1. Spirit Fanfics >
  2. (Imagine BTS) Em Uma Nova Aventura >
  3. Aula

História (Imagine BTS) Em Uma Nova Aventura - Capítulo 16


Escrita por:


Notas do Autor


Oiii bolinhos! Finalmente voltei com mais um capítulo do imagine para vocês, espero q gostem.

Boa leitura (◕ᴗ◕✿)

Capítulo 16 - Aula


*Terça-feira, 7:10 da manhã*



~S/n on~



Lisa: S/n minha fia, acorda logo!

- Não quero...

Lisa: Tá querendo dormir?

- Sim.

Lisa: Então dorme depois, anda! Você tem aula.

- Até tinha me esquecido, sabe? - Começo a me levantar devagarinho, vou no banheiro faço minhas higienes e tomo um banho. Saio e pego o mesmo uniforme que estava na mão da Lisa, visto um lingerie qualquer e visto o uniforme, passo um perfume de flores vermelhas e calço o tênis que eu sempre vou ir com ele para a escola, o mesmo tênis casual preto de ontem.

Lisa: Todo dia você vai estar com o uniforme limpinho. Outra coisa! Você tá mais atrasada do que ontem.

- Sério? Legal. - Falo sem ânimo.

Lisa: Pelo visto eu que vou ter que te arrumar, pois se não você nem tira o pé daí. - Ela pega minha mão e me coloca sentada na cama e rapidamente me passa maquiagem e arruma meu cabelo, deixando ele solto, ela me entrega a mochila. - Vamos?

- Vamos. - Ela pega a minha mão e logo aparecemos de frente a escola, arrumo meu cabelo por conta da velocidade.

Lisa: Depressa, se não vai ficar encrencada.

- Tem razão. Eu não posso chegar atrasada. Tchau, se cuida. - Dou um abraço e um beijo na bochecha dela.

Lisa: Pode deixar! - Logo ela some.

  Entro na escola e começo a subir as escadas para chegar na sala, paro de frente da mesma, respirando fundo e entrando nela.

- Licença professor, tô entrando. - Ele apenas olha pra mim sem dizer nada, era o mesmo professor que me apresentou ontem na sala.

  Sento no meu lugar e observo ao redor, reparando mais nos meus colegas de sala, vi a Nayeon com o seu grupinho, vi a Seul sentada na carteira de frente para o professor, vi o Yoongi, o mesmo estava dormindo e novamente vi o menino que me passa um mal pressentimento. Reparei pela primeira vez o Jimin na sala de aula, ele se sentava na carteira da frente do Yoongi, nem reparei nisso ontem, o mesmo se vira para mim e dá um sorrisinho me lançando o mesmo olhar de ontem quando estávamos no refeitório, apenas viro o rosto, olhando para o quadro para vê qual matéria estaria passando, era ciências, mas no dizer deles era sobre a mente humana, sobre como os humanos pensa (Eu já sabia disso, só não estendia o porquê estudar sobre a mente humana sendo que eles pensam a mesma coisas que os sobrenaturais).

Jimin: S/n.? - Olho para ele.

- Oi.

Jimin: Me empresta um lápis?

- Eu não!

Jimin: Oxi, mas por quê?

- Você tem cara de ladrão de caneta. - Ele sorri.

Prof: Shiuu, estou ouvindo cochichos aí no fundo.

Jimin: Eu? Logo euzinho aqui? - Diminuímos um pouco o som da voz.

- Exatamente, já perdi muito material lá no Brasil e não quero perder de novo!

Jimin: Isso não acontece aqui, fica tranquila, confie em mim.

- Nem a pau que eu vou confiar em você, nem amigo meu você é.

Jimin: Você tem um vocabulário diferente, nem parece mulher. - Ele solta uma risada baixinha.

- Tô nem aí para o que você pensa, eu sempre falei assim.

Jimin: Me desculpe, o que eu disse não era para ser uma ofensa, pois isso me faz ficar mais atraído ainda.

- Tu é gay mano? - Arqueo uma das minhas sobrancelhas.

Jimin: Você pensa que eu, um dos Bangtans seria gay? Só disse aquilo porquê você é um pouco diferente das meninas que conheço. Um vocabulário diferente, bastante diferente. - (Quem sabe né?).

- Obviamente que eu sou diferente, eu sou uma pessoa esperta! - Faço cara de convencida.

Jimin: Nem sou ruim assim... Se você quiser eu posso te mostrar.

- Não, obrigada. Vou vê se tenho um lápis reserva aqui. - Mudo de assunto olhando a mochila e pego um lápis para ele.

- Toma. - O entrego.

Jimin: Obrigada lindinha.

- Shiu, só tô te emprestando o lápis pra você parar de falar. Quero que me devolva quando terminar, ainda não confio em você. - Volto a prestar atenção no quadro (Será que é para copiar? Só que não vou, não tem nada de novidade mesmo). Então eu apenas fico observando.


