História Perdido em seu olhar - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Inuyasha
Personagens Inuyasha, Kaede, Kagome Higurashi, Rin, Sesshoumaru
Tags Continuação, Final Alternativo, Hentai, Inuyasha, Rin, Sesshoumaru, Sesshy, Sesshyrin
Visualizações 227
Palavras 1.594
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Hentai, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Konnichiwa minna!
Agradeço muito o apoio de todos que estão acompanhando a Fic!
Vocês são os melhores!!! ^^

Capítulo 4 - O príncipe perdido


Fanfic / Fanfiction Perdido em seu olhar - Capítulo 4 - O príncipe perdido

A noite estava quase acabando e Rin não conseguia dormir, estava exausta e sabia que o motivo estava bem diante de si , mais especificamente em seu colo. O garotinho que até a pouco não parava de chorar agora estava calmo e sonolento e precisava estar o quanto antes junto com os seus.

Kohaku estava de vigia em cima de uma das árvores próximas e Shippou descansava pois logo seria o seu turno. Kirara estava deitada e Rin e o bebê se encostavam nela para fugir do frio da noite. O bebê parecia estar com a pele um pouco diferente, como se estivesse descamando e isso preocupou Rin que entendia 0% de bebês youkais cobras.

-Ah não! Será que você está adoecendo? O que eu devo fazer?

Mas com o passar dos minutos a garota começava a ficar mais e mais sonolenta acabou adormecendo e em um piscar acordou assustada com Kohaku chamando seu nome.

-Rin? Acorde, temos que ir.

-Ah! o que houve? Nossa! Já amanheceu?!

-Sim, estamos bem próximos da estrada principal então acho que é hora de partirmos.

A garota se levantou um pouco zonza mas segurando firme o bebê que agora estava com quase 100% do corpo com a pele densa e escamosa.

-Kohaku olhe rápido! O que ele tem?

O rapaz se aproximou olhando a criança e se assustou por um instante, não sabia se a mudança de estado do pequeno youkai era comum ou ainda se era passageira.

-Ele está respirando e também sinto sua energia estável, então temos que chegar o quanto antes na aldeia dos youkais cobras, eles saberão o que fazer.

-Já vasculhei o perímetro, está tudo livre. Vamos? - Shippou estava preocupado tanto quanto Kohaku e queria entregar a criança o quanto antes pois quanto mais tempo ficassem com ele isso significava que mais fraca Rin ficaria.

-Vamos sim. - Rin sorriu para eles tentando transmitir tranquilidade mas sabia que estava muito mais fraca que a noite passada e isso começou quando o bebê parou de chorar e adormeceu em seus braços.

Chegando na estrada principal seguiram mais alguns quilômetros chegando em uma ponte suspensa muito longa, eles sabiam que era um caminho um pouco vulnerável pois se fosse atacados não poderiam fugir e se lutassem seria de maneira a não se desequilibrar da ponte pois logo abaixo havia um grande abismo.

"RIN -Nossa ele esta mais pesado que antes, e será impressão minha ou ele está maior também?"

-Rin?! Tudo bem?

-Ah, sim tudo bem! - Rin não queria dar-lhes mais preocupações do que já dera até aqui.

Iniciada a travessia Kohaku ia na frente com Kirara , Rin no meio com o bebê e Shippou cobrindo a retagurda. A ponte era antiga e balançava muito fora a neblina que não deixava ver o abismo abaixo deles.

-Vocês ouviram isso? - Kohaku estava mais que alerta.

-O que é esse barulho? - Shippou olhava para o céu mas não via nada.

-São asas! - Rin olhou para baixo e viu a neblina se dissipar surgindo uma criatura gigantesca metade águia metade gorila e logo atrás vinham mais delas.

-Corram são youkais das montanhas, aqui estamos em desvantagem!

Correram o mais rápido possível mas o vento do bater das asas os desestabilizavam na ponte que parecia poder se romper a qualquer momento. Rin então colocou o bebê amarrado no pescoço de Kirara que havia se transformado.

-Leve ele daqui Kirara, proteja o Unjin!

Kirara saiu voando e se desviando de diversos ataques dos youkais kiméras que estavam enfurecidos. Rin sacou o arco e flechas e apontou para baixo concentrando energia purificadora na flecha.

-Rin o que está fazendo, você está fraca não faça isso! - Shippou estava mais próximo da menina e saltou a salvando de uma investida de um dos youkais.

-Shippou a energia deles está concentrada lá em baixo, deve ser um ninho.

Kohaku lutava contra dois youkais ao mesmo tempo e estava difícil se movimentar com pouco espaço, foi então que Rin se posicionou e disparou a flecha no ninho fazendo assim todos os youkais voltassem para proteger seus ovos dando um tempo para que conseguissem atravessar o restante da ponte.

-Não podemos parar logo eles voltarão e estarão mais nervosos ainda!

-Kohaku a Rin não está bem.

Rin estava visivelmente debilitada nos braços de Shippou que decidiu carrega-la.

-Não precisa Shippou eu posso ir sozinha.

Assim que pisou no chão o desequilíbrio a tomou como um soco em seu estômago.

-Nada disso, você não está em condições de escolher.

