História Meu Querido Chefe - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Castiel
Tags Amor De Infancia, Amor Doce, Castiel, Fanfic
Visualizações 24
Palavras 1.542
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, babes! Como estão?
Eu estou ótima! Sério.
Eu fiz o que disse que ia fazer: procurei ajuda profissional e já estou bem melhor.
O tempo em que fiquei afastada não escrevi nada, pois não tinha ânimo, mas agora que já levei alta da psicóloga me sinto bem. Pronta para começar uma nova etapa da minha vida.
Sinto-me super motivada! E por falar nisso... Muitíssimo obrigada a cada um que me procurou e me mandou mensagens de apoio e carinho. Vocês são incríveis e eu adoro vocês. De verdade!
Como isso me ajudou.
Quase sempre eu me sentia incapaz de muitas coisas, inclusive de continuar essas duas fanfics de amor doce em meu perfil, mas cada mensagem de incentivo e solidariedade que deixaram, foi de grande ajuda. Percebi que existem pessoas que se importam com o que faço (talvez seja o que mais gosto de fazer), e isso me anima a querer escrever sem parar.
Estou cheia de ideias e esta história já está quase concluída no meu pc. Prontinha pra vocês.
Acho que uma das melhores coisas que me aconteceram nesse período em que estava mal foi ter começado as fanfics. Assumi um grande compromisso com todos e ainda adquiri admiradorxs do meu trabalho. Isso é muito gratificante! Agora que estou bem, devo muito disso à vocês, pois toda vez que me sentia muito mal e pensava em voltar a escrever mas não havia animo algum, eu sempre vinha nos comentários e lia cada mensagem carinhosa de vocês. Isso me animou bastante.
ENTON, como gratidão irei concluir essa fic. E qualquer outra coisa que eu iniciar em minha vida também!!!
Dito isto, boa leitura e aproveitem o capítulo pq lá vem emoção!

Capítulo 4 - "Fique um pouco mais"


Fanfic / Fanfiction Meu Querido Chefe - Capítulo 4 - "Fique um pouco mais"

Naquele momento em que o Lancaster se ofereceu para cuidar de Elena, a mesma teve um pressentimento de que tudo o que ele sentia por ela era pena. Mas mesmo assim agarrou-se aos braços do ruivo, na esperança de se sentir confortada. 

 

(...)

 

Elena estava debruçada na sacada de um dos milhares quartos da casa de Castiel. Ela fumava um cigarro enquanto observava o movimento da rua da cidade. 

- Não sabia que fumava. - comentou Cas se juntando a ela na sacada. 

- Há muita coisa sobre mim que você ainda não sabe, Castiel. As dificuldades da vida me forçaram a mudar. - ela o olhou de canto, tirou o cigarro da boca e completou: - Acredito que com você tenha acontecido o mesmo. 

- Talvez. - voltou seu olhar para ela - O que irá fazer daqui pra frente?

- Não sei ao certo. Acho que só continuar a viver mesmo, ou tentar. 

- Hum. Você quer ficar? - olhou-a fixamente. 

- Também não sei ao certo. Parte de mim diz que não é uma má ideia mas outra parte diz que provavelmente irei me magoar novamente. 

- Magoar?

- Sim, provavelmente. - encarou-o. 

Elena entrou para o quarto que na verdade era uma suíte, e caminhou até o banheiro. Lá, encheu a banheira com água quente e se despiu. 

- Tudo que preciso é de um bom banho quente! - disse à si mesma. 

Castiel ainda estava na sacada observando o grande movimento da cidade enquanto pensava. Ele se perguntava com o que Elena quis dizer com "Provavelmente irá se magoar". Embora aquilo fugisse um pouco de sua compreensão por imediato, deu de ombros indo para sala de estar.

Ao sair de onde estava, precisou passar em frente a porta do banheiro que estava entre a aberta. Ele viu Elena encolhida na banheira chorando desesperadamente, parecia uma criança longe da mãe. 

