História Playboy - Capítulo 31


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens D.O, Kai
Tags Amor, Dança, Dance, Dyo, Exo, Exol, Fanfic, Kai, Kaisoo, Playboy, Sulay, Xiuchen, Yaio
Visualizações 145
Palavras 1.367
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 31 - 31


Fanfic / Fanfiction Playboy - Capítulo 31 - 31

Kim Jongin ...

Soo acabou dormindo em meu colo enquanto conversava com nosso filho. Nosso filho, não estava me cabendo em mim de tão contente.

Depois que enfim me entendi com meu Kyung o puxei para mim, queria matar a saudades que estava do seu cheiro, da sua boca, do seu gosto. Confesso que por um momento esqueci da possível gravidez, mas, só foi ele chegar perto o suficiente que saiu correndo para o banheiro, corri atrás e o vi vomitando assim que notou minha presença ele me expulsou do banheiro até tacou um rolo de papel higiênico. Para alguém que estava vomitando e de costas para mim, ele tinha uma mira excelente. Sai e o esperei no corredor. Alguns minutos depois Soo saiu e me levou para sala, não pude deixar de comentar o fato dele estar com a minha blusa, ele revirou os olhos e ficou sério. Conforme ele ia falando meu coração ia batendo mais forte, tentei interrompe-lo em quanto falava sobre o assunto que deveria ter me contato, mas, ele me calou. No meio da conversa ele se levantou e foi em direção ao corredor e voltou rapidamente, ele começou a dizer algo sobre não estar me obrigando a nada, porém, essas alturas não ouviam mais nada só meus batimentos acelerados, ele pegou um papel no bolso da blusa e me entregou o abri e comecei a ler. Naquele papel tinha a melhor coisa que poderia acontecer na minha, tinha a prova viva do meu amor e de Kyung. Minhas lágrimas começaram a cair, pela primeira vez em muito tempo de alegria. Olhei para Soo que estava com uma cara de preocupado e o abracei o derrubando, sai de cima dele o olhando com medo de tê-lo machucado ou nosso bebê, ele sorriu e me beijou. Depois disso quis ver nosso filho, bom na verdade a barriga já que vai demorar um pouco para ver o rostinho do bebê, enchi a barriga de Soo de beijos e ele começou a chorar.

Levantei com Soo no colo e levei ele para o quarto e o deitei na cama, deite-me ao seu lado nos cobrindo o trazendo para mim. - Como eu te amo, meu pequeno - passei a mão no rosto dele. Acho que fiquei horas o olhando dormir até que ouvi a campainha tocar, como Soo estava dormindo tão tranquilo levantei com cuidado para não acorda-ló e fui até a sala abrir a porta.

Assim que me viu, Minseok arregalou os olhos - o que você está fazendo aqui e cadê meu Soo? - ele entrou feito um furacão me batendo - para Minseok - para alguém do tamanho dele ele é bem bravo - para Minseok? Eu te bato o quanto eu quiser, você acha que eu esqueci o que você fez com Soo?

Sai correndo pela sala com ele atrás de mim - o que você fez com ele? Se você fez alguma coisa eu te mato sua girafa.

Será que Soo tem algum amigo normal?

Assim que dei a volta, Chen apareceu na porta- segura ele Chen ele fez alguma coisa com Soo se não estaria aqui.

Chen parou na porta do apartamento - vocês querem me ... ai - Minseok tacou o celular em mim - cade o Soo? -

- Será que uma pessoa não pode dormir nessa casa? - Soo apareceu no corredor coçando os olhos, Minseok correu até - você está bem? Ele te fez algo?

Soo olhou para Minseok e depois para mim e Chen como se estivesse processando a informação - não, ele não me fez nada. Solta ele Chen - não tinha percebido que Jongdae segurava meu braço, assim que ele me soltou fui até Soo e fiquei atrás dele.

Vai que Minseok me ataca de novo, esse cara da medo.

Soo começou a rir da minha cara olhando para a cara de esquilo assassino de Minseok.

Não é que ele parece um mesmo?!

