História Minhas Férias Em Reverse Falls - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Gravity Falls
Personagens Bill Cipher, Dipper Pines, Gideon Gleeful, Mabel Pines, Pacifica Northwest, Personagens Originais, Stanley "Stan" Pines
Tags Dipcifica, Minhas Férias De Verão
Visualizações 68
Palavras 2.600
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Literatura Feminina, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi gente eu voltei! E tenho umas surpresas para vcs! Vou falar eles na notas finais!
Boa leitura.

Capítulo 4 - Em Busca Da Fera - Parte 1


         *Pov Dipper*




Acordamos era umas duas da manhã. Na vida real Pacifica acordou, eu não dormir. Estive a noite toda estudando.

O que Stan falou é bem preocupante... Magias das trevas é coisa complicada, e o curioso é que o bebê do tempo não sabe disso. Esta mais preocupado com Mewni do aqui, ridículo.

Pesquiso em alguns livros um jeito de falar com A Fera. É bem complicado falar com o mesmo, tipo é quase impossível. A Fera não gosta de ser incomodada, ou não gosta de ser vista.

Eu ligo algumas vezes para Stan. Ele disse que estaria estudando sobre isso, falou que deu um revisada em algumas cartas e diários de viagem de nossos antepassados. É bem provável que ache algum, é melhor irmos logo. Senão nosso rival irá passar a perna na gente.

Ao mesmo tempo que pesquiso, eu formulo teorias. Não é Violeta, já que a mesma esta presa e não tem como ela sair de lá. Não é Bill, ele está vivendo outro tipo de vida. Isso por causa do amor. Ford morreu há um ano, ela não voltará mais.

Eu realmente não tenho nenhuma ideia. Sério, nenhuma pista. Quem seria capaz de fazer de tudo por poder? Não é nos Gleefus, talvez seja alguém trabalhando nas sombras... Uma pessoa que menos suspeitamos...

- Tudo bem mauricinho? - Gestiona uma loira já pronta. Ela usava uma calça dens azul rasgada, uma jaqueta de cor verde e por baixo uma camisa branca - A jaqueta batia nas suas coxas - E tênis vermelho all star, os cabelos estava presos em um coque literalmente mal feito.

Linda como sempre.

- Tudo bem loirinha - Digo relaxando as têmporas. Paci rir e veio até mim, toca meu ombro.

- Eu sei que está nervoso com tudo isso. Mas calma, vai dar tudo certo - Disse ela, seguro sua mão e sorrir.

- Você tem razão. Vamos? - Ela soltar uma risada e andou até uma mochila que estava jogada no canto.

- Acho melhor você vestir algum mauricinho. Ou vai até lá sem camisa? - Dou uma risada maliciosa e ando até ela. A puxo e colo meu corpo no seu.

- Você se incomodar em me ver sem camisa? Não sabia que era tão sexy - Digo mordendo meus lábios. Ela corou e virou o rosto pro lado.

- Você fica fofa assim... - Sorri, me lembro de quando ela era mais nova. De seus sorrisos alegres, era tudo tão diferente... Eu era um mimado egoísta e orgulhoso. Eu sempre a amei, não admitia. Hoje em dia, eu sou louco por ela. Pacifica é minha vida, e o ar que respiro.

Ela é tudo para mim.

- Não diga isso... - Falou ela. Me desperto de meus pensamentos. Deixo um sorriso surgir e a beijo com calma. Um beijo calmo e rápido.

- Eu já vou me arrumando. Te encontro lá me baixo - Digo suave. Ela riu e me deu um selinho, se afasta de mim e pega sua mochila e desceu as escadas.

Dou um suspiro apaixonado. O amor é lindo...

Visto uma calça preta e uma jaqueta moletom azul - Pra quem não sabe, faz muito frio de madrugada - E por baixo uma camisa amarela, e coloco catunos também pretos.

Pego minhas coisas e saio.

Pacifica estava na área. Assim me ver se levanta do sofá, sorrir para ela e seguro sua mão.

- Pronto para a aventura? - Gestiona. Eu lhe roubo um selinho e fito seus belos olhos azuis.

