1. Spirit Fanfics >
  2. Persona:Novo desejo dos deuses >
  3. Diego

História Persona:Novo desejo dos deuses - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Eu me empolguei com essa história mas não sei dizer se esse cap ficou bom depois de ter acabado de revisar ele, mesmo revisando eu reviso com sono então erros de português acabam passando sem que eu veja as vezes e eu sinto muito por isso, espero que gostem

Capítulo 3 - Diego


Num lugar muito além do alcance de seres humanos comuns, mas ao mesmo tempo muito perto deles, existe um cômodo que está atualmente sem absolutamente nenhum som. Não é possível registrar nenhuma onda sonora no local. Tal local é composto por quatro paredes de concreto, uma porta de carvalho e uma janela de vidro que não se abre nem por dentro nem por fora, dentro do comodo a somente uma mobília, uma cama de solteiro feita de madeira sob um colchão muito levemente úmido com alguns resquícios do suor de uma garota, encima do colchão a somente um travesseiro com uma grande mancha de lágrimas sobre si

Assim o quarto permanece, sem nenhuma forma de vida senão os micróbios do ar, nenhuma movimentação relevante, sem nenhum som, quase uma moldura. Isto até o momento em que uma garota trajada como um cavaleiro medieval abrir a porta com um chute

-Chegueeeiii!!-Ela exclamou enquanto entrava no quarto

-Você não tinha dito que não tinha ninguém aqui?-Perguntou um rapaz trajado só de branco que vinha logo atrás dela

-Não custa nada tentar-Ela disse coçando a parte de trás da cabeça

-Entendo-Ele respondeu analisando o local

-Esta é a cama onde eu acordei-Disse a garota apontando a pequena cama de madeira-E esta aqui é uma mancha que eu fiz com minhas lágrimas quando eu tive uma crise existencial-Ela disse apontando a grande mancha de umidade no travesseiro

-Você ficou acordada aqui por menos de 10 minutos e mesmo assim deixou sua marca

-Não queria que esse lugar esquecesse de mim

-Entendo...

O garoto se sentou na cama e ficou observando a janela, tudo que ele via era um vasto céu azul desprovido de nuvens. Aquela visão simplória colocava a mente dele pra funcionar e diversos pensamentos lhe passavam pela cabeça em um curto período de tempo

A linha de raciocínio dele foi quebrada somente quando a garota sentou ao lado dele e passou a admirar a mesma vista. Ela se aproximou dele ao ponto de encostarem os ombros visando ter a visão mais parecida com a do rapaz que ela pudesse ter, e as vezes aproveitando para admirar como Diego mantinha seu nariz empinado mesmo enquanto ele admirava a vista de algo muito maior que ele, como o céu

A proximidade da moça incomodava Diego, ele conseguia sentir os olhares dela e tinha certeza de que ela não fazia a menor ideia do que a visão de um simples céu azul significava para ele, isto o irritava. Ele pensou em quebrar o silêncio com algum comentário que puxasse um assunto que ele poderia usar para explicar para ela o significado que aquela visão tinha para ele, porém ela foi mais rápida...

-Bem-Ela disse olhando Diego nos olhos-Agora você sabe tanto sobre mim quanto eu, mas eu não sei quase nada de você, tirando que você é um especialista em magia e um suporte incrível

-Isto é verdade-Os elogios no final da frase da garota ativaram a arrogância de Diego e ele acabou falando com o sotaque de sua terra natal por descuido-De fato creo' que deve ansiar e mucho descobrir o passado por trás de uma figura tão icônica quanto e Yo, voi começar a contar por el começo...

A garota não pode conter o riso enquanto ouvia o garoto falar com sotaque, reparando nisso, Diego corou e colocou mão na frente da boca

-O que tem de tão engraçado no meu sotaque???!!!-Ele exclamou irritado

-Desculpa...-A garota disse tentando parar de rir-É que você não tem nenhum pouco de cara de gringo, muito menos de algum outro pais da América latina, mesmo assim seu sotaque é tão forte...

-Isto é preconceito!!!-Ele exclamou mais irritado que antes

Ao ouvir aquelas palavras a garota parou de rir e ficou paralizada por alguns momentos, depois de retornar a realidade ela se curvou na frente dele enquanto dizia:

-Sinto muito...

