1. Spirit Fanfics >
  2. Imprinting >
  3. De volta à Volterra

História Imprinting - Capítulo 31


Escrita por:


Notas do Autor


Oi Galerinha do Mau!!!
♠ Esse é o penúltimo capítulo da primeira temporada da fic.

Espero que gostem.
Boa leitura!!!

Capítulo 31 - De volta à Volterra


Fanfic / Fanfiction Imprinting - Capítulo 31 - De volta à Volterra

Alex's POV


Finalmente tinha aterrissado em Volterra e, logo que deixei o avião, encontrei Jane e Demetri me esperando no meio de um monte de pessoas que aguardavam seus entes queridos.


Sorri para os dois. Não sabia direito se éramos amigos ou se simplesmente simpátizávamos um com os outros, mas eu realmente gostava da companhia de Jane e Demétri.


- É um prazer tê-la de volta. - Jane sorriu.

- Sentimos sua falta! - Demetri me abraçou.

- Eu também senti a falta de vocês. - Sorri.


Depois de pegar minha mala, liguei para Paul e depois para Bella, para avisá-los que já havia chegado ao meu destino. Queria que meu namorado estivesse ao meu lado, mas sabia que era difícil conviver com a espécie que você nasceu para matar, um leão e uma zebra, jamais seriam amigos, afinal.


Estava exausta, mas sabia que não tinha tempo para descansar. Não era justo que todos cuidassem dos preparativos e eu ficasse dormindo, então, apenas deixei minha mala em "meu" quarto - que estava do jeito que deixara - e fui para o salão.


Quando abri a porta, meu pai "voou" na minha direção e me abraçou. Amava meu pai de ciração, mas acho que também estava simpatizando com a ideia de ser filha de Aro, apesar de tudo, ele me tratava como uma princesa e se arriscara por mim. Além disso, estava começando a gostar de meu pai biológico,


- Alexandra, querida, sentimos sua falta. - Marcus sorriu.

- Também senti saudades! - Admiti.


Meus olhos encontraram os de Caius e senti-me aliviada. O loiro estava diferente, seus olhos denunciavam sua felicidade e seus músculos pareciam mais relaxados. Agora, já não me olhava com posessão, mas com o carinho de um amigo.


- Alex! - Caius sorriu para mim.

- Olá, Caius! - Sorri para ele.

- Será que poderíamos conversar? - Caius disse.

- Claro! - Disse.


Deixamos o salão e seguimos para o jardim, o mesmo lugar em que descobrira ser filha de Aro e que descobrira que meus pais estavam vivos. Um lugar do qual tinha boas lembranças.


Permanecemos em silêncio, então comecei a admirar as rosas de cores e aromas raros. Tinham rosas de um roxo vivo, prestas e, para mim, a mais bela de todas, uma única e belíssima rosa de azul intenso.


- Eu a estava cultivando para você. - Caius riu descrente.

- O quê? - Disse assustada.


Vire-me para encará-lo. Caius estava perto demais.


- Calma, Alex. - Caius forçou um sorriso. - Antes dos Heidemann te raptarem, eu meio que estava me apaixonando por você e, para demonstrar-lhe meu amor, estava trabalhando numa rosa única, que não existe em lugar algum do mundo. - Ia falar, mas ele ergueu a mão, num gesto de interrupção. - Eu estava disposto a tudo para tê-la a meu lado, mas então, você foi raptada e, no meio disso, encontrei Sofie. - Ele deu um meio sorriso. - Quando meus olhos encontraram os dela, senti uma conexão profunda e tudo o que queria era tê-la ao meu lado, compartilhar minha vida e protegê-la do mundo.


Caius estava apaixonado e, a forma como ele se sentia em relação a Sofie, era exatamente a mesma forma que eu me sentia em relação a Paul. Um sentimento intenso do qual você não quer abrir mão e nem se afastar. Caius tinha encontrado o verdadeiro amor.


- Olha, Caius, eu já havia notado seus sentimentos por mim e me sentia horrível por não poder correspondê-lo. - Admiti. - Torcia muito para que encontrasse alguém e, agora que encontrou, estou muito feliz por vocês e espero que sejam muito felizes.


Fui pega de surpresa quando Caius abraçou-me e quase me tirou do chão. Ele não era exatamente o tipo de pessoa que demonstra afeto daquela maneira e, quando o fazia, estranho.


- Será que, depois de tudo, podemos ser amigos? - Caius disse.

- Claro! - Sorri para ele.


Ficamos mais algum tempo conversando sobre ele e Sofie e sobre o quanto fora difícil fazer a garota parar de sentir-se envergonhada perto dele. Sofie era uma garota doce e inocente, totalmente o oposto de Caius, ao menos, o Caius que conheci.


                               xXx


Coloquei um vestido preto e longo, que tinha um decote que chegava quase ao meu umbigo, saia rodada e com uma fenda. Prendi meu cabelo para o lado, fiz um esfumado com sombras em tons de marrom e, nos lábios, passei um batom vermelho vivo. Coloquei uma sandália preta e um par de brincos dourados.


Depois de pronta, segui para o quarto de Caius, onde a noiva estava. Como no dia do meu "quase casamento", todas as garotas estavam no quarto da noiva. O quarto era parecido com o meu, com exceção da colcha e cortinas pretas.


Sofie estava linda. Usava um vestido branco tomara que caia, com decote de coração, saia rodada e todo cravejado de pedras. Heidi fazia sua maquiagem e Jane fazia seu cabelo.


