História Magia do sonhar - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Drama, Magia
Visualizações 7
Palavras 1.358
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Magia, Mistério
Avisos: Suicídio
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Magia do sonhar - Capítulo 1 - Capítulo Único

No céu, diversas cores se misturam com as nuvens brancas, causando um efeito de beleza e delicadeza. É possível ver a presença do sol, que derrama seus raios sobre as nuvens. Uma garota admirava aquilo com curiosidade, como questionasse se aquilo era real. Seus cabelos platinados possuíam uma característica diferente, algumas de suas mechas adquiriram um tom arroxeado e brilhavam como se fosse a própria galáxia Seyfert. Vestia um vestido que combinava com o tom roxo de seu cabelo, com babados e um laço, demonstrava a beleza da filha das estrelas. Sorriu de maneira sincera, se sentia livre e leve. Estava em pé diante a um precipício, andou até o fim e suspirou. Pensou na liberdade e ergueu sua mão, logo diversas borboletas de diversas cores apareceram e começaram a voar. Ficou encantada com a ação, deu uma leve gargalhada e se jogou no abismo, sendo abraçada pelo céu colorido. Um par de asas se surgiu, a garota voou pelo gracioso céu acompanhada pelas borboletas.

A garota pousou no solo após alguns minutos, o mesmo possuía uma tonalidade azul misturado com rosa. Deitou-se, sentindo a temperatura fria do lugar. Encarou o céu, ainda encantada com a beleza daquele mundo e confusa sobre o poder que exercia sobre ele. Perdida em seus pensamentos, começou a questionar-se sobre suas dúvidas, logo chegando a uma conclusão. Seus pensamentos eram a chave, o dom de pensar e desejar algo resultava em sua criação. A filha das estrelas batizou o seu mundo de Sonhar, pois é através dessa ação que tudo se torna realidade. Naquele momento, ela se intitula como Deusa dos sonhos.

Entendendo melhor sobre sua influência sobre aquele lugar, ela resolveu testar. Começou a imaginar um castelo que flutuasse no meio das nuvens, feito de diamantes e possuísse um brilho inimaginável. Fechou os olhos para pensar nos mínimos detalhes, logo os abriu deparando-se com o belo castelo. Abriu as asas novamente com um sorriso no rosto, voando em direção ao castelo.

O interior do castelo era perfeito, belo dos mínimos detalhes aos maiores. A garota, com o sorriso divertido no rosto, começou a dar leves giros e pulos no salão, demonstrando sua alegria naquele momento. Em seus pensamentos, admirava o poder da imaginação. Diante daquele castelo, imaginou-se como a rainha de tudo. Pensou em uma coroa, consequentemente uma apareceu em suas mãos, decorada por pequenos diamantes e pedras preciosas. Colocou a coroa com cuidado, a mesma combinou perfeitamente com os cabelos roxos, emitindo um brilho especial. Aproveitou o clima para criar um trono que combinasse com o castelo. Seu lugar naquele mundo foi concluído com perfeição.

Outra criação da Deusa dos sonhos foram homúnculos, garotas com aparência igual e pares de asas brancas. Elas cuidam do castelo, realizando atividades domésticas e cuidando do lugar especial, o jardim. A mais recente criação foi um lugar repleto de flores, a cada dia eram adicionadas novas, de acordo com os pensamentos da Deusa. Uma das melhores visões do castelo, passava calma e tranquilidade para quem o observava.
 

Os dias se passaram e a rotina da Deusa começou a ficar tediosa. Ela passava a maior parte do tempo sentada em seu trono, conversava pouco com as homúnculos e apenas levantava para rodopiar ou dançar em seu quarto. Com o tempo, o jardim começou a ser esquecido pela garota. Aquele dia a dia começou a deixar-la solitária, portanto resolveu criar amigos, logo os dias seriam animados com a presença deles.

Todo dia uma festa era realizada no salão central do castelo. Risadas podiam ser ouvidas por toda parte, todos se divertiam. A garota estava contente, agora possuía amigos que a deixavam feliz e a animavam constantemente, mas algo não estava certo. Aquela alegria não parecia ser real, entretanto ela deixou esse pensamento de lado, ignorando-o. Essa sensação estranha foi embora rapidamente, dando espaço para diversão e as risadas de estar em grupo. Voltou a curtir com seus amigos, com um sorriso estampado no rosto.

Com o passar dos dias, festas diárias tornaram-se cansativas.  As risadas de sempre ganharam a característica chata, as mesmas vozes começaram a ser ouvidas de forma obrigatória. Naquele momento, a Deusa começava a cansar daquela realidade. Esse fato a pesava, deixando-a sem reação. Ela precisava de algo novo. Inesperado. Diferente. Ela queria algo além daquela amizade de sempre.

