1. Spirit Fanfics >
  2. Mudança Drástica >
  3. Capitulo 3

História Mudança Drástica - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Olá bebês da Miih

Espero que gostem

Boa leitura

Capítulo 3 - Capitulo 3


MALIA ANDREWS

Minha segunda feira já começou corrida, acordei às quatro enjoada mas graças a Deus não coloquei as tripas pra fora

Tomei meu tradicional café da manhã enquanto respondi e-mails, anotei pedidos na agenda, imprimi outros

Tomei um banho me arrumando adequadamente como uma boa empresária, mas fiquei sabendo o dia agitado decidi usar tênis e a calça grande cobre então não faz muito diferença

No elevador encontrei alguns vizinhos e disse muitos bom dia que chega da câimbra no maxilar, todos me conhecem pois sabem que comprei os dois apartamentos cobertura e reformei fazendo um só

No estacionamento cada um foi pra sua vaga, entrei no meu carro enfrentando a pequena fila para sair da garagem, então liguei o som e coloquei meu fone pois sempre recebo ligações no trânsito

Passei no Starbucks pegando um capuccino chocolate, Donuts e não demorei chegar na empresa, digamos que meu prédio não é tão pequeno

Consiste em Treze andares, a empresa é dividida entre os desenhistas, planejadores, mestres de obra, atendentes, estagiários e outros arquitetos que trabalham comigo

Cada arquiteto tem sua equipe e cada um fica com um andar como se fosse seu próprio escritório pessoal, não sou gananciosa de fazerem usar o nome da empresa para atendimentos.... Jamais, deixo que usem seus nomes e digam que fazem parte da empresa "M.A - Architecture & Urbanism", nos projetos tem o nome de cada um deles e só assino como dona da empresa

Pois mesmo sendo arquitetos profissionais ou iniciantes, estão usando o nome da minha empresa então os projetos só saem após passaram por uma análise minha e uma autorização registrada em cartório minha

Também temos um andar de advocacia, temos um andar de alimentação onde tem cafeteira, restaurante, uma pequena confeitaria e outro com lojinhas de itens decorativos para casa ou escritórios

Meu escritório fica no décimo terceiro andar, juntamento com minha sala de planejamento, sala de reunião geral e a sala de Lily pois acho injusto deixar os secretários com um pequeno guichê para chamarem de local de trabalho

Quando comprei o prédio ao visitar cada andar já fui planejando tudo e juntamento com Simon que estudou comigo e cresceu comigo nesse ramo, ele decidiu que não era pra ele ser dono de uma empresa então aceitou trabalhar comigo sendo meu braço direito desde o início... Juntos organizamos o prédio e cada espaço foi planejado com amor, carinho e conforto para que iria trabalhar conosco

Fizemos também vestiário para os inúmeros funcionários que trabalha nos doze andares acima da recepção, digamos que estamos numa escala milionária apenas com o prédio em que trabalhamos e projetamos

Somos reconhecidos e isso nos deixa muito feliz, afinal são dois arquitetos negros no top do ranking

-Bom dia pessoal - cumprimentei os seguranças e as recepcionista do saguão
-Bom dia Senhorita Andrews - sorriram
-Boa semana pra todos - acenei - Vamos trabalhar pessoal

Entrei no elevador a tempo de ouvir para segurar, então esperei o dono da voz surgir e lá está meu querido amigo Simon