Técnicamente o que ele havia dito era verdade, ela estava se sentindo um lixo descriminador tão ruim quanto qualquer grande latifundiário do Brasil colonial, e estava mentalmente tentando desfazer a imagem pré construida de um natural de qualquer país da América latina que não é o brasil

Diego olhou ela de cima como se ele fosse um ser superior por alguns instantes, até que ele segurou a própria onda evitando que a própria arrogância dele saísse do controle. Ele fez um gesto pra que ela se levantasse e disse:

-Tudo bem, você não fez por mal, você é só uma idiota então não tem problemas...

As palavras dele acabaram com praticamente toda a culpa que a garota sentia num instante. Ela voltou a se sentar do lado dele

-Ao invés de você me contar a história da sua vida-A garota disse olhando Diego nos olhos-Que tal eu ir fazendo perguntas sobre você e dai você vai respondendo?

-Você gosta mesmo de perguntas...-Diego não era fã da ideia, ela ja veio todo o caminho desde o local da batalha contra o demônio vermelho até aquele quarto fazendo uma série de perguntas sobre magia as quais ele respondeu o mais pacientemente que pode, era a mesma coisa agora, porém com perguntas sobre um tema diferente

-Que bom que concordou, qual sua cor favorita?-A ideia da garota foi aprovada sem que Diego concordasse

O rapaz suspirou profundamente antes de responder

-Branco

-Sua comida favorita?

-Paella-O sotaque argentino dele veio a tona nessa palavra e pegou a garota desprevenida, mas ela evitou a risada

-Sua música preferida?

-Não tem uma música em específico o qual eu considero minha preferida, mas eu aprecio demasiadamente o jazz e a música clássica no geral...

Um pequeno portal laranja se abriu atrás de Diego, muito rapidamente um espírito com cabeça de abóbora carregando uma lamparina saiu desse portal que se fechou logo em seguida

-Ele também gosta muito de música sertaneja do Brasil!!-O espírito exclamou depois de sair

-Não lembro de alguém ter te convidado para a conversa-Diego disse parecendo mal humorado

-Eu sou seu melhor amigo!!-O espírito disse-Devido ao assunto que está sendo pautado eu creio que minha presença tem muito a adicionar na discussão!!!

-Eu concordo com ele!!!-A garota exclamou

-Primeiro-Disse o garoto-Você não é meu amigo!!!! Segundo, desde quando você está ouvindo essa conversa?

Jack bateu na cabeça de Diego com a lamparina

-Como pode dizer que não somos amigos depois de tudo que passamos???

-Como ousa me agredir???!!!

Diego materializou o arco e flecha dele

-PAROU!!!-A garota exclamou-Eu ja decidi que o cabeça de abóbora vai participar das respostas quando ele achar necessário, deixem pra terminar essa briga de casal ai bem longe de mim, em outra dimensão talvez

Diego desmaterializou seu arco e Jack passou a flutuar ao lado dele naturalmente, porém eles tiveram aquela típica encarada de crianças de 5 anos que acabam de discutir e a briga foi interrompida por alguma autoridade como uma professora ou a "mamãe", como se eles dissessem "não quero mais brincar com você!" com o olhar

-Onde estavamos...-A garota disse se preparando para fazer a próxima pergunta-Quantos anos você tem?

-17

-Provavelmente tenho algo em torno disso, onde mora?

-Antes de vir pra esse lugar bizarro, na casa dos meus país

-Onde estuda?

-Na melhor escola particular da minha cidade

-Pagou pra entrar ou ganhou bolsa?

-Sabe as vezes eu questiono sua amnésia-Ele disse fazendo uma cara feia de desanimo-Ganhei uma bolsa de estudos por ser inteligente

-Memórias e informações são coisas diferentes, eu sei de muita coisa mas não lembro de nada entende... Não sei como sei mas eu sei...

-Isto é idiota e fascinante

-Próxima pergunta, desde quando está nesse lugar?

