História Perdido em seu olhar - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Inuyasha
Personagens Inuyasha, Kaede, Kagome Higurashi, Rin, Sesshoumaru
Tags Continuação, Final Alternativo, Sesshoumaru, Sesshyrin
Visualizações 86
Palavras 1.267
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Hentai, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi Minna! Sei que tem muita ansiedade com o reencontro do Sesshy com a Rin mas prometo que em breve vai acontecer ^^

Capítulo 5 - Serei sempre seu protetor


Fanfic / Fanfiction Perdido em seu olhar - Capítulo 5 - Serei sempre seu protetor

Rin e os garotos não podiam estar em um momento melhor pois estavam relaxando como a muito tempo não faziam. Rin foi para uma das salas de banho e os meninos para outra, Kirara foi receber alimentos e tratamento especial, também estava aproveitando dos mimos daquele clã que sabia como viver.

Rin agora dentro da banheira de mármore com água quente e pétalas aromáticas  parava para pensar na aventura que viveu e como se arriscara sem pensar duas vezes. Ela parou e fechou os olhos recostando sua cabeça na beirada da banheira, seus pensamentos foram longe, em um lugar tão ou mais luxuoso que aquele em que estava, um castelo que sonhara a vida toda em conhecer, em um Lord que sonhava em reencontrar. Suas esperanças consistiam em haver uma boa explicação para o afastamento do seu Lord, em ter sido algo para o seu próprio bem. Mas a medida que a esperança fraquejava os pensamentos de que poderia ser um incomodo ou um atraso para o seu Lord não eram descartadas, quem sabe até mesmo uma vergonha para quem ela mais admirava. Decidiu parar com esses pensamentos que a deixavam triste e desanimada, não era hora para isso afinal a noite seria de festa e pela manhã sua jornada continuaria.

A outra sala de banho não estava tão quieta como a de Rin, os garotos se banhavam conversavam e discutiam.

-Dá para parar de jogar água?!

-Você não podia ter traçado outra rota para estrada? Tinha que passar por aquela aldeia?

-Ah Shippou não comece eu estou aqui para relaxar, depois do dia que tivemos é mais que merecido.

-Então acha que não foi nada colocar a Rin em todo esse perigo?

-Está me culpando pela história da criança? Então se estivesse sozinho não ajudaria?

-Claro que ajudaria, mas ver a Rin daquele jeito foi...

Os dois abaixaram a cabeça lembrando dos apuros e como Rin ficou debilitada tendo sua energia sugada.

-Não imaginaria ela fazendo o contrário. Ela é mandona e inconsequente sempre pensando nos outros primeiro, acho que essa é quem ela é. - Kohaku parecia devanear um pouco entre suas palavras.

-Você a ama?

Nesse momento Kohaku endireitou a postura, nunca tinha feito essa pergunta para si mesmo, afinal era tão natural estar ao lado de sua amiga que ele não percebera seus sentimentos se desenvolverem.

-Não tenho uma resposta imediata para isso.

- Pois eu sim, eu a amo! Mas sei também que isso seria impossível afinal os olhos dela no momento só visam outro youkai, o qual não sei ser uma boa ideia encontrar sem ser convidado.

-Ela sabe dos riscos e tomou sua decisão mesmo assim, se arriscar pela verdade é um caminho sem volta.

-Nya! Que seja , vamos estar aqui para ela. - Disse sorrindo corado para Kohaku que retribuiu assentindo.

...

Chegada a noite todos se encontravam sentados nas mesas em torno de um salão redondo o qual estava uma espécie de ringue dourado. Passada algumas horas subiram um ansião e umgaroto com ele no ringue.

-Tribo dos youkais cobras estamos aqui reunidos hoje para comemorar a chegada do nosso príncipe e lhe dar as boas vindas! -Anunciava o ansião erguendo seu cajado com a forma de uma cabeça de naja na ponta.

Foi uma comoção geral, todos aplaudiam e urravam alegres e muitos bêbados também. Rin estava reconhecendo aquele garotinho que estava ao lado do ansião de algum lugar, seus olhos eram tão familiares.

-Agora vamos consagra-lo nosso líder legitimo da forma como os youkais cobra sabem fazer melhor!