-Bom dia Girassol - dei risada do seu apelido
-Bom dia Gigante - ele deu risada - Animado em
-Meu final de semana foi perfeito - arqueei a sobrancelha - Não queira detalhes sórdidos
-Quê? Eu? Longe de mim
-E você como foi o final de semana?
-Até que bom - sorri - Acho que consegui
-Não brinca Lia - neguei emocionada e ele mediu minha barriga logo me puxando pro abraço - Parabéns amiga
-Ai Simon - funguei manhosa - Estou muito sensível nós últimos dias
-Relaxa é só o começo - deu risada - Ester quando ficou grávida nossa - riu alto - Era só olhar pra ela que chorava durante horas
-Jura?
-Sim, ela ficava dizendo que está parecendo uma porca gorda, que estava feia, que eu tinha pedido o tesão nela, que eu a trocaria por uma novinha gostosona - revirou os olhos - Imagina se eu deixaria minha preta gostosa por qualquer uma? - negou - Ela chegava me ofender com as insinuações dela
-Você gostou dela grávida?
-Ela ficou perfeita, mais sexy claro e minha amiga - suspirou colocando a mão no peito - Tinha um fogo que coitado do Jubileu aqui, sofria com cada sentada, quicada e rebolada
-Jubileu? - gargalhei - Você colocou o nome do seu pênis de Jubileu?
-O que? É um jeito carinhoso de falar dele sem as pessoas se ofenderem por ouvir Rola, pênis, pinto, cacete, órgão genital - deu de ombros - Você entendeu
-Meu Deus você é demais - ele concordou e franzi o cenho - Já passamos do seu andar
-Eu sei, quero aproveitar o que tem nessa sacola aí
-Ain não Grandão - abracei a sacola de Donuts - São meus
-Egoista - fingiu se ofender - Sempre te alimento seu dragão sem fundos
-Como por dois agora - fiz um bico - Eu acho
-Não fez teste ou exames ainda?
-Vou fazer ultrassom hoje pois os sintomas eu tenho todos
-Entendi - ele me abraçou pela cintura - Que tal eu te mimar hoje huuum
-Não vou te dar meus Donuts
-Credo - mostrou a língua - Você vai ter que lidar com a senhora Meléndez
-Eu sei - o elevador abriu e me assustei por Connor estar na porta - Merda
-Ah bom dia - sorriu mas logo fechou a cara - Bom dia
-Nos vemos outra hora gatinha - beijou minha bochecha e notei um Donuts em sua mão
-Ei seu rato - ele acenou a tempo de fechar as portas - Idiota era meu Donuts
-Malia graças a Deus - Lily ofegante surgiu - Eu odeio aquela mulher
-Quem? - ela começou retirar minhas coisas da minha mão - Lily?
-Senhora Meléndez
-Ah - suspirei - Ela já está aí? Nem são oito horas ainda
-Eu tentei avisar pra ela que você começava atender às nove mais ela bateu o pé que não sai daqui
-Liga pro Simon e pede pra ele voltar pra cá quero ouvir os dois lados da história
-Sim senhora - vi pela parede de vidro os sapatos de salto vermelho batendo no chão - Vai com ela - me virei vendo ela entregar minha coisas pro Connor
-Bom dia Senhora Meléndez - ela virou surpresa - Sou Malia Andrews, fiquei sabendo que solicitou a mudança do arquiteto
-Você é a Malia?
-Exatamente - me sentei ligando meu computador e o copo foi colocado na minha mesa juntamente com o saco de Donuts - Aguarde um minuto que vou acessar seu projeto no sistema
-Claro - empinou o nariz - Ele vai ficar Aqui?
-Algum problema?
-Gostaria de privacidade
-Então a senhora pode sair e aguardar seu horário marcado - olhei ela - Pois ele está no horário dele - falei vendo no tablet a agenda compartilhada com Lily "Conversa com bonitão Connor"

Dei risada pelo tema da reserva e foquei no computador, digitei minha senha, acessei o sistema e pedi pra imprimir na da sala de planejamento já que sairia a planta inteira dela

-E o que a senhora decidiu?
-Senhor poderia ser cavalheiro em me deixar passar na frente? - ele olhou o relógio
-Sinto muito senhora mas eu preciso estar as nove no tribunal para uma audiência importante - ele sorriu e ela bufou pegando a bolsa
-Não existe mais cavalheirismo nesses tempos

Escutei os saltos bateram pra fora da minha sala e a porta se fechar, levantei a cabeça vendo ele se aproximar sentando na minha frente