Diego se cala por um instante, ele se levanta e fica de costas para a garota enquanto admira silênciosamente a pequena vista que a janela proporcionava. Jack ficou com uma experiência séria e passou a flutuar próximo a Diego enquanto compartilhava de seu sentimento melancólico

-Eu perguntei algo que não podia?...-A garota perguntou se sentindo muito desconfortável

-Não-Diego respondeu-Na verdade eu estava esperando por essa pergunta, se permite que eu de uma resposta mais comprida que o esperado...

Diego se virou para a garota e passou a gesticular elegantemente enquanto falava

-Eu nasci em buenos Aires a cerca de 17 anos atrás, filho de uma imigrante brasileira com Deus sabe quem, só sei que devo ter puxado meu "pai" ja que não pareço em nada minha mãe, pelo menos no que se diz a minha personalidade, ja que herdei seu cabelo, olhos, boca e tom de pele, mas diferente daquela mulher relaxada sempre tive muita elegância em tudo que faço, nunca deixei algo feito pela metade, depois que minha progenitora foi encontrada morta num beco depois de sair pra beber e sumir por três dias eu passei a viver com meus tios no Brasil, naquele lugar eu não tive descanso nem por um segundo, para meu tio eu não era como um filho ou sobrinho, mas sim um investimento, se ele não pensasse que eu poderia lhe retornar cada centavo que ele gastaria comigo com juros ele me jogaria na sarjeta para morrer de fome...

Diego sorriu sarcasticamente enquanto dizia sua última frase, ele tinha toda a atenção da garota com ele que estava quase chorando

-...Sob a tutela daquele homen eu aprendi a esconder meu sotaque, também aprendi a priorizar a eficiência e a ignorar minhas emoções, na escola não fiz amizades que não tivessem segundas intenções, e mantive a imagem de um cavaleiro branco sem defeitos, quase um robô que vivia apenas para estudar e buscar o topo, para que minhas emoções reprimidas não saissem do meu controle, eu expressava todas de uma vez enquanto exibia meu enorme talento manejando o arco e flecha, sem nunca baixar a cabeça nem por um segundo...

Diego continuava a manter sua elegância característica enquanto falava, até que a garota em frente a ele caiu no choro e o abraçou bem forte

-Ta tudo bem... Ta tudo bem...-A moça dizia enquanto apertava o corpo do garoto

-Me solte...-Diego dizia parecendo irritado

Ela obedeceu, porém continuo chorando e fazendo carinho na cabeça de Diego tentando o confortar

-Eu to bem-Diego disse visivelmente envergonhado-Sinto muito por falar demais, creio que ja passa da hora de nós...

A garota segurou os ombros dele com força, olhou ele nos olhos e disse:

-Pode falar tudo o que quiser! Você não está sosinho!

O espírito do fogo que acompanhava o rapaz entrou no campo de visão dele e concordou com a cabeça depois que a garota terminou de falar. Diego corou e logo em seguida retomou sua postura de superioridade e voltou a sua história:

-...Quando entrei no ensino médio eu ja tinha acumulado boa fama, tudo ia conforme meu plano perfeito e se encaminhava para o meu fim glorioso como político em que eu mais minha bancada de seguidores fiéis tornamos meu país uma potência maior que todas as outras, porém... Ouve um pequeno imprevisto... Um dia... Sem aviso prévio ou motivo aparente, eu acordei nesse lugar...

Ouve um silêncio melancólico que durou quase um minuto preencheu o quarto

-...E isso foi a 2 anos... Sabe, nesses dois anos aqui só achei três janelas contando com essa, tentar quebrar as janelas ou paredes é contra as regras por isso eu não posso fazer mais que admirar um fragmento de um céu azul...-Diego disse se dirigindo a saída do quarto

-Desculpa te perguntar isso, Mas por que você ta me contando tudo isso?-A garota disse enchugando suas lágrimas

Diego esboçou um sorriso confiante antes de responder a garota

-A única coisa em que eu confio de verdade nesse mundo é meu instinto infalível, e ele me diz que é bom ter você por perto, agora que você sabe minha história sem a omissão de detalhe algum e vice versa, podemos nos considerar verdadeiros parceiros-Diego estendeu a mão para a garota enquanto falava

A garota por sua vez ja havia terminado de limpar suas lágrimas, ela andou até Diego e apertou a mão dele com força

