1. Spirit Fanfics >
  2. Mar de Amor - Jikook >
  3. Capítulo XXXI

História Mar de Amor - Jikook - Capítulo 31


Escrita por: LadyMinnie

Capítulo 31 - Capítulo XXXI


Jungkook olhou para o céu, as nuvens estavam mais escuras e o vento soprava cada vez mais forte. Iria voltar a chover, infelizmente ele não tinha como fazer um abrigo a noite. Jimin estava terminando de comer um coco quando se estremeceu por causa do frio.

ㅡ Nós vamos nos molhar...ㅡ Park disse, temendo enfrentar novamente uma tempestade.

ㅡ Eu tenho uma ideia! ㅡJeon respondeu, após pensar por alguns instantes.

O pirata correu até o bote que se encontrava na areia. A embarcação tinha um buraco no casco, mas iria servir para abriga-los durante aquela noite. Jeon rapidamente arrancou os assentos de madeira e o levou para próximo das grandes rochas que haviam na praia. Era mais seguro do que ficar perto das palmeiras.

Jungkook pegou o longo pedaço de vela que tinha cortado e forrou na areia. Sua ideia era deitar sobre uma parte e cobrir o corpo com o restante. Jeon voltou até onde Jimin estava e pegou as coisas que havia trazido no bote, como os pequenos baús com roupas, e o barril com água e, levou próximo ao abrigo improvisado.

O vento já estava muito forte, os pingos de chuva começaram a cair, arrepiando a pele do Park. Ele correu até o marido e ambos se abrigaram debaixo do bote.

O local era apertado e sufocante, o teto estava centímetros acima de suas cabeças. Jimin se sentia como em um caixão com a tampa fechada, seu coração bateu acelerado, ele se sentiu ofegante, como se não conseguisse respirar.

ㅡ Respire mais devagar, amor! Aqui está apertado, mas o buraco no casco permite que o ar circule bem. Então respire com calma, você não está sufocando. ㅡ Jungkook tentou tranquiliza-lo.

Jimin fechou os olhos e se concentrou em inspirar e expirar. Ele tentava bloquear qualquer pensamento ruim, mas o som forte dos raios lhe aterrorizava.

Jungkook o trouxe para cima de seu peito, afagou suas costas e beijou seus cabelos. Odiava estar naquela situação com Jimin, queria apenas deixá-lo seguro, mas as coisas tinham ficado piores.

ㅡ Me desculpe, querido! Eu deveria ter esperado um pouco mais, ter pensado em outra alternativa... ㅡ Jeon disse em tom culpado, apertando mais forte o amado em seus braços.

ㅡ Eu estou mais chateado porque você não respeitou minha decisão de ficar, Jungkook. Eu também estava com medo de ir preso, no entanto, pelo menos estaria perto de meu pai. Estando em casa, talvez lady Sorah poderia fazer alguma coisa por mim, mas nessa situação, quem poderá nos ajudar? ㅡ Jimin perguntou com a voz embargada. ㅡ Eu detesto me sentir culpado por reclamar, quando eu e você estamos vivos e os outros, talvez, não tiveram a mesma sorte. Mas não consigo controlar esse sentimento triste em meu peito.

ㅡ Pode chorar e me xingar se quiser, amor! Eu assumo que errei com você...ㅡ Jungkook acariciou as costas do amado.

Jeon deixou escapar um suspiro longo e exasperado, vários xingamentos passaram por sua mente. Só havia trazido problema desde que tinha entrado na vida de Jimin. Mas no fundo de seu peito, não se arrependia de nada, pois ainda tinha o amor de sua vida seguro em seus braços.

ㅡ Você acha que nos encontrarão? ㅡ Jimin perguntou após ficar um tempo calado.

ㅡ Taehyung deve levar pelo menos uma semana para chegar na baía de Gimhae. Depois mais três dias de lá até Hwasan, após notar nossa falta. Deixei Haesus na minha casa, ele sabe que eu viajei no barco de Chino, mas até o Kim investigar o que aconteceu, deve levar mais um par de dias. ㅡ Jeon decidiu ser sincero para que Jimin não criasse expectativas de que fossem rapidamente resgatados.

ㅡTem idéia de onde estamos?

ㅡNão. Poderia ter alguma noção se não fosse a tempestade.

