1. Spirit Fanfics >
  2. Oops! >
  3. Estar perto de você já é o suficiente para mim.

História Oops! - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Hi my honeys 🍯🐝 Eu gostaria de ter postado o capítulo na segunda, mas não pude porque minha internet me deixou na mão #sad. Queria agradecer todos os favoritos e comentários, vcs são demais!
Se vcs puderem, ouçam a música Love me do Yiruma - vou avisar durante o capítulo quando será necessária - ela faz toda diferença para a cena.
Usem #Oops! Caso comentem sobre suas passagens favoritas no twitter.
Relevem os erros e boa leitura 📚💞

Capítulo 15 - Estar perto de você já é o suficiente para mim.


Fanfic / Fanfiction Oops! - Capítulo 15 - Estar perto de você já é o suficiente para mim.

   Jimin suspirou. Passou mais de duas horas procurando pessoas com quem pudesse dividir o aluguel, mas não tinha encontrado nenhum lugar que não lhe lembrasse um filme de terror com um psicopata assassino. Parece que sair da casa de Jungkook seria mais difícil do que pensava. Jisoo tinha se voluntariado para ir consigo ver alguns apartamentos ao redor, mas acabou ficando entediada depois que visitaram o lugar de um dos anúncios, este que não passava de um cubículo de baixo de uma escada que ainda teria que dividir com um adolescente cheio de hormônios e revistas pornôs.

    O garoto olhou para Jimin de uma forma que o encheu de arrepios. A casa pertencia a um casal de idosos que por algum motivo lhe perguntaram se tinha uma rede de pesca e um freezer. Sem contar o menino, um jovem beta, que perambulava pela casa e parecia sombrio demais para alguém tão jovem — este que alegavam não ser seu neto. Jimin não estava nada a fim de protagonizar um filme de terror bizarro, então na primeira oportunidade puxou a mão de Jisoo e praticamente correu para fora da casa.

    Sem dúvida assustador, ah!

    Já passava um pouco do seu horário habitual de chegada, teve que acabar almoçando fora devido a sua ronda por Ewha e isso tinha lhe custado muito tempo. Merda, me custou muita grana também! Os restaurantes em Seul estavam cobrando cada vez mais caro, Jimin se perguntava se teria que vender um rim para alimentar-se bem naquele lugar. Anotou mentalmente que precisava ver algum vídeo sobre jejum no YouTube.

     Estava cochilando em pé de tão cansado quando finalmente chegou em Gangnam. Não importava como tinha chegado, Jimin se sentia especialmente legal enquanto caminhava pelas ruas movimentadas com vitrines brilhantes. Ah, ali estavam milhares de lojas onde nunca compraria!

    Graças a um ômega rico de sua faculdade, Jimin soube exatamente por onde andar até chegar ao prédio de Jungkook já que este vivia em um prédio duas quadras depois. Foi irritante a forma como o porteiro lhe olhou de cima a baixo como se fosse um ladrão ao algo do tipo, pressionou os lábios numa linha fina. Se iria ficar mais tempo naquele lugar precisava evitar aquele tipo de situação, já que ligar para o apartamento de Jungkook toda vez que chegasse não era uma opção. Rangeu os dentes diante da possibilidade de ter que gastar dinheiro fazendo uma chave.

   Assim que foi liberado pela portaria correu para o elevador e clicou de forma um pouco rude o botão. Estava estressado até o talo e com uma dor no pé terrível, gemeu enquanto apertava as pontas do dedo por cima do sapato. Seus olhos já começavam a arder só de pensar em andar tudo aquilo de novo em busca de um lugar para morar.

    Jimin nunca foi alguém exibido, mas neste momento estava odiando ser pobre!

    Deu pequenas batidas na porta do apartamento, para então ser recepcionado por um Jungkook sorridente usando um avental um pouco enfarinhado. Um cheiro delicioso varreu todo o corredor assim que a porta foi aberta, atingindo Jimin feito um tapa e fazendo seu estômago roncar. Aquilo cheirava a pizza!

    — Ainda bem que chegou lindo, eu fiquei preocupado por não ter me ligado.

    — Eu estava ocupado, passei a tarde toda procurando um lugar para alugar. — Jimin franziu o cenho, resolveu reformular. — Um lugar com um aluguel barato e que não esteja em condições insalubres. Ah, e que não tenha um trio que pareceu ter saído de um filme de terror! — Jungkook sorriu, dando espaço para que entrasse. Jimin jogou-se no sofá macio lamentando seu estado deplorável no meio daquela sala tão linda. Não se preocupe, um dia teremos uma igual a essa! 

