1. Spirit Fanfics >
  2. Recomeço >
  3. Capítulo 52

História Recomeço - Capítulo 52


Escrita por:


Capítulo 52 - Capítulo 52


 


 

Uma das melhores sensações que existe é você acordar ao lado da mulher que ama. Admirá-la enquanto a vê dormindo. Senti-la em cima seu corpo, abraçando-lhe forte parecendo temer que você saia cama antes dela acordar.
Era a manhã de sábado quando Raquel despertou tendo uma visão maravilhosa. Sófia estava nua sobre seu corpo, com os cabelos bagunçados e com uma feição serena.
Sendo presenteada com isso, Raquel sorriu. Não conseguiu desfazer este sorriso. Estava no lugar que sempre havia desejado estar, com a mulher que amava e que ela tinha certeza que passaria o resto de seus dias ao seu lado.
— Faz tempo que está me observando? — Sófia perguntou baixinho ao acomodar melhor a sua cabeça para poder observar Raquel que já estava a presenteando com um sorriso de bom dia.
— Não, acordei a pouco... Estava pensando no quanto você é linda.
— Que nada, eu devo estar horrível — Tentou de em vão agitar os fios de seu cabelo fazendo Raquel sorri — E você ainda ri.
— Ah, amor, você tá linda, para! — Segurou a mão de Sófia e a olhou nos olhos — Eu te amo, minha noite foi maravilhosa contigo.
— Digo o mesmo — moveu o seu corpo para que pudesse alcançar os lábios de Raquel com os seus — Eu te amo, meu amor, e nunca mais quero ficar longe de você.
— E nunca mais iremos ficar longe da outra — Raquel pousou uma de suas mãos na face de Sófia para puxá-la para um beijo.
Enquanto se beijavam, elas sentiam os seus corações se aquecerem. Parecia que tudo ao redor passou a não existir, pois elas ignoraram a tudo.
Naquela cama só existia as duas e era dessa forma que elas passaram a ver o mundo. Só existiriam a duas e não importariam mais com o que pudesse acontecer, pois elas lutariam para continuar assim, as duas juntas e ainda mais unidas.
As mãos de Raquel acariciavam o corpo loiro por cima do lençol que as cobria. Enquanto fazia isso, Raquel começou a sentir Sófia unindo os seus sexos e movendo devagar sua cintura.
Tudo era de forma lenta, pois elas sabiam que agora tinham todo o tempo do mundo para aproveitar a companhia da outra.
Enquanto trocava um beijo apaixonado com Sófia, Raquel passava a ter ainda mais certeza de que havia feito a escolha certa, Sófia.
As suas mãos faziam carícias em Sófia que se mantinha movimentando devagar. De repente, Sófia cessou o beijo e apoiou os seus braços na cama.
Começaram a trocar olhares intensos. Parecia que elas não queriam perder o contato de seus olhos. Nenhuma palavra era dita, não eram necessárias, pois sabiam exatamente o que a outra sentia, compartilhavam do mesmo sentimento.
 Enquanto Sófia procurava juntar mais os seus sexos, Raquel pousou a as mãos na cintura da loira a pressionando. Guiava os movimentos de sua amada sobre o seu corpo.
Não havia uma música para acompanhar o momento das duas, mas os seus corações batiam no ritmo do amor que estavam fazendo.
Gemidos baixos eram trocados, Raquel abriu ainda mais as pernas para Sófia acomodar melhor o seu corpo. De repente, Sófia intensificou os seus movimentos e as duas começaram a gemer de forma mais intensa.