ㅡAcha que estamos muito fora da rota?

ㅡSim, mas não sei quanto. ㅡ Jeon continuou mantendo a sinceridade. Park suspirou alto, mas tentou manter a calma.

ㅡ Será que essa ilha é realmente desabitada?

ㅡ Vamos ter certeza amanhã. Mas eu garanto que não é rota de barcos, pois é cercada de grandes rochas. Isso é perigoso para embarcações, nosso bote é um exemplo.

Jeon não quis falar outras opções para não assustar Jimin. No entanto, esperava que a ilha fosse habitada por pescadores e não por tribos hostis de povos selvagens.

ㅡ Como não sabemos quanto tempo ficaremos aqui, amanhã irei construir um abrigo reforçado para ficarmos mais confortáveis. É a estação das chuvas, deve chover todos os dias, provalvelmente mais de uma vez. Então é outro motivo para construir algo para nos abrigar.

ㅡ Tudo bem! ㅡ Jimin disse sem ânimo.

Park fechou os olhos e tentou descansar. O som estridente do vento e da chuva acima de suas cabeças lhe fazia estremecer, mas a respiração tranquila de Jungkook e o calor de seu corpo, o fez relaxar e conseguir dormir.

Jeon demorou um pouco mais para conseguir descansar. Sua preocupação era que o vento forte levasse o bote, mas a embarcação estava presa entre duas rochas e, até aquele momento, resistia bem. As coisas que tinham trazido também estavam protegidas entre o bote e as rochas, então o pirata se convenceu de que não precisava se preocupar.

Jungkook ficou satisfeito consigo mesmo por ter tido a ideia de cortar aquela vela, do mastro que caiu do barco de Chino. O objeto feito em linho não era o mais recomendável para uma estação chuvosa, mas pelo menos não ficariam totalmente desprotegidos contra o frio.

A chuva continuou por toda a noite, e apesar de certo desconforto, o casal conseguiu dormir. O sol estava alto quando Park acordou por causa do calor. Ele estava suando embaixo daquele bote apertado, no dia anterior serviu para não sentir frio, mas naquele momento a alta temperatura estava insuportável.

Subitamente, Jimin tomou consciência de que estava sozinho. Jungkook provavelmente já tinha se levantado muito antes, pois ele gostava de madrugar. Park suspendeu o bote e saiu se arrastando para fora do abrigo improvisado. A areia estava muito quente e ele correu para debaixo de um coqueiro.

Minutos depois, lavou o rosto e as mãos na água do mar. Feito isso, caminhou sem destino pela praia. Estava se sentindo novamente tomado de uma imensa angústia. Havia muita coisa no que pensar, era difícil acreditar que realmente tinha ido numa ilha deserta.

A lembrança dos acontecimentos da noite em que o barco de Chino pegou fogo e a terrível tempestade voltou à sua mente. Ele cachoalhou a cabeça, tentando dissipar aqueles pensamentos ruins. Suspirou aliviado, pois tivera a sorte de ele e Jungkook ter escapado com vida.

Park olhou ao seu redor para fazer o reconhecimento do local em que naufragara. A tempestade havia derrubado algumas árvores e as arrastado para a areia totalmente branca. O mar a sua frente era belíssimo, mas tinha uma grande quantidade de rochas enormes ao seu redor, assim como na praia.

Além dos paredões de pedra, o lugar também tinha muita vegetação, onde as árvores cresciam próximas umas às outras, e as folhas forneciam bastante sombra. Do sol, alto no céu, emanava um calor intenso, Jimin sentia sede e sua barriga começou a roncar de fome. Ele decidiu explorar a costa da praia e encontrou Jeon embaixo de um coqueiro.

Quando o moreno lhe viu, sorriu largamente e o cumprimentou com um "bom dia". Park o saudou de volta, e se sentou na sombra para olhar melhor o que ele estava fazendo.

Jungkook pegou uma folha grande de árvore e entregou para Jimin. O ômega arregalou os olhos, surpreso com o café da manhã completo que seu marido tinha preparado. Havia ovos, peixe, côco fatiado e um biscoito duro que os marujo costumavam comer durante as navegações.

ㅡ Aqui! Água de coco é a bebida tradicional dos que passam sede nas ilhas. A tempestade teve essa vantagem. Há uma porção de cocos derrubados no chão. ㅡ Jeon entregou a fruta ao marido.

