1. Spirit Fanfics >
  2. Is It Love? Ryan Carter (Segunda Temporada). >
  3. Me deixa mostrar o quanto te amo.

História Is It Love? Ryan Carter (Segunda Temporada). - Capítulo 24


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura ❤️

Capítulo 24 - Me deixa mostrar o quanto te amo.


Fanfic / Fanfiction Is It Love? Ryan Carter (Segunda Temporada). - Capítulo 24 - Me deixa mostrar o quanto te amo.

Manhã seguinte.

Acordo com o cheiro de bacon e torradas recém feitas. Abro meus olhos e vejo o Carter com uma bandeja com café da manhã, ele está sem camisa, difícil não notar seu corpo forte e torneado.

Ryan - Bom dia. Dormiu bem?

Ele diz sorrindo.

Jillian - Bom dia. Sim, dormi.

Ryan - Trouxe café pra você, espero que esteja com fome.

Jillian - Obrigada, não precisava ter esse trabalho por mim.

Ele sorri.

Ryan - Cuidar de você não é trabalho nenhum.

Sinto meu rosto corar. Não estou acostumada com esse tipo de cuidado, nenhum homem nunca me tratou assim, com tanta gentileza e carinho, parece até um sonho, tudo está muito perfeito pra ser verdade. Eu ainda devo estar em coma e criei essa história na minha cabeça, marido perfeito, filhos perfeitos e vida perfeita.

Ryan - Está tudo bem? Parece pensativa.

Sua voz me tira de meus devaneios.

Jillian - Oh! É....bem. Está tudo bem, só queria me lembrar de tudo, da minha vida, desses 4 anos que se apagaram da minha memória.

Ryan - Eu também quero que você lembre, mas precisamos ter paciência, você vai lembrar, seu acidente foi muito grave.........eu achei que fosse te perder.

Ele desvia o olhar por um instante, seu sorriso de desfaz.

Ryan - Eu não posso imaginar o quanto isso é deve ser difícil pra você, mas o importante é que você está aqui e está bem.

Ele segura minha mão.

Ryan - Aos poucos as coisas vão se acertando, eu sei que suas memórias vão voltar.

Seu contato e suas palavras me confortam.

Jillian - A Lauren já acordou? E o bebê?

Ele sorri.

Ryan - Sim, já estão acordados, já tomaram café, o Timothy já está com fralda limpa.

Fico surpresa.

Jillian - Eu dormi tanto assim? Que horas são?

Ryan - São 9 horas. Você não dormiu demais, você precisava descansar. 

Jillian - Obrigada por cuidar deles.

Ryan - São meus filhos também, não precisa me agradecer. Eu amo cuidar deles.

Eu sorrio. Me pergunto se ele é sempre assim, tão maravilhoso.

Ryan - A sua mãe está vindo pra cá passar o dia com vocês enquanto eu vou pro trabalho. 

Jillian - Ok.

Ryan - Bem, por mais que eu queira ficar aqui com você, preciso me arrumar pra trabalhar.

Ele me dá um beijo na testa, se levanta e segue em direção ao banheiro. Termino de tomar meu café enquanto ele toma banho. Coloco uma roupa confortável e vou até a sala pra ficar com as crianças.

Alguns minutos se passam quando a campainha toca.

Lauren - Deve ser a vovó.

Ela diz animada e eu me levanto pra atender. Olho pelo olho mágico e confirmo que é minha mãe, então abro a porta.

Jillian - Oi mãe.

Ela me abraça.

Grace - Como você está? Como passou o dia?

Jillian - Estou bem, foi estranho, mas fiquei bem, só que ainda não me lembro de nada.

Grace - Eu imaginei, ainda é muito recente, você acabou de sair de um coma. Bem, como foi com o Ryan?

Jillian - Foi bem, ele me mostrou algumas fotos, me contou coisas sobre nossa vida juntos. Mas ainda não estou convencida, tudo parece......... não sei dizer....... perfeito demais, não parece real.