   Retirou os sapatos, gemendo durante o processo. Eles doíam muito e pareciam um pouco inchados também, parecendo querer puní-lo por fazê-los andar por tanto tempo sem descanso. Começou uma massagem desajeitada nos seus pés, fazendo pequenas caretas e soltando lamentos durante a mesma. Ele achou que sua imagem não parecia nada atraente porque Jungkook voltou para a cozinha assim que começou sua sessão de massagem no meio da sala. Fez bico enquanto olhava para seus pés. Ya, era para vocês estarem do meu lado e não me torturarem por perambular um bairro quase todo!

   Foi surpreendido quando Jungkook agachou-se na sua frente, desta vez não usava avental e possuía um semblante sério, diferente do habitual.

   — Desde quando está com essa dor no pé? — seu tom era genuinamente preocupado.

   — Não faz muito tempo, acho que começou na semana passada.

   — E não faz muito tempo? — perguntou irônico, Jimin fez bico.

   — Ya, não brigue comigo! — Jungkook teve vontade de apertar as bochechas rechonchudas de Jimin. Ele estava incrivelmente fofo com aquele biquinho.

    Ainda sorrindo da forma confusa com a qual Jimin reagia às situações, enrolou as mangas da camisa até os cotovelos e esticou-se de forma extremamente exagerada. O moreno não soube o que Jungkook pretendia fazer até que este tocou seus pés.

    — EI, EI, EI! O que pensa que está fazendo? — ralhou enquanto tentava tirar os pés das mãos de Jungkook.

   — O que acha? Vou te fazer uma massagem.

   — Você fazendo massagem? Não consigo imaginar isso.

   — Para sua informação, ninguém nunca reclamou da minha massagem.

   — Você tem a cara deslavada demais para que eu acredite em algo que sai da sua boca! Me dê uma prova real do quão bom você é.

   — Eu era massagista imperial na minha vida passada! — piscou e o ômega revirou os olhos. Ele não voltou a lutar quando Jungkook o tocou outra vez, Jimin deu um pequeno pulo no sofá quando sentiu algo úmido passear por sua pele, abaixou o olhar para dar de cara com Jungkook envolvendo seu pé gentilmente com um lenço umedecido. Franziu o cenho. Não lembrava de ter visto o lúpus carregando nada.

    Sentiu seu corpo relaxar quando seus pés foram "abraçados" pelas mãos do lúpus, estas que amassavam suavemente o local fazendo com que pequenos murmúrios acabassem escapando dos lábios entreabertos do ômega. Suspirou satisfeito quando Jungkook realizou rotações em seu tornozelo esquerdo, nem tão rápido nem tão devagar, a velocidade parecia ideal e combinadas às mãos macias do rosado, foram capazes de deixar um Jimin completamente relaxado no sofá.

    A leve pressão fez o moreno apertar os olhos e soltar um gemido em deleite. Jungkook parecia saber exatamente onde tocar para deixá-lo satisfeito e suas mãos grandes e quentes apenas faziam tudo melhor. Nunca pensou que um alfa pudesse tocá-lo de forma tão suave e deixar seu corpo completamente mole em questão de segundos, com apenas alguns toques Jimin teve a sensação de conhecer o céu — e eles estavam apenas começando.

   O moreno corou com os sons que saíam da sua boca, apertando os lábios envergonhado. Acontece que era difícil manter-se são com um milhão de sensações bombardeando seu corpo. 

    — Ah, isso... — incentivou conforme sentia as emoções tornarem-se mais intensas. O cara realmente mandava bem lá embaixo. O alfa fez pequenos movimentos circulares por todo o peito de seu pé e Jimin agradeceu por não ter hesitado por tanto tempo. Não sabia se Jungkook tinha alguma espécie de fetiche ou se praticava hobbies pervertidos relacionados a pés, mas não podia se importar menos quando recebia uma massagem tão relaxante em seus pés cansados. Seus pequenos murmúrios arrancaram um pequeno sorriso do alfa que estava se divertindo com as reações de Jimin. — Jungkook, não pare por favor! — o moreno protestou ainda com os olhos fechados quando Jungkook retirou as mãos de seus pés.

    — Er… eu estou atrapalhando alguma coisa? — Jimin arregalou os olhos diante da voz desconhecida e seu primeiro impulso foi empertigar-se no sofá, mas não esperava que com seu jeito afobado acabasse chutando o rosto de Jungkook, este que caiu para trás feito um saco de batatas.

   — Ai! — o rosado gemeu jogado no chão enquanto cobria o nariz. De forma desajeitada, Jimin agachou-se ao lado de Jungkook e alisou levemente o cabelo do alfa.

   — Oh, me desculpe Jungkook. Eu não pretendia machucar você… — mordeu os lábios. — Está doendo muito? Eu posso fazer um curativo se quiser.

   — Hum, não precisa. Meu nariz e eu já estamos bem. — deu um sorriso afetado numa tentativa de acalmar Jimin, sentiu que engolir toda sua dor valeu a pena quando viu o semblante aliviado do moreno.