Seu instinto protetor dizia que ele deveria entrar lá e ver o que estava acontecendo exatamente, mas logo depois mudou de ideia ao pensar que a relação de ambos estava um tanto quanto conturbada. 

Mas ele queria! Como Queria.

Castiel sai do quarto de Elena e entra no seu. Corre os olhos por todo o ambiente, e avista seu celular em cima da cômoda. 

Seu quarto tinha paredes acinzentadas que combinavam com as cortinas de cor vinho que estavam penduras em sua larga porta de vidro fumê que também servia como janelas. Ele abriu a porta e deixou apenas que as cortinas preservassem sua privacidade. Um pouco da luz da rua invadia seu quarto, trazendo singela claridade ao ambiente. 

Naquele instante seu celular vibra, era uma mensagem de Nathaniel. 

"E aí, cara? Ficou sabendo do que rolou com o pai da Elena? Eu sei que as coisas entre vocês dois terminaram tragicamente, mas já tá na hora de um perdoar o outro e seguir em frente. Ela precisa de amigos, e você querendo ou não isso inclui você. Fala com ela, ok?"

Três Anos Atrás...

(03/08/2015)

Castiel e Elena era amigos íntimos por um tempo de suas juventudes, mas com o tempo tudo isso mudou. Após sofrerem um acidente de carro que custou a vida de Lydia, tornou tudo tão difícil entre os dois. 

Na época, Elena era extremamente apaixonada por Castiel mas ele namorava Lydia, amiga de ambos. 

Numa noite em que Castiel havia sido expulso de casa por seu pai - tudo porque ele havia feito tatuagens e largado a faculdade -, ele foi até a casa de Elena, pois Lydia havia saído naquele final de semana com sua família.

Ao chegar lá tomado por emoções intensas, principalmente sentimentos de raiva sobre seu pai, Castiel desabafou com Elena que, o aconselhou sobre o que fazer no dia seguinte. 

Tudo poderia ter sido diferente, mas eles estavam tomados por sentimentos de prazer. Acabaram transando. 

Através dos pais de Castiel, que por sinal estavam muito irritados com ele, Lydia ficou sabendo do acontecido. E isso foi seu fim. 

Coberta de angústia e raiva ela foi atrás de Elena e Castiel. Naquele momento, Cas tentou se explicar mas Elena acabou se entregando ao chorar desesperadamente. 

- Não espera isso do meu namorado e da minha melhor amiga. - comentou Lydia  coberta de raiva. 

- Eu sinto muito, Lydia. - Elena falava entre soluços. 

- Os dois... - deu uma breve pausa para respirar - Me esqueçam!

Depois disso ela saiu sem dizer mais nada. Então a seguiram. Foi quando ela entrou em seu carro, após isso entraram também. Castiel no carona da frente ao lado de Lydia, e Elena foi no banco de trás. 

- Ainda temos que conversar, Lydia! - disse Castiel. 

- NÃO TEMOS NADA PARA CONVERSAR! - gritou ela, em seguida, ligou o carro - Saiam! 

- Não vamos sair até você se acalmar e conversar com a gente - ele tentava convencê-la, mas Elena ia saindo achando que essa era a coisa certa a se fazer - Elena, fica!

- Mas... 

- Fica. - Castiel tornou a repetir. 

- Ok, falem logo. Se expliquem então! - Lydia disse entre os dentes. Estava com tanta raiva. Sua pele morena, dificilmente ficava avermelhada mas dessa vez estava. 

- Dê partida, vamos dar uma volta. - sugeriu Castiel com a voz branda. 

Lyd foi seguindo com o carro pela rua como quem estivesse sem rumo, enquanto o Lancaster tentava se explicar. 

- Então você está me dizendo que foi um momento de fraqueza e acha que vai ficar tudo bem? Você é nojento, Castiel! Eu gostava de você, ainda te amo, mas agora só consigo sentir desprezo e nojo de ti. - lágrimas involuntárias escorriam pelo rosto de Lydia enquanto ela chorava. 

- Calma! Você entendeu errado, Lyd. - ele fez uma cara de aflição naquele momento. 
Então explique! E, Elena, pare de chorar! Fale alguma coisa também. 