ㅡ Obrigado! ㅡ Jimin agradeceu e bebeu todo o líquido de uma só vez. Jungkook lhe serviu outro em seguida. ㅡ Como você conseguiu fazer tudo isso tão rápido? ㅡ Park perguntou, curioso.

ㅡ Levantei antes do sol nascer e fiz um arpão improvisado para pescar peixes. Tem bastante peixes perto dos recifes, assim como cocos na praia. Os biscoitos estavam no compartimento de suprimentos do bote. Os ovos são de tartaruga, fritei numa pedra lisa sobre o fogo. ㅡ Jeon explicou enquanto trançava palhas de coco e as tansformava em uma espécie de tapete.

Jimin olhou para os ovos e de repente ficou com receio de comer a iguaria exótica. No entanto, ele estava com tanta fome que não resistiu a tentação, mergulhou o biscoito salgado na gema mole do ovo e se deliciou com a refeição.

ㅡ Me sinto mal por comer esses ovos, tartaruga são bichos tão exóticos. ㅡ Jimin falou enquanto limpava os dedos na boca.

ㅡ Pois eu comerei até a tartaruga mãe se achá-la por aqui. ㅡ Jungkook disse tranquilamente.

ㅡ Insensível! ㅡ Park acusou o marido.

ㅡ Me fale isso quando ficar uma semana comendo apenas coco. ㅡ Jeon disse com bom humor.

ㅡ Veremos... ㅡ Park sorriu. ㅡ Que praia mais linda! ㅡ Exclamou Jimin, deslumbrado com a paisagem natural.

ㅡ Essa realmente é uma bela praia! Nunca tinha visto areia mais fina e mais branca.

ㅡ Você faz sempre essa rota, como nunca tinha passado por essa ilha antes?

ㅡ Eu quase não vinha pra essas bandas. Meu destino era de Laguana para frente. ㅡ Jeon explicou, Jimin concordou com a cabeça, entendendo a situação. ㅡ Tenho boas novidades. Como você já deve ter percebido, a praia tem rochas enormes. Andando pela areia, eu achei um conjunto de pedregulhos e, na parte lateral do maior deles, encontrei uma gruta que vai nos servir perfeitamente como abrigo.

ㅡ Mas esses locais não são perigosos? Deve ser morada de algum animal selvagem ou morcegos. Sem falar que as ondas devem inundar tudo. ㅡ Jimin respondeu preocupado.

ㅡ A gruta é um achado perfeito. Ela é pequena, eu consegui ver o fundo da entrada do local. Não tem morcegos e nem animais, a água do mar não vai inundar porque a rocha é virada para a mata. ㅡ Jungkook disse animado.

ㅡVocê é muito experiente nessas coisas. Já naufragou antes?

ㅡ Não, mas não me importaria que isso acontecesse sempre que pudesse ter uma companhia tão bonita e interessante quanto você. ㅡ Jeon piscou para o marido e sorriu ladino. Jimin o olhou com ar irônico, depois fez uma careta de desagrado.

ㅡ Eu estou falando sério, Jungkook!

ㅡ Está bem, não se irrite! Eu nunca naufraguei, mas de tempos em tempos, eu ficava em ilhas de pescadores e eles são muito primitivos. Tiram da natureza tudo o que precisam, então eu aprendi algumas coisas.

ㅡ Que bom, suas experiências vai nos ajudar bastante aqui. O que está fazendo agora?

ㅡ É uma esteira de palha de coco, vai servir pra gente dormir mais confortável. Vem, vou te mostrar aonde está a gruta.

Jungkook se levantou, Jimin terminou de comer e o acompanhou até as falésias que cobriam a praia. A maioria dos paredões possuíam um tom vermelho-alaranjado que se destacava no ambiente e contrasta com o azul do céu e do mar.

Park suspirou ao olhar a bela paisagem. Se estivesse em outra situação, com certeza, ficaria encantado em estar ali com o marido. O local era paradisíaco, e seria perfeito para passarem a lua de mel, no entanto, essa era a última preocupação do ômega. Queria ser resgatado o mais rápido possível e, antes que a notícia do naufrágio chegasse ao seu pai.