Pelo espelho, os olhos de Sofie foram de encontro aos meus e eu pude ver um certo receiro em seu olhar. Estava preocupada.


Em poucos minutos, Sofie estava com um coque bem arrumado e uma maquiagem suave, com sombra clara e batom nude. Ela ficou de frente para mim, encarando-me.


- Alex, pode pegar o buquê? - Corin disse.

- Claro! - Disse.


Virei-me para trás e peguei o buquê de rosas pretas, que estava na mesa, perto das poltronas. Estendi as flores para Sofie, que pegou-as com as mãos trêmulas.


- Será que podem me dar um minuto com a Alex. - Sofie engoliu em seco.

- Claro! - Evelyn sorriu. - Vocês precisam ter essa conversa.


Ficamos só nos duas naquele enorme cômodo e em silêncio. Sem coragem de olhar em seus olhos, passei a reparar na decoração e em como tudo naquele lugar combinava perfeitamente.


- Parte de mim, torcia para que você não viesse à cerimônia. - Sofie admitiu.


Encarei a garota à minha frente, mas ela estava olhando para seus pés.


- Eu sei o que você significou para Caius e tenho medo que ele...

- Ei! - Levei minha mão até seu queixo e ergui sua cabeça, obrigando-a a me encarar meus olhos. - Sofie, eu nunca amei o Caius e ele sabe disso. Quando ele te conheceu, estava destruído, mas quando colocou os olhos nos seus, ele se apaixonou. Você o salvou da ruína, Sofie. - Sorri para ela. - Se quer, saber, eu fiquei muito feliz quando recebi aquele convite de casamento, porque sabia que Caius finalmente teria alguém ao seu lado. Uma pessoa incrível.


Sofie deu-me um sorriso tímido e abaixou a cabeça. Ela realmente era muito envergonhada, o que a tornava ainda mais meiga.


- Quero que sejam muito felizes, Sofie. - Disse.

- Obrigada! - Sofie me abraçou.

- Agora, é melhor eu ir! - Sorri para ela. - Te vejo no casamento.


Deixei o quarto e segui para o salão. Pobre Sofie, então era esse o motivo do seu nervosismo, achava que poderia tirar de si o amor de sua vida. Não podia culpá-la, porque pensara a mesma coisa quando vira Grace beijando Paul. Agora, sabia que nos dois casos, os amores eram inabaláveis.


Adentrei no salão e encontrei os Volturi e alguns convidados, incluindo os Cullen. Havia uma pessoa a mais com o grupo de Carlisle, uma garota ruiva de olhos vermelhose que estava de mãos dadas com Edward.


- Alex! - Alice abraçou-me.

- Oi! - Dei um sorriso tímido.

- Como estão você e Bella? - Esme disse.

- Agora que tudo passou, estamos bem. - Disse.

- Vê se fica um tempo longe de confusão, garota problema. - Emmet sorriu.

- Eu tento, mas ela sempre me acha. - Dei de ombros.


Os dois vampiros ausentes aproximaram-se, Edward e a vampira ruiva.


- Olá, Alex. - Edward disse.

- Edward. - Cumprimentei-o.


Meus olhos foram para a garota que estava a seu lado. Era bonita, seu cabelo parecia fogo e sua pele era tão clara que constratava com suas madeixas.


- Essa é Valary, minha companheira. - Edward disse.

- Olá, é um prazer finalmente conhecer a famosa Alex. - Valary sorriu.

- Fico feliz que Edward tenha encontrado alguém. - Forcei um sorriso. Assim, pode deixar minha prima em paz.


- Alex! - Virei-me para trás e vi mamãe e papai vindo em minha direção.


Abracei-os como se minha vida dependesse daquilo e ficamos assim por um bom tempo.


- Por onde andaram? Senti tanto a falta vocês. - Disse.

- Viajando pela Turquia! - Papai disse.

- E que história é essa de ser atacada por vampiros alemães? - Mamãe cruzou os braços.

- Klaus queria o poder de Aro e eu, sendo filha dele, os Heidemann acharam uma boa ideia me sequestrar, mas podemos ver que foi a pior ideia que tiveram. - Sorri convencida.

- As histórias de vampiros se unindo a lobos para salvar uma garota metade vampira, chegou até Stambul. - Mamãe disse.

- Ficamos preocupados, querida. - Papai abraçou-me.

- Eu estou bem e é isso o que importa. - Disse.


A porta do salão fechou-se, o que significava que Sofie estava a caminho, então, todos foram para seus lugares.


Meus olhos foram para o outro lado do salão, onde Demetri conversava com Evelyn, viúva de Adam.


- Olhe só para aqueles dois, claramente estão flertando, mas se negam a admitir isso. - Olhei para o lado e vi Lucy.


Lucy estava bonita, usava um vestido preto e rendado que ficava pouco acima do joelho, uma sandália de salto preta e uma maquiagem básica.


- Eles claramente estão interessados um no outro. Dá pra ver que tem uma certa química ali. - Concordei.

- E quanto à nova companheira do Cullen? - Lucy disse. - Dizem que se conheceram numa briga de bar na Escócia e que ela deu um soco na cara dele.


Imaginei a cena em minha cabeça, se fosse verdade, teria sido hilário ver Valary socando o rostinho perfeito de Edward Cullen.


- É feio fazer fofoca, sabia? - Sussurrei.

- Gosto de observar as pessoas. - Lucy deu de ombros.


A porta fora aberta e Caius sorriu quando viu sua noiva.


Notas Finais


O que acharam??


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...