- Mas que pronto! - Afirmo. Trocamos uma risada e fomos até o caro. Colocamos nossas coisas e se acomodamos no mesmo, e dou a partida.

O carro arranca e saímos.




(...)




O dia amanhece, o céu que era pintando de azul escuro ficou em tons alaranjados e azulados. Uma cena linda de ser ver, ainda mais para mim que não sai muito de casa.

Pacifica fitava tudo admirada. Seus cabelos loiros ficavam mais dourados, seus olhos azuis estavam mais chamativos. Seu olhar perdido na janela era a coisa mais linda que já vi.

Com cuidado seguro sua mão. Pelo canto do olho vejo seu sorriso, eu amava esse sorriso. E também sei que está pensando em algum, ou melhor na solução de algum problema. Mas... Ela fica sexy assim, amo seus lado inteligente.

 - Por que tanto me olhas? - Gestiona com os olhos ainda na janela. Sorrir e aperto sua mão com força.

- Não tenho culpa se minha namorada é bonita - Digo com um sorriso de lado. Escuto uma risada vinda da loira, e depois um suspiro distante.

- Sabe Dipper... Minha mente está a mil por hora. Eu estou pensando em como achar a pessoa que está causando tudo isso... - Por um momento eu fecho os olhos e respiro fundo. Dês de quando eu virei o mocinho da história? Agora eu estou procurando a pessoa que fez isso.

Mas, eu tenho uma teoria de como acha-la.

- Acho melhor ficamos de olho nos jornais. Sacrifícios são bem úteis, então a polícia vai notifica sobre isso... Mas não notificou. Dipper aconteceu um sacrifício de sangue, certo? Mataram duas pessoas não é? Então porque a polícia não notificou ainda? - Ela está certa... Não só ficamos sabendo disso quando Stan falou para nos.

Fito a estrada a frente. Estávamos chegando em Pottesfiled. Mas o que a loira disse não me saía da cabeça.

- Pacifica você está certa. A polícia não notificou nos jornais, será que a pessoa...

- Trabalha no governo. Porque quem teria tenta influência? Ao ponto de calar até a boca da polícia? Isso me soa estranho... Muito estranho não acha? - Pacifica me explicou. Isso faz todo o sentido, e eu procurando símbolos ou algum do tipo. Mas era tão óbvio...

É isso que eu gosto de Pacifica. Ela é esperta, muito esperta. Até mesmo quando eu achava que ela era uma caipira qualquer, ela já sabia de muitas coisas.

Por isso eu a amo tanto.

- Tem toda razão loirinha. Agora temos uma pista de quem é... Vou fazer uma investigação no governo. - Afirmo. Ela sorrir e olha a frente.

- Bem, por hora vamos procurá A Fera. Talvez ele nos dê o livro e alguma dica sobre essa nova onda de magia negra.

- Tem razão... Bem, chegamos - Digo e chegamos na cidade.

Pra resumir as coisas. Pottesfiled é uma cidade pequena mais porém muito bonita. Lá sempre faz frio, e tem os maiores níveis de magia das trevas. E também lendas sobre o lugar, sua floresta é imensa. Parecida com a de Reverse Falls, mas não se engane. Ela é mais cruel, não se sabe o que vive lá, não se sabe o que a lá.

Os que já foram lá quase nunca retornam. Bem, é uma floresta legal e interessante. Quando você volta vivo.

Estaciono o carro. Pegamos nossas coisas e resolvemos tomar café em alguma lanchonete.

Eu fui fazer o pedido e Pacifica foi busca informações sobre a floresta. Isso é bem útil, já que vamos para lá.

- Eu quero um prato com panquecas, suco de laranja, misto quente e um copo de café - Peço e a mulher anota tudo. Ela era alta e usava aparelho e óculos redondos, era um pouco esquisita. Seus cabelos eram negros e estavam preso em uma traça mal feita.

Ela saiu e avisto Tivô Stan e Fred, o gnomo. Sorri para eles e aceno, eles caminham até mim.

- Olá Dipp - Stan me cumprimentou e puxou uma cadeira para se sentar.

- Olá garoto humano - Disse Fred se sentando também. Aceno para os dois e sorrir de lado.

- Como vão? - Gestiono. Stan solta um suspiro cansado e Frend fitou a lanchonete.

