fui com minha mãe a tal doutora. O fato era que eu sabia o tipo sanguíneo do Taehyung e de Jungkook então não levei nenhuma peça ou objeto para comparar. 

O mais desesperador foi esperar o resultado. Não sou boa em biologia, mas quando vi aquele teste... não restou mais nada. 

Meu tipo sanguíneo:  A

Tipo sanguíneo Taehyung: B

Tipo sanguíneo Jungkook: O-

E tipo sanguíneo do bebê.... 

Não. Não podia ser. 

Eu estava abalada, como vou ter coragem de chegar em Taehyung e dizer que esse criança que carrego não é dele e sim do seu maknae?

Ele vai ficar sem chão. Vai me abandonar. Mas também, isso é o mínimo que ele pode fazer. Porém de certa forma eu não o enganei pois nem eu mesma sabia que tinha essa chance nem sabia que estava grávida dele. 

 Sendo assim eu não devia enganá-lo, preciso contar a verdade.

Pelos cálculos da doutora eu estava de 3 meses  e meio, mas a barriga ainda não demonstrava nada, apenas estava rígida em forma de uma bolinha. Achei que estava apenas engordando.

Possivelmente quando Jeon saiu em turnê foi o tempo em que se deu o início o processo de fecundação.

Eu devia ter sido mais esperta e ter notado os sinais de tontura e ânsia do vômito as vezes.

Quando mamãe e eu chegamos contei tudo pra Tae nos mínimos detalhes, a cara de desolado, não acreditando no que acontecia foi de partir meu coração.

Eu não queria que fosse assim.

O que me faz amar mais aquele homem foi o fato de mesmo assim ele ter me aceitado como mãe e esposa.

FLASHBACK OFF

- Vamos Jun, termine logo de escovar os dentes. Tio Jeon já está para chegar.

- Já terminei Omma.

Jun-Tae correu para onde eu estava na sala.

- Deixa ver esses dentinhos.

Ele fez um sorriso de coelho pra mim.

- Ótimo, está aprendendo bem.

- Taetae me ensinou.

- Que bom.

- Cadê Taetae?

- Ele foi trabalhar com seus tios.

A campainha toca.

- Tio Jeon! . Tio Jeon!

Levantei-me do sofá e fui abrir a porta. Jun foi receber seu tio antes de mim pulando em seus braços todo animado.

- Iai carinha, pronto para passear com o tio?

- Pronto! Gritou Jun.

- Oi Jagi.

- Oi Jungkook. Tenha cuidado com meu filho, ok?

- Sempre. Eu prometi isso lembra.

Aish, a maldita promessa que ele fez quando Jun nasceu dizendo que ia cuidar e proteger ele quando não fez isso por mim.

Apenas aceno com a cabeça.

- Voltem antes do jantar e não dê muito doce a ele.

- Sim senhora.

- Dá um beijo na Omma.

Jun se esticou, ainda nos braços de Jungkook, para me dar um beijo na bochecha e eu retribui.

- Tenham cuidado.

- Sim

Responderam os dois ao mesmo tempo.

Antes da fechar a porta fiquei olhando Jungkook se distanciar brincando com Jun-tae. Queria que esse cena fosse diferente mas ele não pode saber.

Sempre que podia passar um dia em casa de folga do trabalho ficava com Jun, mas as vezes os meninos me ajudavam a aproveitar melhor e levavam o pequenino com eles. Sorte que na Bighit tem um espaço para os filhos dos funcionários. 

Aproveitei que estava sozinha em casa pra cuidar de meu corpo. Tomei um banho demorado, passei uns cremes e coloquei o som para tocar músicas. 

Não me surpreendi quando começou a tocar Singularity do Taehyung. 

Mal resisti a movimentar meu corpo conforme a letra, aquela música era sensualidade pura. Lógico que eu não sabia a coreografia original, dançava do meu jeito mesmo. 

- Não sabia que dançava tão bem!

- Taehyung!

Levei um susto, não esperava que ele chegasse tão cedo.

- Dançando na cozinha e ainda vestida só de roupa íntima, quer me provocar mulher?

- Na verdade eu achei que ia ficar mais um tempo sozinha.

- Maknae veio buscar o Jun?

- Sim!

- Ótimo, assim também posso ter um tempo só pra mim e você.

