História Não me Importo (Castiel) - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Armin, Castiel, Dajan, Iris, Lysandre, Nathaniel, Personagens Originais, Professor Faraize, Violette
Tags Armin, Castiel, Docete, Nathaniel, Priya, Sadomasoquismo, Violette
Visualizações 35
Palavras 2.377
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Esporte, FemmeSlash, Harem, Hentai, Lemon, LGBT, Lírica, Literatura Feminina, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


rabinho no cuzinho

Capítulo 5 - Não Há Nada de Errado em Ser Assim II


  - Mommy... - Ele gemeu baixinho e manhosinho no meu ouvido. 

Levantei do sofá e segurei a mãozinha dele. - Vamos subir. - Disse sorrindo para que ele ficasse mais confiante ainda.

Subi as escadas com ele e fomos em direção ao meu quarto. Eu tinha muitos sex toys de submissão, tanto para me dominarem, quando para eu dominar. Já estava tramando algo para o Kentin...

Chegamos no meu quarto. Lá tem uma cama de casal de canto bem espaçosa, ao lado tem um pequeno armarinho que todo mundo acha que é pra guardar coisas como roupas, cadernos, acessórios... E também é. Mas tem uma gaveta alí que meu amigo...

  - Deita na cama de barriga para cima, hm? Apoia a cabeça no travesseiro e fica deitadinho. - Ele obedeceu envergonhado. Na hora que ele virou de barriga para cima dava para ver o claro volume em suas pernas e isso deixou ele envergonhada e ele tapou com as mãos. Dei um risinho achando fofo. - Mommy vai cuidar desse menininho levado. - Disse dando um sorrisinho sacana e ao mesmo tempo divertido. Tirei a jaqueta e deixei-a apoiada na mesa, não queria transar com um pensando no outro.

Subi em cima dele ficando sentada em seu membro, o que era um mini estímulo proposital tanto para ele quanto para mim. - Segura na cabeceira. - Falei mais séria e ele subiu as mãozinhas. - Agora, deixe-me ver esse corpinho... - Fui levantando a barra da camisa dele aos pouquinhos me deliciando com os pequenos gemidinhos que ele dava de vergonha.

Subi até a parte de cima de seu peitoral e levantei seu corpo um pouco para que pudesse tirar a camisa. - Você é lindo, sabia? - Ele sorriu coradinho. 

Aquilo realmente era uma ótima visão. Ele tinha o corpo todo definido e um rostinho extremamente fofinho, era uma graça ver ele paradinho e ofegante, tão submisso.

  - Mommy, não olha assim... - ele estava morrendo de vergonha por eu estar apreciando seus mamilos. Tinham uma cor rosadinha, deviam ficar lindos todos molhadinhos de saliva. - Não é bonito essa parte. - Ele virou o rostinho de lado com vergonha de me encarar.

  - Pelo contrário, é muito bonito. - Ele fez um biquinho e eu dei um beijinho em sua bochecha

Abaixei meu tronco chegando na altura de seus mamilos. Passei o dedo direito no mamilo direito fazendo um movimento circular, só isso já lhe causou uma arfada, pelo visto eram bem sensíveis. Lambi os lábios de excitação. Segurei com o polegar e o indicador seu mamilo fazendo uma massagem carinhosa e fraquinha. Preparei saliva e deixei que escorrece até seu peito esquerdo. Estava tão molhadinho... - Mommy, é geladinho - Ele disse com um tom arrastado e um gemidinho.

  - É? - Coloquei a mão esquerda para fazer o mesmo movimento da direita no mamilo todo molhadinho, deixando os dois sendo estimulados.

  - É, mommy. Isso É um bom sinal? - Ele era tão inocente...

  - Você está gostando? - perguntei enquanto dei um leve petelecozinho no mamilo molhadinho vendo ele balançar, Kentin não conseguiu segurar um gemido.

