História Prova de Coragem - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Apostas, Comedia, Fantasminha Camarada, Hoseok Me Representa, Sope, Tema: Prova, Yoonseok
Visualizações 180
Palavras 2.581
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, LGBT, Mistério, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, pessoas lindas ♡

Como estão? Eu espero que bem e se cuidando~

Seguinte, essa fic aqui era para um projeto que, infelizmente, acabou levando ban, quem acompanha minhas fics ou são próximos à mim podem fazer ideia de qual projeto eu esteja falando, então é com pesar que estou postando as fics (sim, serão duas, essa e mais outra que será postada logo, logo), porém, eu não queria que todo trabalho que tivemos (capista, beta e eu como escritora) fosse jogado no lixo, espero que compreendam isso e que não achem que estou desrespeitando o projeto, etc, apesar de ficar sentida porque o amava de coração.

Só queria deixar isso claro antes de lerem rs

Boa leitura ♡

Capítulo 1 - Único: Não prove nada


Fanfic / Fanfiction Prova de Coragem - Capítulo 1 - Único: Não prove nada

Eu gostaria de entender o que deu em mim naquele dia para inventar uma coisa dessas.

Não sou o tipo de cara que gostava de grandes emoções ou aventuras, então por que inventei aquela maldita aposta?

Fácil, a culpa toda era do Namjoon.

O Kim havia começado tudo aquilo quando disse que eu não teria coragem de confessar meus sentimentos por Hoseok, e adivinhem? Ele estava certo.

Eu não consegui dizer uma palavra para Hoseok só de imaginar a reação deste. Tudo bem, somos amigos desde que nos conhecemos por gente, mas desde que meus sentimentos por ele mudaram, não tinha certeza se ele reagiria bem a isso e até poderíamos nos afastar.

Então por que decidi apostar aquilo? Boa pergunta, até agora estou me perguntando isso também.

A questão era que eu acabei perdendo e agora tinha que pagar o preço pela minha burrice. E como irei fazer isso? Bom, podia dizer que Namjoon era um péssimo amigo e foi muito baixo com o castigo porque agora estávamos bem em frente a ele.

— Sabe, Namjoon, me pergunto porque somos amigos... — sussurrei ao olhar para fora da janela do carro, onde estava uma casa velha e quase caindo aos pedaços.

Aquele lugar era onde eu iria passar a noite, esse era meu castigo, e o pior era que não estava sozinho.

— Eu só não entendo porque eu tenho que ir também. — a voz de Hoseok estava tão baixa que eu quase não a escutei — Quem perdeu essa maldita aposta foi o Yoongi, não é? O que eu tenho a ver com isso?

Ah, sim, havia esse pequeno detalhe.

Hoseok passaria a noite comigo. Não que isso fosse algo totalmente ruim, mas estava longe de ser uma noite que já imaginei para nós dois. Até porquê, o grande problema daquilo tudo era que não se tratava de uma casa comum.

A casa era mal-assombrada.

— Porque você irá acompanha-lo, simples. — respondeu Namjoon no banco da frente do carro — Aliás, já podem descer, melhor vocês irem antes que escureça totalmente.

E mesmo tendo xingado Namjoon de tudo que era nome, Hoseok e eu descemos do carro de Jin e fomos em direção a casa, com nossas mochilas e sacos de dormir. O carro foi se distanciando cada vez mais e eu só queria dar meia volta e ir embora, mas seria covardia demais da minha parte.

Além disso, a casa ficava um pouco longe de onde moro, mas o problema não era a distância e, sim, que não tinha vizinhos por perto dali. Se algo acontecesse conosco, ninguém iria saber a tempo e Hoseok e eu provavelmente acabaríamos mortos.

Assim que chegamos na entrada, Hoseok agarrou meu braço como se fosse sua salvação e eu até reclamaria pela força que ele estava segurando meu braço, mas também estava apavorado.

— Você trouxe tudo o que pedi? — perguntei para Hoseok e vi o moreno confirmar.

— Sim, também trouxe velas, isqueiro, corda, água benta e até alho! — comentou o Jung e eu o olhei incrédulo.

— Alho? Para que tudo isso, Hoseok?

— Vai saber se algum vampiro aparece ou, sei lá, vai que os espíritos não gostem de alho também. — respondeu ele e eu queria rir de uma situação dessa, mas não conseguia.

— Não existem vampiros, Hobi. — revirei os olhos e olhei para a grande porta na minha frente — Talvez uns ratos ou baratas sim, mas não vampiros.