Quanto mais Sófia sentia Raquel molhada, mais ela ficava excitada. Passou a não se importar com mais nada, gemia alto e a morena parecia se deliciar com isso.
Não demorou muito e as duas gozaram juntas. Sófia ainda se movimentou um pouco sobre o sexo de Raquel para sentir os seus líquidos quentes se misturando e depois pousou a sua cabeça sobre o peito da morena para ouvir os batimentos da amada.
— Você podia dormir sempre comigo — Sófia comentou, pois não queria mais se afastar da morena. Já queria dividir seus dias com a engenheira.
— Vamos anotar isso no nosso caderninho de desejos — Raquel disse mantando os seus olhos fechados. Aquilo que estava vivendo com Sófia parecia um sonho, pois era tudo maravilhoso.
— Ah... Podíamos logo tornar realidade — Sófia olhou para a feição serena de Raquel e sorriu — Que tal vir morar comigo?
— Morar?
— Sim, eu não quero mais ficar sem você e já temos certeza de nosso amor. Eu sei que possa parecer cedo, mas quero morar com você... compartilhar os meus dias contigo e também, eu tenho certeza que dois peludos vão amar isso.
— Ah... eu tenho certeza, são dois interesseiros.
— Sim, mas não podemos nos esquecer que eles nos juntaram — Sófia disse e as duas passaram a rir.
— Querendo ou não, eles são os nosso cúpidos — Raquel começou a fazer carinho no corpo de Sófia — Eu sei que está bom, mas acho que preciso ir para casa. Não era para eu ter dormido aqui... Norma deve estar lá em casa me esperando.
— Ah... amor, combinamos de passar o final de semana juntas — Sófia abraçou o corpo de Raquel forte, pois não queria deixa-la partir.
Raquel sorriu.
— E vamos passar o final de semana juntas, mas preciso ir em casa, pegar minhas coisas e trazer Nino. Norma deve estar furiosa, pois não dei sinal de vida... ela não está preocupada, pois sabe onde estou e até imagina o que eu esteja fazendo.
— A Norma é uma grande amiga. Ela me ajudou bastante a não desistir de você.
— Sim, ela é uma grande amiga — Raquel lembrou-se de algo — Ah... e você não sabe da nova. Norma e Laura estão se conhecendo.
— Laura?! Aquela mulher que estava querendo te roubar? — Disse com certo desagrado, mas tinha que confessar que Laura havia a ajudado muito.
— Bom... essa mesma — Raquel ficou um pouco sem graça, pois quando se separou de Sófia havia feito muitas besteiras. Havia lutado em vão tentando esquecer a mulher que amava.
— Eu poderia não querer mais saber dessa mulher, mas ela que me ajudou a ficar contigo. Eu devo muito a ela por isso, pois me ajudou a reconquistar o meu grande amor.
— Desde o começo, ela sempre pediu para eu conversar contigo, mas sempre fui muito cabeça dura — Deu uma pausa — Eu quero muito que dê certo entre ela e Norma, só que, Norma nunca ficou com uma mulher... isso é algo muito novo para ela — Começou a fazer carinho nos fios loiros de Sófia.
—Eu também nunca havia ficado com uma mulher antes de você aparecer. Eu senti muitas dúvidas quando passei a perceber que gostava de você, mas estou aqui contigo... e estou amando tudo... tudo mesmo — Passou a tocar Raquel de uma forma mais íntima e sorriu quando   a respiração da morena passou a ficar mais pesada.
 