Grace - Bem, só se passou um dia desde que você voltou pra casa, mas também você estava esperando o quê, que ele te tratasse mal depois de tudo que aconteceu? Ele sofreu muito com você no hospital, e de repente você acorda e nem se lembra dele e nem do Timothy, claro que ele vai se esforçar ainda mais pra que você se lembre e vai fazer de tudo pra te agradar.

Jillian - É verdade, tem razão, não tinha pensado por esse lado. É que tudo ainda está tão confuso na minha cabeça. Ok, pode ser que eu esteja analisando muito as coisas.

Grace - Sim, está. Ele não é perfeito, ninguém é, mas ele te ama e ele quer que você melhore e sei que ele vai cuidar bem de você. Dá uma chance pra ele.

Jillian - Ok, vou tentar não ficar tão na defensiva.

O Ryan sai do quarto pronto pra sair.

Ryan - Bom dia, Grace.

Grace - Bom dia, Ryan.

Ryan - Bem, eu preciso ir, prometo chegar cedo.

Jillian - Ok.

Ele então se despede das crianças, meio receoso, ele se aproxima de mim e da um beijo na minha testa.

Ryan - Fica bem, qualquer coisa é só me chamar que eu volto pra casa.

Grace - Pode ficar tranquilo, nós vamos ficar bem.

Ele acena com a cabeça e então vai para o trabalho.

..........

Ficamos um tempo conversando, ela me contou várias coisas que aconteceram esses últimos anos, o que mais me surpreendeu foi o meu reencontro com o Paul e o Carl e seu pedido de perdão, também me contou da herança, da empresa tudo, me disse que o Paul só não foi me visitar porque sabia que eu não lembrava de nada e quis esperar minha mãe falar comigo pra explicar tudo. Ela disse que ele está cuidando de tudo enquanto não estou em condições de tomar a frente.

Jillian - Eu quero encontrar ele, quero falar com ele.

Grace - Ahn, ok, podemos marcar um dia.

Jillian - Será que pode ser hoje?

Grace - Hoje?!? Pra que essa pressa?

Ela diz surpresa.

Jillian - Sei que todo mundo fala que eu preciso ter paciência, mas quero começar a ter as rédeas da minha vida, talvez isso me ajude a lembrar.

Ela respira fundo.

Grace - Você é teimosa, sei que não vai adiantar eu ficar contra. Vou ligar pra ele, mas não posso garantir que ele possa te encontrar hoje, ele tem estado muito ocupado cuidando das reformas do seu prédio.

Jillian - Ok, não tem problema, se ele puder me ver por pelo menos alguns minutos, já fico feliz.

Grace - Tá bom.

Ela pega o celular e liga para ele. Depois de alguns minutos de conversa.

Grace - Ele concordou, falou de almoçarmos juntos.

Jillian - Ok, ótimo. Vou me arrumar então. Me ajuda com as crianças?

Grace - Claro.

..............

Chegamos no lugar marcado, ele já está sentado em uma das mesas. Quando nos vê, ele se levanta pra nos cumprimentar.

Paul - Oi Lauren.

Lauren - Oi Paul.

Ele sorri e se abaixa pra abraçá-la.

Paul - Oi Grace, Jillian. Como você está?

Jillian - Bem, apesar de tudo.

Ele me dá um sorriso gentil.

Paul - Que bom. A Grace disse que você queria me ver.

Jillian - Sim, depois que conversei com minha mãe e ela me contou sobre tudo, eu sentia que devia te ver.

Ele sorri.

Paul - Ok. Vamos nos sentar e fazer nossos pedidos.

Almoçamos, conversamos e combinamos de ir visitar o Carl assim que possível. Mas nada do que conversamos adiantou para que minhas memórias voltassem. Mas mesmo assim, fico feliz de ter feito isso, o Paul é um cara muito gentil.

Nos despedimos e voltamos pro apartamento.

Jillian - Eu preciso saber mais sobre o que se passou esses anos.

Grace - Acho que você não devia se forçar tanto, já tivemos um dia cheio hoje, você mesmo me disse que o Ryan também falou ontem sobre a vida de vocês.