Taehyng se aproxima rapidamente cantando o refrão da música com um olhar de fome, agarra minha cintura roubando um beijo. Ele cola o corpo no meu nos empurrando para trás. Sinto que seu braço livre tateia procurando a mesa e quando acha agarra minha bunda e levanta meu corpo do chão me pondo sobre sem desgrudar de minha boca.

Ele passa da boca para a curvatura do pescoço, fica beijando ali provocando meu ponto fraco e me deixando com tesão ao ir para o vale entre meus seios. Tae se livra do sutiã jogando-o no chão sem perder tempo em agarrar meu seio esquerdo entre os lábios, chupando com vontade e mordendo o bico, faz a mesma coisa com o outro.

Puxo suas madeixas para que mame mais forte. Ele puxa o quanto consegue caber em sua boca, isso vai deixar marcas.

Meu marido larga meus seios e me dar uma selar nos lábios antes de me descer de mesa e virar meu corpo da costas para ele.

Gentilmente faz com que me deite de bruços sobre a mesa para deixar assim minha bunda empinada e permitir que ele faça o que quiser.

Ouço-o desabotoar a calça e logo elas são deslizadas de encontro ao chão. Minha calcinha logo ganha o mesmo destino, mas continua entrelaçada entre minhas panturrilhas.

Dou um gritinho ao sentir seu pau pincelando minha entrada e esfregando na minha bunda, melando tudo que tinha direito com o pre-gozo que saia dele e de mim.

Finalmente ele penetra em minha vagina mas não põe todo, ele coloca aos poucos fazendo movimento de vai e vem lentos deixando com que eu me acostumasse com sua extensão.

Só que depois de um tempo eu precisava de mais, precisava que ele socasse mais fundo.

Fiquei na ponta dos pés empinando o máximo que pude minha bunda para Taehyung que logo entendeu o que eu queria.

Tae deu uma penetrada funda de uma vez tirando um gemido alto de mim, retirou seu membro e repetiu A dose.

Gemi dengosa pedindo mais e ele atendeu meu pedido.

Taehyung começou a bombar na minha vagina, rápido e fundo, do jeito que eu queria. O som de seu corpo chocando com o meu era alto, assim como as palmadas que ele dava em minha bunda vez ou outra.

Eu ia gozar. Estava perto.

- Continua... assim Taetae... eu vou gozar.

- Goza pra mim meu amor, goza pro seu Taetae.

Taehyung gemia rouco enquanto bombava cada vez mais rápido. Ele ia gozar.

Deixei que os gemidos saíssem altos e prazerosos anunciando que eu havia despejado tudo em seu membro assim como ele ejaculou tudo dentro de mim.

Ficamos parados, ofegantes por um tempo curtindo o prazer que compartilhamos. Aquela foi à rapidinha mais gostosa que tive desde que Jun nasceu.

*a campainha toca *

- Junnie!

Falei meio que perdendo o fôlego por estar cansada. 

- Ele não ia chegar mais tarde?

Ainda deitada na mesa e com o pau de Tae dentro de mim, levantei a cabeça e olhei para o relógio na parede a frente: Seis e meia.

- Já é mais tarde.

Levantei-me retirando o membro do meu marido de dentro e vestindo a calcinha. Já ia correndo de encontro a porta da frente onde a campainha ainda tocava.

- Amor, espera. Gritou Tae - Suas roupas!

Olhei para baixo tendo noção que estava parcialmente nua.

- Cadê minhas roupas?

- Você estava pelada amor.

- Droga.

Olhei em volta e vi um roupão jogado no sofá. Peguei e vesti enquanto ia de encontro a porta.

Pelo visto era o roupão do Tae já que mais parecia um vestido em mim.

Quando abri a porta meu pequeno veio correndo abraçando minhas pernas.

- Omma você está bem?

O peguei no colo.

- E por que não estaria meu amor?

- Porque ouvi você gritando muito, muito alto. Pensei que estivesse machucada.

Olhei perplexa para Junnie e depois encarei Jungkook que me olhava estranho, como se não tivesse gostado do que supostamente ouviu também.

Eu não sabia o que dizer.

- Eeee... não foi nada meu amor eu estou bem.

- Sua mãe só estava se divertindo.

Jungkook falei meio irônico. Fechei a cara para ele.

- Bom já que meu filho está em casa você já pode ir embo...

- Maknae!

Gritou Taehyung se aproximando da porta. Ele estava com corpo coberto apenas pela toalha ao redor da cintura.