-Bom... Não sei o falar - começou - Na verdade eu tenho que te pedir desculpa pelas palavras da Pâmela contra você e o bebê
-Você não precisa de desculpa pelos atos de outra pessoa - dei de ombros - E nada que ela falou me atingiu tanto, confesso que fiquei assustada e com medo de você concordar com ela e me fazerem abortar o bebê caso eu realmente estiver grávida
-Quê? Não, me ofende você dizer isso
-Eu não te conheço, não sei da sua índole - dei de ombros - Então como iremos fazer? Não irei abrir mão do meu bebê
-Não precisa abrir mão, também não pretendo lutar na justiça - arqueei a sobrancelha - Só te peço para não me impedir de acompanhar nosso bebê
-O que quer dizer com isso?
-Quero estar presente nos exames, no nascimento, na criação e quando ele tiver idade o suficiente quero poder ficar com ele ou ela aos finais de semana
-Jamais impediria você ficar próximo - ele concordou - Mas não quero meu bebê perto da desequilibrada da sua Noiva
-Ex-Noiva - foquei no meu teclado - Ela se demonstrou uma bela racista, mesquinha e aproveitadora - engoli seco - Não quero uma pessoa assim no meu futuro, fico feliz que ela tenha se mostrado assim antes de nos casarmos
-Eu sinto muito
-Não sinta - sorriu - Ela estava me irritando muito com esse negócio de barriga de aluguel por não querer estragar o corpo - deu uma risada triste - Agora descobri que é porque ela não queria gerar uma criança com sangue negro - mordi o lábio - Vou superar - deu de ombros - Ainda tenho muito que viver se pensar por esse lado
-Então - suspirei - Sou Malia Andrews, tenho trinta e seis anos, sou arquiteta - ele sorriu de canto mordendo o lábio - E então? Se apresente
-Connor Reeves, tenho vinte e cinco anos quase vinte e seis, sou advogado - apertou minha mão - Você é solteira Malia?
-Sou - ele concordou - Pelo que me contou está solteiro também
-Sim, eu estou - ficamos numa troca de olhar até ele desviar suspirando - Quando vai ser sua primeira ultrassom?
-Hoje às duas - ele rapidamente pegou um tablet mexendo - O que está fazendo?
-Conferindo minha agenda - fez uma careta - Droga, tenho uma audiência
-Se quiser eu posso mudar o horário - ele me olhou
-Faria isso?
-Acredito que você quer esse bebê tanto quanto eu certo?
-Sim, eu quero muito - sorriu largo - Eu sempre desejei ser pai cedo, por isso aceitei as condições da minha ex Noiva - abaixou a cabeça - A ideia não me agradava tanto mas eu queria um filho - deu de ombros - Acabei aceitando por querer sempre agradar ela sabe
-Uhum - ele voltou olhar pela janela
-Acho que eu mimei e dei muita esperança sabe - fez uma pausa - Ela sempre demonstrou pensar mais nela mesma, grande maioria da nossas brigas ela sempre colocava a culpa em mim, fazia de tudo pra me deixar pensando que sem ela eu não seria nada
-Você vivia uma relacionamento abusivo Connor - fui sincera - Da mesma forma que existem homens abusivos, existem mulheres - fiz uma careta - Na verdade existem pessoas abusivas independente do gênero que ela tenha - ele concordou - Então não se culpe, você aguentou até onde deu, talvez um casamento daria mais poder para ela te fazer sofrer e viver amargurado por sua escolha, aí seria daquelas malucas que não dão o divórcio até ser ordenada por um juiz para assinar
-Eu também acho - ele suspirou - Acho que me acomodei com ela entende, a conheci na igreja onde meus pais frequenta, ela era aquela garota meiga e perfeitinha demais, logo no início do namoro ela se mostrou territorialista, exigiu aliança, demonstrações em redes sociais, minhas senhas das redes sociais, mudou pro meu apartamento em um ano e meio de namoro, tinha ciúmes até mesmo da minha sombra, cismou com Marcus e Lily, aparecia no escritório se eu não atendesse o celular quando ela ligava - arregalei os olhos - Então eu sempre tinha que demonstrar, dizer que amava mesmo não sentindo mais
-Você não a amava?
-Digamos que deixei de amar tem alguns meses
-E porque iria se casar?
-Porquê eu ainda considerava ela, por ela me amar não gostaria de quebrar o coração dela
-Ela é uma louca obcecada por você Connor - neguei - Ela me ameaçou - ele virou pra mim - Falou pra mim tomar cuidado quando saísse de casa
-Ela disse isso?
-Sim, ela disse - abaixei a cabeça - Sei que é difícil acreditar, mas eu não inventaria isso
-Não, calma - esfregou o rosto - Estou surpreso óbvio, mas ela também me ameaçou, disse que já que eu estava terminando cinco anos de relacionamento por causa de um bebê idiota - bateu na própria testa - Me desculpa repetir as palavras dela nosso bebê não é idiota
-Tudo bem, eu entendo
-Então ela disse que tiraria o bebê de mim, machucaria você e eu teria que voltar pra ela de qualquer jeito
-Isso é grave Connor - me agitei tocando minha barriga
-Não se agite - veio pro meu lado e agachou segurando minha mãos - Nós vamos resolver isso, só gostaria que você fosse mais cuidadosa e se possível contrata-se seguranças
-Quê? Precisa mesmo chegar nesse extremo
-Little não quero colocar vocês em risco - engoli seco ao sentir meu corpo reagir ao seus toques - Eu já denunciei ela, pedi medida protetiva por nós dois - arregalei os olhos - Ela não pode chegar perto de nós
-Meu Deus isso é loucura - senti as lágrimas descerem - Era pra ser tudo perfeito e olha o que está se tornando meu sonho - funguei abraçando ela - Tá virando um pesadelo Dear
-Se acalma ok - segurou meu rosto secando minhas lágrimas - Estou contigo e não abro mão - ele se aproximou lentamente beijando minhas bochechas e logo minha testa
-Dear... - parei notando - Me desculpa, eu posso te chamar assim
-Claro Little - piscou - Agora eu preciso ir - concordei - Vai mesmo remarcar?
-Claro - ele estendeu o celular - O quê?
-Seu número pessoal, aquele do cartão eu liguei e sempre sua assistente quem atende
-É o empresarial aquele - anotei e ele ligou - Anotado
-Salvei Little - sorriu tão lindo que senti meu baixo ventre contrair