   — Mesmo assim, eu te chutei e sinto muito. Bom, pelo menos eu não deformei seu rosto. — brincou e abandonou um selar na testa de Jungkook, em um gesto inocente. Sim, sem dúvida havia sido melhor engolir sua dor. O alfa sorriu bobo depois do beijo que havia recebido — por mais infantil que tenha sido, foi o bastante para esquentar o coração de Jungkook.

   — Hum, acho que estou sobrando aqui… — o cara desconhecido comentou. Jimin reconheceu ser um alfa, mas ele não era como o lúpus. Era mais baixo e seu corpo possuía músculos mais modestos, sua pele era extremamente pálida e seus cabelos castanhos eram mais curtos também, um pouco acima das orelhas. Ele tinha uma expressão incerta enquanto olhava os dois no chão. 

   — Perdão, mas quem é você? 

   — Eu que pergunto, quem é você? — Jimin arregalou os olhos com o tom ríspido do outro. Filho da puta. O moreno estava pronto para lhe dar uma resposta desagradável, quando foi interrompido por Jungkook.

    — Eu não apresentei vocês, desculpa. Jimin este é Yoongi, meu melhor amigo. E Yoongi este é Jimin.

    — Não brinca, você é o Jimin? — o moreno assentiu. — Caraca, você não tem ideia do quanto eu queria te conhecer! Jungkook falou sobre você, na verdade, ele falou sobre você um mês intei… — não foi capaz de escutar pois Yoongi teve a boca tampada pelo lúpus, mas isso não o impediu de continuar sua história, por mais que tudo que ouvisse fosse murmúrios sem sentido parecidos com os de um bêbado.

   — O Yoongi fala o que não deve quando está com fome, é por isso que ele está tão tagarela. Não leve a sério o que ele diz, por favor! — as bochechas do alfa estavam um pouco vermelhas, isso impressionou Jimin. Nunca pensou que Jungkook pudesse sentir vergonha de algo — logo ele que sempre foi tão descarado — muito menos quando o assunto era sentimentos, já que sempre fez questão de fazer Jimin consciente dos seus. Mas agora ele estava corando e desviando o olhar enquanto seu amigo continuava a tagarelar. O ômega achou isso estranhamente fofo. Sim, Jungkook é muito fofo quando está com vergonha.

   Isso era algo muito difícil de acreditar!

   — Bom, obrigado pela massagem Jungkook, mas vou para o quarto agora. Vocês parecem ter muito o que conversar, não quero atrapalhar. — levantou-se do chão e deu pequenas batidinhas em sua roupa.

    — Não, pode ficar. Yoongi não se incomoda e de qualquer forma, estávamos apenas indo assistir um filme.

    — Sim, eu não me incomodo. Claro, se eu não for segurar vela tudo bem! 

    — Não se preocupe com isso, nunca acontecerá! — infelizmente. Jungkook pensou consigo mesmo.

    Mas por agora isso era o de menos. Não importava quanto tempo tivesse que esperar, definitivamente faria Park Jimin apaixonar-se por ele.

   ◦•●◉✿ Oops ✿◉●•◦

   A vida realmente pode nos surpreender! Jimin deu-se conta disso assim que pôs o primeiro pedaço de pizza na boca. Não era parecido com nada que já tivesse comido, era mil vezes melhor. Olhou de soslaio para Jungkook que estava esparramado ao seu lado no sofá, este que estava concentrado no filme. Ele não podia acreditar que o mesmo cara relaxado e desagradável com quem tinha dormido uma vez era capaz de cozinhar tão bem. Continuou a fitá-lo enquanto mastigava seu pedaço de pizza, Jungkook era o alfa mais esquisito que já tinha conhecido.

    Taemin foi seu namorado por três anos e em nenhum deles foi capaz de fazer um mísero café para si. Sempre jogado no sofá na frente da tv coçando o saco enquanto esperava Jimin fazer tudo, todas às vezes em que o chamava para passar o final de semana com ele. Era mais como ter uma diarista em casa do que qualquer outra coisa! O moreno podia lembrar claramente do primeiro dia dos namorados que passaram juntos, Jimin não conseguia recordar de quando tinha ficado tão ansioso com uma data.

   Estava cheio de expectativas e planos desde que Taemin prometeu-lhe um passeio romântico, até mesmo tinha ido ao salão por sentir-se especialmente animado com o encontro. Mas tudo que planejou com tanto cuidado caiu por terra quando naquela mesma noite, Taemin encheu sua casa de alfas e o pediu para serví-los enquanto assistiam a um jogo de beisebol. O ômega sentiu um calafrio na espinha ao lembrar do cheiro de suor misturado com o álcool e como tinha passado o final de semana inteiro higienizando a sala — já que para seu azar, um dos amigos de Taemin havia vomitado perto do sofá.

    As lembranças ruins fizeram o seu estômago embrulhar e de repente, seu apetite havia ido embora. Devolveu seu pedaço de pizza ao prato e o pôs em cima da mesa de centro.