Ver o corpo de Taehyung molhado de suor depois de ter transado na mesa da cozinha é a coisa mais sensual do mundo, daquelas que facilmente te faria querer repetir a foda.

- Por que não entra? Já vamos jantar mesmo. Vem, janta com a gente.

- Taetae, acho que não seria...

- Eu aceito seu convite Hyung.

O mais novo me interrompe. Ele queria mesmo me irritar ou era impressão minha?

- Deixa que eu dou banho no Jun-tae amor, aproveita que vou tomar uma ducha também. Vai terminando de por a mesa com o Jeon.

- Claro amor. Tudo bem.

Tae leva Junnie e eu vou com Jungkook até a cozinha enquanto sinto seus olhos pesados em minhas costas.

Viro de frente para ele o encarando. 

- Olha aqui Jeon Jungkook, eu não sei o que você ouviu, e pouco me importa, mas se disse algo para meu filho eu juro que eu acabo com você aqui mesmo.

- Não se preocupe, eu não disse que os gritos eram de seu pai fodendo a mamãe.

-Bom pra você.

Jeon vai para mesa enquanto eu vou para a pia lhe dando as costas. Eu não posso deixar ele perceber que sua presença me incomoda.

- Jagi-ah.

- O que? Respondi sem me virar.

Ele não disse mais nada. Pelo som dos passos notei que se aproxima.

- Acho que deixou isso na cadeira.

Jungkook estende a mão mostrando meu sutiã que seu hyung jogou quando o retirou de meus seios.

O peguei e sai correndo jogando na cesta de roupa suja que havia ali perto.

- Pelo visto os gritos vieram desse local.

- Veja bem como fala comigo Jeon Jungkook. Não vou tolerar isso em minha casa.

- Não se preocupe, não vou fazer nada com a família perfeita.

- Não seja sínico. Sabe muito bem que isso só aconteceu por sua causa.

- Eu já pedi desculpa. Quando vai me perdoar?

- No dia de são nunca.

- Dia do que?

- É um dizer brasileiro que quer dizer que isso nunca vai acontecer. Não, eu não vou voltar pra você e se por um acaso a gente  chegar a ficar um dia, pode ter certeza que eu vou estar muito chapada pra fazer isso.

- Jagi, eu ainda sinto algo por você, sei que o que diz foi errado. Já te expliquei que...

- Você fez aquilo porque as outras garotas tinham detalhes meus, você estava carente e vários etc. Mas você me machucou Jeon, feio.

- Jagi, olha pra mim. Por favor.

Encarei Jeon no fundo de seus olhinhos de coreano e o que vi foi de apertar o coração: Arrependimento.

-Olhando pra mim desse jeito me responde: Você sente algo por mim, Jagi? Lá no fundo, você poderia me amar novamente?

No mesmo instante lembrei de momentos bons: carinhos, dos beijos suaves e quentes, do quanto sua presença aquecia meu coração assim como seu corpo durante a noite, lembrei também de nossas transas em lugares nada convenientes, de como a cama faltava quebrar de tanto bater contra a parede.

- Não Jeon Jungkook. Eu não sinto nada.

Forcei meus olhos a não desviarem dos seus, se não ele perceberia que eu estava mentindo.

- Está tudo bem aqui?

Taehyung surgiu na cozinha com Junnie nos braços de roupão.

- Você não vestiu ele Taetae?

Falei saindo de perto de Jeon.

- Eu não consegui colocar a fralda, ele se remexe muito.

- Porque eu já sou grandinho pra usar fralda. Já tenho 5 anos.

- Então mocinho vamos ver se você consegue se vestir sozinho.

Chamei Junnie para meus braços.

- Vocês dois podem começar a comer sem a gente.

Subi para o quarto de Junnie e em seguida fomos para o meu, onde deixei ele distraído com o Mv dos meninos enquanto tomava um banho rápido.

Finalmente pronta desci com meu filho encontrando apenas Taehyung sentado comendo.

- Cadê o Jungkook?

Perguntei surpresa.

- Ele disse que não conseguiria comer. Achei estranho, mas não disse nada e ele foi embora.

Mas também, depois de descobrir o que fizemos na mesa não me surpreende que não quisesse ficar. Sem falar na audácia de querer saber dos meus sentimentos. 

- Aconteceu algo entre vocês? 

-Nada. Só uma conversa normal. Vamos comer. 


Notas Finais


Deu pra matar a saudade, nenens?! 💙💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...