História Não posso te amar! - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Malhação
Tags Bruno Gadiol, Daphne Bozaski, Gune, Malhação
Visualizações 405
Palavras 1.146
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oia eu de novoo ♥,resolvi postar mais um porque talvez nao poste muitos essa semana,tenho muitos trabalhos,Boa leitura!

Capítulo 3 - Como se fosse facil..



 

- Mas vão sim! Ah se vão! - Falou Ivete, se pronunciando pela primeira vez. Os dois jovens se entreolharam assustados/enfurecidos/ surpresos. Era uma mistura de emoções, nenhuma delas boas. Sabiam que iriam acabar se casando. Quanto seus pais botavam algo na cabeça, não há nada, nem ninguém que os faça mudar de ideia. Era isso que os assustava.

- Eu não vou me casar com ele. Me dê um bom motivo. Que em hipótese alguma, me fará mudar de ideia. - Falou a morena, indignada.

- Está decidido antes mesmo de vocês nascerem. - Falou Elizabeth. "Em que séculos estamos? XIX? Faça-me favor" . Pensaram os dois.- E também, porque são uma graça juntos!- Eles reviraram os olhos, perplexos.- Não é, Ivete?!- Perguntou a ela. E as mesmas bateram palma, soltando gritinhos de felicidade.

- Está bem! Vamos as condições do...- Richard foi interrompido por Bruno.

- Porque eu acho que nosso carro, não está no concerto?!- Falou Bruno.

- Porque não está. Continuando..- Falou Paulo, dando um olhar sorriso de lado ao filho.

- A partir de amanhã mesmo, vocês teram que fingir o namoro. Bruno irá te pegar todos os dias lá em casa.- Falou Richard. Daphne gritou um " O QUE? " e Bruno levantou as duas mãos incrédulo, antes de falar algo seu pai o olhou e o mesmo se sentou

- Não poderá de forma alguma, haver traições!- Disse Ivete. Todos haviam decorado este contrato há séculos.

- Ninguém, além de nós, devem saber disto. Com uma pequena excessão para Gabi e Matheus.- Falou Elizabeth.

- Vão morar na mesma casa!- Richard exclamou.

- O contrato durará 5 anos! Depois poderão se separar.- Falou Ivete, e os dois suspiraram amargurados.

- E no mesmo quarto.- Acrescentou Paulo. Os olhos dos dois, só faltava pular pra fora.

- E agora, por último mas, não menos importante.- Falou Ivete. Que foi completada por Elizabeth. A morena bebeu um pouco de seu suco de uva para se acalmar

- Obrigatório terem três filhos. - Falou Elizabeth. A morena que estava bebendo seu suco de uva, cuspiu todo o suco que estava bebendo em Bruno, à sua frente, que ficou encharcado. Sua camiseta branca do colégio, estava roxa. O mesmo não deixou por isso, pegou teu suco de laranja e jogou na cabeça da morena, que gritou estéricamente.- E naturalmente.- Completou Elizabeth, recebendo a atenção dos dois jovens incrédulos.

- Aí já é querer demais!- Falou os dois jovens horrorizados.

- Preferem quatro?- Perguntou Richard

- Três pra mim está ótimo!- Falou Bruno com as mãos pra cima.
Não falaram mais nada. O restante do almoço foi um silêncio mortal.

A morena ao terminar levantou rapidamente, pronta para sair o mais rápido possível.

- Onde você vai?- Perguntou seu pai

- Na casa da Gabi.- Respondeu como se fosse óbvio.

- Você e você ficam. Não terminamos.- Falou Paulo ao ver Bruno tentar sair de fininho. Os dois bufaram e se sentaram. A morena ia pegar seu suco de uva, mas antes de pegar, o moreno tirou de perto dela, sabendo o que é provável que aconteça.- Como vocês ainda estão na escola, por enquanto vocês vão fingir namorar, principalmente na escola, fora também.- Bruno, agradeceu por ter tirado o copo de perto dela.- Quando se formarem, Bruno vai trabalhar na nossa empresa. E Daphne , você pode ou não trabalhar, é opcional. E irão se casar logo em seguida.- Ambos assentiram, com uma ponta de decepção.