-Beleza, parceiro!!-A garota exclamou com um sorriso confiante

O espírito do fogo que os acompanhava se meteu entre os dois parecendo bastante irritado com Diego

-E quanto a mim?!!-Ele perguntou olhando o rapaz nos olhos

-Você contínua sendo meu parceiro também-Diego respondeu sorrindo-Estamos ligados por um pacto de sangue, minha vida está nas suas mãos e vice versa-Ele pausou e direcionou o olhar para a garota-Com você também, pode se considerar meu investimento, vou te ajudar a descobrir seu passado, e você vai me retribuir o favor algum dia

Após ouvir as palavras de Diego, a garota sorriu e soltou sua escandalosa gargalhada confiante antes de o responder

-Pode deixar!! A partir de hoje somos parceiros!

-Não me ignorem!-O espírito do fogo exclamou

-Não se preocupe, nós precisamos de você-Diego disse saindo do quarto e seguindo pelo corredor cinza e monótono sem olhar pra trás

O espírito do fogo e a garota de armadura foram logo atrás do rapaz de branco, o trio continuou a jogar conversa fora sobre qualquer coisa enquanto seguiam pelo monótono corredor cinza

...

Em local bem distante do monótono corredor cinza, mas ainda dentro da mesma construção. Em um cômodo bem espaçoso deste local, demônios, espíritos e usuários de magia estavam coexistindo de forma totalmente pacífica, demônio algum sequer pensava em tentar destruir um espírito ou usuário de magia e vice versa

Todos estavam reunidos naquele local unidos por um interesse em comum de todas as formas de vida ali presentes, bebidas pela metade do preço

O cômodo é composto de varias mesas e com cadeiras e dois balcões diferentes, em cada balcão ah quatro garotas de raças distintas anotando os pedidos e servindo bebidas alcoólicas de todo o tipo para os clientes. Garçonetes vestindo roupas curtas levavam bebidas e porções para as mesas de acordo com os pedidos dos clientes e também anotavam seus pedidos e cobravam os clientes pelos serviços prestados

O local era totalmente preenchido pelo som de uma música dos anos 70 tocada pela jukebox somado com a gritaria e as conversas que rolavam no lugar. Um demônio com grandes chifres vestindo apenas uma saia de folhas havia bebido demais e acaba subindo na mesa, em seguida ele realiza uma dança folklorica que originalmente conta um conto épico de um herói forte que derrota seus inimigos e morre de forma honrosa. Porém, devido ao alcool a performance dele acaba tendo um teor cômico e ele acaba contando com a dança uma história de um herói que morre atingido por uma pedrada na cabeça, no final da dança ele cai duro no chão levando junto dele a mesa e todos os comes e bebes que estavam sobre ela, os companheiros de mesa do demônio e todas as formas de vida presentes no resinto se acabaram na risada, um pequeno espírito do vento que exercia a função de faxineiro e se vestia como as garçonetes limpou a bagunça num instante e todos voltaram a beber

Assim era esse local todo o dia, ele ficava sempre aberto e sua energia nunca mudava e nunca ficava sem clientela, se saiam dois ou três por ficarem sem dinheiro ou qualquer outro motivo, não demorava para outros entrarem e assim o local prosperava como um ponto de encontro amigável para todos na construção

Tal lugar tinha somente cinco regras que eram absolutas, qualquer um que quebrasse alguma delas poderia ser punido com uma execução imediata dependendo do caso. As regras do local eram as seguintes:

*Não são toleradas lutas independente do motivo

*Não é permitido usar magia, exceto pelos funcionários do local

*Todos devem pagar pelo que comem e bebem

*Não é permitido faltar com respeito as funcionárias locais

*Assédio de qualquer tipo pode ser punido com a expulsão eterna (Esta foi implementada depois de um escandalo envolvendo um inncubo e uma fada)

Desde que as regras sejam seguidas qualquer um pode ficar o tempo que quiser e apreciar a experiência. Porém existe também uma sexta regra não escrita entre as pessoas que vão a esse local, a regra é "O que acontece no pub, fica no pub" nunca foi dado um nome oficial a essa sala por isso os que constantemente vão la a apelidaram carinhosamente de "pub"