Nessa criação, ela demorou um pouco e teve uma atenção dobrada. Dessa vez, ela criará um possível amor. Prestando atenção em todos os detalhes, tentando programar a sua criação de uma forma perfeita, ela conseguiu chegar no resultado desejado. A sua nova e especial criação, um rapaz igual a ela, cabelos como galáxias que possuíam um brilho inexplicável. O mesmo possuía expressões, reações e aparentava o dom de ter sentimentos, diferente das outras criações. O rapaz, que foi criado para ser perfeito e idêntico a sua criadora para que não houvesse brigas entre eles, sorriu de maneira encantadora.
 
Os dois dançaram pelo salão do castelo de maneira calma. As vezes trocavam sorrisos e alguns abraços. Observaram o jardim e sentiram o cheiro das flores acompanhado com o tempo frio. Tudo estava completamente perfeito, de acordo com o roteiro. O rapaz era controlado pelas cordas invisíveis da Deusa, como um mero marionete. Ao perceber isso, a garota se afastou bruscamente do rapaz, assustada. Ele o olhou com certa confusão, mas logo sorriu de forma tranquila.
 
A garota logo entendeu, suas criações não possuíam nenhum tipo de sentimento ou emoção. Eram apenas cascas vazias controladas por ela, mesmo que ela não entenda como. Sentiu se mal por isso, sentiu-se enganada por si mesma, consequentemente perdeu o controle do mundo.
 
Aos poucos sua consciência voltou, estava sentada e todo o mundo estava cinza com tons pretos. Olhou ao redor, em um canto daquele lugar estavam suas criações, as mesmas se contorciam de formas estranhas. Ela estava completamente assustada. Percebeu uma existência a mais no lugar, uma garota que usava capuz negro, seus olhos eram completamente negros. A Deusa associou a garota como a morte, batizando-a assim. A morte a olhava com desprezo, como se tivesse nojo da garota. A Morte sorriu de forma irônica, olhando para a garota com ódio.
 
A garota sombria cantava uma música sombria, tão baixo que pareciam sussurros. Ela estava sentada, acompanhada por corujas bizarras. Balançava as pernas de maneira despreocupada, enquanto observava os mínimos detalhes da Deusa. Admirava o medo da garota que a pouco tempo atrás se considerava a soberana, levantou-se e andou em direção a ela.
 
Era complicado entender o que estava acontecendo naquele momento, mas logo a Deusa entendeu com clareza. Aquele mundo não existia de verdade. É apenas um lugar onde ela criou com base nos seus desejos e vontades, com o tempo ela acreditou que aquilo fosse a realidade. Compreendeu o motivo daquela garota estar ali, ela veio buscá-la. Tudo ficou branco.
 
A existência do Sonhar não tem lógica, simplesmente foi criado pela dor de uma garota em relação à vida. Ela não tinha vontade de viver a vida, não queria continuar seguindo em frente, simplesmente desejava sumir e largar tudo. O destino a reservou diversas dores, tropeçando em vários obstáculos. Com o passar do tempo, ela desistiu.
 
A arte foi a saída, a única alternativa de fuga. Com a arte, ela pôde criar mundos, pessoas, construções incríveis, entretanto nada daquilo possuía graça. Nenhuma daquelas criações possuía a beleza das emoções, os sentimentos, dores ou o dom de chorar. Faltava vida naqueles meros bonecos.
 

Ao abrir os olhos, percebeu que estava em um quarto branco. Conseguia ouvir diversas vozes pelo lugar, mas nenhuma conhecida. Não conseguia se mover, apenas conseguiu dar um breve sorriso. Sabia o motivo de estar ali. Em algum momento anterior, já que não compreendia corretamente o tempo atual, havia se jogado do andar mais alto do seu prédio. Ela não sobreviveria, sabia disso. Na sala, a Morte observava-a com cautela, como se demonstrasse respeito. A garota voltou a encarar o teto, esperando o momento que sua alma seria arrancada de seu corpo, levando-a para um novo plano, um lugar misterioso no qual ela quer descobrir. Naquele momento, não é apenas a garota que morria, sua arte e o Sonhar também morriam com ela. 


Notas Finais


Olá, pessoal! \o/
Faz um bom tempo que posto aqui.
~desculpinha ;u;
Estou com alguns planos futuros, entretanto essa história estava parada na minha pasta faz um tempo. x3
Espero que tenham gostado. <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...