A entrada da gruta era espaçosa, se localizava na lateral do paredão, de frente para a mata. O local era bem iluminado pelo sol, era pequeno, mas não apertado, os dois conseguiam ficar em pé e andar sem se esbarrarem. Não havia morcegos no teto e poderiam dormir na areia fofa confortavelmente.

ㅡ Isso aqui é praticamente um quarto! ㅡ Jimin disse satisfeito.

ㅡ Eu disse pra você. A noite irei fazer fogueiras na entrada, isso vai espantar algum animal que queira se abrigar aqui. Agora vou trazer nossas coisas pra cá e depois dar uma volta pela ilha para ver se encontro água.

ㅡ Eu vou com você! ㅡ Jimin se ofereceu.

Park não tinha mais nada para fazer. Ele poderia aguardar na praia, até que algum barco passasse, porém não queria se separar do marido. Jeon concordou em levá-lo, eles guardaram suas coisas na "casa" nova e seguiram mata a dentro.

Jeon foi na frente, desbravando o caminho em meio a vegetação com um facão. As folhas das árvores quase bloqueavam a luz do sol, e os mosquitos aglomeravam-se em volta dos casal de exploradores. Jimin batia neles desesperadamente e praguajava enquanto limpava o suor da testa com o braço.

A vegetação era cerrada e plantas espinhosas arranhavam os braços do Park, que sentia calafrios só de pensar nas inúmeras formas de vida camufladas por entre as folhagens e galhos.

ㅡ Será que não tem água doce nessa ilha? Estamos andando há horas e até agora nada. ㅡ Jimin reclamou preocupado.

ㅡ Eu rezo para que tenha, senão teremos que depender da água da chuva. ㅡ Jeon disse ofegante, também cansado de andar. ㅡ Quer parar e descansar um pouco? Devo lhe avisar que acho que não há água por perto.

ㅡ Como sabe que não há água?

ㅡ Não há rastos de animais por aqui. E também poderíamos ouvir o som da água correndo se tivéssemos próximo de um corrego.

ㅡ Entendi! Mas vamos continuar por mais um pouco, se eu sentar agora, não vou conseguir levantar depois. ㅡ Jimin sorriu levemente. ㅡ Sem falar que esses mosquitos vão me comer vivo.

ㅡ Então vamos embora! ㅡ Jeon se colocou a frente novamente e continuou a liderar o caminho.

Andando atrás de Jungkook, Jimin olhava para todos os lados, deixando a atenção desviar-se para as belezas naturais. Apesar do calor e as mordidas dos insetos, Park estava admirado com toda a vida existente naquela mata.

Ele observou pássaros multicoloridos, flores exóticas e de cor vibrante, no qual nunca tinha visto. Nas pedras que encontraram pelo caminho, ele viu pequenos lagartos que se espreguiçavam no sol. O casal andava em silêncio, mas a monotonia acústica se quebrava ao som dos piados das aves que uniam-se aos macacos que, muito espertos, preferiam ficar invisíveis.

ㅡ Água tem, esses macacos são provas de que existe uma fonte doce na ilha. ㅡ Jeon disse animado.

ㅡ Que bom! Vamos encontrá-la. ㅡ Jimin respondeu um pouco mais confiante.

Jungkook sorriu de repente e saiu correndo até uma árvore. Jimin o seguiu e o viu se abaixar para pegar alguns frutos no chão. Era verde, redondo como melões, e a casca tinha uma textura espinhenta como a de uma Jaca.

ㅡ O que é? ㅡ Jimin perguntou, curioso.

ㅡ É chamado de fruta-pão. É muito consumida em Laguana, e pode ser usada de diferentes formas. ㅡ Jeon explicou com entusiasmo enquanto descascava o fruto e experimentava. ㅡ Pegue!

Jimin pegou um pedaço e provou. O sumo adocicado inundou sua boca seca, não era a melhor fruta que já tinha experimentado, mas não estava em posição de negar qualquer opção de comida.

ㅡ Não é ruim, lembra vagamente o gosto de abacate. Mas definitivamente não remete a um pão. ㅡ Park deu seu parecer.

ㅡ Não sei de onde veio esse nome, mas os nativos de Laguana cozinham os frutos verdes em água com sal, e depois servem com manteiga, substituindo o pão pela manhã. Eles usam as sementes em guisados e fica muito bom. Vamos levar um pouco para nosso acampamento, mas essas do chão já estão podres. A árvore é muito alta, sobe nos meus ombros, talvez você consiga alcançar um.