_*_
Já passava das 10 horas da manhã quando Raquel chegou em casa.
— Tá vendo, Nino, agora que ela foi lembrar que tem família — Norma, que estava sentada no sofá, disse ao ver o cachorro abraçando a sua dona.
— Eu tenho justificativas para o meu atraso de mais de 12 horas — Raquel se jogou no sofá e deitou pousando a cabeça no colo da amiga.
— Estava transando.
— Não, minha amiga, eu estava fazendo amor... muito amor — Riram e Norma deu um tapa leve no ombro de Raquel.
— Só não liguei para a polícia, pois sabia onde você estava. Raquel, da próxima vez, pelo menos, olhe o celular... eu te liguei várias vezes.
— Ah... foi mesmo — Pegou o celular do bolso da calça e viu as ligações perdidas de Norma — Eu não tive tempo... a gente...
— Por favor, eu não quero detalhes — Norma a interrompeu.
Raquel sorriu.
— Por que você não chamou a Laura para te ajudar a cuidar de Nino?
— Desde quando Nino precisa de duas babás? — Norma perguntou desconfiada.
— Bom... desde que a babá preferida e única dele está precisando de um empurrãozinho.
— Raquel, por favor, ainda estamos conversando. Precisamos ver se combinamos... — Norma começou a fazer um grande discurso sobre não querer confusão para o lado dela. Que não era assim, ela não iria se envolver com qualquer pessoa. Estava solteira, mas não desesperada.
— Mas sabe, Norma, mesmo vocês não namorando, você não acha que está precisando de uma companhia? — Raquel disse, pois achava sua amiga sozinha. Não saia. Só vivia em função do trabalho, dela e de Nino — Acho que você precisa começar a pensar em você minha amiga.
— Quer dizer que agora que está com a Sófia, você está me dispensando? — Norma perguntou divertida.
— Claro que não, você sempre será minha grande amiga. Tenho certeza que você sempre vai estar ao meu lado... precisando ou não, mas... bom...Acho que chegou a hora de eu me preocupar com você — Sentou-se no sofá — Já que Nino e eu vamos passar um final de semana maravilhoso na casa de Sófia, que tal você chamar a Laura para fazer o mesmo?
— Raquel...
— Tenta vai — Pegou o celular de Norma que estava sobre a mesa de centro — Mande uma mensagem para ela. Convide-a para sair... ou... hum... leve-a em sua casa.
— Você acha que é uma boa ideia? — Norma começou a olhar para o aparelho em suas mãos.
— Se você não tentar, não vai saber, minha querida — Levou os seus lábios para de encontro a testa de Norma — Vou arrumar as minhas coisas e as de Nino e quando eu voltar, quero que essa mensagem já tenha sido enviada.
— Vai lá — Enquanto Raquel se distanciava, Norma procurava em seu whatsapp o nome de Laura na lista de contatos. Ao achar, abriu a imagem que estava no perfil e suspirou. A médica era muito bonita e tinha um sorriso perfeito. Dando conta disso, lembrou-se do almoço das duas, de como a conversa entre elas havia sido agradável. Não tinham tudo em comum, mas as suas diferenças era o que causava interesse na outra.
“Bom dia, Laura!
Não sei se você tem algo planejado para hoje, mas gostaria de te convidar para passar o sábado comigo... em minha casa. Você aceita?”
Enviou e desviou rápido o olhar da tela do celular. Temia a possível resposta da médica.
Não querendo pensar em um possível arrependimento, colocou o celular ao lado e respirou fundo. Seu coração estava batendo rápido, isto demonstrava o seu nervosismo.
O aparelho vibrou...
Era a resposta de Laura.
Sem pensar duas vezes, Norma pegou o aparelho e leu a resposta tão depressa que parecia que dependesse disso para respirar.
“Bom dia, meu bem!
Hum... quer me levar para conhecer sua casa?”
Norma mordeu levemente seus lábios.
“Imaginei que você quisesse conhecer. Você topa?”
            Mandou e a resposta de Laura foi imediata.
            “Claro que eu aceito. Passe o endereço, vou sair da clínica e já passo aí.”
            Norma com essa resposta ficou um pouco pensativa. Por que ela não fazia como Raquel? Mal conhecia Laura, mas estava disposta a se permitir... deixar as coisas acontecerem.
            “Ei, traga roupas... Se eu gostar, você pode ficar para o domingo.”
            Colocou o seu celular ao lado novamente. Estava com muita vergonha do que acabara de dizer. Ao pensar nisso, Norma estranhou, era uma mulher feita, mas naquele momento parecia uma adolescente boba com a sua primeira paquera.
            A resposta veio rápido e Norma nem pensou para pegar o celular.
            “Hummm... claro que levarei e farei de tudo para você gostar. Farei de tudo para fazer morada nesse seu coraçãozinho aí.”
            Norma leu e começou a rir... ria sem parar... e nem fazia ideia do motivo. Só sabia que não conseguia mais desfazer aquele sorriso.
            — É assim que tudo começa — Raquel disse em meio a risos ao notar que Norma estava toda boba na sala — Como você me disse uma vez: Agora só falta transar — Disse e levou uma bela de uma almofada na cara.
           
           
 
 
 
 
 
 
 

Notas Finais


Olá,
O que acharam dos capítulos?
Espero que tenham gostado.
Beijinhos^^
Van^^
Instagram: @autoravanrodrigues


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...