— Não fala isso nem de brincadeira, Yoongi, odeio ratos. — Hoseok faz uma careta de desgosto.

— Melhor isso que espíritos. Vamos logo nos preparar para dormir antes que escureça.

E assim que abri a porta, só escutei os rangidos da mesma. Aquilo era horripilante, mas com certeza coisas piores iriam acontecer ali. Depois de entrarmos, Hoseok olhou ao redor e sua expressão só piorava cada vez que andávamos pela aquela casa empoeirada e quebrada. O piso de madeira rangia a cada passo que nós dávamos e eu quase achei que fossemos afundar no chão.

Alguém me lembre de matar o Namjoon caso saísse dessa vivo.

— Onde vamos dormir? — perguntou o Jung e eu olhei ao redor, notando as escadas quase inteiramente quebradas daquele lugar.

— Acho melhor dormirmos em algum lugar por aqui, não parece uma boa ideia subir essas escadas... — e Hoseok balançou a cabeça, concordando.

— Eu ainda não entendi porque eu tinha que vim com você... — sussurrou ele e eu engoli em seco — Quer dizer, não que eu ache que você devia vim sozinho para um lugar como esse, não é isso, mas porque eu, hyung?

Se tivesse luz naquele lugar, com certeza Hoseok poderia ver o quão vermelho eu estava.

Eu não concordei muito de Hobi vim para cá comigo, aceitaria qualquer outra pessoa do nosso grupo de amigos, mas Namjoon enfatizou que isso era minha punição por ser covarde com meus sentimentos.

Ótimo, como se passar a noite com Hoseok não fosse assustador demais também.

— Eu não faço ideia, Hoseok. — desconversei, até preferia contar a verdade, mas não naquele lugar, não naquela hora.

Hoseok não comentou mais sobre o assunto e eu agradeci mentalmente por isso. Era estranho demais admitir para mim mesmo que gostava do meu melhor amigo, imagine dizer isso para ele? E o pior de tudo era o medo de ser rejeitado e nossa amizade acabar. Eu nunca estaria preparado para perder Hoseok, preferia sermos amigos que sermos dois estranhos.

Caminhamos mais um pouco e encontramos o cômodo que estava mais razoável para esticar os sacos de dormir, já que o chão estava quase completamente danificado. Hoseok pegou suas coisas e eu abri minha mochila também, tirando a lanterna para usarmos a noite.

Assim que nosso canto estava pronto, decidimos espalharmos algumas velhas pelo cômodo para não ficarmos no total escuro. Hoseok nem pensou duas vezes e distribuiu as velas por todo o espaço da casa. Às vezes me perguntava como posso ter gostado de alguém mais medroso que eu, mas fazer o quê, certo?

— Acho que já está bom, Hobi. — comentei assim que acendi todas as velas espalhadas pela sala e Hoseok respirou fundo, aliviado.

— Eu não aguentaria ficar no escuro, ainda bem que trouxe essas velas.

Revirei os olhos.

– Claro que não, você é tão medroso...

— E você é corajoso agora? — perguntou Hoseok, se dirigindo a mim em tom de deboche.

E acabei me lembrando do motivo de estarmos ali.

— L-Lógico que sou. — respondi, mesmo que seja mentira. Eu era tão medroso quanto ele.

Mas, de repente, ouvimos um som estranho vindo bem atrás de nós, parecia madeira rangendo, como se alguém estivesse ali. Nem precisou dizer o que aconteceu depois, certo? Hoseok pulou do lugar e deu um grito nada másculo, não que eu não tenha feito o mesmo, pois logo nós dois estávamos abraçados, tremendo de medo.

— O que foi isso? — perguntou o Jung e eu neguei com a cabeça.

— Não faço ideia.

— Eu ‘tô com medo, Yoon... — e era nesses momentos que eu odiava quando Hoseok era dengoso demais.

— Está tudo bem, acho que foi só o vento. — tentei tranquilizá-lo com isso, mas nem eu tinha certeza que foi só o vento.

Depois disso, Hoseok se separou de mim e eu não sabia se ficava triste ou feliz por isso. Voltamos a nos preparar para dormir, mas tinha um detalhe bem importante que precisava ser feito: trocarmos de roupa. Eu não queria sair dali para poder me vestir e duvidava que Hoseok também iria fazer isso.

— Hyung, você se importa se eu me trocasse aqui? — perguntou ele e eu neguei com a cabeça — Pode virar de costas se quiser.

— Hoseok, não precisa disso, nós somos amigos, lembra? — ok, talvez não tão amigos assim por minha parte, mas ainda éramos amigos, infelizmente.