Conversa vai, conversa vem, o pub continua como sempre naquele dia, com a pequena diferença de que devido ao aniversário de 461 anos do cômodo tudo estava sendo comercializado pela metade do preço, portanto o local estava mais lotado do que o normal. Numa das mesas, a que ficava no meio do estabelecimento respectivamente, estava um usuário de magia humano, ele era albino, tinha 1,88m de altura, possuia um cabelo loiro arrepiado de forma quase sobrenatural, vestia uma regata preta por baixo de uma jaqueta vermelha, relativamente musculoso, no pescoço ele tinha uma gargantilha preta com espinhos e pulseiras práticamente iguais a gargantilha, na larte inferior do corpo uma calça jeans rasgada e um sapato preto visivelmente gasto, por fim, ele tinha os olhos cobertos por uma faixa de pano com o desenho de um olho

Este usuário de magia estava acompanhado por sua parceira, uma kitsune que havia assumido uma forma humana, porém ainda dava para ver cinco caudas de raposa saindo de baixo do vestido dela, tirando isso a aparência dela era a de uma humana de 1,67m de altura, longos cabelos negros, dava pra dizer que ela teve sua origem na terra do sol nascente só de olhar sua maquiagem que era semelhante a algo que uma gueixa japonesa usaria nos tempos do Japão feudal, corpo volumoso, olhos negros, vestindo um vestido vermelho e pés descalço

Enquanto a kitsune elegantemente degustava uma taça de vinho cara, o usuário de magia estava virando sua trigésima caneca de chope do dia depois de ser desafiado por sua acompanhante que duvidava que ele seria capaz de beber todo o conteúdo da caneca num único gole, infelizmente pra ela ele conseguiu sem problemas

-Desce mais uma!!!-Ele esclamou batendo a caneca contra a mesa

-Você é um funil sem fundo-A acompanhante dele disse dando uma risada

-Ta rindo por quê? Você acabou de perder a aposta!!

-É que eu li que vocês humanos perdem a memória e ficam com dor de cabeça depois de acordar caso tenham bebido demais na noite anterior

-Não se preocupe, farei você me pagar antes de pegar no sono!!

A aposta consistia em que o perdedor pagaria seu peso em álcool para o vencedor

-Vai com calma, eu também li que álcool demais pode fazer humanos desenvolverem uma doença que lhes tira a vida

-Não se preocupe!!!-Ele disse antes de beber um gole da cerveja de uma caneca que havia acabado de chegar-Isso não se aplica a usuários de magia! Podemos curar todas as nossas enfermidades com um feitiço num instante!!

-Eu pensei que você não tivesse magia de cura...

-Mas eu conheço quem tenha!!!

-Esta se referindo a mim não está?...

-E você vai simplesmente deixar que eu morra sua sem coração???!!!!

-Bem-Ela suspirou antes de continuar-Se é assim então pelo menos não encha a cara as minhas custas...

-Você apostou porque quis!!

-Ai você tem um ponto...

Enquanto a dupla conversava, uma garotinha assustada entrava pela única entrada e saída do pub, essa garotinha é a mesma que havia invocado o demônio vermelho na intenção de tirar a vida de Diego e sua parceira outra hora

Devido a uma peculiaridade de sua magia, a garota só é capaz de enchergar a uma distância mínima de 50 metros de distância dela, portanto ela não fazia a mínima ideia de como se pareciam seus arredores e se guiava através do tato, afinal devido ao cheiro de álcool e outras coisas o olfato dela estava anulado, assim como a audição estava inutilizada devido a música alta e outros sons

Assim a garotinha se encontrava perdida trombando em todo tipo se criatura a todo momento sem fazer a mínima ideia de onde ela estava indo

Ninguém no local pensava em tratar aquela menina como uma criança, dentre as criaturas sobrenaturais que habitavam aquele local era mais que normal encontrar espíritos e coisas do genero que se pareciam com humanos, porém estes não tinham que se preocupar com os males que vinham com o tempo ja que estes não sofriam do envelhecimento, com o tempo apenas acumulam sabedoria e poder, não sofrendo alterações em sua aparência, por isso não ouve nenhum estranhamento das criaturas no pub quando uma criança entrou no local