ㅡ Certo, mas não vá me derrubar! ㅡ Jimin alertou.

ㅡ Jamais, minha vida!

O casal se aproximou do tronco da árvore, Jeon pegou a mão de Jimin e o ajudou a subir em seus ombros. O alfa não teve problemas para segurar o marido, mas Park cambaleou algumas vezes porque Jungkook fazia gracinhas, lhe apertando as coxas e as nádegas.

ㅡ Para, Jungkook! Eu vou cair. ㅡ Jimin gritou com o marido enquanto sorria.

ㅡ Minhas mãos estavam com saudade de apertar essa bundinha! ㅡ Jeon se explicou, e recebeu um puxão de cabelo em resposta.

ㅡ Você é um safado! Não vai tocar aí tão cedo. Agora me segure direito para eu pegar essas frutas logo.

Jungkook parou com a brincadeira e segurou o marido firmemente. Jimin se alongou ao máximo e conseguiu agarrar diversas frutas verdes e maduras. Após deixar Park seguro no chão, Jeon retirou o casaco em que estava vestido, amarrou como uma espécie de bolsa e guardou os frutos.

O casal continuou andando, Jimin observava atentamente o marido. Jeon estava cheio de picadas de insetos, os braços arranhados pelos galhos das árvores, mas ele raramente reclamava.

ㅡ Como consegue ficar tão calmo nessa situação? Quem vê, pensa que você está em um belo jardim e não perdido em uma ilha deserta.

ㅡ Não há mais nada a fazer, apenas procurar uma forma de sobreviver até que alguém nos encontre. ㅡ Jeon disse calmamente.

ㅡ Queria que tivesse mantido toda essa calma antes de me sequestrar. ㅡ Jimin não conseguiu evitar fazer o comentário. Jungkook se virou e encarou o marido com uma expressão séria.

ㅡ Não foi um sequestro! Já tínhamos planejado tudo, você se arrependeu na última hora e eu tive que agir de forma radical. Eu só queria protegê-lo! ㅡ O pirata tentou manter o seu tom de voz brando.

ㅡ Eu me arrependi mesmo, já que estou com dificuldade em confiar novamente em você. E também porque meu pai está seriamente doente. Imagina o que ele vai sentir quando souber que eu desapareci novamente? E se te procurarem e descobrirem que você é um pirata? Meu pai vai enlouquecer! ㅡ Jimin disse com a voz embargada e com os olhos lacrimejantes.

ㅡ Jimin, calma! Eu sei que vai ser uma notícia forte para seu pai, mas ele é muito valente. Por mais que seja preocupante, ele vai saber que está comigo e certamente sabe que estará seguro. Ou você acha que estaria melhor a mercê de criminosos como Johar e Atbert?

ㅡ E você não é criminoso, por acaso? ㅡ Jimin rebateu sem medir suas palavras.

O rosto de Jeon ficou rubro de raiva, as mandíbulas cerradas. Sabia que tinha errado muito com Jimin, mas aquelas palavras rudes, e toda sua desconfiança lhe feriam profundamente. O pirata suspirou, tentando manter a calma.

ㅡ Eu sei que tenho minhas pendências com a justiça, mas entenda de uma vez que não me casei com você por seu dinheiro. Eu te trouxe a força comigo unicamente para te proteger. Existem perigos aqui, não nego. Mas estou calmo porque prefiro lidar com os possíveis animais que existem nessa ilha, do que com aqueles criminosos que se fingem de cavalheiros horados, mas são umas feras selvagens da pior espécie. Por mim, mataria todos! Mas eu sei que isso te afastaria ainda mais de sua família. Todas as minhas ações são pensando em você e no seu bem estar porque eu te amo! Eu amo tanto você, que mesmo você me ferindo com suas palavras, não diminui em nada o que sinto por ti. ㅡ Jeon terminou sua fala com a voz falha, um bolo se formou em sua garganta.