Puta falta de sexo - pensei choramingando

-Salvei Dear - ele pegou sua mochila
-Nos vemos mais tarde, não esquece de me avisar
-Não esquecerei - ele beijou minha testa novamente - Dear - ele parou na porta me olhando - Nos dois... Nós dois não vamos passar de amizade ok
-Eu sei - sorriu fraco - Você não quer um garoto na sua vida - deu de ombros - Eu entendo Little - acenou - Até mais tarde

Vi ele caminhar até Lily que sorriu largo dando pulinhos e revirei os olhos, logo ele foi até o elevador e antes de entrar nos olhando e ele sorriu

Senti meu coração acelerar e acabei enchendo a boca com Donuts, Lily entrou junto com Simon e logo invadiram minha sala

-O que foi isso? - arqueei a sobrancelha e ela tirou o adesivo do meu telefone e apertou o botão desligando a ligação
-Vocês estavam ouvindo tudo?
-Sim - sorriu largo - Que bonitinho Dear
-Eu vou cuidar de vocês Little - Simon imitou Connor
-Deveria te demitir sua fofoqueira
-Amiga - sorriu me apertando - Ain eu te criei tão bem
-Me criou? Uma porra
-Bom, eu shippo - Simon piscou - Você tem quinze minutos pra comer e irmos conversar com a Dona Meléndez lá fora
-Ela também ouviu tudo?
-Não, estávamos no fone - Lily suspirou - Ah e o Marcus por telefone também claro
-Bando de fofoqueiro - apontei - Vou processar vocês
-Amiga já pedi seus seguranças
-Como é?
-Não vou deixar aquela lambisgóia te ferir e muito menos meu afilhado
-Ou afilhada - Simon falou
-Somos os padrinhos né - falaram juntos
-Gente calma - tomei meu capuccino chocolate quase gelado - Nem sabemos se realmente tem um bebê aqui - suspirei - Peça pra Meléndez entrar Lily
-Ok, intervalo acabou meu amigo - Simon se sentou afastando a cadeira e revirei os olhos