- Vamos indo. Eu chamei Fred, ele entende de floresta e também de algumas magias da natureza - Assentir e avisto Pacifica, sorrir para ela e aponto para a cadeira. Ela caminha até nos.

- Olá meninos! Como estão? - Respondemos "Tudo bem" Em uníssono. Ela puxa uma cadeira e se senta apoiando as mãos no queixo.

- Fred vai nos ajudar na busca? - Pergunta. Stan assente e pega um guardanapo e fez um barquinho de papel.

- Ele vai nos ajudar. Ele sabe de alguns coisas sobre floresta, e também algumas magias simples. Fred vai ser de grande ajuda - Respondeu meu tio terminando seu barquinho.

Meus pedidos chegam. A garçonete fita Stan e Fred, ela dar nos ombros.

- O que vai querer senhor? - Stan fita o cardápio. Seu olhar estava concentrado, afinal, havia várias opções.

- Uma torta de pêssego e uma xícara de chocolate quente - A moça anota tudo e fitou Fred. Coisa que achei estranho, já que a mesma era uma humana que sabe muito sobre o mundo da magia.

    Mas ela já deve ter visto um gnomo.

  - Eu vou querer um bolo de cenoura com cobertura de chocolate - Respondeu Fred, me desperto dos meus pensamentos.

Começo a comer meu misto quente. E Pacifica leva várias gafasdas até sua boca, e também saboreava seu suco.

A garçonete entrega os pedidos de Stan e Fred. Assim comemos em silêncio por um longo minuto.

- Sabe... Eu e Stan achamos um mapa. Talvez ajude na procura - Disse Fred quebrando o silêncio. Termino de comer meu misto. O gnomo puxa um mapa e me entrega, pego o mesmo e abro.

Era um mapa antigo. Era do ano de 1746, e foi escrito por Gregory Jackson. Era um mapa que mostrava toda a floresta, isso pode ser bem útil. Mas não sei... Esse floresta é estranha.

- É isso é ótimo. Eu e Pacifica conversamos sobre quem é a pessoa por trás disso - Falo baixo. Afinal, meus amigos, as paredes tem ouvidos e também essa pessoa pode ter espiões por todos os lados.

Contei tudo para Stan. Dês das teorias e também algumas possíveis soluções, também falei sobre o que Pacifica falou. E algumas vezes a loira também falava suas ideias.

Assim que terminei de contar tudo, Stan coçou o queixo e passou as mãos nos cabelos. Logo em seguida ele apoia o cotovelo na mesa.

- Vocês tem razão, isso faz muito sentido. Ainda mais agora, ouvir dizer que mudaram os polícias e os chefes de polícia. Isso leva crê que eles também estão envolvidos nisso, quando voltamos para Reverse Falls veremos isso melhor - Ditou Stan. Pacifica termina suas panquecas nos fitou sorridente.

- Mudando de assunto... Eu estive pesquisando... Há uma lenda na cidade e descobrir que Pottsfield é mais velha do imaginamos. Essa cidade foi fundada em 1626 por imigrantes Franceses e Ingleses. Dês de sua fundação há uma lenda, A lenda da Fera - Apoio minha mão no queixo. Interessante... Não sou muito de acreditar em lendas... Mas é bem útil, as vezes a mentira é a verdadeira verdade.

A loira fita seu colar e prosseguiu.

- Há muito tempo havia um bruxo, um bruxo muito. Ele tinha o poder de controlar a natureza e o tempo, mas esse bruxo era cruel e egoísta, ele queria o poder da morte em suas mãos. Um dia ele fez um ritual e invocou todos os seres das trevas, com isso ele virou A Fera. Seu poder era tão grande que ele dizimava cidades, ninguém poderia parar seu poder - A loira explica para nos. Começo a analisar essa lenda, vários rituais me vem a mente. Mas nenhum com o poder da morte, a não se que...

Ele fez um pacto com um demônio.