Continuaram a correr até encontrar Kirara mais à frente  com o bebê chorando desesperadamente.

Rin desceu do colo de Shippou e pegou a criança no colo que em seguida se calou. Sua face já estava desfigurada de peles e escamas a cobrindo quase inteira. Rin se apavorou ao vê-lo desta forma.

-O que ele tem?! 

-Estamos a poucos quilômetros da aldeia mas teremos que entrar lá com cautela pois os youkais cobras são conhecidos por sua hostilidade natural contra humanos. - Kohaku conhecia bem essa hostilidade pois já lutou contra um desses youkais e sabia que eram fortes e bem treinados.

-Isso parece loucura, estamos indo em direção de um exército altamente treinado e poderoso com raiva de toda a raça de vocês dois.

-Shippou precisamos salvar esta criança! - Rin já estava entrando em desespero e disfarçar estava ficando difícil, estava esgotada, preocupada e sem ideias se o bebê estava bem ou não.

-Vamos logo, não podemos perder tempo. - Kohaku foi na frente sabendo que poderiam estar cometendo um erro indo naquela direção.

Ao se aproximarem da vila dos youkais cobras foram recebidos pois dois youkais de aparência semelhante a do bebê, cabelos verdes, olhos esguios, físico magro e alto.

-Vieram cometer suicídio humanos? - o de aparência mais jovial se pronunciou.

-Não passarão daqui insetos. - mais velho que tinha uma barba por fazer não tinha cara de muitos amigos.

-Esperem! - Rin desceu de Kirara e tomou a frente da equipe com o bebê nos braços.

-Não pensem que teremos piedade por terem uma mulher e criança, não fazemos distinção no extermínio de insetos.- o mais novo parecia estar gostando da ideia de eliminar a todos.

-Não é isso, não viemos lutar. Rin tirou a manta que cobria a criança deixando a amostra o bebê que crescera consideravelmente de uma noite até agora.

-O que fazem com uma de nossas crianças?! - O mais jovem não esperou explicações e partiu para o ataque contra Rin.

Kohaku e Shippou corriam para tentar evitar que o golpe a atingisse mas não daria tempo. Foi então que um feixe de luz surgiu da criança lançando o guerreiro longe contra algumas rochas. O mais velho caminhou vagarosamente em direção a Rin que estava em choque, quase fora morta pois não teria forças para lutar e o bebê a protegeu.

-Diga mulher o que faz com essa criança em sua posse?

-Viemos devolve-lo ao seu povo pois ele ficou orfão e não podíamos deixa-lo sozinho. - Rin decidiu omitir a parte que um grupo de humanos estava a usa-lo como amuleto pois isso geraria mais discórdia e ódio entre as raças. 

-Então é isso? O que querem em troca?

-O quê? Não, não viemos resgatar nenhuma recompensa, apenas quero saber se ele está bem, começou ontem a noite a sua pele está estranha e ele está crescendo rápido.

-Hum... É que você deve ter uma energia espiritual muito pura então ele está se alimentando bem. Não se preocupe ele está apenas mudando de pele. - O mais velho o pegou no colo o olhando minuciosamente.

No começo Rin e os outros acharam que ele estava procurando por ferimentos ou maus tratos ao bebê mas depois de verem a feição incrédula do soldado  ficaram mais curiosos ainda.

-Esta criança não é uma qualquer, ele é o filho do nosso falecido rei, tem a marca em seus pés do príncipe perdido Jae-ha!

O outro guerreiro que voltava se recompondo quando ouviu aquelas palavras se surpreendeu correndo para ver a criança.

-O que?! Como pode ser? ele estava desaparecido a meses!

 O grupo de Rin ficou feliz, se entre olharam sorrindo com certo alívio. 

-Pelo retorno em segurança do nosso príncipe à nossa aldeia vocês são bem vindos para usar de nossas instalações como desejarem. E hoje haverá um banquete em comemoração ao retorno do príncipe , são nossos convidados. 

Rin estava radiante de poder ter ajudado aquela criança que como ela desconfiava era especial. Seguiram os guardas até o interior da aldeia onde foram recebidos com olhares curiosos e alguns até de ódio por serem humanos e por terem youkais andando com humanos, aos olhos dos youkais cobras era tão ruim quanto ser humano. 

Os dois guardas seguiram até a frente do palácio e foram recebidos por um grupo de ansiões com olhares questionadores. 

-Grande conselho dos youkais cobras lhes apresento ao príncipe e herdeiro do trono por direito de sangue Jae-ha o único e legitimo. Esse grupo o trouxe para nós pois o encontram sozinho em sua jornada.

Todos que estavam ali e ouviram o pronunciamento aplaudiram e comemoravam, pareciam ansiar pelo retorno de seu príncipe e embora apenas um bebê já era adorado pelo seu povo como um futuro salvador.

Rin e os outros foram levados aos aposentos mais luxuosos da aldeia, era uma sala ampla com paredes revestidas em ouro e sofás brancos que rodeavam as colunas de sustentação revestidas de jade, haviam salas de banho laterais com banheiras que mais pareciam piscinas, foram instruídos a se prepararem para o banquete.


Notas Finais


Minna não desistam de mim que eu não vou desistir dessa Fic Haha ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...