Jillian - Eu sei, mas é estranho escutar sobre minha vida por ele, eu não me lembro de conviver com ele então é difícil confiar no que ele diz, preciso ouvir de você, do Matt e da Lisa. Eu não tive chance de conversar com eles ainda.

Grace - Ok, entendo. Mas não sei exatamente o que eu poderia falar pra você sobre sua vida com o Ryan, só sei o que eu via e o que você me contava.

Jillian - Ok, então o que eu falava pra você, o que você via? Eu era feliz?

Percebo que ela fica tensa.

Grace - Mas que tipo de pergunta é essa? O que você espera que eu diga, Jill? Eu já disse, o Ryan não é perfeito, já cometeu vários erros. Sim, você já sofreu, já chorou, mas ele sempre fez de tudo pra melhorar, pra ser um homem bom pra você. E eu vejo honestidade nele, eu acredito que ele te ama de verdade e que você também o ama. Isso é tudo que eu posso dizer.

Jillian - Ok. É que não consigo evitar de ficar desconfiada. Tudo isso é novo pra mim, eu acordei com uma vida completamente diferente, é difícil de aceitar assim. 

Grace - Tudo bem, eu entendo sua frustração. Mas não adianta jogar 4 anos na sua cabeça assim, não é assim que funciona, o médico disse que você precisa ser paciente, aos poucos suas lembranças irão voltar.

É mais fácil falar do que fazer, eu sou muito impaciente, eu preciso lembrar, não consigo viver assim, isso está me corroendo. Mas não vou mais insistir nesse assunto com minha mãe.

Jillian - Ok, ok. Vou tentar ser mais paciente.

As horas se passam, nos distraímos brincando com as crianças. O Carter chega quando estou terminando de dar comida para as crianças. Minha mãe vai embora logo após o jantar.

Ryan - Vou tomar um banho rápido e já venho ficar com vocês.

Jillian - Ok.

Ele sai da sala em direção ao quarto. Aproveito esse tempo pra pegar meu celular, não mexi nele desde que acordei no hospital, ele continuou funcionando mesmo com o acidente, só um trincado na tela, mas nada que atrapalhe de mexer. 

Várias ligações perdidas, mensagens. Pelo que estou vendo, minha mãe foi a última pessoa com quem falei. Leio algumas mensagens que troquei com a Lisa, nada estranho aqui, também olho mensagens que troquei com o Matt, também, nada de anormal. Vejo na minha lista de contatos, nomes de pessoas que não me lembro de ter conhecido, mas não paro pra ler essas mensagens. Decido dar um passo além, sei que não deveria, mas pesquiso no Google meu nome e o do Ryan. 

No momento que as primeiras notícias aparecem, eu já me arrependo de ter procurado. Muitos sites de fofocas falando sobre a gente, alguns são bem indelicados, mas um em particular me chama a atenção. Alguns artigos com fotos dele com outra mulher e essas fotos são recentes, esse artigo chega a questionar nossa relação, se um possível divórcio está por vir ou se é "só uma escapadinha". Por quanto tempo ele ia me esconder isso? Pra que fingir ser o "marido perfeito" se já está com outra mulher?

Me levanto e sigo até o quarto, sem pensar, abro a porta sem bater, ele está terminando de se vestir.

Ryan - Ei, Jill. Tá tudo bem? Você está pálida.

Ele parece preocupado.

Jillian - Quando você ia me contar sobre isso?

Digo erguendo meu celular e mostrando a tela pra ele. Ele se aproxima e pega meu celular sem entender. Ele logo se dá conta do que estou falando.

Jillian - Por que não me disse que estamos nos separando? Por que não me disse que até já está namorando outra mulher? Por que está fingindo ser o marido preocupado? 

Sinto meus olhos arderem.

Ryan - Não é nada disso. Jill, você não pode acreditar nesses tablóides. Eu não estou com outra mulher, é você que eu amo.