Diante da falta de reação do marido, Jeon se virou para frente e continuou seguindo mata adentro. Eles andaram em silêncio por mais algum tempo. Jimin tentava segurar o choro porque não queria continuar brigando com Jungkook. No entanto, era tão difícil para ele perdoar e confiar novamente no alfa. Park o amava com todo o seu coração, mas a decepção com as diversas mentiras contadas por Jeon, ainda era muito recente para ser esquecida.

ㅡ Devemos estar perto de algum córrego. ㅡ Jungkook disse após andar um tempo em silêncio.

Seus olhos brilhavam de satisfação ao dar a notícia a Jimin. Para confirmar suas palavras, o casal começou a pisar em um terreno cada vez mais macio, cheio de folhas em decomposição.

ㅡ Jungkook, estamos pisando em água!

ㅡ Eu sei, mas é estagnada. Talvez seja de alguma poça ou de um córrego. ㅡ Jungkook disse com dificuldade, pois suas botas afundavam cada vez mais na terra lamacenta.

Jimin ficou inquieto. Sua agitação aumentava ao perceber que o terreno lodoso estava quase chegando ao sua canela. Jungkook parecia indiferente àquele desconforto, mas o Park só pensava na quantidade de bichos que deveria ter naquele local.

O ômega continuou a andar e estava tão exausto que não conseguia mais raciocinar. Quando caiu em si, percebeu que a água começou a secar até pisarem novamente em terreno firme. Sua audição se apurou quando ouviu um ruído borbulhante.

ㅡ Jungkook! Acho que estou ouvindo barulho de água! ㅡ Jimin gritou para o marido.

Jeon, que estava um pouco mais a frente, voltou correndo para o lado de Park e caminharam na direção do ruído. Um minuto depois, ficaram encantados ao descobrirem um lago com águas cristalinas que contava com uma belíssima cachoeira ao fundo. Jungkook deu um grito de satisfação e rodopiou com Jimin nos braços.

Eles estavam tão felizes que não conseguiram evitar risadas e abraços. Mas depois se separaram, meio desajeitados e sem graça, e se concentraram em admirar seus reflexos na água transparente.

ㅡ Isso aqui é maravilhoso! ㅡ Jimin ficou admirado com a beleza natural daquele lugar, principalmente por causa das flores e belas plantas que cresciam na margem do lago.

Park estava ansioso por um mergulho. Rapidamente tirou todas as suas roupas, as botas lameadas e correu para dentro da água refrescante. Ele fechou os olhos e começou a nadar de costas, se sentindo muito mais leve após lavar a sujeira acumulada de vários dias sem um tomar banho.

Jungkook sorriu e seguiu o exemplo do marido. Nu, ele mergulhou na água e suspirou em satisfação com a sensação prazerosa e refrescante.

A água extremamente gelada não atrapalhou a felicidade do casal e eles ficaram por aproximadamente uma hora, aproveitando toda a paz que aquele lago lhes trazia.

Jungkook foi até a parte mais alta da margem do riacho, experimentou vários cipós e, achando um satisfatório, se pendurou nele e, com um berro selvagem pulou dentro da água.

Jimin teve um acesso de riso e toda a tensão anterior desapareceu. Ele estava tão feliz por ver o marido brincando, leve e relaxado, semelhante à um menino quando aprontava alguma travessura.

Infelizmente Jungkook não teve a oportunidade de aproveitar sua juventude porque, ainda muito jovem, foi acusado de um crime que não tinha cometido. Sendo assim, teve que fugir e se deparar com os piores tipos de pessoas.

Mesmo que as circunstâncias tivessem lhe obrigado a fazer coisas reprováveis, seu coração continuava bom e nobre. Jimin sentiu uma angústia em seu interior por julgar tão duramente seu marido. No fundo, ele sabia que Jeon era um homem gentil e doce, que queria apenas o seu bem.

Park resolveu que tentaria ser mais compreensivo com Jeon. Eles estavam em uma situação complicada, presos naquela ilha. A boa convivência seria necessária para que pudessem se ajudar mutuamente.

ㅡ É a sua vez, amor! Mostre tudo o que tem. ㅡ Jeon disse divertido.

Ansioso para desviar a mente dos últimos acontecimentos, e recomeçar a boa relação que tinham antes, Jimin se pendurou no cipó e se jogou na água. O casal começou a brincar, jogando água no rosto um no outro.

