1. Spirit Fanfics >
  2. Meu professor - Taekook >
  3. No hotel

História Meu professor - Taekook - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura!

Capítulo 4 - No hotel


Jungkook°•

Acordei com uma dor de cabeça horrível, em um quarto completamente desconhecido e estava nú...

- Aish!

Tentei se lembrar o que aconteceu Jungkook... Você bebeu além da conta, dançou com o cara de máscara, depois ele te levou a um hotel e vocês...

- Não! Impossível!

Me levantei rapidamente da cama e fui ao banheiro. Quando abri a porta vi que tinha alguém tomando banho, o box estava fechado, não consegui distinguir quem era pois o vidro estava embaçado.

- Quer se juntar a mim? – perguntou e eu engoli seco.

- Ah... Não! Eu só- por que estou gaguejando? Se recompõe! – Por que estamos aqui? – vi então fechar a água, e pegar a toalha. Quando saiu do box, tinha a toalha enrolada na cintura e a máscara.

- O quê, achou que deixaria ver o meu rosto? – perguntou com um sorriso nos lábios. Se aproximou de mim e levantou minimamente o meu queixo – Ficou chateado?

Por que não conseguia me afastar? O mesmo se aproximava cada vez mais do meu rosto, até colar nossos lábios. Sentia suas mãos em meu corpo e a cada toque queria mais, acabei deixando um gemido escapar entre o beijo quando apertou minha nádega, e o mesmo sorriu.

- Vir até aqui desse jeito, que maldade. Quer continuar na cama? – estava para me beijar novamente e foi então que me dei conta de que estava sem roupa.

Corri do banheiro e voltei para o quarto onde peguei os lençóis me cobrindo. Logo veio ele sacudindo os fios molhados e parou a minha frente.

- Por que estamos aqui? – perguntei e olhou confuso.

- O que as pessoas fazem em um hotel? – soou óbvio. Mas não podia ser, eu e ele não teríamos...

- O que você fez comigo?

- Nada demais. Nós bebemos, dançamos e depois disso você vomitou, se sujou todinho e logo apagou. Eu não sabia onde você morava então te trouxe para cá, tirei suas roupas e pedi para que lavassem elas... Inclusive a camareira já deve trazer.

- Só isso? – é isso que você diz? Eu passei vergonha com ele, isso sim!

- E queria mais? – riu soprado. – Eu não sou do tipo de cara que deita com os outros assim, tenho ética.

É mesmo? Então o que foi aquilo no banheiro? Por que ele me beijou, não. A pergunta certa seria por que eu deixei ele fazer aquilo?

- Ei! – me chamou fazendo com que eu saísse dos meus pensamentos – Está tudo bem? Eu juro que não fiz nada com você garoto.

- Para de me chamar assim! Eu não sou um garoto! – protestei. Aish! – Poderia me informar as horas?

- Já passam das 9.

- O quê? Estou fodido!

- Não é virgem?

- Sim! Não! Eu preciso ir embora, meus pais já devem estar em casa. Cadê as minhas roupas?

- Pedirei para traze-las. – e foi o que fez, usou o telefone e ligou para recepção – Já irão trazer, não se preocupe. – falou e se sentou na cama, me distanciei de si afinal não queria me aproximar muito, vai que ele muda de ideia e tenta alguma coisa.

- Obrigado.

- Olha, você sabe essa palavra. – como eu não saberia? – Eu não irei fazer nada, a menos que queira.

- Estou muito bem!

- Mas estou curioso, por que parece preocupado demais para chegar em casa?

- Por causa dos meus pais.

- E não era você o adulto?

- Tsc! Você não entenderia...

- Por que não tenta? – não sabia o porquê, mas sentia que podia contar a ele mesmo com essa situação toda.

- Meu pais estão para se divorciar, e com isso eles tem brigado muito ultimamente. Saí na intenção de me distrair um pouco, mas acabei passando dos limites... Quando eu voltar, provavelmente me encherão de perguntas e novamente irão brigar. Pode ser uma coisinha simples, usarão como desculpa para discutir e eu não quero ser esse motivo. – quando dei por mim, as lágrimas estavam rolando pelas minhas bochechas – Por que estou chorando? – funguei e logo senti a mão do outro sobre meu rosto, tentava enxugar as lágrimas e então olhei para si.

- Está tudo bem chorar, tudo bem colocar tudo para fora. Até nós adultos choramos, então não precisa bancar o durão todo momento. – estava me sentindo bem, acolhido por ele, e cada vez mais ficava curioso. Quem era? – Até que você é fofo, sabia?

- Como? – fofo? Ele me chamou de fofo? – Que cara gostaria de escutar isso de um homem? – afastei sua mão e ele riu.

- Então porque não me evitou quando te beijei ontem? E quase agora no banheiro –

- Cala boca! Eu sou hétero! Não gosto de relações homoafetivas.

- Claro, claro.

A camareira chegou com as minhas roupas e eu me aprecei para colocá-las, precisava sair dali o quanto antes. O mesmo também se vestiu.

- Eu te levo em casa, se está mesmo com pressa pelo menos de carro chegará mais rápido. – assenti, afinal ele tinha razão.

...

Quando cheguei em casa estava acontecendo exatamente o que eu esperava, meus pais estavam discutindo. Todo final de semana é assim, e se eu tentar intervir é ainda pior...

- Onde esteve? – perguntou minha mãe.

- Provavelmente devia estar se perdendo por aí, já que a mãe não soube cuidar do filho direito.

- Pai...

- Olha só quem fala, nunca esteve presente na vida dele direito e quer jogar a culpa 'pra cima de mim? Quem foi que deu a luz foi eu, mas a responsabilidade de cuidar dele não é só minha! – aumentou seu tom de voz, eu simplesmente passei pelos dois e fui correndo para o quarto, e eles ficaram na sala do mesmo jeito.

Me joguei na cama, e tentei ao máximo evitar de escutar os gritos o que como sempre nunca adiantava. Música no máximo, televisão no último volume...

- Estou cheio disso tudo.

De alguma forma acabei conseguindo dormir e pareciam ter parado. Provavelmente meu pai deve ter saído para beber. Mandei mensagem para Jimin, acabei esquecendo completamente de dizer como eu estava e onde eu estava, recebi várias ligações e mensagens do mesmo.

Apenas disse que fui embora pois estava me sentindo mal, não iria contar o que realmente aconteceu, nem o que estava acontecendo. Se tem uma coisa que mais me deixa chateado, é preocupar alguém.

- Jungkook – minha mãe entrou no quarto – Faça suas malas.

- Por quê?

- Eu irei deixar você na casa dos seus tios por um tempo. – era nítido pela sua voz que estava cansada e seus rosto estava inchado, sinal de que havia chorado.

- Mãe, me desculpa...

- Jungkook, me desculpa. Eu não estou fazendo isso por estar brava com você, eu só não quero que fique presenciando nossas brigas isso não faz bem a você. Será só por um tempo, pelo menos até eu e o seu pai nos resolvermos, tudo bem?

- Sim, eu entendo.


Notas Finais


Nada a declarar


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...