Jillian - Para com isso. O que você ganha com isso? Pra que todo esse teatro barato de "marido amoroso"?

Ryan - Você precisa me ouvir. Não é teatro, eu te amo.

Eu rio de nervoso.

Jillian - Me ama?!? Está bem claro pra mim do que tudo isso se trata. Você está com essa mulher, sabe-se lá a quanto tempo, íamos nos divorciar, só que eu estraguei tudo sofrendo esse acidente e você não quer ser o cara que larga a esposa depois que ela acaba de sair de um coma. Você quer pagar de bom samaritano as minhas custas.

Lágrimas começam a escorrer dos meus olhos.

Ryan - Não é nada disso. Eu nunca quis me separar de você. Eu nunca tive nada com essa mulher. Eu jamais faria isso com você.

Ele diz suplicante.

Jillian - Para de mentir, não tem porquê fazer isso, é visível como ESSE é o tipo de mulher com quem você sai e sempre saiu, fora que eu nem lembro de estarmos casados, não existe amor nessa relação, não tem porquê permanecer casado comigo, você pode seguir sua vida com essa mulher. Sabe, desde o começo EU SABIA que tinha algo muito errado nisso tudo. Eu sabia que não devia duvidar da minha intuição.

Ele se aproxima e me segura pelos ombros.

Ryan - Por favor, acredita em mim. EU AMO VOCÊ.

Eu ignoro e continuo.

Jillian - Por que você se casou comigo? Quero que seja sincero. Porque não vejo sentido nessa história, um cara como você, empresário bem sucedido, CEO de uma multinacional, rodeado de mulheres lindas, de repente decide casar com uma mulher como eu, com o meu passado e com uma filha na bagagem, não tem lógica nisso. Por acaso fizemos algum tipo de acordo? Nosso casamento é de fachada? O Timothy não deve nem ser seu filho então.

Ryan - Nunca mais diga isso.

Ele diz com um tom ríspido, seu rosto se distorce.

Ryan - Nunca mais diga que ele não é meu filho. O Timothy é MEU filho e nós somos uma família. Nosso casamento é real, sempre foi. Me casei com você porque te amo. Não existe outra mulher. Você vai realmente acreditar em um tabloide? É isso? Você quer ouvir a verdade? Ok.

Ele se afasta um instante, mas ainda me olha nos olhos.

Ryan - Essa mulher era uma amiga minha. É verdade que chegamos a brigar por causa dela, você tinha ciúmes e eu demorei pra entender o quanto minha amizade com ela te incomodava. Mas um dia, depois que nós brigamos, eu conversei com ela e vi o quanto eu errei e me afastei dela de vez. Eu cortei todo contato com ela. Eu ia me acertar com você na mesma noite, mas então aconteceu o acidente. 

Seus olhos estão marejados.

Jillian - Isso tudo está estranho demais. Eu não sei em que acreditar. Eu só quero lembrar logo de tudo.

Ryan - Acredita em mim. Eu te amo. Por que eu mentiria sobre isso se eu quisesse me separar?

Jillian - Porque talvez quem quisesse se separar era eu.

Ryan - Eu nunca te traí. Se eu tivesse feito isso, se eu não te amasse, eu poderia muito bem aproveitar esse momento pra nos separarmos. Eu poderia cuidar de você, mas não ia precisar "fingir" que te amo, como você está me acusando.

Jillian - Eu não sei o que pensar. Não estou confortável com nada disso.

Digo ainda com lágrimas nos olhos.

Ryan - Me deixa mostrar o quanto eu te amo. Eu sei que cometi vários erros, mas TRAIÇÃO não é um deles.

Ele suplica.

Ele parece sincero. Mas é difícil ter certeza quando você não se lembra da pessoa, não lembra como ele age, não lembra se pode confiar em suas palavras e se seus gestos são sinceros. Estou confusa, minha vontade é ir embora daqui sem olhar pra trás, mas e se eu estiver cometendo um erro. 

Eu preciso lembrar de tudo, e precisa ser logo.

 








Notas Finais


Até mais ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...