- Ri mesmo, Soo. Ri quando ele bate no pai do seu filho - Jongdae e Minseok se olharam - ele já sabe?

Jongdae perguntou e Soo concordou.

Acho que fui o último a ser informado que eu ia ser pai, levando em conta que até Junmeyon tinha percebido.

Depois que o Kyung acalmou Minseok sentamos os quatro no balcão (Soo ficou no meu colo, me recusava a me separar da barriga dele). Os dois escutaram toda a história do que Chungho tinha feito atentamente, Minseok me olhou todo sem graça e se desculpou e também me ameaçou caso fizesse algo que magoasse Soo de verdade.

- Só queríamos ver como você estava Do.

Jongdae disse - mas pela sua cara, está bem - ele me olhou e sorriu. - Vamos Mi, vamos deixa os papais as sois.

Comecei a rir com a cara de que Minseok fez - cuida bem do meu irmão e sobrinho se não te bato. - Soo me olhou e começou a rir. Os dois despediram-se e foram embora, fechei a porta e voltei para o quarto com Soo, ele me olhava rindo. - Que foi? - disse me deitando ao lado dele - você com medo de Minseok - ele gargalhou mais - esse seu amigo da medo, ainda mais quando faz aquela cara dele, parece um esquilinho bochechudo.

Soo deitou de tanto rir. - Kim Jongin com medo de Kim Minseok, agora vi de tudo.- O puxei para mim - para de rir - fiz bico e ele me deu um selinho. O segurei e transformei o selinho em um beijo, a mão de Soo foi para meu pescoço e o puxei para meu colo.

Como senti falta desses lábios nos meus.

Finalizei o beijo com uma mordida no lábio inferior de Soo que ficou me olhando um longo tempo -Jongin? - ele se sentou ao meu lado sem interromper o contato visual - sim? - - dorme aqui hoje?

Ele ainda me pergunta - você acha que eu iria embora e deixar o amor da minha e nosso filho dormir sozinhos mais uma noite? - Ele sorriu e deitou a cabeça para um lado com as bochechas coradas - você não sabe como eu amo te deixar vermelho.

Soo se aproximou e dirigiu a cabeça para meu pescoço, mas no meio do caminho desviou - uma coisa - levantei o queixo para ele prosseguir - não use esse perfume até o beber nascer, ele me causa enjoos- comecei a rir, agora está explicado porque ele saiu correndo daquele jeito.

Temos um problema, ele já está na minha pele e vou precisar de um banho para tira-lo - sorri com malícia, mesmo grávido Soo me atraia de um modo assustador, e não pude deixar de notar que sua bunda estava maior e queria conferir isso de perto. Soo me olhou incrédulo - mesmo comigo grávido você não deixa de ser um pornô ambulante. - Aproximei nossos rosto - como já disse antes, sou seu pornô ambulante.

Seguimos para o banheiro, onde tiramos as roupas e entramos debaixo do chuveiro, ensaboei Soo por completo e a coisa mais linda do mundo ele com essa barriguinha. Mas, não foi a única coisa que reparei, depois que me livrei do cheiro do perfume, Soo foi direto para minha orelha. Bom, fazia dois meses que não ficávamos "juntos" e como segundo ele sexo durante a gravidez se não fosse agressivo sexo não tinha problema e como ainda estava no início matamos as saudades um do outro ali mesmo. Soo gemia entre mim e a parede o penetrava devagar, nossas bocas estavam unidas em um beijo, minhas mãos ficaram o segurando pela cintura e as dele nas minhas costas me arranhando.

Saímos do banho abraçados, a pele de Soo fica mais gostosa molhada, nos secamos e ele me deu um calça de moletom para vestir assim que ele terminou de vestir seu pijama o peguei no colo e o levei para cama o deitando, me deitei ao seu lado e ele deitou a cabeça no meu peito nu me abraçando e se encolhendo todo - boa noite, amor.- Sorri e abracei ele e nos cobri, cheguei perto do ouvido dele - boa noite, amor. 

* * *



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...