  - Sim... Mas da vergonha, mommy... - Ele falou tão manhosinho que não resisti em abocanhar o peito esquerdo e passar a língua em movimentos circulares mas um pouco mais intensos. Não parei de estimular o direto em momento nenhum. Vi que ele contorceu de leve todo o corpinho por baixo de mim.

Soltei os dois e olhei no rostinho dele. - Você prestou atenção no que a mommy fez com seus peitinhos? - Ele fez que sim corado. - Então faz para eu ver. Vamos, estimula seus mamilos na minha frente.

Ele resmungou de vergonha mas claramente tinha gostado dos toques então tentou. Os movimentos dele eram suaves e inexperientes, observei como isso estava fazendo ele se conhecer melhor. - Você gosta assim? - Disse olhando cada movimento extremamente molhada.

  - Sim, mommy. - Ele sorriu. - Me deixa durinho, é gostoso. - Ele estava começando a ter menos vergonha. Abaixei para beijá-lo iniciando um beijo mais intenso. Achei que ele pararia os dedinhos por reflexo mas ele intensificou os movimentos causando gemidinhos contra a minha boca. Não parei de beijá-lo enquanto segurava sua bochecha com uma mão em cada lado. Vi que os dedinhos dele estavam causando uma reação no seu corpo por completo, ele remexou de leve o corpo por baixo de mim e senti o membro dele mais duro roçando no meu clitóris. Tirei a boca da dele e desci a língua até seu pescoço, passando por sua bochecha e descendo até perto de seu ombro esquerdo. - Volta os bracinhos para a cabeceira - Disse roçando os dentes em seu ombro de leve, sem morder, acho que seria demais para ele.

  - Sim, mommy. - ele obedeceu. Estava pegando o jeito da coisa. Eu ia tocar seus mamilos enquanto estimulava seu pescoço mas ele me surpreendeu falando - Mommy... -  Disse entre um gemido arrastado que foi delicioso de ouvir. - Você pode fazer mais daquele carinho gostoso, eu gostei bastante. Faz pra mim? Por favorzinho...

Aquilo me deixou mais molhada ainda. Ver ele falando essas coisas era muito excitante. Levantei o rosto e beijei sua bochecha. Desci a boca ate seu ouvido e falei soltando bastante ar. - É claro, meu menininho sapeca - Falei com um tom infantil e dei um pequeno tapinha no seu seio. Comecei a beijar a orelha dele. Fiquei um tempo assim até que tirei minha mão de lá e coloquei o indicador em baixo de seu pescoço. Desci o dedo de leve passando pelo meio de seu peitoral, depois os músculos do abdômen, até chegar em cima da barra da sua calça. Ele deu um gemidinho agudo, ele era tão gostoso, meu deus. Eu voltei a subir o dedo fazendo o caminho contrário. - Não mommy. - Ele apertou minha mão sem nenhuma força mas parecendo meio desesperado. - Faz carinho lá, por favor. - Ele implorando me deixava com tanta vontade de foder cada centímetro desse corpinho...

  - Você vai ser um bom garoto para mommy - Disse no seu ouvido vendo ele arfar. Ele começou a assentir rápido, tão desesperado... tão sexy... - Bom menino... Mommy vai aliviar meu baby, tabom? Seja um bom menino e mostre gratidão, ok? - Apertei forte seu mamilo que nesse momento já estava todo encharcado.

  - Sim, mommy. Obrigado por cuidar de mim, baby quer carinho. Obrigado, mommy - Eu vou morrer, socorro. Que gracinha.

  - Pode fazer carinho se você quiser nos peitinhos agora, tá bom? Mommy vai deixar dessa vez. - Ele fez que sim com a cabeça enquanto movi meu quadril mais para baixo para que pudesse encostar em seu pênis. Fui descendo por sua barriguinha chupando cada músculo que eu passava por. Até ficar cara a cara com seu membro super excitado. - Tsc, tsc, tsc... - Disse a onomatopeia de negação.