Hoseok pareceu incomodado com o que eu disse, mas não dissera nada, apenas fez o que pedi e jurei que preferi nunca ter deixado isso acontecer. Primeiro, o Jung tirou sua camisa, jogando a mesma no chão com raiva, mas o movimento que ele fez só o tornou mais sexy na minha visão. Depois ele vestiu uma camisa mais folgada, porém, foi quando ele tirou as calças que tive quase um infarto. Suas coxas durinhas e perfeitas estavam amostra para mim. Hoseok estava perfeito só de camisa e cueca, parecendo que estava fazendo aquilo só para me provocar. Porém, tudo que é bom dura pouquíssimo tempo e logo o Jung colocou um short, cobrindo suas deliciosas coxas.

Porra, estou fodido.

— Pode se trocar, hyung. — fui acordado de meus pensamentos com a voz grave e um tanto estranha de Hoseok.

— Tudo bem... — murmurei, ainda em choque pelo que acabei de presenciar.

Não tive a mesma atenção que dei a Hoseok quando me vesti e não sabia dizer se fiquei chateado ou aliviado com isso, até porque eu não era tão bonito quanto o Jung. Mas parecia que Hoseok estava mesmo incomodado com algo e eu não sabia dizer o que era. Assim que terminei de me vestir, Hoseok já se encontrava dentro do seu saco de dormir, olhando para o teto, pensativo.

— Hoseok? — o chamei, mas o mesmo não me deu atenção — Hobi, o que você tem?

— Nada. — respondeu o mais novo e eu revirei os olhos.

Criança difícil.

— Qual é, Hoseok, eu sei que é alguma coisa. — insisti, mesmo que minha vontade fosse de beijar aquele bico fofo que Hoseok tinha nos lábios agora.

— Só estou cansado, hyung, vamos dormir... — murmurou ele e suspirei.

Mesmo não querendo, decidi melhor deixar para lá. Só que outra vez escutamos um barulho estranho e pareciam ser passos mesmo, porém, mais próximos dessa vez. Me sobressaltei do saco de dormir e Hoseok também, olhamos um para o outro com cara de apavorados.

— Você ouviu? — perguntei e o Jung concordou.

— Veio do outro lado da sala, não foi? — concordei com o mais novo e engoli em seco.

— Vamos ver o que é...

— Ficou louco, hyung? — disse Hoseok e eu dei de ombros.

— Pode ser apenas algum rato ou até mesmo um gato, a casa está abandonada há anos, Hobi.

— Ou talvez seja um fantasma. — sugeriu Hoseok — Não vamos a lugar nenhum.

— Para de ser medroso, Hoseok.

E de repente, o Jung ficou vermelho e jurei que ele explodiria a qualquer minuto.

— Ok, Yoongi, eu vou ver o que é isso. — e Hoseok se levantou e pegou o celular, mexeu no aparelho e até fiquei surpreso com sua determinação, porém, quando achei que nada me surpreenderia, ouvi uma música estranha vindo do celular do moreno.

Aquilo era música religiosa?

Do nada Hoseok estava cantando a música que vinha do seu celular e caminhava em direção ao som que ouvimos antes. Só fiquei sentado ali, chocado com o que via. O Jung parecia estar mais rezando que cantando a música em si e caminhava a passos lentos.

Podem me chamar do que quiser, mas não aguentei ver uma cena dessas. Acabei rindo de Hoseok, rindo de verdade, mais alto do que imaginei rir em toda minha vida. Hoseok me olhou abismado, como se fosse um crime o que eu estava fazendo e talvez fosse mesmo.

— Está rindo de mim? — perguntou ele e eu só soube rir mais — Você não presta, sabia?

— M-Me desculpa... — pedi enquanto ria ainda mais da situação — Mas isso foi engraçado.

— Engraçado será você no caixão, Min Yoongi, porque eu vou te mat... — porém, a voz de Hoseok sumiu e outro barulho foi feito, dessa vez por uma porta. Hoseok gritou novamente e eu o acompanhei, claro, porque toda desgraça nunca vem só e dessa vez o medo foi maior que anteriormente — O que foi isso, Yoongi? — perguntou o Jung assim que se aproximou de mim novamente e me abraçou.

— Não sei, mas tem alguma coisa errada. — o abracei também, não pelo medo que sentia, mas também para confortá-lo — Vamos ver o que é isso.

— Yoongi, vamos embora, por favor. — pediu Hoseok e talvez ele tivesse razão nisso.