    — O que foi, lindo? Não gostou? — a voz preocupada de Jungkook adentrou seus ouvidos e ele sorriu, logo negando.

    — Eu estou com dor de cabeça, acabei perdendo a fome. — foi tudo que disse antes de encolher-se em uma bola no canto do sofá. O lúpus franziu o cenho, aquilo não era típico de Jimin. O ômega que conhecia teria feito careta e dito que a comida estava horrível só para fugir do assunto e nunca, em hipótese alguma, se encolheria em uma bola. Jungkook pensou se alguém poderia ter dito algo que o deixou assim, a possibilidade deixou o alfa em alerta. 

    — Você quer tomar um remédio? Ou talvez comer outra coisa? Eu posso fazer para você. 

    — Não precisa de tanto, estou bem. — Jungkook analisou sua expressão e concluiu que ele talvez precisasse de tempo, acabou se afastando.

    O semblante de Jimin continuou fechado durante todo o filme e ele cogitou ter feito algo que o chateou. Os olhos do moreno permaneceram fixos na tv, mas não continuam brilho ou expressão, apenas estavam focados no entanto. Ele tinha um ar quase… melancólico. Até mesmo Yoongi achou estranha a repentina mudança de comportamento do ômega, este que parecia consideravelmente mais animado apenas alguns minutos atrás.

    Os alfas observaram Jimin desde o momento em que este deixou a comida sobre a mesa ao que despediu-se e foi para o quarto. Jungkook ficou inquieto com a forma de agir do ômega, mas esforçou-se para acalmar seu lobo agitado. Não devia ser nada demais, logo, logo ele voltaria ao normal.

   ◦•●◉✿ Oops ✿◉●•◦

   Jungkook espiou pela fresta da porta, fazia uma semana que Jimin estava trancado no quarto e as únicas vezes que conseguiu vê-lo em outro canto do apartamento era durante a noite quando ele resolvia descer para jantar. Estava começando a achar que ele estava doente ou algo do tipo, mas quando perguntou-lhe se havia algo errado, Jimin apenas negava e dizia estar se preparando para os exames da faculdade. Não aguentando mais ver o ômega naquele quarto, entrou a fim de arrastá-lo dali.

    — O que está fazendo? — perguntou assim que sentou-se ao seu lado na cama, Jimin ergueu o olhar e sorriu irônico.

    — O que acha? Não estou fazendo todos esses cálculos por diversão. — bom, sua ironia era melhor do que os sorrisos forçados.

    — Ya, por que não sai um pouco desse quarto? Ninguém merece ficar olhando números a noite inteira.

    — Você não cursa administração como eu? Como pode não gostar de números? — Jungkook coçou a nuca enquanto desviava o olhar.

    — Você sabe que no meu caso é diferente, eu não faço por amor aos números e sim à sanidade dos meus pais. — o ômega revirou os olhos e voltou a concentrar-se em seus cálculos. — Não aguento mais te olhar dentro desse quarto o tempo tempo, estou cogitando te expulsar daqui só para te ver sair. Aposto que está ficando com a mesma cor das paredes, se fechar os olhos enquanto estiver encostado nela aposto que se camufla.

   — Isso é impossível!

   — Impossível a minha bunda, você está ficando mais pálido que um palmito! — Jimin teve que rir da sua comparação boba. Os dois ficaram em silêncio, Jungkook observou o moreno rabiscar no seu caderno por um tempo até que o fechasse de repente. Esperou ansiosamente por uma palavra de Jimin, mas o mesmo continuou em silêncio com a cabeça baixa, o olhar focado na capa do caderno. Suspirou preparando-se para ir embora quando a voz de Jimin cortou o silêncio do quarto.

   — Hoje é meu aniversário de namoro com Taemin… ou melhor, seria se ele não tivesse me traído. — comentou baixinho e Jungkook voltou a se sentar. — Eu fico imaginando o que estaríamos fazendo agora e também quantos de nossos aniversários ele passou me traindo. 

   — Você gostava muito dele, não é?

   — Eu o amava. Você entende o que ter seus sentimentos tratados como nada pela pessoa que você ama?

    — Acredite Jimin, eu sei. 

    — Taemin foi meu primeiro amor e nos conhecíamos desde sempre, eu nunca esperei que ele simplesmente me machucasse assim. Às vezes eu penso se tudo teria sido diferente caso eu tivesse me esforçado mais.

    — Você deu tudo de si, Jimin. A culpa não é sua se esse cara é um babaca que não sabe valorizar quem o ama. 

    — Eu só… depois de tudo o que Tae me falou… imagino se ele pode estar certo. — sentiu dedos quentes tocarem seu queixo e erguerem seu rosto delicadamente.

    — Não se culpe por isso, lindo. Eles erraram com você, não o contrário. Às vezes as pessoas que mais amamos não merecem tudo que fazemos por elas, a vida é assim. Jimin, você não pode ficar se lamentando pelos erros dos outros e imaginar como teria sido se você tivesse agido de forma diferente, como se fosse o verdadeiro culpado. Por que não ocupa sua cabeça com algo e esquece esses momentos ruins por um instante?