/2 HORAS DEPOIS/


  Bate o sino do intervalo fazendo todos saírem e a Seulgi vem até mim.

Seulgi: Vamos? - Me levanto.

- Vamos lá, estou morta de fome! - Começamos a andar em direção do refeitório. - Vi que você tirou a faixa do braço, seus ferimentos melhorarão?

Seulgi: Sim, eles nem estão mais visíveis como pôde vê, obrigada por cuidar de mim. - Ela faz referência para mim.

- Não precisa fazer isso, você também me ajudou. - Sorrio e ela retribui. Lembro que não tinha pegado dinheiro, olho os bolsos da minha saia e tiro alguns Wons (Obrigada Lisa!). Pegamos a fila e pagamos nossos lanches, a Seulgi apenas pegou um suco vermelho e um pão de carne, eu por outro lado, peguei dois sanduíches, um pastel, um suco de limão e alguns morangos com chantilly, afinal, eu estava faminta, enquanto eu carregava isso tudo na bandeja os outros me olhavam estranho (Dúvido muito que eles não comem tanto em suas casas), continuo a andar normalmente, até que nos sentamos em uma mesa vazia lá no canto, vejo o Tae se aproximar da gente sorrindo.

Tae: Oii S/a.

- Oii Tae. - Eu o abraço (Acho que não tem problema eu fazer isso, não com ele, já tô o considerando um amigo), ele fica vermelho. - Tudo bem?

Tae: Sim e você? Vi o que aconteceu ontem.

- Tô bem, a única que saiu ferida mesmo foi a Seulgi, mas ela já tá melhor.

Tae: Que bom. Eu vim aqui porquê os meninos querem se sentar com você de novo e pediram para te convidar a se sentar com nós.

- Hoje eu prefiro lanchar aqui com Seulgi.

Tae: Ela pode vim.

- Só nós duas já está bom, talvez amanhã, obrigada.

Tae: Vou indo então, até mais. - Ele sorri e eu retribuo.

- Até. - Me sento novamente, vejo que a Seulgi ficou feliz pelo o que eu disse, logo começo a comer rapidamente.

Seulgi: Você realmente está faminta né?

- Olha, ontem eu não tomei café da manhã, não almocei, só merendei na escola, nem jantei e nem tomei café da manhã hoje cedo, então eu vou me recompor, isso pra mim não é merenda e sim um lanchinho que vai me sustentar.

Seulgi: Por quê?

- Porquê no Brasil eles dão comida de verdade.

Seulgi: Aqui também dá, como pôde vê, temos comida normal e comida própria para seres sobrenaturais que não sobrevivem sem o seu próprio gênero de alimento, não viu a variedade de coisas que tinha na cantina? - Ela também começa a comer.

- Me explica direito. - Já estou quase acabando meu lanche (Na verdade eu nem sequer tinha reparado direito nas comidas da cantina).

Seulgi: Alguns sobrenaturais comem de tudo, porém tem outros quem só podem comer um único tipo de alimento. Os Pishtacos só se alimentam de gordura, somente gordura. Vampiros podem comer qualquer coisa, mas o sangue é essencial para eles. Os lobisomens, como eu, são carnívoros, comemos somente carne mas alguns conseguem comer bem mais do que carne.

- Então é por isso que você comprou um pão de carne. - Término de lanchar enquanto Seulgi ainda está terminando (E olha que ela pegou pouco né? Eu que devo ser uma esfomeada mesmo).

Seulgi: E um copo de sangue.

- Sangue?

Seulgi: É bom para acompanhar o pão.

- Sangue humano?

Seulgi: Prefiro animal.

- Isso é tão diferente para mim.

Seulgi: Agora sou eu que não tô entendendo.

- Eu fui criada somente como uma humana, totalmente sem poderes.

Seulgi: Agora tudo se encaixa. Se você já ficou assim por causa do sangue, então é melhor você nem vê o que as cozinheiras da cantina servem.

- O que elas servem? Eu tenho que saber para não ser pega desprevenida.

Seulgi: Eles servem variedades de coisas, até carne animal e carne humana...

- Que?! - Me levanto bruscamente da mesa, chamando a atenção de algumas pessoas, tento disfarçar o que acaba de acontecer me sentando novamente. - Repete o que disse.

Seulgi: Eles servem carne humana, muitos aqui só sobrevivem de carne humana.

- Que crueldade! Então eles matam os humanos! Só de imaginar que eles poderiam me matar a qualquer momento se eu continuasse a viver como humana! - (Tem gente que ainda quer me matar do mesmo jeito, pelo menos tentar, não é mesmo?).

Seulgi: Isso explica os variáveis desaparecimentos no mundo inteiro. Eles selecionam os humanos que irão matar, especionam, avaliam a qualidade da carne e o que pode ser aproveitado, logo eles esquartejam os corpos, tiram os órgãos, pois também tem sobrenaturais que comem somente órgãos humanos, e fatia a carne deles em pedacinhos.