A garotinha continuo trombando em todos sem fazer ideia se ela estava mais próxima de seu objetivo até o momento em que ela trombou com um slime e a mão dela ficou pressa dentro do corpo gelatinoso da criatura

-Posso ajudar?-A criatura perguntou com naturalidade

O uniforme do local estava boiando dentro do corpo da criatura mostrando que ela era uma das funcionárias do local, uma garçonete mais específicamente

-Sim!-A garotinha exclamou-Me leve até o Traurig!! É um cara alto e musculoso com uma faixa na cara!

-Pode deixar-O slime disse fazendo a forma de um sorriso em seu corpo

A funcionária então levou a menina até a mesa onde se encontrava o Traurig, este ja era conhecido da slime por ser um cliente que ia ao pub com frequência. Ele era conhecido por quase todos os clientes do pub por ser um usuário de magia que vem ao local com muita frequência e bebe mais que um qualquer forma de vida que ja apareceu no pub, ele também estava sempre acompanhado de uma kitsune de cinco caudas

Quando a garota ja estava a 10 metros da mesa em que estava o Valdecir, ela conseguiu ouvir uma voz que conseguiu passar pela barreira da música alta e alcançar os ouvidos dela:

-Serdityy!!!!-Era a voz do Traurig

Ele havia avistado a garota se aproximando dele e havia a reconhecido na hora, ele estava acenando pra ela enquanto gritava

-Você esta chamando muita atenção!!!-A kitsune disse cobrindo o próprio rosto com as mãos

-Ela não pode enchergar!!!-Ele exclamou-Se eu não gritar alto o bastante ela pode não me achar aqui!!!

-Então por que você está acenando!?

-Pra chamar a atenção dela!!!

-Mas ela não pode enchergar você acenando!!

-Por isso estou tentando chamar a atenção dela!!!

-Traurig você não acha que ja bebeu demais?...

Enquanto eles discutiam a garota chegou até a mesa e se sentou ao lado do homen depois de se despedir da slime

-Trau?...-Ela perguntou com medo de estar na mesa errada

-Serdityy!!!-Ele respondeu abraçando a garota e dando um cascudo de irmão mais velho na cabeça dela

-Pare...-Ela disse tentando afastar a mão do homen dela

-Estava com saudades de mim não estava?-Ele perguntou obedecendo a garota e chamando uma garçonete com um gesto

-Nem um pouco!!-Ela respondeu enquanto fazia uma careta

-Oi Serdityy, como tem passado-A kitsune disse antes de beber mais um gole do vinho da taça que ela segurava

-Bem, obrigada...

A garçonete que Traurig havia chamado chegou até a mesa enquanto elas conversavam, o homen pediu uma caixinha de suco de maçã para a garotinha e pediu para por na conta dele. Antes da garçonete trazer o suco de maçã ele terminou a caneca de chope que estava tomando e as garotas botaram o papo em dia em relação a o que ocorreu em suas vidas no tempo em que não haviam se visto, quando a garçonete chegou ela trazia duas caixinhas de suco

-...Imaginei que você ia querer uma também-Ela disse servindo as caixinhas de suco

-Obrigado Edna, você é um amor-Traurig disse se despedindo da garçonete

-Você sabe o nome da garçonete?-Serdityy perguntou antes de começar a beber o suquinho de maçã

-Eu sei o nome de quase todo mundo nesse castelo!!!-Ele respondeu antes de começar a beber o suquinho dele

-Não estamos num castelo-Serdityy disse beliscando uma porção de algo que se parecia com azeitonas o qual Traurig ja estava comendo junto com a cerveja antes dela chegar

-Ninguem sabe como esse lugar se parece por fora então eu chamo de castelo-Traurig disse beliscando a mesma porção que ela

-Bom ponto-A kitsune apontou antes de rir

-De toda forma-Serdityy disse batendo a caixinha de suco vazia na mesa-Eu tenho um favor pra te pedir...