O ansião desceu do ringue e subiu um brutamontes gigantesco, era um youkai grande e musculoso. Então, espera... Era isso mesmo? Eles iriam lutar? Mas o garotinho não tinha mais do que 6 anos!!! Todos estavam indo ao delírio com aquilo, o brutamontes começou as investidas e o garoto nada assustado se desviava como se analisasse o grandão, seu olhar e expressões sérias o davam um ar de mais velho mas ainda assim era uma criança. Ele estava calmo apesar da visível desvantagem. O maior apesar de muito grande não era lento mas as esquivas ainda estavam funcionando até que o gigante blefou que iria bater na direita voltando o cotovelo para a esquerda o acertando em cheio arremessando o garoto ao chão. Rin levantou por impulso imediatamente com a mão no peito como se pudesse se acalmar mas Shippou a segurou pelo pulso a forçando se sentar novamente.

-Não se envolva, isso é do jeito que tem que ser.

-Mas ele é apenas uma criança!

-Não, ele é o futuro rei, e como tal tem que mostrar poder.

-O que?! Você quer dizer Shippou que esse menininho é aquele bebê que salvamos?

Shippou acenou positivamente para Rin que estava em choque com a noticia. Como era possível? Ele era um bebê, mesmo que estivesse crescendo rapidamente, ele era um bebê...

-Os youkais aceleraram o desenvolvimento dele lhe alimentando da energia dos mais fortes soldados, antes que fale algo, todos eles foram voluntários.

-Não pode ser... - Rin estava atônita. 

O garotinho se levantou limpando o sangue do rosto e olhando impassível para seu adversário que ria já se vangloriando pois tinha certeza da vitória. O garoto de orbes azuis se esgueirou rápido como uma cobra e atingiu o adversário entre as costelas com diversos chutes que fizeram o local brilhar por um instante. Logo ele voltou a sua posição inicial com a face inexpressiva e deu as costas para o gigante que não se mexia até que desmoronou no chão do ringue dourado cuspindo sangue. A multidão foi à loucura!

-Salvem o príncipe Jae-ha! Salvem o príncipe Jae-ha! Salvem o príncipe Jae-ha!

Rin não se sentia bem precisava sair para tomar um ar. Nas escadarias externas da grande construção onde abrigava a festa estava Rin sentada olhando as estrelas e pensando se fez realmente o melhor por aquela criança, ver como o trataram foi assustador, por mais que tentasse não conseguia entender.

-Você não tem medo de ficar sozinha?

Rin não escondeu o susto com a aproximação sorrateira do desconhecido atrás de si. Quando se virou para ver quem lhe perguntara deu de cara com um garotinho agachado a olhando tão próximo que poderiam bater testa com testa. Apesar de tudo ela não entendia bem mas sentia que tinha criado um elo com aquele ser, sorriu para ele o que o deixou confuso e incomodado. Rin vendo sua face ainda machucada sentiu um aperto no peito.

-Você está bem?

-Como ousa se dirigir à mim de tal maneira? Não sabes que sou um futuro rei?

Rin não tinha muita tolerância com arrogância então se levantou e mudou de uma postura maternal amorosa para uma de mãe muito brava.

-Como é? Garoto você não sabe o que eu passei por você, você me sugou as energias, tirou meu sono, me deixou preocupada e agora está falando como quem nunca precisou de nada?! 

O garoto mudou o semblante drasticamente, pareceu feliz, mesmo olhando para o chão ele sorria.

-Não pense que vou agradecer...- levou o olhar para Rin se levantou e disse - Porque de hoje até o seu ultimo dia de vida serei sempre seu protetor! Um dia a farei minha rainha!

Rin se surpreendeu com a declaração do menino que a olhava sério e profundamente, não parecia uma promessa falsa ou algo banal, ele realmente a protegeria, e ela sentia isso. O garoto deu língua para ela com ar travesso e correu para dentro da grande construção deixando uma Rin com o coração transbordando de carinho e orgulho pelas escolhas que a trouxeram até aquele momento.

 

 

 


Notas Finais


Minna amei escrever esse capitulo S2
Espero que gostem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...