   — Eu estava fazendo exatamente isso quando você entrou aqui.

   — Esquecer problemas fazendo cálculos? Não me faça te jogar daquela janela. — o moreno riu, Jungkook parecia realmente odiar matemática.

   — Eu tenho minha própria forma de me divertir.

   — Você realmente precisa de terapia. — murmurou e ambos homens caíram na risada. — Vem, vou te mostrar algo realmente divertido.

   ◦•●◉✿ Oops ✿◉●•◦

   — Quando disse algo divertido, pensei que me levaria para um karaokê ou algo parecido, não para a cozinha. — Jungkook revirou os olhos.

   — E tem algo mais legal do que cozinhar? Eu sempre faço isso quando estou estressado ou entediado. Realmente me acalma.

   Jimin ficou calado e apenas o olhou enquanto ele caminhava pelo cômodo. O ômega estava muito insatisfeito porque particularmente detestava cozinhar, mas algo dentro de si não quis estragar a animação de Jungkook. Eu estou realmente estranho.

   — O que acha de fazermos nhoque. — o ômega deu de ombros. — Fica difícil te deixar feliz quando tudo o que você faz é ficar calado.

    — Eu estaria feliz se estivesse no quarto, você me tirou de lá a força.

    — Não me lembro de ter te arrastado pela escada. — aproximou-se de Jimin e entregou-lhe um avental. — Vamos, prometo que você vai se sentir muito melhor enquanto cozinhamos. Se não ficar, eu deixo me punir como quiser.

   — Sério mesmo? — perguntou animado e Jungkook assentiu.

   — Sim, qualquer tipo de punição. Até deixo você tirar minha roupa e transar comigo, é um esforço que estou disposto a fazer. 

    — Eu estava surpreso que você ainda não tinha sido um completo pervertido. — comentou enquanto colocava o avental. 

    — Eu fico mais atraente agindo como um pervertido?

    — Você fica mais atraente quando não abre a boca.

    — Sempre achei que eu fazia um trabalho melhor com minha boca em ação. 

    — Apenas fique calado antes que eu volte para o quarto. — Jungkook fingiu fechar a boca, passando os dedos sobre ela em uma espécie de zíper e curvou-se diante de Jimin, fazendo o moreno sorrir. — Mas sabe, tem uma pergunta que está me matando. — o lúpus murmurou para que continuasse. — Onde você aprendeu a cozinhar tão bem? — Jungkook lhe olhou de uma forma estranha, como se tivesse perguntado algo estúpido, Jimin fez careta. — Não me olhe assim, você deve ter aprendido em lugar, eu não acredito nisso de nascer com o dom. E você não se parece nenhum pouco com o Remy do Ratatouille.

   — Eu não tenho cabelo azul. — Jungkook disse sorridente.

   — E nem mora no telhado da casa de uma velha!

    — Tudo bem, eu conto. É até bem simples, sabe? Quando eu era mais novo passava a maior parte do meu tempo com a governanta. Meus pais estavam sempre ocupados com o trabalho e eu ficava sozinho em casa. Essa também foi a época em que Yoongi e eu nos conhecemos.

   — Vocês eram vizinhos?

   — Na verdade não. Nossos pais são sócios, ele levava Yoongi para os jantares na minha casa e acabamos ficando muito amigos. — Jimin assentiu e murmurou para que continuasse. — Bem, não morávamos no mesmo condomínio, então eu acabava ficando solitário. Meu único passatempo era acompanhar a vida dos empregados. Acabei descobrindo meu fascínio pelo ato de cozinhar, fazer bons pratos para mim é uma arte e sinto-me completo de algum modo. Meu pai não ficou muito feliz no entanto, ele acredita que cozinhar é coisa de "ômega".

    — Acredito que ele pense assim devido a forma como foi criado.

    — Talvez, mas isso não me impediu de pensar diferente. Eu sentia paz quando podia cozinhar e me enchia de alegria, ele nunca provou nenhum prato que eu fiz, mas aposto que iria gostar. Além do mais, era o único momento em que podia conectar-me comigo mesmo, já que eu passava muitas horas fazendo terapia.

   — Terapia? — Jimin franziu o cenho, Jungkook não lhe parecia alguém que já tivesse passado por muitos problemas. O lúpus deu de ombros.

    — Eles me levavam a sessões depois do almoço, eles diziam que se eu me abrisse com a psicóloga e contasse o que me perturbava, eu me tornaria mais parecido com um alfa de verdade. Meus pais diziam que eu parecia delicado demais para um lúpus e que precisava controlar melhor os meus sentimentos, então eu fazia sessões incontáveis de musicoterapia para despertar meu alfa interior. Quando me dei conta, eu estava em um internato para alfas, fazendo lições de matemática enquanto ouvia La Stravaganza de Vivaldi. Eles acreditavam que isso me consertaria, mas descobri que não tenho conserto.