- Eu não tenho o que dizer, apenas que estou tão desapontada comigo mesma tanto quanto você está. - Elena abaixou a cabeça. 

- Então, Elena e eu nunca tivemos a intenção de lhe machucar mas... - Castiel tentava se explicar e  Lydia o interrompeu. 

- MAS MACHUCARAM! - grito e bateu as mãos no volante. 

Ela parou o carro numa via ferroviária, pois estava estressada demais para continuar dirigindo. A chave ainda estava na ignição com o carro ligado. 

- Eu sei, eu sinto muito. Nós tínhamos dado um tempo, você não estava perto... Eu me senti sozinho, meus pais não me entendem e acho que nem vo... - ela o interrompeu novamente. 

- Nem eu, né?! Era isso que você ia dizer, certo?! - aquilo saiu de sua boca como um suspiro de decepção. 

- Sim... Isso... Sinto muito. - ele abaixou a cabeça. 

- Ok, e todas aquelas nossas conversas? E nossos planos de nos casarmos daqui dois anos? 

- Eu nem sei se ainda quero isso. - falou baixo mas deu para Lydia e Elena ouvirem em bom som. 

- Então o que você quer de fato, Castiel? Me fala logo! Você não pode ser um atraso na minha vida e nem eu na sua. Isso não é certo e nem justo pra ninguém. 

- Eu não sei, Lydia. 

- Você me ama?

- Eu... 

- Você não sabe também? - Lydia chorava. 

- Não, não sei. Sinto muito!

- PARA DE DIZER QUE SENTE MUITO! SE REALMENTE SENTISSE NÃO TERIA MENTIDO PARA MIM DURANTE ESSES CINCO ANOS QUE ESTIVEMOS JUNTOS DIZENDO QUE ME AMAVA. E NEM TERIA ME TRAÍDO COM MINHA MELHOR AMIGA. VOCÊ É CANALHA, CASTIEL LANCASTER! - batia em seu peito. 

Lydia deu partida no carro e seguiu caminho, enquanto seu carro passava pelos trilhos de trem ela percebeu uma luz forte contra seus olhos, uma buzina de trem e o mesmo vinha em cima dela. Era um trem de carga, que arremessou seu carro para longe dos trilhos. O carro capotou, e lado do motoristas - onde Lydia estava - foi onde ficou mais danificado. Castiel e Elena estava do lado oposto, mas também tiveram consequências da mesma forma. 

Lydia morreu na hora, e no meio dos destroços Castiel ficou com sua perna presa. 

- Ela está morta! - exclamou Elena super assustada. 

- Mas que droga! - Castiel também parecia assustado. 

A gasolina começou a vazar naquele instante e o desespero dos dois para saírem dali aumentou. Elena ajudou Castiel a sair das ferragens e logo após aproximadamente dez segundos o carro explodiu. 

Eles estavam devastados com o ocorrido. Castiel não tinha reação e Elena só sabia chorar e dizer "Nós a matamos!". 

Depois daquele dia a vida de ambos não foi mais a mesma. 

Atualmente...

(03:03 a.m)

- Lyd, olha o trem! Vamos bater!!! - gritou Castiel enquanto dormia. 

Ele acordou no susto em plena madrugada com Elena o abraçando. 

- Está tudo bem, Cas. Já passou!

- Não me deixe, Elena, por favor! - a abraçou forte. 

Sua respiração estava acelerada é seu coração havia disparado. Ele parecia suado, atordoado e ofegante. 

Ele a olhou com os olhos marejados, como quem estivesse perdido dentro de si mesmo, e disse:

- Por favor, não suma dessa vez! Elena, fica... por favor! Eu preciso de uvocê. - abraçou-a novamente. 

Ela ficou supresa e ao mesmo tempo espantada com tudo aquilo. 

 

Continua...


Notas Finais


Obrigada por lerem e continuarem por aqui. Se é novx aqui, comenta e favorita! Bye.
~Kissus.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...