  - O que foi, mommy? Baby foi malcriado? - Ele disse me olhando com olhinhos tão fofinhos.

  - Que menininho levado. Por que está vestido, mommy não disse que queria ver seu corpinho. Els rápidamente desceu a calça até onde eu estava sentada porque não dava para passar por lá.

  - Desculpe, mommy. Baby esqueceu, cuida do meu corpinho mesmo assim, por favor - Suplicou em desespero a última frase.

Calmamente passei o dedo por sua cueca e ele apertou forte os mamilos enquanto soltava um gemido alto e agudo. Apoiei a mão na barra da cueca e tirei seu membro devagar. Era grande e ao mesmo tempo muito submisso. - Olha isso, que menino levado. Está durinho.

  - É porque mommy faz carinho gostoso no corpinho - Ele disse com os olhinhos começando a ficar chorosos. Passei a mão desde a base indo até a cabecinha, deixei um cuspe cair bem na parte mais sensível de seu pau - Mommy! - Ele gemeu alto. - Baby quer mais! - suplicava alto.

  - Que menino mau. Tsc, tsc, tsc - fiz que não com a cabeça. - Apressado e ainda por cima muito levado. Mommy vai precisar punir você.

  - Mas, mommy, eu...

  - Sem "mas"! - Falei em tom autoritário interrompendo o que ele ia falar. - Ainda por cima é malcriado e desobediente com a mommy. Isso vai piorar seu castigo, baby. - Ele me olhou dessa vez com olhinhos realmente chorosos. Vi que ele tinha lubrificado bastante os dois mamilos que estavam super rosinhas e inchadinhos. Levantei e tirei a calça e a cueca dele. Sentei encostada na parede no meio da cama vendo que ele não conseguia parar de se tocar pelo prazer. - Deita no colo da mommy, agora! - Fui autoritária e ele deitou pianinho.

Alisei sua bunda vendo ele gemer. - Empina para mommy. Vamos, deixo ver como esse menino malcriado e safado. - Falei rouca. Ele empinou bastante dando uma rebolada. Dei um tapa estalado na sua bunda e ele deu um gritinho - Menino malcriado... Como que um bom menino fala agora. - Dei outro tapa mais forte ainda vendo a pele começar a rosar.

  - Obrigado, mommy. Baby precisa ser educado para ser um bom menininho submisso. Me puna, mommy.

Comecei a dar vários tapas seguidos e vendo que a pele já estava rosada passei as unhas arranhando a parte mais machucada. Ele gemia choroso cada vez mais alto. Ele começou a a cada tapa dizer "mommy" manhosinho. Que graça.

  - Que bixinho levado - Percebi que ele estava a ponto de gozar. - Vamos. - Disse trocando ele de posição. Apoiei ele de quatro deitando os ombros no colchão e a bunda bem para cima, abertinha e vermelhinha. Dei outro tapa forte e ele urrou. Ele era todo depiladinho, que safado. - Seu cuzinho está pulsando, safadinho. - Ele começou a trazer a mão para sua bunda na intenção de se tocar, tirei sua mãozinha e neguei. - Só mommy toca seu buraquinho, entendeu.

  - Sim, mommy. É sensível lá dentro?

  - Bastante... - Passei o dedo de leve em sua entrada e ele arrepiou por completo. Mommy vai te dar uma recompensa. - Fui até a gaveta e peguei um plug anal de gatinho com um rabinho rosa bebê. Agachei na frente dele e mostrei. - O que você achou?

Ele abriu um sorriso enorme - Eba! Eu vou ser o gatinho da mommy, né? - Como ele era fofo.

  - Isso mesmo, com um rabinho rosinha. Vai combinar com seu bumbum que está vermelho pelos tapinhas. - Ele gemeu. Subi na cama me posicionando atrás dele. Peguei um lubrificante de morango e deixei o líquido escorrer naquele cuzinho rosinha pulsante. Ele deu um gemido alto por causa do geladinho. Dei outro tapa - Que puta...