    — Eu sinto muito. — Jimin disse enquanto tocava seu ombro. Nunca passou por sua cabeça que Jungkook tivesse que lidar com esse tipo de coisa devido ao seu jeito, naquele momento sentiu um pouco de pena do lúpus. 

   — Não sinta, eu fico muito feliz de não ter sido consertado. — o rosado sorriu. Jimin suspirou enquanto começava a separar os tomates para fazer o molho. — Ei, o que pensa que está fazendo?

    — Pensei que tivesse me chamado para cozinhar.

    — Bem eu chamei, acontece que falta fazermos algo.

    — Quer fazer um ritual e uns desenhos esquisitos no fundo da panela? — o alfa gargalhou da ideia de Jimin.

    — Não, garoto você é louco! Eu apenas ia dizer para ouvirmos um pouco de música enquanto cozinhamos. — o lúpus caminhou até a sala e selecionou alguma playlist em sua tv, em instantes, Jimin teve seus ouvidos invadidos pelo som de uma orquestra.

    — Pensei que não gostasse de música clássica, por traumas ou algo do tipo.

    — Não, na verdade gosto muito.

    — Sério? Nunca pensei que esse fosse seu estilo musical.

    — E o que pensou que fosse? — o moreno deu de ombros.

    — Não sei, sempre me pareceu que você fosse o tipo de cara que escuta indie, pelado, sentado no meio de um monte de plantas enquanto fuma maconha. — Jungkook deu uma gargalhada gostosa.

     — O quê? Sempre pensei que meu cabelo me fizesse parecer com um fã de pop ou sei lá o quê. 

     — Também. Você se parece com qualquer tipo de cara, menos aquele que escuta música clássica.

     — Mas você acertou, eu escuto indie e gosto bastante, na verdade, eu sou bem eclético. Sabe, eu gosto de parecer algo que não sou realmente. Não sei como explicar, só acho muito chique alguém que não é o que parece ser.

    — Não acharia chique se eu fosse um serial killer, eu sei que não pareço em nada com um.

    — Eu também poderia ser um! — Jungkook murmurou enquanto aproximava-se, o ômega riu.

    — Você já teve oportunidades demais para me matar e parece o tipo de pessoa que não gostaria de lavar uma cozinha cheia de sangue.

    — Ponto pra você, eu realmente não gostaria.

    — Estou muito feliz por isso. 

   Cozinhar com Jungkook foi mais divertido do que Jimin imaginava e por um momento realmente esqueceu de toda canalhice que Taemin havia feito consigo. O rosado era engraçado e o fazia rir o tempo inteiro com suas piadas infantis, ele sem dúvida foi muito atencioso e esforçou-se para distraí-lo, seu ex namorado nunca teria feito o mesmo por ele. Jungkook era diferente de Taemin de tantas formas, a forma como agia, como falava e como o tratava, cada detalhe fazia Jimin mais consciente do lúpus e por um momento sentiu seu coração vacilar.

   Jimin sentia-se andando em uma montanha-russa de sentimentos, tudo parecia tão extremo quando o assunto era Jungkook. Ele sentia todas suas emoções a flor da pele, elas o bombardearam a todo momento e o deixavam confuso. Jimin não queria dar falsas esperanças ao lúpus, mas ao mesmo tempo não queria afastá-lo totalmente. Eu sou tão egoísta a esse ponto?

[Ouçam a música agora]

    Foi desperto de seus pensamentos pela voz doce e rouca do rosado, este que acabava de desligar o fogão, uma bela panela fumegante estava sobre o mesmo e Jimin sentiu sua boca salivar.

   — Nós formamos uma boa dupla! — o lúpus disse, sorrindo abertamente para ele. Aquele sorriso… ele fez coisas estranhas com o coração de Jimin.

    — Sim, formamos. — assentiu e brincou com o avental, sentindo-se tímido de repente com o olhar intenso que o lúpus lhe direcionava.

    — Jimin.

    — Jungkook. — falaram em uníssono e acabaram rindo. O moreno sugou o ar com força ao notar o lúpus ficar rente a si, não se incomodou ou teve a intenção de afastá-lo, porém ficou tenso diante de tanta intimidade.