Na volta, foi a mesma coisa que na ida. Para Bruno, que suava frio, as situação havia piorado. Ela se mexendo em seu colo e a sua blusa branca molhada com seu sutiã preto, dava pra notar bem os seios da morena. Que sorriu ao ver aumentar novamente o volume.
Seus pais conversavam animadamente sobre algo, que eles não faziam questão alguma de prestar atenção.

Daphne, embora não esteja nada confortável, sua vingança estava praticamente concluída. Sorriu com isso.
Mas, ao lembrar de que era com ele de que iria se casar, e não com alguém que realmente amasse. Partia seu coração, sentiu seus olhos encherem de água. Precisava sair dali. Ao notar, o carro parar no sinal vermelho e que era a mais ou menos, uma quadra da casa de Gabi, não pensou duas vezes. Pegou seu celular e saiu do carro, por causa de seus saltos, se apoiou em Bruno, que falou um "Ai".
Seus pais gritavam para ela voltar, enquanto Bruno disse " Tchau, capeta " acenando, a morena revirou os olhos.

Correu até a casa de sua amiga. O porteiro que já a conhecia, deixou ela entrar. Bateu na porta encontrando a mãe de Gabi, a cumprimentou e subiu diretamente para o quarto de Gabi. Entrou sem mesmo bater, o que se arrependeu por ver esta cena.
Gabi e Matheus, quase em sexo.

- Daph, eu posso explicar... Oh meu Deus! Você está chorando!- Falou rápido Gabi, enquanto se aproximava da amiga.

- Eu volto outra hora.- Falou Matheus e saiu deixando as duas a sós.

- Pensei que era as meninas que estariam aqui.- Falou tentando conter o choro.

- Já foram embora. Não faz muito tempo que eu e o Matheus estamos...- A morena não aguentou e começou a chorar.- Não é por isso, não é?!- Daphne negou com a cabeça. A morena a puxou para um abraço. Ela soluçava em seus braços.- Comece quando quiser..!- Falou baixo. A morena deitou a cabeça em seu colo. Gabi afagava seus cabelos castanhos.

- E..eu..vo..vou..me..ca..casar..com..o.. o..Bru..Bruno.- Falou entre soluços. A morena que ouvia tudo atentamente, abriu a boca em um perfeito "O".

- O que? Pensei que se odiassem?! E que você dizia que se casaria só depois dos 25.- Falou Gabi, incrédula.

- Era o que eu planejava, Gabi.- Falou suspirando.

Daphne contou tudo para Gabi, que ficou boquiaberta. Não se recebia notícias assim todo dia. Ela não queria se casar, ainda mais com alguém que ela odeia, ela tinha apenas 18 anos. Ela tinha certeza que seus pais os obrigariam, isso era o que mais a assustava. Ter filhos com ele então.. E caiu novamente no choro.

- Só não faça o que estou pensando, Daph! Por favor.-  Daphne assentiu

- Cara, que loucura.- Falou Matheus, claramente surpreso, após Bruno contar tudo a ele.

- Eu sei, casar não estava nos meus planos.- Falou Bruno, com desgosto.

Bruno, tinha um plano. Pegar várias, até quando seus cabelos brancos começarem a aparecer. E de repente, tudo muda!

- Vê o lado bom! Daphne é muito gostosa!- Matheus falou e Gadiol deu um sorrisinho de lado. Ele não podia negar isso.

- Mas o que adianta.. Se vou me casar com uma pessoa que odeio e...

- Olha cara, são só cinco anos, se casem, tem filhos-Falou com um sorriso malicioso.- e depois se separam, simples.

- Como se fosse fácil..- Murmurou Bruno.

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...