  - Põe o rabinho, mommy. Baby quer ser seu bixinho. Pra mommy dominar baby para ser um bom menino. 

Sorri - Muito bem, você se tornando um bom menino mesmo. - Ele sorriu orgulhoso. Fui introduzindo o rabinho aos poucos vendo ele urrar muito. Quando entrou por completo ordenei- Agora rebola o rabinho para mommy e não para, você está uma putinha desse ângulo... - Ele começava a gemer. Mal sabia ele que era um plug especial, ele era massageador de próstata e eu coloquei bem na direção. Ele ia gozar rebolando para mim. - Não para de rebolar, você vai ver o que vai acontecer...

Ne sentei atrás dele, tirei minha roupa por completo e comecei a me masturbar. Passava as mãos apertando os seios e masturbava freneticamente o clitóris, não conti nenhum gemido. -Mommy, deixa baby te tocar... - Ele gemeu e eu dei outro tapa estalado nele vendo ele gritar.

  - Obedece a mommy e rebola. - Continuei batendo vendo o rabinho indo para lá e para cá. A bundinha dele tremia muito e ele gemia muito alto. Que putinha submissa... Ele realmente não sabia o que estava acontecendo mas o desespero dele era nítido. O pau dele estava super vermelho. Era uma ótima visão, tudo rosinha, desde a sua bunda até a cabecinha do membro do meu baby.

Ele começou a gemer mais alto e eu entendi que ele estava próximo. Fiz uma massagem em seu períneo vendo que ele estava urrando e chorando. Quando percebi que ele ia gozar soltei completamente e vi como ele rebolava em desespero, ele ejaculou e estava com a perna completamente mole, não conseguia respirar direito. Mesmo tão fraquinho ele virou para mim e manteve aquela bundinha safada para cima e o rostinho perto da minha boceta. Ele rebolou mais um pouquinho querendo mais prazer. Olhou para cima encontrando meus olhos com seus olhinhos chorosos, bochechinhas rosas, respiração ofegante e sua linguinha vermelhinha de fora. Parecia um bichinho malcriado. - Posso te chupar, mommy? Por favorzinho - Implorava de um jeito completamente fofo e infantil. - Baby quer leitinho de mommy.

Isso foi a gota d'água para mim. - Vai, baby. Deixe-me sentir essa linguinha malcriada em mim, hm?

Ele começou a me chupar. Ele era muito bom nisso. Apoiei minha mão esquerda em seu cabelo puxando-o com força acompanhando os movimentos da cabeça dele. Com a mão direita comecei a massagear meus seio que eram extremamente sensíveis. Ele viu e tirou minha mão colocando a dele. Era uma massagem perfeita. E quando eu achava que não podia ficar melhor, ele me penetrou com dois dedos da outra mão, fazendo movimentos de vai e vem sendo que quando entrava, dobrava os dedos tentando alcançar meu ponto G. Estava sendo estimulada de todos oz jeitos possíveis. Ele rebolava o rabinho bem empinadinho. Resolvi bolinar esse rabo safado com minha outra mão. Arranhava, batia, apertava com força. E ele gemia contra minha intimidade. Não demorou muito para que eu gozasse. E para minha surpresa, ele teve um segundo orgasmo, muito mais intenso ei sincronizado com o meu.

Caímos moles na cama e ele deitou no meu colinho  me dando um abraço amoroso. - Obrigado, mommy. Baby é muito grato e entendeu seu lugar. - Abracei-o mais forte aconchegando seu rostinho no meu peito. 

  - Bom menino. - Dei um beijinho em sua testa suada e vi ele sorrir. Depois disso não lembro mais de nada. Capotamos abraçados e tomamos um banho juntos quando acordamos.


Notas Finais


comentem fetiches ai
posso fazer caps sobre eles talvez

E comentem passoas para a Yoko foder tbm kkkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...