    — Jimin… — chamou baixinho com sua voz extremamente suave. O moreno sentiu quando a mão quente do lúpus tocou seu ombro e de repente, ambos estavam envolvidos em uma atmosfera diferente… chegava a ser sexy. — Olhe para mim, por favor. — o ômega virou-se de frente para o alfa, a respiração desregulada. Ele podia ouvir seu coração batendo louco em seu peito, parecia exagero, mas jurava que o alfa poderia ouvir seus batimentos. Teve seu rosto tocado pela mão macia de Jungkook e deteve a vontade de fechar os olhos e ficar ali. — Eu posso te beijar? Por favor, diga que sim. Eu preciso sentir seu gosto, ao menos mais uma vez. — aquele pedido lhe soou extremamente romântico e combinado a música que invadia seus ouvidos, Jimin se viu preso em uma cena típica de uma comédia romântica. Ele poderia dizer não e então tudo estaria acabado, mas algo dentro dele teve vontade de experimentar. Experimentar o quão apaixonado o beijo daquele homem poderia ser, ou melhor, lembrar como era ser tocado por ele.

    — Eu quero! Quero que me beije, Jungkook. — sua voz não era mais que um sussurro. A respiração quente de Jungkook bateu contra a sua e o cheiro de almíscar inundou suas narinas, queria afundar o nariz no pescoço de Jungkook e perder-se ali. Queria sentir cada músculo daquele corpo atraente e quis mais ainda ser tocado por ele.

    Ele não saberia explicar a sensação que tomou seu peito quando realizou o que aconteceria. Eu estou beijando Jungkook, foi o último pensamento que teve antes de sentir os lábios finos e macios fazerem contato com os seus. Por um tempo apenas ficaram parados com os lábios unidos até que timidamente, Jimin levou as mãos até os braços firmes de Jungkook e abriu levemente a boca, dando espaço ao rosado.

   O alfa gemeu assim que suas línguas se encontraram, apertando sua cintura e unindo ainda mais os corpos. Jimin podia sentir o calor emanando da pele de Jungkook e perdeu-se na boca do alfa, permitindo-se sentir tudo que reprimiu nas últimas semanas. O alfa foi delicado e cuidadoso, com medo que Jimin pudesse afastá-lo se fosse brusco demais.

    O beijo antes suave foi ficando mais intenso conforme ambos deslizaram as mãos pelos corpos um do outro, gemendo durante o ato sem ao menos quebrarem o contato. Jungkook não queria transparecer o quão nervoso estava por tocar Jimin outra vez, ele podia sentir o coração acelerado batendo em seu peito e tudo que pôde fazer foi mergulhar-se e perder-se em Jimin em uma tentativa de sanar todas as suas vontades. Os murmúrios do moreno durante o beijo eram como música para os seus ouvidos e o incentivaram a trazê-lo para mais perto.

    Quando finalmente se separaram, um fio de saliva ainda unia suas bocas. Jungkook colou suas testas enquanto sentia Jimin ofegar contra seus lábios, podia sentir as mãos do ômega apertando com força seus braços e fez o mesmo com sua cintura. Ele sentia suas pernas bambas e o beijo dos dois havia feito coisas estranhas em seu peito. Passou a dar selinhos em Jimin e mordiscar seus lábios enquanto tentava acalmar seu coração enlouquecido.

    Jimin permitiu-se sorrir durante o carinho, abriu os olhos e fitou Jungkook, seus olhares conectados. As respirações estavam misturadas e ambos sentiam seus lobos agitados, de repente, estavam um pouco incertos de como agir.

    — Jungkook… — o moreno chamou de forma suave, a voz um pouco rouca. O alfa assentiu para que prosseguisse. — Eu… isso não é certo!

    — Claro que é, Jimin. Você quis, eu quis, não há nada de errado nisso. Somos dois adultos! — disse enquanto voltava a distribuir selares pelo rosto de Jimin, abandonando um no canto de sua boca.

     — É errado com você. — o alfa afastou-se com o cenho franzido e o ômega tocou seu rosto. Engoliu em seco, não sabia como diria isso. — Eu sei que você gosta de mim, Jungkook. Não sei se chega a ser amor, mas está aí no entanto. Eu não quero te enganar ou te dar falsas esperanças como fizeram comigo uma vez, não estou pronto para me entregar como você merece. Eu continuo amando Taemin e te usar para esquecê-lo não é justo! Nem com você, nem comigo.

    — Lindo, escuta… — Jimin negou com a cabeça e pôs as mãos no peito de Jungkook.

    — Eu não quero te machucar. Para nosso próprio bem, acho melhor tentarmos ser apenas amigos. — desviou o olhar porque não aguentava ver a dor nos olhos do lúpus, sentiu o canto de seus olhos úmidos de repente. — Nós podemos ser amigos, não é? — ergueu a cabeça quando não teve resposta. O rosado piscou atônito e sorriu.

    — Er… — ele coçou a nuca desconfortável e deu um risada sem graça. — Eu não me importo que sejamos apenas amigos lindo, se assim você se sentir mais confortável. — estar perto de você já é o suficiente para mim. Jimin abriu e fechou a boca algumas vezes, mas quando estava prestes a falar foi interrompido pelo celular de Jungkook que passou a tocar de forma enlouquecida na sala. — Eu… eu preciso atender. 