Meléndez com toda sua elegante e desprezo entrou na sala com uma bela cada de nojo

-Bom dia novamente senhora Meléndez - ela sorriu forçado - Poderia me dizer o motivo da solicitação de troca?
-Licença - Lily entrou com o projeto impresso colocando na mesa
-Bom, esse ser insiste em ser metido a sabe tudo - Simon abriu a boca e neguei - Ele veio querer me dizer que os móveis e cores que eu escolhi não combinava, mudou todo design, foi grosseiro comigo e respeitoso
-Simon?
-Primeiro eu estava seguindo o projeto Malia - assenti - Não foi uma opinião pessoal eu tentei com toda minha santa paciência explicar para essa senhora que eu estava apenas fazendo meu trabalho - suspirou - Mas aí ela veio com palavras que me irritou então confesso ter elevado um pouco meu tom
-Você gritou comigo
-Você me chamou de imundo Senhora Meléndez - Simon olhou ela - Disse que minha raça foi criada pra servir e eu deveria te servir já que estava sendo pago
-E eu disse algo de errado seu mac... Seu pre... Seu cri...
-Senhora Meléndez - me elevei - Senhora sabe que isso que está fazendo é racismo não sabe?
-Não, claro que não
-Infelizmente sim, está com pensamentos retrógrado e no século quinze - neguei - Minha empresa é composta por boa parte dos funcionários negros, adoraria continuar atendendo a senhora sem precisar processar por racismo
-Mas que atrevimento
-Atrevimento? Senhora está sendo racista com meu funcionário, atitudes e palavras
-Fora que ela me jogou um copo de vinho no rosto por não ter escutado até o final das ofensas dela
-Viu só - apontei - A equipe do Simon é composta por funcionários Misto brancos e negros - ela concordou - Aposto que a senhora só cisma e ofende os negros estou errada
-São um bando de imprestáveis
-Certo, chega - me levantei indo até a mesa - Aqui está seu projeto, eu mesmo irei me responsabilizar por ele - apontei batendo o canetão com força - Tudo que estava nele vai ser feito do jeito que a senhora escolheu com os consultores ok?
-Sim - ela me olhou chocada - Entendi
-Caso se recuse trabalhar comigo, autorizo pegar meu projeto e levar para outro arquiteto, mas aposto que ao saber da sua conduta terá dificuldade em arrumar outro
-Você está ótimo
-Combinado - olhei pra ela - Tenho um projeto no Reino Unido nos próximos dias e não posso enviar outro no meu lugar
-Quanto tempo vai demorar?
-Talvez algumas semanas ou meses
-Não posso ficar com minha casa naquela bagunça
-Então sugiro que segure seu preconceito e deixe meu sócio terminar o serviço dele
-Mas...
-É a opção que a senhora tem - pausei - Deixar ele terminar, me esperar voltar ou procurar outro arquiteto
-Quanto tempo? - olhou pro Simon - Quanto tempo você termina? Posso procurar um lugar pra ficar enquanto isso
-Preciso de mais um mês pra finalizar
-Otimo - pegou a bolsa dela - Volte para minha casa em três dias, isso que precisa para fazer as malas e viajar
-Combinado - então ela saiu batendo seus saltos vermelhos até o elevador
-Resolvido
-Malia, Dra Suzan na linha três
-Obrigado - apontei - Pode ir
-Obrigado chefia