-Pode me pedir qualquer coisa!!-O homen disse abraçando a garotinha

-Tem haver com Diego-Serdityy disse empurrando o homen

-O que tem esse filho da puta?-O sorriso no rosto de Traurig que até o momento havia se mantido constante desapareceu num instante dando lugar a uma cara muito seria

-Poderia matar ele pra mim?-A garotinha perguntou mordendo o próprio dedão e corando

-Se eu pudesse ja tinha feito picadinho dele por mim mesmo-Ele disse terminando de beber o suco da caixinha de suco

-Você não pode?!!-Ela perguntou tirando o dedão da boca mas deixando umas gotas de sangue pra trás

-Da última vez que dei de cara com ele eu tomei um couro, foi assustador-Traurig amassou a caixinha de suco enquanto olhava para a própria porção com um olhar reflexivo

Serdityy desacreditava do que ouvia e via naquele momento, mais uma caneca cheia chegava até a mesa, Traurig tragava o conteúdo daquela caneca com o semblante de quem bebe pra esquecer os problemas de forma melancólica enquanto se dói por dentro remoendo suas tristezas

Como amiga de longa data, Serdityy pediu uma caneca cheia pra ela, só para poder o acompanhar em sua tristeza. A kitsune serviu outra taça de vinho para si e entrou na mesma energia de seus amigos

Essa energia depressiva prosperou dentro daquela mesa por alguns momentos enquanto todos degustavam melancolicamente suas bebidas. Isto até a kitsune não conseguir mais se segurar e cair na risada, o usuário de magia com ela também não conseguiu se segurar e passou a rir logo em seguida

Serdityy ficou muito confusa ouvindo as risadas e simplesmente não sabia como reagir, ela ficou perdida até o momento em que Traurig começou a falar

-To brincando!!! Não acredito que caiu nessa!!-Ele disse dando tapas amigáveis nas costas da garota

-Você me assustou seu filho da puta!!!-Serdityy exclamou-Por um momento achei que você tivesse levado uma surra daquele merdinha...

-Que nada!!!-Ele disse retomando seu sorriso de antes-So não fiz picadinho daquele cara ainda porque ele deu sorte de não aparecer na minha frente!!!!

-Não sabia que você bebia Serdityy-A kitsune disse olhando pra caneca de chope da garota

A menina olhou pra caneca em sua mão e corou reparando no fato de que aquela era a primeira vez que ela bebia. Ela mordeu o dedão novamente e estava a beira de um ataque de pânico

-Enfim!!-Ela exclamou tentando se controlar e passou a descontar seus sentimentos no próprio dedo enquanto falava-Eu no momento tenho uma ideia do onde o Diego está, eu tentei matar ele com um demônio mas parece que ele agora está viajando junto com uma usuária de magia muito forte então eu quero sua ajuda pra acabar com a vida dele!!!

-Claro!-Traurig exclamou batendo a caneca de cerveja contra a mesa-Assim que eu terminar de fazer essa aqui me pagar uma aposta que fizemos antes de você chegar vamos acabar com aquele desgraçado juntos!!!

Assim a conversa continuou nessa mesma energia enquanto a aposta da dupla era paga pela kitsune.

...

Em um lugar bem longe do pub, num grande corredor cinza mais específicamente. Um garoto trajado só de branco que estava encostado na parede enquanto esperava por alguém soltou um espirro. Mesmo aquele espirro tendo pegado o garoto de surpresa ele conseguiu espirrar de maneira elegante

-Você esta gripado?-O espírito de fogo que acompanhava o rapaz o perguntou

-Eu espero que seja isso-O rapaz disse tirando um lenço do bolso e limpando o próprio rosto-Meu instinto me diz que esse espirro não é um bom sinal...

Continua...


Notas Finais


Eu sei que os nomes desses personagens são meio estranhos(assim como tudo nessa história) mas por que eu não sou bom em dar nomes então peguei algumas palavras e traduzi do português pro russo no Google tradutor, um fato importante que eu já deveria ter falado no capítulo um é que essa história vai ser dividida em arcos, esse primeiro arco é basicamente de introdução, espero conseguir explicar todas as coisas que quero explicar desse universo pra que as coisas que eu quero fazer depois façam sentido caibam em mais uns 2 ou 3 capítulos de uma forma que fique divertido de ler


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...