- Mas, uma grande deusa lhe jogou uma maldição. Ele não iria sair da floresta, a floresta seria sua casa para sempre. Sua aparecia ficaria repugnante, e não iria mais perturbar ninguém. O bruxo ficou com ódio da feiticeira e disse que ela não iria vencer. Então ele se matou, mas o poder foi passado pra outra pessoa e depois pra outra e mais outra. Cada um ficando com essa maldição, bem essas pessoas ficaram conhecidas como Feras. E até hoje há pessoas que afirmam ter visto o monstro - Concluiu a loira. Fico impressionado com a história, se bem que isso só pode ser lenda.

- Eu amo essa história! - Comentou a garconete com aparelho. Fito a mesma, ela parecia sorridente. Talvez ela possa ajudar.

- Me desculpa por me entrometer na conversa de vocês... Mas vocês querem saber sobre A Fera? Sabe é uma das lendas locais mais famosas daqui... - Salta uma risada divertida. Isso me soa estranha, mas... Talvez ela nos ajude.

- Bem, você pode nos falar mais sobre A Fera? Sabe, somos turistas...E estamos curiosos sobre o monstro da floresta! Tem alguma coisa para invoca-lo? Ou para faze-lo parecer? - Pacifica questiona. Boa garota, além de busca informações, disfarçou muito bem. Isso é tão atraente... Tão sexy...

Loirinha... Quando chegamos em casa... Eu vou te foder com força e você vai passar duas semanas sem andar.

 - Bem... Sou formada em turismo e história aqui mesmo na cidade. A propósito que colar lindo! Ele parece ser mágico! Mas... Aprenda a usa-lo e também carregar café! Que tarefa difícil! - Tagalerou rindo. Reviro meus olhos e respiro fundo. Não estou afim de conversar...

- Obrigada pelo elogio... Mas voltando, acho que não fomos apresentadas. Meu nome é Pacifica e o seu? - Pergunta Pacifica. Ela se levanta e estende a mão, a garçonete aperta a mesma e sorrir.

- Estamos em Pottsfield não é? Que doideira minha! Eu me chamo... hum... Andressa, mas você pode me chamar de Andy! Não é genial! - Bateu palmas. Ok, isso está virando piada. Não estou afim de rir ou de conversar sobre futilidades. Tenho uma missão a cumprir.

- Mas respondendo sua pergunta... Sim eu sei sobre a lenda assim como você. Lá fora na escuridão, procurando os de longe de casa estão. Para não deixar voltar! Hum hum! Cuidado não vá! Hum hum A Fera está lá! Bem, A Fera não pode ser invocada. Dizem, que você deve atrai-la. Uma alma cheia de luz e outra cheia de trevas é um banquete perfeito! E também seguir certos pássaros azuis é bom... - Tagalerou essas palavras. Presto atenção, isso pode ser bem útil... Uma alma alegre e outra triste... Talvez A Fera ache isso estranho e peculiar. Uma boa isca, ele poderá vir até nos.

Não é que Andy é bem útil.

Andy - Ou Andressa se preferi - Balançou as mãos do ar, solta uma risada e arruma seu avental.

- Acho que também chama-lá é bom... Mas tenha cuidado! O desconhecido é cheio de armadilhas! Ganhe a confiam da Fera para poderem sair de lá! Mas fora isso... É um bom passeio! - Faz uma referência. Pacifica segura sua mão e abraça a mesma. Me levanto junto com Stan e Fred.

- Muito obrigado Andy. Tenho certeza que vou fazer um bom passeio! - Disse a loira dando seu melhor sorriso. A de cabelos negros riu e tocou no colar e fitou o mesmo.

- Algum de bom vai acontecer com vocês e também o que desejam alcança vão conseguir. Não confiem em ninguém. A realidade é uma ilusão, o universo um holograma. Compre ouro, tchau! - Disse ela. Nesse momento ela saiu andando e se perdeu de vista.

Pacifica riu um pouco e pegou sua mochila e fitou a floresta.

- Ela nos ajudou muito. Agora só falta achar A Fera - Chego perto da mesma e seguro sua mão. Trocamos olhares e depois fitamos a floresta.

   - Tomara que A Fera goste de visitas.


Notas Finais


Bem, vcs se lembram da Rosa? Se lembram q Rosa cuidou de outras garotas antes de Pacifica? Vcs sabiam q fiz uma história com uma dessas garotas? Que talvez eu poste ela hoje?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...