Depois daquele banho gelado e refrescante, sentaram lado a lado numa rocha para se secarem e comer as frutas que haviam encontrado como bananas e morangos silvestres.

ㅡ Acho que devemos voltar para a praia! Andamos muito por hoje e, creio que já deve ser bem tarde. É melhor voltarmos enquanto tem luz do dia. ㅡ Jeon sugeriu.

ㅡ Eu concordo! Mas o sol ainda está alto, acho que seria melhor tentarmos voltar por outro caminho e quem sabe diminuir a distância até a praia...

ㅡ Eu acho uma boa ideia, mas vamos rezar para não nos perdemos. Já fizemos uma trilha pelo lado que viemos, vamos fazer outra pelo caminho oposto. Só me deixe fazer uma coisa antes.

Jungkook se levantou, cortou um galho de árvore com facão e fez uma lança improvisada. Em seguida, foi até a parte lamacenta do terreno e pegou algumas minhocas. Logo após, balançou algumas na água e minutos depois viu a sombra dos peixes se amontuarem ao seu redor. O alfa atirou a lança e, quando a ergueu, tinha um peixe na ponta.

ㅡ Teremos um banquete esta noite! ㅡ Jeon sorriu para Jimin.

A volta para casa foi igualmente demorada, mas o clima entre o casal estava definitivamente melhor. Chegaram a praia quando o sol já tinha se posto. O suor encharcava suas roupas novamente, pois eles tinham andado bastante e ainda havia o peso extra dos cachos de banana, peixes e as outras frutas encontradas.

Jimin colocou os peixes numa folha de bananeira e seguiu até a parte rasa do mar e, começou a limpá-los. Park não fazia tarefas domésticas em casa porque preferia ir ajudar seu pai no armazém, mas sabia cozinhar algumas coisas.

Ele limpou os peixes com muita habilidade. Tirou todas as escamas com a faca, cortou a cabeça, passou a lâmina ao longo do corpo, separando o filé da pele. Satisfeito com seu trabalho, ele lavou as mãos no mar, limpando o sangue e as tripas. Depois tirou sua camisa suja, esfregou na água e a torceu antes de passar pelo corpo. Não queria entrar totalmente na água, pois já estava bem escuro.

Ao voltar para a gruta, encontrou três grandes fogueiras rodeando a entrada do local. Jungkook tinha escavado covas rasas na areia e enchido com pedras para impedir que o fogo se apagasse durante a noite. Ele também tinha trazido três grandes rochas que serviriam como mesa e bancos para as refeições.

Jimin decidiu trocar de roupa e Jeon foi se lavar no mar. Enquanto o peixe assava, o ômega cortou diversas frutas e abriu cocos para o jantar. Durante a refeição, Jungkook conversou bastante sobre suas experiências nas vilas de pescadores e algumas histórias engraçadas.

Jimin sorriu bastante. Apesar da situação complicada, ele achava que não poderia estar em companhia melhor. Seu marido era bem-humorado, conversador e muito calmo. Tentava de todos os modos deixar Park tranquilo, afastando as preocupações.

Após o jantar agradável, Jimin limpou a "mesa" para não atrair nenhum animal para perto da gruta. Jungkook decidiu terminar de fazer a esteira de palha de coco e, enquanto trabalhava, começou a cantar uma canção conhecida por Park. O ômega sorriu e começou a cantar junto.

Jeon ensinou como Jimin podia ajudá-lo com o trançado da palha e eles conseguiram terminar a "cama" rapidamente. Jungkook forrou a esteira na areia da gruta, se deitou e chamou Jimin para o seu lado. Park pegou duas muda de roupa, dobradas cuidadosamente, pois iriam servir de travesseiro.

Jimin se deitou, e mal tinha fechado os olhos quando sentiu Jungkook pousando um dos braços sobre sua cintura. O alfa puxou o marido para mais perto até que ficassem em posição de concha. Park quase não conseguia respirar.

ㅡ Isso é mesmo necessário? ㅡ Jimin perguntou, tentanto não demonstrar o quanto a posição lhe agradava.

ㅡ Sim! A combinação do calor de nossos corpos ajudará a nos aquecer. ㅡ Jeon explicou didaticamente. Ele se aconhegou melhor e posicionou seu rosto contra a nuca de Jimin, inspirando seu cheiro e deixando selinhos breves.