🌺🌺🌺🌺🌺🌺🌺


Olhei meu celular mais uma vez preocupada, afinal são quase uma hora de atraso

-Sun me desculpa - me olhou sorrindo - Não sei o que aconteceu e ele também não avisou nada
-Fica tranquila, podemos esperar mais alguns minutos - bocejou - Só vou lá dentro tomar um banho, o Lewis vai deixar a porta fechada mais vai abrir quando ele chegar - concordei
-Amiga? - Brianna se sentou ao meu lado - Você tem raiva de mim?
-Você fez de propósito num foi?
-Como sabe?
-Vi que você é prima do Connor e sei que nenhum de vocês da família Reeves gostava da ex-noiva
-Ex? Ele terminou com ela?
-Ele me disse que sim - ela sorriu largo - Porque me escolheu?
-Porquê você é a mulher perfeita para meu primo
-Brianna sou muito mais velha que ele, ele merece poder escolher uma garota novinha para ter uma família
-Meus tios me apoiaram na decisão, só não sabem quem você é, mas quando vi seu prontuário e vi o estado da vagina daquela mulher tive que trocar
-Você teve ajuda?
-Sim, mas a coitadinha é apenas minha auxiliar só fez o que eu pedi - concordei - Não está brava?
-Sua atitude só mudou uma parte do meu plano materno
-Qual?
-Não ter o pai no meu pé - vi meu celular acender com mais uma mensagem da Lily
-Sinto muito - abaixou a cabeça
-Senhorita Andrews? - olhei pro Lewis - Conhece algum Connor Reeves?
-Sim - então ele abriu a porta
-Little me perdoa - ele apressou os passos e vi Brianna correr consultório a dentro - A audiência teve uma reviravolta de última hora e tive que esperar até esse horário
-Poderia ter avisado - sorri fraco cansada - Mas tudo bem, ainda dá tempo Dear
-Como foi seu dia?
-Cansativo, visitei algumas obras e tive algumas reuniões
-Você se alimentou bem?
-Sim não se preocupe

Ele sorriu e sentou ao meu lado, minutos depois a Sun apareceu já sem aquela roupa branca de uniforme

-Podemos começar? - estendeu a mão - Dra Suzan
-Connor Reeves - apertou as mãos
-Pronta Malia?
-Sim - então seguimos até a sala dela
-Como te informei a primeira ultrassom sempre fazemos transvaginal - concordei - Retira sua calça e calcinha, coloca a camisola e deite aqui - apontou - Você pode se sentar ali, assim poderá ver a tela acima - mostrou

Ouvi as vozes falando baixinho e voltei subindo na maca, abri as pernas dobrando como pedido

-Você vai sentir um desconforto - concordei - E aqui esta... - parou - Uau, meus parabéns - fez um círculo na imagem - Aqui está o bebê de vocês
-Jura? - senti meus olhos marejar - Quanto tempo?
-Duas semanas e quatro dias - senti ela retirar o aparelho - Tudo perfeito, vamos começar seu pré-natal ou quer outro médico?
-Pode ser você?
-Eu sou GO Obstetra também, faço muitos parto - sorriu largo - Feliz Senhor Reeves
-Muito - me olhou - Somos pais
-Sim, nós somos - sorri

Depois de Sun passar remédio de enjôo, vitaminas e uma bateria de exames de sangue e urina e já somos avisados que as ultrassons seriam feitas em todas as consultas

Ao sair do consultório exatas Nove e quarenta e nove, notei que Connor estava sem carro e então o questionei sobre

-Você não tem carro?
-Na verdade eu tinha, mas o vendi para terminar de pagar meu apartamento - concordei - Tenho usado bastante aplicativo
-Vamos lá - abri a porta do passageiro - Eu te deixo em casa
-Não precisa, está tarde pra você ficar na rua esse horário
-Vamos lá Dear, não sou nenhuma garotinha indefesa - ele sorriu
-Malia - senti um frio na espinha ao ouvir a voz atrás de mim - Quem é esse cara?

Me virei engolindo seco ao ver seu olhar de ódio direcionado ao Connor

Estava tudo ótimo demais pra ser verdade - suspirei


🌺🌺🌺🌺🌺🌺🌺

Peço que se gostar da história compartilhe com amigos, coloque o link em seu mural no perfil... Não importa se tem um ou mil seguidores

Vamos divulgar uma história onde vamos enaltecer o poder de uma mulher, e não menos importante onde ELA É A CEO e é NEGRA



Notas Finais


Grupo WhatsApp: https://chat.whatsapp.com/LXCJjb94VGfBM016Sx73MR

Perfil Wattpad: Miih-Historias

O que estão achando???


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...