— Ok, acho melhor irmos mesmo. Onde está seu celular? — perguntei e Hoseok franze o cenho, não encontrando o celular em suas mãos.

— Ele caiu no chão... — porém, assim que olhamos para onde Hoseok estava com o celular, não havia nada ali — Meu celular sumiu, hyung!

Agora eu estava com medo.

— Calma, eu tenho meu celular. — peguei minha mochila e não achei o aparelho em lugar nenhum — Meu celular sumiu também...

— Estamos mortos. — sussurrou o Jung.

Porém, outros barulhos foram feitos e podia jurar que quase caguei nas calças, pois eram mais altos e pareciam vim de todas as direções. Hoseok não ficou diferente de mim, já que estava mais pálido que eu. Nos entreolhamos e só fizemos a única coisa mais racional possível: nos escondermos no saco de dormir.

Hoseok foi o primeiro a entrar em seu saco de dormir e eu logo em seguida, quase não sobrando espaço para nós dois ali.

— Estou com medo, hyung... — murmurou Hoseok, me abraçando fortemente e eu não recusei seu abraço por nada naquele mundo.

— Eu também.

— Se morrermos hoje, posso dizer uma coisa? — perguntou ele, apenas confirmei com a cabeça — Eu sempre amei você, hyung.

Espera.

Travei meu corpo inteiro ao ouvir aquilo.

Olhei para Hoseok e este me encarava também, não parecia estar brincando ou fazendo alguma piada, mas parte de mim achava que aquilo fosse realmente uma brincadeira.

— Hoseok, não brinque comigo...

— É sério, Yoongi. — e de repente Hoseok ficou sério, seus olhos transmitiam uma confiança invejável — Eu sempre te amei, mesmo que você me visse só como amigo, mas eu amo você, hyung...

— Hoseok...

— Espera, eu não terminei! E também eu sei que você provavelmente irá querer acabar com nossa amizade, mas...

— Hoseok...

— Espera! Mas eu estou disposto a esquecer esse sentimento porque não quer perder você e...

— Hobi! — gritei sem mais paciência de esperar Hoseok me escutar — Eu também amo você!

— FINALMENTE!

Uma voz do além disse e Hoseok e eu nos entreolhamos, confusos. Aquela voz era estranhamente familiar e só então percebemos que não estávamos sozinhos naquela bendita casa. Não foi preciso muito para descobrirmos quem era o responsável por aquilo. Logo em seguida, Namjoon apareceu do nada na nossa frente e eu fiquei ainda mais confuso.

— O que está fazendo aqui? — perguntei e logo vi que o Kim não estava sozinho, na verdade, estava muito bem acompanhado de todos os nossos amigos e, quando digo que era de todos, são todos mesmo.

Jin, Jimin, Taehyung e Jungkook estavam lá também.

— Bom, estávamos aqui para fazer vocês dois se confessarem logo, pelo visto, deu certo. — respondeu Namjoon e logo as coisas se encaixaram na minha cabeça.

— Seu filho da... — me levantei em um pulo assim que a raiva tomou conta de mim — Eu vou te matar, Kim Namjoon!

E depois de correr atrás do Kim e lhe dar uns bons tapas até ele dizer chega, fomos todos para casa. Hoseok não falou mais nada depois disso e eu comecei a pensar que realmente aquilo não aconteceu, mas assim que cheguei em casa, recebi uma mensagem no meu celular recuperado que estava com os meninos.

Hobi: Vamos nos encontrar? Quero te ver.

Sem perceber, estava sorrindo para aquilo.

Yoongi: Claro. Onde quer ir?

Hobi: Abra a porta e irá descobrir.

Arregalei os olhos ao ler aquilo e vou correndo para a porta, a abrindo e revelando um Hoseok com uma mochila nas costas.

— Preciso dormir com uma pessoa que perdeu uma aposta hoje. — revelou o Jung e eu sorri, dando passagem para ele.

Hoseok sorriu para mim também e entrou em minha casa. Teríamos uma noite só para nós e sem nada para nos atrapalhar.

Acho que só ganhamos com essa aposta perdida.

 

 


Notas Finais


Primeiramente eu queria agradecer a @taehywmg por betar essa fanfic, como sempre me agrada ainda mais seu trabalho, muito obrigada, flor ♡ e segundo, também agradecer a @Lunybae pela capa e banner incríveis, eu tô muito apaixonada ♡

Essa era a segunda fic que havia escrito, então ela nunca foi postada nem no próprio projeto~

Espero que tenham gostado, viu? Obrigada por lerem até aqui ♡

Beijinhos ♡♡♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...