História Incomparável - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Tokio Hotel
Personagens Bill Kaulitz, Georg Listing, Gustav Schäfer, Personagens Originais, Tom Kaulitz
Tags Bill Kaulitz, Romance, Tokio Hotel, Tom Kaulitz
Visualizações 0
Palavras 1.068
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, Literatura Feminina, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 12 - Ele, um possível assasino...



Narrador on

Gustav abre seus olhos e se levanta, estava ansioso, se senta na cama com uma calça de pijama e ao lado da cama pega no porta roupas, seu roupão voltando a se sentar ao fazê-lo sente sua ansiedade fluir em seu corpo mais ainda, suas mãos começam a soar ele as enxuga no roupão e começa a bater a perna num frenético movimento de pura ansiedade, seu olhar passa de tranquilo para frenético num vai e vem

- ANDA LOGO!! - gritava num sussurro olhando o celular, estava assim pois receberia uma ligação. O telefone toca ele se levanta rápido quase em uma corrida fechando a porta após verificar que ninguém estava acordado, tranca a mesma e sai em disparada atender o celular que não parava de tocar

- Olá, nao, tudo bem você ligou na hora certa todos estão dormindo

- .....

- Não, da tudo bem, tudo está saindo certo... ninguém desconfia...

- .....

- perfeito... não falharemos nisso, quero que esse dia chegue logo

- ....

- Exatamente, terá que estar la um dia antes, antes deles... sim eles s...

- ....

- não se preocupe com isso, eles não saberão antes da hora, tudo está como planejamos, ate mais.

- ....

- Ah sim, claro, estava ótima a noite de ontem...

- ....

- Já disse, não se preocupe com nada.

Gustav desliga o celular satisfeito sorridente com a cabeça erguida, triunfante e logo vai para a porta destranca, segue até a cama se deita novamente voltando a dormir.

P.O.V SCARLET ON

Eu acordo debruçada na cama, minha cabeça doía, me sento na mesma erguendo minha perna direita até o peito, apoio meu cotovelo em cima com a mão no pescoço lembrando da noite de ontem

- Ele não mudou nada... sua irmã provavelmente também não, apesar do que me contou sobre o estado de saúde dela... - falo para o meu mordomo senhor Sebastian que eu sabia que estava do lado de fora da porta com meu café da manhã - pode entrar sabe disso...

A porta se abre eu o vejo todo de preto, os cabelos negros caindo sobre a nuca, olhar sereno mas duro, ao mesmo tempo, ele se aproxima e já sinto o cheiro de chá e bolachas o olho

- Aqui senhorita, o que gostaria de Bertie hoje? - ele me pergunta abrindo meu guarda roupa - sobre a senhorita Samanta, o que houve com ela? - ele vai para a janela a abrindo enquanto eu protejo os olhos

- Eu ainda sou sensível ao sol, que droga... - pisco algumas vezes e começo a me habituar, pego a chicara de chá hortelã com mate Leão pego algumas rosquinhas e volto a falar - Samanta foi parar num hospital psiquiátrico por causa de um homem... Andrew diz que ele destruiu sua irmã depois que ele a conquistou e jogou como lixo para escanteio sabe largou ela, ela ficou louca por isso mas já está melhor... - suspiro me levantando, eu usava um roupão de seda embaixo meu babydool - mas acho estranho sabe... - vou para meu guarda roupa escolher o que vestiria.

- o que acha estranho senhorita? - ele fica ao lado da cama, pego minha roupa e me viro

- não sei dizer... ela sempre foi muito estranha do tipo ruim que faz tudo para ter o que quer, alguém manipulador não perde o controle, nunca. - falo mais séria - eu nunca gostei da Samanta, ela era muito orgulhosa e prepotente a ponto de ser egocêntrica além de manipuladora.

- entendo... mas não deve ficar com isso na cabeça senhorita, tem um trabalho a fazer e um caso a resolver, atente-se nisso. - ele fala num tom paternal, apesar de ser meu mordomo ele me cuida desde que eu era pequena, naquela época ele era bem jovem, entrou para mordomo por causa do pai dele que já trabalhava conosco ele tem 53 anos mas realmente não parece.

- Sim, não se preocupe. Essa será minha roupa de hoje... - mostro a ele que me dá um belo sorriso, ele se retira e vou para meu banho, me troco e saio porta a fora vou para a sala pego minha bolsa vejo Sebastian na janela pensativo

- por que os trouxe para essa casa, e não os deixou na outra? Já tinha retirado eles da cena do crime... - ele me pergunta percebendo minha aproximação pelo reflexo.

- Por que faz parte do plano. - digo com facilidade que o faz olhar para mim

- que plano? - ele me pergunta em completa dúvida dessa vez ele não sabia no que se passava na minha mente.

- Eu disse que iria descobrir quem é o assasino, mas não posso fazer nada sem autorização dos superiores, por isso os trouxe aqui, nessa casa do eu sei que estão, ninguém do meu trabalho também. A casa anterior alguns do meu trabalho sabe da outra casa já que é facilitada já essa Não, la alguém pode espionar e vão já que precisam medir os passos deles e aí que minha isca servirá para algo, irei monitorar quem se aproxima daquela casa e assim saberei quem é o assasino ou quem o ajudou. - respondo para ele o olhando nos olhos.

- Uma boa armadilha senhorita. - ele me olha de volta.

Saio de casa indo para o escritório, no caminho me lembro do outro corpo cuja a identidade ainda não foi confirmado por causa do nosso banco de dados, chego a meu trabalho e me dirijo para dentro indo até o necrotério.

- Hoje você terá uma grande surpresa! Quer saber qual? - o legista me pergunta com um sorriso brincalhão nos lábios

- me diz que sabe quem é nosso amigo ali! Te imploro. - digo com olhar explodindo de curiosidade.

- amigo do nosso primeiro morto, Gaspar montefild, investiguei o cara, ele contratou outro cara para atacar os tokio hotel para que eles levassem um susto, então o assasino do Anderson é o do Gaspar, dois corpos o mesmo assasino por um motivo qual você deve descobrir. - ele me olha

- então o assasino matou ambos incriminando os tokio hotel, eles estavam acompanhados de mais uma pessoa qual ajudou ele a sair e entrar no hotel, e a mata-los também... talvez... os caras confiavam no nosso assasino fantasma. - digo saindo da sala.

P.O.V SCARLET OFF 




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...