- Eles fazem isso como se os humanos fossem animais! Como vocês conseguem comer uma carne, HUMANA aliás, sabendo que fazem uma crueldade dessas?

Seulgi: Não temos outra opção! É assim que vivemos, se não seguirmos a cadeia alimentar, simplesmente morremos!

- Posso te fazer uma pergunta?

Seulgi: Claro.

- Vocês não vivem comendo na escola, não é mesmo?

Seulgi: Sim.

- O que vocês fazem para se alimentar fora da escola quando estão com fome?

Seulgi: Essa é a única escola sobrenatural de Seul, só existe duas escolas no nosso país, por isso estudamos aqui desde de pequenos. Eles nos deram e ainda dão aula de como conseguir seu próprio alimento, de como caça-lo, matá-lo e também ensinam como escolher a vítima, sendo humana ou animal, menos anjos, arcanjos, ceifadores e demônios e alguns outros sobrenaturais, eles tem um outro tipo de treinamento. Além do mais, muitos de nós temos o instinto de caça e nosso pais também nos ensinam alguns truques.

- Resumindo, vocês também matam humanos?

Seulgi: Alguns de nós matam sim.

- Alguns... - Respiro fundo. - Eu preciso raciocinar isso, preciso organizar a minha mente, estou aprendendo bastante coisa depois que me mudei para cá.

  Assim que eu falo isso o sinal toca, voltamos para a sala em silêncio. Sento no meu lugar e fico pensando (Até que ela está certa, todos vivem da maneira que tem que viver, eles não tem culpa, mas é tão estranho e tão cruel saber que alguns deles comem carne humana, só de pensar que eu poderia desaparecer e ser morta a qualquer momento se fosse humana, me dá arrepio. Será que minha irmã e minha mãe bebem sangue humano? Provavelmente né, é tão estranho isso). O professor chega e passa outra coisa no quadro, agora português (Será que os sobrenaturais não usam livros para estudar?). Na minha mochila eu só vejo um caderno e uma bolsinha de lápis, amanhã eu vou querer conhecer mais a escola, segundo dia e até agora eu só conheço o refeitório. Abaixo a cabeça na mesa e fecho os olhos.

Prof: Senhorita S/n? - Levanto a cabeça e o olho. - Você po_poderia copiar o que estou passando no quadro?

- Mais eu sou ótima em português, já aprendi o que você está passando.

  Ele fica calado, voltando a copiar, as vezes até parece que ele tem medo de mim. Depois de algumas horas o sinal toca, fazendo todos saírem, incluindo eu e a Seulgi.

- Dessa vez eu vou espera a minha dongsaeng chegar, não quero passar de novo pelo o que eu passei ontem.

Seulgi: É melhor mesmo.

- Seulgi?

Seulgi: Oi.

- Quem era aqueles caras? Como você conhece eles? - Ela fica nervosa com as minhas perguntas.

Seulgi: Não são ninguém de grande importância.

- Meus pais disseram que eles eram um grupo chamado Vitinas, até onde eu saiba eles são perigosos, então eles são de grande importância sim.

Seulgi: Talvez...

- O quê você tem a vê com eles?

Seulgi: Nada ué.

- Um deles te conhecia. Me fale a verdade por favor, minha vida está em risco pelo o que meus pais disseram, eu ainda sou nova no mundo sobrenatural, preciso tomar cuidado! - Ela respira fundo.

Seulgi: Já vou indo para casa tchau. - Ela faz rapidamente uma reverência e vai.

- Tchau... O que eu faço agora?

Jimin: BÚ! - Olho para trás e vejo o Jimin com o Yoongi.

Yoongi: Eu disse que ela não iria se assustar.

- Por pouco eu quase me assustei com essa cara feia mesmo. - Falo sarcástica.

Jimin: Haha, muito engraçado. - Ele revira os olhos. - Pra você ficar sabendo, eu sou um gostosão.

- Não me diga? - Falo com ironia. - Isso tem a vê com a aposta?

Yoongi: Talvez.

- Se prepare para perder, falta só mais 6 dias hehe.

Yoongi: Veremos quem irá perder. - O Jimin nos olha sem entender.

Jimin: Já está indo embora?

- Tô esperando a minha dongsaeng.

Jimin: Não sabia que você tinha irmã, ela estuda aqui?

- Não é isso, é que eu não conheço a cidade, então ela usa seus poderes para eu chegar aqui.

Jimin: Mas você não pode fazer isso já que tem todos os poderes como disse?

- Eu ainda tô aprendendo, até agora eu só sei um poder.

Jimin: Então você está desprotegida?

- Não, eu nunca estou. - Cerro os olhos em sua direção. - Fique sabendo que dependendo da situação, pode aparecer meus outros poderes por impulso, para me proteger.

Jimin: Humm. - Ele fica pensativo.

- Vou esperar a minha dongsaeng lá fora, tchau gente. - Cada vai para um lado e eu sigo meu caminho.



Continua?


Notas Finais


O q acharam? Espero q tenham gostado :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...