    O lúpus não lhe deu tempo de dizer mais nada antes de subir as escadas com o telefone em mãos, Jimin desviou os olhos para comida em cima do fogão. Imaginou se a mesma já teria esfriado. Suspirou, sentindo-se culpado por machucar Jungkook. Levou os dedos miúdos aos lábios e fechou os olhos, grunhiu baixinho. Os lábios do alfa eram tão macios e tinham um gosto tão bom.

    — Droga, ele tinha que beijar tão malditamente bem? — murmurou, lutando para acalmar as inúmeras sensações que faziam suas pernas um pouco moles. Respirou fundo enquanto se agarrava a pia.

    Jungkook xingou-se assim que entrou no quarto, ele precisava esfriar sua cabeça. Não sabia que tipo de besteira teria dito a Jimin se tivesse ficado mais tempo com ele, o telefonema havia sido uma bênção. Na verdade, não era nada mais que a operadora. Mesmo assim, agradecia porque não gostaria de fazer papel de bobo se declarando para ele no meio da cozinha.

    — Porra. — grunhiu enquanto bagunçava seus cabelos. Ele ainda podia sentir o corpo de Jimin nos seus braços, a forma divina como se encaixavam. Seus lábios que pareciam ter sido feitos para beijar os dele, a forma necessitada com a qual Jimin lhe tocou durante o beijo, os pequenos gemidos do moreno... tudo fazia seu sangue ferver. Sua mente estava uma completa bagunça enquanto a voz de Jimin estava em loop na sua cabeça. Como ele pode ainda amar o ex dele?

    Era algo realmente difícil de entender, simplesmente não entrava na sua cabeça. Ele tinha sido gentil, carinhoso e demonstrado o quanto o queria, tudo para ser chutado no final. Rosnou frustrado. O único homem que amou era um que não podia ter… mas às vezes, algumas coisas simplesmente não são para acontecer. Levou a mão aos lábios que ainda estavam um pouco inchados depois do beijo e gemeu. Não, Jimin e ele definitivamente davam certo juntos, a química que tinham provava isso. 

    Respirou fundo buscando acalmar seus pensamentos, sentou-se na cama. Se eles pudessem ser amigos, Jimin veria que ele era muito mais do que parecia na superfície e então, nutriria carinho por ele e quem sabe fosse capaz de amá-lo. Sim, ele iria apaixonar-se por ele, acreditava nisso e estava determinado a fazê-lo! Era questão de tempo e quando percebesse, Jimin já estaria apaixonado por ele.

   Eles tinham desejo um pelo outro, o beijo era a prova disso. Sim, vou fazê-lo me amar! Perseverança ele já tinha, tudo que precisava era fazer Jimin confiar em si a ponto de se entregar e quando se dessem conta… já estava feito. Jimin nem ao menos saberia o que o atingiu.


Notas Finais


Queria esclarecer alguns pontos aqui. Caso alguém fique com raiva do Jimin por não querer ficar com o Jungkook, meu dever como autora é mostrar o ponto de vista do Jimin. Primeiro, ninguém é obrigado a gostar de outro e é completamente injusto exigir isso de alguém. Segundo, o Jimin passou a vida inteira amando um alfa que não o merecia e que partiu o coração dele, não importa o que pense sobre isso, uma situação dessa sempre vai abalar a pessoa envolvida — ainda mais o Jimin que se sentia tão dependente do Taemin e o amava desde criança.
Peço que vocês vejam o lado dele e tentem entender. Nós sabemos que Jungkook está apaixonado por ele, mas nada garante a Jimin que isso é real. Ele foi traído pelas duas pessoas que mais confiava na vida, não é fácil simplesmente seguir em frente como se nada tivesse acontecido e se entregar a primeira pessoa que diz te amar — ainda mais para alguém que você mal conhece. Ele precisa de tempo para pensar porque em menos de dois meses, a vida dele mudou drasticamente e ele não tem mais em quem confiar. Vocês podem dizer que ele tem o Jungkook, mas para o Jimin ele não o ama, até porque eles apenas passaram uma noite juntos e até mesmo eu acreditaria que o cara só gostava do meu corpo e não de mim. Ele não conhece o Jungkook e não vai se apaixonar por ele a primeira vista, por isso peço que entendam e não exijam isso do Jimin, porque é muito injusto.
Playlist da fic 🎧
https://open.spotify.com/user/nz8movluw2t2117o22a0l6347/playlist/6lPolDkIQ5je19YMihcjZv?si=cGM1WFmRTIm21xsiBF2qPA
Grupo no whats 🐹
https://chat.whatsapp.com/JqmT31K3msXIbWlorXI8lJ
Meu perfil no twitter (para futuros spoilers)🐦
https://twitter.com/lilyjikook?s=09
Se cuidem, fiquem em casa e lavem bem as mãos - não esqueçam dos polegares, lavar entre os dedos e em baixo das unhas.
Espero que tenham gostado.
Beijos no kokoro 💋💖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...