ㅡ Cheirar e beijar meu pescoço também servirá para nos aquecer? ㅡ Park perguntou ironicamente.

ㅡ Sim, mas vai provocar um calor muito melhor...ㅡ Jeon sorriu e mordeu levemente o pescoço do amado.

ㅡ Jungkook... ㅡ Jimin disse em tom de advertência e tentou se distânciar, mas o alfa o puxou para mais perto.

ㅡ Se acalme, Jimin. Se estiver ansiando por sexo esta noite, sinto muito decepciona-lo mais estou muito cansado. ㅡ Jeon disse debochado.

ㅡ É você que está tentando me seduzir! ㅡ Jimin se defendeu.

ㅡ E estou conseguindo? ㅡ Jungkook sussurrou próximo ao ouvido do amado, sentindo a pele dele arrepiar. ㅡ Sabe, Jimin... Esse pedaço de vela de barco feita de linho é muito boa, mas eu ainda sinto frio. Uma certa parte do meu corpo ficaria melhor acomodada e bem quentinha se eu estivesse dentro de você... ㅡ Jeon mordeu a orelha do marido.

A gruta estava bem iluminada, devido as chamas da fogueira em frente a entrada. E Jeon pôde ver quando Jimin mordeu os lábios ao tentar abafar um gemido.

Era quase impossível para Park ignorar o calor do corpo forte, que lhe penetrava as vestes, a respiração que lhe soprava o pescoço cada vez que Jeon expirava e a latente pressão das coxas musculosas que se colava à parte posterior de suas pernas.

As palavras sujas de Jeon sempre lhe provocavam arrepios no baixo ventre. Park sentiu a solidez do sexo de Jungkook contra suas nádegas e deixou escapar o gemido que estava preso.

Jeon se posicionou em cima do amado, tocou-lhe o rosto com as mãos ágeis e leves, redescobrindo-lhe os traços com carícias suaves. Ergueu-lhe o queixo com o dedo, aproximou-se e beijou-lhe os lábios com delicadeza.

ㅡ Não quero mais brigar, amor... Eu sei que te magoei, mas você também me machucou quando me acusou de querer seu dinheiro. Me senti pior ainda quando duvidou do meu amor, pois significa que até hoje eu não consegui demonstrar o quanto eu amo você... ㅡ Jeon sussurrou enquanto beijava a face do amado.

ㅡ Eu também não quero mais brigar com você. Me desculpe por ter sido tão rude contigo. Eu fiquei muito magoado, mas essa experiência me fez refletir o quanto a minha vida é melhor com você ao meu lado. Eu te amo, meu amor!

Jimin abraçou o amado e começou a beijá-lo desesperadamente. O contato começou rápido e voraz, mas logo diminuíram o ritmo. Queriam saborear a boca um do outro sem pressa, como se tivessem todo o tempo do mundo para se amarem. Park enroscou os dedos nos fios negros e macios da nuca do marido, e este apertou ainda mais suas mãos em seu quadril.

Finalizaram o beijo quando o ar se fez necessário, encostaram suas testas uma na outra e ficaram distribuindo diversos selinhos enquanto sorriam.

ㅡ Eu te amo! ㅡ Se declararam ao mesmo tempo e voltaram a se beijar.

Jungkook se ajeitou na "cama" e trouxe Jimin para cima de peito, sentindo-se cansado demais para fazer amor. Ambos ansiavam por uma longa noite de sono e a gruta surpreendemente estava muito confortável.

Desejaram "boa noite" um para o outro e fecharam os olhos. Jungkook logo adormeceu e parecia tão calmo que Jimin começou a perder um pouco do medo e a preocupação de estar naquela ilha deserta.

Abrigado nos braços de Jeon, ele sentia-se seguro e protegido. Recostou a cabeça naquele peito forte e ficou ouvindo sua respiração tranquila até cair no sono.
















💜💜💜💜




Vcs acharam que iriam ficar todo mundo pelado nessa praia e rolar putaria 24/7, né? Só esqueceram que sou amante de cenas fofas e românticas.

Não vai ter lemon, pelo menos não nesse capítulo... 😈

Eu amei escrevê-lo, vocês gostaram de ler? Me contem...


Enfim, acho que é só isso por hoje. Bjos 💜

Deixem o votinho quando saírem.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...